Textos na Categoria 'Política'

Previsão Econômica Mundial

Dr. Michael LaitmanOpinião (M. Khazin): “Durante 2014, o crescimento do PIB norte-americano foi divulgado; no entanto, ele foi exagerado.

“Para que um crescimento econômico seja estável e de longa duração, é necessário que a demanda do produto final (demanda das famílias) comece a aumentar. No entanto, essas despesas continuam a declinar.

“Todas as esperanças para parar a crise são em vão, e em 2015, a bolha do mercado de ações dos EUA entrará em colapso. A crise vai começar exatamente como em setembro de 2008, com uma queda acentuada dafonte de dados de estoque, e a estabilidade do sistema bancário vai se tornar questionável, cujos ativos vão desvalorizar fortemente, enquanto os passivos (obrigações) permanecerão.

“Outras opções:

  1. O EI vai derrubar o regime saudita e começará uma ‘campanha sunita’ conjunta contra Israel. Um duro golpe para as famílias, o setor real, e o papel do dólar vai subir acentuadamente. Os EUA vão entrar num estado de caos social e político.
  2. Os EUA e todo o sistema bancário mundial vão à falência, e não haverá nenhuma ajuda de qualquer lugar.
  3. A elite financeira vai começar uma emissão em massa de dólar, a fim de salvar o sistema financeiro. A principal consequência para a economia será a ruína das empresas.

“A destruição da OMC vai ser um duro golpe para a União Europeia, China, Japão e Coréia, que vendem muitos produtos de alta tecnologia nos EUA. Hoje, elitistas pró-americanos estão no poder nesses países. A destruição da principal fonte de renda associada com os EUA e o dólar vai causar uma devastadora desmontagem inter-elite.

“Contra-elitistas, apressando-se em seus escritórios, se concentrarão na independência nacional que se estenderá ao nacionalismo e anti-americanismo. Estes processos irão definir o rumo dos acontecimentos mais do que a crise econômica atual.

“A elite financeira não pode aceitar a responsabilidade pela crise, por isso vai criar uma ‘força maior’, utilizando o Islã nos países desenvolvidos e Oriente Médio.

“Há três abordagens para a ordem mundial: satisfatória, pouco satisfatória (que necessita de reforma), e insatisfatória (deve ser completamente destruída). O Islã político hoje não aceita compromissos e está pronto para lutar até o fim pela destruição da atual ordem mundial, na ausência de um programa positivo.

“Ao mesmo tempo, a crise econômica global aumenta os anseios do povo por justiça, especialmente aqueles que têm sofrido com a crise. E verifica-se que a única força hoje que oferece algo para o mundo é um Islã político. Portanto, em 2015, estamos à espera de um aumento dramático na influência do Islã político em todo o mundo, principalmente no Oriente Médio e na União Europeia”.

Meu Comentário: A imagem é incompleta porque o autor não leva em conta a finalidade do desenvolvimento humano, o aumento do nível de afinidade com o Criador no desejo de dar e amar. A natureza nos leva a um sofrimento ainda maior até que percebemos que não há escapatória e que devemos mudar a nossa natureza egoísta para uma altruísta, a fim de sobreviver.

Essa percepção depende da disseminação e masterização da Cabalá, o método de correção da nossa natureza, entre o povo de Israel, e depois em todo o mundo. Caso contrário, vamos voltar a nos encontrar novamente num período de sofrimento, e mais uma vez, ao longo das décadas, chegaremos a mesma escolha.

Justiça E Liberdade

Dr. Michael LaitmanOpinião (Petko Ganchev, professor e presidente do Centro de Geopolítica da Eurasia – Sofia): “… A verdadeira liberdade é inconcebível sem justiça e a verdadeira justiça é impossível sem liberdade. Se a liberdade é uma necessidade reconhecida, a justiça deve ser considerada não como igualdade em recompensar pessoas diferentes, mas como a igualdade de oportunidades.

“Assim, a verdadeira liberdade deve ser considerada como uma condição para a justiça, e a verdadeira justiça, como uma forma de exercício da liberdade.

