Textos na Categoria 'Sentido da Vida'

“O Problema Sistêmico Da Depressão Requer Uma Solução Sistêmica” (Medium)

Medium publicou meu novo artigo: “O Problema Sistêmico Da Depressão Requer Uma Solução Sistêmica

A depressão tem sido um problema crescente em todo o mundo industrializado há várias décadas, mas disparou desde o início da pandemia. As taxas de mortalidade por abuso de substâncias, suicídio e violência armada dispararam, a ansiedade se tornou um grande problema e a ajuda profissional é muito cara ou indisponível por falta de profissionais nas proximidades, ou ambos. Nesse estado, é necessário um esforço sistêmico e concentrado. Ao usar a mídia de massa para transmitir mensagens calmantes e conselhos para pessoas necessitadas, podemos salvar muitas vidas e melhorar a vida de inúmeras outras.

Em todo o mundo, as pessoas estão fazendo perguntas críticas sobre o propósito de suas vidas. Sua incapacidade de responder a essas perguntas as deixa com uma sensação de falta de propósito, e aquele que não tem propósito na vida sente que a própria vida não tem propósito. Essa é a causa por trás do crescente escapismo expresso de inúmeras maneiras, desde esportes radicais até o fundamentalismo religioso, abuso de drogas e suicídio.

Para os humanos, comer, beber, dormir e acasalar não conta como viver. Viver significa viver a razão pela qual somos colocados aqui neste planeta. Se não sabemos por que fomos colocados aqui, não sentimos que estamos vivos ou que nossas vidas têm valor, e isso pode levar a consequências terríveis.

Se apenas algumas pessoas se sentirem assim, você pode encaminhá-las para profissionais que podem ajudar a aliviar sua dor até encontrar seu propósito na vida. Mas quando tantas pessoas sofrem com essas angústias, sobrecarrega o sistema e você precisa de uma nova abordagem. Em vez de encher nossos cérebros com mensagens que nos mandam fazer compras e esvaziar nossos bolsos e, mais importante, nossos corações, a mídia, em todas as suas formas, deve espalhar mensagens que ajudem a resolver nossa situação.

Não é impossível; é uma questão de determinação do governo e do entendimento da mídia de que a situação logo sairá do controle. Em um estado de emergência, devemos agir em conformidade, e certamente estamos nos aproximando de um.

Há muitas maneiras pelas quais a mídia pode aliviar a crescente miséria das pessoas, mas a mais eficaz entre elas é reverter sua tendência de lançar as pessoas umas contra as outras e incentivá-las a se aproximarem. Inúmeros estudos mostraram que a solidariedade e a coesão na sociedade ajudam a mitigar ou até mesmo resolver a maioria dos problemas sociais, econômicos e médicos. Portanto, se a mídia oferecer um “tratamento coletivo” para todos, transmitindo conteúdos que estimulem a aproximação das pessoas, eles resolverão a maioria dos problemas existentes.

Dizem: “Uma tristeza compartilhada é uma tristeza dividida pela metade”. Isso é verdade. Compartilhar e conectar-se com os outros é uma maneira segura de unir nossos corações e curar nossos males. É por isso que quanto mais trabalharmos nossa solidariedade, mais cedo resolveremos nossos desafios sociais e emocionais.

O Programa Da Vida

962.4Pergunta: Alguns biólogos afirmam que o objetivo da pesquisa é entender o programa da vida. Qual é o verdadeiro programa de vida de acordo com a sabedoria da Cabalá?

Resposta: O programa da vida é permitir que cada nível da natureza se desenvolva gradualmente de um nível para outro e alcance o nível mais alto na escada evolutiva até o nível humano, o nível de Adão (Homem), que se assemelha à força superior. O nível animado nele não muda em sua essência, mas o nível humano nele se desenvolve de modo que ele se torna como a força superior. Ele apenas se assemelha (Domeh) à força superior, e é por isso que ele é chamado de Adão.

