Textos com a Tag 'Coração'

Entre Os Desejos Do Coração E Os Argumentos Da Mente

laitman_235Pergunta: Como um Cabalista encontra uma solução quando experimenta uma contradição entre os desejos do coração e os argumentos da mente?

Resposta: Em nosso mundo, essas contradições são baseadas na ignorância da pessoa. Ela não sabe onde está, com quem lida, o que controla e o que deve equilibrar. Ela não tem nenhuma fundação.

No mundo espiritual, ela toma o Criador como fundação, que é a base do equilíbrio dessas duas forças, porque Ele é a força positiva. Ele gera a força negativa para que possamos existir nela como criações, opostas a Ele.

Portanto, o equilíbrio entre as duas forças é mantido pelo Criador nos níveis inanimado, vegetativo e animado, e no nível espiritual entre as propriedades de doação e recepção, mas com a nossa intervenção, tanto quanto necessitamos, pedimos a Ele para nos ajudar a manter esse equilíbrio.

Da Lição de Cabalá em Russo 16/12/18

Até Que Todos Os Amigos Estejam No Meu Coração

laitman_962.6A transição é um período curto e difícil, porque exige que você deixe o lugar antigo, as condições especiais em que estamos localizados, nossas propriedades, e passe para novas qualidades. Isto é, somos obrigados a deixar as condições prévias, familiares e compreensíveis sob as quais já estabelecemos contato uns com os outros e criamos um Kli comum em uma determinada forma. De repente, nos encontramos em algum estado intermediário, incompreensível, desconhecido, instável e confuso, contendo várias condições novas e mutáveis, até chegarmos a um novo estágio.

Esse novo estado também é desconhecido, incompreensível e leva tempo para se estabilizar. Há pessoas que se adaptam facilmente a essas mudanças, enquanto outras têm grande dificuldade. Mas, de qualquer forma, o período de transição não é fácil para ninguém. Nosso nível básico é o animado. Um animal não gosta de mudar. Existe de acordo com sua natureza. No entanto, agora o nível humano está mudando em nós, e tais mudanças nos levam a experimentar constantemente novos sentimentos, confusão e contradições insolúveis.

Primeiro a pessoa precisa entender que o período de transição pertence ao nível humano e que sem essas mudanças, é impossível se tornar humano. Embora não seja fácil, os Cabalistas precisam passar por elas. Durante a transição, uma pessoa perde o autocontrole e não entende como e exatamente o que controlar, porque os parâmetros internos mudam e a percepção muda de acordo.

Além disso, a pessoa não entende onde está a mudança ou o que é certo ou errado. Existem condições que são muito difíceis de superar. A única solução nesta situação é concentrar-se mais na ação do que nos pensamentos: conectar-se mais fortemente com o grupo, os amigos. Você então se encontrará em um novo estado. Não há dúvida de que o próximo novo estado exige que tenhamos uma conexão maior com o grupo.

No mundo material, os períodos de transição duram bilhões de anos, mas em um nível espiritual essa transição leva alguns anos, acomodando várias mudanças enormes. Nós estamos nos movendo de um mundo para outro e nem mesmo uma vez, mas várias vezes. Vamos esperar que façamos essa transição com compreensão e que nos apoiemos uns aos outros, porque essa é a transição para um nível espiritual.1

O mundo inteiro deve ser percebido como o Kli espiritual de uma pessoa. Há amigos neste mundo que pensam da mesma maneira que eu e lutam pelo mesmo objetivo. Este é o meu apoio, minhas propriedades que são solidárias comigo. Mas há aqueles que ainda não foram corrigidos e eu preciso tentar aproximá-los de mim, corrigi-los e incluí-los em mim mesmo. Eu mesmo sou a parte mais flexível que posso dispor e, portanto, posso descer aos outros, absorver, abraçar, elevar e dar a forma correta à nossa conexão.

