Textos na Categoria 'Trabalho Espiritual'

O Vetor

527.03O ponto de uma ação é medido e avaliado apenas de acordo com sua intenção. A intenção de doar mais aproxima a pessoa do Criador, enquanto a intenção de receber mais a afasta do Criador.

E no meio entre a intenção de doar e a intenção de receber está um ponto zero neutro a partir do qual uma pessoa decide onde está: no mundo espiritual ou corporal.

Todo o mundo espiritual opera na intenção de doar, e assim que agimos de forma egoísta, imediatamente sentimos o mundo corpóreo. Quanto doar e quanto receber não é mais tão importante. A principal coisa que nos coloca de um ou outro lado da fronteira entre espiritualidade e corporeidade é a nossa intenção.

O principal teste é o que a pessoa anseia, não o quão forte é o seu desejo. Uma mudança de intenção é como mudar a marcha do carro de frente para ré, dependendo de onde eu me movo para frente, em direção ao Criador e as criaturas, ou para trás.

A intenção depende de para onde meu coração está direcionado: para fora, para os outros, para os amigos e, por meio deles, para o Criador ou para mim mesmo. Isso determina para onde eu vou. Eu trabalho para o Criador ou para mim? Eu me movo em direção a meus amigos e através deles em direção ao Criador ou me aproximo de mim mesmo? Tudo isso depende da intenção, e só depois do desejo que a obedece.

Para testar a intenção, a pessoa precisa se distanciar da própria ação para que ela se torne sem importância, e o principal é: em prol de quem estou fazendo isso e quem vai se beneficiar com isso. Isso determina se estou no mundo do Criador ou em meu próprio mundo, em minha casca.

A intenção, dirigida para fora ou para dentro, divide minha realidade em duas partes: uma parte que se relaciona comigo, que significa “eu”, “meu”, e uma parte fora de mim, ou seja, os amigos e o Criador. Se eu quiser existir no mundo do Criador e não em meu pequeno mundo animal, devo verificar constantemente a direção de meus pensamentos.

O Livro do Zohar diz que as pessoas com uma intenção egoísta têm seus olhos olhando para dentro de si mesmas, são completamente cegas e não veem o vasto mundo ao seu redor. Elas não conseguem imaginar nada além deste mundo, então vivem nele e morrem.

Essa vida é dada para mudar a direção do olhar da pessoa para fora e para revelar o mundo do Criador chamado mundo superior. E o mundo inferior é aquele que vemos quando olhamos para dentro de nós mesmos e cuidamos apenas de nós mesmos.

Eu devo verificar onde o vetor de meus pensamentos e desejos está direcionado – para mim, para meu benefício ou para os outros e através deles para o Criador? Ou seja, aonde meu coração está chegando?

Da 1ª parte da Lição Diária de Cabalá 21/10/20, Escritos do Baal HaSulam, “O Amor de Deus e o Amor do Homem”

Isso É Felicidade!

962.3Alguns dizem que a felicidade é quando você é compreendido, grande felicidade quando você é amado e a verdadeira felicidade é quando você ama a si mesmo.

O sentimento de amor – do egoísta ao mais absoluto.

Pergunta: O que é felicidade para você?

Resposta: Felicidade para mim é quando me conecto com o Criador por meio de meu professor.

Isso é felicidade.

De KabTV, “Notícias com Dr. Michael Laitman”, 27/07/20

Unidades Sutis De Medição De Pensamento

294.2Todos os vírus são resultado de nossos pensamentos ruins. Mas não existem instrumentos capazes de medir esta conexão porque ela é mais elevada do que a percepção material comum.

Existem muitos laboratórios e estudos tentando entender a conexão entre o espiritual e o material, mas isso é impossível. Nossos pensamentos bons ou maus pertencem ao nível humano, uma vez que são baseados em nosso egoísmo, o princípio do mal.

Diga-me, qual dispositivo pode ser usado para medir o egoísmo de uma pessoa e onde ele deve estar conectado? Claro, não ao corpo material porque ele é apenas uma máquina biológica que executa ordens. Ao coração? Mas o coração é apenas uma bomba que pode ser substituída por uma artificial. Talvez ao cérebro? Também não.

De onde os pensamentos de uma pessoa podem ser extraídos para passá-los pelo dispositivo e ver quais pensamentos são bons e quais não são e precisam ser corrigidos? É possível? Você pode construir um cardiograma, medir frequências, processos elétricos no corpo, mas é impossível avaliar sua essência. Afinal, ela não pertence à matéria. Portanto, a ciência não é capaz de abordar isso.