Isso significa que uma pessoa não se torna a força superior, o Criador, mas apenas se torna semelhante à força superior, torna-se um parceiro em sua atitude, incluindo os níveis da natureza inanimada, vegetativa e animada. Uma pessoa não pode ascender acima do nível humano. Ela só pode adquirir o atributo de doação da força superior, o que significa que desenvolve essa qualidade em sua intenção, mas não em sua natureza real.

De KabTV, “Conversa com Jornalistas”, 02/12/21

“Uma Vida Sem Propósito Não É Vida” (Medium)

Medium publicou meu novo artigo: “Uma Vida Sem Propósito Não É Vida

John Haptas e Kristine Samuelson, indicados ao Oscar de melhor documentário curta-metragem por “Life Overtakes Me”, posam em uma recepção na Academia de Artes e Ciências Cinematográficas em Beverly Hills, Califórnia, EUA, 4 de fevereiro de 2020. REUTERS/Mario Anzuon

Um aluno meu assistiu ao filme, “Life Overtakes Me”, que conta a história de crianças refugiadas na Suécia que sofrem uma doença semelhante ao coma chamada “síndrome de resignação” por causa das incertezas de seu status legal. O estudante se perguntou como as crianças parecem “escolher” a morte sobre a vida, embora o medo da morte seja supostamente o sentimento mais profundo e primordial.

É aí que eu acho que meu aluno errou: o medo da morte não é o medo mais fundamental, mas sim o medo da vida, ou mais corretamente, o medo da vida sem propósito!

No minuto em que vivemos sem uma razão para viver que é superior à própria vida, descemos a um estado que está abaixo da vida. Os animais não têm essas perguntas; eles simplesmente existem porque seguem seus instintos. Portanto, para eles, a existência é vida.

Os humanos, por outro lado, precisam saber por que fazem o que fazem. Caso contrário, eles não têm motivação para agir, e todos os tipos de fenômenos regressivos ocorrem, do abuso de substâncias à depressão, à síndrome de resignação e ao suicídio. A razão pela qual o suicídio e outros comportamentos autolesivos são tão comuns entre os humanos e tão raros entre os animais é que os humanos precisam de um objetivo, um propósito na vida, enquanto os animais não. Uma vida sem objetivo é pior que a morte, então as pessoas preferem a morte à falta de objetivo.

No entanto, a sensação de que não temos propósito na vida é um motor poderoso. Nos faz questionar tudo. As maiores descobertas da humanidade foram feitas quando as pessoas buscaram respostas para a vida.

Hoje, as pessoas parecem ter tudo o que precisam para viver uma grande vida, mas não têm motivos para viver. Portanto, elas se perguntam para que serve a vida.
Essa pergunta é a mais essencial que se pode fazer, pois a resposta não está dentro de nós, mas entre nós. A razão de nossa existência é nosso valor na rede que compõe a humanidade. Cada um de nós é uma parte única nesta rede, e ninguém pode preencher a cavidade criada quando um de nós está faltando. Quanto maior nossa contribuição para a força da rede, maior nosso valor como indivíduos.

É por isso que hoje, sociólogos e psicólogos estão descobrindo que a chave para a felicidade é a qualidade de nossos laços sociais. Somente quando temos laços sociais positivos, quando cada um de nós percebe seu potencial em benefício de todo o ecossistema humano, é que somos verdadeiramente felizes e ao mesmo tempo contribuímos com nossas comunidades, nossos países e o mundo.

Podemos estabelecer uma sociedade equilibrada, cujos membros estão contentes e felizes, mas não exploram outras pessoas ou o meio ambiente, somente quando cada um de nós cuida dos outros e encontramos nossa felicidade em nossa conexão com os outros, onde podemos realizar nosso potencial pessoal em benefício da sociedade e do mundo inteiro.

Eu Não Quero Ser Um Animal De Manada!