O mundo inteiro deve ser considerado como a minha alma, a qual eu me anexo gradualmente, círculo após círculo: do primeiro círculo, meu “eu”, depois meus amigos, a comunidade mundial do Bnei Baruch e depois o mundo inteiro.

O período de transição é o tempo do aprendizado sobre a própria alma, o Kli. O mundo inteiro é a minha alma e eu preciso gradualmente começar a ligá-lo, cuidar dele e incluí-lo. Este não é apenas o mundo exterior com muitas nações diferentes, a natureza inanimada, plantas, animais e outras galáxias. Essa imagem só aparece na minha imaginação. De fato, toda a realidade está dentro de mim e eu incluo o mundo inteiro.

Toda pessoa deve dizer: “O mundo todo foi criado para mim”, e assim devo constantemente cuidar de corrigir o mundo e satisfazer suas necessidades. Em essência, eu vejo falhas não nos outros, mas em mim mesmo, e oro pela minha correção até que toda esta realidade esteja incluída dentro de mim, e eu a verei como as dez Sefirot do meu Kli espiritual.2

Ao mudar minhas propriedades, eu vejo como o mundo muda. O mundo é uma projeção das minhas propriedades. Parece-me apenas que existe fora de mim, mas, na verdade, é só dentro de mim, como se houvesse um projetor dentro de mim que projeta as minhas propriedades para fora na forma de uma imagem do mundo. Portanto, mudando minhas propriedades, eu posso mudar o mundo projetando um filme que vejo na minha frente.3

O grupo é dado a mim para que eu possa formar o meu mundo interior dentro dele, como se fosse a minha realidade externa, e começar a administrar ambos os mundos. Olhando para a realidade externa, eu me mudo desde dentro, e quando olho para minha realidade interna, sei o que precisa mudar desde fora.

O mundo exterior me é dado para que eu possa ver minhas propriedades internas com maior resolução, com mais detalhes. Devemos ser gratos pela oportunidade de ver o mundo fora de nós mesmos, porque isso nos dá um conhecimento muito preciso, amplo, profundo e rico. Se olhássemos para essas propriedades dentro de nós, não veríamos nada.

Nós mudamos as propriedades dentro de nós mesmos e realmente não entendemos como isso afeta tudo. Somente por mudanças no mundo externo é que a pessoa pode julgar a essência de suas mudanças internas. Corrigindo relacionamentos com amigos, eu corrijo minhas qualidades internas. Isso acontece até que todos os amigos estejam no meu coração e se transformem em dez Sefirot, que me são dadas a cada vez para sintonizar a percepção de uma realidade espiritual mais elevada.4

Da 1ª parte da Lição Diária de Cabalá, 17/02/19, “Bnei Baruch como Estado de Transição”
1 Minuto 0:20
2 Minuto 7:20
3 Minuto 17:23
4 Minuto 23:40

“O Endurecimento Do Coração: Oportunidade De Subida”

laitman_237A questão é: onde Israel estava na alma comum de Adam HaRishon antes de se sua quebra (o pecado da Árvore do Conhecimento)? Ele era a força, a cola que conectava todas as partes da alma em um único sistema. Portanto, o povo de Israel não tem lugar no mundo; sua missão é unir todos. Esta cola está localizada entre os Partzufim espirituais e dentro de cada Partzuf, entre suas Sefirot. Cada célula é integral, e a conexão entre as células é chamada de “Israel”, isto é, “direto ao Criador” (Yashar-Kel) porque dá vida.

Após a quebra da alma de Adão, suas partes permaneceram as mesmas que haviam sido, mas a cola chamada “Israel” se deteriorou. Anteriormente, não se manifestava porque funcionava natural, instintiva e corretamente. No entanto, após a quebra, tornou-se aparente o quanto essa cola é necessária, que não funciona mais como deveria.

