Um Sinal De Percepção Da Informação

560Pergunta: Existem momentos críticos na vida após os quais a quantidade de informações que resta em nossa memória cai drasticamente. Supõe-se que durante os primeiros minutos após a informação ser percebida cerca de 25% dela é esquecida, depois de algumas horas cerca de 50% é esquecida, e após um dia 75% da informação é perdida.

O objetivo do professor é diminuir essa perda. É suficiente que todos no grupo resumam uma ou duas frases ou escrevam um breve resumo das conclusões? Isso ajudará de alguma forma a preservar as informações em nossa memória?

Resposta: Não, a informação permanecerá apenas se houver um uso constante para ela. Se não, nada permanecerá.

Comentário: Muitos alunos dizem que durante as aulas entendem tudo, mas deixam a aula totalmente vazios.

Minha Resposta: Isso é ótimo!

Pergunta: O que há de tão bom nisso? Uma pessoa fica sentada três horas, ouve uma palestra e, no momento em que sai, nada fica em sua memória.

Resposta: Significa que a informação realmente entrou nela e agora está dentro dela.

Pergunta: Serei capaz de recuperar essas informações e usá-las quando precisar?

Resposta: Se você pudesse se lembrar de todas as informações que absorveu durante sua vida, não seria capaz de pensar, decidir, descobrir nada. Você não teria nenhum vazio em suas emoções e em sua mente para trabalhar com a informação de forma objetiva. Sua memória seria como um computador, cheio de dados.

De KabTV, “Habilidades de Gestão”, 24/07/20

O Que Motivará As Pessoas A Trabalharem Juntas?

600.01Pergunta: Os economistas hoje apontam a motivação dos funcionários como um dos maiores desafios. As condições do local de trabalho, bônus e aumentos salariais não funcionam mais. A base da motivação mudou recentemente, especialmente na era do coronavírus. Que conselho você pode dar às pessoas que não conseguem encontrar motivação em si mesmas?

Resposta: Eu acho que em breve chegaremos a um estado em que as pessoas começarão a uivar de angústia como lobos para a lua. Então, elas entenderão que precisam da mais séria motivação, força e habilidade para sair de seu estado de desesperança absoluta. Elas vão começar a procurar alguém que possa lhes dar essa motivação e virão até nós.

Pergunta: A pesquisa mostra que um chefe que tem as habilidades para ouvir um subordinado tem 13 vezes mais probabilidade de motivar um funcionário a permanecer em seu local de trabalho do que um salário. Você acha que isso tem futuro? Afinal, para muitos, o pagamento é a única razão para trabalhar.

Resposta: Não. Chegaremos a tal estado quando a pessoa estiver tão satisfeita com sua condição material que não terá motivação para trabalhar como escrava. Ela começará a procurar apenas um componente criativo em seu trabalho. Acho que chegaremos a isso em breve.

Pergunta: Qual, em sua opinião, é a forma mais eficaz de motivar uma equipe de trabalho?

Resposta: A conexão e o alcance de um objetivo especial estão precisamente na unidade, onde enormes camadas de trabalho sobre si mesma e com os outros estão sendo reveladas. A pessoa começará a revelar tais possibilidades interiores, suas e dos outros, que verá que eventos incríveis estão ocorrendo dentro e ao seu redor.

Pergunta: Então, as pessoas que fazem trabalho colaborativo obterão energia do fato de trabalharem bem juntas?

Resposta: Não só isso. Se estiverem devidamente ligadas umas às outras, encontrarão entre si um estado emocional, espiritual, superior que lhes dá uma recompensa que não verão em nenhuma profissão. Elas perceberão tudo diretamente do desejo de autorrealização em uma equipe.

De KabTV, “Habilidades de Gestão”, 28/08/20

Rumo A Uma Vida Espiritual Superior

527.03Pergunta: Em nosso mundo, uma pessoa sente medo, alegria, segurança, etc. Existem tais sensações no mundo espiritual?

Resposta: No mundo espiritual, todos os sentimentos que existem em nosso mundo são bilhões de vezes mais elevados, profundos e fortes, e uma pessoa pode controlá-los. Se em nosso mundo nascemos com certos órgãos dos sentidos e os desenvolvemos gradualmente sob a influência de nosso mundo, mas de forma insignificante, no mundo espiritual nós podemos desenvolvê-los literalmente do zero, quando simplesmente não os temos, uma vez que estão em um estado rudimentar, e não podemos usá-los.

