Textos na Categoria 'Trabalho Espiritual'

A Singularidade Da Força Que Nos Governa, Parte 2

laitman_537Teatro Do Criador

Artigo de Baal HaSulam, Shamati 1, “Não Há Outro Além Dele”: Isso é considerado uma correção chamada “a esquerda rejeita e a direita aproxima”, ou seja, que o que a esquerda rejeita é considerado uma correção.

“A esquerda rejeita” significa rejeição, isto é, esconder o Criador quando nos tornamos incertos sobre Ele. Nós começamos a pensar que existem outras forças opostas a Ele.

Parece-nos que existe um diteísmo, ou seja, um Criador mau e um bom, um contra o outro, porque percebemos o mundo como tal, ou politeísmo, ou seja, muitas forças no mundo que estão em relacionamentos opostos. Tudo isso é concebido e feito de propósito.

Isso significa que existem coisas no mundo que, para começar, visam desviar a pessoa do caminho certo e pelas quais ela é rejeitada da Kedusha [santidade]. Existem especificamente forças, fenômenos e ações que surgem e que são inicialmente colocadas diante de uma pessoa com a intenção de desvia-la, afastando-a da luta pelo Criador, lançando-a do pensamento de que apenas uma força, apenas um Criador, age sobre ela.

Assim, essas rejeições ajudam a pessoa porque, com sua ajuda, a pessoa recebe uma necessidade, um desejo completo do Criador de ajudá-la a revela-Lo. Caso contrário, ela não poderia ter se definido de nenhuma maneira neste mundo.

Com isso, a pessoa quer entender quem a controla, quem determina seus pensamentos, ações e tudo o que aconteceu no passado, o que está acontecendo no presente e o que acontecerá no futuro. Por um lado, é claro que isso é realizado sob a influência de uma única força da natureza.

Por outro lado, essa força constantemente nos distorce e nos atrai para várias circunstâncias, e atribuímos tudo o que acontece a outras pessoas, eventos e várias autoridades, como se elas controlassem independentemente o mundo e nossa vida.

Assim, eu me afasto da definição da singularidade do governo do Criador. Não posso sustentar o fato de que apenas uma única força me controla dessa maneira; eu vejo contradições nesse controle o tempo todo.

Por que o Criador faz isso? Para que, em todas essas contradições, possamos descobri-Lo por nossa própria vontade, apesar do fato de que, de repente, eu caio sob o poder da polícia, do Estado, dos parentes, da família e das crianças. Meus amigos me influenciam, e de repente outra pessoa também influencia.

De fato, eu devo determinar claramente que estou apenas no campo do Criador, e não há mais ninguém que me controla, me coloca e me retira de todos esses estados e substitui várias outras fontes de influência sobre mim.

A cada segundo, eu devo ser direcionado através de todas as fontes supostamente terrenas para Ele e saber claramente que Ele está fazendo tudo através de seus fantoches, minha família, amigos, inimigos e até políticos. A imagem inteira que vejo na minha frente e chamo de “este mundo” é um teatro através do qual o Criador age sobre mim. Eu tenho que conectar todo esse teatro a Ele em todas as suas ações.

De KabTV, “Fundamentos de Cabalá”, 24/11/19

O Ódio É A Falta De Luz

laitman_245.09Pergunta: O que podemos fazer com o ódio? Como podemos trabalhar com essa luz?

Resposta: Luz não é ódio. O ódio é a ausência de luz. Portanto, precisamos entender claramente como atrair luz sobre o ódio no amor.

Então, recebemos uma combinação muito forte de luz e escuridão. Nesse estado, podemos trabalhar.

Pergunta: Ainda é uma percepção de que o ódio é a ausência de luz em mim, um estado de escuridão que causa uma reação correta?

Resposta: Claro. Tanto a escuridão quanto o ódio são melhores que a indiferença.

Pergunta: Não é dito que a indiferença é pior que o ódio?

Resposta: Claro. Com a indiferença, você não pode se conectar, afastar-se ou se aproximar. Indiferença é a morte na espiritualidade, enquanto ódio e amor são iguais.

De KabTV, “Fundamentos de Cabalá”, 29/12/19

A Singularidade Da Força Que Nos Opera, Parte 1

226O Poder que Define o Mundo Inteiro

Baal HaSulam, Shamati 1, “Não Há Outro Além Dele”: …que não há outra força no mundo que tenha a capacidade de fazer algo contra Ele. Simplesmente dito, não há outro ou nada no mundo além do Criador.

