Textos com a Tag 'Economia'

Cabalá E A Economia Do Consumidor, Parte 9

275Não Precisamos de Competição

Pergunta: A economia se baseia na competição. Como será a competição na nova sociedade?

Resposta: Não precisamos de competição. Devemos fazer tudo de maneira completamente diferente. A maioria das pessoas deve estar livre do trabalho e a humanidade deve parar de esgotar a Terra, poluir o ar e desperdiçar recursos naturais. De 8 bilhões de pessoas, teremos 7 bilhões sem trabalho.

Portanto, precisamos distribuir o trabalho para que todos fiquem ocupados talvez uma ou duas horas por dia e o resto do tempo se dediquem à autoeducação, e não apenas à autoeducação, mas também à educação em geral. É necessário criar um enorme sistema global de educação, e assim estaremos ocupados o tempo todo.

Nossos filhos, netos e todos nós devemos buscar métodos de conexões corretas. Eles são descritos na Cabalá e nos resta realizá-los.

Pergunta: E aqui, naturalmente, precisaremos de música, cultura e tudo mais?

Resposta: Tudo é necessário para isso, devemos desenvolver. E tudo o que não precisamos, absolutamente não precisamos.

Pergunta: As empresas competirão entre si sobre o quanto dão e quem dará mais?

Resposta: Talvez. Não quero pensar em nada agora. Isso tudo está em um futuro distante.

Comentário: Mas a competição é o combustível, tudo se baseia nela.

Minha Resposta: Não. Haverá outros tipos de competição em termos de retornos. Eu não pensei sobre isso ainda. Acho que tudo vai ficar equilibrado, de acordo com o planejado; não haverá nada supérfluo nem desnecessário, apenas o que é mais útil e necessário. E o resto das pessoas receberá apenas se comunicarem entre si, desfrutarem e alcançarem a realização completa.

De KabTV, “Fundamentos de Cabalá”, 01/03/19

Cabalá E A Economia Do Consumidor, Parte 8

628.2Rumo A Uma Economia De Garantia Mútua

Pergunta: Baal HaSulam nos artigos “A Solução” e “A Última Geração” escreve que a economia de consumo, que está passando por uma crise, será substituída por uma economia de garantia mútua. Eu gostaria de entender em que se baseia essa economia?

Resposta: No fato de ser um único sistema. Estamos conectados uns aos outros e totalmente dependentes um do outro.

Hoje em dia, essa conexão mútua se revela cada vez mais vívida e plena. Isso indica que devemos estar conectados por bons laços porque não podemos quebrar essa conexão. Se permanecermos dependentes um do outro por meio da conexão egoísta, alcançaremos a aniquilação, a destruição mútua.

Portanto, a sabedoria da Cabalá está sendo revelada agora no mundo a fim de nos ajudar a nos corrigir, a chegar a uma boa dependência uns dos outros, ao invés do que já vemos agora que o mundo inteiro está se tornando global, integral e que todos querem apenas destruir um ao outro.

Portanto, para não chegarmos a uma Terceira Guerra Mundial, precisamos pensar agora na forma como organizaremos uma nova sociedade.

De KabTV, “Fundamentos de Cabalá”, 03/01/19

Cabala E A Economia Do Consumidor, Parte 7

Dr. Michael LaitmanCorrigindo a Natureza Egoísta

Pergunta: Qual é a tendência atual? Qual é o destino do mundo?

Resposta: A tendência da humanidade é muito simples: neste ano e especialmente no próximo sentiremos que não podemos mais existir assim. A humanidade vai bater em uma parede.

Pergunta: A crise atual exige o reconhecimento do mal? A natureza está nos levando a entender que o consumo excessivo leva a relacionamentos que nos separam do Criador?

Resposta: Não. Nossa natureza egoísta nos separa do Criador! O consumo excessivo é consequência do egoísmo.

Porém, não preciso consumir muito. Posso apenas me deitar no sofá e girar os polegares, assistir ao futebol de manhã à noite e beber cerveja. É um consumo excessivo ou não? Não incomodo ninguém, não exploro ninguém, bebo uma caixa de cerveja por dia e vejo 20 jogos. Estou fazendo mal a alguém com isso?

Pergunta: Isso não é egoísmo?

Resposta: Isso é egoísmo, mas claramente revelado.

Pergunta: Precisamos corrigir esse egoísmo?

Resposta: Sim.

Pergunta: Para quê? Afinal, não estou fazendo isso às custas ou detrimento de ninguém.

