O Que Devo Fazer Se Os Outros Querem Me Usar?

laitman_628.4Pergunta: Como se pode reconhecer o egoísmo corretamente nos relacionamentos amigo/estranho ou quando os outros querem me usar?

Resposta: Se eu quiser alcançar equivalência com o Criador e avançar ao próximo nível da sensação de todo o universo, da natureza e da criação, então não importa para mim se eles querem ou não me usar.

Eu devo assumir um conceito completamente diferente: tudo o que existe na natureza, inclusive eu, é criado e mantido por uma única força: o Criador. Eu não estou interessado no que as outras pessoas pensam ou no que e de que forma está acontecendo no mundo. O Criador controla isso.

Portanto, através de tudo o que está escrito nas instruções Cabalísticas, eu tento encontrar uma conexão com o Criador, tento vê-Lo em tudo e não as outras pessoas, fontes, desejos e pensamentos. Tudo isso é imaginário. Na verdade, nada disso existe.

Da Lição de Cabalá em Russo 11/06/17

Entender O Sentido Da Vida

Laitman_154Pergunta: Se chegaremos ao Criador de qualquer forma, por que nos sobrecarregar com a leitura de livros intermináveis?

Resposta: Não há necessidade de se sobrecarregar com nada. Você só precisa entender que uma pessoa age de acordo com seu desejo e não pode haver qualquer coerção aqui. A sabedoria da Cabalá se oferece às pessoas que sentem a necessidade de sua própria realização no nível mais elevado. Mas, para isso, a pessoa deve ter um desejo interior.

Eu tinha o desejo de revelar o sentido da vida. Eu não queria saber nada mais. Eu entendia que todo o resto foi inventado pelo homem, mas o sentido da vida deve vir do nível mais elevado da natureza, talvez da razão.

Pergunta: Em que idade você começou a sentir isso?

Resposta: Com a idade de seis ou sete anos eu tinha que saber isso. No entanto, para mim isso foi misturado com o meu interesse em Antropologia e Cosmologia, eu queria tanto cavar o solo ou ir para o espaço além dos limites da Terra. Todo o resto – ser um construtor, um médico, um designer de aeronaves – era de pouco interesse para mim.

Se uma pessoa tem a aspiração de revelar o sentido da vida, e só um pequeno número de pessoas tem esse desejo, ela começa a estudar Cabalá. Ela deve desenterrar esse segredo dentro de si. E não do ponto de vista da religião, a fim de acreditar em algo, mas exatamente a fim de revelar.

Em outras palavras, há forças ocultas que precisam ser reveladas. Quando separarmos essa tela, veremos o que está por trás da casca do nosso mundo. Temos que alcançar isso de forma totalmente clara, sem quaisquer pensamentos e desejos imaginários, apenas nos nossos órgãos sensoriais.

Da Lição de Cabalá em Russo 14/05/17

Meus Pensamentos No Twitter, 18/10/17

twitterO amor é quando você está em mim como um feto em uma mãe, e eu estou em você como uma mãe que se sente em seu filho – seus desejos tocam tudo!

Superar (Itgabrut) é quando, acima do #hatred (ódio) emergente (Itnagdut), você busca diligentemente maneiras de conceder prazer (Miluy).

O verdadeiro amor só pode ser construído acima do ódio. Essas duas sensações são os dois polos da vida, criando um campo para que o pulso da vida prospere.

Ama ao próximo como a si mesmo: quando o #suffering (sofrimento) aumenta a necessidade do amor dos outros e do Criador, eu aumento a mesma atitude em relação a eles.

O amor impede qualquer ato contra a sociedade. Esse sentimento torna-se primordial não por coerção. Essa é a “arte do amor”. #love (amor)

O amor é quando eu coloco meus desejos abaixo dos desejos do meu amigo e do Criador, de modo a satisfazer Seus desejos. Tudo o resto é meu #ego animal!

#Hatred (ódio) é o que traz #knowledge (conhecimento) de como satisfazer o desejo de outro. Portanto, o fundamento da vida é o amor próprio, o ego – tudo mais é o tempero!

Não faz sentido ocultar os abismos entre nós: eles são necessários para ativar a força positiva do amor e da união acima deles.

Meu amor para com os outros e para frente, em direção ao Criador, se transforma em realização absoluta e infinita. É chamado de Luz, #Torah, Criador.

O amor é o espaço interior em mim que liberto para o Criador, onde a conexão interna entre eu e Ele é formada.

O amor verdadeiro só pode ser construído acima do #hatred (ódio).