A evolução da natureza quebra sem a correta funcionalidade de Israel é chamada de “desenvolvimento egoísta”.1

Se não fosse pela recepção da Torá, Israel não teria como se aproximar do trabalho espiritual. No entanto, a Torá foi recebida e será recebida apenas por aqueles que sentem o quanto precisam dela. As centelhas do trabalho anterior permaneceram neles, dando a sensação de que eles precisam conectar a todos, cumprindo sua missão de correção.

Eles sentem nostalgia pelo estado perfeito em que existiram e querem retornar a ele. Eles são atraídos para a perfeição, desejando ver e sentir o sistema perfeito e integral. O desejo de sentir o sistema integral e ver a força atuante perfeita que une tudo é chamado Israel, Yashar-Kel (direto ao Criador): ou de acordo com o desejo de conectar a todos ou de acordo com a Luz que preenche todo esse desejo.

Todo o caminho que eles percorreram por milhares de anos até a nossa época foi forçado e inconsciente. A verdadeira livre escolha é concedida a nós apenas agora.2

Após a quebra da alma comum, o número de partes permaneceu aparentemente o mesmo, mas a cola entre elas se transformou em seu oposto. Em vez de se aderir, começou a diluir e separá-los uns dos outros. É por causa disso que cada parte sentiu que existia por si mesma, isto é, sentiu a fragmentação e instintivamente começou a se desenvolver de acordo com as leis da fragmentação, do egoísmo, sem qualquer necessidade de conexão.

Aqueles que anteriormente serviram como cola permaneceram como se estivessem desempregados, sem função. Com o tempo, as partes egoístas da alma, chamadas “nações do mundo”, cresceram e sentiram a necessidade de se unir. No entanto, todas as suas conexões são possíveis apenas através da guerra. Então começaram a perguntar: onde está a cola certa? Elas sentem que todas as suas alianças e desenvolvimento dependem da conexão correta. Se essa conexão não funcionar, elas instintivamente sentem que Israel, que não está cumprindo sua função correta, é o culpado.

As nações do mundo entendem que é necessária uma conexão correta entre todas as partes, e a perfeição do mundo depende disso. Isso leva ao antissemitismo.3

Nós, no momento, não sabemos exatamente como cada membro de Israel deve agir. Mas, integrando-se na dezena e compreendendo meu dever de me tornar a cola que conecta todos (e, assim, cada um dos dez), eu gradualmente me incluo no trabalho de uma certa maneira. Um amigo pode trabalhar de forma diferente: todo mundo executa sua tarefa, mas todos nós desempenhamos o papel da cola. Cada dezena serve então como cola entre dezenas e assim por diante: dezenas, centenas, milhares. Nós devemos nos tornar a cola para toda a humanidade.

Com essa atitude, eu sou chamado de Israel e, de outro modo, não.4

Israel pode servir como a cola que une a humanidade porque a força do Criador está neles. Esta é uma forma especial dos seres criados. No entanto, Israel foi quebrado e agora tem que se corrigir, reunindo todos. É assim que ele retorna à sua função e graças a esse trabalho adquire uma força 620 vezes maior, o que permite conectar a todos. Outras nações recebem essa inclinação pela conexão de Israel, como está escrito: “Todos os que os virem os reconhecerão, porque são a descendência que o Senhor abençoou”.

A força do Criador em sua forma direta ou inversa existe nos seres criados especiais chamados “Israel”. No futuro, todas as condições do povo de Israel serão reveladas: Israel na destruição, no exílio e no processo de reconstrução, restauração.5

Antes da quebra, Adam HaRishon existia como um sistema. No entanto, após a quebra, as conexões entre todas as partes não só quebraram, mas se transformaram em conexões negativas, isto é, na força de rejeição mútua. Então todo o sistema começou a se dispersar em todas as direções, como se fosse do Big Bang.

Cada parte começou a sentir-se existente separadamente, por si só, sem conexão com as outras partes; ou, essa conexão tornou-se egoísta, em benefício próprio, às custas dos outros.

