Textos na Categoria 'Quora'

Qual É O Melhor Schach? (Quora)

Dr. Michael LaitmanMichael Laitman, no Quora: Qual É O Melhor Schach?

O melhor Schach é o Schach interno que construímos a partir do “desperdício do celeiro e da adega”, isto é, o que o nosso ego considera um desperdício, ideias de amor, unidade, fraternidade e preocupação pelos outros. Nós elevamos este Schach acima de nossas cabeças, tornando-o o telhado de nossa habitação temporária, a Sucá.

Enquanto isso, nossa estrutura temporária de Sucá feita com materiais precários se torna robusta, segura e protegida quando a cobrimos com um invólucro comum de amor e unidade.

Portanto, o melhor Schach é aquele pelo qual penetramos nossa composição mental e emocional egoísta e descobrimos o mundo superior.

Na linguagem da Cabalá, o Schach é o Masach (tela) que construímos e que nos é concedido: a capacidade de pensar nos outros como a própria natureza pensa em nós – com amor e cuidado absolutos.

O Schach, portanto, representa o limite mais significativo em nossas vidas: o limite entre a vida corporal e a vida espiritual, o egoísmo e o altruísmo, a natureza humana e a própria natureza, a criação e o Criador.

À sombra do Shach estão nossos desejos egoístas. Somos gratos pelo ego, porque ele nos leva a perceber a necessidade de nos elevar acima dele. Acima do Schach, isto é, acima de nosso raciocínio egoísta e corporal, onde não podemos imaginar nenhum benefício próprio, estão os desejos altruístas. Em nossos desejos altruístas, podemos alcançar uma verdadeira harmonia em equilíbrio com a natureza, unidos como uma única entidade.

Por Que Não Devemos Usar Plástico? (Quora)

Dr. Michael LaitmanMichael Laitman, no Quora: Por Que Não Devemos Usar Plástico?

Esta noite, fui abordado por um aluno mais novo que afirmou que talvez seríamos um exemplo melhor de uma força positiva na sociedade se não usássemos plástico, uma vez que o plástico é considerado ruim para o meio ambiente.

Expliquei-lhe simplesmente que a Cabalá não se relaciona com o tema do plástico. A Cabalá lida com a identificação da causa básica de todos os fenômenos maléficos da natureza – nosso desejo egoísta de desfrutar – e a correção desse desejo, ou seja, invertendo sua intenção de “para meu próprio benefício” para “para o benefício dos outros”. Como resultado do trabalho no nível do desejo, o ponto causal de qualquer fenômeno em nosso mundo, a natureza corrige todas as distorções provocadas pelo homem.

Portanto, se corrigirmos o plástico em nossos corações – o desejo de unicamente nos beneficiar – tudo dará certo, eu prometo.

O Que Seria Necessário Para Israel Se Envolver Na Síria? (Quora)

Dr. Michael LaitmanMichael Laitman, no Quora:O Que Seria Necessário Para Israel Se Envolver Na Síria?

Israel não deve se envolver na Síria. Não faz sentido que Israel se envolva nessas zonas de conflito.

Israel não é uma superpotência. É uma nação pequena e está achando difícil o suficiente sobreviver como está.

Contra a Turquia, a atual força de ataque contra os curdos na Síria, Israel não tem poder. A Turquia é muito poderosa, com uma população extraordinária de mais de 79 milhões de pessoas.

Por enquanto, Israel precisa ser neutro. O mundo precisa entender que Israel está em uma situação em que precisa se preocupar consigo mesmo. Não é necessário mostrar-se a outras nações como “santo”, ou seja, envolver-se em lugares diferentes para tentar retratar uma imagem positiva de si mesmo para o mundo.

Assim como todo indivíduo tem o direito de existir, toda nação também tem o direito de existir. Podemos dizer abertamente que toda nação tem o direito de existir, mas isso não significa que precisamos entrar em guerra com todos no processo.

Se Israel realmente deseja oferecer sua ajuda aos curdos, sírios ou qualquer outra nação, precisa entender o papel que assumiu quando recebeu o nome de “nação de Israel”: o papel de um povo que visa Yashar Kel, isto é, direto à força superior de unidade e amor.

