No Limiar Da Descoberta Do Objetivo Da Evolução

Dr. Michael LaitmanPergunta: As pessoas estão começando a entender que há uma crise em nosso mundo. Elas a sentem em suas vidas, e tentam encontrar uma resposta para as perguntas: “O que deve ser feito com isso? Como alguém pode responder a isso? Por quanto tempo vai continuar?” Existe algum tipo de regra ou legalidade de acordo com a qual a crise vai continuar a se desenvolver ainda mais? O que pode realisticamente ser usado como uma solução, e que pode ser oferecido como uma solução para estes problemas?

Resposta: A ideia é que nos encontramos na natureza, em especial numa rede de forças, que é desenvolvida conforme o desenvolvimento do ego, ou seja, conforme o desenvolvimento do desejo em todos os níveis da natureza.

No início, estes eram pequenos desejos de partículas elementares. Depois as partículas se tornaram mais consolidadas até que criaram uma estrutura gigantesca, como o nosso planeta Terra, sobre a qual criaram as condições para a vida biológica para os níveis vegetal, animal e humano. Este foi o resultado da evolução do desejo dentro da matéria, o desejo de receber, desfrutar, ser satisfeito e usar o material que se encontra em algum tipo de contato conosco. Nesta base uma conexão entre as partículas elementares, moléculas, átomos e todos os tipos de partes biológicas ocorreu, e do agrupamento de animais, uma sociedade bestial gradualmente se reuniu, e dos seres humanos, uma sociedade humana se reuniu. Isso significa que tudo evoluiu como resultado da evolução do ego.

Por conseguinte, os nossos desejos também se desenvolveram a partir dos desejos bestiais do corpo (comida, sexo, família), os desejos sociais emergiram (riqueza, respeito, controle), porque o nosso ego tornou-se social. Depois disso, o desejo de informação se desenvolveu. A nossa história revela que nós já passamos por essas fases num eixo de desenvolvimento evolutivo e sempre entendemos como agir. O nosso desenvolvimento egoísta instintivamente nos empurrou para algum lugar: a exploração dos recursos mais visíveis e ocultos, e a realização do desejo por comida, sexo, família, riqueza, honra e conhecimento.

Mas, depois de dezenas de milhares de anos de desenvolvimento, de repente chegamos a uma situação inesperada em que o linear, e até mesmo as leis exponenciais do desenvolvimento egoísta, parou de funcionar. A humanidade sempre se desenvolveu de forma linear, e, de repente, nos últimos 100-150 anos, esta se tornou exponencial e alcançou algum tipo de saturação, um ápice. Nós estamos agora neste ápice.

Neste nível, fenômenos muito interessantes estão acontecendo desde que, de repente, o nosso ego parou agir. No passado, quanto mais esforço investíamos, mais nos desenvolvíamos intelectualmente e mais tínhamos sucesso. Quanto mais fortes éramos, mais confiantes nos sentíamos. Mas agora, nenhuma dessas relações lineares simples funciona. Se nos séculos anteriores, uma pessoa com um grande ego lucrava mais com o seu uso, isto não é mais assim, uma vez que o nosso desenvolvimento egoísta normal se esgotou. Segue-se que estamos nos movendo em direção a um paradigma completamente diferente, uma outra dependência. A questão é para que tipo de paradigma estamos nos movendo? Nós ainda não sabemos.

Os cientistas agora estão começando a assumir e imaginar que a nossa contínua evolução não depende do ego individual, pelo contrário, a evolução depende da conexão mútua e da coordenação entre nós. Hoje, isso vem da comunicação que se desenvolveu rapidamente, é integral e abrange toda a sociedade humana, toda a civilização, mas estamos utilizando-a de forma linear, pensando no que se pode obter dela.

Isto significa que nos encontramos numa fase de transição do ego linear para uma conexão integral mútua, e que poderia até mesmo ser no sentido do altruísmo. Gradualmente, percebemos para onde estamos indo. Essas percepções começaram a ser descobertas em meados do século XX, com o Clube de Roma, que publicou todos os tipos de trabalho de economistas, filósofos e outros cientistas. Mas o problema é que, embora um trabalho tenha sido feito, e os cientistas estejam mais ou menos cientes disso, ninguém os ouve. Mesmo assim, nós vemos a futilidade da excitação egoísta que continua em ambas as pessoas e em organizações maiores, a inércia ainda existe em tudo isto e não há para onde fugir.

Apesar de tudo, uma vez que continuamos a trabalhar na sociedade, onde em vez de leis lineares, leis integrais esféricas estão começando a trabalhar, vemos como nossa sociedade está começando a sofrer forte pressão e se encontra numa forma desagradável. Disso deriva a estratificação da sociedade, onde na sua parte superior, alguns milhares de pessoas no mundo concentram a riqueza e o controle em suas mãos, enquanto o resto das massas está despencando. Uma imensa lacuna foi criada entre o estrato superior, composto por alguns milhares de pessoas, e a camada inferior, que inclui as demais bilhões de pessoas.

Por um lado, isso certamente deve levar a uma grande explosão. Por outro lado, toda a riqueza que tem sido acumulada não vai valer nada. A hierarquia do desenvolvimento dos desejos (comida, sexo, família, riqueza, honra, conhecimento) inclui um nível em que é possível usar a riqueza para as necessidades do próximo nível de desenvolvimento. E quando a humanidade começar a ultrapassar este nível e concluí-lo, não haverá mais necessidade de riqueza, pois o nível seguinte começará a aparecer, e levará à realização do sentido da existência.

Os cientistas que estudam a criação estão subitamente começando a estudar a sua holografia, universos múltiplos, e chegam à conclusão de que o planeta Terra e todo o nosso universo é finito. Nós estamos começando a entender que temos sempre jogado algum tipo de jogo com dinheiro, exércitos e guerras. Essencialmente, um grande processo está ocorrendo agora em que somos elementos dentro dele. Além disso, nós não determinamos o seu desenvolvimento, curso ou fluxo, e especialmente seu objetivo. Nós estamos numa fase em que temos que descobrir o verdadeiro objetivo evolutivo de nosso próprio desenvolvimento. Isto nos levará à desilusão e uma nova visão do mundo. Nós precisamos olhar para nós mesmos, e para tudo que está acontecendo, de fora e investigar toda a natureza no seu próximo desenvolvimento.

Isto significa que por trás dos desejos físicos (comida, sexo, família) e dos desejos sociais (riqueza, honra, conhecimento), um novo desejo está se desenvolvendo para alcançar o verdadeiro significado da nossa existência. Este é o desejo que tem que nos dominar e para o qual estamos nos movendo. Portanto, hoje a humanidade está gradualmente descobrindo a crise, e eu espero que possamos projetar a sua visão correta para nós mesmos, pois, assim, não chegaremos a um desvio no caminho, e entenderemos que a vida continua somente por este caminho.

De KabTV “A Última Geração” 12/08/15

Comente