E o que o homem vê, que existem coisas no mundo que negam o Poder Superior, a razão é que essa é a Sua vontade. Ele quer confundir a pessoa ao pensar que há supostamente muitas forças, possibilidades e causas básicas de tudo o que existe. Tudo isso está aqui para confundir uma pessoa enquanto ela está encontrando, determinando, percebendo e provando para si mesma que não há outro além Dele.

Existe apenas uma força no mundo. Ela define o mundo inteiro, age em cada um de nós, em todas as células do corpo animal e do corpo espiritual, a alma. Estamos todos no campo desse poder. Ele nos rodeia, nos controla, faz absolutamente tudo. Toda a nossa existência se resume a revelar sua singularidade.

De KabTV, “Fundamentos de Cabalá”, 24/11/19

Tudo Está Dentro De Nós

281.01Pergunta: Tudo é alcançado pelo oposto. Existe uma ferramenta maravilhosa – perto/longe – e o Criador a usa muito bem em relação a nós. Podemos usar a mesma ferramenta em relação à força superior?

Resposta: É claro que podemos distanciar o Criador de nós ou aproximá-Lo.

Pergunta: É assim que Ele sentirá isso?

Resposta: Não existe “Ele”. O Criador é uma construção especial dentro de nós.

Pergunta: Nós nos afastamos e experimentamos isso nós mesmos?

Resposta: Sim. Não há nada fora de nós, tudo está apenas dentro de nós.

Até o que você sente e experimenta agora – o mundo ao seu redor, com todos os seus amigos e tudo o que você pode imaginar – existe em você, em sua consciência e nada mais.

De KabTV, “Fundamentos de Cabalá”, 15/12/19

Feriados Espirituais, Parte 4

laitman_567.04Proibições do Yom Kipur

Pergunta: Quais limitações (restrições) são executadas no Yom Kipur (Dia da Expiação)?

Resposta: No Yom Kipur, uma pessoa “fecha”, não quer usar o egoísmo. Acontece que todos os cinco níveis egoístas que compõem a sua alma estão fechados. Uma pessoa os fecha e não os usa.

É por isso que no Yom Kipur não bebemos, nem comemos, nem vestimos roupas e sapatos de couro, nem nos ungimos com substâncias aromáticas, nem cortamos ou penteamos nossos cabelos.

Pergunta: De onde os Cabalistas obtiveram esses símbolos? Por exemplo, o que simboliza a proibição de usar roupas e sapatos de couro?

Resposta: No passado, todas as roupas eram feitas quase exclusivamente de couro ou lã. Quando os Cabalistas revelam a espiritualidade, veem que só podem usar seus pequenos estados espirituais, ou seja, as ferramentas chamadas Nefesh, Ruach e Neshama.

Os graus de Haya e Yechida, que simbolizam pele e lã, não podem ser usados. É por isso que existe esse costume. Aplica-se especialmente aos sapatos, porque os sapatos são considerados o último e mais baixo nível do nosso corpo espiritual.

Em outras palavras, o Cabalista, a partir de sua realização, vê analogias da conexão entre a raiz e o ramo, de que um certo tipo de desejo, chamado “pele”, é um tipo de comunicação com o Criador, que ele não pode usar neste mundo.

Pergunta: Foi assim que surgiram todos os costumes de nossos feriados?

Resposta: Sim. Tudo o que descobrimos no mundo espiritual, tentamos implementar em símbolos do nosso mundo.

Pergunta: Eu sempre pensei: que diferença faz para o Criador o que como ou o que calço?

Resposta: Não há diferença. Portanto, se diz que os mandamentos são dados apenas para corrigir uma pessoa e o Criador é absolutamente indiferente ao que você faz fisicamente com as mãos e as pernas.

Os Cabalistas dizem que o mais importante para nós é a correção do nosso egoísmo. Foi isso que foi criado e é o que precisamos corrigir.

De KabTV, “Fundamentos de Cabalá”, 29/01/19

Por Que Nos Sentimos Vazios?

laitman_628.4Pergunta: Inicialmente, não há qualidade de doação na criação; portanto, tentamos reproduzi-la. Todas as Sefirot, exceto Malchut, estão doando. No entanto, quando jogamos na doação, por algum motivo, sentimos o vazio, como o lado sombrio de Malchut. De onde vem tudo isso?