Ao se unir acima das diferenças (“o amor cobrirá todas as transgressões”), a nação da unidade de Israel teria um efeito ondulante positivo em toda a humanidade como um todo, amenizando conflitos e acalmando o mundo, atraindo a força unificadora da natureza entre a multidão de pessoas e nações (isto é, ser “uma luz para as nações”).

O Que Causa O Antissemitismo Na Esquerda? (Quora)

Dr. Michael LaitmanMichael Laitman, no Quora:O Que Causa O Antissemitismo Na Esquerda?

O antissemitismo surgiu junto com o surgimento do povo judeu na antiga Babilônia, cerca de 4.000 anos atrás. Da mesma forma, não há causas de antissemitismo provenientes especificamente da esquerda ou direita política, pois ambas se originam das próprias causas do fenômeno do antissemitismo em si.

O ódio ao povo judeu tem sido um fenômeno regularmente recorrente ao longo da história, começando na antiga Babilônia e ocorrendo de muitas maneiras adicionais à maneira como ele aparece de um ponto de vista político específico.

O que aconteceu na antiga Babilônia?

Foi uma época de grande turbulência social marcada pela destruição da Torre de Babel, onde os babilônios sentiram uma explosão do ego humano (desejos de benefício próprio) e deixaram de se entender.

Devido à vocação da época, um sacerdote babilônico, Abraão, descobriu uma maneira de superar as inclinações divisivas da humanidade para revelar a força única e unificada da natureza. Ele ensinou e promoveu esse método de união acima das divisões a quem estivesse interessado.

Abraão chamou as pessoas que se reuniram ao seu redor dele, o “povo de Israel”: “Israel” das palavras “Yashar Kel“, isto é, dirigido à força unificada da natureza, Deus (de acordo com a Gematria, “natureza” e “Deus” são a mesma coisa).

Basicamente, Abraão mostrou às pessoas um caminho para a descoberta da força única e unificada da natureza, exercendo-se relações de “ame o próximo como a si mesmo” e “o amor cobrirá todas as transgressões” na sociedade.

Depois de alcançar uma unidade recém-descoberta acima da divisão social da época, o grupo que se reuniu em torno de Abraão sofreu uma consequência adicional do ego nos 200 anos seguintes, o que rompeu sua unificação.

Esse período ficou conhecido como a “ruína dos Templos”.

O ego que cresceu naquela época dividiu novamente esse povo, pois eles não conseguiram superá-lo com uma conexão positiva.

O ódio deles aumentou tanto que o rabino Akiva, que era o líder do povo de Israel durante a ruína do Segundo Templo, solicitou o fim do ódio. Ninguém ouviu seu chamado, e por consequência o povo de Israel se dispersou.

Desde a sua dispersão, o povo de Israel viveu um período de exílio.

O povo de Israel não tem conexão biológica. Eles surgiram com base em uma conexão ideológica como um povo que percebeu o “ame seu amigo como a si mesmo” e “o amor cobrirá todas as transgressões” na divisão social da época. Sem se apegar a essa conexão ideológica, eles não sentem nada mantendo-os juntos.

No entanto, se eles são odiados por outras nações, eles se reúnem. Pelo contrário, se não são odiados por outras nações, continuam dispersando-se pelo mundo.

Hoje, o ego humano tornou-se exagerado em enormes proporções. Ele está por trás da crescente divisão e ódio nas sociedades, nações e entre nações, e se expressa como uma quantidade cada vez maior de grupos de interesse, partidos e facções.

À medida que a divisão social se intensifica, a crescente necessidade de unidade entre as nações do mundo se expressa como um sentimento de ódio contra o povo de Israel.

Por que esse ódio parece especificamente direcionado ao povo de Israel?

Ele surge de forma natural e justificável, porque, quando atingimos o estado elevado de unidade acima da divisão, mantemos inato o método para poder nos unir e, assim, acalmar as tensões abundantes no mundo.

