O Fenômeno Bitcoin

Chegará o dia em que, em virtude de uma nova qualidade de interconexão entre nós, surgirá uma nova “moeda”.

Abaixo está um gráfico de sete anos que mostra a taxa de câmbio Bitcoin-USD, com um aumento sem precedentes em 2017 (Buy Bitcoin Worldwide).

Impressionante, não é?

Obviamente, não sou analista de mercado ou especialista em criptografia. No entanto, a Bitcoin certamente não é apenas um fenômeno financeiro. Baseia-se na tentativa de criar um tipo completamente novo de valor universal.

Parece que não há nada que respalde a “moeda virtual” exceto algoritmos criptográficos. No entanto, não é motivo de risada. Afinal, a criptografia destina-se a fornecer confiabilidade e confiança, o que já é valioso em si mesmo. É como se os criadores da nova moeda declarassem: a natureza humana com sua “bagagem” não tem acesso ao nosso território.

O sistema financeiro moderno não pode se vangloriar de ter esse recurso; o dinheiro é produzido pelos bancos e é um fator das influências políticas e econômicas de países e organizações específicos. Em outras palavras, o “antigo” dinheiro serve a interesses muito específicos.

Por outro lado, bem diante dos nossos olhos, uma nova moeda, extra-governamental, extra-histórica, está nascendo, afirmando tornar-se um equivalente universal e absoluto, e até mesmo expulsando o ouro da sua posição imutável.

Ela está nascendo porque a necessidade dela está madura. Afinal, a globalização, que muitas pessoas criticam, é realmente um fenômeno natural. Ela reflete o estado atual da humanidade, que já se reuniu em um todo tecnologicamente, mas ainda não aceitou esse fato psicologicamente.

É por isso que ainda não entendemos como usar a criptomoeda, como integrá-la ao sistema e como ela mais tarde nos influenciará, aqueles que a criaram. No entanto, isso não altera sua essência: o mundo global está exigindo um equivalente monetário global que não depende de “circunstâncias” e interesses locais, subjetivos.

Por outro lado, se tratarmos essa novidade como nos velhos tempos, com os meios tradicionais, ela perderá seu “charme” – seu valor objetivo como visto pelo público. Sim, no início da estrada, a Bitcoin tornou-se um meio conveniente para negócios no mercado negro, que encontrou um caminho aqui, mas a “máfia financeira” completamente legal vai acabar com ela e vai encontrar uma maneira de assegurar um controle sobre a nova moeda.

Será que os jogadores ilegais poderão preservar a liberdade da criptografia? De um jeito ou de outro, seu futuro depende disso. Há chances de que isso aconteça, já que os governos e os bancos também estão conectados à “máfia financeira”.

No entanto, se nos elevarmos acima do barulho atual em torno da Bitcoin, veremos como o egoísmo em uma escala global está gradualmente construindo os respectivos sistemas globais para si mesmo, e de uma maneira que não lhes atribua ideais e ideologias artificiais.

Não há “bem” ou “mal” aqui, mas apenas negócios na forma pura. E que diferença faz se a confiança recíproca das partes é provida por cálculos de computadores virtuais? Pelo contrário, isso a torna ainda melhor; haverá menos erros nos cálculos.

Acontece que estamos falando de tendências globais e, na maioria das vezes, não faz sentido resistir a elas.

Além disso, no futuro, nós desenvolveremos parâmetros universais adicionais, mas de natureza social. Chegará o dia em que, em virtude de uma nova qualidade de interconexão entre nós, surgirá uma nova “moeda”: a avaliação social, expressada por um equivalente claro que qualquer um pode entender.

As pessoas também poderão acumulá-la, mas não vendê-la ou comprá-la. É mais provável que tenha uma natureza comparativa do que um valor completamente real.

Afinal, a sociedade, especialmente uma que seja global, não pode ser baseada apenas no egoísmo nu. Claro, ela é racional à sua maneira, mas, quando deixada com seus próprios dispositivos, isso leva a um ponto morto. O aspecto social no homem e na sociedade deve dominar o foco pessoal, de modo que o todo não se desintegre em pedaços.

Estes são os paradigmas de um novo tempo, cuja essência não é uma moeda única, mas novas relações entre pessoas em um mundo unido e moderno.

Comente