Como estudante, tivemos aulas no Instituto do Cérebro Humano em São Petersburgo. Então, ouvi do chefe do departamento, que era um cientista famoso, que não sabemos onde estão os pensamentos e desejos de uma pessoa.

Os cientistas tentam rastrear essa conexão, mas ela conduz do cérebro para uma esfera que não somos capazes de perceber. Lá, fora do homem, estão todos os nossos pensamentos e desejos. O cérebro humano é um modem que conecta o espaço espiritual, onde todos os nossos pensamentos voam, com as sensações humanas.

Em nosso mundo, é comum identificar uma pessoa com seu corpo animal. Mas, ao estudar a Cabalá, nós construímos um Partzuf espiritual, ascendemos à fé acima do conhecimento. Não é mais material. A ciência da Cabalá conecta uma pessoa com sua verdadeira essência como se a separasse do corpo material e a ligasse à alma. Portanto, o mundo físico desaparece de nossas sensações porque é imaginário.

Quando alcançarmos tal conexão entre nós em que começamos a revelar fenômenos espirituais, então abriremos o livro O Estudo das Dez Sefirot e seremos capazes de sentir tudo o que está escrito lá e ler como um músico lê uma partitura.

De KabTV, “Encontro de Escritores”, 15/10/20

Transição De Mundo Para Mundo

537Estamos todos em um estado de exílio, que é um exílio da percepção e do conhecimento do Criador, o mundo espiritual superior. Existem apenas dois estados: exílio e redenção.

Estando em um estado onde o Criador está oculto, nós nos encontramos na realidade como ela nos parece agora, isto é, temporária e mudando sob a influência das leis da natureza.

Mas existe uma realidade espiritual à qual podemos ascender. Existem outros tempos e definições ativas aí, e nos encontramos acima do tempo, do espaço e do movimento.

Como podemos passar deste mundo, da realidade material percebida pelos sentidos físicos, para a realidade espiritual? Para fazer isso, você precisa desenvolver órgãos sensoriais espirituais que percebam o mundo espiritual.

Mesmo enquanto estamos no corpo animal, enquanto ainda vivemos neste mundo, podemos experimentar a realidade espiritual junto com a realidade material. No final, a realidade material se dissipará e todos nós entraremos no mundo espiritual.

Como podemos alcançar a libertação de nosso egoísmo, que agora nos mantém apenas no sentimento deste mundo? De acordo com o programa do Criador, o egoísmo nos dá vários problemas e dificuldades para nos forçar a subir e deixar este mundo. Afinal, se sempre nos sentíssemos bem com isso, permaneceríamos nesses pequenos desejos egoístas para sempre.

O Criador quer que nos desenvolvamos e, por isso, desperta em nós sofrimentos com vários problemas, obrigando-nos a pensar em mudar nosso estado. Ele também nos aponta na direção da mudança, despertando relações egoístas entre nós que nos levam a compreender a necessidade de nos elevarmos a uma percepção diferente do mundo, a uma realidade acima da nossa razão.

A transição de um mundo para outro depende se a pessoa percebe a realidade pessoalmente, individualmente, sentindo o mundo como o vemos hoje. Por meio da percepção pessoal, é impossível sentir o mundo de forma diferente. Ou a pessoa começa a se conectar com outras pessoas e percebe a realidade a partir dessa conexão.

Ela começa a pensar não em si mesma, mas no que é bom para o grupo, para a dezena, ou mesmo para toda a humanidade. Ela se identifica com os outros, fora de si, e percebe a realidade por meio deles. Esta já será uma percepção espiritual da realidade porque ela se eleva acima do seu egoísmo, do desejo de receber, que se chama corpo, para outra percepção no desejo global entre ela e os outros, que se chama alma.

É assim que ela obtém uma nova percepção da realidade. Portanto, a transição da percepção física da realidade para a espiritual é uma ascensão do sentimento dentro de uma pessoa pessoalmente para a sensação global do grupo, da sensação do eu para o NÓS. Quanto maior este NÓS, mais forte é o senso de realidade espiritual, eterna, perfeita e independente da percepção pessoal de um indivíduo.

Esta será uma percepção nova e verdadeira da única realidade existente. Agora vivemos em uma realidade imaginária e todo o nosso mundo é uma ilusão que surge em nossos órgãos dos sentidos materiais devido aos desejos egoístas que puxam tudo para si. Essa realidade existe apenas em nossa imaginação.

Quando ascendemos do mundo material para o espiritual, sentimos como se estivéssemos acordando de um sonho. Agora estamos em um sonho e devemos acordar.

