Textos na Categoria 'Novas Publicações'

“Antissemitismo Europeu: Mais Franco E Difundido” (The Times Of Israel)

O The Times of Israel publicou meu novo artigo: “Antissemitismo Europeu: Mais Direto E Difundido

Eu emigrei para Israel há 45 anos. Quando eu era jovem e morava em Leningrado (hoje São Petersburgo, Rússia), andando um dia pela rua da cidade, testemunhei um homem atacando violentamente um judeu e instintivamente intervi para protegê-lo. O agressor foi preso e fui levado para a delegacia para fazer uma declaração de testemunha. Quando perguntei ao policial que tipo de punição o agressor receberia, ele respondeu: “Duas semanas de prisão”, explicando que tal comportamento não seria tolerado, e acrescentou: “Eu não ligo para o que ele estava pensando ou sentindo, nós recebemos instruções de alto nível para parar os antissemitas porque eles ajudam os sionistas. Se houver o antissemitismo visto aqui, mais judeus vão querer deixar a Rússia para Israel e isso não é do nosso interesse. Os judeus são uma força útil e benéfica: trabalhadores, engenheiros, cientistas, professores, médicos. Queremos que continue assim, por isso lutamos por isso.

Naquela época, se alguém ousasse dizer uma palavra que soasse antissemita, ele seria mandado para a cadeia. Portanto, mesmo se no fundo o policial tivesse sentimentos antissemitas, ele nunca os expressaria externamente. Mas o que eu entendia da explicação do oficial era que os judeus não eram necessariamente amados, na verdade eram odiados, mas eram necessários para promover os interesses nacionais e, portanto, eram úteis a serviço do orgulho da nação. Afinal, se os judeus fossem expulsos, quem seriam os campeões de xadrez ou exploradores espaciais? Não é que os judeus fossem tão ousados ​​ou dominassem todas as posições-chave, mas tinham profissões respeitáveis ​​e sólidas. Depois disso, a situação mudou. No ponto em que os judeus se tornaram banqueiros ou ricos sem nenhuma outra contribuição para fazer além de serem ricos, eles não eram mais considerados indispensáveis. Portanto, o antissemitismo aberto, uma vez proibido, foi gradualmente autorizado a emergir.

Essas lembranças da minha juventude voltam hoje quando vejo o futuro incerto dos judeus europeus, particularmente da perspectiva da nova geração. Enquanto eles não estão sendo formalmente expulsos de seus países de origem, eles podem ser forçados a sair pelo crescente antissemitismo. Uma vez que a contribuição judaica para a sociedade parece ser negligenciada e não reconhecida hoje em dia, o escudo protetor associado em torno deles também foi virtualmente levantado. Hoje, quatro de dez jovens judeus europeus não se sentem seguros e consideram emigrar devido ao antissemitismo desenfreado em seus países, de acordo com uma pesquisa recente conduzida pela União Europeia. Por mais preocupante que possa parecer, eu vejo isso como um relatório positivo, pois ele esclarece a luz necessária sobre um problema que pede para ser solucionado sem demora. O apelo à ação é claro: começar a trabalhar para se unir como judeus, tornar-se um corpo diversificado e ao mesmo tempo monolítico. Como tal, estaremos seguros em qualquer lugar em que vivemos.

O antissemitismo não ressurgiu na Europa, na verdade nunca saiu. No atual clima mais permissivo, ele agora se exibe de maneiras mais abertas, evidentes e difundidas a partir de uma miríade de direções: neonazistas, a extrema esquerda e o islamismo radical. Ele está levantando a cabeça online e nas ruas das principais cidades europeias. A França, por exemplo, experimentou um aumento de 74% em incidentes antissemitas no ano passado. A Alemanha e o Reino Unido registraram números recordes de crimes de ódio contra judeus, com um número médio de 100 casos por mês por país, de acordo com grupos de monitoramento.

Não surpreende, portanto, que a nova pesquisa encomendada pela Agência de Direitos Fundamentais da União Europeia tenha revelado que mais de 80% dos entrevistados entre 16 e 34 anos percebem um aumento do antissemitismo ou sofreram assédio antissemita em seus países de origem. Metade deles prefere não usar ou carregar itens que os identifiquem abertamente como judeus.

A perda de segurança entre os judeus europeus não deve ser aceita como uma nova norma. Além disso, não devemos esperar que a situação se agrave antes de reagirmos. Como está escrito por nossos sábios no livro Shem Mishmuel: “Quando Israel é ‘como um homem com um só coração’, eles são um muro fortificado contra as forças do mal”. Isso significa que, para permanecer firmes como um só diante dos grandes desafios, a jovem geração de judeus se depara com o Velho Continente e com outras partes do mundo, nosso objetivo único, como judeus, deve ser focar em nossa conexão como povo.

Por que a unidade pode garantir nossa segurança? É assim porque a pressão contra nós das nações do mundo está enraizada em seu sentimento instintivo de que os judeus estão deixando de cumprir seu papel, que é unir-se. Conectando acima de todas as diferenças, os judeus fornecem um exemplo para o mundo, um mundo tão faminto de tranquilidade, paz e satisfação. Portanto, as exigências externas ao povo judeu são expressas como ódio que não cessará até que entreguemos o remédio revelado a nós para curar um mundo doente.

Esta é a razão pela qual o bom futuro para todos depende exclusivamente de nós. Esta é a contribuição para a sociedade humana que devemos entregar. Como foi escrito pelo maior Cabalista de nossa geração, Rav Yehuda Ashlag (Baal HaSulam), “É a sabedoria da fé, justiça e paz que a maioria das nações aprende de nós, e essa sabedoria é atribuída somente a nós”. ( Os Escritos da Última Geração)

Quando nós, judeus, estamos unidos, temos êxito. Quando nos esquecemos de quem somos e caímos na separação e no ódio, nossos inimigos caem sobre nós. Nossa união é nossa força, e quando finalmente revivermos nosso amor fraterno, nenhum inimigo poderá nos ferir e descobriremos que o caminho para a paz é amplo e sem fronteiras.

