Textos na Categoria 'Sociedade do Futuro'

“A Tecnologia Da Conexão” (Medium)

Medium publicou meu novo artigo:A Tecnologia da Conexão

Avançando para o próximo nível de inovação social

A atual crise da COVID-19 levou o uso da tecnologia a tal ponto que todos os domínios de nossas vidas ficaram online da noite para o dia: serviços, trabalho e comunicações. Mas o tipo de inovação agora exigido da humanidade vai muito além da tecnologia, que é apenas um meio, para o reino da verdadeira inovação social. Atualizando nossa conexão humana, o software mais profundo e significativo de todos é precisamente a inovação social que nos permitirá sobreviver e passar com segurança pelo século XXI.

“Se tratarmos os outros com cuidado e considerarmos o ecossistema circundante, prosperaremos neste mundo integral, tornando-nos semelhantes a ele”

A mudança global do coronavírus revelou o quanto realmente somos interconectados e interdependentes e como somos vulneráveis ​​nas mãos da natureza sem saber como lidar com a situação.

A humanidade está infectada com um ego exagerado. Cada um de nós deseja estar melhor situado do que todos os outros e se esforça para obter constantemente controle sobre os outros. Essa atitude egoísta arraigada é diametralmente oposta à integralidade encontrada em todo o sistema da natureza, como se tornou cada vez mais aparente.

Ficamos impressionados com uma lição notável sobre empatia: precisamos pensar no bem-estar dos outros, porque, em um sistema circular como o em que vivemos, meu bem-estar depende do bem-estar dos outros e vice-versa. Portanto, o método de superar a contradição entre a singularidade do ego humano e a totalidade da natureza está na implementação de interações sociais aprimoradas entre nós. A inovação pioneira neste campo é um requisito absoluto, e a maneira de realizá-la consiste em várias etapas.

Alcançar um Avanço Social

Antes de tudo, devemos perceber que pertencemos a um sistema, a uma família global interconectada. Segundo, devemos tomar consciência de que nosso bem-estar futuro depende de boas relações entre nós, independentemente de nacionalidade, origem, gênero ou cor. Terceiro, precisamos aprender e ensinar as leis integrais da natureza que podem ser sintetizadas como “Ame o próximo como a si mesmo” e implementá-las entre nós imediatamente.

Se tratarmos os outros com cuidado e considerarmos o ecossistema circundante, prosperaremos neste mundo integral, tornando-nos semelhantes. Nossos desejos e intenções humanas são a força mais poderosa da natureza e afetam tudo o que acontece no mundo. Assim, se nós, seres humanos, mudarmos favoravelmente nossa atitude em relação aos outros, estaremos sistematicamente imunizados contra qualquer doença ou dano potencial.

Essa é a transformação que precisamos, uma inovação social generalizada que transcende qualquer avanço tecnológico. Se manifestarmos responsabilidade mútua, descobriremos na natureza recursos suficientes para satisfazer a todos. Ninguém temerá nada, porque a ninguém faltará nada.

Assim, inovações sociais surpreendentes surgirão de uma abordagem mais interna em nossas relações, da proximidade de nossos corações. Essa nova afinidade nos ajudará a subir juntos para um nível em que possamos entender o grande propósito da vida, a essência de nossa existência, onde estaremos entrelaçados, exatamente como em uma rede. Portanto, mudanças inovadoras nas relações entre as pessoas desencadearão influências de longo alcance em todo o sistema, afetando positivamente nossa saúde, emprego, economia e educação, garantindo um bom futuro para todos ao redor do mundo como uma grande família.

Após A Pandemia

O mundo parece estar em uma ponte estreita, e o principal agora é não ter medo de se separar do passado. Temos outra preocupação: como enfrentar o futuro, não colidindo com suas costas, mas enfrentando com competência o amanhã inevitável.

“Se tudo não desmoronar, será restaurado”, eles nos dizem. E eles acrescentam: “Algum dia”. Eu digo “Não vai se recuperar”. Mas o colapso não é necessário. Cada um de nós tem a tarefa de sobreviver ao período atual com perdas mínimas. Para fazer isso, precisamos economizar nervos e recursos, apoiar os outros, poder relaxar, mas não “desconectar”. E o mais importante, precisamos entender o que está acontecendo para que as consequências da crise não nos surpreendam demais.

