Textos na Categoria 'Trabalho Espiritual'

Razão – Um Derivado Do Egoísmo

249.01Rabash, “Aquele que Endurece Seu Coração”: Segue-se das palavras do Zohar que o Faraó quis dizer dentro da razão, que parece irracional que eles seriam capazes de abandonar sua autoridade, a menos que através da fé acima da razão, pois este poder cancela todos os poderes do mundo.

Não podemos, com nossa mente egoísta, perceber a que devemos chegar: de um estágio para compreender outro estágio. Assim como uma criança não consegue entender como os adultos percebem o mundo, mas nós a forçamos e ela concorda porque ainda há uma tendência natural nela de aceitar o que os adultos lhe dizem, mesmo que ela não o compreenda.

É impossível, enquanto em um nível inferior, compreender um nível superior. Portanto, todo o nosso caminho vai, como dizem, na fé acima da razão, quando aceitamos as propriedades dos níveis superiores como as mais elevadas e desejamos absorvê-las em nós mesmos para nos tornarmos como eles, mesmo sem compreender sua grandeza e peculiaridades.

Pergunta: A razão não pode operar porque está sob o poder do nosso egoísmo e o obedece?

Resposta: A razão é um derivado do egoísmo. Portanto, com base apenas na razão, é impossível sair do estado animado em que nos encontramos.

De KabTV, “Estados Espirituais”, 26/03/21

O Mundo Precisa Que Aceleremos

219.01Pergunta: Como o Rabash o ensinou a sentir o material da estrutura dos mundos superiores enquanto lia O Prefácio à Sabedoria da Cabalá  (Pticha) ou O Estudo das Dez Sefirot?

Resposta: Ele não fez isso. Ele simplesmente me ensinou pacientemente até que comecei a sentir algo, não de outra maneira! Ele não me empurrou para frente.

Eu estou pressionando você. E tenho uma razão para isso: o mundo está se desenvolvendo assustadoramente rápido e nos obriga a nos conformar com as formas erradas e distorcidas que assume. Se não fosse por isso, eu não sentiria essa urgência.

Você tem razão, estamos acelerando um pouco nosso estudo e você não entende o que é exigido de você. Mas você vai superar. Se o mundo está como está hoje, isso significa que você pode.

De KabTV, “Fundamentos de Cabalá”, 04/04/19

Rompendo Com O Egito

608.02Pergunta: Pessach dura sete dias. Por quê?

Resposta: Sete dias são sete Sefirot, todos os níveis da nossa alma. No primeiro dia de Pessach, o homem abandona a intenção para si mesmo e continua a se livrar de suas intenções egoístas no segundo e terceiro dias, etc., até que se separe completamente delas. Então ele chega ao estado chamado Yam Suf – O Mar Final (Mar Vermelho em hebraico). Ele está pronto para se lançar nele a fim de romper completamente com o Egito (de seu egoísmo).

Pergunta: O êxodo do Egito é a última fronteira do mundo material egoísta, atrás da qual existe uma linha convencional chamada Machsom. Tendo atravessado o Machsom, o homem começa a sentir amor, doação, o mundo espiritual. O que acontece com ele? Qual é a transformação além desta linha?

Resposta: Além dessa linha, o homem pensa apenas em como, por meio dos outros, ele pode mais e mais perceber a propriedade de doação e amor em si mesmo. Como resultado, ele começa a sentir nesta propriedade que está sendo preenchido com a luz superior – o Criador.

De KabTV, “Estados Espirituais”, 26/03/21

Fugindo Do Egoísmo

232.01Pergunta: Por um lado, o Criador estava endurecendo o coração do Faraó e, por outro lado, Ele estava dando-lhe golpes constantes. Os dois últimos golpes são a escuridão egípcia e a matança do primogênito. O que esses estados simbolizam?

Resposta:  A escuridão egípcia simboliza o mal absoluto e o vazio absoluto revelado como resultado do uso da qualidade do egoísmo – recepção para o próprio bem. Você não pode alcançar nada com isso. Ao revelar o seu ego, você entende que está no Egito.

A morte do primogênito significa que todas as suas ações o levam à morte. Você vê que não há por que começar e fazer qualquer coisa enquanto estiver no Egito.

Pergunta: Isto é, o primogênito (Ben) sempre simboliza o próximo estado do homem.

Além de sentir escuridão no meu estado atual, não vejo nenhum prazer, não vejo nada no estado futuro. Se eu permanecer no egoísmo, não tenho futuro. É este o estado que a natureza deve nos levar? Só então vamos querer sair do Egito? Uma pessoa participa conscientemente disso ou é forçada pela natureza?