“Se Você Estivesse Doando Para Combater O Antissemitismo, Onde Você Doaria?” (The Times Of Israel)

O The Times of Israel publicou meu novo artigo: “Se Você Estivesse Doando Para Combater O Antissemitismo, Onde Você Doaria?

O crescente antissemitismo e o financiamento para combatê-lo

Até agora, os esforços globais para combater o antissemitismo foram direcionados para aumentar a inteligência, o monitoramento e a segurança das comunidades judaicas em todo o mundo. Outro objetivo foi lidar com a crescente onda de antissemitismo online e com o crescente apoio do movimento BDS. Esse é o foco principal de uma fundação de US$ 20 milhões que o filantropo judeu Robert Kraft planeja estabelecer.

Enquanto isso, na Europa, dois doadores suecos prometeram US$ 4 milhões para, em suas palavras, “incutir alguma esperança na população judaica”. Os fundos visam aumentar a segurança dos judeus em Malmo, na Suécia, onde vários incidentes e ameaças antissemitas são relatados anualmente. Situações semelhantes são experimentadas na França, na Alemanha e no Reino Unido, entre outros países europeus.

No entanto, todos esses esforços são soluções temporárias que não conseguem lidar com a causa do problema do crescente antissemitismo. A causa do antissemitismo é o fracasso do povo judeu em aceitar sua identidade e a missão de se unir para ser um canal para a disseminação da unidade no mundo.

Portanto, combater o antissemitismo em sua base causal significa implementar uma solução única e abrangente: a educação e a promoção da unidade acima da divisão.

Que forma de educação pode garantir à humanidade um futuro harmonioso?

Simplificando, a educação precisa se concentrar em unir o povo judeu sob o princípio do “ama o próximo como a si mesmo” para que eles sejam um canal para a unidade se espalhar por todo o mundo (“uma luz para as nações”). Os ricos que querem fazer uma diferença crítica no mundo precisam, portanto, investir em organizações que lidam com a educação visando unir o povo judeu.

Por que a unidade judaica é tão importante?

O povo judeu recebeu seu nome da conquista de um estado de unidade espiritual (a palavra hebraica para “judeu” [Yehudi] vem da palavra para “unido” [yihudi] [Yaarot Devash, Parte 2, Drush no. 2]). Eles não compartilham nenhuma conexão biológica como judeus, já que são um povo que veio de todas as partes da antiga Babilônia, reuniram-se na tenda de Abraão e se uniram quando, usando o método de unificação de Abraão, miraram a percepção e a sensação do estado espiritual de unidade, purificado de quaisquer motivos egocêntricos.

Por que essa forma espiritual não biológica de unidade é tão importante hoje em dia?

Porque precisamente hoje, visto que o ego humano cresceu a proporções exageradas, estamos em uma humanidade que experimenta uma crescente divisão social e uma miríade de problemas pessoais, sociais e globais em escala decorrentes de um crescente desengajamento interno entre as pessoas. Além disso, a crescente diversidade social e a mistura de culturas, economias e tecnologias em uma mistura globalmente interligada exigem um método que possa unir o emaranhado mais denso dando sentido a ele.

À medida que as pessoas sofrem mais com o aumento da divisão social, elas instintivamente sentem que os judeus são culpados por seus problemas. Isso porque, uma vez que o povo judeu havia alcançado um estado unificado “como um homem com um coração”, as nações do mundo têm um pressentimento de que os judeus estão retendo “algo de bom” delas. E tanto as nações do mundo como os judeus estão inconscientes quanto ao que esse “bem” realmente é: uma sociedade harmoniosamente unificada, a chave para a felicidade e segurança de todos.

Quanto mais as nações do mundo sentirem problemas e crises em suas vidas, mais inconscientemente culparão os judeus, assinalando qualquer sujeira para os judeus que possam obter (ou fabricar), sem saber que existe um ódio profundo dentro delas, precedendo todas as suas manifestações corporais. À medida que a divisão social e seus subprodutos de ansiedade, estresse, xenofobia e extremismo aumentam, e à medida que o sofrimento no mundo aumenta, os judeus serão encurralados cada vez mais, e uma intensificação de ataques e ameaças ao povo judeu pode ser esperada.

O Cabalista Yehuda Ashlag (Baal HaSulam) descreve esse fenômeno em sua Introdução ao Livro do Zohar:

“Em tal geração, todos os destruidores entre as nações do mundo levantam suas cabeças e desejam destruir e matar os filhos de Israel, como está escrito (Yevamot 63), ‘Nenhuma calamidade vem ao mundo a não ser para Israel ‘ Isso significa, como está escrito nas correções acima, que eles causam pobreza, ruína, roubo, assassinato e destruição em todo o mundo.

Hoje, as nações do mundo percebem inconscientemente que o povo judeu, ou Israel, está falhando em implementar e exemplificar uma unidade digna de replicação na sociedade humana. A reação natural é que elas pressionem os judeus, o que aumenta o antissemitismo. Por outro lado, assim que os judeus se unirem, trará também a unidade de todas as nações do mundo e sentirão uma riqueza de bondade e bem-estar fluindo de Israel.

No que os doadores que querem combater o antissemitismo devem investir?

Com o entendimento de que, a fim de obliterar completamente o antissemitismo, a unidade judaica é necessária para ser um canal para a unidade da humanidade, os doadores devem investir, antes de mais nada, em um plano educacional abrangente em Israel. Ele precisa cobrir a educação e a promoção da unidade judaica em múltiplas plataformas, a mídia de massa, bem como cursos locais e online, programas e eventos que servem para ativar uma mudança em direção a uma sociedade que aprende a unir os impulsos egocêntricos divisórios de seus membros.