“O capitalismo com sua liberdade do forte fornece uma oportunidade para o forte ganhar à custa do fraco e é uma sociedade injusto e não livre.

“O socialismo com sua justiça e liberdade para todos – um era livre, e todos os outros eram iguais em sua falta de liberdade – era uma sociedade totalitária. Ele não incentivava a livre iniciativa e por causa da incapacidade de realizar reformas radicais ele entrou em colapso.

“Se durante a Grande Depressão (1929-1933), a crise afetou apenas os países capitalistas desenvolvidos, agora a crise é global, porque todos os países do mundo estão conectados.

“A globalização contemporânea é um processo objetivo e natural, mas que ocorre de forma favorável ao mundo ocidental, principalmente para os Estados Unidos. Das 500 maiores empresas multinacionais no mundo, mais da metade são dos EUA. Todas as instituições mais importantes do mundo – FMI, Banco Mundial, OMC, OTAN – são ferramentas dos EUA, e a UE é o protetorado norte-americano.

“Na década de 1990, os EUA tentaram estabelecer um mundo unipolar, destríram todas as instituições e estruturas do Estado de bem-estar social e a economia social de mercado da UE, bem como todos os sistemas de proteção e justiça social dos antigos países socialistas. Como resultado, a crise económica e financeira mundial entrou em erupção em 2008, e não tem fim à vista.

“Como resultado, o mundo alcançou grandes ameaças e desafios, e é necessário salvar a civilização pela transição de um mundo unipolar para um multipolar: as Nações Unidas precisam assumir a gestão do mundo, com representação de todos os países através de um parlamento mundial.

“É um caminho longo e difícil, mas necessário. A salvação da humanidade está em suas próprias mãos, por isso temos que agir”.

Meu Comentário: Os desejos estão corretos, mas só é possível realizá-los sob a condição de uma mudança na natureza do homem de egoísta para altruísta. Novas propriedades de doação e amor vão nos dizer como agir. Caso contrário, vamos retornar ao terror do passado.

Para Um Líder Não Pode Haver Interesses Pessoais

Um Produto do Povo

Pergunta: Nos últimos anos, uma sensação foi criada na sociedade de que os interesses pessoais dos líderes em vários níveis estão acima dos interesses públicos. Escândalos surgiram em todos os lugares e uma infinidade de livros foram publicados sobre o comportamento das autoridades.

Se no passado parecia que no caso de um claro conflito entre interesses pessoais e públicos, estes últimos seriam os vencedores, hoje, no entanto, tanto quanto parece, uma imagem oposta é retratada.

É claro que o ego crescente não deixa os líderes descansar. Cada um deles, entre os demais, querem entrar pelo menos um pouco na história e inscrever seu nome em suas tábuas. Muitos esforços são dedicados à luta para atribuir estas ou outras realizações a si mesmos. Mais do que isso, as decisões são muitas vezes feitas com o pensamento no reconhecimento que elas podem trazer.

Portanto, o que motiva os líderes hoje? Como eles podem integrar os interesses pessoais e públicos em suas atividades?

Resposta: Eu não acho que os líderes, nesse sentido, são piores do que as pessoas. Afinal de contas, eles cresceram como resultado deste grupo. Suponha que um ex-comandante militar ou gerente de fábrica ou chefe de departamento decida entrar para a política. Basicamente, ele é um produto das pessoas e não de uma dinastia real. Ele aprendeu no sistema educacional geral, terminou a escola e a universidade, e vive como qualquer outra pessoa.

Agora ele está perante o povo, porque tem um ego forte e mais energia. Além disso, os indivíduos do ambiente o incentivam e motivam a continuar a crescer e há também aqueles que o ajudam com dinheiro e conexões.

Em geral, por trás de cada pessoa que se imagina como nosso líder estão interesses esperando lucrar com sua chegada ao poder.

Um Líder Sem “Bagagem”

Pergunta: Existe a necessidade de um sistema especial de educação para os líderes? [Leia mais →]

O Caminho Pacífico Para O Socialismo

Opinião: (Anatoly Wasserman, colunista): “Com a chegada do ano 2022, o socialismo será mais rentável do que o capitalismo. Isso significa que seria possível implementar a recomendação dada por Karl Marx em 1862 de redimir toda a economia da burguesia, dando a cada proprietário o que ele gosta mais.