Começando a desenvolver os sentidos espirituais, nós os levamos a um estado em que revelamos todo o mundo superior, todas as forças que estão nele, todas as variações das possibilidades de sua influência sobre nós.

Nós sentimos como os influenciamos com feedback, entramos em certas interações com eles e começamos a brincar com eles. Nós influenciamos o mundo espiritual e isso nos afeta. Essa interação com o mundo superior é chamada de vida espiritual superior.

De KabTV, “Estados Espirituais”, 12/11/18

Meus Pensamentos No Twitter 03/12/20

Dr Michael Laitman Twitter

O tempo requer proximidade e unidade, que são alcançadas quando a força superior se aproxima, a única força de doação e unidade entre todos. Nós queremos nos unir em dezenas, no grupo, para unir todos os mundos como um todo, enrolando, como um tapete, toda a escada espiritual que conduz ao mundo do Infinito.

Do Twitter, 03/12/20

Sonhando Com Pesadelos Pandêmicos

Meu novo artigo no Linkedin: Sonhando Com Pesadelos Pandêmicos

Tanto acordada quanto dormindo, pensamentos sobre a pandemia assombram toda a humanidade como nenhum outro evento no século passado. Os pesadelos sobre a Covid-19 em todo o mundo são um dos temas de estudo mais recentes. A pesquisa da Universidade de Harvard confirmou que as pessoas em todo o mundo estão passando por mudanças notáveis ​​na frequência e na natureza de seus sonhos como resultado da emergência de saúde global. Isso confirma ainda mais que o vírus afeta a humanidade como um único corpo e, portanto, é mais do que hora de começarmos a agir como tal.

As repercussões do coronavírus não são incidentes isolados, mas ocorrências globais que afetam toda a raça humana. Medos diurnos e preocupações sobre a pandemia permanecem presos na mente das pessoas à noite, enquanto elas dormem, de acordo com um estudo da Harvard Medical School. A pesquisa avaliou milhares de respostas a uma pesquisa global relatando sonhos bizarros semelhantes de enxames de insetos assassinos e outras imagens relacionadas a vírus, independentemente da localização e ocupação das pessoas.

Os sonhos são construídos a partir de um conjunto de pensamentos e desejos que uma pessoa acumula durante o dia. Mesmo que ela possa não estar ciente deles, eles permanecem abaixo da superfície no subconsciente. Quando uma pessoa coloca a cabeça no travesseiro e adormece, ela não tem mais controle sobre seus pensamentos e desejos ocultos. Durante o sono, eles são retirados da sua memória e surgem na forma de sonhos.

Quando nossas emoções, ideias, sensações e desejos estão livres de limitações, livres da opressão do mundo exterior e sem limites físicos, eles se conectam e se integram em um sonho, misturando elementos e experiências que muitas vezes se manifestam de forma ilógica e maneira bizarra. Este processo deu origem a todos os tipos de teorias e especulações sobre sua origem e interpretação. Mas os sonhos nada mais são do que um processo psicossocial e fisiológico. No final das contas, o que somos é carne com um sistema nervoso interno que nos desperta o tempo todo e não nos deixa descansar nem mesmo durante o sono quando nosso cérebro não está mais funcionando com força total.

Sonhar é um mecanismo importante que nos permite processar imagens e nos livrar delas. Às vezes, os sonhos não são simples, eles podem nos colocar em situações desagradáveis, estresse e medos. Portanto, é aconselhável ler algo relaxante ou mesmo engraçado antes de dormir. Ler os Salmos também pode ajudar a canalizar os pensamentos em uma boa direção. O sexo também pode aliviar o estresse e liberar o corpo da tensão acumulada durante o dia.

O estresse de nossa vida diária desde o surto do coronavírus tornou-se um fenômeno mundial. De acordo com a sabedoria da Cabalá, este período é o momento em que a humanidade completa seu estágio de desenvolvimento individual e passa para um estágio mais elevado e novo no qual todos os indivíduos se conectam como um corpo, para serem uma família, uma alma. Portanto, é natural que mesmo os pesadelos sejam agora globalmente semelhantes, já que o próprio mundo se tornou global e redondo.

