Textos com a Tag 'judeus'

Judeus Da América, Parte 9

17.01Para Prevenir O Movimento Ao Fascismo

Observação: Os judeus, vivendo em países diferentes, prosperam nesses lugares até o ponto em que a discórdia irrompe entre eles e o antissemitismo se espalha. Então eles se unem novamente através do sofrimento que os une. E então vem o fascismo.

O grande Cabalista do século XX, Baal HaSulam, acredita que a única maneira de interromper o nazismo é por meio de uma religião que ele chama de altruísmo.

Acontece que os judeus, como nação, são oponentes naturais do fascismo em qualquer uma de suas formas. E inconscientemente sentindo isso, todas as formas de fascismo são contra os judeus.

Baal HaSulam, no jornal A Nação escrito em 1940, enfatiza: “Ele [Karl Marx] pensava que a governança do proletariado seria o passo subsequente para a governança burguesa e, portanto, determinou que, ao negar o governo burguês, um governo proletário seria estabelecido imediatamente. No entanto, a realidade prova que a etapa seguinte à ruína do atual governo é a dos nazistas ou fascistas”.

Meu Comentário: Infelizmente, veremos o surgimento do fascismo na América, em todos os países desenvolvidos e nos países capitalistas e semicapitalistas em desenvolvimento. Essa é uma lei da natureza. Depois de um estado desenvolvido, a sociedade pode chegar à conclusão de que é necessário mudar sua ideologia ou continuar a linha do fascismo.

Pergunta: Em outras palavras, para sobreviver, as pessoas vão para o nacionalismo? Vemos que partidos de direita e nacionalistas estão chegando ao poder em quase todos os países europeus.

Resposta: Isso continuará a se deteriorar até que o método de conexão se torne aparente no mundo.

Pergunta: Se essas são as leis da natureza, então ninguém é culpado, nenhuma religião. Existe uma única força que gera todos esses processos. E nós, como observadores, devemos perceber tudo isso e tirar as conclusões certas?

Resposta: Não. Podemos levar tudo isso adiante, começando a nos unir com base na verdadeira religião, a ciência da Cabalá.

Assim, mostraremos a toda a humanidade que existe um caminho que os leva à salvação do seu próprio egoísmo. Um caminho que não só torna especial nossa vida neste mundo, mas também revela o mundo superior, ou seja, a estrutura da sociedade baseada na interconexão.

De KabTV, “Análise Sistemática do Desenvolvimento do Povo de Israel”, 18/11/19

Judeus Da América, Parte 8

400Uma Consequência da Destruição Espiritual

Pergunta: Mais de 50% dos judeus americanos nunca visitaram Israel. Por quê?

Resposta: Eles não têm nenhuma conexão com Israel. Para eles, a América é sua pátria, seu país. Se eles não são pressionados pelo antissemitismo, eles não mostram nenhuma relação com Israel. Esta é a lei da natureza. Está dentro das pessoas.

Onde apareceu o sionismo moderno? Na Rússia. Afinal, ele não surgiu na Alemanha ou em qualquer outro lugar, mas sim no sul da Rússia, onde pogroms foram impostos e uma enorme pressão foi exercida sobre o povo.

Observação: Muitos afirmam que a assimilação de judeus entre outras nações é um holocausto silencioso. Por exemplo, o linguista e filósofo americano Noam Chomsky, um judeu de nascimento, acredita que Israel é um estado agressivo que não tem o direito de existir. Ele não acredita que o antissemitismo seja um problema na América. E existem centenas desses professores.

Meu Comentário: O fato é que os judeus são um povo que caiu do nível de amor ao próximo para o nível de ódio infundado mútuo. Portanto, Noam Chomsky diz o que realmente sente. Ele não trapaceia, ele não tenta se exibir na frente de outros cosmopolitas. Não. Ele apenas se sente assim.

E há muitos judeus que pensam assim, sem qualquer intenção retrógrada ou qualquer ganho para si mesmos em Israel e em todo o mundo.

