Textos na Categoria 'Novas Publicações'

“Rumo A Um Ano De Avaliação” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “Rumo A Um Ano De Avaliação

2021 não será um ano fácil para a América. Não será um ano fácil em nenhum lugar nem para ninguém, mas os americanos provavelmente sentirão o calor mais do que os outros. As condições para uma tempestade perfeita amadureceram; a combinação de uma praga que ceifa milhares de vidas diariamente, uma economia decadente e incerteza sobre o futuro das finanças pessoais, ódio abrasador entre esquerda e direita e negros e brancos, e perda de confiança na mídia e nas autoridades forçará os americanos a parar tudo e contemplar seu futuro como nação ou deixar o país acelerar sua espiral descendente até a destruição.

Todos já reconhecem a gravidade da situação; todo mundo já está falando sobre isso, e estou muito feliz que estejam. Espero que esses exames, por mais difíceis que sejam, ajudem o país a se controlar e colocar alguma ordem no caos.

As duas forças lutando na América, entre a esquerda e a direita, são duas abordagens da vida que existem em todo o mundo. A América possui todas as contradições; é uma espécie de Babilônia moderna. Por isso, se os americanos conseguirem superar suas divisões e formar algum tipo de solidariedade acima de suas diferenças, que certamente permanecerão, a América dará um exemplo que todos seguirão de bom grado.

Precisamente porque a América, mais do que qualquer outro país, consagrou o egocentrismo, a reversão dessa ideologia indicará ao resto do mundo que é realmente possível conter o ego. Se eles descobrirem que não têm escolha a não ser “destronar” o ego, uma vez que o sistema egoísta não funciona mais, e os sistemas econômicos e sociais que construíram em torno dele estão desmoronando, eles terão a motivação necessária para se unir acima do ódio e rancor que surgiram principalmente no ano passado. Não será agradável, mas um ajuste de contas, um reconhecimento das doenças na sociedade é obrigatório para que se possa desencadear um processo de cura.

Impérios também sobem e descem. Mas quando um império como os Estados Unidos da América cair, ele arrastará consigo muitos outros países e pessoas. Todos sofrerão com a morte de um sistema tão massivo como os EUA, não apenas os americanos, embora sejam eles os que mais sofrerão.

Até agora, ainda estou para ver as forças ou pessoas que são ousadas, imparciais e aceitas publicamente o suficiente para liderar o processo de cura da América. No entanto, enquanto for possível reverter a tendência, não devemos perder a esperança. Os tempos que virão dirão se merecemos o título de “humanos” e nos elevamos acima de nossos egos para formar uma nova união da sociedade, ou se sucumbimos a nossos egos e entregamos o leme à besta dentro de nós.

“Podemos Transpor Um Abismo Que Ninguém Quer Transpor?” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “Podemos Transpor Um Abismo Que Ninguém Quer Transpor?

Está escrito: “Onde não há pessoas, tente ser uma pessoa” (Mishnah, Avot, 2:5). Parece muito apropriado que invoquemos esse ditado em uma época em que as pessoas perderam toda a confiança umas nas outras, nas autoridades, e se sentem desesperadas quanto ao futuro. Estamos passando por um difícil despertar, um reconhecimento da fragilidade de nossa sociedade.

A democracia provou sua vulnerabilidade mais uma vez. A Itália era uma democracia antes de ser vítima do fascismo. A Alemanha era uma democracia antes de sucumbir ao nazismo. Até o fundador do comunismo da China pretendia originalmente formar uma democracia. O célebre historiador Maurice Meisner escreveu sobre Mao Zedong: “Nem os termos ‘socialismo’ nem ‘bolchevismo’ apareceram no ‘Manifesto’ de Mao. Em vez disso, foi a ‘democracia’ que Mao chamou de ‘a ideologia básica’ de resistência à opressão”. Agora, parece que os Estados Unidos da América estão passando pela mesma provação quando um sonho se transforma em pesadelo.

A democracia sempre tem que falhar? Por que o totalitarismo sempre parece superá-la? Talvez, se entendermos isso, entenderemos como salvar nossa agonizante sociedade.

Goste ou não, pessoas diferentes têm pontos de vista diferentes. Nunca haverá uniformidade de ideias em qualquer sociedade em qualquer momento porque, como nossos sábios disseram (Midrash Rabbah, 21: 2), “Como seus rostos não são semelhantes, seus pontos de vista não são os mesmos. Em vez disso, cada um tem sua própria opinião”. Então, como determinamos quem está certo quando estamos destinados a ser diferentes? Por que minha opinião deve estar certa e a opinião do outro, errada, se nenhum de nós pode convencer o outro? Existe um bug no sistema?