Da 1ª parte da Lição Diária de Cabalá 19/10/20, “Bereshit

De Um Observador Passivo A Um Pesquisador Ativo

239Dois mil anos atrás, a nação de Israel caiu de seu nível espiritual para o corporal, da intenção de doar para a intenção para si mesmo. Como resultado, nos transformamos em pessoas completamente diferentes, em uma nação diferente com uma nova religião, uma nova visão da vida e uma percepção diferente da realidade.

Anteriormente, percebíamos toda a realidade como um único todo no qual uma força atuava, e todos pertencíamos a ela. Mas, gradualmente, junto com o colapso do Primeiro Templo e depois de mil anos do Segundo Templo, começamos a nos afastar da doação e da unificação para perceber a vida como a vemos hoje, isto é, puramente corporal, egoisticamente e reconhecer a unificação de um homem apenas consigo mesmo, mas não com os outros.

Hoje teremos que fazer muito esforço para retornar à verdadeira percepção espiritual da realidade. Devemos entender que essa percepção da realidade e intenção estão em conflito com o que é aceito em todas as religiões. Cada religião deseja se estabelecer acima das outras, ter orgulho disso e ensinar o mesmo às pessoas que a seguem. No entanto, precisamos anunciar uma união que nos coloque acima de todos os problemas, porque todos são consequência do distanciamento, da separação e do ódio infundado entre nós.

Se eu percebo a realidade egoisticamente, me importo apenas com minha própria existência, vejo os outros de longe e não me uno a eles por meio dos sentimentos em um todo, então eu vejo o mundo como ele é hoje, em meus cinco órgãos dos sentidos.

Mas se eu me unir a outra pessoa, pelo menos a uma pessoa, para isso preciso me anular e então já começarei a perceber a realidade com diferentes órgãos de sensação. Estes não serão mais a visão, audição, olfato, paladar e tato comuns, mas as Sefirot Keter, Hochma, Bina, Zeir Anpin e Malchut.

Vou ver a realidade como única e perfeita. Já será uma realidade que não existe dentro de mim, mas fora de mim. Ou seja, não será limitada por meus órgãos sensoriais. Na medida em que eu abandonar minha sensação pessoal, meu desejo de receber prazer, para a percepção externa, para o desejo de doar, nessa medida eu revelarei a verdadeira realidade.

Vou revelar a luz no desejo de doação, que fui capaz de construir dentro do meu desejo de receber prazer, a forma de doação e amor, ou seja, a forma do Criador. De um observador passivo da realidade, me transformarei em seu pesquisador ativo. Isso é o que a ciência Cabalística nos ensina.

Todos nós devemos receber a forma de um Partzuf espiritual, que contém desejo, restrição, tela e luz refletida. Então ele se torna ativo, pode doar ao mestre, unir-se a Ele e alcançá-Lo, como está escrito: “E você será como Deus e conhecerá o bem e o mal”.

Na religião, uma pessoa realiza ações corporais e deseja receber uma recompensa corporal por elas. Mas nós queremos realizar ações espirituais, ou seja, construir uma conexão mútua, unidade, até o amor entre nós. Esta será nossa recompensa.

Da 1ª parte da  Lição Diária de Cabalá 10/19/20, “Bereshit

Como Podemos Transformar O Sofrimento Em Prazer?

565.01Pergunta: Por que, com a revelação constante do mal em mim, sinto grande sofrimento? É porque não estou satisfeito com meu progresso e com minha falha em me aproximar do Criador?

Resposta: É porque a discrepância entre o que é desejado e o que é na realidade invoca sofrimento. Nesse caso, você quer avançar, mas se sente inferior em relação ao estado em que gostaria de estar.

Por outro lado, são sofrimentos positivos. Eles ensinam você a seguir em frente corretamente. Portanto, é proibido mergulhar neles, sentar e chorar, mas você deve implementá-los corretamente.

Pergunta: Então, a revelação do mal envolve sofrimento, não importa o quê?

Resposta: Não. Depende de como você o percebe. Se você não sentir a diferença entre o que você deseja e o que agora tem como sofrimento, você não avançará. Mas este não é o caminho do sofrimento.

O caminho do sofrimento é quando você está inconscientemente neles e não sabe como se mover e o que fazer. Toda a humanidade está neste estado.

Somente as pessoas que estudam a sabedoria da Cabalá estão cientes dos sofrimentos que recebem e podem usá-los para se direcionar ao propósito da criação. Elas se elevam acima dos sofrimentos e até os sentem como doçura, como guia para a meta desejável.