O objetivo deste plano educacional seria que um novo e exaltado espírito de unidade se difundisse na sociedade humana em todo o mundo: uma percepção ampliada da realidade. O estado pode ser comparado a acordar de um coma e nos encontrar em uma sensação de nossa consciência coletiva.

Ao aumentar a apreciação da intenção comum de beneficiar o próximo, a sociedade recém-unificada seria uma sociedade muito mais feliz, pacífica e amorosa. O antissemitismo seria então desenraizado completamente. Isto é, não é só que não haveria ódio aos judeus, o ódio seria substituído pelo amor e apreço por esse povo unido, espalhando a harmonia por todo o mundo.

“Com total perfeição, isso será completado dentro da casa de Israel, e dela irradiará para a terra e para o mundo inteiro, ‘por um pacto do povo, por uma luz das nações”. Rav Abraham Isaac Kook Ein Ayah (O Olho do Falcão)

“A Mudança Climática Não É O Problema – O Problema É A Falta De Mudança Humana” (Newsmax)

Meu artigo na Newsmax: “A Mudança Climática Não É O Problema – O Problema É A Falta De Mudança Humana

A natureza nos enviou recentemente fortes lembretes de seu imenso poder.

Dois grandes terremotos – os mais fortes em décadas – atingiram o sul da Califórnia nos últimos dias. Uma chuva de granizo extrema atingiu o México. Enquanto isso, o Alasca experimentou temperaturas recordes no verão e, do outro lado do Atlântico, uma onda de calor sem precedentes tomou conta da Europa, provocando incêndios florestais e causando alertas emergenciais de saúde.

Enquanto nós humanos nos sentimos desamparados sob estas dificuldades, é precisamente no nível humano, o maior e mais influente em todo o sistema da natureza, que se pode equilibrar o planeta. Como? Melhorando a qualidade das relações humanas. Fazer isso teria um impacto muito mais positivo em nosso planeta do que os tratados climáticos e as campanhas ecológicas jamais poderiam ter.

A retirada dos EUA do Acordo Climático de Paris tem sido criticada pela comunidade internacional com alegações de que a ação ignora a extrema urgência de enfrentar o problema da mudança climática.

Mas eu concordo com o presidente Trump que limpar o ecossistema não toca no ponto crucial do assunto, mesmo que muitas pessoas acreditem que seja a panaceia. Bilhões de dólares devem ser investidos em medidas destinadas a não produzir nenhum efeito ecológico positivo. Em vez disso, os fundos devem ser atribuídos à educação para construir relações mais harmoniosas entre as pessoas, cuja realização se manifestará na criação de um mundo melhor em todos os aspectos.

Como melhorar as relações humanas tem um efeito positivo na ecologia? Podemos entender como, olhando brevemente os quatro níveis da natureza: inanimado, vegetativo, animado e humano. Cada nível subsequente mais alto é mais poderoso e controla o nível abaixo dele. Portanto, mudar a trajetória da natureza como um todo para um curso positivo só pode ser alcançado a partir do nível humano, o mais desenvolvido e fundamental de todos. Por enquanto, os impactos humanos no sistema são negativos, mas podem ser transformados em positivos. Devemos entender que a modificação do sistema natural não funciona como é comumente pensado, agindo para salvar o equilíbrio ecológico, seja salvando árvores ou certas espécies animais, parando a poluição dos oceanos ou do ar, ou uma miríade de outras ações que possamos inventar para tentar ser mais ecologicamente corretos. Nenhuma dessas ações ajudará o meio ambiente porque elas não tocam a causa fundamental de sua perturbação.

Onde está então o problema fundamental com a ecologia? O problema está nos seres humanos, ou mais precisamente, em como nos relacionamos uns com os outros. Por causa do nosso ego humano inato, nosso desejo de desfrutar às custas dos outros, nós pisamos em tudo e em todos – incluindo a natureza – para fazer isso. Portanto, a fim de trazer um novo nível de equilíbrio ecológico, tudo o que precisamos fazer é reparar as conexões no próprio nível humano.

Mesmo que amanhã toda a humanidade deixasse de poluir o meio ambiente, parasse de queimar combustíveis fósseis, ou evitasse usar pesticidas, continuaríamos a ver desastres ecológicos vindo de todas as direções, porque acima de todos os outros níveis ecológicos da natureza, as relações humanas –  o aspecto mais influente da natureza – permaneceriam quebradas. Nossas relações exploradoras, manipuladoras e abusivas de uns para com os outros continuariam a causar ondulações negativas em todos os níveis da natureza, criando um feedback negativo sobre nós como a reação negativa da natureza à contribuição humana.

Se, em vez disso, criarmos conexões emocionais positivas para trazer equilíbrio entre nós e a natureza, não teríamos, no entanto, que fazer as muitas ações ecológicas recomendadas em paralelo?

Pode ser uma surpresa, mas não. Por quê? Porque a natureza, de um nível superior, cuidaria de equilibrar todos esses fenômenos. O princípio aqui é que o nível superior que governa a natureza é capaz de corrigir todas as corrupções de seus níveis inferiores. Na sabedoria da Cabalá, esse princípio é chamado de “o amor cobre todas as transgressões”.

Uma vez que atualmente temos atitudes corruptas em relação aos outros, em que nos relacionamos através de lentes consistentemente egoístas – autobenefício às custas dos outros – não podemos consertar nada nos níveis inferiores (inanimado, vegetativo ou animado) porque simplesmente inserimos nossa atitude egoísta no sistema e isso nos retroalimenta negativamente. Investindo apenas no nível humano, ou seja, nas conexões humanas positivas, também ativamos a mudança mais rápida e dinâmica possível: no momento em que causarmos uma mudança positiva nas relações humanas, os níveis mais baixos da natureza experimentarão efeitos positivos imediatos.

