Textos com a Tag 'Crise'

O Dalai Lama, Não É Fácil …

laitman_600.04Nas Notícias (The Earth Chronicles of Life): “’O Dalai Lama revelou o segredo da felicidade’:

“Menos inveja e raiva, mais amor e compaixão – somente através disso o homem pode chegar à harmonia na alma, disse o 14º Dalai Lama em Riga durante os ensinamentos espirituais para budistas da Rússia e dos Estados Bálticos.

“O homem é destruído pela raiva, inveja, o senso de competição, medos e outras emoções negativas que levam ao sofrimento, enquanto a felicidade é alcançada não através da implementação de desejos desenfreados, mas através da ‘paz de espírito’. Compaixão e altruísmo ajudam a chegar até ele.

“Já foi cientificamente provado que a raiva literalmente destrói o sistema imunológico, enquanto a compaixão e a paz de espírito o fortalecem. Se você trata os outros com compaixão e altruísmo, então a malícia, a inveja e a competição em você serão muito menores, e a felicidade – muito maior”, disse o Dalai Lama.

“Um sistema materialista de valores faz da pessoa um investidor de dinheiro.

“Desejos descontrolados destroem tanto o homem quanto o meio ambiente, e isso não traz felicidade a ninguém. A felicidade vem quando a mente está em paz, quando há paz na alma. Portanto, é tão importante treinar sua mente ”, disse ele.

Meu Comentário: Ele está certo, mas como isso pode ser realizado?

Observação: Em princípio, fica claro para o que o Dalai Lama está levando: é uma visão específica do mundo, meditação…

Meu Comentário: Esse método é bom para pessoas com muito pouco egoísmo, que costumava se manifestar na humanidade há milhares de anos. Além disso, hoje também se aplica, mas apenas em algumas partes do mundo onde realmente pode ser oferecido e aceito.

Pergunta: Como o estado de felicidade pode ser alcançado?

Resposta: Para fazer isso, você precisa mudar a pessoa para que ela mude o mundo para que o mundo não persiga metas artificiais, mas tudo esteja em equilíbrio com a natureza e com o outro.

É possível, mas não através de uma técnica de apenas sentar-se e sentir-se feliz.

Pergunta: Você disse que o ego irá se desenvolver e crescer e que não há como fugir dele. O que pode ser feito com o egoísmo que cresce e me mata?

Resposta: Eu falei sobre isso muitas vezes. Até que mostremos às pessoas que este estado final nos leva à destruição e que, em vez disso, existe um estado eterno e perfeito que podemos alcançar neste mundo hoje, até que convencamos a humanidade dessa possibilidade, não podemos fazer nada.

Pergunta: Como isso pode ser feito?

Resposta: Somente trabalhando em nós mesmos, levando-nos a um estado em que podemos realmente nos tornar um exemplo de relacionamentos humanos corretos, encontrar a felicidade e a mais alta qualidade entre nós.

Pergunta: Como devem ser nossos relacionamentos?

Resposta: Amem um ao outro. O Dalai Lama também fala sobre isso; só precisa ser alcançado. Não é fácil e é realizado através de um tremendo esforço e por um método confiável que conecta o impossível com o desejado.

É necessário chegar a isso? É necessário. Existe uma oportunidade? Existe, mas é difícil. Aqui, devemos remodelar a natureza humana, mudá-la.

Pergunta: Como a natureza humana muda?

Resposta: Apenas sob a influência da revelação da força superior. Nas tentativas de nos unir, revelamos essa força. Queremos que esse poder nos mude, mas apenas essa força! E não que eu queira ser bom, e eu já sou bom.

De KabTV “Notícias com Michael Laitman”, 20/06/18

Sobre A Vida Com Bonecos, Solidão Absoluta E Workaholismo

laitman_543.02Observação: No Japão, as pessoas passam muito tempo no trabalho. E as pessoas lá estão substituindo pessoas reais por bonecos como parceiros.

Alguém, após a morte de sua esposa, começou a juntar bonecos que imitam uma pessoa. Outro esfriou sua relação com sua esposa e comprou uma boneca. Ou seja, as pessoas estão substituindo pessoas por bonecos. Eles cuidam delas, lavam, etc.

E essa tendência é observada tanto nos homens quanto nas mulheres. As mulheres também compram bonecas, convivem com elas, conversam com elas. Alguns usam máscaras de bonecas para serem belezas perfeitas. Totalmente absurdo!

Meu Comentário: Um homem odeia sua aparência, quer abandoná-la e entrar no mundo dos sentimentos, o mundo da comunicação interna, não externa – não entre corpos, mas em um nível superior. Ele sente que não está em demanda e não sabe o que exigir dos outros. Portanto, uma substituição artificial ocorre. O que pode ser dito sobre isso?