Para começar, vamos nos sentar e respirar. O ser humano não foi criado para se preocupar. Ele foi criado para pensar e agir. Então, vamos pensar: o que realmente perdemos? O que nos motivou nessa vida? Pelo que vivemos? Que coisas sensatas e úteis fizemos? O que preparamos para o futuro de nossos filhos?

Francamente, apenas servimos um ao outro por dinheiro. Com zelo ou sem ele, cumprimos o princípio, claramente formulado por nossos sábios há milhares de anos: “Vá e lucre um com o outro”. Parecia-nos que estávamos servindo a nós mesmos. Mas que tipo de serviço prestamos a nós mesmos, exaurindo-nos em uma corrida desenfreada de consumismo, sem pensar em mais nada?

Imagine por um segundo se voássemos de outro planeta desenvolvido e nos olhássemos alguns meses atrás: não seria uma visão muito bonita. Não, não no sentido tecnológico, mas na própria essência de nossa comoção e agitação. O “benefício” disso, como a fumaça acima da Terra, já está começando a se dispersar. E assim, o vírus veio. “Parem, pessoal”, ele nos diz. “Vejam o que vocês fizeram ao planeta e a si mesmos. Olhem além do limiar do amanhã”.

Se realmente investigarmos isso sem passar um pano, veremos que estávamos caminhando não apenas em direção ao colapso ecológico, mas antes disso teríamos chegado à guerra. De fato, nós nos dirigimos para os braços da guerra, para um estado de globalização sem esperança, para um beco sem saída de contradições. Esta é a natureza humana: quando um massacre está se formando, nós o forçamos a sair da nossa consciência e, ao mesmo tempo, aturamos isso, até o invocamos.

Ainda não chegamos a um estágio tão avançado, mas uma avalanche de consumismo desenfreado levou a humanidade ao abismo. Paradoxalmente, o vírus está nos salvando. Estamos sendo salvos do egoísmo, necessitando de “absolvição”, redefinindo os mercados de consumo.

Então, vale a pena voltar? O que nós esquecemos lá? Existe vida após o vírus?

Agora estamos conhecendo nossa família, nosso mundo e a nós mesmos novamente.

Anteriormente, muitos de nós apenas dormiam em casa, agora moramos lá. Costumávamos navegar na Internet por diversão, agora nos conectamos.

Existem várias maneiras. É claro que queremos voltar à corrida desenfreada com sua variedade de prazeres constantemente novos e diferentes, e estamos dispostos a suportar suas dores que nos provocam por trás. Mas não se pode deixar de lembrar a ameaça de um colapso com crimes desenfreados, a supressão de distúrbios, interrupções no fornecimento e a busca pelos culpados. Finalmente, podemos usar esse período para reflexão.

É claro que nem tudo é tranquilo, nem todos podem “sustentar o golpe”, mas a própria experiência, a própria mudança de ritmo, o encurtamento, não trazem apenas uma trégua? Nos dias de semana limpos, em uma pausa incomum da tarde, ouvimos o eco de algo novo. Estamos sentados em casa, como crianças em suas mesas, a fim de aprender algo para que essa “quebra” não ocorra em vão.

De qualquer forma, não conseguiremos sair da crise tão rapidamente quanto entramos nela. E o que está acontecendo agora não é uma pausa, nem férias, nem um bloqueio: é um despertar. O vírus não nos nocauteou, mas nos sacudiu, nos trouxe de volta à realidade, nos deu a oportunidade de assumir o comando com cuidado.

Hoje, somos confrontados com a necessidade de redefinir nossos valores no início de uma nova era, que exige uma atitude diferente entre si e encontra um significado que evitamos. O vento da mudança varreu as ilusões e está nos mostrando a verdadeira imagem. Então, vamos realmente deixar a mente ser novamente obscurecida por suas miragens? Vamos nos reconciliar com o passado, com vaidade eterna, com abundância externa e devastação interna?

O mundo parece estar em uma ponte estreita, e o principal agora é não ter medo de se separar do passado. Temos outra preocupação: como encontrar o futuro, não colidindo com suas costas, mas enfrentando com competência o amanhã inevitável.

Nós mesmos criamos uma corrida de ratos e agora podemos sair dela sem excessivos choques externos. Afinal, o principal é o que está dentro: nossas conexões, nossas relações, nossa participação, reciprocidade. Basta perceber isso, e todos os mecanismos – sociais, financeiros, comerciais – começarão a se reestruturar de acordo com o novo paradigma.

