Textos na Categoria 'Notícias'

Pílulas Da Felicidade

laitman_552.03Nas Notícias (New York Magazine): “As realidades modernas merecem uma dependência crescente do Xanax? Steven Hayes, psicólogo clínico da Universidade de Nevada, acredita que os benzóis detêm uma lacuna que a evolução ainda precisa preencher. À medida que os humanos tentam controlar um número exponencialmente crescente de insumos com os quais são confrontados, “nossa atenção se torna menos flexível, nossas mentes se tornam mais tagarelas e a próxima coisa que sabemos é que estamos frenéticos”.

Os seres humanos estão mal equipados para processar ou acomodar todos esses novos sinais. “Nossa tarefa agora é criar mentes modernas para o mundo moderno, e que a mente moderna precisa ser psicologicamente flexível”. Na ausência dessa flexibilidade, Hayes diz que as pessoas precisam de uma ponte – uma pílula – entre o que a vida distribui e o que as pessoas podem lidar realisticamente”.

Meu Comentário: O mundo está se desenvolvendo muito rapidamente e as pessoas simplesmente não conseguem se adaptar, incapazes de lidar com todos os seus desafios. Portanto, avanços na farmacologia moderna vêm para ajudar.

Ao tomar uma porção de antidepressivos típicos, a pessoa preciso esperar de duas a três semanas antes de começar a sentir qualquer efeito. Com Xanax, é muito mais simples: fique nervoso, tome uma pílula, acalme-se. A droga é semelhante a uma xícara de café e nem custa tanto assim.

O Xanax desconecta a pessoa do problema. Se a vida sufoca a pessoa, então, é claro, isso é uma bênção para ela. Isso funcionará até que ela perceba que precisa alcançar a verdade. Só então rejeitará esses métodos “indutores do sono”. Ela jogará o Xanax fora e pegará um livro sobre a Cabalá.

De KabTV “Notícias com Michael Laitman”, 08/02/18

Depressão De Um Economista

Laitman_514.02Nas Notícias (Project Syndicate): O Prêmio Nobel de Economia, Joseph Stiglitz, escreve:

“Eu tenho participado da conferência anual do Fórum Econômico Mundial em Davos, Suíça – onde a chamada elite global se reúne para discutir os problemas do mundo – desde 1995. Nunca saí mais desanimado do que este ano. …

“Os CEOs de Davos ficaram eufóricos este ano com o retorno ao crescimento, os lucros fortes e a alta remuneração dos executivos. Os economistas lembraram que esse crescimento não é sustentável e nunca foi inclusivo; mas tais argumentos têm pouco impacto em um mundo onde o materialismo é rei.

“Então, esqueça as trivialidades sobre valores que os CEOs recitam nos parágrafos iniciais de seus discursos. Eles podem carecer da franqueza do personagem de Michael Douglas no filme Wall Street, de 1987, mas a mensagem não mudou: “A ganância é boa”. O que me deprime é que, embora a mensagem seja obviamente falsa, muitos no poder acreditam que seja verdade”.

Meu Comentário: Ao contrário de Joseph Stiglitz, não me sinto deprimido porque entendo o egoísmo da humanidade e, desde o início, não espero boas ações da elite econômica. Além disso, desejo-lhes boa sorte. Porque quanto mais eles descerem à sua própria ganância, mais rapidamente o mundo verá a verdade e finalmente se tornará maduro o suficiente para aplicar a sabedoria da Cabalá.

A sabedoria da Cabalá diz que precisamos nos unir e exigir a realização do método para a correção do mundo a partir do povo de Israel. Mesmo nos tempos antigos, o Faraó egípcio entendia que os judeus estavam fugindo dele para a verdadeira unidade, para a ascensão acima do egoísmo. Isso tem que ser entendido pelas nações hoje ainda mais claramente.

A essência do método da sabedoria Cabalística, inerente ao povo de Israel, é a seguinte: conectem-se de tal forma que o egoísmo não mais nos separe ou nos perturbe. Demonstrando essa possibilidade para todos, os judeus cumprirão aquilo que o mundo espera deles, mesmo que inconscientemente.

Tendo se encontrado em um beco sem saída, as pessoas vão sentir isso. A humanidade começará a perceber que a solução para o problema está escondida no povo de Israel.

E tudo depende de como o povo de Israel é capaz de perceber a ideia de unidade dentro de si – depois mostrando e apresentando ao mundo.