O amor não tem nada a ver com as diferenças de gênero. Não há separação entre amante e amado. Nela, o homem e o Criador aceitam e dão amor.

O amor é quando eu procuro maneiras de satisfazer o outro, elevando-me necessariamente acima de qualquer atitude pessoal em relação a eles, que é egoísta.

Amor = uma união de duas forças opostas: para si mesmo e para o Criador. Seu conflito gera um sentido do mundo superior, escondido dos outros.

“A nação do Criador” significa estar absolutamente conectado pela lei de doação completa, amor, ajuda mútua – viver na sensação do NÓS, e não do EU.

Do Twitter, 18/10/17

Resistência À Sabedoria Da Cabalá, Parte 2

Laitman_060.01A sabedoria da Cabalá e os Cabalistas tiveram um desenvolvimento especial ao longo da história porque o desejo de desfrutar precisa crescer e, assim, mostrar que o progresso material é inútil.

E toda vez, a sabedoria da Cabalá deve se ajustar para coincidir com aquelas pessoas em quem é revelada, isto é, com o povo de Israel, o grupo fundado por Abraão.

Nós vemos que a sabedoria da Cabalá estava disponível para o uso de todos os povos apenas por um tempo limitado quando foi revelada dentro do povo de Israel no tempo de Moisés. E isso foi acompanhado de inúmeros argumentos, esclarecimentos e guerras dentro do povo.

Assim, depois de entrar na terra de Israel – quando Moisés deixou o povo e a sua pressão desapareceu – o povo de Israel começou a descer da altura espiritual. Naquela época, emergiu a religião e as regras de comportamento no mundo material, que copiaram as leis Cabalísticas espirituais na matéria. O povo começou a criar “ídolos” e “coisas sagradas” para si.

O povo entrou cada vez mais nas tradições materiais e, à medida que avançou, a sabedoria da Cabalá surgiu e desapareceu. Após a destruição do Segundo Templo quando o povo caiu do amor fraternal ao ódio infundado, a Cabalá se escondeu completamente.

É preciso entender que ninguém ensina o amor ao próximo, exceto a sabedoria da Cabalá. Embora o princípio “Ama o próximo como a ti mesmo” seja a principal regra da Torá, a própria Torá – que é a sabedoria da Cabalá e a sabedoria da Luz – não existe mais no povo de Israel. Descobriu-se que o povo está no exílio do método de amor e unidade. O entendimento do que é a força superior – o povo de Israel e sua missão e objetivo de desenvolvimento – desapareceu.

Hoje, já estamos no fim dos dias do exílio genuíno e à beira da libertação. Em cada geração, foram revelados Cabalistas que eram adequados para esse período ou para a próxima geração. Precisamos entender que as ações dos Cabalistas e a resistência contra eles são uma consequência do desenvolvimento.

Forças cruéis se levantaram contra a sabedoria da Cabalá. Mas, havia uma divisão entre pessoas religiosas. Por um lado, havia os Hasidim e, por outro, seus oponentes, os Mitnagdim, e muitos outros ramos e movimentos. Os Cabalistas também estavam divididos entre aqueles que estavam mais preocupados com a linha direita ou a linha esquerda, de acordo com a natureza do homem.

Antes do tempo do Ari, os Cabalistas seguiam a escola do Ramak. Depois, o método de Ari foi popularizado. O próximo estágio importante no desenvolvimento da Cabalá começou com Baal HaSulam porque há uma grande diferença entre o que havia antes e depois dele. Depois, o Rabash (Rav Baruch Ashlag) desenvolveu ainda mais a Cabalá. Baal HaSulam e Rabash prepararam o método da Cabalá para a nossa geração.

Cada vez o método da Cabalá foi aperfeiçoado e, consequentemente, seus adversários aumentaram, rebelando-se contra o novo método, a “nova Torá” e a “nova religião”. Afinal, as pessoas não entendem no que se baseiam as ações dos Cabalistas. É muito importante aprender quais são as reivindicações levantadas contra a Cabalá para entender o que se deve resistir e como transformar essas forças supostamente malignas em boas e úteis. Tudo isso deve nos ajudar a perceber o processo geral pelo qual o Criador leva as criaturas a trazer seu desejo à correção completa.