Todos nós nos conectamos, compartilhamos desafios e experiências comuns. Passamos pela mesma pandemia e enfrentamos as mesmas crises enquanto estamos acordados. Embora todos pensem em sua vida pessoal, em sua família e no trabalho, esses pensamentos individuais agora estão fundidos na consciência coletiva do mundo, de modo que nossas experiências são cada vez mais semelhantes. Estas novas condições apresentam uma oportunidade notável para transformar nosso pesadelo no sonho de um mundo mais agradável e realidade viva.

“A Mente Judaica Russa” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: A Mente Judaica Russa

Existe vida antes e depois do surgimento das mídias sociais para a maioria da população mundial. A geração mais jovem nem mesmo conhece uma realidade diferente, mas pouco se sabe que por trás da explosão tecnológica do Vale do Silício estão judeus, particularmente aqueles da ex-União Soviética. Software e invenções de última geração transformaram o mundo, mas a contribuição judaica mais importante para a humanidade ainda está para ser revelada.

Google, WhatsApp e PayPal, co-fundados por Sergei Brin, Jan Com e Max Lebchin, são apenas alguns dos muitos gigantes da tecnologia criados por judeus que emigraram da ex-União Soviética para os EUA. Outros pioneiros judeus de países de língua russa também fazem parte da inovação acelerada e da revolução tecnológica nos Estados Unidos, Israel e Europa.

Qual é o segredo do sucesso judeu? Tudo começou com a destruição do Segundo Templo quando a comunidade judaica que vivia na Terra de Israel foi forçada a abandoná-la e foi para o exílio em diferentes lugares, incluindo a Europa, onde também sofreram perseguições e discriminação. As oportunidades de emprego para os judeus que viviam na Rússia e na Polônia eram restritas pela sociedade não judia em grande parte por meio da legislação. Como suas opções de trabalho eram altamente restritas, eles se sentaram e estudaram.

Mesmo assim, um pequeno número deles conseguiu fazer negócios, se estabelecer e dar ajuda financeira a quem quisesse estudar. É assim que a vida foi organizada. Os ricos acreditavam que deveriam ter pessoas que se sentariam e estudariam por eles. Embora lhes pagassem alguns centavos, pelo menos os impediam de morrer de fome.

A tradição de estudar de manhã à noite foi bem adequada para os Cabalistas ao longo dos séculos, como Baal Shem Tov, pai do movimento Hassídico, e seus sucessores. O apreço pelo conhecimento tornou-se um princípio básico entre todos os judeus. A abordagem de aprendizado, paciência, dedicação e diligência estão impressos no tecido do povo judeu e se refletiram nos campos da tecnologia e da medicina assim que as restrições de ocupação antijudaica foram removidas e os judeus foram autorizados a trabalhar como qualquer outro cidadão. Judeus e cientistas proeminentes em vários campos surgiram da mesma área geográfica, Rússia e Polônia. Isso começou nos séculos XIX e XX.

Os judeus novamente foram oprimidos, fugiram e se espalharam por toda parte, de acordo com a ocupação que escolheram. Eu, que nasci e fui criado na ex-União Soviética, posso dizer que, muito depois que as restrições ao trabalho foram removidas, os judeus aderiram ao iídiche, a língua que aprenderam. Matérias escolares, incluindo geografia, história e matemática, eram ensinadas a meus pais em iídiche. A infância deles passou sem uma palavra em russo.

Só mais tarde, por volta de 1935, Stalin aprovou uma lei exigindo o estudo apenas da língua russa. Imagine que revolução isso foi para as crianças! Os pais tiveram que seguir em frente e aprender todas as matérias em um idioma novo para eles, de acordo com um currículo diferente. Mas eles conseguiram. Graças à mesma abordagem de aprendizagem que fluiu de seus ancestrais, eles superaram obstáculos e foram admitidos nas universidades.

A propósito, o mesmo impulso e importância para o ensino superior é típico de todos os lugares do mundo onde os judeus vivem, mas especialmente na Rússia, porque desde então o costume de estudar o dia todo tornou-se parte integrante de seu ser. Eles perceberam que aprender era seu bem mais valioso, algo que eles tinham em mãos que ninguém poderia tirar deles. Eles perceberam que essa era sua qualidade única quando vagavam de um país para outro, jogados de um lugar para outro, como viviam na Idade Média.