962.6Comentário: Você afirma que o mal-entendido de hoje entre pais e filhos decorre do fato de que os filhos têm almas mais desenvolvidas e seus desejos vêm de um estágio mais desenvolvido.

Minha Resposta: Claro. Os filhos de hoje exigem respostas para perguntas mais sérias do que as que seus pais fizeram. Seus pais estavam satisfeitos com a vida cotidiana e a religião, mas isso não é suficiente para os filhos. Eles estão interessados ​​no sentido da vida.

Eles não podem simplesmente seguir a sociedade; não podem apreciar a sociedade que lhes diz: “É assim que deve ser feito, é este o enquadramento, as relações sociais; é assim que se deve agir; isso é o que é aceitável”. Como diz o ditado: “Morra, mas mantenha as aparências”.

“Mas eu não quero existir para isso! Isso não me dá nenhuma satisfação. O que devo fazer? Viver apenas para ser como os outros, ou não, pior que eles, para se guiar por eles, para dar o exemplo deles?! Para ser um animal de rebanho?! Não posso!” Muitas pessoas se sentem assim hoje.

Como resultado, a nova geração sofre de problemas de depressão e uso de drogas. Portanto, aqueles que são incapazes de se submeter aos valores da sociedade burguesa vêm para a Cabalá. Um novo desejo os puxa precisamente para o desenvolvimento espiritual.

De KabTV, “Close-Up — Mistério da Esfinge”, 05/02/10

Quando A Vida Terá Valor?

79.01Pergunta: De acordo com a Cabalá, um humano é uma alma. É assim que todos os Cabalistas se relacionam, tanto com os eventos que estão ocorrendo quanto com os humanos. Por que então esse conhecimento não nos foi dado desde o início? Por que apenas um pequeno número de pessoas tem dúvidas sobre o sentido da vida, sobre o desenvolvimento espiritual?

Resposta: Devemos nos desenvolver desde nosso ponto de partida, do ponto de luz que explodiu no volume do universo e o desenvolveu por quinze bilhões de anos. Cinco bilhões de anos atrás, a Terra começou a se formar a partir de uma nuvem gasosa, depois a natureza inanimada, vegetal, animal e humana.

Este é um processo de desenvolvimento contínuo e devemos participar dele. Não temos ideia de como todos esses estágios de desenvolvimento devem finalmente acontecer.

Hoje, quando estudamos a história da humanidade e seu desenvolvimento de geração em geração, não podemos fazer nada. Somos obrigados a seguir o caminho gradual do nosso desenvolvimento. Nós podemos apenas acelerá-lo.

Agora a Cabalá está sendo revelada ao mundo, pois estamos nos perguntando sobre o sentido da vida. As gerações anteriores não perguntaram sobre isso. Elas estavam satisfeitas com as religiões. Após a morte, haverá o paraíso; vai haver algo bom, ou estou vivendo para o bem dos filhos, para que se sintam bem. Essas respostas eram suficientes para nós e de alguma forma nos acalmávamos.

A geração atual não se acalma. Mas está apenas começando a se desenvolver e, é claro, ainda não é capaz de exigir uma resposta urgente à eterna questão sobre o sentido da vida. Mas já existem milhões. Portanto, a Cabalá é revelada.

Se agora explicarmos às pessoas o sentido da existência e como alcançá-lo durante esta vida, ela adquirirá valor.

De KabTV, “Close-Up. Mistério da Esfinge”, 05/02/10

O Pico Da Vida E Seu Desvanecimento

760.4Pergunta: Baal HaSulam escreve em seus artigos que uma pessoa chega a uma sensação de vazio interior no final da vida e deixa este mundo em desespero e desesperança interior: “O que foi tudo isso, para quê?”

E o que acontece com essa percepção depois que seu corpo morre?