Resposta: Uma pessoa vem ao Faraó junto com o Criador e participa dos dez golpes das pragas. Ela vê como o egoísmo sofre e começa a se afastar cada vez mais dele. Ou seja, ela não atribui mais o sofrimento a si mesma, mas ao ego que ainda está dentro dela.

Gradualmente, ela começa a entender que precisa se livrar do egoísmo, mas vê que não há como destruí-lo e tudo o que resta é simplesmente fugir.

De KabTV, “Estados Espirituais”, 26/03/21

Dois Anjos Acompanham A Humanidade

631.1Uma vez que o homem chega ao Egito, com o tempo ele adquire lá um desejo de receber cada vez maior. No início, ele aceita esse desejo com alegria. Ele se sente bem com o fato de estar se desenvolvendo, enriquecendo e compreendendo o mundo.

É assim que todo o nosso mundo tem se desenvolvido até recentemente. Mas, de repente, descobrimos que todas as nossas conquistas não são boas para nós. Na verdade, construímos uma prisão para nós, uma verdadeira escravidão da qual não podemos escapar. O egoísmo está nos enterrando, amarrando nossas mãos e pés. Mesmo que tenhamos feito tantas coisas aparentemente boas para nós mesmos, elas de repente começam a nos dominar e nos controlar.

Primeiro, eu trabalho para adquirir coisas, depois tenho que continuar trabalhando para manter minhas aquisições, desenvolvê-las e melhorá-las. Estou trabalhando cada vez mais para pagar uma casa maior, um carro, uma escola melhor para as crianças e muitas outras coisas.

Uma pessoa vê que está na escravidão. Anteriormente, ela pensava que estava organizando a vida para seu próprio benefício. Agora ela não pode descansar e aproveitar a vida. Ela está trabalhando cada vez mais. Seu cônjuge também está trabalhando agora e eles ainda não conseguem se livrar das dívidas. Essa é a verdadeira escravidão, que não tem fim à vista.

Além disso, a pandemia do coronavírus aconteceu, e quem sabe quantos mais golpes desse tipo nos aguardam adiante. Estamos começando a perceber que construímos uma vida que não é boa. No entanto, há um aspecto positivo nisso porque é agora que a sabedoria da Cabalá pode ser revelada e as pessoas podem ouvi-la. É por isso que está sendo revelado.

Então, essas duas forças que aparecem na natureza: o Faraó de um lado e o Criador do outro, nos ajudam a avançar para o fim da correção, “… os dois anjos que acompanham a pessoa na véspera do Shabat [sábado]…”.

Da Lição Diária de Cabalá 04/04/21, “ Pessach

Peça Ajuda

562.01No momento em que peço ajuda ao Criador, não sei de que forma Ele deve me ajudar. Além disso, eu realmente não quero saber porque esse é o trabalho Dele. Estou apenas pedindo a Ele para fazer Seu trabalho e nos levar a uma conexão.

Não é necessário ter mais compreensão de mim agora do que de uma criança. Nunca consigo pedir corretamente, caso contrário, não seria um trabalho de baixo para cima.

Portanto, não me importo como o Criador me ajuda, não digo a Ele o que fazer. Eu só quero que alcancemos uma conexão que será em prol da doação, em um nível superior ao de agora. Não planejo como o Criador fará isso, apenas peço a Ele que nos ajude a alcançar o resultado desejado.

Eu entendo que na minha condição não sou capaz de exigir mais. Se eu começar a adicionar todos os tipos de condições e detalhes a isso, simplesmente apagarei minha solicitação.

Da Lição Diária de Cabalá 04/04/21, “Pesach”

Cartão Espiritual Estampado No Coração

275A Torá é o programa interno de nossos desejos, devemos organizá-los de acordo com ela, sentir suas histórias e ações geradas em nós e começar a viver dentro deste sistema. Estamos todos quebrados, mas devido ao fato de que nos engajamos na Torá, sua luz que reforma nos corrige e conecta corretamente todas as partes quebradas.

Não são os elementos em si que estão quebrados, mas as conexões entre eles, e ao ajustá-los, nós nos construímos, o que é chamado de “elevar a Shechiná do pó”. A Divindade está toda fragmentada em pequenos desejos egoístas e precisamos combiná-los gradualmente em um sistema, que se tornará uma pessoa, Adão, semelhante ao Criador, onde todos estão em doação mútua.