Esta é uma consequência da quebra espiritual. Os Reshimot (registros informativos) que aparecem nas pessoas as forçam a pensar e falar assim. Você não pode fazer nada com elas. Eu me encontrei com elas e percebi que era simplesmente inútil. Um gene espiritual que está presente em uma pessoa a governa dessa maneira.

Observação: Muitos judeus antissionistas são fervorosos apoiadores e inspiradores do movimento BDS, que defende um boicote econômico a Israel, desinvestimento e sanções contra o Estado.

Meu Comentário: Eles não são apenas apoiadores, mas participantes e líderes desses movimentos antissemitas. Mas eles não se consideram antissemitas.

De KabTV, “Análise Sistemática do Desenvolvimento do Povo de Israel”, 12/08/19

Judeus Da América, Parte 7

448.3Assimilação De Judeus Americanos

Pergunta: A Cabalá existe há quase 6.000 anos. Existem exemplos de que essa técnica funciona e conecta pessoas?

Resposta: Não existem exemplos desse tipo, exceto por um breve período que inclui a saída do Egito, 40 anos de peregrinação no deserto e a construção do Primeiro Templo. É isso aí. Desde então, houve apenas ruptura, separação e, como resultado, o exílio dos judeus.

Observação: A américa judaica do final do século XX ao início do século XXI enfrenta a questão de sua sobrevivência. Por um lado, ninguém está destruindo os judeus fisicamente. Por outro lado, é muito difícil falar sobre uma única semelhança dos judeus americanos.

Meu Comentário: Na América, uma divisão muito forte continua. Os ortodoxos constroem “paredes” em torno de si que os separam dos seculares. Judeus não religiosos estão tentando se misturar com o resto da população e se assimilar entre eles. E podem ser compreendidos porque não veem no Judaísmo a resposta às suas perguntas. Portanto, não faz sentido para eles se apegarem aos princípios de seus avós. Eles já são educados de maneira diferente.

Naturalmente, em um futuro próximo, não haverá mais nada de uma América religiosa. Tudo está tão misturado ali que, se não fosse pelos antissemitas, não sobraria nada dos judeus há muito tempo. E não sabemos o que vem a seguir. Muito provavelmente, os ortodoxos viverão separados em lugares isolados de todos.

Observação: Curiosamente, é assim que eles se preservam por milhares de anos. Ainda assim, existe alguma unidade entre eles.

Meu Comentário: Isso não é unidade, mas educação, por meio da qual eles se preservam. E a unidade só aparece devido à pressão global de fora e à necessidade de sobreviver.

De KabTV, “Análise Sistemática do Desenvolvimento do Povo de Israel”, 18/11/19

Judeus Da América, Parte 6

293Torne-Se Uma Força Comum

Observação: Um dos eventos mais importantes do século XX para o nosso povo foi o Holocausto dos judeus europeus. Muitos historiadores se perguntam: “Tudo foi feito para salvá-los?”

Henry L. Feingold, autor e professor de História Judaica Americana e estudos do Holocausto escreveu muito sobre por que os esforços dos líderes judeus americanos foram ineficazes, incluindo um artigo intitulado “Foi Seu Fracasso Comum? Algumas Reflexões sobre a Resposta dos Judeus Americanos ao Holocausto”, no qual ele escreveu: “Durante a era Roosevelt, os judeus americanos eram mais politicamente ativos do que nunca e haviam conquistado um lugar na administração Roosevelt; mas durante toda a crise eles permaneceram uma comunidade dividida, devastada por amargas lutas internas. O que poderia explicar isso? Os laços entre eles haviam se tornado tão fracos que eles não poderiam se conter em uma crise?”

Porém, existe uma opinião no mundo de que os judeus, ao contrário, se ajudam, se unem. Mas lendo as evidências históricas de suas lutas constantes, é difícil acreditar nisso.

Minha Resposta: Quanto mais desenvolvida é uma nação, maior é o ódio que ela tem até começar a se corrigir. Este ódio é inerente à natureza precisamente para transformá-lo em conexão e amor.