Resposta: Isso acontece porque ainda estamos no processo em que Malchut não está corrigida. Primeiro, devemos elevá-la ao nível de Bina para suavizar a qualidade de recepção – Malchut, com a qualidade de doação – Bina.

Quando essas duas qualidades começarem a se fundir, seremos capazes de trabalhar claramente com a conexão de Malchut e Bina, que é receber em prol de doar. Assim, estaremos recebendo do Criador, mas pelo bem dos outros. Este será o circuito da luz na natureza.

De KabTV, “Fundamentos da Cabalá”, 22/12/19

O Teatro Bem Na Sua Frente

laitman_939.02Pergunta: Geralmente, eu amo em uma pessoa o que amo em mim e odeio o que odeio em mim. Mas não quero conflitos com outras pessoas porque ainda não me corrigi.

Recentemente, fui a uma peça de teatro e pensei: é possível simpatizar com algum tipo de drama no palco ou na vida e assim aprender a evitar conflitos e começar a amar mais as outras pessoas?

Resposta: Você tem uma grande oportunidade – trabalhe em grupo. Jogue várias produções teatrais de amor e ódio por lá. Tente lutar pela unificação, pelo amor, o tempo todo. Então você sentirá como sua natureza revela ódio mútuo, rejeição um do outro, para você.

Assim, você sempre estará na combinação certa de amor e ódio. E tudo vai ficar ótimo. Você pode literalmente resolver isso na vida. Recebemos a dezena exatamente por isso.

Portanto, não há razão para ir ao teatro. O teatro está bem na sua frente.

De KabTV, “Fundamentos de Cabalá”, 29/12/19

Feriados Espirituais, Parte 3

Laitman_091Yom Kipur – Autoavaliação

Dez dias depois de Rosh Hashaná vem o Yom Kipur.

Durante Rosh Hashaná, uma pessoa desperta, quer se tornar como o Criador para adquirir a qualidade de doação. Aspirando à equivalência com o Criador, a pessoa se sente cada vez mais e, no décimo dia, chega ao estado em que vê que é uma egoísta absoluta, completamente oposta ao Criador.

Yom Kipur ou Dia do Julgamento é a revelação de nossa natureza má, o dia em que a pessoa se julga. A pessoa começa a se perceber corretamente como egoísta, sob o domínio das forças que agem sobre ela, e é incapaz de lidar com elas. Em princípio, isso não é sua culpa, mas algo dado. É por isso que a pessoa deve se posicionar dessa maneira.

Ninguém, é claro, a julga, incluindo o Criador, que organizou tudo isso para ela. Esta é a consciência de uma pessoa do seu estado espiritual.

De KabTV, “Fundamentos de Cabalá”, 29/01/19

Dois Polos De Medo

laitman_243.07Pergunta: O medo é gerado pelo ódio ou por algum programa de uma medida de autopreservação para o reconhecimento do mal, como uma manifestação de autoconhecimento? Quão necessário é o medo?

Resposta: Depende de que tipo de medo, porque existem muitos tipos de medo.
Em princípio, é necessário um medo negativo para entender nossas limitações.

O medo positivo é necessário para que, por causa dele, nos apressemos para a proteção do Criador.

De KabTV, “Fundamentos de Cabalá”, 29/12/19

Ao Infinito E Além!

laitman_923Lembro-me como no primeiro Congresso em Sitrin, na Páscoa de 2003, gritamos ingenuamente que iríamos romper o Machsom (a barreira que nos separa do mundo espiritual). Passaram-se 17 anos desde então, e acho que finalmente chegou a hora de realmente exigir que os limites do mundo superior se abram diante de nós e que passemos pelo mar como se por terra. Acho que estamos prontos, junto com todos os nossos amigos ao redor do mundo. Se todos sentimos que estamos no mesmo barco, podemos nos sentir em pé do outro lado do rio da vida.

Que os amigos de todo o mundo se reúnam, juntando-se a nós física ou virtualmente, e juntos romperemos o Machsom. L’Chaim! 1

Da Conversa em uma Refeição, 01/02/20
1 Minuto 23:30