Quão rápido e longe devemos nos mover para salvar o planeta e a nós mesmos? Todos nós precisamos alcançar relações harmoniosas imediatamente, ou basta termos uma tendência para conexões positivas? Se eu apenas começar a me mover em direção ao objetivo de “ama seu amigo como a si mesmo”, por mais remoto que pareça, então, mesmo dando o primeiro passo em direção a ele, já causarei um impacto em todo o sistema natural. Por quê? Porque minha atitude mudou.

Ao mudar minha atitude em relação à natureza, ou seja, querendo me relacionar global e integralmente, como um único sistema unificado, e com uma atitude amorosa e carinhosa, mesmo que eu tenha acionado apenas um gatilho nessa nova direção, eu ativei todo o sistema em direção à unificação positiva. Nada além disso é exigido de nós.

Nós precisamos apenas lidar com as relações humanas. Os níveis inferiores da natureza se ajustarão e se equilibrarão conosco quando harmonizarmos nossas conexões mútuas. Portanto, tudo o que precisamos é o tipo de educação e influências que nos colocarão no caminho para alcançar uma conexão humana positiva, a fim de poder desfrutar de uma vida harmoniosa, equilibrada com todo o sistema da natureza.

“Armas Na Sinagoga? Desencadeando A Verdadeira Arma”(The Times Of Israel)

O The Times of Israel publicou meu novo artigo: “Armas na Sinagoga? Desencadeando A Verdadeira Arma

O aumento dos crimes de ódio abriu o debate sobre o uso de armas de autodefesa entre a comunidade judaica americana. “Vivemos em uma época de perigo”, afirmou o funcionário dos EUA para combater o antissemitismo, Elan Carr, em uma recente conferência em Jerusalém. Carr sugeriu colocar guardas de segurança em todos os templos, centros comunitários e escolas judaicas na América. Um rabino em Boston apoia essa visão, propondo que seus membros carreguem armas para a sinagoga para proteção. Outros já estão treinando com armas de fogo. É melhor prevenir do que remediar, mas estas são soluções temporárias para um problema que só pode ser resolvido de outro nível: através da unidade judaica.

Os ataques mortais em Pittsburgh e Poway, na Califórnia, levaram a medidas de segurança em instalações judaicas nos Estados Unidos. Os incidentes contra a comunidade judaica aumentaram 57% de 2016 para 2017, o maior em 20 anos e o maior aumento em um ano na história, de acordo com a Anti-Defamation League (ADL – Liga Anti-Difamatória). Embora os supremacistas brancos sejam responsáveis ​​pelos recentes ataques e ameaças às sinagogas, o terrorismo e a violência inspirados pelo extremismo islâmico “continuam a representar uma séria ameaça para os americanos”, diz um relatório recente do grupo de vigilância antissemitismo. Ele afirma que, a partir de junho, três pessoas foram presas por planejar ataques terroristas islâmicos que incluem alvos judaicos.

O sentimento de desconforto e a ameaça que os judeus enfrentam nos Estados Unidos são, na verdade, um alerta para refletir sobre nosso estado como nação e seguir o que a Torá nos manda: conectar-se pelo princípio do “ama o próximo como a si mesmo”, irradiando essa força positiva globalmente.  Se não fizermos isso, os não-judeus perceberão nossa desunião como a causa de seus problemas, pressionando-nos através de atos violentos. Portanto, até nos unirmos acima de nossas diferenças, o antissemitismo só piorará. Armar-nos simplesmente nos dará uma sensação falsa e vazia de segurança.

Atualmente, não percebemos como a unidade da humanidade depende da unidade judaica. Ambas estão profundamente inter-relacionadas, já que os judeus têm um papel central no bem-estar do mundo.  Como está escrito na “Introdução ao Livro do Zohar”, “Israel se refere à parte interna do mundo, enquanto as outras nações são consideradas sua parte externa”. Esse papel central particular dos judeus também é explicado naquele texto principal como “um homem de Israel eleva sua parte material exterior sobre a interior, espiritual, e a parte externa (os elementos grosseiros e prejudiciais nas nações do mundo) se eleva sobre a parte interna (os justos entre as nações do mundo) e calamidades e guerras sobrevêm ao mundo”.

Portanto, a unidade deve ser nossa prioridade. Ao nos aproximarmos uns dos outros, estreitando a enorme lacuna que atualmente nos separa, nos tornaremos um exemplo para a humanidade. O poder da unidade fará com que qualquer forma de ódio contra os judeus desapareça. Não é apenas a arma mais forte – é a única arma que pode garantir paz e segurança.

“Shavuot: Iluminando Israel E O Povo Judeu” (The Times Of Israel)

O The Times of Israel publicou meu novo artigo: “Shavuot: Iluminando Israel E O Povo Judeu

“Israel está todo bagunçado com a sua eleição … Eles devem agir juntos”, disse o presidente Trump em relação à incerteza política neste país indo às urnas pela segunda vez este ano. Ele está certo, mas é apenas um sintoma do problema mais amplo da sociedade israelense profundamente fragmentada, que carece de uma visão comum sobre seu futuro, um estado de divisão também existente nos judeus americanos, bem como entre Israel e a diáspora. O tempo de Shavuot e tudo o que ele representa não poderia ser mais relevante. O feriado simboliza a recepção do guia para a correção espiritual do nosso povo, a recepção da Torá, ou em outras palavras, o caminho para sair da bagunça.

O que foi realmente dado a nós no Monte Sinai? A Torá não é uma crônica sobre eventos passados. Pelo contrário, ela descreve o momento seminal em que o nosso futuro se torna decidido, quando uma resposta clara é exigida de todos nós: estamos prontos para aceitar a garantia mútua (Arvut) como a lei da vida? Exatamente esta é a Torá: instruções sobre como corrigir nossas relações destruídas e, em vez disso, nos tornarmos fiadores uns dos outros amando nossos próximos como a nós mesmos.