Da 1ª parte da Lição Diária de Cabalá 24/09/17, Lição sobre o Tema: “A Resistência À Cabalá”

Newsmax: “O Motivo Desconhecido De Paddock, Mas O Motivo Da Violência Está Em Todo O Lado”

O maior portal Newsmax publicou meu novo artigo “O Motivo Desconhecido De Paddock, Mas O Motivo Da Violência Está Em Todo O Lado

Como esperado, o massacre de Las Vegas reabasteceu o debate de controle de armas na América. Mas ninguém parece considerar um debate muito mais amplo sobre a reprodução da violência em curso nos EUA.

“Ainda não temos um motivo claro ou razão disso”, diz o Xerife Kevin McMahill, do Departamento de Polícia Metropolitana de Las Vegas, cerca de uma semana após o massacre. Mas não são apenas detetives policiais que estão procurando arduamente por respostas, mas sim todos.

A resposta padrão que vem à mente é que Stephen Paddock, um homem branco de 64 anos sem registro criminal, era algum tipo de psicopata. Um louco. Uma dessas pessoas profundamente perturbadas cujas ações sem sentido podem nunca ser totalmente compreendidas.

Mas há um problema com essa resposta. Ela molda Paddock e tudo sobre ele como um estranho, o separa de nossos valores sociais e rejeita qualquer associação de sua imagem com nossa cultura. E, ao fazer isso, impede-nos de darmos uma boa olhada no espelho como uma sociedade.

Paddock podia muito bem ter sido um psicopata, e alguns até sugerem que os genes criminosos de seu pai desempenharam um papel. Mas Paddock também foi uma réplica do horrível cenário que se repete na América, uma e outra vez. Ele conseguiu deixar uma cicatriz dolorosa na memória coletiva dos Estados Unidos como o atirador de massa mais mortal na história dos EUA, mas percebemos que houve outros seis tiroteios em massa na América na semana passada?

Ampliando a Discussão

É espantoso descobrir que um tiroteio em massa, definido como pelo menos 4 pessoas atingidas em um único incidente, acontece na América a cada 9 em 10 dias em média (!). Mais de 30 mil pessoas morrem todos os anos de incidentes relacionados a armas nos EUA – mais do que HIV, desnutrição e incêndios, para citar alguns. Nenhum outro país do mundo desenvolvido chega perto desses números. Além disso, os sociólogos da Universidade de Yale mostraram que a violência armada é uma epidemia social que se espalha ao longo do tempo.

Mas ainda mais revelador é o fato de que as taxas gerais de morte por assalto – incluindo, mas não limitado a uso de armas – revelam uma imagem semelhante: os EUA são significativamente e consistentemente mais violentos do que outros países da OCDE desde a década de 1960. Com isso em mente, o que devemos debater é uma epidemia social de violência, das quais as armas são simplesmente a expressão pior e mais prejudicial.

Portanto, em vez de limitar a discussão ao motivo de Paddock e ao debate sobre controle de armas, eu acredito que os americanos devem expandir o discurso público para se questionar: o que continua alimentando as taxas de violência extremamente elevadas dos Estados Unidos?

Como Algo Tirado De Um Filme

O agente David Newton, do Departamento de Polícia de Las Vegas, disse aos “60 Minutos” da CBS que entrar no quarto do hotel de Paddock e encontrar seu corpo ao lado de seu arsenal de armas foi algo “tirado de um filme”. Newton, sem perceber, apontou para uma das principais variáveis ​​que geralmente são excluídas da equação que explica os níveis extremos de violência na América – as inúmeras visualizações de violência vistas pelo povo americano.

Com programas de televisão que exibem 812 atos violentos por hora, o americano típico assistirá 200 mil atos de violência, incluindo 16 mil assassinatos, antes de completar 18 anos. E isso apenas na televisão. Quando tira um momento para considerar o impacto que isso tem em nosso clima social, será que é realmente surpreendente que cenas violentas semelhantes estejam se desenrolando na vida real?

Nós estamos presos em um ciclo vicioso que torna mais fácil ignorar suas consequências psicológicas: os produtores de conteúdo estão levando suas cenas violentas a maiores extremos, dando ao público uma solução maior para mantê-los assistindo. Ao mesmo tempo, os espectadores estão se tornando cada vez mais insensíveis ao que veem. O resultado é uma sociedade cujas atitudes e normas relativas à violência estão atingindo cada vez uma nova baixa.

Gradualmente, nos acostumamos com a aparência contínua de atos extremamente violentos e eles se tornam uma parte “normal” da vida cotidiana.

Todos os dias, a mesma quantidade de pessoas do tiroteio de Las Vegas é morta intencionalmente por armas, mas esses assassinatos não dão manchete. Todos os dias, a violência doméstica leva a vida de quase três mulheres, mas essas mortes não atingem a consciência pública. É preciso um tiroteio em massa de centenas de pessoas ao mesmo tempo do 32º andar para chocar a sociedade.