“A gama de problemas que o capitalismo cria não é limitada por questões de produtividade. Suas desvantagens estão questionando a própria existência do mundo e da humanidade. Portanto, é possível que a transição para o socialismo seja justificada não economicamente, mas como uma forma de autopreservação”.

“Por isso, nos próximos anos, nós devemos falar sobre o grau de perigo que o capitalismo apresenta para a própria existência da humanidade, com uma abundância de evidências desse perigo ter sido acumulado. É preciso explicar às pessoas envolvidas no negócio que a sobrevivência é do seu próprio interesse, e que elas devem se tornar agentes do socialismo para o bem de si mesmas”.

Meu Comentário: A transição acontece de uma forma muito mais simples. Essa parte da humanidade com o ponto no coração aplica esforços em sua unidade, causando a influência da Luz Circundante (Ohr Makif), que produz mudanças nelas e em todas as pessoas. Essa Ohr Makif é responsável pelo nosso progresso, e através do método de Educação e Formação Integral, nós aceleramos o seu efeito sobre nós. Com isso, ocorre uma boa transição para o próximo nível de desenvolvimento humano.

Material Relacionado:

Como Alguém Proteger A Nação Da Dissolução?

Pergunta: Será que eu entendi corretamente, que no mundo físico e no mundo espiritual a inveja opera de forma diferente? Se no mundo físico eu quero aniquilar o objeto da minha inveja, no trabalho espiritual funciona ao contrário. Eu não sei o que a espiritualidade é, mas quero sentir isso, então anseio em obter isso através do objeto da minha inveja.

Resposta: Na verdade, quanto mais invejoso você é com relação ao desejo espiritual do seu amigo, mais você se beneficia.

Pergunta: Eu fui um filho da União Soviética. Constatou-se que um desejo foi despertado em nós por essas coisas, que, em princípio, estavam mais perto da prosperidade espiritual do que da prosperidade física. Portanto, era essa a direção certa?

Resposta: Na União Soviética, o entendimento correto era a educação com base nos nossos desejos e aspirações físicas para nos tornarmos a nação mais forte, para governar o mundo, controlá-lo, e mostrar a todos o chicote. Se a liderança do país tivesse agido corretamente, ela teria se ocupado com a educação das pessoas e não teria aspirado apenas a controlar melhor as pessoas.

O problema está nisso. De acordo com o que Baal HaSulam escreveu, tudo aqui foi organizado em prol de um sublime objetivo egoísta e não em prol de um objetivo altruísta voltado ao Criador. Isto porque o Criador é, em princípio, todos nós unidos num todo único geral. Esta é toda a criação, toda a humanidade e toda a natureza em plena doação mútua. A característica chamada Criador é especificamente descoberta aqui. Fora de nós, o Criador não existe.

Se a União Soviética tivesse existido para isso, teria instruído o povo corretamente e não de forma a ser o mais forte, a fim de oprimir os outros, instilar o medo, e exigir respeito. Se não tivesse havido um imenso ego que está na liderança dos políticos beligerantes, então, certamente, tudo teria sido de outra forma. Porém, visto que tudo isso foi em prol de grandes egos, não pelas pessoas, mas para a liderança do próprio povo, tudo desmoronou.

E está certamente desmoronando agora com um barulho ainda maior já que a arrogância tem aumentado: “Nós! Nós! Nós!” “Vamos mostrar a todos”. “Vamos do nosso próprio jeito”. “Nós somos os mais inteligentes, os mais fortes”, e assim por diante. Tudo isso vai rapidamente entrar em colapso. Uma nação não pode existir assim e ele chegará ao nazismo. A queda da Ucrânia é um sinal do que pode acontecer com a Rússia. E tudo isso é porque eles colocam um grande e poderoso ego na liderança.

De modo algum eu desejo algo de ruim para esta nação. Eu a considero minha terra natal, até certo ponto, mas que tomou uma direção completamente errada. Nem o Congresso nem o enorme ego nacional podem evitar a desintegração do país.