Na verdade, essa não é a quebra, mas a revelação da força do anti-Criador em nós. Agora, a partir desta anti-força, precisamos chegar a uma força semelhante a Ele, da rejeição à conexão. No entanto, não substituímos a rejeição por conexão, mas a construímos em cima do ódio. Então chegamos à força que é 620 vezes maior.

Nós assimilamos e absorvemos a força superior de conexão na qual representamos o Criador. Ao mesmo tempo, permanecemos os seres criados, mas semelhantes ao Criador. O Criador habita em nós de tal forma que “Todos os meus ossos dirão …”, todas as minhas partes serão conectadas de acordo com a qualidade do Criador. Através da conexão correta de todas as partes que se complementam, alcançamos o Criador. O Criador está dentro de nossa conexão e, portanto, está escrito que Israel (aquele que levou a essa conexão), a Luz que nos conecta e o Criador, se torna um.

O desejo de receber permanece, o egoísmo que cresceu 620 vezes permanece e, portanto, é óbvio que a conexão obtém 620 vezes mais poder.6

Israel antes da quebra é a força do Criador que conecta as partes do desejo egoísta, envolvendo-as de todos os lados e colando-as como uma sopa despejada em um prato com croutons. Esta sopa derramada sobre as partes do desejo é a Luz superior que as une e as mantém em seu poder.

Após a quebra, a “sopa” permanece, mas torna-se negativa, separando-se. Israel se transforma em anti-Israel e precisa de correção. As partes do desejo de receber, as nações do mundo, permaneceram as mesmas e não mudaram. O elo entre as partes do desejo é chamado “Israel” e pode ser positivo ou negativo.7

Israel não é uma nação. Pertence ao mundo inteiro, como cosmopolita, a toda a realidade, uma vez que se pretende conectá-lo a um único sistema, como era antes do pecado da Árvore do Conhecimento. Aquele que tem a sutileza da alma sente nostalgia por uma unificação comum em uma alma e quer alcançá-la, sentindo a tendência “socialista” para a perfeição de todas as nações.8

Israel antes da quebra era a cola que funcionava corretamente, conectando todas as dezenas individuais em uma, em adesão com a força superior, com a Luz superior que a preenche. Este ainda não é o povo de Israel, mas a força do Criador. Portanto, Israel é chamado de “nação do Senhor” porque antes da quebra ele não existia; apareceu somente após a quebra.

Em relação a todos os outros desejos, o Criador diz: “Eu criei a inclinação ao mal”. No entanto, Israel não está incluído nisso. O Criador diz: “Eu criei a inclinação ao mal e tenho Israel para corrigi-la. Isto é, estas são as Minhas qualidades, que estão incluídas entre todas as partes da criação quebrada e propositalmente corrompidas de acordo com os desejos egoístas de todas as nações do mundo. Agora Israel deve se corrigir e servir a todas as 70 nações do mundo conectando-as”.

Israel é chamado a nação do Senhor porque contém Suas qualidades, mas na forma inversa.

Antes da quebra, Israel existia apenas em potencial, como a força do Criador, a qualidade de doação que une todas as nações do mundo como croutons em uma sopa. Não pertence aos Partzufim e Sefirot, que formam a alma de Adão, o desejo de receber. Israel é a conexão entre essas partes, a força da unificação.

Quando a alma comum se quebra, o egoísmo é revelado: Israel em sua forma negativa inversa, incapaz de conectar as partes da alma. As partes da alma, as nações do mundo, não podem ser chamadas de “egoístas” porque esta é apenas a natureza delas: o desejo de receber. O único que desempenha um papel positivo ou negativo é Israel. O resto não tem livre arbítrio.