Resposta: É aqui que surge o problema. Precisamos entender por que qualquer egoísmo precisa ser corrigido.

Pergunta: Mesmo que não seja às custas dos outros?

Resposta: Mesmo que você só faça o bem às pessoas de manhã à noite e elas vejam apenas uma atitude gentil e recebam prazer de você. Até aquele ponto.

O fato é que todos os tipos de comunicação são egoístas. Devemos corrigir nossa natureza em seu âmago. Mesmo que eu viva sem fazer nada de errado a ninguém, ainda sou um egoísta e ainda tenho que me corrigir.

De KabTV, “Fundamentos de Cabalá”, 03/01/19

Cabalá E A Economia Do Consumidor, Parte 6

622.01Pergunta: O dinheiro foi criado como uma ferramenta de separação entre as pessoas?

Resposta: Não. Depende de como o usamos. Não há nada no mundo que foi criado em vão. Tudo depende apenas de como o usamos.

Pergunta: A Torá diz: “Vá e ganhe um do outro”. O que isso significa?

Resposta: Significa que você deve ir e ganhar dinheiro precisamente em conexão com outras pessoas. Isso não significa ganhar dinheiro, mas ganhos espirituais, onde as pessoas em conexão umas com as outras criam uma sociedade espiritual que pode ser preenchida com as propriedades do mundo superior. Então elas sentem que existem no próximo nível superior.

Pergunta: Ou seja, isso não significa que devemos, como fazemos hoje, ganhar dinheiro uns dos outros?

Resposta: De maneira nenhuma. Posso ganhar dinheiro sozinho, sem explorar os outros. Isso é o que a Torá diz, e a Torá não fala de outra coisa senão ascensão espiritual.

De KabTV, “Fundamentos de Cabalá”, 03/01/19

Cabalá E A Economia Do Consumidor, Parte 5

273.02A Era Do Consumo Irracional

Pergunta: Toda a economia, em princípio, é construída sobre o consumo. Se as pessoas pararem de consumir, como a economia sobreviverá?

Resposta: Não precisamos de tal economia. Drenamos a Terra, poluímos, drenamos todos os nossos recursos, envolvemos pessoas com negócios completamente inúteis. Precisamos libertar as pessoas de tudo, exceto do essencial.

Comentário: Mas vivemos muito melhor do que antes.

Minha Resposta: Se eu tiver 20 ternos pendurados no meu armário, como isso é melhor para mim? Ofereça-me o que é realmente necessário hoje: ter saúde, sentir que meus filhos estão sendo educados corretamente, que minha esposa e eu não temos problemas, que não trabalho à toa, apenas para fazer alguma coisa e depois jogar tudo fora rapidamente. O fato é que somos capazes de organizar uma vida razoável com as ferramentas que temos, mas não podemos fazer isso por causa de nossa natureza egoísta. Portanto, precisamos equilibrar, colocar em ordem. Então, com nossos recursos atuais, seremos capazes de torná-lo realmente confortável.

Pergunta: Então você é a favor do consumo razoável? A Cabalá fala sobre isso?

Resposta: Como isso será razoável? De quanto uma pessoa precisa para sentir que não precisa de nada? Depende da educação. Mas, em qualquer caso, uma pessoa não deve sofrer. Ela não tem que comer grama.

Comentário: Hoje fomos educados para consumir de tal forma que se eu não trocar meu celular todo ano, me sinto mal. Eu tenho que mudar isso.

Minha Resposta: Você foi criado para consumir dessa maneira porque os capitalistas precisam disso. Por que você precisa trocar de celular? Para conversar com as mesmas pessoas superficiais? Por exemplo, uso meu telefone celular há 6 a 7 anos. Preciso ligar, ligo 2 a 3 vezes ao dia e já chega. Eu não preciso de mais nada. Para que? Tudo que preciso no mundo está no computador.

Parece-me que esta é apenas uma homenagem à moda e nada mais.

De KabTV, “Fundamentos de Cabalá”, 03/01/19

Cabalá E A Economia Do Consumidor, Parte 4

232.06O Dinheiro É Uma Cobertura Para Os Desejos Egoístas

Pergunta: Dinheiro em hebraico é chamado de “Kesef”. O que isso significa do ponto de vista da Cabalá?

Resposta: Dinheiro (Kesef) vem da palavra “cobertura” (Kisufa). Podemos dizer que com sua ajuda a pessoa pode arcar com todas as suas despesas, tudo o que quiser. Em outras palavras, é uma cobertura para os desejos egoístas da pessoa.