Como ainda não conseguimos compreender esse método de nossa unificação, impedimos que a unidade se espalhe para outras nações. Elas sentem sua falta. Os inúmeros problemas e crises que borbulham no mundo devido ao aumento da divisão social intensificam ainda mais o ódio e a culpa que caem sobre o povo de Israel.

Aqui também o povo de Israel tem um problema adicional, por desconhecer o que não está trazendo ao mundo. Portanto, à medida que o sentimento antissemita aumenta, nem os antissemitas nem os judeus sabem como apontar a principal razão do fenômeno.

Eles apontam pontos de vista políticos de esquerda ou de direita, desde a opressão da Palestina pelo Estado de Israel até a influência desproporcional dos judeus nos governos e no setor financeiro, a fim de justificar seu ódio. Mas o próprio ódio precede o raciocínio que veste.

Se continuarmos nos desenvolvendo sem fornecer um método de união acima do ódio, seguiremos para outro holocausto que não será apenas na Europa, mas em todo o mundo.

Hoje temos a escolha de substituir a forma instigante e negativa do antissemitismo por uma nova forma positiva de unificação acima de nossas diferenças.

Ao implementar nosso método para conectar a nós mesmos e as pessoas ao redor do mundo, começaríamos a abrir novas sensações e percepções da realidade em que estamos, trazendo simultaneamente harmonia, felicidade e paz no mundo. Se deixarmos de fazer isso, continuaremos experimentando um crescente antissemitismo.

Eu espero que comecemos a perceber o tesouro imensamente valioso que temos em nossas mãos: um método para unir e trazer unidade à humanidade como um todo.

 

“Por Que A Anarquia Não Funciona?” (Quora)

Dr. Michael LaitmanMichael Laitman, no Quora:Por Que A Anarquia Não Funciona?

Uma sociedade sem corpo governante não pode sobreviver. Precisa de uma cabeça que determine e um corpo que execute.

A anarquia afirma que não deve haver cabeça.

Em qualquer sistema, no entanto, há uma cabeça e um corpo. O que uma cabeça faria sem um corpo, ou um corpo sem cabeça? O que ativaria o corpo? Nosso problema é que não podemos construir sistemas ideais e corretos em que a cabeça saiba o que beneficia o corpo e o corpo saiba como se comunicar com a cabeça.

O problema que encontramos hoje é que a parte principal da sociedade tem um interesse próprio no coração. É porque o ego humano (o desejo de desfrutar às custas dos outros) está no controle. Até que você extraia o ego de todos, permanecendo sem a força divisória e destrutiva, você nunca poderá construir uma sociedade que funcione harmoniosamente.

Então o que deveríamos fazer? O que exige uma sociedade harmoniosamente funcional?

À medida que nos tornamos cada vez mais egoístas, a sociedade se torna cada vez mais carente de um sistema que a mantenha em estado de equilíbrio. O equilíbrio na sociedade exige que alimentemos consistentemente a conexão positiva acima do ego em crescimento e da divisão que ele traz.

A natureza humana é anárquica. Em sua fundação, ela está pronta para destruir tudo, para o prazer próprio, e essa é a fonte de toda divisão e conflito.

No entanto, através do ambiente, podemos influenciar a natureza humana para direcionar positivamente seus desejos e necessidades de melhoria coletiva.

Portanto, o corpo não é o culpado por suas deficiências. É governado pela cabeça. Assim, a cabeça precisa conhecer as leis da natureza, como equilibrar a sociedade, levar a sociedade a um equilíbrio crescente acima do ego em constante crescimento e trabalhar constantemente para satisfazer os anseios e desejos do coletivo da sociedade.

A cabeça não pode ser anárquica: precisa ver aonde leva o corpo de acordo com a tendência da natureza, e certamente alcançaremos, de maneira positiva, agradável e saudável, mais e mais estados que a natureza nos pavimentou. A cabeça precisa funcionar de maneira semelhante ao Sinédrio, discutindo e compartilhando constantemente com as pessoas como elas trazem as leis para elas.

“Os Incêndios Na Amazônia São Um Problema Para Toda A Terra?” (Quora)

Dr. Michael LaitmanMichael Laitman, no Quora:A Amazônia É Um Problema Para Toda A Terra?