Estamos em um período de transição, e não apenas os japoneses “desafortunados”, mas todos os outros também. Eu não acho que a era dos bonecos virá e substituirá maridos, esposas, filhos ou até animais de estimação. Isso tudo não é mais do que jogos. De fato, não pode haver substituto.

Eu espero que a atual grande crise, como um tsunami, acabe com toda essa indústria suja, incluindo todas as coisas excessivas que o homem inventa e produz. Tudo será varrido e só o essencial permanecerá.

Tudo o mais que não fosse essencial seria espiritual, isto é, tudo o que usamos para nos elevarmos espiritualmente. Isso só pode surgir da comunicação correta entre as pessoas, quando um estado chamado “espírito” surge entre elas. As pessoas então se elevarão juntas neste espírito: “Eu não posso viver sem você e você não pode viver sem mim”.

Eu não me refiro a homens e mulheres. Eu quero dizer tudo. Tal adição mútua gradualmente nos eleva mais e mais. Este é o elevador espiritual. É isso que devemos alcançar.

É isso que a ciência da Cabalá ensina. Espero que esta seja a solução para todo o problema. É assim que será.

Quanto aos substitutos plásticos, eles são brinquedos temporários. É precisamente porque não encontramos a combinação certa, a conexão certa entre nós.

Pergunta: Os pesquisadores afirmam que as pessoas são movidas pelo medo, pelo desejo de estarem seguras. Como você pode superar esse medo?

Resposta: Eles não vão encontrar isso um no outro também.

Eles encontrarão isto somente se se conectarem corretamente uns com os outros e, neste contexto, irão de repente revelar o poder superior que os criou, os mantém, e do qual dependem completamente. Então o medo desaparecerá.

Que medo pode haver se você estiver em contato com a força superior que determina tudo: como você nasceu, como você existe e morre, e depois disso, você estará novamente em outros estados diferentes! Quando você está em contato com a força superior, não há medo.

De KabTV “Notícias com Michael Laitman”, 31/07/18

Cúpula

Dr. Michael LaitmanDa Minha Página no Facebook Michael Laitman 13/06/18

A cúpula Trump-Kim gerou um senso renovado de esperança junto com questões sobre o futuro. Será que vamos testemunhar uma nova e pacífica Coreia do Norte? As habilidades de Trump para fazer negócios terão um papel decisivo na promoção da paz mundial? E especificamente entre os analistas de Israel: Trump será capaz de fazer um acordo para resolver o conflito israelense-palestino?

Em primeiro lugar, quando grandes mudanças acontecem na política internacional, isso não se deve a personagens e personalidades específicas. É o acúmulo de várias circunstâncias que levam a uma urgência por mudança. Faz parte de como a natureza funciona.

Como o Cabalista Yehuda Ashlag escreve, “a duração de cada fase política é justamente o tempo que leva para desvendar suas falhas e maldades. Ao descobrir suas falhas, abre caminho para uma nova fase, livre dessas falhas. Assim, essas deficiências que aparecem em uma situação e a destroem são as próprias forças da evolução humana, pois elevam a humanidade a um estado mais corrigido” (A Nação).

A recém-aprimorada relação entre os EUA e a Coreia do Norte é um passo positivo, e envia uma mensagem para outros países de que vale a pena aliviar a tensão nuclear. No entanto, não considero isso algo que possa mudar drasticamente o mundo. Embora a Coreia do Norte tenha feito muito barulho, é um regime autoritário isolado cuja influência global é muito limitada.

Em relação às implicações em Israel, acredito que veremos algumas mudanças graduais acontecendo. À medida que o relacionamento Trump-Kim avança, também podemos esperar que a Coreia do Norte pare o fornecimento de armas para países como o Irã e a Síria.

Então, Trump será capaz de estender suas habilidades de negociação para o conflito israelense-palestino e iniciar uma mudança radical na região? Infelizmente, não vejo isso acontecendo. E mais uma vez, a razão tem a ver com a própria natureza.

Há 3.800 anos na antiga Babilônia, um “acordo” especial foi feito no berço da civilização humana. Representantes dos vários grupos, tribos e clãs decidiram se unir e coexistir sob o princípio da unidade acima de todas as suas diferenças.

Foi a maneira da natureza de plantar a semente da unidade para toda a raça humana. Em outras palavras, a natureza fez um acordo com eles: transformá-los em um mini-modelo de unidade global, que em última análise tem que dar o exemplo para o mundo.

Esse grupo de representantes mais tarde se tornou o que agora chamamos de “o povo de Israel”. O acordo é que eles são como uma junção central dentro da vasta rede da humanidade, através da qual a influência da unidade pode se espalhar para todas as nações, incluindo os vizinhos de Israel, cujas ações dependem mais dessa influência.