Criando Sistematicamente A Humanidade Comum

Portanto, independentemente da opinião sobre o controle de armas, se quisermos tratar as tendências violentas na América a partir de suas raízes, temos que lidar com algo muito mais profundo: a cultura que as cria.

Na manhã seguinte ao tiroteio de Las Vegas, o presidente Trump disse: “Conclamamos os vínculos da cidadania, os laços da comunidade e o conforto de nossa humanidade comum. Nossa unidade não pode ser quebrada pelo mal. Nossos vínculos não podem ser quebrados pela violência”.

Toda pessoa sensata concordaria com essa afirmação. Mas para que seu efeito dure mais de um dia, temos que trabalhar consistentemente em nossa unidade para que ela seja mais poderosa do que o nosso mal, que é a erupção potencial do ego humano. E somente se reforçarmos regularmente nossos laços e nossa humanidade comum, a violência entre nós raramente acontecerá.

Os cientistas sociais estabeleceram há muito tempo que somos altamente suscetíveis aos exemplos, normas e valores do nosso ambiente. Devemos abrir os olhos para isso e cultivar um clima social que nutre nossa humanidade comum em uma base diária. Se começarmos a fazer isso de forma sistemática, seguramente veremos uma América muito menos violenta, e poderemos evitar que surja o próximo Paddock.

O Que Há De Errado Com Minha Alma?

laitman_628.2Pergunta: O que há de errado com minha alma? Por que eu deveria corrigi-la?

Resposta: Nós comecemos dizendo que você não tem alma e que deve alcançá-la. A alma é uma parte do Criador.

Quando o desejo egoísta, que descobrimos dentro de nós, começa a trabalhar com amor e doação, torna-se o que chamamos de alma, na medida em que sai e se assemelha ao Criador. Mas se uma pessoa não tem tal desejo altruísta, também não tem alma.

Pergunta: Mas há o conceito de alma corpórea?

Resposta: Essa é apenas uma força de vitalidade que mantém o nosso corpo físico vivo. Não temos nada além disso. De acordo com a sabedoria da Cabalá, uma alma significa nossa semelhança com o Criador.

De Lição de Cabalá em Russo 23/04/17

Sociedade Do Futuro: De Mudanças Internas À Mudanças Externas

laitman_600.02Pergunta: Você fala da necessidade da transformação interna de uma pessoa. Nós também precisamos de mudanças práticas na sociedade?

Afinal, podemos continuar o trabalho espiritual nos grupos enquanto vivemos em uma sociedade capitalista, onde todos têm sua própria propriedade e há um comércio. Por que precisamos mudar para uma nova estrutura?

Resposta: Você não precisa se mover de propósito, mas você mesmo vai querer se mover.

Uma pessoa está disposta de tal maneira, e vemos isso ao longo da história que tudo o que mudamos dentro de nós é de alguma forma também refletido fora de nós. Nós construímos o mundo à nossa volta de acordo com nossos estados internos.

Nós passamos de mudanças internas para externas. Assim, tudo acontece automaticamente, não precisamos fazer nada aqui. Portanto, Baal HaSulam adverte para não se introduzir métodos contundentes.

Só é permitido um único método relativamente contundente: quando forçamos a sociedade a estudar. Nós forçamos os filhos a estudar exatamente da mesma maneira.

De KabTV “A Última Geração” 31/07/17

Nova Vida # 899 – Consciência Superior

Nova Vida # 899 – Consciência Superior
Dr. Michael Laitman em conversa com Oren Levi e Nitzah Mazoz

Resumo

Se descobrirmos o programa de desenvolvimento da natureza, encontraremos uma resposta à pergunta: “Por que vivemos?” Hoje, nossas vidas se resumem a “um campo de trabalho com duas semanas de férias por ano”. Por outro lado, será que a natureza tem sabedoria para desenvolver cada criatura e criação?

De KabTV “Nova Vida # 899 – Consciência Superior”, 17/08/17

“E O Senhor Apareceu Na Coluna De Nuvem”

laitman_937Torá, Deuteronômio 31:14 – 31:15: E disse o Senhor a Moisés: “Eis que os teus dias são chegados, para que morras; chama a Josué, e apresentai-vos na tenda da congregação, para que eu lhe dê ordens. Assim foram Moisés e Josué, e se apresentaram na tenda da congregação. Então o Senhor apareceu na tenda, na coluna de nuvem; e a coluna de nuvem estava sobre a porta da tenda.