Não, não há bug. O bug está em nossa compreensão do sistema. Não há semelhança de pontos de vista porque não é para haver. Deve haver diversidade! Novamente, opiniões diferentes não são desacordos, são diversidade!

Por que deve haver diversidade? Sem diversidade, não há evolução, nem crescimento, nem vida. Tudo existe apenas por meio de elementos diversos e geralmente opostos trabalhando juntos para manter o sistema em que habitam. De partículas de átomos a aglomerados de galáxias, o universo consiste em opostos cooperando para manter o sistema que ocupam.

Os animais também matam uns aos outros para se alimentar, mas assim mantêm a saúde e garantem a sobrevivência das espécies que caçam. Vivemos em um mundo de contradições porque só as contradições garantem o desenvolvimento e o progresso.

Mas nós, pessoas, somos uma exceção. Estabelecemos democracias precisamente porque valorizamos a diversidade e a necessidade de desentendimentos como base para o avanço, mas cedemos diante de nossos egos e determinamos que apenas nossa visão é correta. À medida que nossos egos assumem o controle, perdemos de vista o fato de que bloquear a diversidade é uma sentença de morte para nós mesmos e para a sociedade? Como não perceber que é precisamente a opinião oposta que faz a nossa opinião importar? Como não perceber que é meu adversário ideológico que dá mérito à minha ideologia?

Se silenciarmos uns aos outros, não apenas silenciaremos a nós mesmos, também silenciaremos nossas mentes, nossos corações e, finalmente, destruiremos nossa sociedade e nossas vidas. Nada pode ser mais perigoso do que a crença de que só eu estou certo, e quem discorda de mim está errado.

Ser pessoa, voltando ao provérbio inicial, significa defender a diversidade quando todos a repreendem. Significa não pensar que só o meu ponto de vista está certo, mas sim manter o meu ponto de vista porque este é o meu lado da ponte, enquanto valorizamos o fato de que outras pessoas, que mantêm outros pontos de vista, estão mantendo o outro lado dela. O nome da ponte é diversidade, e nós a construímos defendendo a multiplicidade de pontos de vista. Só assim podemos começar a avançar.

Assim como não podemos andar sobre uma só perna, mas precisamos das duas para avançar, também nossas opiniões precisam umas das outras para que nós, como sociedade, possamos avançar. Onde não há pessoas, é porque não há pontes entre elas. Construa-as e seja uma pessoa.

“Impeachment Do Sistema” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “Impeachment do Sistema

O segundo impeachment do presidente Trump não é apenas o seu. Ele marca o colapso de todo o sistema, um colapso da constituição. Precisa haver uma revisão completa aqui, uma reconstrução do sistema. Muito em breve, ficará inequivocamente claro que tudo está desmoronando – o mundo dos negócios, toda a economia, todo o sistema monetário, a sociedade, o sistema judicial, a formulação de políticas, tudo desmoronará. A América terá que fechar tudo, limpar tudo e se reconstruir do zero.

Não tenho dúvidas de que o atual domínio da esquerda apenas fortalecerá a direita. Embora atualmente a esquerda pareça muito mais intimidante e as pessoas tenham medo de falar o que pensam, o resultado será um colapso geral do sistema e começará precisamente com a esquerda.

O que estamos vendo agora na América é o que vimos na Rússia Soviética. No final, tudo se corrompe, apodrece até o âmago e tudo desmorona. Quando as instituições se tornam disfuncionais, quando os laços entre as várias partes da sociedade se desintegram irremediavelmente, tudo desmorona.

E o que está acontecendo na América acontecerá em outro lugar. Esses eventos históricos irão catalisar mudanças dramáticas em todo o mundo. A humanidade está se aproximando rapidamente do ponto de ajuste, quando as pessoas entendem que não podem continuar da maneira que vêm fazendo há tanto tempo, pensando apenas em si mesmas. O capitalismo não funcionará, nem o socialismo ou o comunismo.

A solução não virá por meio da escolha de um caminho ideológico diferente, mas por meio de um colapso geral que levará as pessoas a perceber que são irremediavelmente dependentes umas das outras. Isso forçará as pessoas a construir sistemas que, pela primeira vez na história, irão realmente atender às necessidades de todos, ao invés de apenas aquelas de quem está no poder.

Estamos entrando em uma nova era, uma nova geração em que as pessoas entendem que se deixarem seus egos governar, elas destruirão o mundo, então não lutam entre si, mas contra seus próprios egos. Será uma geração em que não precisaremos trabalhar tanto para viver, mas teremos que trabalhar muito em nossas conexões. Nos próximos anos, as pessoas passarão mais tempo consertando e melhorando suas relações sociais do que em seus empregos regulares; essa será a nova necessidade.