Pergunta: Então, não é culpa de ninguém? Você está culpando a natureza?

Resposta: Eu não culpo a natureza. Eu digo que isso é inerente à natureza, na qual não existe nem bom nem mau. E o fato de uma pessoa obter informações da natureza e como ela as usa depende dela.

Recebemos o método de conexão chamado Cabalá, onde as pessoas, aproximando-se umas das outras, tornam-se como se fossem um único todo. Nesse caso, a conexão entre elas afeta o resto do mundo.

Se toda a nação judaica tentasse se unir como os Cabalistas estão tentando realizar entre si, então, naturalmente, seu poder de conexão, literalmente um grama de cada um deles, se tornaria uma força comum afetando todo o mundo, e as nações do mundo começariam a se aproximar uma da outra. Isso é chamado de “ser uma luz para as nações do mundo”.

De KabTV, “Análise Sistemática do Desenvolvimento do Povo de Israel”, 18/11/19

Judeus Da América, Parte 5

963.6Cabalá – Uma Ponte Conectando Judeus

Pergunta: Duzentos anos atrás, os reformistas americanos queriam pegar a religião dos pais, suas tradições, e a adaptar à modernidade. Este conflito entre os judeus ortodoxos em Israel e os reformadores americanos continua até hoje. Qual pode ser a ponte que os conecta a todas as tradições e divisões?

Resposta: Nada além da ciência da Cabalá, que é a base, o núcleo, a parte interna do verdadeiro Judaísmo e que explica quem são os judeus, de onde vieram, o que deveriam ser, o que trazer ao mundo e qual o seu propósito. Somente neste caso algo mudará.

Observação: Mas foi escrito sobre isso em todos os lugares, e eles podem ler.

Minha Resposta: Eles não poderão ler porque não querem. Mesmo que o leiam, eles não levarão em consideração essas palavras, muito menos perceberão por si mesmos. Isso parece não existir para eles.

Pergunta: Isso significa que os Cabalistas terão que dar o exemplo?

Resposta: Os Cabalistas terão que se organizar. Eu espero que isso aconteça nos próximos 10 a 20 anos. Ao mesmo tempo, o mundo afundará no abismo da desunião e de todos os tipos de crises: políticas, militares, econômicas, naturais e climáticas. Como resultado, o Judaísmo deve explicar a si mesmo e aos outros que é nele que está a atitude correta do homem para com o homem e para com a natureza, que trará tudo ao equilíbrio.

Este é o propósito dos judeus: tornar-se uma luz para os povos do mundo. Primeiro para você e depois para os outros.

De KabTV, “Análise Sistemática do Desenvolvimento do Povo de Israel”, 18/11/19

Judeus Da América, Parte 4

419Reformismo Americano

Pergunta: Como você sabe, os judeus alemães eram reformistas. A chegada à América de centenas de milhares de irmãos da Europa Oriental (Rússia, Bielo-Rússia, Ucrânia e Polônia) não os deixou felizes porque esses judeus eram ortodoxos. Com base nisso, surgiram conflitos. O boêmio Isaac Mayer Wise é considerado o fundador do judaísmo reformista americano.

Qual é a base do reformismo? Qual é a razão deste fenômeno no Judaísmo?

Resposta: O reformismo acredita que a religião deve ser deixada como uma espécie de pano de fundo onde une as pessoas. E onde ele não une, tem que ser removido. É necessário retirar a religião ortodoxa da sociedade porque ela a divide em clãs, classes, etc.

Mesmo na Rússia, havia diferentes rabinos nas aldeias que diferiam em suas interpretações do judaísmo e em tudo o mais. E mais ainda, judeus orientais e ocidentais, Litvak e hassidim bielorrussos. Naturalmente, tudo isso impediu a unificação.

Por outro lado, os judeus americanos queriam um uso puramente mercantil de sua origem para seu próprio bem e, portanto, procuraram suavizar parcialmente a tradição. Vemos que, ao longo dos anos, a sociedade judaica americana manteve mais ou menos uma forma indiferente.

