Jpost: “Quem É O Soberano No Monte Do Templo?”

The Jerusalem Post publicou meu novo artigo “Quem É O Soberano No Monte do Templo?

Nesta terça-feira, nós vamos marcar o dia 9 de Av, quando o Templo foi destruído. O Templo representa a nossa unidade. Quando restaurarmos a nossa união, não precisamos de tijolos para provar que o nosso lugar está aqui em Israel.

Não é segredo que a campanha de difamação árabe na mídia e os protestos “populares” organizados contra a colocação de detectores de metais nas entradas do Monte do Templo não têm nada a ver com medidas de segurança. Do ponto de vista do Wakf (a organização islâmica que controla e gerencia o Monte do Templo) e o resto do mundo árabe, a resistência aos detectores representa a resistência à soberania de Israel no Monte do Templo em particular, na cidade de Jerusalém, e em todo o Israel. Quanto mais dura for essa campanha, mais os árabes ganharão o apoio do mundo, e Israel será cada vez mais visto como o valentão no bairro.

Até agora, quase ninguém lembra que os detectores foram colocados nas entradas porque três terroristas abriram fogo contra a polícia israelense, matando dois oficiais e ferindo um terceiro. Tudo o que se vê agora é que Israel não está deixando os muçulmanos rezarem em seu local sagrado, quando de fato, as únicas pessoas que mantêm adoradores fora do Monte do Templo são o Wakf, que pede que os adoradores não entrem, em protesto contra a colocação de detectores.

O Templo: a Unidade de Israel

Não só o Wakf se opõe à autoridade de Israel no Monte do Templo. As resoluções da UNESCO que negam a história judaica no Monte do Templo, em Jerusalém e na Caverna dos Patriarcas em Hebron representam a visão do mundo inteiro de que não pertencemos a esse lugar. Se a ONU votasse hoje sobre o estabelecimento de um Estado Judeu, quem votaria “Sim”? Provavelmente nem mesmo os EUA.

Para ser um soberano na terra de Israel, e particularmente no Monte do Templo, você deve entender o que o Templo representa e conduz sua vida de acordo. O livro Netzah Israel (Capítulo 4) escreve: “A Casa foi arruinada devido ao ódio infundado, porque seus corações se dividiram e se separaram, e eram indignos de um Templo, que é a unidade de Israel”.

Se honestamente refletirmos sobre a nossa sociedade, sobre o que projetamos para o mundo, é claro que estamos profundamente divididos e projetamos desunião e discórdia em todos os lugares. O Maharal de Praga escreve em Hidushey Avot (Gittin 55b): “O Templo deve ser a totalidade do mundo inteiro, não de Israel sozinho. …. Uma vez que o Templo é a totalidade do mundo, as nações incluídas, ele não foi arruinado pelas nações, mas apenas pela divisão e o ódio infundado, quando Israel se dividiu”.

Em outras palavras, o Templo não pertence a nenhuma nação ou fé; ele representa a unificação do mundo. Portanto, apenas aqueles que defendem e executam o mérito da unidade estão lá. A palavra hebraica Yehudi (judeu) vem da palavra yihudi, que significa unido (Yaarot Devash, Parte 2, Drush n° 2). Quando nós, judeus, nos unimos “como um homem com um só coração”, esse foi o primeiro e único momento da história quando pessoas de diferentes clãs, muitas vezes rivais, de toda Babilônia e Oriente Próximo se uniram e forjaram uma nação. Nossa unidade, portanto, era um modelo para o mundo inteiro seguir. Como resultado, imediatamente após o estabelecimento de nossa população, fomos ordenados a ser “uma luz para as nações”, para levar nosso método de unidade ao resto da humanidade.

O livro Sefat Emet (Shemot, Yitro) descreve o que significa ser “uma luz para as nações”: “Os filhos de Israel são fiéis na medida em que receberam a Torá [a luz da unidade] para corrigir o mundo inteiro”. Mas se não estamos unidos e, portanto, não projetamos a unidade ao resto do mundo, podemos nos considerar verdadeiramente como “filhos de Israel”? E se não somos verdadeiramente os filhos de Israel, unidos como os filhos de Israel deveriam estar, podemos reivindicar a soberania sobre a terra?