Portanto, resolver o conflito israelense-palestino é algo totalmente diferente. A única maneira de passar da hostilidade atual para um estado de amizade e coexistência é quando Israel gerar a força de cura da unidade, primeiro dentro de si e depois no mundo.

E como acontece com todos os processos naturais, o acúmulo de circunstâncias acabará nos levando à urgência da mudança.

Os Ricos Ficam Mais Ricos, Mas Eles Não São O Problema

A estratificação social está aumentando no mundo. Os ricos continuam a ficar rapidamente mais ricos e os pobres mais pobres.

De acordo com dados recentes, no ano passado, um por cento da população mundial acumulou cerca de um terço da riqueza do mundo. Isto é ruim? No âmbito do egoísmo humano, isso é normal e natural. Não se trata de bilionários. Como todos nós, eles também não podem sacrificar sua natureza (The Guardian).

O nosso egoísmo é sem fundo e nada é suficiente para ele. É bom que hoje nós ainda consigamos mantê-lo sob controle e repassemos alguns fundos para os outros. No entanto, a tendência geral leva a um beco sem saída.

Afinal, uma pessoa rica estima seu sucesso não em bilhões, mas em sentimento. Ela não sente que é rica, porque os outros são mais ricos do que ela ou porque ela ainda não é dona de tudo e de todos.

Paradoxalmente, com cinquenta bilhões, ela sente-se mais pobre do que antes. Não há limite. Ela dá enormes somas para causas de caridade exatamente porque o dinheiro em si não a satisfaz. A propósito, seríamos exatamente os mesmos em seu lugar.

Por outro lado, mesmo infusões maciças no Terceiro Mundo não ajudaram a mudar radicalmente a situação. Centenas de milhões de pessoas ainda passam fome e a maioria das pessoas está longe de satisfazer suas necessidades básicas.

O que deveria ser feito?

Para começar, precisamos entender a essência do problema, sua raiz. O mal não está na concentração de riqueza do mundo, mas no próprio sistema, onde as pessoas são incapazes de mudar, porque não querem ouvir que precisam mudar a si mesmas.

Nós somos confrontados com o desafio da história: a necessidade de renovar radicalmente a natureza humana e nutrir uma nova qualidade de doação aos nossos companheiros seres humanos. Só isso nos fará mais iguais, verdadeiros, honestos, confiáveis e sem derramamento de sangue. Esta não é uma solução “padronizada para todos”. Em vez disso, ela permite que todos se realizem ao beneficiar os outros.

Somente assim encontraremos nossa vocação e felicidade.

Newsmax: “As Leis Não Vão Curar A Epidemia Social Da Violência Armada”

O maior portal, Newsmax, publicou meu novo artigo “A Leis Não Vão Curar A Epidemia Social Da Violência Armada

Os tiroteios escolares nos EUA não são nada menos do que uma epidemia social. O massacre da escola Parlkand, na Flórida, foi apenas o último de 18 eventos em que uma arma foi sacada no campus de uma escola desde o início de 2018. Isso significa que esse evento aconteceu a cada 60 horas em diferentes lugares, antes de chegar a Marjory Stoneman Douglas High School.

Vamos primeiro dar uma olhada na tendência:

O massacre de Columbine foi realizado por um jovem de 18 anos e um com 17 anos; Virginia Tech por um jovem de 23 anos. Sandy Hook foi executado por um jovem de 20 anos. E agora na Flórida, outro de 19 anos. Estes são apenas os grandes nomes gravados na memória coletiva dos Estados Unidos. Entre eles, houve mais de 200 outros tiroteios em escola, a maioria dos quais segue o mesmo padrão: um jovem se torna um assassino.

Tal como acontece com qualquer outra epidemia, para oferecer uma solução verdadeira, temos que ir além dos sintomas e tratar a causa principal. E como esse horrível cenário é único para os EUA, temos que entender o que acontece com um jovem norte-americano antes dele decidir pegar uma arma e matar seus colegas de escola.

O Alto Preço Da Criação Dos Filhos Em Uma Cultura Competitiva

Em primeiro lugar, não podemos simplesmente nos contentar em chamar o comportamento de alguém de “mal”, “sem sentido” ou “perturbado”. Os seres humanos são criaturas sociais e um indivíduo não pode ser separado de sua cultura quando queremos entender um comportamento que se repete.

Os EUA de hoje são indiscutivelmente a sociedade mais individualista e competitiva do mundo.

Em tal clima social de “cada um por si”, portar uma arma torna-se uma extensão do ego humano. Isso pode compensar medos e inseguranças e ajudar a manter uma sensação de segurança e confiança. Portanto, temos que entender a natureza humana quando se trata de norte-americanos normativos que se acostumaram a sentir que o modo de estar protegido – ou ser igual aos outros – é possuir uma arma.

Mas quando se trata de tiroteios em escolas, temos que entender os estressores que cercam a juventude americana, suas inseguranças únicas e sua fragilidade emocional.