Isto é totalmente contra qualquer perspectiva, todo o fluxo da natureza e todas as linhas de desenvolvimento. Assim, ele vai desaparecer muito rapidamente como se nunca tivesse existido. O regime soviético existiu por 70 anos, e tudo vai passar muito rapidamente agora.

Do Acampamento Internacional de Verão Na Bulgária 11/07/14, Lição # 2

Material Relacionado:
A Força Da Inveja Não É Limitada Pelo Tempo E Espaço
A Rússia Enfrenta Um Fenômeno Inexplicável

Temos De Abraçar a Natureza A Fim De Avançar

As eleições antecipadas em Israel são acompanhadas por uma grave crise de confiança entre os cidadãos e os seus representantes eleitos. Não é por acaso que uma das manchetes nos jornais era “O Knesset foi dissolvido”. No entanto, os membros do Knesset votaram pela dissolução porque entendiam que a confiança do público caiu nos últimos anos.

O público sente que os políticos são separados deles e isso desperta decepção, especialmente entre os jovens. Muitos não vêem uma razão para irem votar porque não esperam qualquer mudança para melhor. Poucos pensam que as eleições irão realmente nos ajudar a resolver os problemas de habitação, o custo de vida, relações sociais e de segurança.

Quando as pessoas ouvem as promessas de campanha, elas sabem que, imediatamente após as eleições, todos irão esquecê-las até a próxima eleição. Tudo o que temos é um sentimento de amargura, devido à falta de capacidade de influenciar qualquer coisa. Até o presidente [israelense] manifestou recentemente a sua preocupação com as pessoas não saírem para votar.

Claramente, a falta de fé, na liderança da nação e no partido que é eleito, mina as bases da democracia e tem conseqüências graves. Na última década, esse fenômeno se espalhou entre muitas nações do Ocidente. E nesse sentido, cada vez menos cidadãos vão às urnas para votar, com o percentual de eleitores indo abaixo de dois dígitos, o que é uma mudança significativa. [Leia mais →]

A Partida De 2014

Dr. Michael LaitmanPergunta: O que nós estamos deixando para trás em 2014, e será que nós avançamos no último ano rumo à construção de uma sociedade mais justa em Israel?

Resposta: Eu acho que boas mudanças ocorreram em Israel. As pessoas finalmente começaram a perceber que não podemos esperar mudanças positivas de ninguém, exceto de nós mesmos.

Se começarmos a nos aproximar uns dos outros para nos entender melhor e unir, vamos encontrar a chave para a salvação, com mais força e justiça.

Depois de tudo, ao nos unirmos, nós podemos resolver praticamente todos os problemas, mesmo no nível dos problemas de segurança. Todo mundo estava falando sobre isso por vários meses após a operação “Rocha Duradoura”.

Eu sinto que este ano foi especial. Até mesmo o povo de Israel está começando a dizer que a união faz a força.

E hoje, quando o povo de Israel está se preparando para as eleições, eu vejo que o que prevalece não são questões de segurança e finanças, mas questões de união do povo. Embora os políticos tentem levantar estas questões, a fim de direcionar as pessoas para o que é benéfico para elas, em vez disso as pessoas perguntam: “O que está acontecendo conosco, por que ainda estamos hoje num estado fragmentado?”

Quem Nós Devemos Eleger?

Pergunta: Que evento do ano passado você poderia definir como o mais alegre e mais terrível?

Resposta: Eu julgo um pouco diferente do que todos os outros, porque olho para o que está acontecendo em termos do sistema que gerencia este mundo. Eu acho que foi um ano muito bom. A mente das pessoascomeçou a mudar radicalmente. Elas começaram a entender que não podem esperar quaisquer favores de algum lugar.

Pergunta: Mesmo dos políticos que estão diante de novas eleições? Como você se relaciona com eles?

Resposta: De nenhuma maneira. Eu sei que não está em seu poder fazer algo de bom para as pessoas, e elas confiam neles porque não entendem que ser um político significa ser o maior egoísta. Na verdade, toda a nossa sociedade é puramente egoísta.