Claro, a diferença entre os judeus é muito grande, mas é considerada de acordo com a carteira, como o resto da sociedade americana. Por exemplo, nas sinagogas existem certos lugares para quem faz grandes doações, para quem não pode pagar tanto, para pessoas especiais e para pessoas comuns, que não podem ser em uma capela. Os americanos, com sua divisão inerente de uma pessoa por bolso ou posição, fazem isso sem a menor cerimônia, o que deixa uma marca no judaísmo americano moderno.

Mas, por outro lado, isso levou ao fato de que hoje esse judaísmo, em princípio, não existe. Tornou-se o chamado Judaísmo de três dias por ano, quando as pessoas vão à sinagoga apenas nos feriados: Yom Kippur, Rosh Hashanah e Pessach, etc. O resto se resume a você enviar um cheque para seu rabino ou comunidade.

De KabTV, “Análise Sistemática do Desenvolvimento do Povo de Israel”, 18/11/19

Judeus Da América, Parte 3

448.3Religião É Um Fator Que Divide A Sociedade

Pergunta: Cem anos após o reassentamento dos judeus alemães na América, os judeus russos começaram a chegar.

De acordo com o escritor americano Stephen Birmingham, os judeus alemães já eram respeitáveis, bem vestidos, de aparência burguesa e ricos, e os novos imigrantes da Europa Oriental eram esfarrapados, empobrecidos, assumindo ativamente o controle de sua cultura, sofrimento feroz e pogroms. Eles eram socialistas idealistas.

Os judeus alemães tinham muito medo dos russos, especialmente sua ideia de organizar sindicatos. Portanto, surgiram divergências entre eles, mas não por motivos religiosos, mas por motivos sociais.

O famoso ator americano Kirk Douglas, que vem de uma família de judeus bielorrussos, observou que o antissemitismo às vezes era mais forte entre os judeus, principalmente com os judeus alemães que odiavam os judeus russos e poloneses.

Por que a discórdia entre judeus não é apenas religiosa, mas também social?

Resposta: Nossa religião não une os judeus. Pelo contrário, torna todos individualistas, porque não é construída sobre o verdadeiro fundamento do Judaísmo, que diz “ame o próximo como a si mesmo”, acima de todas as diferenças.

A religião acredita que um judeu deve cumprir tudo o que é dito no “Shulchan Aruch” (Código de Leis), e com isso ele garantirá seu futuro neste e no próximo mundo. Todo o resto não importa.

Pergunta: As tradições externas não podem unir as pessoas?

Resposta: As tradições externas dividem.

Pergunta: Por que existe o mais forte antissemitismo entre os judeus?

Resposta: Um judeu é uma pessoa que deve mostrar ao mundo inteiro o caminho para a unidade, para “amar o seu próximo como a si mesmo”, para superar todas as diferenças que o amor cobre. Devemos ser uma luz para os povos do mundo. E se não suportarmos isso, estaremos em desunião e todos nos odiarão.

De onde obtemos a mensagem certa se não recebermos a educação adequada? A religião não diz nada sobre isso. Pelo contrário, nos coloca um contra o outro: estes são sefarditas, estes são negros, estes são brancos, estes são orientais e estes são ocidentais e assim por diante. Tudo é construído para trazer o máximo de desunião à sociedade.

Até hoje, vemos isso entre os judeus ortodoxos. Quanto mais ortodoxo é um judeu, mais ele se apega ao seu clã estreito, a ponto de o casamento com outras pessoas ser um grande problema. Apenas nos últimos anos, em algum lugar, de alguma forma, isso se suavizou, mas ainda não em comunidades estritamente ortodoxas.

Ao mesmo tempo, a parte não religiosa da sociedade em Israel, e mesmo na América, é totalmente indiferente a várias partes da sociedade e está pronta para se unir a elas.

Isso mostra claramente o quanto a religião divide a sociedade em classes e grupos, e como o afastamento da religião atrai as pessoas a se conectarem mais umas com as outras.

