Newsmax: “O Motivo Desconhecido De Paddock, Mas O Motivo Da Violência Está Em Todo O Lado”

O maior portal Newsmax publicou meu novo artigo “O Motivo Desconhecido De Paddock, Mas O Motivo Da Violência Está Em Todo O Lado

Como esperado, o massacre de Las Vegas reabasteceu o debate de controle de armas na América. Mas ninguém parece considerar um debate muito mais amplo sobre a reprodução da violência em curso nos EUA.

“Ainda não temos um motivo claro ou razão disso”, diz o Xerife Kevin McMahill, do Departamento de Polícia Metropolitana de Las Vegas, cerca de uma semana após o massacre. Mas não são apenas detetives policiais que estão procurando arduamente por respostas, mas sim todos.

A resposta padrão que vem à mente é que Stephen Paddock, um homem branco de 64 anos sem registro criminal, era algum tipo de psicopata. Um louco. Uma dessas pessoas profundamente perturbadas cujas ações sem sentido podem nunca ser totalmente compreendidas.

Mas há um problema com essa resposta. Ela molda Paddock e tudo sobre ele como um estranho, o separa de nossos valores sociais e rejeita qualquer associação de sua imagem com nossa cultura. E, ao fazer isso, impede-nos de darmos uma boa olhada no espelho como uma sociedade.

Paddock podia muito bem ter sido um psicopata, e alguns até sugerem que os genes criminosos de seu pai desempenharam um papel. Mas Paddock também foi uma réplica do horrível cenário que se repete na América, uma e outra vez. Ele conseguiu deixar uma cicatriz dolorosa na memória coletiva dos Estados Unidos como o atirador de massa mais mortal na história dos EUA, mas percebemos que houve outros seis tiroteios em massa na América na semana passada?

Ampliando a Discussão

É espantoso descobrir que um tiroteio em massa, definido como pelo menos 4 pessoas atingidas em um único incidente, acontece na América a cada 9 em 10 dias em média (!). Mais de 30 mil pessoas morrem todos os anos de incidentes relacionados a armas nos EUA – mais do que HIV, desnutrição e incêndios, para citar alguns. Nenhum outro país do mundo desenvolvido chega perto desses números. Além disso, os sociólogos da Universidade de Yale mostraram que a violência armada é uma epidemia social que se espalha ao longo do tempo.

Mas ainda mais revelador é o fato de que as taxas gerais de morte por assalto – incluindo, mas não limitado a uso de armas – revelam uma imagem semelhante: os EUA são significativamente e consistentemente mais violentos do que outros países da OCDE desde a década de 1960. Com isso em mente, o que devemos debater é uma epidemia social de violência, das quais as armas são simplesmente a expressão pior e mais prejudicial.

Portanto, em vez de limitar a discussão ao motivo de Paddock e ao debate sobre controle de armas, eu acredito que os americanos devem expandir o discurso público para se questionar: o que continua alimentando as taxas de violência extremamente elevadas dos Estados Unidos?

Como Algo Tirado De Um Filme

O agente David Newton, do Departamento de Polícia de Las Vegas, disse aos “60 Minutos” da CBS que entrar no quarto do hotel de Paddock e encontrar seu corpo ao lado de seu arsenal de armas foi algo “tirado de um filme”. Newton, sem perceber, apontou para uma das principais variáveis ​​que geralmente são excluídas da equação que explica os níveis extremos de violência na América – as inúmeras visualizações de violência vistas pelo povo americano.

Com programas de televisão que exibem 812 atos violentos por hora, o americano típico assistirá 200 mil atos de violência, incluindo 16 mil assassinatos, antes de completar 18 anos. E isso apenas na televisão. Quando tira um momento para considerar o impacto que isso tem em nosso clima social, será que é realmente surpreendente que cenas violentas semelhantes estejam se desenrolando na vida real?

Nós estamos presos em um ciclo vicioso que torna mais fácil ignorar suas consequências psicológicas: os produtores de conteúdo estão levando suas cenas violentas a maiores extremos, dando ao público uma solução maior para mantê-los assistindo. Ao mesmo tempo, os espectadores estão se tornando cada vez mais insensíveis ao que veem. O resultado é uma sociedade cujas atitudes e normas relativas à violência estão atingindo cada vez uma nova baixa.

Gradualmente, nos acostumamos com a aparência contínua de atos extremamente violentos e eles se tornam uma parte “normal” da vida cotidiana.

Todos os dias, a mesma quantidade de pessoas do tiroteio de Las Vegas é morta intencionalmente por armas, mas esses assassinatos não dão manchete. Todos os dias, a violência doméstica leva a vida de quase três mulheres, mas essas mortes não atingem a consciência pública. É preciso um tiroteio em massa de centenas de pessoas ao mesmo tempo do 32º andar para chocar a sociedade.

Criando Sistematicamente A Humanidade Comum

Portanto, independentemente da opinião sobre o controle de armas, se quisermos tratar as tendências violentas na América a partir de suas raízes, temos que lidar com algo muito mais profundo: a cultura que as cria.

Na manhã seguinte ao tiroteio de Las Vegas, o presidente Trump disse: “Conclamamos os vínculos da cidadania, os laços da comunidade e o conforto de nossa humanidade comum. Nossa unidade não pode ser quebrada pelo mal. Nossos vínculos não podem ser quebrados pela violência”.

Toda pessoa sensata concordaria com essa afirmação. Mas para que seu efeito dure mais de um dia, temos que trabalhar consistentemente em nossa unidade para que ela seja mais poderosa do que o nosso mal, que é a erupção potencial do ego humano. E somente se reforçarmos regularmente nossos laços e nossa humanidade comum, a violência entre nós raramente acontecerá.

Os cientistas sociais estabeleceram há muito tempo que somos altamente suscetíveis aos exemplos, normas e valores do nosso ambiente. Devemos abrir os olhos para isso e cultivar um clima social que nutre nossa humanidade comum em uma base diária. Se começarmos a fazer isso de forma sistemática, seguramente veremos uma América muito menos violenta, e poderemos evitar que surja o próximo Paddock.

Comente