Haaretz: “O Fogo Do Ódio, O Fogo Do Amor”

Na minha coluna regular no Haaretz, meu artigo novo: “O Fogo do Ódio, o Fogo do Amor

Lag BaOmer marca o surgimento da luz da unidade no Livro do Zohar. É um chamado para se unir “como um só homem com um só coração”.

Todos os anos há a “mania de Lag BaOmer”, quando crianças e jovens em todo o país juntam qualquer pedaço de madeira que possam colocar em suas mãos, e nem sempre uma madeira que deveria ser destruída, e os empilha em enormes montes dias antes o festival. Na noite de Lag BaOmer, o 33º dia da contagem de Ômer, que começa no primeiro dia da Páscoa e termina em Shavuot, eles os incendiam.

Além dos incêndios, em Lag Baomer, dezenas de milhares de pessoas realizam uma peregrinação até o túmulo do autor do Livro do Zohar, Rabi Shimon Bar Yochai, para orar e celebrar a escrita deste livro fundamental da sabedoria oculta, a sabedoria da verdade, também conhecida como “a sabedoria da Cabalá”.

Este pode não ser o festival principal no calendário judaico, mas como todos os dias festivos judaicos, Lag BaOmer marca um ponto profundo em nossa evolução como nação e em nosso desenvolvimento espiritual individual.

Em poucas palavras

Por volta desta época do ano, cerca de 20 séculos atrás, todos, com exceção de cinco, dos 24.000 estudantes do Rabi Akiva ficaram doentes e morreram. De acordo com o Talmud (Yevamot 62b), isso aconteceu porque eles não seguiram a lei mais fundamental do Rabi Akiva: “Ama o próximo como a ti mesmo”. Os cinco estudantes que sobreviveram permaneceram saudáveis ​​porque seguiram a orientação do professor e aderiram ao princípio do amor ao próximo.

Destes cinco estudantes, dois em particular passaram adiante os princípios de seu mestre: Rabi Yehuda Hanasi, redator principal e editor da Mishnah, e o Rabi Shimon Bar Yochai (Rashbi), autor do Livro do Zohar .

Treze Anos Escondendo-se

O Rashbi viveu e ensinou no período seguinte à revolta de Bar Kokhba contra o Império Romano (cerca de 132-136 d.C.). Ele estava entre os dissidentes mais proeminentes contra o domínio romano na Terra de Israel. O imperador romano Adriano enviou homens para encontrar o Rashbi e matá-lo.

Segundo a lenda, Rashbi e seu filho, Rabi Elazar, esconderam-se em uma caverna na Galiléia durante 13 anos comendo apenas alfarrobeiras de uma árvore próxima e bebendo água de uma nascente próxima. Durante esse tempo, eles investigaram a sabedoria do oculto, a sabedoria da Cabalá, e revelaram os segredos da criação. Através de seus esforços, eles compreenderam os níveis mais profundos da natureza e perceberam a unidade subjacente na base da existência.

Após 13 anos, Rashbi ouviu falar da morte do Imperador Adriano e saiu da caverna. Com mais oito estudantes, Rashbi e seu filho entraram em outra caverna na Galiléia, onde ele lhes ensinou os segredos da Torá que havia revelado. Com a ajuda de seus estudantes, Rashbi escreveu O Livro do Zohar – uma interpretação do Pentateuco, partes dos Profetas e dos Escritos, e o livro principal da sabedoria da Cabalá.

Contrariamente à crença popular, O Livro do Zohar não fala de criaturas místicas e poderes esotéricos, mas descreve as relações naturais que existem entre todas as pessoas. Ele escreve sobre nós: o processo que atravessamos à medida que desenvolvemos nossa espiritualidade através de nossas relações com outras pessoas.

Através de histórias e alegorias, o Rashbi explica como devemos construir corretamente nossas relações através do amor ao próximo e como o amor ao próximo trará paz ao mundo inteiro. Na porção, Aharei Mot, o livro escreve: “Eis quão bom e agradável é quando irmãos se sentam juntos. Estes são amigos que se sentam juntos, a princípio, parecem pessoas em guerra, desejando se matar. Depois, eles voltam a estar no amor fraternal. Daqui em diante, vocês também não se separarão… e por seu mérito haverá paz no mundo”.

Os irmãos e amigos que O Zohar menciona são pessoas comuns, muito parecidos com você e eu, mas eles se conectaram em torno de um objetivo: a realização da unidade subjacente à base da existência que mencionamos anteriormente. Reconhecendo seu ódio mútuo, como a citação acima descreve, e através de seus subsequentes esforços para se elevar acima e se unir, o Rashbi e seus estudantes se conectaram a essa força de unidade e estabeleceram entre si um profundo amor fraternal. Sua unidade era tão intensa que até mesmo O Zohar falha em descrevê-la e simplesmente se refere a ela como “uma chama ardente de amor” ou “a luz do Zohar“.

Por Que o Fogo

A contagem de Ômer começa no primeiro dia da Páscoa, e Lag BaOmer acontece no dia 33 da contagem. Naquele dia, o Rashbi faleceu, razão pela qual também é o dia em que O Livro do Zohar foi selado e a sabedoria da Cabalá foi dada ao mundo.

Nós acendemos fogos em Lag BaOmer para simbolizar a grande luz que apareceu em nosso mundo quando O Zohar foi assinado e entregue à humanidade: uma luz que pode estabelecer entre nós conexões de amor.

No Labirinto

Nas últimas décadas, nossos egos levaram nosso mundo à beira do colapso. Essa é exatamente a mesma doença que consumiu os estudantes do Rabi Akiva. Assim como o Templo foi arruinado e os estudantes morreram apenas por causa do ódio infundado entre si, a atual alienação e a agressão na sociedade estão causando estragos em todo o mundo.

Para encontrar a saída do labirinto, nós devemos usar o método de conexão e unidade que nossos ancestrais usaram há 20 séculos. Se a implementarmos e nos conectemos acima de nosso isolamento e desconfiança mútua, iluminaremos a mesma grande chama que queimou antes e a luz do Zohar será revelada.

Meu professor, o Rav Baruch Shalom Ashlag (RABASH), escreveu: “Em cada um há uma centelha de amor ao próximo. No entanto, essa centelha não pode acender a luz do amor. Portanto, ao se juntar, as centelhas se tornam uma grande chama” (Escritos do RABASH, vol. 2, “Qual é o Grau que A Pessoa Deve Alcançar“).

Egoísta, Mas Não Desesperado

Hoje, está ficando claro que a nossa sociedade exige uma solução fundamental e sustentável para os problemas que enfrentamos. Nós devemos estabelecer entre nós a grande regra da Torá: “Ama o próximo como a ti mesmo”. No entanto, isso só acontecerá se escolhermos juntos instalá-la entre nós. Nós somos realmente egoístas até o cerne e nossa “inclinação é má dede a nossa juventude”, como a Torá nos diz. No entanto, mesmo uma viagem de mil milhas começa com um pequeno passo. Agora devemos dar esse passo e começar a marchar em um novo caminho: para a unidade, conexão e fraternidade.

Lag BaOmer celebra o aparecimento da imensa luz da unidade em nosso mundo através do Livro do Zohar. É uma grande oportunidade para nós começarmos este caminho rumo à responsabilidade mútua, para sermos “como um só homem com um só coração”, para sermos o que a nação de Israel é – amor ao próximo – e para compartilhar essa luz com as nações, como fomos ordenados a ser, “uma luz para as nações”.

Comente