De KabTV, “Análise Sistemática do Desenvolvimento do Povo de Israel”, 18/11/19

Judeus Da América, Parte 2

400O Fracasso da Religião em Unir os Judeus

Pergunta: Em meados do século XIX, começou uma grande onda de emigração de judeus da Alemanha e da Áustria para a América. Seu número no país aumentou em várias dezenas de milhares. Eles foram divididos aqui em “aborígines”, que eram os sefarditas que viviam na América por várias centenas de anos, e “alemães”, que haviam acabado de chegar.

A comunidade sefardita bem estabelecida não aceitava imigrantes alemães (Asquenazi). Como escreveu o escritor americano Stephen Birmingham: “Os novos imigrantes eram pobres, precisavam de banhos, trabalhavam como mascates, falavam com sotaque. Eles não tinham o status social que as primeiras famílias judias haviam alcançado, a criação, a educação, mas eles se chamavam de irmãos. (…) Eles eram uma vergonha. No início de 1800, eles estavam ameaçando separar o tecido da sociedade judaica na América, ameaçando o sentimento ‘tribal’ que está no cerne de todos os sentimentos de judeidade”.

Como aconteceu que uma religião e tradições comuns não puderam unir as pessoas em uma família?

Resposta: Os judeus não podem se unir por meio da religião. Isso nunca aconteceu na história. Ao contrário, sua incrível religião os separa.

E isso é natural, porque a verdadeira religião é a ciência da Cabalá, que diz que é preciso elevar-se acima de todas as diferenças, acima de sua natureza egoísta. Só nesse caso você será o que se chama de judeu, ou seja, alguém que une toda a humanidade.

E se esse começo não é em uma pessoa, se ela não entende sua verdadeira função cósmica de unir todos e tudo, ela está separada do resto. Portanto, há uma enorme fragmentação e separação dentro de uma família de todos contra todos. Não há nação mais desunida internamente do que os judeus.

De KabTV, “Análise Sistemática do Desenvolvimento do Povo de Israel”, 18/11/19

Judeus Da América, Parte 1

448.3A Parte Mais Ativa Da Sociedade

Pergunta: A América foi originalmente estabelecida para emigrantes. Os primeiros colonos judeus foram os sefarditas. Já na década de 20 do século XX cerca de seis mil judeus viviam na América. Em pouco tempo, eles alcançaram plena igualdade de direitos. E o processo de sua assimilação e americanização começou.

Curiosamente, o seguinte fenômeno foi observado ao longo da história: os judeus sempre se tornaram mais americanos do que os americanos, mais russos do que os russos, mais espanhóis do que os espanhóis. Por que isso acontece?

Resposta: Primeiro, apesar do fato dos judeus terem sua própria religião, eles praticamente não tinham sua própria língua. Eles vieram para a América de todo o mundo. Alguns falavam iídiche, alguns árabe, etc. Ou seja, não havia uma base comum para todos. Portanto, eles não poderiam ter muito contato com outros grupos de imigrantes.

Por outro lado, os judeus eram a parte mais ativa da sociedade, que imediatamente começou a se estabelecer nos lugares, abrir suas escolas e outras instituições necessárias para a existência de sua comunidade. Eles se empenharam energicamente em se estabelecer como um povo que vive na América e, ao mesmo tempo, desenvolver vários tipos de negócios.

Portanto, como a parte mais ativa da população em qualquer país, e ainda mais na América, eles se mostraram pioneiros em todas as esferas de atividade da nova sociedade americana.

De KabTV, “Análise Sistemática do Desenvolvimento do Povo de Israel”, 18/11/19

Cem Anos De Sabedoria Judaica

557Observação: Existem várias sabedorias judaicas que mudam o futuro de nossos filhos. A primeira: “’Experiência’ é a palavra que uma pessoa usa para chamar seus próprios erros”.

Meu Comentário: Sim. A experiência tem que vir, nascer, dos próprios erros. Se não houver erros, não haverá experiência. Não pode ser que uma pessoa chegue a conclusões corretas se não cometeu erros.