Vamos pensar: por que estamos vivendo? Como podemos construir nossas vidas de maneira diferente, com princípios diferentes? A saída do egoísmo sem limites foi aberta, vamos usá-la enquanto nosso egoísmo está chocado e silencioso.

Aviões estão no chão, navios estão nos portos, deveríamos estar na mesa da escola. Não há nada depreciativo nisso. Pelo contrário, temos a oportunidade de realmente fazer algo por nós mesmos.

Durante toda a nossa vida, estávamos empenhados em fugir da questão. Preocupados perante a morte, justificando-nos da melhor maneira possível. O vírus, no entanto, sugere outra coisa. Não podemos fugir da morte dessa maneira. Para superar sua linha, é necessário superar o egoísmo que nos mata. Nosso ego limita, dá uma sensação imperfeita e miserável do mundo através das demandas do nosso corpo. Vamos sentir o mundo através de nossa estrutura interna comum, através da alma. Então, o veremos completamente diferente, sem fim, eterno e perfeito.

Isso não tem nada a ver com religiões. A ciência da Cabalá não defende nenhuma crença. Simplesmente desenvolve a alma de uma pessoa, e isso nos faz feliz. Agora, quando todos nos sentimos em um barco comum, devemos unir nossos remos e seguir para um mundo sem fronteiras entre corações. Então as barreiras restantes que dividem as pessoas desaparecerão. O mundo de amanhã está se formando agora.

Construindo A Sociedade Do Futuro, Parte 13

laitman_246Por Que Eu Deveria Acreditar Nos Cabalistas?

Comentário: Muitas pessoas podem dizer: “Por que eu deveria acreditar nos Cabalistas que o Criador é a qualidade de doação e amor?”

Minha Resposta: Você não precisa acreditar, só precisa avançar a sociedade em direção a isso, aproximá-la, com cuidado e gradualmente. Por que falar sobre isso? Embora isso não cause danos, as pessoas não escapam. Hoje elas estão em tais circunstâncias que não há muito tempo para discussão.

Comentário: Agora, muitos cientistas também dizem que tudo é tão subjetivo que você não pode provar nem negar a existência do Criador, mas pode apenas apresentar muitas teorias diferentes. É difícil provar alguma coisa, pois nosso cérebro trabalha para que possamos aceitar qualquer teoria.

Minha Resposta: O Criador é a lei da natureza. E devemos simplesmente cumprir essa lei, pois a totalidade da natureza em sua complexidade integral é chamada Criador.

Pergunta: E você não está tentando provar isso?

Resposta: Não. Você não pode provar nada a ninguém. Como posso provar a uma criança pequena a existência de algo que vai além de sua percepção? Não tem jeito. A única coisa que posso fazer é educá-la pacientemente, elevando-a ao nível em que ela verá tudo e dirá a si mesma. Caso contrário, não.

Pergunta: Portanto, é impossível explicar a uma pessoa que existem duas leis – a lei da recepção e a lei da doação – e quando damos à sociedade, nos tornamos como o Criador?

Resposta: Por que não? Isso pode ser explicado e com muita facilidade. Podemos ver nos níveis inanimado, vegetativo e animal como essas leis são observadas, como tudo é construído em um equilíbrio entre receber e doar.

No entanto, no nível da sociedade, não vemos isso porque, pelo contrário, tudo é construído apenas na recepção, e a doação só é possível se eu puder obter ainda mais. Isto é, na sociedade não há doação. Há recepção camuflada como doação.

Isso significa que as leis da natureza inanimada, vegetativa e animada precisam ser elevadas ao nível do estado da sociedade, ao nível humano, e aí devem ser realizadas e colocadas em prática.

Portanto, precisamos ver como isso é feito, como pode ser, para que, na sociedade, a recepção e doação, mais e menos, exista em nós da mesma maneira que nos três níveis anteriores. É possível ou não? Este, em princípio, é todo o problema e todos os nossos infortúnios. Se pudermos fazer isso, teremos um mundo perfeito.

Aqui não estou falando de religião, nem do Criador, nem de ninguém. É exatamente o que o mundo precisa, e hoje vemos isso. Vamos tentar implementá-lo.