Somente quando nos concentrarmos em nossas relações, seremos capazes de “inaugurar” o novo sistema – o sistema social de governo, que não será socialista nem capitalista, mas um sistema socioeconômico cujos índices medem as conexões sociais, cujo PIB mede expressões de solidariedade, e cuja moeda é a contribuição à comunidade, cidade, estado e país.

“De Volta Aos Dias Da Única Verdade” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “De Volta Aos Dias Da Única Verdade

Eu cresci na Rússia Soviética sob o regime comunista da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS). Naquela época, tudo era simples: havia apenas uma verdade, que saía de um partido, e você podia ler sobre ela no único jornal que havia, que era apropriadamente chamado de Pravda [Verdade]. Não havia outros pontos de vista a serem ouvidos ou vistos, e toda a nação foi criada e educada de acordo com a única pravda existente.

Do outro lado do mundo estava o grande adversário da verdade: a América! A América tinha todos os tipos de ideias, como mais de um partido, e a crença de que todos têm direito a sua opinião, mesmo que ela contradiga a pravda. Ela era o inimigo!

O problema com a URSS era que as pessoas insistiam em ter ideias diferentes. Algumas eram comunistas devotos, outras não. Algumas até defendiam o capitalismo, o tipo que foi implementado no outro lado do mundo. Claro, não podíamos falar sobre isso, mas as pessoas ainda acreditavam. No final, tudo se expandiu, se expandiu, e expandiu, até explodir.

Posso entender os líderes da Rússia Soviética; eles estavam apenas agindo naturalmente. Todo mundo quer governar, e quando alguém tem a chance de governar e eliminar a competição ao longo do caminho, é lógico que tentará isso.

No entanto, o mundo não consiste em apenas um lado, mas em dois (com muitos entre eles). Nós, as pessoas do meio, devemos reconciliar os dois extremos e usá-los em nosso benefício, em benefício de todos!

Pensamos em nós mesmos como seres separados, que apenas nossa visão importa e uma opinião oposta está errada por padrão. Esquecemos que se não fosse por essa outra opinião, a nossa também não existiria. Em vez de perceber que apenas a operação conjunta de todos os pontos de vista na sociedade cria uma sociedade completa, e em vez de juntar mais e mais contradições sob a égide de nossa união, desperdiçamos nossas vidas tentando destruir aquelas almas pecaminosas cujo pecado é ver as coisas diferente de nós. Como resultado, não há união, nem sociedade, e mesmo nossa visão não conta mais. Se você não acredita em mim, vá procurar na Rússia, veja se você consegue encontrar lá comunismo ou capitalismo. Na ausência de um, você perde o outro também.

A América de hoje está correndo em direção ao passado da Rússia. Os grandes meios de comunicação de tecnologia decidiram de quem é a voz que deve ser ouvida e verão que apenas esta voz é ouvida, esta voz é a única que é pravda. O resto são notícias falsas. Para proteger a pravda, tudo o que a contradiz deve ser retirado e cancelado: postagens, canais, pessoas.

Imagine seu coração decidindo que seu cérebro está espalhando informações falsas para o resto do corpo e, portanto, deve ser silenciado, para que seu coração interrompa o fluxo sanguíneo para o cérebro. Você percebe o que isso significa? Isso é o que os gigantes da mídia estão fazendo com a sociedade, e terminará exatamente da mesma forma como se o seu coração tivesse interrompido o fluxo sanguíneo para o seu cérebro.

A única solução para a devastação que se desenrola na América é perceber que a união é mais importante do que qualquer visão particular. E como você sabe com quem se unir? Una-se precisamente com aquele que discorda de você. E como você se une? Verifique se a pessoa que você está enfrentando concorda com você em algo, verifique se ela entende que nenhuma visão tem mérito por si só e depois saiam para tomar uma cerveja juntos para comemorar sua discordância, simples assim.

Novamente, você não precisa concordar; você precisa se valorizar por ser capaz de transcender seus desacordos. Isso é o que o torna humano, humano, e não o fato de que você defende alguma noção fabricada sobre a sociedade humana que alguém plantou em sua mente.

Afinal, se só existe uma verdade, é a verdade da nossa inevitável diversidade. Vamos comemorar, pois é isso que nos dá vida.