Só por serem adolescentes, eles já estão sob pressão para estabelecer seu status social e lidar com ansiedades sociais, enquanto suas mentes em desenvolvimento estão fazendo sentido de si mesmas e do mundo ao seu redor.

Além disso, a mentalidade competitiva penetra na escola e se manifesta de forma hostil ou perigosa, como o bullying, a exclusão social, a pressão dos pares para usar álcool e drogas, ou fazer outros atos extremos apenas para ganhar notoriedade e poder. Enquanto isso, eles estão em um sistema continuamente julgando-os com testes e notas.

Muitos adolescentes hoje são diagnosticados como sofrendo de algumas vertentes do Transtorno de Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH), ansiedade ou depressão. Os vários tipos de medicamentos prescritos que alteram a mente não resolvem seu problema. Eles apenas aliviam os sintomas, às vezes ao custo de efeitos colaterais perigosos, como adormecer suas emoções e mentalmente desconectá-los da realidade.

Paralelamente, as crianças americanas estão sendo dessensibilizadas para níveis obscenos de violência. Quando têm 18 anos, elas já assistiram 200 mil atos de violência, 16 mil dos quais são assassinatos, e isso é apenas na televisão. Junte isso com o que vêem quando vão ao cinema, vagueiam na net, ou os violentos jogos de vídeo que jogam.

Portanto, quando você considera o impacto de tudo isso nas mentes em desenvolvimento, que também podem estar lutando com circunstâncias difíceis da vida, é realmente impensável que, de vez em quando, alguns vão surtar, eclodindo em uma violência horrível?

Por Que As Leis De Armas Não São Uma Solução

Quando as pessoas sentem que suas vidas não têm valor, seus atos sem sentido refletem o pior que sua cultura lhes ensinou.

Portanto, mesmo com leis de armas mais duras no caminho de indivíduos jovens e instáveis, não estaríamos resolvendo o problema na raiz. Na verdade, eles poderiam pensar em maneiras ainda mais horríveis de cometer assassinatos em massa. E com a Internet na ponta dos dedos, nenhum de nós deseja imaginar o que pode ser.

A maneira de tratar a epidemia de violência armada na escola vai além das leis e regulamentos.

Os EUA devem tratar o profundo condicionamento cultural e social que geram esses eventos iniciando um programa educacional federal maciço para infundir seus filhos com novos exemplos, normas e valores.

As crianças precisam crescer em um ambiente seguro e positivo, um que impeça que a concorrência hostil se acumule em primeiro lugar. Elas devem ser regularmente treinadas para cooperar, criar confiança e desenvolver sua sensibilidade social entre si através de workshops, grupos de discussão e projetos colaborativos.

A escola deve se sentir como uma comunidade de apoio, em vez de um lugar onde você luta pelo sucesso individual, enquanto está ansioso pela aceitação social.

Plano Federal Nacional de Reforma Social

Nossa educação deve agora se concentrar no cultivo do ser humano dentro desses jovens adultos. Isso significa construir um sistema de valores dentro do indivíduo e um ambiente social em torno dele, que equilibre o ego humano e direcione-o para uma realização positiva.

Eles precisam de ferramentas e orientações para entender melhor a si mesmos e o que estão passando, para perceber seu potencial e encontrar sua expressão, e para estabelecer conexões significativas e saudáveis ​​com seus pares. Esta formação socioeducativa deve se tornar a principal coisa em que se envolvem e são avaliados pela escola. De fato, suas sensibilidades sociais devem se tornar a qualificação inicial necessária para sua participação na sociedade adulta.

Paralelamente, temos que fazer esforços para restringir o acesso ilimitado a visualizações de violência e sangue. É por isso que este esforço tem que ir além das escolas. Os canais de mídia comuns também devem ser necessários para dedicar certa porcentagem de sua atividade a este programa educacional.

Idealmente, este deve ser um esforço nacional de costa a costa. De forma pragmática, talvez ele possa começar com uma grande cidade. Mas, pelo menos, vamos começar decidindo que já tivemos o suficiente, que estamos dispostos a ir além dos sintomas e a tomar medidas vitais para a reforma social para conter uma epidemia social.

Michael Laitman é um pensador global que vive em Israel. Laitman tem doutorado em Filosofia e Cabalá e MS em Biocibernética Médica. Ele é um escritor prolífico que publicou mais de 40 livros, que foram traduzidos em dezenas de idiomas. Ele é orador e escreveu para ou foi entrevistado pelo New York Times, The Jerusalem Post, Huffington Post, Corriere della Sera, Chicago Tribune, Miami Herald, The Globe, RAI TV e Bloomberg TV, entre outras. A mensagem de Laitman é simples: somente através da unidade e conexão podemos resolver todos os nossos problemas, sejam eles pessoais ou globais, criando um mundo melhor para nossos filhos. Dr. Laitman ensina lições diárias ao vivo a uma audiência de cerca de dois milhões de pessoas em todo o mundo, interpretada simultaneamente em inglês, espanhol, hebraico, italiano, russo, francês, turco, português, alemão, húngaro, farsi, ucraniano, chinês e japonês. Visite http://www.michaellaitman.com/pt/ para mais informações. Para ler mais de seus relatórios – Clique aqui agora.