Hoje, os judeus são odiados, sem um claro entendimento do porquê. Em vez de uma causa inerente, razões e desculpas são oferecidas para esse ódio. Portanto, esse ódio requer uma orientação correta na consciência, de modo que todos juntos se concentrem no que interessa: por um lado, aqueles que aspiram à correção interna – o “povo de Israel”, por outro lado, todos os outros.

Na realidade, essas duas partes juntas resolvem um problema mútuo. É simplesmente necessário começar com alguém e é por isso que a união começa com aqueles que já estão maduros para isso. Então, numa base voluntária, baseada no desejo, por meio de exemplos positivos, círculos mais amplos se conectam a eles.

Desta maneira, é totalmente desnecessário expulsar os judeus de sua terra; não é necessário matá-los. É necessário motivá-los a criar uma sociedade forte e entrelaçada, espalhando a Luz superior para o mundo inteiro.

De KabTV “Notícias com Michael Laitman”, 13/02/18

Por Que A Vida Está Piorando?

627.2Nas Notícias: Cientistas das universidades de Berkeley e Bar-Ilan, depois de entrevistarem mais de mil pessoas, descobriram que a raiz de todos os problemas da humanidade são as mulheres.

Acontece que esposas, irmãs e filhas são as principais culpadas em complicar a vida cotidiana. Trata-se de sua capacidade de “fazer um elefante de uma mosca”, que, na opinião das entrevistadas, as mulheres dominaram até a perfeição. (Achados do Estudo)

Meu Comentário: De fato, é assim que às vezes parece aos homens, e esse é o grande erro deles.

A questão é que homens e mulheres têm atitudes completamente diferentes em relação à vida. Um homem é como um menino, que muda seus brinquedos ao longo do tempo. Uma mulher, ao contrário, é um ser maduro, que olha o mundo de maneira muito realista e responsável. Por natureza, ela é criada para dar à luz, educar, cuidar e continuar a vida.

É muito difícil para os homens compreender e apreciar o lugar das mulheres no mundo. O que podemos fazer, não podemos nos colocar no lugar do outro, entendendo e sentindo que suas demandas vêm de uma percepção diferente e “mais próxima” da realidade.

Portanto, o que parece complexo para um homem é, de fato, um chamado para que ele cresça e ouça um ente querido que entende melhor a vida. “Ouça o que Sarah lhe diz”, é o que o Criador disse a Abraão. Em tudo que diz respeito a uma abordagem realista da vida, os homens devem procurar o conselho das mulheres. É ela quem desenrola o entrelaçamento de contradições que os homens apenas apertam cada vez mais.

Se as mulheres controlassem o mundo, seria, sem dúvida, muito melhor. Nós não iríamos brincar com guerras, nem competir com quem ganha sobre quem. No entanto, por outro lado, a questão não é dar todo o poder às mulheres.

Todos nós devemos ser como uma família onde a compreensão mútua, responsabilidades e oportunidades são distribuídas com precisão e onde ambas as partes da nossa natureza se conectam harmoniosamente. E um dia aprenderemos como fazer isso.

De KabTV “Notícias com Michael Laitman” 30/01/18

Terra: Os Últimos Anos De Vida

laitman_746.01Observação: Cientistas americanos e britânicos enviaram um relatório oficial à Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos de que a Terra se tornará imprópria para a vida até 2200-2400, independentemente do declínio estimado no crescimento populacional por volta de 2100.

Especialistas apontam para o perigo da mudança climática, inevitável devido ao aumento do consumo de energia, que continuará mesmo com a redução das emissões de gases de efeito estufa na atmosfera. Além disso, existem outros riscos globais. (Kathmandu Tribune)

Seguindo na mesma direção, Stephen Hawking sugeriu recentemente encontrar um novo lar para a humanidade no espaço. (NBC News)

Meu Comentário: O problema é que tais projetos não são realistas. As pessoas estão inextricavelmente ligadas a este planeta por um “cordão umbilical” invisível. Somos um só todo, estamos entrelaçados com um número infinito de fios e não podemos funcionar sem ele.

Mas digamos, por exemplo, que nos mudemos para Marte. O que acontece depois? Vamos poluir ou espremer todos os seus recursos, assim como fizemos com a Terra. Além disso, enfrentaremos problemas pessoais e sociais porque, tendo mudado o local de residência, não teríamos mudado nossa natureza. Então o que vamos fazer? Vamos vagar de planeta em planeta fugindo de nós mesmos? Não vai ajudar.