[Um delegado no 17º Congresso bolchevique do Partido Comunista da União, segurando um jornal Pravda em 1934]

“A Futilidade De Liderar O Mundo Em Vacinações” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “A Futilidade De Liderar O Mundo Em Vacinações

No que diz respeito à vacinação de sua população, Israel está liderando o mundo por uma margem tão grande que o país em segundo lugar, os Emirados Árabes Unidos, tem pouco mais da metade do sucesso de Israel, e os Estados Unidos, onde as vacinas são fabricadas, estão em um distante 5º lugar, com uma taxa per capita de vacinação oito vezes mais lenta do que a de Israel. Líderes mundiais espantados enviam delegações a Israel para aprender o que estamos fazendo certo. Mas enquanto os líderes estão pasmos, o resto do mundo está muito menos impressionado e, o que é estranho, a taxa de infecção não está diminuindo, apesar das vacinações e apesar do fechamento. Por que as vacinas não funcionam?

Em vez de temor, estamos recebendo advertências de todos os lados. As pessoas estão culpando Israel por negar vacinas aos palestinos. Não é verdade, claro, mas a verdade não importa. Se os palestinos as pegassem primeiro, antes de qualquer israelense, as pessoas diriam que Israel está tentando eliminá-los. Já que eles não estão conseguindo rápido o suficiente (na opinião de algumas pessoas), as pessoas estão dizendo que queremos que eles morram de Covid. De qualquer forma, a desgraça deles é nossa culpa. Sempre foi assim e sempre será até começarmos a fazer o que devemos.

Nosso sucesso na vacinação da população é notável, mas não é algo de que devemos nos gabar. Se fôssemos mais espertos, teríamos feito de forma mais discreta e não exibiríamos os números. Geralmente, não vejo nenhum motivo para orgulho; criamos uma enorme dívida nacional, um enorme déficit, e não acho que a esperança de que em alguns meses a economia se recupere graças às vacinas e possamos saldar a dívida tenha algum sentido se sustente.

É ótimo estarmos vacinando a população, mas não fizemos o mais importante, então as vacinas não vão ajudar. Enquanto não seguirmos as leis da natureza, a natureza continuará dirigindo as nações contra nós. As leis da natureza determinam que Israel dê um exemplo de unidade, mas estamos ocupados declarando novos partidos políticos todos os dias. Não somos um exemplo aos olhos do mundo; somos uma zombaria. Um comentário típico de um não-judeu a um tweet que um judeu escreveu contra outro afirmava: “Disseram-me que geralmente são os judeus que mais odeiam os judeus”. Eles olham para nós com pena.

Não é como se eles não soubessem o que querem de nós. No fundo, os antissemitas mais raivosos sentem o que procuram nos judeus. Quando eles nos culpam por causar todas as guerras, como fez Mel Gibson, por exemplo, eles estão realmente dizendo que poderíamos evitar essas guerras. De fato, poderíamos, se apenas déssemos um exemplo de unidade. Mas quando damos um exemplo de aversão e ódio mútuos, é isso que o mundo absorve de nós. Será uma surpresa, então, que em algum momento as nações decidam se livrar de nós?

Não é como se nunca tivéssemos feito nada certo. O Judaísmo é baseado nos valores mais louváveis. Somos o único povo que se tornou uma nação somente depois de se comprometer a amar uns aos outros “como um homem com um só coração”; somos a única nação cujo lema era “Ame o seu próximo como a si mesmo”; e somos a única nação que foi incumbida de ser “uma luz para as nações”, para dar um exemplo de amor ao próximo e responsabilidade mútua.

Este é o exemplo que os antissemitas querem que demos. Henry Ford, claramente um dos antissemitas mais notórios da história americana, escreveu em seu livro The International Jew — the World Foremost Problem, “Reformadores modernos, que estão construindo modelos de sistemas sociais, … fariam bem em olhar para o sistema social sob o qual os primeiros judeus foram organizados”. Da mesma forma, Vasily Shulgin, um membro sênior do Parlamento russo antes da Revolução Bolchevique de 1917, era conhecido por seu antissemitismo raivoso. Em seu livro O Que Não Gostamos Neles..., ele escreveu sobre os judeus: “Que eles … subam até a altura que aparentemente subiram [na antiguidade] … e imediatamente, todas as nações se levantarão rapidamente. Elzs correrão não por força da compulsão … mas por livre arbítrio, alegres no espírito, gratos e amorosos, incluindo os russos!”