Este é precisamente o objetivo para o qual a Torá nos foi dada. No entanto, devemos constantemente renovar nosso estado de merecimento para a recepção da Torá, escalando a “montanha de ódio” (Sinah), o rugido da tempestade que enfurece dentro de nós. Para fazer isso, devemos nos unir, nos conectar uns com os outros, nos tornar “como um homem com um só coração” e ficar no pé da montanha. Em outras palavras, devemos compreender plenamente que nos são dadas condições muito importantes e rigorosas sob as quais devemos trabalhar com toda a diligência e a unidade sempre crescente.

Shavuot, como todos os feriados judaicos, traz um chamado à ação. O feriado é brilhante. É cheio de brancura e luz, mas o apelo à ação é bastante complicado de realizar. Nós nos deparamos uns com os outros; as pessoas são sufocadas pela indiferença, queimadas de raiva por aqueles com opiniões diferentes das suas. Estamos em um deserto de relacionamentos estéreis e desalmados. Se repentinamente reconhecermos como o egoísmo nos despedaça, se tentarmos nos conectar em um corpo integral e encarar nossa divisão interna aparentemente intransponível, perceberemos com clareza como precisamos desesperadamente de ajuda.

Esse estado de clareza que enfrentamos atualmente é uma oportunidade única para a união. Somente aumentando nossa conexão poderemos escalar a montanha cada vez mais alto, elevando-nos acima de nossa separação. Elevar-se significa aumentar continuamente nossa conexão acima de todos os problemas, dificuldades e distúrbios que encontramos para nos ajudar a superar cada vez mais e criar um vaso no qual a luz da Torá será gradualmente revelada.

Neste momento de reconhecimento que coincide com o feriado de Shavuot, temos a oportunidade de receber ajuda e instrução, uma força unificadora que pode aumentar nossa saúde social e nos deixar viver felizes. Este é o momento atual de desenvolvimento evolutivo em que nos encontramos: ou crescemos proativamente e começamos a usar a Torá de acordo com o seu propósito, para o bem da unidade acima de todos os desacordos, ou os duros golpes da vida nos forçarão a crescer.

A Torá, de fato, é a ferramenta mais poderosa que ainda temos que aprender a usar. Uma pessoa não pode usar essa ferramenta sozinha. O problema, no entanto, é que ainda não podemos trabalhar juntos para colocá-la em uso. A Torá nos fornecerá segurança e prosperidade e dará paz ao mundo, mas primeiro devemos nos acostumar com o fato de que ela funciona entre nós e não no indivíduo. O egoísmo, afinal, é revelado em relação às outras pessoas.

Portanto, a Torá destina-se a conectar a pessoa com o ambiente a qualquer momento e nível de desenvolvimento humano. Ela nos revela a força de bondade e amor que nos une. Começamos a sentir como devemos equilibrar nosso egoísmo, a inclinação ao mal, onde quer que ela seja revelada, com a força da bondade, e podemos então manter as duas forças como rédeas com as quais podemos avançar diretamente para a unidade e o amor, deixando-nos uma base sólida e brilhante do nosso futuro.

Para mais informações sobre Shavuot >>>>>>>>>>>>>> (em inglês)

Meus Artigos Na Mídia, Abril De 2019

Em Inglês:

Medium:

Is Basel III a Gold Standard for Human Relations?
3D Heart Printed in Israel Helps Think About What Really Makes Us Human

The Times of Israel:

Beresheet, Passover and the Space Between Us
We Shall Not Forget The Holocaust, Nor Why We Are Here
What Can Jews Learn from the San Diego Synagogue Shooting?

Breaking Israel News:

Passover 2019: The Exodus from Israel – A Record-Breaking 1.5 Million Israelis Travel Overseas for the Passover Seasonl

Newsmax:

Is Basel III a Gold Standard for Human Relations?

JewishBoston:

Passover: A Story of Hebrews Who Wanted to Be Egyptians

Linkedin Article:

Basel III: A Gold Standard for Human Relations?
Beresheet, Passover and the Space Between Us

“Eva Poderia Ser Eu” (The Times Of Israel)

O The Times of Israel publicou meu novo artigo: “Eva Podereia Ser Eu

Alemanha 2019: “Mais de 12 mil neonazistas estão ativos e preparados para usar a violência”, diz um relatório oficial alemão recente. É arrepiante perceber que este documento parece ter vindo do início da década de 1930, quando uma pequena menina judia respirou pela primeira vez em Budapeste, na Hungria. Aos 13 anos, durante a primavera de 1944, a jovem Eva Heiman manteve um diário pessoal como muitos adolescentes fazem atualmente nas redes sociais. Até que três meses depois, ela foi levada de sua casa para sua morte em Auschwitz. 75 anos se passaram desde então, e “Eva Stories”, um brilhante projeto no Instagram, traça sua vida e fornece um vislumbre “moderno” dos dias sombrios do Holocausto. Tragicamente, esses dias sombrios voltaram com o surgimento do antissemitismo na América e no mundo, e estes são sinais, como nossos sábios previram, para nos unirmos como a primeira e única libertação do povo judeu.

Enquanto nosso mundo cultural encolheu para uma tela de smartphone, nosso mundo interior precisa se expandir. Embora alguns levem o Holocausto às margens da memória histórica, devemos nos esforçar para investigar nosso passado e nosso futuro. Devemos exigir respostas para obter insights e lançar nova luz sobre a nossa realidade.