No entanto, se ela realmente adquirir o que o conceito de Kesef significa, ou seja, a tela (cobertura, Masach), ela começará a se elevar acima de si mesma e em vez de realizações materiais, sentirá a realização superior do próximo nível.

Nosso egoísmo precisa de cobertura. Ou você o cobre dando tudo o que ele deseja ou o cobre parando em um certo nível normal e começa a trabalhar acima dele.

Pergunta: Em nosso mundo, o dinheiro é uma medida de valor: quanto vale o seu tempo, quanto vale esta ou aquela coisa. Na espiritualidade, é uma medida da força da minha tela, uma qualidade antiegoísta. O quanto eu posso cobrir o prazer, ou seja, desfrutar não para meu próprio bem, mas para o bem do outro ou do Criador, é chamado de “dinheiro”?

Resposta: No entanto, você faz isso para atingir a meta. Você não apenas doa a outra pessoa fazendo algum tipo de doação de caridade, mas tem um certo objetivo, e está doando em prol dele, a fim de subir ao próximo nível. Embora essa ação seja antiegoísta, ela persegue esse objetivo.

Alguém pode perguntar: “Por que é antiegoísta? Afinal, eu substituo um pelo outro”. Digamos que eu dê $ 100 milhões e queira alguma realização espiritual por isso. Aqui também precisamos entender como doamos para receber a realização espiritual e como substituo um pelo outro.

De KabTV, “Fundamentos de Cabalá”, 03/01/19

Cabalá E A Economia Do Consumidor, Parte 2

547.05A Única Forma De Egoísmo

Pergunta: É possível descrever o egoísmo que devemos corrigir? Afinal, ele tem muitas formas.

Resposta: O egoísmo tem uma forma muito simples: quero apenas coisas boas e apenas para mim.

Pergunta: E por que isso é ruim?

Resposta: É ruim porque significa que estou em conflito com querer o bem para os outros. Se antes costumávamos construir a nossa vida de alguma forma junto com os outros, hoje começamos a construi-la apenas em contradição com os outros.

Entramos em tais conflitos, tais contradições, que não podemos criar nada entre nós que nos una. Partindo das contradições de uma pessoa consigo mesma, com sua família, com seus filhos, parentes, pais, colegas de trabalho, e terminando nas relações entre as nações e o mundo inteiro.

A pessoa começa a sentir que está contra todos, sozinha, e não precisa de ninguém. Se fosse possível substituir todos os outros, ou mesmo apenas algumas dezenas de pessoas, por robôs para que eles a servissem e ela se sentisse bem, ela concordaria imediatamente com isso. Essa é a nossa natureza inerente.

De KabTV, “Fundamentos de Cabalá”, 03/01/19

Cabalá E A Economia Do Consumidor, Parte 1

115.06A Base Da Economia Do Consumidor

Pergunta: A economia é um reflexo das relações sociais entre as pessoas e, portanto, a crise que vivemos hoje é uma crise de relações. Darei alguns exemplos de nossa vida que estão diretamente ligados ao relacionamento entre as pessoas. Primeiro, a venda de produtos com prazo de validade limitado. Todos nós sofremos com isso, mas alguém ganha.

Em segundo lugar, o desperdício de alimentos para manter os preços no mercado. Acontece que metade da população joga comida fora e a outra metade não sabe onde encontrar comida.

Além disso, os bancos pagam juros escassos aos depositantes. Existe o mercado negro: algumas pessoas pagam impostos, outras não, etc. Nem estou falando de conflitos armados, que nos custam muito dinheiro.

Acontece que, na realidade, uma crise é uma crise de relações. Além disso, é muito difícil abrir empresas porque existe uma crise de confiança entre as pessoas. Como tudo isso está relacionado à Cabalá? E o que a Cabalá tem a oferecer?

Resposta: Por milhares de anos, temos desenvolvido nosso egoísmo. Essa é a nossa natureza, que a todo o tempo nos leva a um consumo cada vez maior. Esforço mínimo e retorno máximo, essa é a natureza do egoísmo. Buscando paz, realização, prazer e conhecimento, mas tudo isso com o mínimo consumo de energia.

Foi assim que nos desenvolvemos até chegarmos a um estado, onde no século XX, como foi previsto há muitos séculos pelos Cabalistas, começamos a sentir que tal movimento estava levando, em geral, a lugar nenhum. Chegou a hora das crises, das guerras mundiais.