Existem mais exemplos, mas a mensagem é clara. Nosso trabalho, o trabalho dos israelenses e o trabalho de cada judeu, é dar o exemplo de unidade. Sempre que fazemos qualquer outra coisa, isso é interpretado como um ato contra as nações, e interpretamos sua contrarreação como antissemitismo. Portanto, se quisermos eliminar o antissemitismo, devemos eliminar a divisão entre nós. Isso é o que a lei da natureza exige de nós. Se fizermos isso, nos vacinaremos contra qualquer infortúnio, incluindo vírus, guerras, crises econômicas e todos os outros infortúnios, pois estaremos em congruência com a natureza.

“Por Que Somos Estoicos Em Relação Aos Dois Milhões De Vítimas Fatais Da Covid” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “Por Que Somos Estoicos Em Relação Aos Dois Milhões De Vítimas Da Covid

No ano passado, cerca de dois milhões de pessoas morreram da doença do coronavírus. No entanto, quão alarmados estamos? Vamos encarar, não estamos. Estamos terrivelmente ansiosos com o fechamento de empresas, cinemas, estádios esportivos, escolas e outras privações de entretenimento e envolvimento, mas e os dois milhões de vítimas do vírus? Somos bastante estoicos sobre isso.

Na verdade, se você considerar a população global, dois milhões de vítimas da Covid-19 não é muito. Nós tratamos isso como um fenômeno natural, um caso de força maior, por assim dizer, então estamos bastante calmos sobre isso.

Mas há um problema maior aqui: esquecemos o propósito da peste e, por causa disso, já estamos preparando o próximo golpe, que será mais doloroso e mais disseminado que até mesmo o coronavírus. Se tudo o que nos interessa é não poder ir aos bares e ao cinema, atrairemos para nós mesmos um desastre pior do que o vírus, algo que nos obrigará a procurar a raiz dessas catástrofes, e não depositar nossas esperanças nas vacinas que só são boas até a próxima mutação resistente aparecer.

A causa principal da peste são nossas relações corruptas uns com os outros. Essas relações não estão apenas destruindo o tecido da sociedade, como estamos vendo agora em todos os Estados Unidos. A exploração e a má vontade estão destruindo o tecido de nosso mundo inteiro. Elas são prejudiciais à nossa sociedade, ao nosso planeta, à nossa saúde e a todas as espécies animais. Elas nos impedem de cooperar para o benefício de toda a humanidade; elas não nos deixam trabalhar ombro a ombro para salvar nosso planeta. A desconfiança não nos permite curar as feridas de nossa sociedade, o que leva à violência, agressão, intolerância, pobreza, depressão, abuso de substâncias e guerras.

Nosso maltrato mútuo nos faz maltratar tudo ao nosso redor: o solo, a água, o ar, as plantas, os animais e as pessoas. Todos sofrem porque nos odiamos e reagem de acordo. É por isso que as tempestades estão ficando mais intensas, os incêndios mais generalizados e comuns e as pestes se espalham mais rapidamente e aparecem mais cedo do que nunca. A mensagem de todas é clara: conserte suas relações ou elas os destruirão.

Não temos a prerrogativa de sermos estoicos em relação às vítimas da Covid-19 porque isso destrói nosso futuro. Se corrigirmos nossas relações, isso acalmará as provações que acabei de mencionar e encontraremos a paz, paz de espírito. Caso contrário, teremos um ano muito ruim e uma década ainda pior.

“As Proibições Das Gigantes De Tecnologia São O Começo Do Seu Fim” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: As Proibições Das Gigantes De Tecnologia São O Começo Do Seu Fim

A proibição que as gigantes de tecnologia colocam nas contas de mídia social e plataformas conservadoras do presidente Donald Trump é uma má notícia para todos. Até a chanceler alemã, Angela Merkel, cujas visões socialistas muitas vezes a colocam em desacordo com o presidente Trump, divulgou um comunicado dizendo que “A chanceler considera problemático que as contas do presidente tenham sido suspensas permanentemente”. Sua preocupação não era pessoal para Trump, mas sim porque “O direito à liberdade de opinião é de fundamental importância”.

Semelhante a Merkel, o presidente mexicano Andres Manuel Lopez Obrador criticou a proibição das redes sociais, dizendo: “Não gosto de ninguém sendo censurado ou tirando [sic] o direito de postar uma mensagem no Twitter ou Facebook. Eu não concordo com isso, eu não aceito isso”. Ainda mais ativa é a Polônia: de acordo com a Zero Hedge, “o ministro da Justiça polonês, Zbigniew Ziobro, anunciou uma iniciativa legal na quinta-feira que permite que indivíduos registrem queixas contra empresas de mídia social que removem ou censuram suas postagens se não violarem a lei polonesa”.