Se Eva estivesse realmente viva agora, ela se perguntaria: “Como seria possível que o antissemitismo levantasse sua feia cabeça em 2019 em todos os cantos do mundo e em todas as línguas depois de tudo o que aconteceu? Como é possível que os judeus ainda sejam o povo mais perseguido do mundo? Como esse ódio ardente irrompe em húngaros e alemães, bem como americanos e russos? Como pode ser que a brilhante mente judaica – aquela capaz de pilotar uma nave espacial para a lua, criar um coração artificial, ganhar prêmios Nobel e Oscar e construir plataformas de mídia social – não conseguiu derrotar o ódio contra nós ao longo de milhares de anos?”

Apesar de suas maneiras graciosas e seu sorriso inocente, Eva deve ter tido experiência suficiente para dizer: “Não, o ódio contra nós não provém do ciúme. As pessoas não nos odeiam porque somos os mais inteligentes, os mais bem-sucedidos e inventivos, e nem porque pensam que controlamos a mídia, os bancos e o comércio”.

Eva ponderaria a razão mais profunda do ódio incompreensível: “Será que talvez o antissemitismo seja uma lei da natureza, um fenômeno impossível de eliminar? São golpes da natureza nos implorando para parar e fazer uma pergunta mais profunda?

Certamente, depois de tudo o que ela experimentou, ela gostaria de ouvir o que os inimigos têm a dizer: “Os judeus são culpados por todo o mal humano. Eles só cuidam de si mesmos”.

Ela também retornaria às nossas fontes para aprender com nossos sábios e descobriria que, de fato, há uma conexão íntima e interna entre Israel e as nações do mundo. Ela se apressaria em descobrir exatamente o que isso significa: que os judeus são obrigados por natureza a preparar o caminho para a união de todas as diferenças. A obtenção da unidade humana é a única solução para todos os males do mundo, incluindo o antissemitismo.

A história de Eva pode simplesmente se tornar nossa, se não tivermos um testemunho ativo de como e por que o fanatismo e o ódio se desdobram em todo o mundo. A história de Eva deve ressaltar os perigos do antissemitismo e como sua magnitude e intensidade podem evoluir rapidamente e se espalhar. O ódio persiste e se fortalece a cada dia. Quando estivermos unidos e nos tornarmos exemplares da fraternidade amorosa, seremos capazes de iluminar o mundo para a unidade e eliminar todas as ameaças contra nós. Talvez então Eva finalmente postaria no Instagram as palavras que ela gostaria que fossem escritas em seu tempo: “Em Israel está o segredo da unidade do mundo”.

“Nazismo Sionista? Lições Aprendidas Para Evitar Um Novo Holocausto ”(The Times Of Israel)

O The Times of Israel publicou meu novo artigo: “Nazismo Sionista? Lições Aprendidas Para Evitar Um Novo Holocausto

Uma vez tabu e considerado vergonhoso, o véu sobre o antissemitismo foi levantado no mundo de hoje. O ódio para com os judeus agora se manifesta abertamente através da mídia, política dominante e atos extremamente violentos nas ruas e locais de culto. Ataques contra judeus duplicaram nos EUA, de acordo com grupos de vigilância americanos, enquanto europeus relatam um aumento de 70% em incidentes antissemitas somente na Alemanha. Essas estatísticas são um forte alerta para os judeus agirem para impedir um novo Holocausto. Precisamos tomar nosso destino em nossas próprias mãos unindo e implementando nosso papel como “uma luz para as nações” contra a crescente escuridão revelada entre as pessoas do mundo.

Agora é uma conjuntura crucial para examinarmos e aprendermos lições da história. Não devemos perder os sinais de uma catástrofe que se aproxima em um mundo onde não há para onde fugir. Você conhece a história do apoio inicial da Alemanha nazista ao sionismo? Há lições importantes para tirarmos desse ponto de equilíbrio histórico no tempo em que ainda era possível salvar os judeus da Alemanha da aniquilação.

Em 1933, quando o partido nazista chegou ao poder, cerca de dois meses depois da nomeação de Hitler como chanceler do Reich alemão, Leopold von Mildenstein chefiou a seção judaica do serviço de segurança do Partido Nazista. Sua tarefa era encontrar uma solução para a questão judaica, e o barão Mildenstein considerou a ideia sionista de que os judeus retornariam à sua pátria histórica na terra de Israel como a melhor solução. Ele concentrou seus esforços na tentativa de fortalecer os corpos sionistas na Alemanha e enfraquecer os que pediam a assimilação judaica na Alemanha. Em retrospecto, sua missão era na verdade salvar o judaísmo alemão.

A fim de promover a ideia de enviar judeus alemães para a Palestina Britânica, transformando a Alemanha em um Judenrein (uma área da qual os judeus são excluídos), o Dr. Kurt Tuchler, jurista e juiz judeu-alemão que atuou como sionista, representante do movimento na Alemanha, convidou Mildenstein para visitar a Palestina. A ideia era que ele escrevesse suas impressões sobre a visita à terra sionista emergente e apresentasse-as na imprensa alemã como um destino atraente para os judeus, encorajando os judeus a se mudarem para a então Palestina.

Na primavera de 1933, Mildenstein e Tuchler viajaram com suas esposas para uma visita de um mês ao Mandato Britânico da Palestina. A visita foi um sucesso de mídia que foi estendido para seis meses durante os quais uma série de artigos lisonjeiros chamados “Viagens Nazistas à Palestina” foram enviados e publicados no jornal nazista Der Angriff, editado por Joseph Goebbels, Ministro da Propaganda Nazista.

Mildenstein percorreu a pátria judaica, misturou-se com os pioneiros e colonos e escreveu com simpatia sobre suas conquistas em criar, segundo ele, um novo tipo de judeu. Ele descreveu de forma brilhante os judeus arando a terra, secando pântanos, cumprindo o sonho sionista e elogiando o sionismo como um movimento que beneficia grandemente os judeus.