A intenção egoísta nasce apenas com a quebra de Israel e se relaciona apenas com isso. Todos os crimes e mandamentos se aplicam apenas a Israel. Os sete mandamentos para os filhos de Noé, para todas as nações do mundo, aparecem apenas como resultado de sua integração mútua com Israel.9

Israel é a força que conectou as nações do mundo antes da quebra e, após a ruptura, empurrou-as para o desenvolvimento egoísta. Podemos ver que as pessoas que avançaram o mundo em uma direção positiva ou negativa, fizeram uma descoberta científica ou desencadearam uma guerra, sem dúvida tinham raízes judaicas.

Antes da quebra, Israel era a Luz que unia todas as partes do desejo e lhes dava uma única direção para a doação mútua, que resultava em doação ao Criador. O Criador é o sistema geral.

Após a quebra, a conexão mútua desapareceu, Israel deixou de agir como uma cola obrigatória e se transformou em seu oposto, transformando-se de um justo em um perverso. No entanto, Israel não é uma nação porque dentro de Israel não há nada dos desejos do mundo. Todos os desejos que usa agora vêm da anticonexão, o anti-Criador.

Quando há a necessidade de avançar a história, ocorre a quebra e Israel entra em cena, começando a descobrir novas terras, abalando o sistema econômico e assim por diante.

Quando Israel começar a cumprir sua missão, ficará claro que essas são as almas preocupadas em corrigir e conectar toda a realidade em um único sistema.

Na época do Templo, Israel existia como nação, mas agora temos que nos tornar a cola, a “sopa” que se espalhará entre todas as nações do mundo para servir, conectar e treiná-las. Isto é, o nosso papel é sermos os instrutores da conexão. O povo de Israel é “uma organização dedicada a corrigir o mundo”, um grupo de pessoas que entende que sua missão é educar a todos no espírito de unidade.

Portanto, como está escrito: “no fim dos dias a terra de Israel se espalhará por toda a Terra”.10

O Templo foi destruído porque o estado corrigido do povo de Israel não é para existir em isolamento dentro de si, mas para se espalhar como sopa entre todas as outras nações. No entanto, Israel não se dissolve nessas nações do mundo, mas determina a natureza da conexão e seu poder. Quando o Criador, a força de doação, reinar em todo o mundo, isso será chamado de “Minha casa será uma casa de oração para todas as nações. 11

Abraão reuniu em seu grupo aqueles que achavam que pertenciam à “sopa” e não aos “croutons”. Foi assim que continuou por todas as gerações. Precisamente essas pessoas saíram do Egito. O povo de Israel é primeiramente um conceito espiritual, um grupo destinado a implementar um programa de cura para toda a humanidade de acordo com o método da Cabalá, para educar o mundo inteiro sobre a conexão.12

Da 1ª parte da Lição Diária de Cabalá, 25/12/18, Lição sobre o Tópico “O Endurecimento do Coração – Oportunidade de Subida”
1 minuto 31:50
2 minuto 34:10
3 minuto 37:20
4 minuto 41:42
5 minuto 45:45
6 minuto 1:15:30
7 minuto 1:21:00
8 minuto 1:24:00
9 minuto 1:25:45
10 minuto 1:31:00
11 minuto 1:38:00
12 minuto 1:39:00

Como Falar Com Seu Coração

laitman_963.7Observação: O coração de uma mulher bate um pouco mais rápido que o de um homem: 70 batidas para homens e 78 para mulheres. No entanto, em casais que vivem juntos, os ritmos cardíacos e a respiração tornam-se semelhantes, especialmente se o relacionamento estiver próximo. Assim afirmam os cientistas.

Mas mesmo que as pessoas simplesmente façam algo entusiasticamente juntas, seus corações se sintonizam um com o outro.

Meu Comentário: Essa é a influência das pessoas umas sobre as outras. Elas ficam sintonizadas se trabalham na mesma equipe, mesmo que não haja laços estreitos ou hobbies compartilhados, uma única tarefa ou atmosfera.