Na verdade, estudamos nossa estrutura interna correta e como corrigi-la de acordo com a Torá, de modo que a única força superior, além da qual não há nada, se abra em nós, nos preencha e nos envolva. Desta forma, implementaremos corretamente a Torá e sentiremos como a força superior opera em nós. Nós a atrairemos, apressaremos sua abertura e criaremos todas as condições por parte do desejo (Kli) para a manifestação do poder da luz nele.

Dizem que a Torá deve ser escrita em seu coração. Você precisa passar por e sentir tudo o que a Torá diz, desde as primeiras palavras, “No início” (Bereshit), até a última palavra, “Israel”, todo o processo descrito na Torá. Desta forma, nos ajustaremos corretamente e permitiremos que o Criador se vista em nós sem quaisquer obstáculos de nossa parte. Pelo contrário, iremos atraí-Lo e envolvê-Lo, tornando-se um vaso correto para a luz, a Divindade, onde o Criador é revelado.

O Criador criou um desejo completo, chamado Adam HaRishon antes do pecado, mas então o dividiu em muitas partes. Nós precisamos tentar conectar essas partes, colocá-las novamente juntas como um quebra-cabeça espiritual em cada um de nós e entre todos nós juntos. E depois disso, em vez deste mundo, começaremos a ver o que está além dele: o mundo espiritual no qual uma força, o Criador, governa, e todas as partes da realidade estão mutuamente conectadas em perfeita unidade.

Portanto, nossa percepção da Torá mudará completamente e em vez de história, geografia, eventos da vida comum, que foram apresentados a nós em nosso egoísmo, uma forma completamente diferente aparecerá – a espiritual. Em vez de muitos personagens e pessoas, veremos os desejos e como as duas forças agem: o Criador e o Faraó. E entre eles neste mapa está Moisés e todos nós atrás dele.

Quanto mais estudarmos a Torá, mais claro se tornará que toda a realidade está incluída neste pequeno livro. Nada mais é necessário, exceto imprimi-lo em seu coração, isto é, em seus desejos. Então, teremos certeza de que realmente não há nada além disso.

Para que isso se torne realidade, é preciso corporificar todo esse processo no grupo, na dezena, entre nós. É preciso descobrir como todo o material estudado se revela entre nós, em nossas relações. Começaremos a reconhecer esses processos, ver como eles mudam, melhoram e remendam.

E quanto mais quisermos que isso aconteça conosco na prática, mais cedo chegaremos ao fim da correção e nos vestiremos na Torá, toda a luz superior no Kli chamada Israel, isto é, direcionada apenas para o Criador. O Criador encherá este vaso e “Naquele dia, o Senhor será um e Seu nome, ‘Um’”. A luz é perfeita, o vaso se tornará perfeito e eles se fundirão.

Tudo isso se realiza em grupo, como se diz: “Eu habito entre o meu próprio povo”, ou seja, dentro de um grupo que vai revelando cada vez mais a luz à medida que se une. A luz nos une e nos aproxima até que sentimos que estamos juntos no mesmo processo sob a influência de uma luz e nos tornamos tão próximos que nos fundimos com o Criador, como é dito: “Ele é um e Seu nome, Um”. Ele, o Criador, é a luz, e Seu nome é o desejo, o vaso, nós. A luz e nossos desejos se tornarão tão semelhantes entre si na ação de doação mútua: “Eu sou do meu amado e meu amado é meu”, que o Criador se vestirá completamente dentro da criação que Ele criou.

Da Lição Diária de Cabalá 02/04/21, “Pessach

Sempre Em Busca Do Prazer Egoísta

629.4Pergunta: O Faraó (hebraico: Parah) é a principal força atuante. Seu professor, o Rabash, explica que “Parah” significa “Peh Ra” (boca ruim). Do que ou de quem estamos falando?

Resposta: Estamos falando de alguém que nega que o mundo é governado por uma força do bem, a força superior do Criador, e afirma que o mundo é governado pelo mal, uma força egoísta, e que esta é a única coisa que deveria ser desenvolvida e controlada.

Pergunta: Se você ler a palavra “Parah” da direita para a esquerda, obterá “Oref” (parte de trás do pescoço). O que isto significa?

Resposta: Este é o reverso do Criador. Na prática, existe uma força superior, literalmente chamada de Criador, que se manifesta tanto em uma forma do bem quanto em seu oposto: como uma força maligna chamada Faraó (Parah).

Pergunta: O que significa que o Faraó sugou todo o bem das pessoas que trabalharam para ele?

Resposta: Isso é o que vemos em nossas vidas: não importa o que tentemos fazer, nada de bom sai disso no final, porque usamos o egoísmo apenas para reforçá-lo.