Concordo plenamente com as críticas às gigantes de tecnologia de mídia social. Ninguém deu a elas o direito de censurar a liberdade de expressão. Essa prerrogativa é concedida apenas às pessoas que estão no comando político dos países, não a um pequeno círculo que decide fazer a lei com as próprias mãos. Assim como um eletricista não pode desligar a energia de alguém só porque está com vontade, a gigante de tecnologia de mídia social não pode proibir contas por capricho. Ainda mais irônico é que elas professam fazer isso para proteger a segurança das pessoas. Obviamente, se isso continuar, os resultados serão muito ruins.

No entanto, acredito que fazendo o que fizeram, elas cravaram o último prego em seu caixão. Elas podem pensar que estão governando o mundo, mas irão desaparecer. De uma forma ou de outra, e mais cedo ou mais tarde, as pessoas vão perceber que não podem confiar no que veem na mídia e, sem confiança, vão parar de vir. Se o sistema em que confiamos para notícias verdadeiras se tornar tão abertamente tendencioso, ninguém acreditará em uma palavra do que dizem e não haverá sentido em visitar seus sites.

Esse cálculo vai finalmente despertar as pessoas para a compreensão de que o verdadeiro culpado na crise que se desenrola diante de nós não é uma pessoa ou um grupo de pessoas, mas um traço enraizado na natureza humana: o egoísmo. O egocentrismo puro e não adulterado está no cerne de todos os nossos problemas e está nos matando por dentro e por fora.

Quando percebermos isso, também perceberemos que toda a realidade, exceto nós, opera com um combustível completamente diferente do nosso. Enquanto nosso combustível é o ego, seu combustível é equilíbrio e harmonia. Assim como não sentimos que somos tão egoístas, visto que essa é a nossa natureza, o resto da natureza não sente como é equilibrada e harmoniosa. Mas nós, que podemos observar isso de fora, visto que somos o oposto, podemos detectar o equilíbrio e a harmonia que dominam toda a existência.

Quando percebermos isso, também desejaremos nos tornar equilibrados e harmoniosos. E quando fizermos isso, começaremos a aprender, juntos, como construir verdadeiramente uma sociedade humana próspera, uma economia próspera que não nega aos outros a sua própria. Aprenderemos como fortalecer uns aos outros em vez de explorar nossos semelhantes, e nossos companheiros residentes no único planeta que temos. Nesse momento, não precisaremos de redes sociais despóticas para nos conectar, pois as conexões estarão em nossos corações.

“Tudo Azul” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “Tudo Azul

Imagine estar do lado de fora de sua casa em uma manhã ensolarada de janeiro. O céu azul profundo é impressionante em sua clareza, e você pode ficar olhando para ele por horas. Agora imagine olhar diretamente para as casas e árvores à sua frente. Você espera encontrar troncos e galhos marrons, uma terra marrom-escura ou uma variedade de cores nas paredes das casas em sua vizinhança, mas não há nada disso. Sua cor mudou para um azul profundo de inverno, assim como o céu. Na verdade, eles são tão semelhantes que você mal consegue distingui-los do horizonte.

Foi o que aconteceu com a sociedade americana: ficou tudo azul. Até os negros agora são azuis. Se você ousar apoiar uma cor diferente, você é expulso, banido e banido.

Agora olhe para baixo e imagine o chão. Era para estar escuro como breu no asfalto da estrada ou marrom ao redor das árvores estéreis com manchas de neve lamacenta da nevasca da semana passada. Mas não é; é azul, profundo, azul profundo, assim como o céu acima de você e as casas por onde você olha. O mundo inteiro é uma única cor: o azul claro e profundo dos céus de inverno.

Na manhã seguinte, você sai de sua casa, respira o ar fresco do inverno e, mais uma vez, olha para o céu azul acima de você, árvores e edifícios azuis diante de você e atrás de você, e o chão azul sob seus pés. No terceiro dia, nada muda, e da mesma forma no quarto, no quinto e assim por diante por semanas, meses, anos, uma vida inteira. O mundo ficou todo azul.

Foi o que aconteceu com a sociedade americana: ficou tudo azul. Até os negros agora são azuis. Se você ousar apoiar uma cor diferente, você é expulso e banido.

Assim como nosso mundo, a sociedade não pode consistir em apenas uma cor; é irreal, prejudicial à saúde e trará consigo a desgraça da América, simplesmente porque não é natural. Quando o discurso público permite que apenas uma voz seja ouvida, ele quebra os alicerces do país.