E aqueles que chegam a tal altura, usando os outros como degraus, são os maiores egoístas. Portanto, não podemos esperar nada deles. Talvez antes da eleição eles se lembrem do povo, mas, em princípio, pensam apenas naqueles que os apoiam, para permanecerem no poder por mais tempo. Portanto, eu não vejo nada de novo em seu flerte com o povo antes da eleição.

Eu vejo os resultados desse ano que parte não em termos das ações dos políticos, mas em quanto fomos capazes de explicar às pessoas o que é a sabedoria da Cabalá, o que ela diz, como vê o futuro da humanidade, e como através dela nós podemos realmente gerir o mundo.

Na verdade, os políticos não governam nada, nem ninguém. Foi dito inclusive na Torá que os corações dos governantes do mundo estão nas mãos do Criador. Portanto, não é razoável ligar o nosso futuro a eles.

Mas o povo, conforme a conexão entre as pessoas, pode realmente mudar o seu destino. Mas isso depende de sua unidade.

O Antissemitismo nos Obriga a Ouvir

Pergunta: Durante esse ano, quanto você conseguiu fazer pela unidade do povo? Que metas você considera cumpridas e quais não?

Resposta: Este ano nós conseguimos boas relações com organizações judaicas ao redor do mundo. Visto que o antissemitismo pressiona os judeus que vivem no exterior, muitas comunidades judaicas começaram a nos ouvir.

Anteriormente, isso não tinha acontecido. Mas, devido ao aumento do antissemitismo, eles mudaram sua atitude em relação a nós, porque viram quão efetivamente nós trabalhamos com as massas.

Em setembro deste ano, nós visitamos o Congresso Judaico Norte-Americano. Antes disso, eu apareci em vários canais de televisão dos EUA, tive uma entrevista com Larry King, onde o assunto principal foi o antissemitismo. Este é um assunto muito dolorido, especialmente para ele.

Tudo se resume ao papel dos judeus no mundo: como eles serão capazes de desempenhar um papel positivo nele e se proteger do crescente antissemitismo.

Também este ano, jornais de prestígio na Inglaterra, França, Alemanha, Itália, EUA, Canadá e outros países líderes do mundo, publicaram meu artigo “Quem é Você, Povo de Israel?”.

Isso também é um avanço, após o qual é muito mais fácil para nós falarmos com a imprensa. Agora, a revista Time está à espera de nosso próximo artigo e outras editoras têm oferecido espaço para as nossas publicações em seus jornais.

Do Que Depende o Bem-Estar do Mundo?

Pergunta: Por que o interesse das principais publicações do mundo em seus materiais surgiu este ano?

Resposta: Em princípio, o mundo está num estado de impasse e ninguém tem um plano de ação. Nós vemos que os governos de todos os países não sabem o que fazer.

Eles estão tentando encontrar algum caminho razoável no mundo e na existência da humanidade. Mas nem a filosofia nem a ciência dão uma resposta. Tudo em que os seres humanos se envolvem está num estranho estado de crise.

A crise é um fenômeno muito interessante. Primeira ela parecia ser mais ou menos clara, mas agora não é. O problema é que a humanidade não se elevou acima de seu egoísmo, e aqui a manifestação da crise ocorre em diferentes níveis: no colapso da família, na taxa de natalidade em queda, no desemprego e no declínio geral em todas as esferas da atividade humana.

Não há países felizes. Pelo contrário, tudo está se desintegrando e se desintegrando gradualmente como um castelo de cartas. O bem-estar do mundo depende de quão bem nós começamos a interagir uns com os outros e com a natureza. Isto é o que a sabedoria da Cabalá nos diz.

De KabTV “O Ano Novo” 25/12/14

Sobre Eleições E O Grande Benefício Da Unidade

Dr. Michael LaitmanPergunta: Naturalmente existem muitos partidos políticos e muitas opiniões em todos os países, mas a luta constante entre eles supera os danos na sociedade. Como pessoas que têm opiniões diferentes podem se unir de modo a trabalhar em conjunto?