A influência da pessoa no ambiente é multifacetada. Vemos que as pessoas que vivem em um país adquirem uma mentalidade comum, e se vivem lá por muito tempo, até adquirem as características daqueles que habitam este país. Isso não depende das pessoas, mas da própria terra onde vivem.

Pergunta: Como isso acontece na Cabalá?

Resposta: É uma história muito diferente na Cabalá. O fato é que estudando a Cabalá, nos conectamos uns com os outros não no nível terreno, onde vivemos na mesma terra, respiramos o mesmo ar e somos afetados pelo mesmo, digamos, ambiente radioativo ou alguns outros parâmetros sobre os quais nem sei.

Somos apaixonados pelo nosso objetivo comum e é aí que nos vemos. Além disso, podemos nos ver nesse objetivo comum apenas quando nos dissolvemos em nossos amigos.

Portanto, na Cabalá, essa união e interconexão se desenvolve e não existe em nenhuma outra forma de interação humana. Na Cabalá, verifica-se que não nos parecemos simplesmente, criamos um sistema juntos, no qual nos tornamos partes conjuntas, e um não pode existir sem o outro. Portanto, tudo é um grau superior aqui.

De KabTV “Notícias com Michael Laitman”, 02/10/18

Derreter Os Corações Em Um Só Coração

laitman_254.01Tudo é alcançado através da unificação. O sucesso da unificação depende de quão distantes estamos uns dos outros, e do nosso entendimento de que somente acima da forte separação podemos alcançar um nível em que o Criador é revelado entre nós e começa a nos unir. Portanto, o Congresso na Europa nos fornece as melhores condições para uma realização genuína da unificação, isto é, a revelação do Criador às criações neste mundo, que é o objetivo da sabedoria da Cabalá.

Temos que usar essa reunião para alcançar não apenas a unificação externa, mas também interna, que será forte o suficiente para revelar a força superior de acordo com a equivalência das propriedades.1

Adam HaRishon é o sistema das dez Sefirot, que continua existindo em sua forma original, apenas que os desejos egoístas vieram dentro dele e o paralisaram. Como resultado, o sistema parou de funcionar e precisamos colocá-lo novamente em ação. Todas as partes do sistema permaneceram e só precisamos ajustá-lo àquele desejo adicional que foi revelado nele e que bloqueou as conexões entre todos os elementos. Isso é chamado de partição.

Adam HaRishon é um sistema de conexões entre nós, como uma teia de dez Sefirot. Devemos lançar este sistema, desde que usemos corretamente o desejo de desfrutar, isto é, em prol da doação.

Ao conectar novamente todas as partes deste sistema acima da separação, cada um recebe toda a alma e todos sentirão tudo. Portanto, alcançar o objetivo de criar e alcançar o Criador depende precisamente da conexão e inclusão mútua das partes quebradas.

Corrigindo a separação, as criações adquirirão ferramentas para alcançar o Criador. Sem divisão e correção, é impossível revelar a força superior. Trabalhando juntos na correção e unificação de todas as partes, a criação cria o Criador, como está escrito: “Como se ele Me tivesse feito”.2

Ao aplicar nossos esforços para nos unir, descobrimos que o próprio Criador está entre nós como um obstáculo à unificação. 3

Se uma pessoa está sozinha, certamente irá reclamar e amaldiçoar o Criador, e se estiver conectada ao grupo e à dezena, certamente O glorificará.4

Da 1ª parte da Lição Diária de Cabalá, 23/07/18, Lição sobre o tema: “Derretendo Os Corações Em Um Só Coração” (Preparação para a Convenção na Itália 2018)
1 minuto 0:23
2 minuto 15:20
3 minuto 29:05
4 minuto 35:30

Um Verdadeiro Professor É Sentido Com O Coração

laitman_766.7Pergunta: Quando você veio ao seu professor, Rabash, você o invejou?