Se você pegar a mídia social e todos os jornais convencionais, todos eles apoiam uma única narrativa. Isso é muito errado para a sociedade americana. Assim como andar para frente significa inclinar ligeiramente para a esquerda, depois ligeiramente para a direita, mas sempre para a frente usando ambas as pernas, a sociedade deve se inclinar para um lado e para outro, mas sempre para frente – em direção a uma união mais forte acima da esquerda e da direita. A sociedade não pode mancar com uma perna só; vai cair. O dever da mídia é refletir ambos os lados da forma mais igual e humanamente possível, para que as pessoas possam mudar e inclinar para um lado ou para outro, mas de maneira saudável.

Quando você silencia a visão oposta, você está se enfraquecendo e forçando o outro lado a se revigorar. Nada de bom vai sair disso. Os republicanos construirão seus próprios sistemas, se desenvolverão e se fortalecerão, enquanto os democratas se deleitarão em sua própria complacência. Eles estão construindo para si mesmos o que os bolcheviques construíram para si mesmos na Rússia há cem anos. Na verdade, é um mundo azul.

“O Que Israel (Não) Pode Esperar Dos Judeus Na Administração Biden” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “O Que Israel (Não) Pode Esperar Dos Judeus Na Administração Biden

Quando o governo Biden assumir, será um dos mais, senão o mais judeu da história dos Estados Unidos. Nada menos do que onze cargos seniores serão ocupados por judeus, incluindo o Secretário de Estado, Secretário de Segurança Interna, Secretário do Tesouro, Chefe do Estado-Maior, Diretor de Inteligência Nacional e muitos outros. Além disso, todas as três noras e genro de Joe Biden são judeus, assim como o marido de Kamala Harris.

O Partido Democrata está infestado de antissemitas jurados e vociferantes e agressores de Israel, mas isso é completamente irrelevante para os judeus americanos, cuja vasta maioria apoia o Partido Democrata. Além disso, alguns judeus americanos apoiam especificamente esses antissemitas e agressores de Israel.

Você pode pensar que Israel ficaria entusiasmado com essa proliferação de judeus em posições-chave na nova administração, mas Israel não tem motivos para comemorar. O abismo entre os judeus americanos e o Estado de Israel nunca foi tão profundo ou amplo. O Partido Democrata está infestado de antissemitas jurados e vociferantes e agressores de Israel, mas isso é completamente irrelevante para os judeus americanos, cuja vasta maioria apoia o Partido Democrata. Além disso, alguns judeus americanos apoiam especificamente esses antissemitas e agressores de Israel.

Isso leva a uma conclusão muito simples: eles são judeus apenas no nome. Eles não entendem o significado do judaísmo ou o espírito de ser judeu, e o fato de sermos rotulados pela mesma religião, o judaísmo, é apenas uma formalidade.

Quando se trata do Estado judeu, Israel não tem nada a esperar. O Partido Democrata de hoje não é nada como há algumas décadas. Se os judeus se sentem confortáveis ​​em confraternizar com pessoas que tentam destruir a capacidade de Israel de se proteger, eles não se importam com Israel; se eles esfregam os ombros com antissemitas raivosos, eles não se importam com o judaísmo. Sabemos que ações falam (muito) mais alto do que palavras.

Isso deixa Israel com apenas uma opção: confiar em si mesmo. Militar, economicamente ou em qualquer outro sentido, Israel é muito vulnerável. Mas se o povo de Israel se unir, eles terão todo o poder de que precisam para vencer qualquer provação. É com razão que os antissemitas não apenas odeiam, mas também temem nosso poder. Eles acham que somos muito mais fortes do que sentimos de nós mesmos. Mas eles estão certos, e nós somos os ignorantes. Nosso poder está em nossa unidade, e a única razão pela qual nos sentimos fracos é nossa divisão. Se superássemos nossa divisão e nos unirmos, embora não possamos suportar um ao outro, mas simplesmente porque a unidade é mais importante do que o que sentimos um pelo outro, descobriríamos imediatamente que nossos inimigos se foram. Não teríamos nem que lutar contra eles. Na verdade, eles não apenas partiriam, mas buscariam sinceramente nossa amizade. Esse é o poder da nossa unidade.

Se isso parece irreal, é apenas porque não tentamos e porque nossos egos nos cegam para o fato de que tudo que está unido é mais forte do que tudo que está separado. Se nos permitirmos ver isso, entenderemos que nosso dever para conosco, para com nossos filhos e para com o mundo é superar nossas brigas e aversão e nos unirmos apesar das fissuras. Então, nossa unidade seria tão forte quanto o ódio que havíamos superado, já que a intensidade de nosso ódio nos obrigaria a forjar uma união que pode superar esse ódio. Seria um tipo de unidade que o mundo nunca viu, mas que estará ansioso para imitar assim que a alcançarmos. E quando o mundo estiver ansioso para aprender nosso tipo de unidade, as nações se transformarão de inimigas em amigas.