Resposta: Nada. Ele fica desesperado. Além da habitual existência animal, surge nele a pergunta: “Para quê, por quê?” Esse sentimento de fim está conectado ao ponto no coração, ao microdesejo que temos, e ao desenvolvê-lo, podemos sentir o próximo mundo superior, o universo geral.

Pergunta: Ter esse desejo é que dá à pessoa o medo da morte?

Resposta: Não, os animais também temem a morte. Eles também tentam evitá-la, lutam com todas as suas forças para sobreviver. Afinal, os animais, assim como os humanos, gradualmente enfraquecem e morrem. Quando sentem a morte se aproximando, deliberadamente se distanciam dos outros, vão embora e morrem. No deserto, praticamente não vemos essas cenas, mas é assim que acontece.

É o mesmo com o homem. Ele quer se afastar do mundo todo porque na sua velhice ele não percebe mais, quer viver sossegado em seu canto até que desapareça completamente.

Isso acontece porque ele está perdendo gradativamente o contato com este mundo. Seus órgãos sensoriais não funcionam mais como antes.

Pergunta: Por que tudo está organizado dessa forma? Por que o curso da vida está piorando?

Resposta: Depois de quarenta anos, a vida começa a desaparecer. Seu pico está no período entre trinta e quarenta anos. Até os trinta anos, tentamos nos identificar de alguma forma, e dos trinta aos quarenta nos realizamos.

Não estou falando de cientistas, compositores ou personalidades criativas que continuam a se realizar. Há até pessoas entre eles que, por meio de suas qualidades especiais, alcançam o maior desenvolvimento aos sessenta anos. Os cientistas, por exemplo, acumulam uma enorme massa de informações e conhecimentos durante 60 anos de suas vidas. Para onde eles iriam? Não há aposentadoria para eles.

Mas uma pessoa comum empenhada apenas em cuidar de seu corpo, de sua vida comum, ela sente depois de quarenta anos que não há praticamente nada pelo que se esforçar, ela tem que pensar em como continuar existindo com calma, simplesmente existindo e gradualmente desaparecendo.

De KabTV, “Close-up. Mistério da Esfinge”, 05/02/10

Os Signos Do Zodíaco E O Pensamento Da Criação

740.02Pergunta: No antigo livro O Grande Comentário (Midrash Rabbah), está escrito que Abraão saiu à noite para olhar as estrelas e fez a si mesmo a seguinte pergunta: “Sou governado por elas ou há um poder superior que é superior elas? Se sou governado por seu poder, preciso adorá-las e, se houver um poder superior às estrelas, preciso revelá-lo”.

Estamos sob o domínio das estrelas ou existe um poder que governa tudo?

Resposta: As estrelas são signos. Elas são chamadas de signos do zodíaco. E os sinais, via de regra, acompanham certos eventos.

A princípio as pessoas entenderam isso, mas como esses sinais realmente acompanham vários eventos, aos poucos as pessoas começaram a tratá-los como algo que existia de forma independente, que era determinante e controlador. Assim como em nossa vida, há um grande número de várias fontes de influência ao meu redor, mas todas são controladas de fora por algumas forças superiores.

Se eu me direcionar corretamente neste mundo, prestarei atenção não em como o mundo me trata, mas na atitude dessa fonte superior, a força superior por trás de toda esta imagem, por meio da qual recebo influências positivas e negativas. Mas, em princípio, esta é a única força que me afeta seletivamente de acordo com um certo plano que só ela conhece.

Portanto, não devo lidar com confrontos com pessoas, eventos, incidentes diversos, desastres naturais ou eventos que surgem constantemente na vida e passam por cima de nós. Em vez de me envolver nesses confrontos com a sociedade, com o mundo e até comigo mesmo (ou seja, com desejos e pensamentos que surgem em mim), devo voltar tudo para a força superior que causa todos os tipos de processos em mim e no meu ambiente e fazer a pergunta: “Para que serve tudo isso? O que isso quer de mim?”