De KabTV, “Fundamentos de Cabalá”, 07/02/19

Construindo A Sociedade Do Futuro, Parte 12

laitman_263Não Prejudicar A Sociedade

Baal HaSulam “Construindo a Sociedade do Futuro”, Item 30: A liberdade do indivíduo deve ser mantida desde que não seja prejudicial à sociedade. No entanto, quem deseja sair em favor de outra sociedade não deve ser detido de maneira alguma, mesmo que seja prejudicial à sociedade, embora deva ser feito de tal maneira que a sociedade não seja completamente arruinada.

Uma pessoa pode pensar, falar e fazer tudo o que quiser apenas se não divergir da direção e intenção da sociedade. Mas se isso prejudica, ela não tem lugar nesta sociedade. É natural.

Pergunta: Você e seu professor conversaram sobre os princípios da sociedade do futuro, ou ainda está tão longe de nós que não devemos pensar nisso?

Resposta: Não importa. Esses princípios fluem automaticamente do que ensinamos na Cabalá, da aproximação da espiritualidade.

Pergunta: Se tomarmos esses princípios, criarmos um código de certas leis e oferecermos isso à sociedade, as pessoas entenderão isso?

Resposta: Não, elas não vão entender. Pelo contrário, isso pode afastar uma pessoa, porque a obrigará. E se for obrigado, então isso não é bom.

De KabTV, “Fundamentos de Cabalá”, 07/02/19

Construindo A Sociedade Do Futuro, Parte 11

laitman_294.4Esboços Da Sociedade Do Futuro

Baal HaSulam, “Construindo a Sociedade do Futuro, Capítulo 3, Item 10: Medalhas de honra devem ser transmitidas de acordo com a religião; quanto maior o benefício que se contribui para a sociedade, maior a condecoração que se deve receber.

Naturalmente, outros devem ser incentivados. Eu tenho que pegar e pendurar medalhas no meu peito, para que as pessoas que ainda estão mais interessadas em honra do que em amar seus próximos e, por honra, sejam atraídas a amar os outros.

Embora nem todos sejam obrigados a se envolver em espiritualidade, mas apenas pessoas especiais, dependendo das necessidades. Digamos, o grupo Bnei Baruch de todos os milhões de pessoas e o grupo mundial de todos os bilhões de pessoas. Eu não acho que isso possa ser superior a um centésimo de um por cento da população total da Terra.

Assim como existem pessoas que se dedicam à ciência e outras que usam todas as conquistas científicas na prática. Depende da pessoa, das suas próprias inclinações e desejos.

Haverá uma espécie de tribunal superior. Aqueles que desejarem dedicar seu trabalho à vida espiritual poderão fazê-lo por este tribunal.

Tudo será determinado pelo governo superior, porque há muitos que desejam como é hoje, por exemplo, nas universidades. Muitos querem ser cientistas, mas nem todos podem se tornar um e, portanto, é realizada uma seleção rigorosa.

De KabTV, “Fundamentos de Cabalá”, 07/02/19

Construindo A Sociedade Do Futuro, Parte 9

laitman_552.03Integração No Nível Do Amor

Baal HaSulam, Construindo a Sociedade do Futuro, Capítulo 3, Item 9: Em outras palavras: exceto no caso do “Ame o seu amigo como a si mesmo”, cada nação pode seguir sua própria religião e tradição, e uma não deve interferir na outra.

Se na sociedade do futuro as pessoas tiverem algum tipo de interesse religioso ou filosófico, poderão facilmente se envolver neles.

O principal é amar o seu próximo como a si mesmo. Esta lei está vários graus acima de todas as outras leis, todos os tipos de condições e truques artificiais.

O fato de as pessoas se envolverem em meditação, imaginarem a espiritualidade e o futuro na forma de cultos sociais, não importa. O principal é que exista uma conexão entre todos no nível do amor. Quanto ao resto, faça o que quiser.

De KabTV, “Fundamentos de Cabalá”, 07/02/19

Construindo A Sociedade Do Futuro, Parte 8

laitman_619O Princípio Da Existência Da Humanidade

Baal HaSulam, Construindo a Sociedade do Futuro, Capítulo 3, Item 8: O mundo inteiro é uma família. A estrutura do comunismo de acordo com a Torá deve finalmente envolver o mundo inteiro em um padrão de vida igual para todos.

Precisamos chegar a um nível em que teremos a sensação de que o mundo inteiro é uma família, que todos ao meu redor são parentes, pessoas próximas e queridas para mim e ainda mais queridas para mim do que sou para mim mesmo. Toda a humanidade deve existir por esse princípio.