E havia algo mais especial sobre os judeus desta região, não apenas conhecimento, mas uma espécie de força de vontade, um impulso que os tornou pioneiros em todos os campos. Ventos revolucionários sempre sopraram ao redor deles. Seja como pioneiros que precederam seu tempo por centenas de anos quando abriram a então fechada e proibida sabedoria da Cabalá e a ofereceram ao mundo quando necessário, ou durante a Revolução Russa quando eles eram marxistas, socialistas, trotskistas e ativistas kropotkinistas, ou como imigrantes pioneiros em Israel onde estabeleceram os kibutzim, da mesma forma são pioneiros da tecnologia em qualquer lugar do mundo.

Cada parte da Terra, como está escrito na sabedoria da Cabalá, tem uma força especial que atua sobre aqueles que vivem nela. É realmente interessante, eu também sinto que venho da mesma região do Leste Europeu, onde todos de lá têm um desejo de mudança, progresso, revolução, novas tecnologias ou economia. O leste europeu é uma espécie de espaço que não permite que uma pessoa se sente em paz.

Mas hoje a mesma identidade especial e distinta que o judaísmo desenvolveu em todos os países da diáspora não está mais nos judeus. Além de descobertas puramente técnicas, não resta muito daquele espírito humano que aspira estar no topo do mundo. Enquanto nós, judeus, estávamos espalhados entre as nações do mundo que nos pressionou contra a parede, tínhamos que ser bons e unidos para sobreviver. Mas assim que a pressão caiu, nos tornamos os mais resistentes, teimosos e desunidos. Somos feitos de um tipo de material especial a partir do qual o estresse e a tortura trazem à tona coisas boas e unidade, e o relaxamento nos degenera, corrompe e nos aliena.

Vemos hoje, quando quase não há pressão externa sobre nós, como a sociedade israelense está se tornando um bando selvagem e brigão. Uma nação onde todos pensam apenas em como ter sucesso materialmente e escapar daqui, onde cada um se preocupa apenas consigo mesmo. Embora esta seja uma generalização grosseira, em geral, devemos ver que esta é a nossa situação; é contagioso e continuará a se deteriorar se não encontrarmos o espírito pioneiro e revolucionário da nação judaica dentro de nós. Se readquirirmos o conhecimento e a sabedoria encontrados na conexão entre nós, em nossa unidade, poderemos dar ao mundo algo realmente bom, a descoberta da paz, tranquilidade e plenitude duradouras, a luz de que a humanidade tanto precisa.

Você Deve Começar Com O Amor Pelas Pessoas

942Estamos passando do amor da criação para o amor do Criador. Amor pelo Criador é amor perfeito em todo o sistema, onde a luz e o vaso são revelados juntos, apoiando-se mutuamente.

Mas precisamos começar com o amor à criação, ou seja, aproximar-nos uns dos outros nas dezenas até que não sintamos mais a diferença entre nós, para que nossos desejos e sentimentos se fundam em um sentimento comum. Todos devem completar os outros nisso. Não estamos falando de conexão física, que pertence ao nível animal, mas de uma conexão humana, ou seja, não no nível físico, mas no nível sensorial.

Essa conexão começa com um ódio infundado, que não tem outra explicação senão que foi criado pelo Criador. E daí devemos chegar ao amor fraterno como uma pessoa com um coração.

Não tome o exemplo de um mundo onde há luta e todos estão unindo suas forças, como crianças briguentas. Devemos seguir o conselho dos Cabalistas e nos ver no estágio final do processo de correção. Já passamos por muitos ciclos de vida nesta Terra ao longo de milhares de anos. E não é por acaso que agora descobrimos a ciência da Cabalá. Neste mundo, nada é aleatório, tudo é calculado a partir do sistema da alma comum.

Portanto, devemos trabalhar juntos e alcançar a unidade. Se alguém cair, o que devemos fazer? Aparentemente, este é o seu destino. Mas tentaremos montar nosso sistema e chegar a uma conexão mútua baseada na igualdade e no amor. Afinal, o amor é o vínculo mais forte possível.

“Do amor às criaturas ao amor do Criador”, porque o Criador é um sistema global que nos é revelado. O Criador é uma generalização, a soma de todas as almas e a razão de sua criação, a fonte.

O amor é uma conexão mútua completa em que cada um busca apenas como completar os outros. Esta é a forma de existência da alma comum.

Da 1ª parte da Lição Diária de Cabalá 29/11/20, “Trabalho com Fé Acima da Razão”

Não Espere, Comece A Construir

933Nós construímos o Criador a partir dos desejos de nossos amigos conectados entre si, como está escrito: “como se você Me fizesse”. Afinal, a força superior não existe por si mesma, mas apenas dentro de nosso Kli, nosso desejo.