Resposta: A unidade é possível somente entre pessoas que têm um objetivo comum, tal como o bem-estar da sociedade ou a existência real do país, que é mais forte do que quaisquer divergências e interesses próprios. Se estamos sob um ataque inimigo e há uma ameaça externa, todos nós nos unimos, esquecendo assim o ódio que sentíamos um pelo outro anteriormente. É porque a ameaça externa extingue todas as nossas diferenças e todos nós lutamos contra um inimigo comum.

Mas, no momento em que a guerra acaba e nós conseguimos derrotar o inimigo e remover a ameaça, o nosso ego acorda e mais uma vez começamos a lutar uns com os outros.

Pergunta: Como é possível se unir na ausência de uma ameaça externa, em tempo de paz, apesar das diferenças entre nós e das disputas sobre diferentes opiniões e interesses.

Resposta: Isso é possível se nós vermos uma vantagem tão grande em tal unidade que, sem ela, as nossas vidas estariam fadadas ao fracasso absoluto, tal como quando enfrentamos um inimigo implacável. Nesse caso, nós seremos capazes de unir todos os partidos políticos em um.

Nós podemos ser salvos de uma dessas duas coisas: de um desastre comum ou de esperar um grande benefício que é percebido como sendo maior do que a nossa vida, de outra forma seria impossível unir. Isso significa que as pessoas vão lutar por aquilo que é mais importante para elas, e vão ver isso como o maior sucesso em suas vidas.

As pessoas devem perceber que, sem a unidade, tudo vai ser arruinado. No entanto, isso só é possível atualmente quando há uma ameaça externa, em tempo de guerra. Se um dos principais partidos ganha uma eleição, como nos Estados Unidos, por exemplo, onde há democratas e republicanos, a vitória de um partido significa que a outra parte perdeu, e eles só podem se unir para derrotar um inimigo comum.

Mas essa unidade pode ser sustentada apenas com uma condição. No momento é claro que se o inimigo foi derrotado, a luta entre eles é reiniciada imediatamente. Para que eles se unam sob o medo de uma ameaça externa, eles devem ver que há muito a ganhar, um futuro brilhante que promete unidade e o fim de uma luta destrutiva.

É devido à superação de sua discussão e à chegada a um acordo mútuo que eles podem alcançar um nível especial de vida, prazer, honra, poder, lucro, e maiores ganhos.

A pessoa deve ver uma grande vantagem na unidade. Ela só vai concordar com a unidade se ela se preocupar com a sua existência em face de um inimigo ou na espera de um enorme ganho através da unidade.

Portanto, as pessoas devem ser introduzidas à educação integral, de modo que elas vão ver que ao se comportar de certa maneira, suprimindo o ego e unindo-se com os outros, a fim de trabalhar em conjunto, todos vão receber um incrível ganho infinito.

De KabTV “Uma Nova Vida” 23/12/14

Eleições Onde Todos Ganham

Dr. Michael LaitmanBaal HaSulam, “Exílio e Redenção”: Por isso, eu tenho a honra de propor à Casa de Israel a dizer para os nossos problemas, “Basta!” E, no mínimo, fazer um cálculo humano em relação a essas aventuras que eles nos infligiram repetidamente, e também aqui no nosso país. Nós queremos começar a nossa própria política, visto que não temos esperança de nos agarrar ao chão como uma nação, já que não aceitamos nossa sagrada Torá sem atenuantes.

Baal HaSulam exige uma investigação da matéria para se convencer de que nós simplesmente não temos escolha, caso contrário, não podemos nos livrar de nossos problemas. Mesmo um cálculo egoísta mundano é suficiente. O fluxo infinito de problemas não vai nos deixar qualquer vislumbre de esperança de algo bom. Não há como escapar desta rota.

De um ponto de vista racional, nós não temos sequer uma mínima chance de reduzir o sofrimento, sem mencionar se livrar dela, contanto que não começamos a realizar o que é exigido de nós.

Só então, e não antes disso, é que estaremos numa situação diferente, que será totalmente oposta à situação atual. É somente desta maneira que conseguimos nos afastar dos nossos problemas sem fim.