Precisamos ver toda a natureza como um sistema integral. Isto é, existe um foco atual nos incêndios na Amazônia, mas há um emaranhado de problemas ambientais, incluindo poluição do oceano e do ar, esgotamento do ozônio, surtos de desastres naturais, desde erupções vulcânicas até terremotos e furacões, sem mencionar muitos outros, e todos eles são influenciados pela pessoa que, de acordo com a sabedoria da Cabalá, é um mundo pequeno.

Portanto, quando alcançarmos estados em que nos organizamos internamente, ou seja, quando nossas atitudes mútuas se tornarem equilibradas e positivas, também experimentaremos fenômenos positivos de fora, ou seja, da natureza.

Não causamos problemas ambientais com nossas mãos. Nós os causamos com nossa falta de correção interior. Ao permitir que nossos impulsos egoístas divisivos nos causem dano, atraímos uma resposta negativa da natureza. Além disso, quanto mais nos desenvolvemos sem corrigir nossas atitudes uns para com os outros, mais atraímos para nós reações cada vez mais severas da natureza.

Chegou a hora de alcançarmos a conexão entre todas as pessoas como em um sistema integral. Testemunhamos problemas de escala gigantesca na natureza e não sabemos como causamos esses fenômenos do ponto de vista de nossas atitudes mútuas.

Muitas pessoas, os líderes mundiais entre elas, pensam que, ao implementar ações voltadas para a natureza, como limpar o lixo dos oceanos, diminuir a poluição do ar ou reduzir o uso de combustíveis fósseis, teremos algum tipo de impacto positivo na natureza. No entanto, não é o caso. Os políticos usam especialmente essa retórica agradável apenas para fins de sua própria autopromoção.

Nada do que fazemos além de mudar nossas atitudes mútuas nos ajudará. Além disso, quanto mais esforços aplicarmos para consertar as coisas externamente sem sofrer uma mudança interior, mais danos causaremos. Por quê? Porque o mundo continuaria se desenvolvendo sem lidar com a causa de todos esses problemas: que precisamos nos corrigir atualizando nossas atitudes mútuas – de egoístas para altruístas, de divididos para conectados, e de egocêntricos para beneficiar toda a humanidade. Ao fazer isso, veremos uma resposta positiva da natureza.

A mudança interna de nossas atitudes mútuas é o que a natureza exige de nós. Observe que, de acordo com a sabedoria da Cabalá, “Natureza” e “Deus” são sinônimos (eles compartilham o mesmo número em Gematria – o sistema numérico Cabalístico). Precisamos nos tornar parte integrante de nossa consciência, entender o sistema em que estamos, a necessidade de nos assemelhar ao sistema da natureza e nos adaptar a ele.

Através de nossa adaptação à natureza, a natureza se acalmaria e se equilibraria.

A complementaridade e a plenitude abundariam em todos os níveis da natureza – inanimada, vegetativa, animada e humana – e, como resultado, experimentaríamos harmonia e perfeição.

“Os Incêndios Na Amazônia Terão Um Efeito Significativo Nas Mudanças Climáticas?” (Quora)

Dr. Michael LaitmanMichael Laitman, no Quora:Os Incêndios Na Amazônia Terão Um Efeito Significativo Nas Mudanças Climáticas?

Os incêndios na Amazônia não terão um efeito significativo nas mudanças climáticas. Para entender se a natureza agirá em nossa direção, positiva ou negativamente, no futuro, precisamos entender como influenciamos a natureza e como a natureza reage à nossa influência.

Ao contrário da opinião de que influenciamos a natureza por meio de nossas ações externas sobre a própria natureza, como o desperdício e a poluição que infligimos ao meio ambiente, de acordo com a sabedoria da Cabalá, essas ações não são as que levam a todos os tipos de desastres naturais e crises.

O que leva a desastres e crises naturais é unicamente no nível humano, em nossas conexões. No nível de nossos pensamentos, atitudes e comportamentos em relação um ao outro, causamos ondulações em toda a sociedade e natureza humanas, e a natureza reage a nós de acordo com a forma como nos relacionamos.