A Lei Anti-Ódio

laitman_448.1Nas Notícias (VOA News): “A passagem da Venezuela de uma nova lei que ameaça até 20 anos de prisão por incitar o ódio está gerando preocupações sobre uma crescente tentativa de dissidência.

“A poderosa Assembleia Constituinte pró-governo aprovou a medida na quarta-feira.

“A líder da Assembleia, Delcy Rodríguez, disse que representava ‘uma lei construtiva para a convivência pacífica’ e um antídoto contra ‘as intolerâncias, o ódio que o direito venezuelano desencadeou’.

“O presidente Nicolas Maduro propôs a medida durante os protestos de rua anti-governo que abalaram a capital e outras cidades venezuelanas, de abril a julho. Mais de 120 pessoas morreram nos confrontos quase diários provocados pelo agravamento da crise econômica e política do país. Ativistas frequentemente usavam redes sociais para organizar manifestações”.

Pergunta: Você acha que essas leis seguram as pessoas?

Resposta: Em parte, sim. Afinal, uma pessoa tem medo da punição. Nós vemos como as pessoas tentam evitá-la, tentam criar zonas livres dessas punições onde é possível promover suas ideias.

No entanto, de alguma forma funciona, mas até certo limite. Afinal, você não pode conter uma pessoa só com o medo. Já conhecemos isso há muito tempo. Nosso desenvolvimento ao longo de milhares de anos nos apresenta um resultado muito claro.

Portanto, não acho que isso ajudará muito. No final, encontraremos a mesma Venezuela em algum tipo de miasma, algumas outras perversões, que se sobrepõem ao passado, juntamente com essas proibições e punições. Não há nada de bom nisso.

Pergunta: Você acha que a humanidade acabará por entender qual é a base do ódio? Será que ela vai começar a lidar com essa base?

Resposta: Isso é impossível de fazer porque o egoísmo está na base da nossa natureza. Portanto, só se começarmos a corrigi-lo. No entanto, a humanidade não sabe como corrigi-lo. Apenas os Cabalistas sabem disso.

Portanto, os Cabalistas não têm outra escolha senão apelar para a humanidade, dizendo: “Que oportunidade nós temos! Vamos corrigir nossa natureza!”

No entanto, a humanidade não quer ouvir. Não se preocupe com a humanidade, os próprios judeus não querem ouvir isso, e eles são realmente os que precisam se corrigir primeiro e dar um exemplo ao mundo inteiro.

Pergunta: A Venezuela verá isso então?

Resposta: Então todos verão. Se apenas os judeus quisessem, se pudessem ouvir e saber sobre isso…

De KabTV “Notícias com Michael Laitman” 09/11/17

Enquanto Não For Tarde Demais

laitman_293Nós estamos diante de uma tarefa de dupla complexidade. Primeiro, devemos convencer o povo de Israel de que precisamos alcançar a unidade, embora ele se oponha à correção e à unificação.

Além disso, também é necessário que as pessoas entendam que a unificação só é possível através do estudo da sabedoria da Cabalá e da Luz que Reforma que é atraída por este estudo. Isto é, o problema é convencê-las a aceitar o objetivo e os meios.

O objetivo é que “Todos os israelitas sejam amigos”, ou seja, a unificação completa das pessoas dentro da qual o Criador será revelado. Não basta alcançar o amor entre nós, mas também através da sabedoria da Cabalá, e isso é ainda mais repulsivo. No entanto, precisamos entender que nossa unidade é uma necessidade absoluta se quisermos evitar o extermínio.

Observação: Quando a situação se tornar ameaçadora, o povo de Israel se elevará como um só homem e se unirá.

Meu Comentário: Então será tarde demais! Por que os judeus não escaparam dessa maneira na época de Hitler? Hoje, o fogo pode acender instantaneamente, como se fossem galhos secos. Naquela época, os planos de Hitler foram implementados ao longo de vários anos. As leis contra os judeus começaram a surgir cerca de dez anos antes dos campos de concentração aparecerem.

A situação estava piorando gradualmente, mas ninguém se levantava para protestar. O mundo se fez de surdo e insensível para o que estava acontecendo com os judeus. Essa surdez vem da natureza, do lado do Criador, a fim de obrigar os judeus a cumprir sua missão. O Criador não considera os corpos animados e os desejos egoístas; a coisa mais importante para Ele é o desejo de doar chamado alma.