Obviamente, o ego nunca nos deixará concordar com esse conceito, mas isso não o torna menos verdadeiro. Assim como a razão nega a mecânica quântica, mas todos nós a usamos em todos os lugares – de microondas a mísseis – e ela funciona sem falhas, o mesmo acontecerá com a unidade. Se apenas ousarmos aplicá-la, ela funcionará.

“A Democracia É Uma Invenção Da Nossa Imaginação?” (Newsmax)

Meu artigo na Newsmax: “A Democracia é uma Invenção da nossa Imaginação?

A democracia, nós sabemos, vem do grego e significa “o governo do povo”. A atual luta pelo poder na América mostra uma coisa bem clara: não há governo do povo na América. Ou seja, pode ter havido um governo do povo na América, embora breve, mas quando você deixa o povo governar, o que você ganha é tirania. Não importa se a tirania é retratada como democrática, fingindo refletir a vontade do povo, ou como realmente é: o despotismo repressivo.

O problema com a democracia não é que seja uma má ideia. Liberdade, igualdade e justiça para todos são noções nobres. Infelizmente, não podem acontecer. Elas nunca aconteceram e nunca acontecerão até que ensinemos a nós mesmos os valores necessários para falar sobre liberdade e igualdade.

Já que nunca fomos ensinados, nunca tivemos uma democracia. Tivemos muitos governos falsos e manipuladores que fingiram se preocupar com o bem-estar das pessoas ao mesmo tempo que cuidavam da continuação de seu próprio controle. E porque nunca nos ensinaram como, ou mesmo por que deveríamos ser todos iguais e livres, sempre acabamos sucumbindo à nossa natureza básica e egoísta e arrancamos a máscara democrática da face de uma ditadura real.

Simplificando, as democracias sobem e caem porque não coincidem com a natureza humana. Quando uma estrutura social não natural é imposta à sociedade, a sociedade acaba rejeitando-a, por mais nobre que seja, e se retira para sua natureza selvagem. Se você deseja uma sociedade verdadeiramente nobre, que viva por princípios nobres, primeiro torne seu povo nobre e então eles construirão uma sociedade nobre por conta própria, pois esta será sua natureza.

Uma olhada no que está acontecendo na América hoje mostra o nível de educação para a nobreza que os americanos têm hoje. Pode ser doloroso aceitar, mas a menos que aceitemos os fatos, como seremos capazes de mudá-los?

Veja, por exemplo, o que está acontecendo com a Primeira Emenda hoje. Existe liberdade de expressão na América? Todos são encorajados, ou mesmo autorizados a expressar o que realmente pensam? A arena pública é governada por gangues de rua e gangues online, e qualquer um que saia da linha é imediatamente endireitado ou silenciado. E quando você não tem liberdade de expressão, também não tem igualdade e, portanto, não tem democracia.

Se você quer construir uma democracia genuína, tem que partir da premissa de que existe mais de uma opinião. Se houver apenas uma opinião, mesmo que seja a sua, então você deve saber que sua sociedade não é democrática. A uniformidade de opiniões deve ser seu primeiro sinal de alerta. Não há duas pessoas que tenham exatamente a mesma opinião, e certamente não um país inteiro. Portanto, quando apenas uma voz é ouvida, é, por padrão, uma sociedade não democrática.

Depois de ter duas ou mais opiniões, você precisa saber como se relacionar com elas. Você deve saber que as opiniões das pessoas diferem porque veem a realidade de perspectivas diferentes. No entanto, todas estão olhando para a mesma realidade, o que significa que estão vendo apenas uma parte da imagem e não toda ela.

Portanto, cada parte que você exclui do conjunto de perspectivas torna a perspectiva de todos mais deficiente, falha, parcial e, portanto, inadequada para tomar as decisões certas. Só quando todas as diferentes visões são valorizadas e incluídas no processo de tomada de decisão é que se chega a um resultado que beneficia todo o coletivo e, portanto, sustentável. Caso contrário, você está fadado a criar outra “democracia”, do tipo que vimos ao longo da história, que está aqui hoje e já não existe amanhã.

Por essa razão, a regra na construção de uma sociedade sustentável, baseada na verdadeira liberdade e igualdade para todos, é o cultivo da diversidade de pontos de vista, a recusa em silenciar qualquer voz e a construção de uma sociedade que incorpore todas essas diferenças e cujos membros valorizam a união entre eles mais do que suas próprias opiniões.