Resposta: Do ponto de vista do conhecimento e da compreensão, sim. Mas, do ponto de vista de uma pessoa comum, o que havia lá para invejar? Eu tinha 30 anos e ele tinha 70 anos. Na minha frente estava uma pessoa que sabia tudo, mas não dizia nada!

Pergunta: Quando você perguntou ao Rabash: “Como eu sei que estou no lugar certo?” Ele respondeu: “Um verdadeiro professor é identificado pelo coração”. Como você identifica pelo coração que esse é o seu professor?

Resposta: Isso não pode ser colocado em palavras. Você simplesmente sente que essa pessoa detém a verdade e que você precisa receber essa verdade dela. Ela está em suas mãos e está pronta para estender os braços a você se você estender os seus e pegá-la. Mesmo assim, o aluno ainda não entende o professor.

Pergunta: Como esse clique acontece, quando você sabe com certeza que esse é o seu professor, seu lugar, sua vida?

Resposta: Eu entendi isso nas suas palestras. Eu vi que praticamente todas as minhas perguntas tinham respostas. Senti que essa metodologia era para mim.

Na verdade, eu passei por muitos grandes Cabalistas, mas o método de ensino deles não era o ideal para mim. Só aqui eu senti imediatamente que esse é um conhecimento absoluto que eu queria receber dele.

Da Lição em Russo, 25/06/17

Escreva Na Tábuas Do Seu Coração

laitman_281.02Pergunta: No passado, era inaceitável e até mesmo proibido escrever as explicações dos professores que ensinavam a Torá; por que não nos comportamos assim hoje?

Resposta: Eles não registavam as palavras do professor no passado, mas aprendiam oralmente, não porque era difícil gravar em tábuas de madeira, por exemplo, mas porque os estudantes ouviam e alcançavam o mundo superior ao processar a profundidade das palavras do professor.

Agora a situação é diferente; nós ouvimos e gravamos para saber mecanicamente, não através da realização da vida. Quando um estudante segue seu professor como um Partzuf inferior que segue um Partzuf superior através da adesão com ele, um retrato vivo do mundo superior é revelado ao estudante. Portanto, o aluno recebe a sua realização “boca a boca” do nível superior, o que significa através da partilha de um Masach (tela) com o professor.

Isso é chamado de “escrever nas tábuas do seu coração” nos desejos corrigidos. E hoje as pessoas aprendem letras mortas e palavras porque não há Luz nelas; não há nenhuma característica de doação, somente conhecimento externo. Isto é chamado de exílio do mundo superior.

Assim, após a queda do nível de realização espiritual que aconteceu 2000 anos atrás, eles começaram a gravar as palavras dos sábios da Torá para que quando saíssemos do exílio no futuro, ascendêssemos ao amor e doação e pudéssemos revitalizar seus textos através da Luz superior.

Livro Escrito No Coração

laitman_602_01Pergunta: Por que muitos grandes Cabalistas não escreveram livros?

Resposta: Geralmente existem dois tipos de Cabalistas de acordo com a natureza de sua alma: almas da Luz Interna ou da Luz Circundante.

Por exemplo, o Rabi Shimon não escreveu O Livro do Zohar sozinho, mas por meio de seu discípulo, Rabi Aba, que conseguia revelar as palavras do Rabi Shimon de tal forma que, ao longo das gerações, apenas aqueles que estavam preparados para isso entenderiam.

Veja que segredos estão escondidos na escrita de livros Cabalísticos onde um Cabalista escreve e sabe que algumas pessoas aparecerão em dois mil anos, que terão permissão para entender esse texto, e apenas em certo lugar e não mais.

Pergunta: Como os Cabalistas conseguiram escrever esses livros?

Resposta: O problema é que todos nós estamos em um sistema superior chamado Primeiro Homem (Adam HaRishon, Adão, uma alma) e o Cabalista pode controlar esse sistema. E nós somos sua prole espiritual. Portanto, ele pode determinar tudo para nós. Aquele que vai em frente determina o caminho das próximas gerações.