No entanto, nós podemos evitar golpes através da consciência e compreensão para não recebê-los fisicamente. Está escrito que “Tudo será esclarecido no pensamento”. Se estivermos conscientes da nossa missão, isso basta e não precisaremos mais de sofrimento. Uma criança inteligente entende tudo com o olhar de um pai e não há necessidade de gritar com ela e, ainda mais, batê-la.

Portanto, vale a pena mesmo agora pensar de onde vêm os golpes e sua causa. Quem controla esse mundo e nos envia esses sofrimentos? Se as pessoas quiserem resolver essa questão e ouvir a opinião dos Cabalistas que escreveram sobre isso em todos os momentos, elas têm a oportunidade de revelar a verdade.

Todos nós testemunhamos o conflito que entrou em erupção em torno dos detectores de metal instalados pelos serviços de segurança israelenses no Monte do Templo, que por fim teve que ser removido. No entanto, eles não eram nada importantes para os árabes, para eles essa era apenas uma razão para protestar.

Veja como eles se uniram em torno desse motivo insignificante e inflaram uma grande chama disso. No entanto, não temos nada a dizer, afinal, passamos para eles o domínio do controle de todo o universo. Damos aos árabes o direito de controlar o mundo devido à nossa desunião.

Se continuarmos dessa maneira, isso piorará. A ONU, a UNESCO e várias comissões começarão a emitir decretos anti-israelenses um após o outro. Primeiro, elas nos dirão para deixar o Monte do Templo, depois Jerusalém, e depois a terra de Israel. Não teremos para onde ir, ninguém nos aceitará, assim como já ocorreu na Alemanha. Afinal, nós não aprendemos com os erros do passado.

O universo inteiro é um sistema espiritual e o povo de Israel só pode afetar sua cabeça. Não é sem razão que Israel é chamado de “Minha cabeça” (Li-Rosh). Se começarmos a perceber corretamente os assuntos atuais e os influenciarmos sempre que pudermos, poderemos mudar a realidade.

Essa é a única maneira de corrigir a situação. Nós confiamos em nossos mísseis, armas e exército forte, mas isso não ajudará. Pode acontecer que, com todo o nosso poder militar, arsenal de foguetes e bombas atômicas, não tenhamos permissão de dar um único tiro da menor pistola. Portanto, devemos explicar às pessoas que não temos outra maneira de nos salvar dessa situação perigosa, exceto pela unidade.

Da 2ª parte da Lição Diária de Cabalá 28/07/17, Lição sobre o tema: “Sobre o Mérito do Estudo da Cabalá, Israel Sairá do Exílio”

Newsmax: “O Motivo Desconhecido De Paddock, Mas O Motivo Da Violência Está Em Todo O Lado”

O maior portal Newsmax publicou meu novo artigo “O Motivo Desconhecido De Paddock, Mas O Motivo Da Violência Está Em Todo O Lado

Como esperado, o massacre de Las Vegas reabasteceu o debate de controle de armas na América. Mas ninguém parece considerar um debate muito mais amplo sobre a reprodução da violência em curso nos EUA.

“Ainda não temos um motivo claro ou razão disso”, diz o Xerife Kevin McMahill, do Departamento de Polícia Metropolitana de Las Vegas, cerca de uma semana após o massacre. Mas não são apenas detetives policiais que estão procurando arduamente por respostas, mas sim todos.

A resposta padrão que vem à mente é que Stephen Paddock, um homem branco de 64 anos sem registro criminal, era algum tipo de psicopata. Um louco. Uma dessas pessoas profundamente perturbadas cujas ações sem sentido podem nunca ser totalmente compreendidas.

Mas há um problema com essa resposta. Ela molda Paddock e tudo sobre ele como um estranho, o separa de nossos valores sociais e rejeita qualquer associação de sua imagem com nossa cultura. E, ao fazer isso, impede-nos de darmos uma boa olhada no espelho como uma sociedade.

Paddock podia muito bem ter sido um psicopata, e alguns até sugerem que os genes criminosos de seu pai desempenharam um papel. Mas Paddock também foi uma réplica do horrível cenário que se repete na América, uma e outra vez. Ele conseguiu deixar uma cicatriz dolorosa na memória coletiva dos Estados Unidos como o atirador de massa mais mortal na história dos EUA, mas percebemos que houve outros seis tiroteios em massa na América na semana passada?

Ampliando a Discussão

É espantoso descobrir que um tiroteio em massa, definido como pelo menos 4 pessoas atingidas em um único incidente, acontece na América a cada 9 em 10 dias em média (!). Mais de 30 mil pessoas morrem todos os anos de incidentes relacionados a armas nos EUA – mais do que HIV, desnutrição e incêndios, para citar alguns. Nenhum outro país do mundo desenvolvido chega perto desses números. Além disso, os sociólogos da Universidade de Yale mostraram que a violência armada é uma epidemia social que se espalha ao longo do tempo.

