A Lei Da Compensação: Prazer Versus Dor

Dr. Michael LaitmanO mundo está cheio de problemas, e não conseguimos corrigir a situação, apesar de tentarmos com toda nossa força, geração após geração. A sabedoria da Cabalá explica porque somos perseguidos por todos estes problemas e infortúnios: eles estão nos empurrando para o desenvolvimento correto, para que possamos superar nosso egoísmo e  transcender a uma outra dimensão, isto é, à qualidade da doação, uma força diferente, uma outra percepção do mundo, o reino da doação, em vez do reino do egoísmo.

Portanto, o objetivo de toda nossa evolução é revelar o sofrimento e a inutilidade escondidos no desejo egoísta. Quanto mais tentamos usá-lo, mais decepção ele nos traz, a fim de nos mostrar que não podemos usá-lo para o prazer e satisfação, porque o desejo de receber é incapaz de receber qualquer coisa.

Nós não entendemos isso e continuamos repetindo nosso erro. Porém,  nós finalmente temos que perceber que é impossível satisfazer o desejo de forma egoísta, porque isto vai contra a lei da existência do desejo e da Luz. Começando com a Primeira Restrição (Tzimtzum Aleph), eu nunca posso receber alguma coisa em meu desejo egoísta e satisfazer-me; isto nunca pode ocorrer na história ou na realidade.

Quando sentimos que estamos satisfeitos e estamos aproveitando, isto se deve ao fato de que estamos estendendo o prazer que sentimos desde o momento em que o encontramos até o momento em que ele se vai. Por aqueles breves instantes, enquanto ele está em nós e podemos senti-lo, teremos que pagar na íntegra com a dor que chega, à medida que o vazio recém-formado se desenvolve dentro de nós.

Esse vazio abrange a força do prazer e o tempo de sua presença dentro do desejo. Por exemplo, no nosso mundo, a energia é igual à tensão multiplicada pela força de uma corrente elétrica. O mesmo ocorre com o prazer. Eu posso receber 10 gramas de prazer e senti-lo por uma hora. Então, 10 gramas multiplicados por 1 hora é igual ao poder do prazer. Eu posso sentir 1 kg de prazer, mas apenas por um segundo, o que também irá determinar a potência do prazer.

Portanto, no fim, não importa o quanto de prazer conseguimos experimentar, pois todo este prazer vai se transformar no sofrimento do desejo vazio. Nós não somos capazes de nos tornar plenos de prazer com nossos desejos egoístas, pois isto é contra a natureza da criação e sua finalidade.

Da 4ª parte da Lição Diária de Cabalá 26/12/10: “Paz no Mundo”

Comente