De KabTV, “Fundamentos de Cabalá”, 18/11/18

A Ação Mais Eficiente

938.07Pergunta: Qual é a ação mais prática e eficiente que posso realizar no grupo?

Resposta: No momento, a ação mais prática e eficiente é reunir-se no grupo, ouvir as aulas, fazer perguntas e ajudar uns aos outros a entender o material que você estuda e ficar um pouco mais próximos uns dos outros.

Então, a luz superior os afetará e circulará entre vocês e vocês começarão a avançar muito mais rápido.

De KabTV, “Fundamentos de Cabalá”, 11/11/18

Onde Está O Sexto Sentido?

235Pergunta: Se os cinco sentidos estão dentro de mim, onde está o sexto sentido?

Resposta: O sexto sentido é um desejo de doar, que não existe em você no momento. É um sentido condicionalmente chamado de sexto sentido, mas, na verdade, também é composto de cinco sentidos espirituais.

Seu coração é um egoísmo absoluto, mas dentro dele há um ponto que o puxa para cima e anseia por sua fonte, pelo Criador.

Nosso papel é doar até este ponto. Para fazer isso, temos que atrair a luz direta para que ela o impacte e então o ponto no coração deseje se expandir, sair do corpo e subir acima dele.

Quando ele se expande, os 125 níveis de desenvolvimento serão revelados nele, que é como crescemos espiritualmente.

De KabTV, “Fundamentos de Cabalá”, 11/11/18

E Foi A Tarde E A Manhã

207Está escrito: “E foi a tarde e a manhã, um dia”. Isso significa que sempre teremos primeiro que passar pelo anoitecer, a escuridão, a noite, a falta de compreensão e sentimento, a confusão. No entanto, isso não significa que não sentimos nada.

Sentimos que não temos sentimento ou compreensão, isto é, que estamos na escuridão da noite. A sensação da noite ainda é uma sensação definida, e não um estado inconsciente sem sentido.

Assim, uma pessoa deve sempre começar com o fato de que ela não entende e não sente, com amargura e confusão no coração e na mente. Então ela acorda e começa a descobrir o que é chamado de dia. Portanto, precisamos nos acostumar a aproveitar a sensação da noite, confusão, mal-entendido, perda de sensibilidade. Normalmente não gostamos de tais estados porque eles não fornecem satisfação para o nosso egoísmo.

Devemos compreender, no entanto, que exatamente quando estamos experimentando a escuridão, sentimos como os desejos vazios são revelados, prontos para um novo conhecimento e sensação do dia, doação, conexão, a sensação do Criador. Portanto, devemos valorizar os estados de escuridão e noite não menos do que a revelação de conhecimento, compreensão e doação, que são chamados de “dia”.

A escuridão nos leva à luz porque a luz só pode ser sentida quando há escuridão dentro dela. Quanto mais profunda a escuridão, maior a luz, porque a escuridão é uma falta, um desejo de alcançá-la. Então a luz é revelada de acordo com a força do desejo, o anseio por ela.

Acontece que a escuridão e a luz são igualmente importantes. Quanto mais avançamos nas correções, maior se torna a escuridão e maior é a luz. No entanto, valorizamos a escuridão tanto quanto a luz, porque ambas estão conectadas entre si e são avaliadas em relação uma à outra.

Precisamos estar sempre no meio, entre a escuridão e a luz, e quando revelamos a luz, devemos entender que ela vem da escuridão. Precisamos apreciar a revelação de uma nova escuridão e entender que é a forma correta e verdadeira para a revelação subsequente da luz.

A escuridão de hoje é sempre mais escura do que a de ontem porque estamos constantemente subindo os graus: escuridão, a superação da escuridão, o dia, a revelação da luz, e novamente a escuridão, superando-a, e o dia, como está escrito: “E houve noite e houve manhã, um dia”. Assim, dia após dia, subimos cada vez mais alto nos degraus da escada.

Da 1ª parte da Lição Diária de Cabalá 14/10/20, “Bereshit

Qual É O Objetivo Da Autopersuasão?

623Pergunta: Qual é o objetivo da autopersuasão pelos esforços artificiais de uma pessoa de que existe um poder bom e bem focado que gerencia tudo? Não é uma atitude psicológica corporal?

Resposta: Se com essa afirmação eu começar a sentir que estou mudando minha filosofia de vida, minha atitude em relação ao que está acontecendo, e tudo isso me muda, você pode chamar do que quiser. O ponto principal é que há mudanças dentro de mim, que levam a mudanças na minha vida, e isso é o que importa.

De KabTV, “Fundamentos de Cabalá”, 18/11/18