A Insubordinação Conquistou a Cidade, e os Romanos Conquistaram a Insubordinação

O historiador judeu-romano Josephus Flavius ​​viveu na época da ruína e testemunhou muitos dos eventos em primeira mão. Ele escreveu muito claramente sobre as causas da ruína do Templo e do exílio (A Guerra dos Judeus, Livro IV, Capítulo 6): “A insubordinação [entre os judeus] conquistou a cidade, e os romanos conquistaram a insubordinação”. Nos dias do Templo, Flavius ​​detalha: “O atributo que os judeus mais careciam era o da piedade. …. Eles transferiram sua raiva dos vivos para os mortos, e dos mortos para os vivos [de seus próprios povos]. O terror era tão grande que os sobreviventes chamavam os mortos de “felizes”, já que já estavam em repouso. …. Estes homens pisotearam todas as leis dos homens [amor ao próximo], e ridicularizaram as palavras dos profetas. Ainda, esses profetas predizem … que a cidade seja tomada e o santuário queimado pela guerra quando uma insubordinação invade os judeus e sua própria mão deve poluir o Templo. Agora, esses fanáticos … se tornaram instrumentos da realização [das profecias]”.

Quando você pensa no ódio atual entre os dois lados do mapa político em Israel, ou entre os dois lados do mapa político entre os judeus dos EUA, as semelhanças com a inimizade entre nossos antepassados ​​são muito impressionantes para ignorar. “No final do período do Segundo Templo”, escreve o livro Uma Carta de Elijah (Parte 3), “o conflito e o ódio se intensificaram em Israel, e o orgulho era a raiz do desejo de dominação absoluta. Isso os trouxe ao ódio de seus companheiros até que não pudessem suportar a própria existência um do outro. A partir dessa raiz do orgulho também surgiu a audácia de pecar descaradamente, pois não perceberam a contradição entre suas ações e seus pontos de vista, e sua consciência não os fez ocultar suas ações. E se eles não se importam com o conflito entre seus pontos de vista e suas ações, são considerados como ‘todo pecado’. Estas são as coisas que causaram a ruína da casa “.

Uma Terra sem um Soberano

Hoje, nós temos um Estado, e aparentemente temos soberania. Mas o nome, “Estado de Israel”, ainda é desprovido de conteúdo. A nossa intolerância mútua, o nosso desdém em relação ao nosso próprio povo está aumentando rapidamente. Se não percebermos que estamos repetindo o mesmo crime de ódio infundado que cometemos há dois milênios atrás, seremos novamente banidos dessa terra até que estejamos prontos para se unir acima de nossas diferenças, assim como nossos antepassados ​​no deserto.

Esta segunda-feira à noite, nós marcaremos o dia 9 de Av, a data em que o Templo foi destruído. Mas ele foi destruído em nossos corações muito antes que os tijolos fossem incendiados. Com essas palavras convincentes, O Hida descreve essa ruína interior (Devarim Achadim, Tractate nº 6): “O que podemos dizer quando lamentamos todos os dias a ruína da Casa e a [ausência de] redenção? …. Tudo foi arruinado por causa do ódio infundado, e se estamos desunidos agora e há ódio infundado, como a Casa pode ser construída, já que a causa da nossa ruína não nos deixou? Como podemos dizer que aguardamos a sua salvação todos os dias, enquanto ainda há ódio infundado em nosso meio? Ai, como o homem pode fazer boas ações enquanto a impureza do ódio infundado ainda estiver nele?”

Para sermos os donos na terra de Israel, devemos nos tornar novamente o povo de Israel, Yehudim [judeus] da palavra “yihudi” [unido]. A menos que reconstruamos nossa unidade e retomemos nosso compromisso de ser um farol de unidade para as nações, o mundo não apoiará nossa estada aqui e seremos expulsos novamente.

A soberania na terra de Israel é diferente da soberania de qualquer outra terra – adquirida pelo poder militar. Essa terra não tem soberano; seus moradores são pessoas que estão dispostas a se conectar, a se unir acima de seu ódio, assim como nossos antepassados. Se pudermos aprender a lição dos horrores de nossos antepassados ​​e transcender nossos egos egoístas, mereceremos ficar aqui, e o mundo inteiro estará conosco. Mas se optarmos novamente pela inimizade, sofreremos a hostilidade do mundo inteiro, mas não antes de brigarmos novamente uns com os outros.

Para obter mais informações sobre o antissemitismo e o papel do povo de Israel, visite Por Que As Pessoas Odeiam Judeus (em inglês).

Comente