Se nos relacionarmos positivamente um com o outro, com o objetivo de nos conectarmos positivamente, experimentaremos reações positivas da natureza. Se nos relacionarmos negativamente um com o outro, com o objetivo de prejudicar e explorar um ao outro em benefício pessoal, experimentaremos reações negativas da natureza. É isso que experimentamos atualmente.

A natureza está organizada em quatro níveis: inanimado, vegetativo, animado e humano.

Se adiarmos nossa correção no estabelecimento de conexões positivas entre nós, começando por não prejudicar um ao outro e melhorar infinitamente nossas conexões, experimentaremos mais e mais efeitos negativos sobre a natureza.

Por exemplo:

  • Se não conseguirmos corrigir nossas relações no nível inanimado, que por enquanto pode ser interpretado como não trabalhar no ódio contra outras pessoas que surge em nós, haverá perturbações na natureza no nível inanimado, como terremotos e erupções vulcânicas.
  • Da mesma forma, se não conseguirmos corrigir nossas relações no nível vegetativo, o que pode ser interpretado como uma falha em impedir-nos de prejudicar os outros, haverá problemas no nível vegetativo, como incêndios.
  • Se não conseguirmos nos corrigir no nível animal, ou seja, nos permitirmos entrar em guerras e conflitos, encontraremos problemas no nível animal, como extinções de certas espécies, bem como o ressurgimento de doenças passadas e novas doenças.
  • A reação positiva ou negativa da natureza para conosco no futuro depende de quanto ativamos nossa capacidade humana, isto é, nossa capacidade de nos conectarmos acima de nossos impulsos egoístas divisivos.

Portanto, quando vemos o sistema completo de uma pessoa como um mundo pequeno e o mundo como nosso ambiente envolvente, veremos o nível de integração que nós, humanos, precisamos ter com o mundo: que nossas atitudes mútuas precisam passar por uma atualização, ou seja, tornar-se atencioso e positivamente conectado como um substituto do egoísmo antagônico que cresce dentro de nós e nos divide cada vez mais.

Então, de acordo com a integração dos níveis inanimado, vegetativo, animado e humano dentro de nós, entre nós, com o meio ambiente e com o sistema completo da natureza que nos envolve, experimentaremos harmonia se percebermos conexões humanas positivas ou crises e golpes se não o fizermos.

“O Que É O Liberalismo?” (Quora)

Dr. Michael LaitmanMichael Laitman, no Quora:O Que É O Liberalismo?

Liberalismo:

Todo mundo tem um lugar para dizer o que quer,
Sem ódio de ninguém,
Você pode expressar sua opinião de maneira aberta e plural, ou seja, de uma maneira que permita várias opiniões,
Podemos alcançar um diálogo – em primeiro lugar, entender-se e integrar-se gradualmente.
Como resultado dessa conduta humana, desenvolveremos uma maior compreensão da sociedade humana.

No entanto, se a situação continuar como hoje – onde um lado odeia o outro -, não poderá ser considerada “liberal” ou “democrática”. O lado que chama o outro lado de “não democrático” já não é um lado democrático.

Essa forma de política baseada em interesses está morta.

Aprendi isso comigo mesmo na antiga União Soviética. Eles usavam palavras agradáveis ​​sobre amor fraternal e unidade para encobrir a matança do povo. Isso foi usado apenas com motivos de poder para cobrir a divisão social e o ódio, que era a realidade da época. Seu alto investimento na propaganda dessa ideia impressionou não apenas seu próprio povo, mas também sociedades até a Europa Ocidental.

Funcionou por um tempo e depois tudo desmoronou.

No entanto, hoje, onde temos um lado dizendo que é liberal e democrático, e odeia totalmente o outro lado, querendo eliminá-lo completamente, indo ao ponto de protestar com força contra eles, que tipo de democracia é essa?

Democracia é que resolvemos esses problemas de maneira pacífica e razoável.

O liberalismo é quando eu reúno opiniões de outras pessoas, querendo conectar todas juntas em um diálogo social.