Seguindo esta atividade pró-sionista alemã, e como uma lembrança da cooperação entre o Partido Nazista e a Associação Sionista Alemã, o jornal emitiu uma moeda com uma Estrela de Davi de um lado e uma suástica do outro, com a legenda “Um Nazista Viaja à Palestina”. Estas moedas de edição limitada foram dadas como presentes para novos assinantes do jornal nazista.

Por mais difícil que seja entender hoje, no início do período nazista na Alemanha, muito antes de qualquer um imaginar os horrores do Terceiro Reich, os alemães tentaram ajudar a trazer os judeus para Israel, oferecendo inclusive apoio financeiro. Eles construíram uma organização econômica especial projetada para ajudar os judeus alemães a imigrar sem perder um centavo, de modo que eles teriam todos os seus ativos financeiros aqui em Israel, assim como na Alemanha.

Após seu retorno à Alemanha, Mildenstein continuou suas atividades em apoio ao movimento sionista e até participou do 19º Congresso Sionista como representante oficial do Reich. Ele recrutou Adolf Eichmann para o esforço e, em 1937, enviou-o à Palestina para determinar se estava apta a absorver os judeus. Mas apesar de todos os esforços de apoio nazistas, os judeus da Alemanha vieram para Israel em números muito pequenos. A maioria não queria ir e Mildenstein falhou em sua missão.

Como resultado do fracasso do projeto, Mildenstein foi transferido de seu posto. Dois anos depois, foi nomeado deputado por Adolf Eichmann, que instituiu uma política completamente oposta que levou à implementação real da Solução Final para exterminar os judeus durante o período do Holocausto e da Segunda Guerra Mundial.

Todos nós conhecemos o trágico fim da história dos judeus sob os nazistas, mas ainda podemos usar suas amargas lições para evitar a nuvem cinza antissemita que ameaça os judeus mais uma vez de se aproximar de nós. A situação dos judeus em todo o mundo hoje é pouco diferente da dos judeus na época em que o Reich tentou apoiar a construção de Israel. Por um lado, Trump e os Estados Unidos apoiam ostensivamente os interesses israelense-judaicos, enquanto, por outro lado, o antissemitismo é desenfreado em quase todas as regiões do mundo.

Os possíveis cenários futuros são dois: ou Trump, “Mildenstein de hoje”, pode perder seu emprego e começar uma severa deterioração que levaria a algo semelhante ou pior do que o ocorrido na década de 1940 na Europa; ou o povo de Israel recuperará os seus sentidos e aproveitará o período de graça que estão sendo dados para começar a realizar seu papel histórico em relação ao mundo: estabelecer uma sociedade exemplar que opera em unidade e responsabilidade mútua como um farol para o mundo.

Os sábios de Israel, entre eles os Cabalistas e muitos intelectuais, escreveram extensivamente sobre o poder da conexão judaica como uma solução para os problemas que o mundo enfrenta. Rav Kook, por exemplo, escreveu: “A construção do mundo, que agora está em colapso aos pés das terríveis tempestades de uma espada cheia de sangue, exige a construção da nação de Israel” ( Orot ).

Somente quando os judeus cumprirem sua missão, o antissemitismo cessará, e o povo judeu e o Estado de Israel terão legitimidade para existir em segurança, levando o mundo à felicidade e à paz.

“O Que Os Judeus Podem Aprender Com O Tiroteio Na Sinagoga De San Diego?” (The Times Of Israel)

O The Times of Israel publicou meu novo artigo: “O Que Os Judeus Podem Aprender Com O Tiroteio Na Sinagoga De San Diego?

“Eu preferiria morrer ou passar o resto da minha vida na cadeia do que saber que não fiz nada para impedir este mal”, diz um manifesto publicado online pelo atirador que alvejou judeus em uma sinagoga na Califórnia nesta semana. Ao nos aproximarmos do Dia em Memória do Holocausto, em memória aos seis milhões de judeus que pereceram sob o regime nazista, o incidente sangrento é um lembrete brutal de que o ódio contra os judeus continua profundamente enraizado e longe de ser erradicado. E até que nós, judeus, cumpramos nossa função no mundo – de ser um canal para a força da unidade se espalhar -, podemos esperar mais ataques como este.

Alguém pode se perguntar por que o povo judeu ainda experimenta esse flagelo depois de uma longa história de perseguição. O que impulsiona as mentes maldosas dos inimigos dos judeus, como o jovem de 19 anos que matou um adorador judeu e feriu três outros no ataque? A sabedoria da Cabalá descreve o fenômeno do antissemitismo como uma lei da natureza que visa obrigar os judeus a se unirem.

O agressor era um estudante de enfermagem e um prodígio de piano aos quatro anos de idade, de uma família normal, “o cara da casa ao lado”, a última pessoa que alguém suspeitaria que cometesse tal ato. Ele escreveu as seguintes palavras: “Para minha família e amigos. Eu já posso ouvir suas vozes. ‘Como você poderia jogar sua vida fora? Você tinha tudo! Você tinha uma família amorosa. Você tinha ótimos amigos. Você tinha uma igreja’ … Eu entendo porque vocês perguntariam isso. Mas eu faço uma pergunta a vocês agora. Qual é o valor da minha vida em comparação com a totalidade da raça europeia?” A lógica exige entender por que as ameaças existenciais aos judeus vêm de todo tipo de pano de fundo e de forma tão aleatória.

De acordo com o Livro do Zohar, o livro principal da sabedoria da Cabalá – um livro que lida com os aspectos internos da Torá e seus segredos, um livro que explica a conduta do mundo em todas as suas camadas – a resposta é a seguinte:

“Israel é o coração de todo o mundo, e assim como os órgãos do corpo não podem existir no mundo, nem mesmo um momento sem o coração, todas as nações não podem existir no mundo sem Israel”.

Como o coração funciona para fornecer um fluxo vital de sangue aos órgãos do corpo, a função de Israel é fornecer um espírito de vida indispensável – uma força de conexão e abundância espiritual – para a humanidade. Em outras palavras: os judeus devem ser “uma luz para as nações”.

