“Até Que Um Espírito Seja Despertado Em Nós”

Dr. Michael LaitmanBaal HaSulam escreve que mesmo que uma pessoa tenha um desejo pelo Criador, pela compreensão do significado da fonte da vida, e conexão com ela, ela não pode estar consciente do Criador enquanto um espírito não tiver descido sobre ela de cima, enquanto a Luz não tiver descido sobre ela.

Nesse meio tempo nós sentimos isso como uma fonte de inspiração, insight, satisfação e elevação. Se a pessoa sente uma revelação de cima, só então ela pode começar a ouvir o que os sábios estão falando em seus livros. Junto com isso, quando ela vê o que eles estão realmente falando, ela começa a acreditar neles.

Fé significa que a pessoa está conectada a suas palavras através de suas sensações internas, ou seja, ela já vive nisso e começa a sentir, entender, sentir e estar ciente de que sempre em todos os seus estados, em absolutamente tudo, ela é gerida de cima. E não há nada em sua vida que não foi enviado de cima e ela reagiu abaixo, todas as suas reações também descendem de cima. Assim, sua vida foi conduzida por uma série de estados que causaram várias sensações.

É como se ela fizesse alguma coisa, fosse a algum lugar, desse voltas, acontecesse algo com ela, não acontecesse, e assim por diante. Seus esforços internos, sentimentos morais, ações físicas, sofrimentos e sucessos, ela simplesmente passasse por estes estados para criar dentro de si a possibilidade de sentir estados cada vez mais sutis que a levam a sentir quem os gerencia, por qual objetivo foram enviados, e assim por diante.

A pessoa começa a sentir que não tem absolutamente nenhuma liberdade em nada e todas as suas ações são realizadas de acordo com os movimentos do Criador (Luz), e ela é completamente dependente deles. Se eles lhe dão uma grande parcela de consciência como esta, então ela se dissolve nela, e se eles lhe dão uma pequena parcela, ela fica com a consciência de que é isso que está acontecendo.

Mas se ela se encontra em algum lugar no meio, então ela é jogada num estado dividido e não entende como deve agir. A cada momento ela condena o Criador ou concorda com Ele e é assim o tempo todo. Isso lhe dão uma sensação de total incapacidade de permanecer num estado como esse.

É como se ela se dividisse em duas e não soubesse o que fazer com esta vida. De repente, ela se vê imersa na crítica e condenação, analisando o que está acontecendo com ela, seus familiares e amigos. Por exemplo, ela substitui um de seus parentes que a deixa maluca, e condena o governo superior, repreendendo-se por seu passado, como se se recusasse a concordar que, no passado, o Criador o operou.

Por outro lado, ela concorda e entende que tudo isso é feito com a ajuda do Criador e só para aguçar seus sentidos, de modo que com esses sentimentos ele possa entender e sentir a orientação superior.

Estes estados passam por ela por algum tempo, gradualmente voltando e arrefecendo, indo para a “linha direita” ou a “linha esquerda”. Quando ela está inclinada para a esquerda, ela começa a sentir como se o passado dependesse dela e ela se repreende por causa de todos os seus problemas, ou porque não pode justificar isso, já que isso é feito pelo Criador.

E o oposto, quando ela se encontra na “linha direita”, com plena consciência de que tudo isso é feito de cima. Então, o que resta para ela? Onde ela está em todo este processo? O livre arbítrio existe? Num estado como este, certamente não existe: não em ação, nem em intenção, resultados, ou qualquer coisa.

É assim que acontece até que ela esteja completamente limpa, ou seja, que todas as suas observações e dúvidas passem por algum tipo de trabalho interno, até que ela chega à conclusão de que existe um sistema muito sutil aqui de cooperação entre ela e o Criador: o Criador anseia por ela e vice-versa .

Agora é necessário reforçar este desejo mútuo até que ele atinja o seu valor total. No momento em que isso acontece, a pessoa vai começar a descobrir a verdadeira cooperação com o Criador.

Da Convenção em São Petersburgo 14/07/13, Lição 5

Comente