É por isso que tratar os amigos como um Kli, como um instrumento para revelar o Criador e estabelecê-lo, é a única forma correta que permite que alguém se dirija ao Criador. É por isso que está escrito: “E pelo amor aos amigos, pode-se alcançar o amor do Criador”.

Quando reúno todos os amigos, começo a sentir a força que nos inclui a todos. Esta força inclusiva é uma força integral muito especial, que está acima de todos os detalhes e é a base de toda a criação. A criação aparece fora dessa força e começa a se dividir, se separar e assumir uma forma discreta.

No entanto, se nos conectarmos a fim de revelar entre nós, no centro do grupo, uma única força, então com a mesma precisão que podemos conectar, com a mesma resolução, descobriremos o Criador como Nefesh, Ruach, Neshama, Haya, e Yechida. Yechida já é o mais alto grau de revelação do “Um, Único e Unificado”.

Portanto, é um grande erro esperar que o Criador seja revelado. Não precisamos esperar, precisamos construí-Lo. Esta é a diferença entre religião e Cabalá. Não esperamos pela revelação do Criador que não foi construída por nós. Somente de acordo com nossa participação prática em conexão, nós criamos um lugar de revelação, criamos o Criador.

Se nos sentarmos com as mãos postas e esperarmos que o Messias venha, ele nunca virá. O Messias é a força que finalmente nos tira do sentimento de separação para o sentimento de adesão completa. Ele nos tira da última gota de egoísmo, que é tão pequena que nem mesmo é visível a olho nu, mas ainda não nos permite revelar nossa unidade.

Da 1ª parte da Lição Diária de Cabalá 28/11/20, “Trabalho com Fé Acima da Razão”

“Sobre A Unidade Judaica E O Antissemitismo – A Ascensão E Queda Do Primeiro Templo” (Times Of Israel)

Michael Laitman, no The Times of Israel: “Sobre A Unidade Judaica E O Antissemitismo – A Ascensão E Queda Do Primeiro Templo

(Artigo nº 4 em uma série) No artigo anterior, nós descrevemos a formação de Israel em uma nação e como eles receberam a tarefa de ser “uma luz para as nações”, tornando-se um modelo de unidade acima das diferenças. Este artigo é o primeiro a explorar as tentativas de Israel de manter sua unidade após estabelecer a nacionalidade, seu fracasso em fazer isso e as consequências desse fracasso.

Depois que se tornaram uma nação, jurando se unir “como um homem com um coração”, o povo de Israel partiu para Canaã. Ao longo do caminho, eles tiveram muitas lutas internas, bem como lutas com inimigos externos. Seus egos crescentes os desafiavam de novas maneiras e eles tinham que encontrar novas táticas para superá-los. No entanto, como está escrito no Livro do Zohar (BeShalach, item 252), “Qualquer um que trava uma guerra na Torá é recompensado com maior paz no final”. Em outras palavras, as guerras que o povo de Israel travou foram para manter o voto de unidade completa.

Ainda assim, logo depois que Israel conquistou Canaã e fez dela a Terra de Israel, as disputas tornaram-se tão acirradas que a nação se dividiu em dois reinos: o Reino do Norte (Israel) e o Reino do Sul (Judéia). O Reino do Norte era mais fraco espiritualmente e seu povo rapidamente abandonou seu compromisso com a unidade. O Talmude (Yoma 9b) descreve os líderes da malevolência do Reino de Israel uns para com os outros: “Rabi Elazar disse: ‘Aquelas pessoas que comem e bebem juntas, esfaqueiam-se umas às outras com as espadas na língua’. Assim, mesmo sendo próximas uma da outra, elas estavam cheias de ódio mútuo”. Com tais relacionamentos, não demorou muito para que o Reino de Israel se dissolvesse na obscuridade até hoje.