Pergunta: Então, é impossível desfrutar do egoísmo? Assim que estamos satisfeitos com algo, esse prazer desaparece instantaneamente?

Resposta: Não só isso, mas há um egoísmo ainda maior que satisfazemos novamente. Assim, estamos sempre em busca do prazer egoísta que no final nunca nos satisfaz.

De KabTV, “Estados Espirituais”, 26/03/21

O Faraó Trabalha Para O Nosso Benefício

514.02O Faraó não é um desejo de bem-estar material: dinheiro, fama, conhecimento, comida e sexo. Qualquer pessoa no mundo tem esses desejos. Faraó é o nome da resistência espiritual que surge em nós.

Portanto, por um lado, precisamos lutar com o Faraó, mas, por outro, precisamos aprender a trabalhar com ele. Nenhum desejo pode ser negligenciado. Todos eles foram criados pelo Criador, e só precisamos organizá-los corretamente.

Não posso interromper e jogar fora alguns de meus desejos, porque eles faltarão em meu sistema. Devo levar todos os desejos à correção final.

Não importa quais desejos sejam revelados em mim, devo transferir tudo para dar ao grupo e através dele para o Criador, apenas na forma “Do amor pelas criaturas ao amor pelo Criador”.

O avanço ocorre precisamente devido à nossa inclusão mútua. Quanto menor for a distância entre nós, quanto mais nos aproximarmos, mais perto nos tornaremos do Criador. Começaremos a sentir que esta é a mesma distância.

Então veremos que o Faraó também não está trabalhando contra nós, mas a nosso favor. Ele apenas nos mostra onde há falta de correção no relacionamento entre nós.

Da Lição Diária de Cabalá 02/04/21, “Pessach

Faraó – A Forma Reversa Do Criador

565.02Toda a sabedoria da Cabalá é como perceber corretamente a natureza em que estamos. Não mudamos nada na realidade, exceto a nossa atitude, a percepção do mundo em que vivemos. Não há como mudar a própria realidade, porque isso é como querer mudar o universo.

Descobrimos que estamos dentro das forças da natureza chamadas Criador ou Faraó, dependendo de nossa percepção. O Faraó e o Criador são duas formas opostas da mesma força superior.

Portanto, tudo depende da pessoa. Se eu aceito tudo pela fé acima da razão e revelo o Criador em tudo, o Faraó parece desaparecer. O Faraó é a forma incorreta na qual vejo o Criador. Mas conforme eu mudo, me corrijo e começo a revelar minha força em prol da doação, vejo que o mundo inteiro está em doação e amor, e não há ninguém além do Criador. E não há o Faraó!

O Criador diz: “Vamos ao Faraó, pois endureci seu coração”. Por revelar o Faraó como a força mais maligna da criação, Ele obriga as criaturas a revelarem o Criador.

O Criador disse a Moisés: “Vamos ao Faraó, pois endureci seu coração”. É como se ele estivesse se escondendo atrás do Faraó e, em vez do Criador, Moisés visse o Faraó: forte, dominador, terrível. Mas por que isso é necessário? Para que Moisés precise do Criador, de Sua ajuda. E assim o Criador endurece o coração do Faraó, o torna grande e terrível, de modo que Moisés tem medo desse monstro.

A força do Faraó está crescendo, e não temos escolha a não ser pedir ajuda ao Criador. Queremos nos esconder no Criador, se esconder sob Suas asas, para que o Faraó não possa nos alcançar.

O Faraó nos aproxima do Criador, da liberação. Quem dá ao povo de Israel toda a força, todos os utensílios, o desejo de sair do Egito? O Faraó! O Faraó criou Moisés e organizou tudo para a fuga. O Faraó é o poder que atua sobre nós durante nosso exílio.

O Faraó nos preparou para a saída do exílio: ele nos organizou, nos construiu, nos criou. E quando chega a hora de sair do exílio, ele passa cada vez mais o poder para o Criador, até que saiamos completamente do poder do Faraó e nos apeguemos à força superior, que é chamada de Criador. Com Ele, continuamos e o Faraó termina sua missão.

É um sistema unificado, trabalhando desta forma, às vezes pelo poder do mal, depois pelo poder do bem, então pelos dois juntos na linha do meio. O poder do Faraó e o poder do Criador correspondem totalmente um ao outro, e tudo para que a pessoa, no meio entre eles, possa crescer corretamente.

Da Lição Diária de Cabalá 04/04/21, “Pessach”