O surgimento do Criador em uma coluna de nuvem é a linha do meio, que Moisés e Josué alcançaram e da qual a nação de Israel estava se aproximando.

Quando Moisés terminou seu trabalho, eles estavam todos em um estado espiritual particular. No entanto, tudo aconteceu através de Moisés, mas a parte ativa e trabalhadora era seu nível inferior, Josué, ou seja, o desejo de receber para doar.

Por um lado, Josué estava usando seu egoísmo; por outro lado, seu trabalho no egoísmo era maior em grau àquele de Moisés. É assim que acontece: quanto mais baixo você cai, mais alto pode subir.

Pergunta: O que significa “a coluna de nuvem estava sobre a porta da tenda”?

Resposta: Existe uma coluna de fogo e uma coluna de nuvem, dependendo do tipo de qualidades, do tipo de desejos em que o Criador é revelado. Aqui, Ele ainda está sendo revelado apenas naquela qualidade que eles foram capazes de corrigir, em outras palavras, na qualidade pura de Bina de Moisés. É por isso que a coluna é uma nuvem.

A correção de Moisés foi completa: a viagem de quarenta anos através de todas as nossas qualidades interiores foi corrigida para a doação pura – a qualidade de Bina, a qualidade da fé, a qualidade de Hassadim (misericórdia).

E agora o que entra em ação é a próxima correção, a próxima parte: Josué, que deve receber para doar, trabalhar mais com o egoísmo e, portanto, alcançar níveis mais elevados.

Por outro lado, a pureza da obra de Moisés sempre permanecerá como um depósito, como algo totalmente necessário. É por isso que depois de todos os longos milênios, ele ainda estará esperando que as almas retornem novamente ao estado corrigido e que ele possa liderá-los.

De KabTV “Segredos do Livro Eterno” 23/01/17

Com O Que O Amor Começa?

laitman_947Pergunta: O que é o amor absoluto e por que ele é impossível mesmo nas relações entre pais e filhos?

Resposta: O fato é que não há amor em nosso mundo no sentido estrito dessa palavra.

Na Cabalá, o amor significa um estado onde eu dou tudo para outra pessoa e existo dentro dela com todas as minhas expectativas, não deixando nada dentro de mim. Meu coração está vazio, minha mente está vazia, meus pontos fortes estão vazios, e dou tudo aos outros. Isso é chamado de “amor”. Não existe tal coisa em nosso mundo.

Em outras palavras, em nossas qualidades egoístas, com as quais nascemos e existimos felizmente até hoje, não há tal oportunidade porque o egoísmo funciona de forma totalmente diferente. Não importa como nos viramos, ele ainda vai se revirar e fazer tudo da maneira que é bom para si.

Mesmo que demos algo aos outros e desejemos-lhes bem, é só porque obtemos algum benefício disso e, para isso, vale a pena desejar ou fazer algo de bom para os outros. Assim, não há amor. Apenas egoísmo completo.

O amor começa com o fato de que tentamos trabalhar um com o outro em um grupo, tentando sintonizar corretamente os relacionamentos, como se desejássemos doar, compartilhar e passar desinteressadamente algo de nós mesmos para outros em nossas dezenas. No entanto, não podemos. Então fica claro para nós que não temos a força da doação, a força do amor.

Nesse caso, é necessário encontrar, revelar, reconhecer e receber. Inicialmente, há uma qualidade de doação e amor na natureza – a qualidade do Criador. Isso significa que precisamos receber algumas dessas forças do Criador.

Portanto, quando tentamos nos tratar corretamente com doação e amor na dezena, vemos que não podemos fazer isso. Então, começamos a exigir do Criador: “Dê-nos a força de doação, de amor e das relações corretas. Você deve nos corrigir. Você deve nos ajudar”. E assim recebemos essa força.

Assim, o Criador se revela entre nós: a qualidade de doação e amor. É realmente possível fazer isso. Nosso laboratório é a nossa dezena, onde constantemente discutimos tudo juntos, tomamos decisões, atuamos, atraímos essa força positiva sobre nós e a implementamos.

Comentário: Você sempre diz que o Criador é revelado nas relações entre as pessoas.

Resposta: Somente na dezena, na associação correta das pessoas entre si, e na conexão correta entre elas. Isso não é simples. Isso significa trabalhar de acordo com a metodologia clara durante um longo período de tempo.

Da Lição de Cabalá em Russo 11/06/17