A humanidade começou a produzir tanto que não consegue mais consumir. Ela ultrapassou a fronteira do consumo razoável. Apesar disso, metade da humanidade está desnutrida ou mesmo passando fome, e a outra metade não sabe o que fazer com a comida e joga fora o que tem. O mesmo vale para roupas e todas as outras mercadorias.

Em geral, se antes nos parecia que estávamos em um mundo que estava crescendo, melhorando e, finalmente, nos levando ao fato de que todos terão pelo menos um mínimo, as pessoas vão aproveitar a vida pelo menos um pouco, não vão morrer de fome, de doença, e chegaremos a um nível de existência mais ou menos médio, mas agora, a partir do século XXI, descobrimos que nosso egoísmo não nos permite fazer nada.

Então, de um amigo que nos puxou para frente por milênios, o egoísmo se tornou um inimigo. É claro que nos colocou uns contra os outros nas guerras, em vários problemas, mas mesmo assim nos conduziu para a frente, e a humanidade, como resultado, se enriqueceu e se estabeleceu. Mas no século XX, e especialmente desde o século XXI, tornou-se claro para nós que o ego não vai nos permitir desenvolver bem mais, ele vai nos levar à destruição, porque não nos permitirá se unir, planejar nossas vidas para que todos tenham algo.

Apesar dos enormes recursos, das imensas oportunidades científicas, técnicas, produtivas e econômicas, não nos propomos de forma alguma a satisfazer nem mesmo a nossa própria população no interior do país e pensar em deixar as pessoas mais ou menos confortáveis ​​na vida.

Pelo contrário, quanto mais avançamos, mais claro vemos que o egoísmo nos desfigura, tudo arranja para que soframos com ele. Afinal, não queremos nos conectar, não queremos nos ver em boas relações e em estados confortáveis.

Ou seja, alcançamos o que na ciência Cabalística é chamado de compreensão do mal de nossa natureza. E agora precisamos chegar a uma conclusão, que também não é muito fácil de entender, dizer e perceber: devemos definitivamente nos corrigir – nós mesmos, não algumas partes ou tendências, não algo privado em nossa sociedade ou em nossos relacionamentos, por exemplo, filhos, família, elite, etc.

Precisamos corrigir nossa natureza, ou seja, o que recebemos! Não o que criamos no processo de evolução, mas o que recebemos da natureza.

De KabTV, “Fundamentos de Cabalá”, 03/01/19

Os Banqueiros Vão Desaparecer

629.4Pergunta: Os banqueiros permitiriam o fechamento do sistema bancário mesmo que isso lhes trouxesse lucro?

Resposta: Em breve você verá como ele entrará em colapso. Não se trata dos banqueiros, trata-se apenas de nós. Se nos empenharmos pela correção, com o propósito da criação, para nos elevarmos acima deste mundo pequeno e ganancioso, os banqueiros simplesmente desaparecerão.

De KabTV, “Pergunte ao Cabalista”, 31/12/18

O Que É Mais Valioso: A Vida Humana Ou O Desenvolvimento Econômico?

laitman_547.06Comentário: O fato de a vida humana durante a pandemia parecer ser maior na escala da política estatal do que o desenvolvimento econômico é único.

De repente, todos os governos começaram a cuidar das pessoas e abandonaram a economia que havia sido sua primeira prioridade ao longo da história. A economia determinava tudo, não as pessoas. As pessoas não eram consideradas. Então chegou o ponto da virada. Não é que os governantes tenham mudado. É assim que algumas forças superiores atuam.

Minha Resposta: Em princípio, não podemos falar sobre a força superior como se ela existisse e nos comandasse; não podemos levar isso em consideração porque não temos conexão mútua com ela.

O fato de os governos serem obrigados a levar em consideração o destino das pessoas comuns é porque o vírus não faz distinção entre nós. Afeta todos os níveis. Vimos o primeiro-ministro da Inglaterra, estrelas de Hollywood, trabalhadores comuns, mulheres e homens, todos contraírem o vírus. Ele não poupa ninguém e se espalha por toda parte.

Portanto, os governos não tiveram escolha senão enviar todos para casa. Era a única maneira de parar a pandemia. Não se sabe quantas mortes e perdas teriam ocorrido de outra maneira e como tudo teria terminado.

Além disso, quando um país faz isso, os outros não podem mais ficar à toa.

De KabTV, “A Era Pós-Coronavírus “, 30/04/20.