“Qual O Lado Certo No Conflito Israel-Palestina?” (Quora)

Dr. Michael LaitmanMichael Laitman, no Quora:Qual Lado Está Certo No Conflito Israel-Palestina?

Nenhum lado está correto porque nenhum lado sabe a verdade. A questão é: qual é a verdade?

Somente o povo de Israel determina a atitude que as nações do mundo têm em relação a eles. As nações do mundo não têm livre escolha em como percebem Israel. De acordo com a sabedoria da Cabalá, Israel é um povo com livre arbítrio, porque foi o povo de Israel que recebeu a capacidade de superar a natureza humana egoísta – o desejo de desfrutar às custas dos outros – que é executado no piloto automático dentro de cada pessoa. Se o povo de Israel fizer a escolha de se elevar acima dos impulsos egoístas e divisores, uma abundância de bondade fluirá para o mundo através deles. Da mesma forma, se o povo de Israel falhar em fazer essa escolha, deixando o egoísmo continuar crescendo, nenhum acordo os ajudará: será ruim para eles e para o mundo.

A livre escolha é a escolha de conectar-se entre si e, ao fazer isso, revelar a força superior – a força de conexão e amor – aqui neste mundo. Se falharmos em fazer essa escolha, o lado negativo da força de conexão e amor – divisão e ódio devido a desejos egoístas crescendo sem qualquer regulação efetiva – irá repercutir em toda a humanidade em profundidade e largura. Esta é a raiz de qualquer atitude positiva ou negativa das nações do mundo em relação a Israel.

Hoje, uma vez que o povo de Israel não está fazendo nenhum esforço para realizar seu papel unificador no mundo, o sentimento antissemita e anti-israelense – incluindo a negação do Estado de Israel – cresce a fim de pressionar o povo de Israel a cumprir seu dever no mundo.

Portanto, os palestinos não são responsáveis ​​pela maneira como pensam e se comportam em relação a Israel. A lei da natureza atrai a humanidade para a conexão no auge de seu desenvolvimento, e aqueles que resistem e negam Israel agem de acordo com sua função dentro deste sistema, que é pressionar o povo de Israel a exercer sua livre escolha. Assim, eu vejo nos que odeiam Israel simplesmente a força da natureza, que se revela a nós de tal maneira. O povo de Israel, no entanto, tem livre arbítrio, isto é, a capacidade de mudar a si mesmos, pois receberam um método de correção do mundo. Então, quem é o culpado? Não posso dizer que os palestinos ou qualquer pessoa no mundo sejam os culpados por qualquer ódio contra Israel, já que ninguém no mundo além do povo de Israel tem livre escolha. Há uma afirmação na sabedoria da Cabalá sobre isso: “os chefes dos ministros estão nas mãos de Deus”. Isto é, aqueles que estão em posições dominantes em todo o mundo não têm livre escolha em como pensam e agem, visto que as o sistema da natureza opera sobre eles para que eles realizem o que precisa se desdobrar na natureza.

“Israel É Um Estado De Apartheid? Quais São Os Fatos Que Provam Ou Refutam Essa Opinião?” (Quora)

Dr. Michael LaitmanMichael Laitman, no Quora:Israel É Um Estado De Apartheid? Quais São Os Fatos Que Provam Ou Refutam Essa Opinião?

Não tenho interesse em tais rótulos que as pessoas atribuem a Israel. Eu avalio Israel apenas de acordo com as autênticas fontes Cabalísticas que venho estudando nos últimos 40 anos ou mais.

De qualquer forma, levando em consideração a quantidade de árabes na sociedade israelense, desde o estudo nas universidades até assumir profissões respeitadas como advogados e médicos, eu não consideraria Israel um estado de apartheid. O apartheid é algo completamente diferente. Mas, novamente, qualquer que sejam os nomes dirigidos a Israel, isso não me interessa. O que importa é a necessidade intensificada do povo de Israel de desempenhar seu papel no mundo: unir-se (“ame o próximo como a si mesmo”) e ser um canal para a unidade se espalhar por todo o mundo (“uma luz para as nações”). Se o povo de Israel observar tal condição, será bom para eles e para o mundo. Se não, será o oposto.