No fundo, pergunto sobre o sentido da vida: “Existe algum objetivo? Existe um começo razoável e um processo predeterminado que me leva a um objetivo? Este processo é controlado de cima? Eu preciso saber disso? E o que isso vai me dar?”

Os crentes costumam dizer: “Deus existe, Ele sabe o que está fazendo. Deixe isso, deixe-O trabalhar”. Então, fecho meus olhos e realizo minhas pequenas ações. Disseram-me que Ele quer que eu faça isso e aquilo, vou fazer e deixar que Ele faça o resto.

É suficiente sermos criaturas tão pequenas e primitivas? Isso é exigido de nós pela força superior ou ela quer nos desenvolver?

Nasce em mim uma necessidade de saber por que vivo: “O que está acontecendo em geral? Onde está esse controle sobre mim e o mundo inteiro? São os signos do zodíaco ou é a força superior?”

Toda a minha vida me obriga a conhecer essa força superior e me faz revelá-la. Essa força, o Criador, por meio de sua influência especialmente negativa sobre mim, me obriga a prestar atenção a Ele.

Portanto, precisamos nos elevar acima dos signos do zodíaco, acima de todos os tipos de signos e eventos em nossa vida. Tudo o que percebo de dentro e de fora não deve ser levado a sério, mas apenas como uma demonstração da atitude da força superior em relação a mim. E por quê, para quê – não sei.

Talvez Ele faça coisas que não são inteiramente agradáveis ​​para mim, como pais que punem seus filhos para que eles comecem a se comportar corretamente, e talvez Ele faça coisas boas para que eu O trate de maneira diferente. Talvez Ele esteja deliberadamente flertando comigo de tal maneira que eu me recuse a entendê-lo e só me deixe levar por algum prazer, etc.

Ou seja, preciso entender o pensamento da criação, o que Ele quer de mim?

Pergunta: Então, mesmo que eu saiba o que vai acontecer na minha vida, ainda não poderei mudar nada?

Resposta: Nunca. Vemos isso em todas as lições que nossa história nos deu.

De KabTV, “Close-Up. Destino e O Livro do Zohar”, 05/02/10

Qual É O Programa Da Vida

962.4Pergunta: Qual é o programa real da vida?

Resposta: O programa da vida é permitir que todos os níveis se desenvolvam e alcancem um nível superior. Isso é o que acontece de um estado a outro na escada espiritual até atingirmos o nível de Adão (o nível humano) que se assemelha à força superior. O nível animado não muda em sua essência, ele permanece no nível animado, mas desenvolve uma forma que é semelhante à força superior, que é chamada de Adão.

Isso significa que uma pessoa não se torna como a força superior, como o Criador, mas com relação aos níveis de natureza inanimada, vegetal e animal, ela se torna um parceiro da força superior. Não podemos alcançar um nível acima do nível de Adão. O que acontece conosco acontece acima dos níveis inanimado, vegetal e animal, o que significa uma mudança de intenção, mas não de nossa natureza real.

Pergunta: Podemos dizer que, em nosso estado atual, nós, humanos, somos apenas robôs biológicos?

Resposta: Somos robôs biológicos. Não somos diferentes dos outros animais. Vivemos de acordo com nossos instintos, desejos e pensamentos, assim como eles. Somente se recebermos o poder de doação de cima e usá-lo, nos tornaremos semelhantes à força de doação que é totalmente externa a nós e separada de nós.

É como olhar em um espelho e ver algo semelhante a você, é por isso que somos chamados de Adão, da palavra hebraica “Edomeh” – “assemelhar-se” à força superior. Mas já é uma natureza totalmente diferente. Essa natureza pode ser revestida de nós até certo ponto e pode nos capacitar a funcionar como a força superior, acima de nossos desejos egoístas.

É apenas uma réplica, como um reflexo em um espelho, razão pela qual somos chamados de Adão, mas permanecemos como o nível animado neste mundo com a capacidade de adquirir a força superior adicional, de doar, de se conectar, de estar acima de nossa natureza, acima do nosso ego.