Pergunta: É possível que uma pessoa não cometa erros?

Resposta: Não. Uma pessoa não pode fazer a coisa certa se não cometeu um erro antes.

Pergunta: Ela lamenta ter cometido um erro?

Resposta: É esse arrependimento que produz uma ação correta.

Pergunta: Nós passamos essa experiência para nossos filhos?

Resposta: Você quer passá-la para seus filhos, mas eles devem cometer erros.

Pergunta: Eles terão sua própria experiência?

Resposta: Claro.

Pergunta: Isso significa que nossa experiência não os ajudará?

Resposta: Não há necessidade. Cada geração deve cometer erros e chegar à conclusão correta e, assim, seguir em frente.

Comentário: Ou seja, cada um tem sua própria experiência. É a experiência de erros.

Meu Comentário: Sem isso, você não recebe informações claras, dados, sensações, nada, se não vivenciou isso em todas essas situações.

Comentário: Citação: “Se você acidentalmente ficar com raiva, dê à raiva uma chance de passar a noite – apenas fique quieto até de manhã”.

Meu Comentário: Pela nossa vida, vemos que isso é bom. Isso é chamado de “aquele que cala a boca durante o conflito com o outro”.

Pergunta: Como uma pessoa pode fazer isso?

Resposta: Por meio de exercícios.

Pergunta: O que acontece de manhã? Não vou ficar tão zangado como estava antes com essa pessoa?

Resposta: Não, pelo contrário, talvez você seja grato a ela.

Comentário: Citação: “Existem dois métodos para se elevar acima do seu próximo: o primeiro é superar a si mesmo e o segundo é rebaixar o seu próximo. Não é aconselhável usar o segundo método. Em vez de cavar um buraco para outra pessoa, use essas forças para criar uma colina para você”.

Meu Comentário: Sempre vale a pena se elevar acima de si mesmo. Você está crescendo dessa maneira. Assim, não há necessidade de prestar atenção ao outro, mesmo do ponto de vista egoísta. Em vez disso, eleve-se a um estado novo e mais perfeito.

Pergunta: É possível subir acima de mim mesmo?

Resposta: Claro, a cada minuto.

Comentário: Normalmente, fazemos algo muito diferente, colocamos o outro de lado.

Meu Comentário: Você usa o outro para se elevar acima de si mesmo, aceitando o ponto de vista dele.

Pergunta: Isso se chama que eu me anulo?

Resposta: Eu anulo meu eu anterior para fazer de mim um eu superior.

Pergunta: Esta citação tem um final interessante. Ela diz que se você usar o segundo método, ou seja, eliminar o outro, estará construindo uma colina para si mesmo. Isso significa um túmulo?

Resposta: claro.

Pergunta: Em outras palavras, se você desprezar o outro, isso é de fato sua morte?

Resposta: Sim. Pelo contrário, eleve-se acima dos outros, use esta oportunidade. Use o outro, sua crítica, sua atitude para com você, deixe-se levar, curve-se e você se elevará acima de si mesmo.

Observação: Citação: “Não seja doce demais ou eles vão te comer. Não seja muito amargo ou eles vão te cuspir”.

Meu Comentário: Eu digo o que acho certo. Isso é o que tenho “em uma bandeja”, como dizem, é isso que eu dou a vocês. Você escolhe: isso é doce ou amargo para você ou você pode jogá-lo fora. Deixe as pessoas verem que isso é quem eu sou.

Pergunta: E quanto ao fato de que as pessoas querem ver você doce e você é amargo? Uma pessoa precisa seguir alguém. Elas estão procurando alguém para seguir.

Resposta: Bem, não é necessário me seguir. Em todo caso, eu sou assim, não vou mudar! Acredito que o que digo qualquer um pode entender.

Se ele concorda ou não é com ele, mas pelo menos ele vai entender. Eu falo a minha opinião, não altero a opinião dele para que ele me ouça ou me respeite e se certifique de que está certo. Eu não faço isso.

De KabTV, “Notícias com o Dr. Michael Laitman” 22/06/20