Esta conclusão é correta e válida mesmo se quisermos uma boa vida com base na segurança, bem-estar e saúde. Nos “Escritos da Última Geração”, Baal HaSulam acrescenta: Esta nação é muito pobre, e seus habitantes vão sofrer muito no futuro; pois sem dúvida eles ou seus filhos serão gradualmente arrancados desta terra no futuro e ninguém será deixado exceto uma quantidade insignificante que no final vai se misturar com os árabes.

Pergunta: Como nós podemos transmitir essa mensagem à nação, que mais uma vez mergulhou no tumulto de eleições antecipadas com todos os seus slogans e promessas?

Resposta: A nossa abordagem é muito mais realista. Em última análise, por trás das palavras de ordem, é difícil encontrar diferenças fundamentais entre os candidatos. Então, por que eles não concordam com a rotação desta posição entre si? Eles poderiam dividir o seu mandato em iguais períodos de tempo e assim se sucederem. Ao longo do caminho, nós não sentimos nenhuma diferença.

Eu não estou brincando. Afinal de contas, uma rotação deste tipo tem a finalidade dos concorrentes se ajudarem durante a vigência do seu mandato, de modo que importaria quem está “no topo” no momento. Uma aliança como essa traria muito mais benefícios para todos. Depois que todos os lados assinassem um acordo adequado, eles parariam de colocar obstáculos no caminho de cada um. Por isso, o melhor que as pessoas são capazes de fazer hoje é sair e declarar: “Chega! Parem com essa bagunça, nós não acreditamos em suas promessas de qualquer maneira. Sim, certamente vocês querem investir toda a sua energia para o bem de Israel e esta área em geral. Mas nós não queremos os detalhes e não pretendemos votar em ninguém. Nós escolhemos a unidade”.

Aos meus olhos, esta é a única solução. Não é tão impossível realizar isso como pode parecer.

A rotação não se estenderá apenas para o primeiro-ministro, mas também para os assentos dos ministros. Como resultado disso, todos os campos políticos vão trabalhar em cooperação e se apoiar, a fim de obter apoio no momento da sua vitória. Imagine que todos eles comecem a servir as pessoas por acordo mútuo.

Isso só será possível quando o povo realmente encher o saco e declarar: “Basta com essas lutas teatrais. Nós não queremos mais participar deste jogo”,

Vamos tentar?

O problema é que as pessoas hoje não estão prontas para fazer isso. Apesar de tudo, se quisermos soluções rápidas e práticas, esta rotação é a melhor solução. Ela deixa os detalhes com os quais os políticos só causam desconexão e separação entre nós nos bastidores. Pelo contrário, todos se tornam corretos e bem sucedidos.

Cada um deles por si só não é importante. Nós já sabemos muito bem que os programas agradáveis ​​e slogans energéticos não serão materializados. Assim, a melhor coisa é trazer todos eles a um denominador comum para unir o espectro político.

Assim, em geral, não vai fazer diferença para nós o que cada bloco político apresenta separadamente. A principal coisa é que eles vão se conectar e se apoiar em vez de obstruir os outros e bloquear o caminho para eles, deixando o país sem nada. É preferível que cada um tenha a sua parcela de controle sem irritar os outros, trabalhando em conjunto com eles.

Pergunta: Portanto, o que deve acontecer para que isso seja realizado?

Resposta: Isso depende das pessoas e não dos líderes. O que é necessário aqui é o conhecimento geral, um programa de educação. Afinal de contas, nós certamente vemos que de outra forma as pessoas vão viver suas vidas, e que o governo, não importa qual for, vai viver sua vida.

Da 5ª parte da Lição Diária de Cabalá 22/12/14, Escritos do Baal HaSulam

A Luta Constante Da Vida

Dr. Michael LaitmanPergunta: Este tópico ardente das relações se tornou extremamente importante em nosso tempo nos círculos dominantes e seu impacto negativo na sociedade sob a sua liderança.

Governos são substituídos, mas cada vez que a mesma situação retorna. Apenas os atores e as forças mudam, mas a dinâmica permanece a mesma.