Um Cabalista não apenas grava o texto do livro, mas cria travessas no sistema da alma comum. Assim, ele estabelece os canais para a transmissão da Luz superior a todas as almas futuras que ainda não foram reveladas, o que irá fluir até elas e preenchê-las.

Isso é o que se chama escrever um livro Cabalístico, como está escrito, “Escreva em seu coração”. O texto em papel é apenas símbolos através dos quais podemos nos conectar com o livro de acordo com nosso desejo.

Se você vê um livro que não consegue entender, mas quer muito entendê-lo, seu desejo atinge o mecanismo interno da criação através das letras e você se conecta à fonte da Luz que começa a influenciá-lo.

Pergunta: Será que vou sentir o que está acontecendo comigo?

Resposta: Certamente! A tela interna surgirá em você, na qual verá todo o mundo espiritual. Tudo que está escrito no livro surgirá diante de você como se estivesse em um palco teatral.

Da Lição Virtual “O Tempo da Cabalá” 13/06/17

O Livro Do Zohar: O Coração Entende

laitman_527.07Pergunta: Um dos princípios de se estudar O Livro do Zohar é que o coração entende. O que isso significa?

Resposta: Quando lemos O Livro do Zohar aceitamos a condição de que O Livro age apenas em nossos sentimentos, mas não em nossa mente, que é um produto puro do nosso mundo.

Os sentimentos podem se assemelhar ao mundo superior em algum sentido, e nós estamos esperando o momento em que eles despertem em nós. Isto se chama “o coração entende”.

Da Lição de Cabalá em Russo 12/02/17

Retornar A Uma Língua Do Coração

Dr. Michael LaitmanNós vivemos em um momento especial onde o mundo inteiro está passando por mudanças muito grandes e rápidas. O que costumava acontecer em uma década há uns cinquenta ou cem anos atrás agora acontece em um ano. Cada pessoa se sente como que presa a um ciclo de eventos em constante mudança.

Hoje quase não há pessoas no mundo que não sejam afetadas pelas mudanças em curso. Elas chegaram até mesmo às áreas mais remotas e pequenas aldeias. Como os Cabalistas explicam, este é um sinal de que o mundo está se aproximando da correção geral.

É por isso que organizamos as Convenções Internacionais de Cabalá que simbolizam o mundo inteiro desejando se unir. Milhares de pessoas de várias nacionalidades e culturas vêm de todo o mundo para se conectar.

O único obstáculo restante é a língua. Se não falamos a mesma língua, é difícil se comunicar porque ainda estamos na Babilônia. Os antigos babilônios começaram com uma língua, depois começaram a falar diferentes línguas e, como resultado, deixaram de se entender. Nós, consequentemente, devemos vir de muitas línguas para uma.

É quando eu me sento com pessoas desconhecidas com mentalidade diferente, que a quebra, ocorrida na antiga Babilônia e que está sendo revelada apenas hoje, se manifesta ainda mais claramente. Isso nos empurrará ainda mais para nos unirmos. Afinal, temos que retornar à Babilônia para que o mundo inteiro se torne uma aldeia.

Na Convenção, nós sentimos como se ex-babilônios de todo o mundo se reunissem para se unirem em um só povo, uma humanidade. Agora precisamos fazer o mesmo trabalho que Abraão queria fazer na antiga Babilônia. Ele não conseguiu, porque o mal ainda tinha de ser revelado.

Mas três mil e quinhentos anos se passaram desde então, e durante este tempo o mal tornou-se gradualmente revelado cada vez mais. Como resultado, ele atingiu tal escala que o mundo inteiro começou a perceber a profunda depressão em que se encontra. Portanto, agora ele está pronto para começar a se unir.

Da 1ª parte da Lição Diária de Cabalá 13/02/17