Enquanto isso, na Judéia, nossos antepassados ​​não se comportaram muito melhor do que seus parentes agora desaparecidos. Titus Flavius ​​Josephus, historiador judeu do século I que se tornou romano, detalha a conduta inadequada de nossos antepassados. Embora a lista de delitos seja longa demais para o escopo desta série de artigos, é importante perceber como era brutal o ódio dos judeus por seus irmãos. Nas Antiguidades dos Judeus (Livro IX, Cap. 5), Josefo oferece alguns detalhes horríveis sobre a maneira suja com que os reis de Israel tratavam uns aos outros. Ao escrever sobre a unção do Rei Jeorão, que governou apenas setenta anos após o Rei Salomão, que ensinou que “O ódio desperta contendas e o amor cobrirá todos os crimes” (Prov. 10:12), Josefo diz que “Assim que [Jeorão] tinha assumido o governo sobre ele, ele se dirigiu à matança de seus irmãos e amigos de seu pai”.

Rei após rei, os governantes da Judéia assassinaram uns aos outros em uma surpreendente demonstração de depravação. Josefo escreve que o Rei Manassés “matou barbaramente todos os justos que estavam entre os hebreus. Nem pouparia os profetas, pois matava todos os dias alguns deles, até que Jerusalém foi inundada de sangue” (Livro X, Capítulo 3).

Claramente, esse comportamento não era sustentável, e quando o rei babilônico Nabucodonosor II invadiu a terra de Israel, a Judéia estava fraca demais para se defender dele. Embora aprendamos que Nabucodonosor conquistou a Judéia e destruiu o Primeiro Templo, é importante notar que nossos sábios e todos os textos antigos não atribuem a queda do Templo a Nabucodonosor, mas aos nossos próprios vícios uns contra os outros.

A propósito, esse padrão de apontar o dedo para nossos próprios pecados como a causa de nossos infortúnios, em vez de para inimigos externos, era a mentalidade predominante na Antiguidade. Isso mudou apenas nos últimos séculos, quando nossa arrogância e justiça própria cresceram a tais níveis que não podíamos ver nenhuma falha em nós mesmos e culpávamos os outros por todos os nossos problemas, apesar de nossos próprios sábios terem falado e escrito o contrário por milênios.

O exílio no cativeiro da Babilônia foi curto, mas agitado. Abordaremos os eventos que levaram à ameaça de destruição e eventual libertação por meio da Declaração de Ciro no próximo artigo, onde mais uma vez, veremos que a unidade traz liberdade e felicidade, e a separação traz miséria ao nosso povo.

“Como Posso Me Tornar Mais Espiritual?” (Quora)

Dr. Michael LaitmanMichael Laitman, no Quora: Como Posso Me Tornar Mais Espiritual?

O Cabalista Yehuda Ashlag (Baal HaSulam) escreve em seu artigo “A Liberdade” que o único meio pelo qual podemos mudar nosso estado é escolhendo um ambiente adequado.

“Há liberdade para o desejo de escolher inicialmente esse ambiente, esses livros e esses guias que transmitem a ele bons conceitos. Se alguém não fizer isso, mas estiver disposto a entrar em qualquer ambiente que apareça para ele e ler qualquer livro que caia em suas mãos, ele está fadado a cair em um ambiente ruim ou perder seu tempo com livros sem valor, que são abundantes e mais fáceis de passar por aqui. Em consequência, ele será forçado a ter conceitos sujos que o fazem pecar e condenar. Ele certamente será punido, não por causa de seus maus pensamentos ou atos, nos quais ele não tem escolha, mas porque não escolheu estar em um bom ambiente, pois nisso há definitivamente uma escolha.

Portanto, aquele que se esforça para escolher continuamente um ambiente melhor é digno de elogio e recompensa. Mas aqui também não é por causa de seus bons pensamentos e ações, que vêm a ele sem sua escolha, mas por causa de seu esforço para adquirir um bom ambiente, que lhe traz esses bons pensamentos e ações”.

Se escolhermos continuamente uma influência ambiental mais poderosa que nos guie para a espiritualidade, nos tornaremos dignos de progresso espiritual.

Escolher e fortalecer um ambiente adequado para o progresso espiritual é fundamental para se tornar mais espiritual e não realizar o que geralmente consideramos como “boas ações”. Isso ocorre porque, em última análise, não controlamos nossos comportamentos. Em vez disso, nosso ambiente determina como pensamos e nos comportamos e, portanto, se nos colocarmos em um ambiente que nos guie espiritualmente e fortalecermos cada vez mais nossa conexão com esse ambiente, ele nos moverá nessa direção e nos tornamos mais espirituais.

Foto: Convenção Mundial de Cabalá em Ganei HaTa’arucha, Tel Aviv, Kabbalah.info