Existem vários partidos principais que lutam pelo poder, e eles estão constantemente em guerra uns com os outros, tentando desarmar o outro. Se eu o venço hoje, tudo que você faz a partir deste momento até a próxima eleição é tentar me derrubar.

Assim, um político que chegou ao poder e pretendia fazer alterações concebidas por ele é incapaz de fazer qualquer coisa porque o resto de seus adversários está se esforçando em ter certeza que ele falhe.

A próxima eleição chega, alguém ganha, e todos os outros adversários começam a interferir e tentam derrubá-lo. Tudo retorna à estaca zero. Nesta altura, todo o país está sofrendo com o fato de que os políticos estão tentando culpar uns aos outros dentro do governo. Isso só prejudica mais os cidadãos.

Esta é a nossa realidade hoje. Por que ocorre esta luta sem fim e, mais importante, como podemos mudar as coisas para melhor?

Resposta: É natural que exista uma luta pelo poder, porque todos nós somos egoístas. Uma pessoa que batalha pelo poder muitas vezes é mais egoísta do que uma pessoa simples, porque ela se eleva a este nível. No aparato da decisão, um ou duas centenas de líderes e vários milhares de funcionários são os maiores egoístas de todos.

Portanto, existe um ambiente muito aquecido e agressivo onde problemas, suborno e fraude estão concentrados. Isso é natural. Esta não é uma propriedade de um país em particular porque acontece em todos os lugares. Em alguns países é menos pronunciado, como na Escandinávia, que é tradicionalmente caracterizado por uma forma bastante tranquila de vida e valores socialistas.

A mesma luta pelo poder acontece em todos os outros países da Europa e nos Estados Unidos. Na medida em que os países se desenvolvem, eles se tornam jogadores nos mesmos jogos governamentais. É como um caldeirão fervendo que ferve continuamente em cima de uma forte chama versus ferver em fogo baixo.

Pergunta: Digamos que nós temos políticos que concordaram ir às urnas em conjunto, e conseguiram ganhar em uma coalizão. Antes disso, nós tínhamos um interesse comum que nos unia. Nós chegamos ao poder e fomos capazes de ter reformas úteis. Se continuarmos a trabalhar em conjunto, pelo menos nessa cadência, as coisas vão bem.

Mas isso não funciona! Apesar do interesse geral de permanecer no poder, não podemos agir como parceiros. Há intermináveis jogos egoístas ​​e intrigas, que não nos permitem alcançar qualquer sucesso. Por que isso acontece?

Resposta: Estes são jogos egoístas que não podem ser evitados. O egoísmo nos queima por dentro e exige que subamos cada vez mais alto, caminhando sobre a cabeça das outras pessoas para chegar lá. Apenas neste caso a pessoa se sente bem sucedida, forte, e especial. Portanto, esse egoísmo, ainda engajado numa luta, pega uma nova intriga sem qualquer motivo justificável. Esta é a vida do egoísmo, caso contrário ele não se sente vivo.

Comentário: Mas, no final, isso prejudica a todos, inclusive a pessoa que começou o conflito.

Resposta: Não importa. Enquanto esta intriga ocorre, ela preenche nossas vidas. O nosso egoísmo nos incita a lutar, mesmo em situações em que não há quase nenhuma chance de ganhar. Nós nos tornamos conscientes de que estamos numa perda e ainda nos dirigimos rumo ao conflito, porque não podemos manter uma vida tranquila. Na realidade diária, não há piadas nem vida. A luta egoísta, conflitos e atritos nos dão um sentido de vida.

É por isso que nos engajamos na luta social como clãs mafiosos rivais ou como crianças que lutam no quintal. Meninos brigam o tempo todo, mesmo que sejam irmãos. Caso contrário, eles não se sentem como se estivessem vivos. Se forçarmos todos a se sentarem calmamente no canto, isso se torna simplesmente morte para essas pessoas.

A luta reside na nossa natureza egoísta, e é por isso que todos estão suscetíveis a ela, começando com as crianças pequenas até os principais políticos.

De KabTV “Uma Nova Vida” 23/12/14