Enquanto nós, judeus, mantemos a unidade entre nós – a mesma harmonia que existe em todas as suas partes da natureza inanimada, vegetativa e viva -, estamos seguros de equilíbrio, calma e tranquilidade. Mas uma vez que abandonamos nossa interconexão benéfica, e cada um se torna entrincheirado em seu próprio mundinho, afundando em sua lama egoísta, o equilíbrio interno do sistema desestabiliza. Repercussões aparecem no mundo de forma negativa, como explosões de ódio contra os judeus.

Assim, quanto mais cedo nós judeus acordarmos para o fato de que os atos antissemitas em crescimento exponencial estão tentando nos dizer que estamos atrasados ​​em nossa função em relação ao mundo, e que, ao fazer isso, impedimos a força unificadora de alcançar a humanidade, mais cedo poderemos começar a investigar como podemos cumprir nosso papel, estabelecer laços positivos e experimentar uma realidade muito mais harmoniosa. É minha esperança que percebamos isso mais cedo ou mais tarde, o que poupará a nós e o mundo do sofrimento, além de atrair todo um novo tipo de satisfação para nossas vidas.

“Pessach 2019: O Êxodo De Israel – Um Recorde De 1,5 Milhão De Israelenses Viajam Ao Exterior Para A Temporada De Pessach” (Breaking Israel News)

O portal Breaking Israel News publicou meu novo artigo: “Pessach 2019: O Êxodo De Israel – Um Recorde De 1,5 Milhão De Israelenses Viajam Ao Exterior Para A Temporada De Pessach

“Por que esta noite é diferente de todas as outras noites?” Hagadá de Pessach.

Você não vai ver isso em qualquer outra nação. Paradoxalmente, durante o feriado de Pessach, que celebra o êxodo dos judeus do Egito e a entrada na terra de Israel, há um recorde de 1,5 milhão de israelenses fazendo exatamente o oposto – saindo de Israel e voando para o exterior – um número 11% maior que um ano antes, em 2018.

Por que tantos israelenses estão escolhendo sair de seu país para as festas de fim de ano?

Muitos dizem que os próprios israelenses acham mais barato sair de férias no exterior do que permanecer em Israel. Mas por que faríamos isso? Por que deixaríamos que tal situação se materializasse onde tornamos mais dispendioso sair de férias em Israel do que sairmos para qualquer lugar nos feriados?

Não me entendam mal, é perfeitamente legal tirar férias. Mas quando quase um quinto da população de um país sai durante um feriado que marca a entrada de seu povo em sua terra, é inevitável suspeitar.

Custos de férias mais baratos no exterior, o que pode ser claramente declarado sobre o Israel de hoje é que é muito diferente da nação que uma vez saiu do Egito para entrar na terra de Israel. Não é uma nação unida por uma vontade comum de se unir acima de suas divisões para realizar seu potencial espiritual. Pelo contrário, o Israel de hoje parece mais uma coleção solta de indivíduos para satisfação terrena.

Isso também explica o significativo problema de “fuga de cérebros” de Israel, onde hordas de cientistas, acadêmicos e intelectuais israelenses escolhem deixar Israel e viver no exterior: quando o ganho material é a estrela guia de nossas vidas, oferecem-nos mais dinheiro, honra ou poder em outro lugar, e estamos no próximo avião para fora daqui. Sem qualquer inclinação para se unir, e com nossas visões não mais elevadas do que na gratificação individual, não há nada, em última instância, nos ligando à nossa terra natal.

Qual é o grande problema então? Existe alguma razão para os judeus ficarem em Israel?

Chame isso de destino. Aqui na terra de Israel, devemos revelar o que nossos antepassados ​​uma vez revelaram: a luz da unidade. Estamos destinados ao nosso papel, que é unir (“ame o próximo como a si mesmo”) e espalhar essa unidade ao mundo (para ser “uma luz para as nações”). Cumprir nosso maior potencial espiritual é a única razão para permanecermos na terra de Israel. Incorporado em nossa constituição genética, originário de nossa herança ancestral, existe um pequeno desejo de se unir acima de todos os desejos materialistas aparentes. Este é o ponto que devemos despertar um no outro enquanto estamos aqui.

Além disso, quando descobrimos a imensa alegria e felicidade disponíveis na obtenção da luz da unidade, nossa necessidade de procurar pastos mais verdes desaparecerá. Os Cabalistas descrevem a intensidade desse prazer espiritual como o tamanho do universo comparado ao tamanho de um grão de areia encontrado nos prazeres materiais. Depois de sentir essa perfeição na unificação, o desejo por outras realizações diminuirá e também sentiremos menos necessidade de viajar em busca de prazer.

Depois que 1,5 milhão de israelenses voltarem de suas férias no exterior nesta época de Pessach, eu recomendo que se perguntem: “O que ganhamos com esse feriado?” E com a resposta esperada, “Nós nos divertimos muito!”, à pergunta da própria Hagadá de Pessach, “Por que esta noite é diferente de todas as outras noites?” Em outras palavras, alguma coisa realmente mudou em nossas vidas? Além disso, o que vem a seguir? Vamos apenas continuar saltando de um prazer ao outro, de um feriado divertido após o outro até morrermos? Ou podemos começar a avançar em direção a um prazer muito mais qualitativo, que não desvanece, mas que cresce constantemente – o prazer espiritual eterno descoberto pelo povo de Israel quando entramos na terra de Israel há muito tempo?

Temos tudo o que precisamos aqui em casa. Nós temos um ao outro. Nós só precisamos aprender como nos conectar corretamente e descobriremos a habilidade de viajar para muito além de qualquer lugar em nosso mundo inteiro: para um mundo eterno de harmonia e perfeição.