Newsmax: “Aumento Dos Suicídios Após Robin Williams Assinala A Necessidade De Uma Revolução Na Mídia”

O maior portal Newsmax publicou meu novo artigoAumento Dos Suicídios Após Robin Williams Assinala A Necessidade De Uma Revolução Na Mídia

Nova pesquisa descobriu que, nos cinco meses após o comediante Robin Williams ter cometido suicídio, houve um aumento dramático de quase 10% nas taxas de suicídio em todos os EUA, e teve muito a ver com a forma como a mídia comunicou o suicídio ao público.

Durante vários meses, os principais boletins de notícias descreveram ou especularam repetidamente sobre o método do suicídio e o local do suicídio com todos os detalhes viscerais, indo contra os padrões básicos estabelecidos pela Organização Mundial da Saúde sobre a forma como os meios de comunicação devem cobrir os suicídios.

As diretrizes de relatório para suicídios de celebridades não foram estabelecidas arbitrariamente. Estudos anteriores já documentaram o aumento paralelo entre as taxas de suicídio e a cobertura de suicídio na mídia e apontaram o risco de reforçar as tendências suicidas por meio da comunicação social.

Nós também sabemos que orientar a mídia sobre como cobrir suicídios tem um impacto. Por exemplo, o suicídio do popular rock star Kurt Cobain em 1994 teve muito pouco impacto nos suicídios na área de Seattle onde ele morava, com a mídia sendo restrita em sua cobertura e acompanhando-a com mensagens de prevenção de suicídios. Em contraste, o suicídio de Marilyn Monroe em 1962 foi amplamente coberto e foi seguido por um aumento de 10-12 por cento nas taxas de suicídio.

Então, se tanto a história como a ciência estão pintando um risco tão evidente para a saúde pública, o que orienta a mídia a agir de outra forma?

A resposta deve ser fácil de ver: os meios de comunicação são guiados por uma coisa, que é a classificação (rating), porque as classificações significam dinheiro. Simples assim.

É por isso que as primeiras páginas e os programas de notícias tornaram sua cobertura tão sensacionalista quanto possível no caso de Robin Williams, com alguns até retratando uma versão glorificada do que aconteceu. Contanto que possam ganhar mais pontos em sua batalha por nossa atenção, eles farão isso.

Infelizmente, aqueles que carregam tendências suicidas, aqueles que não são tão emocionalmente resistentes quanto o resto de nós, são os primeiros a sofrer as consequências. Mas não são apenas eles, porque estamos todos presos dentro de um círculo vicioso: as manchetes estão se tornando mais obscenas, enquanto nos tornamos cada vez mais inconscientes, o que, por sua vez, leva os produtores a criar ainda mais sensacionalismo e a bola de neve continua a rolar colina abaixo.

Robin Williams Não Era O Único Com A Personalidade Dividida

Os meios de comunicação não são responsáveis ​​por ninguém, além de seus acionistas. Enquanto isso continuar a ser a realidade, o ciclo vicioso continuará a subir. Se quisermos tornar a saúde pública uma prioridade real, os meios de comunicação devem ser obrigados por lei a trabalhar em conjunto com psicólogos, sociólogos e especialistas em saúde pública quando se trata de cobrir eventos dessa natureza.

Mas há ainda mais lições para aprender com o caso Robin Williams. Como o próprio Williams, muitas pessoas hoje levam uma vida dupla, parecendo rir do lado de fora enquanto choram por dentro. Nós construímos uma indústria de distração em expansão para nos manter continuamente entretidos, enquanto a depressão se tornou a principal causa de doença e incapacidade, e é o diagnóstico mais comumente associado ao suicídio.

As mídias sociais estão encorajando e cultivando nossa “personalidade dividida” como nunca antes. Nós podemos esconder sentimentos obscuros e sombrios por trás de fotos coloridas com filtros brilhantes. Podemos ter mil amigos no Facebook, mas ninguém com quem não conversar, milhares de contatos, mas ninguém com quem se conectar.

Novos Canais De Mídia Deverão Surgir

A mídia é o nosso ambiente comum mais amplo, e é especialmente assim na era digital. Mais cedo ou mais tarde, teremos que ver a necessidade de torná-la um ambiente saudável para nós e para os nossos filhos.

Mas uma mudança não pode acontecer antes de reconhecermos quão maleáveis ​​todos nós somos nas mãos dos canais de mídia que só se preocupam com classificações. Quer queiramos ou não dessa maneira, nossos canais de mídia nos afetam em vários níveis, desde nossas visões de mundo até nossa saúde e bem-estar.

Quando chegarmos a essa realização, canais de mídia completamente novos e responsáveis ​​perante as pessoas deverão surgir. Serão canais que reconhecem o papel e a responsabilidade da mídia na saúde pública, na manutenção de um espírito equilibrado na sociedade e não no sensacionalismo e, o mais importante, em contribuir para a unidade social e não a divisão.

A Internet já pode fornecer a infraestrutura técnica para uma revolução da mídia, mas o impulso das pessoas deve vir em primeiro lugar.

Comente