No entanto, o processo real é gradual. Cada nação cuja maioria aceita esses elementos básicos de forma prática, e que já foram educados para doar a seus semelhantes e terão uma boa causa de combustível, pode entrar imediatamente na estrutura do comunismo internacional.

Por seu desenvolvimento natural, a natureza nos leva a mudar conscientemente nossa atitude em relação ao próximo.

Pergunta: Qual é a relação entre a qualidade de doação da própria natureza (o Criador) e a conexão entre as pessoas?

Resposta: Que estamos tentando implementar a lei do amor universal, que é o próprio Criador, na sociedade, para que seja interconectado de acordo com a lei do Criador.

Então, se você perguntar: “O que é o Criador?”, eu responderei: “Veja como nossa sociedade é montada, como ela se conecta dentro de si mesma. Esta assembleia é o Criador”.

De KabtTV, “Fundamentos de Cabalá”, 07/02/19

Construindo A Sociedade Do Futuro, Parte 7

laitman_271Entrada Gradual

Baal HaSulam “Construindo a Sociedade do Futuro”: 6. É proibido nacionalizar a propriedade antes que o público atinja esse nível moral. O coletivo não terá combustível para o trabalho antes que haja um fator moral confiável no público.

É preciso entrar na nova sociedade gradualmente. É possível se livrar do pessoal e entregá-lo aos cuidados da sociedade apenas na medida em que a sociedade esteja pronta.

Pergunta: E quem determina que a sociedade já está pronta?

Resposta: Somente as próprias pessoas, as relações entre elas, o estado entre elas. Em nenhum caso deve ser feito de forma irresponsável ou sob a influência de alguns ideais. Tudo isso deve ser claramente visível a partir da vida.

De KabTV, “Fundamentos de Cabalá”, 07/02/19

Construindo A Sociedade Do Futuro, Parte 6

laitman_265Cabalá – Guia Para A Sociedade Do Futuro

Baal HaSulam “Construindo a Sociedade do Futuro”: 3 … eles devem estabelecer o nível moral da maioria do público em uma base que necessite e garanta que o comunismo corrigido nunca será corrompido.

As pessoas devem entender que todas as leis de uma sociedade futura são absolutas e eternas. Só então começarão por conta própria, conscientemente mantendo tudo.

A Cabalá, como um método para alcançar o objetivo da criação (a lei global do universo) é a única base garantida para elevar o nível do coletivo ao nível moral de “trabalhar de acordo com a capacidade e receber de acordo com a necessidade”

A sabedoria da Cabalá explica a implementação da metodologia para criar uma nova sociedade: como fazer isso, como implementar todas as leis e regras nela. Na prática, é um guia para a sociedade do futuro.

Pergunta: Isso pode ser provado de alguma forma?

Resposta: Você não pode provar isso, as pessoas simplesmente não terão outra escolha. Com base em todos os seus problemas, elas verão que apenas essa sabedoria dá o conselho certo.

De KabTV, “Fundamentos de Cabalá”, 07/02/19

Construindo A Sociedade Do Futuro, Parte 5

laitman_221.0Compreendendo As Necessidades Da Sociedade

Baal HaSulam, “Construindo a Sociedade do Futuro” Capítulo 3, Item 1: O comunismo é um ideal, ou seja, é moral. O objetivo “trabalhar de acordo com a sua capacidade e receber de acordo com as suas necessidades” testemunha isso.

Se vivemos em uma sociedade totalmente harmoniosa do futuro, onde todos estão mutuamente conectados, todos pensam no que podem dar a essa sociedade. Cada um deve entender suas necessidades e como pode compensá-las.

Deve haver uma conexão séria entre os membros da sociedade, para que façam apenas o necessário e não façam nada em excesso, pois, ao fazê-lo, prejudicam a natureza.

Isto é, eu faço tudo o que os outros precisam, tudo o que é exigido de mim. Todo membro da sociedade faz o mesmo. Assim, alcançamos completa harmonia entre nós.

Pergunta: O princípio de cada um de acordo com a sua capacidade é uma manifestação da qualidade da doação? Eu uso todas as minhas habilidades para o bem da sociedade. Então, cada um de acordo com as suas necessidades significa que eu avalio minhas necessidades e recebo apenas o que preciso?

Resposta: Ou a sociedade os mede. Qual é a diferença? Neste caso, eu confio completamente na sociedade.

De KabTV, “Fundamentos de Cabalá”, 07/02/19