Mas ainda mais revelador é o fato de que as taxas gerais de morte por assalto – incluindo, mas não limitado a uso de armas – revelam uma imagem semelhante: os EUA são significativamente e consistentemente mais violentos do que outros países da OCDE desde a década de 1960. Com isso em mente, o que devemos debater é uma epidemia social de violência, das quais as armas são simplesmente a expressão pior e mais prejudicial.

Portanto, em vez de limitar a discussão ao motivo de Paddock e ao debate sobre controle de armas, eu acredito que os americanos devem expandir o discurso público para se questionar: o que continua alimentando as taxas de violência extremamente elevadas dos Estados Unidos?

Como Algo Tirado De Um Filme

O agente David Newton, do Departamento de Polícia de Las Vegas, disse aos “60 Minutos” da CBS que entrar no quarto do hotel de Paddock e encontrar seu corpo ao lado de seu arsenal de armas foi algo “tirado de um filme”. Newton, sem perceber, apontou para uma das principais variáveis ​​que geralmente são excluídas da equação que explica os níveis extremos de violência na América – as inúmeras visualizações de violência vistas pelo povo americano.

Com programas de televisão que exibem 812 atos violentos por hora, o americano típico assistirá 200 mil atos de violência, incluindo 16 mil assassinatos, antes de completar 18 anos. E isso apenas na televisão. Quando tira um momento para considerar o impacto que isso tem em nosso clima social, será que é realmente surpreendente que cenas violentas semelhantes estejam se desenrolando na vida real?

Nós estamos presos em um ciclo vicioso que torna mais fácil ignorar suas consequências psicológicas: os produtores de conteúdo estão levando suas cenas violentas a maiores extremos, dando ao público uma solução maior para mantê-los assistindo. Ao mesmo tempo, os espectadores estão se tornando cada vez mais insensíveis ao que veem. O resultado é uma sociedade cujas atitudes e normas relativas à violência estão atingindo cada vez uma nova baixa.

Gradualmente, nos acostumamos com a aparência contínua de atos extremamente violentos e eles se tornam uma parte “normal” da vida cotidiana.

Todos os dias, a mesma quantidade de pessoas do tiroteio de Las Vegas é morta intencionalmente por armas, mas esses assassinatos não dão manchete. Todos os dias, a violência doméstica leva a vida de quase três mulheres, mas essas mortes não atingem a consciência pública. É preciso um tiroteio em massa de centenas de pessoas ao mesmo tempo do 32º andar para chocar a sociedade.

Criando Sistematicamente A Humanidade Comum

Portanto, independentemente da opinião sobre o controle de armas, se quisermos tratar as tendências violentas na América a partir de suas raízes, temos que lidar com algo muito mais profundo: a cultura que as cria.

Na manhã seguinte ao tiroteio de Las Vegas, o presidente Trump disse: “Conclamamos os vínculos da cidadania, os laços da comunidade e o conforto de nossa humanidade comum. Nossa unidade não pode ser quebrada pelo mal. Nossos vínculos não podem ser quebrados pela violência”.

Toda pessoa sensata concordaria com essa afirmação. Mas para que seu efeito dure mais de um dia, temos que trabalhar consistentemente em nossa unidade para que ela seja mais poderosa do que o nosso mal, que é a erupção potencial do ego humano. E somente se reforçarmos regularmente nossos laços e nossa humanidade comum, a violência entre nós raramente acontecerá.

Os cientistas sociais estabeleceram há muito tempo que somos altamente suscetíveis aos exemplos, normas e valores do nosso ambiente. Devemos abrir os olhos para isso e cultivar um clima social que nutre nossa humanidade comum em uma base diária. Se começarmos a fazer isso de forma sistemática, seguramente veremos uma América muito menos violenta, e poderemos evitar que surja o próximo Paddock.

Não Só De Pão

laitman_547.05De “A Crise e a Sua Solução” (Fórum em Arosa, 2006):

Embora no início, cada um trabalhará em benefício da sociedade sob a compulsão e a influência de seu ambiente, o apoio e o reconhecimento de suas ações pela sociedade o preencherão com uma satisfação tão completa que o indivíduo começará a perceber a doação à sociedade como o valor mais especial e melhor mesmo sem receber uma recompensa moral de seu ambiente em casos concretos.

Em outras palavras, a questão não é o quanto recebemos hoje e quanto mais tarde. O preenchimento (realização) depende de como recebemos, de que forma, para que e por quê. É possível comer algumas gramas de comida e ficar satisfeito como se comesse vários quilos. Tudo depende da satisfação interna e espiritual.