De KabTV, “Conversa com Jornalistas”, 21/12/21

Quando A Vida Se Torna Significativa

627.2Comentário: Por um lado, a natureza nos deu tudo hoje; em termos de conforto, você pode satisfazer qualquer desejo. Por outro lado, junto com isso, uma sensação de vazio interior cresce na pessoa.

Minha Resposta: Isso é muito bom porque não temos nenhum outro lugar para desenvolver. Fomos ao redor do mundo, compramos um apartamento, um carro, trocamos de cônjuge várias vezes, geramos e perdemos nossos filhos. Já fizemos tudo. O que vem a seguir?!

Este mundo não dá mais. O que mais ele pode nos oferecer? Portanto, algumas perversões aparecem. Ok, vamos testá-las um pouco. Isso é tudo. Então para que viver?!

Então vem o vazio e a decepção, é a isso que você veio. Parece-lhe que embora vivêssemos primitivamente, era bom: família, prados, filhos. Tudo isso é atraído a você de maneira pastoral e harmoniosa. Mas hoje, que horror! Uma pessoa é obrigada. Ela não pode fugir para lugar nenhum e, o mais importante, fugir de si mesma!

Ela tenta fazer isso dizendo: “Eu vivo da maneira que vivo”. Mas não funciona porque a lei da natureza é tal que não podemos fugir dela. Ainda teremos que encontrar uma resposta para a questão do sentido da vida. Além disso, não a alcançamos filosoficamente e não para de alguma forma nos acalmar, mas para a encontrar, ver, compreender. Para que vive uma pessoa? Esta não é apenas uma questão puramente teórica, uma busca e tormentos de espinhos às estrelas e assim por diante. Não! Nós queremos ver!

Na verdade, essa questão depende da morte. A pessoa deve saber que continua a viver, mas não por algum tipo de fé – pelo que a religião lhe promete. Ela deve ver uma continuação clara, bonita e brilhante à sua frente. Então, essas dezenas de anos de vida fazem sentido.

De KabTV, “Close-Up. Centauros”, 15/01/10

Esforçando-se Para Revelar O Sentido Da Vida

79.01Pergunta: Uma pessoa não consegue olhar para si mesma, é contra a sua natureza, ela não vê seus defeitos.

O autoconhecimento nem sempre é agradável. Suponha que eu sempre me considerei uma pessoa boa, bem-educada, inteligente e bem-comportada com os outros. De repente, quando começo a estudar Cabalá, o oposto exato me é revelado.

Que força é essa que permite a uma pessoa avançar, embora veja cada vez mais falhas em si mesma?

Resposta: É uma pressão de dentro, que é chamada de um ponto no coração na Cabalá.

Uma pessoa recebe o desejo de revelar o sentido da vida que ela não pode parar; se não revelo a essência da existência, a vida não tem valor para mim, não tem sentido. Eu não posso existir sem sentido.

Ou seja, eu alcanço o desenvolvimento quando devo resolver esse problema sozinho. Não posso deixar tudo de lado e continuar vivendo. Não tenho outras obturações, prazeres ou necessidades. Eu concordo em existir, mas apenas contra minha vontade. É melhor adormecer completamente e não acordar.

Isso mostra o quão grande é o meu desejo de alcançar o sentido da vida. Precisamente este desejo é humano, é o humano dentro de mim.

Todo o resto – seguir a moda, seguir o próximo para não ser pior do que ele, adquirir uma profissão, dar à luz filhos – é tudo necessário, mas não me preenche.

Não julgo as outras pessoas pela necessidade de desfrutar, de se preencherem de outra coisa, mas não posso fazer isso. Se eu tenho uma demanda tão urgente, é precisamente essa demanda que se chama humana. Não há nada a fazer a respeito. Isso me dá uma força tremenda.

De KabTV, “Close-Up — Centauros”, 15/01/10