O sentido espiritual na comida, nas roupas, em qualquer realização recebida por um indivíduo, dá-lhe prazer e o desejo de preservar e ficar satisfeito com menos. E isso não será resultado da coerção; a sociedade chegará a isso como resultado da educação integral. Está escrito que um “homem não vive só de pão” porque o preenchimento espiritual é mais importante.

E mesmo agora, não estamos nos preenchendo com a própria comida; estamos tentando extrair prazer disso. Mas o prazer de um pedaço de carne não pode ser comparado com o que pode transcende-lo: como estamos recebendo e por que motivo comemos.

Pergunta: É óbvio que o mais importa em um trabalho não é o salário, mas o preenchimento que ele dá ao indivíduo, as interações. Por que, então, a necessidade de trabalhar em benefício da sociedade é percebida pelo ego como algo amargo?

Resposta: Porque hoje o indivíduo não recebe uma sensação prazerosa de dar à sociedade., Mas o contrário! Isso é resultado do “liberalismo” e da “democracia”, que têm sido promovidos nos últimos quarenta anos. Toda a abordagem recebeu uma inclinação errada porque todos se orgulham de seu próprio relacionamento desdenhoso para com os outros, sua separação da sociedade, como um ladrão que não foi pego.

A sociedade valoriza exatamente esse tipo de pessoas: personalidades fortes. É por isso que toda a sociedade apodreceu completamente. Se esse “liberalismo” não for interrompido agora, nos levará à guerra. No final do mandato de Obama, uma guerra final já era falada abertamente porque o mundo estava realmente se movendo em direção a ela. Eu espero que agora haja mudanças.

Uma inclinação para a direita também não é permitida; deve haver um equilíbrio. Esse será o verdadeiro “pluralismo” sonhado antigamente, e não o tipo que emerge quando os democratas apoiam a democracia apenas enquanto estão no poder. Assim que alguém é eleito, eles saem para protestar e tentam derrubá-lo. Como as pessoas, que se chamam democratas e liberais, não concordam com os resultados de uma eleição?

Da 2ª parte da Lição Diária de Cabalá 05/05/17, “Mismah Arosa (Documento Arosa)”, “O Resultado Desejável”

Ontem Harvey, Hoje Irma, Amanhã O Quê?

laitman_765.1Pergunta: Inundações no Nepal, ondas de incêndios florestais na Califórnia, apenas recentemente o furacão Harvey passou pelo Texas, e depois disso, outro furacão de categoria elevada, o Irma, atingiu a Flórida. O que está acontecendo?

Resposta: O mundo está em desequilíbrio no nível inanimado porque as pessoas cometem crimes, erros e realizam ações negativas no nível espiritual. A humanidade já se desenvolveu a um grau espiritual e é obrigada a realizar uma correção. Não é por acaso que nossa geração se chama a última geração.

É como uma criança que cresceu e agora deve ir à escola e gritar que não quer estudar! Mas lhe dizem: “Caro, você cresceu e deve ir à escola, quer queira ou não”.

A última geração significa que chegamos a um novo estado, embora ainda não estejamos cientes disso. Os Cabalistas advertem: “Cuidado, hoje vocês já estão na primeira série. Quer queiram ou não, vocês estão sendo graduados e a natureza irá tratá-los de acordo com essas notas. Saibam que se vocês voltarem para casa com uma nota baixa, serão punidos”.

Mas a humanidade não presta atenção a essas advertências e continua a se divertir irresponsavelmente, como crianças no campo de jogos. É por isso que há desastres naturais, um após o outro.

Até agora, estamos cometendo transgressões menores em nossa sociedade, porque não é exigido muito de nós – apenas a menor consciência de onde estamos e qual é o propósito para o qual nós existimos.

Mas se, em vez disso, nos ocupamos de uma atividade inútil, então nossos pequenos erros, à medida que são mais claros para nós, começam a aumentar gradualmente à medida que passam por todos os níveis: humano, animal, vegetal e todo o caminho para o nível inanimado, onde eles se transformam em desastres naturais.

É assim que funciona um sistema integral unificado, e não seguir suas leis pode resultar em consequências catastróficas. O mais perigoso nem sequer é um furacão ou um incêndio, mas que, em um momento, podemos ficar completamente sem comida. Não haverá colheita. O que fazemos, então? Nós somos extremamente dependentes do nível inanimado da natureza.

Nós devemos começar o trabalho de correção imediatamente porque hoje não há mais ninguém que desfrute viver nesse mundo. Nós estamos no limiar das grandes crises: no sistema financeiro, na ecologia, uma nova onda de terrorismo, sem mencionar a ameaça nuclear. A humanidade está preparando surpresas tão assustadoras para si mesma que vale a pena nos apressar. Furacões, incêndios e erupções vulcânicas não vão terminar porque a natureza está agora em desequilíbrio.

Da 3ª parte da Lição Diária de Cabalá 06/09/17Escritos do Baal HaSulam, “Paz no Mundo”