Nós trazemos a morte ao nosso redor porque essa é a nossa natureza. “Morte” é o egoísmo que quer devorar tudo. Ele desfruta que destrói tudo ao redor. Nós não vamos sobreviver em nenhum planeta. Afinal, não sabemos como levar em conta a natureza global e suas leis básicas.

Nós levamos em conta apenas o que é benéfico e conveniente para nós. Essa mesma atitude já é destrutiva para a Terra porque envenena o sistema planetário comum.

A carga negativa do egoísmo é o que realmente sacode a noosfera. Desequilíbrios crescentes na sociedade, entre pessoas, minam o equilíbrio em tudo. O que o futuro está preparando para nós? Na pior das hipóteses, depois de passar pelo sofrimento mais difícil – até o inverno nuclear e outras “delícias” antiutópicas -, finalmente perceberemos a necessidade de nos livrarmos do egoísmo.

Então as pessoas finalmente se elevarão acima de sua natureza egoísta e corrigirão esta Terra, deixando de poluí-la e arruiná-la de todas as maneiras. Afinal, a Terra tem um grande potencial regenerativo. Ela pode se recuperar se as pessoas pararem de prejudicá-la e aceitarem as leis da natureza que estabelecem interação, harmonia e homeostase.

Em outras palavras, tendo subido acima do egoísmo, estaremos como se estivéssemos em outro planeta, que cura as feridas e se relaciona conosco benevolentemente. Então não teremos que ir a lugar nenhum. Descobriremos que, se desistirmos do amor próprio, tudo irá servir à nossa prosperidade. E só resta uma pergunta: por que não fazer isso agora?

De KabTV “Notícias com Michael Laitman”, 23/01/18

A Vaca De Bill Gates

laitman_543.02Nas Notícias (Business Insider): “Bill Gates financiou a pesquisa genética de como criar a vaca perfeita – uma que vai produzir mais leite e ser capaz de resistir a temperaturas além do que é capaz a vaca comum”.

Meu Comentário: Eu acho que o problema não está em quanto leite é produzido, mas como é distribuído e comercializado. Por exemplo, Israel é o primeiro no mundo na produção de leite, mas o leite aqui não é de nenhum modo barato, porque o mercado está completamente regulamentado.

Há muitos obstáculos na comercialização do leite, que inclui o dumping, costumes, deveres, monopólios, e assim por diante. Eles minam quaisquer esforços dos “benfeitores”. Por causa das relações mutuamente corruptas, a humanidade é incapaz de cuidar de qualquer coisa útil e realmente eficaz para aqueles em necessidade.

Tentativas têm sido feitas, mas o interesse pessoal estraga tudo e se apega a tudo. É por isso que, mesmo se em algum momento, supervacas produzirem quatro vezes mais leite, isso não vai fazê-lo chegar aos seus destinatários africanos e asiáticos. Como último recurso, ele será despejado de forma a não derrubar os preços do mercado.

Antes de investir nesse tipo de projeto, precisamos investir na conexão da humanidade. Sem ela, as nossas boas intenções são impotentes.

Não é necessário inventar algo novo se as condições adequadas para isso não forem criadas primeiro. Apenas salvando o excesso de produção, que vai para os lixões, poderíamos prover a um grande número de pessoas que estão morrendo de fome. No entanto, com as nossas atuais relações económicas e sociais, isso não é realista.

Portanto, o problema não está na produção, mas nas pessoas. Mais especificamente, na sua dissociação e desrespeito para com o outro. Ao unirmo-nos, veremos como utilizar os recursos de forma adequada, que agora realmente temos em abundância. Se a humanidade se tornar uma família, encontrará maneiras reais para distribuir produtos e, em seguida, será possível pensar em produção. Até então, o leite, como tudo o mais, desaparecerá no poço sem fundo do nosso egoísmo.

De KabTV “Notícias com Michael Laitman,” 30/01/18

“Países Escandinavos Querem Proibir A Circuncisão E O Abate Kosher”

Dr. Michael LaitmanDa Minha Página No Facebook Michael Laitman 19/03/18

Os países escandinavos estão a caminho de se tornar os primeiros países da Europa a proibir a circuncisão e o abate kosher. E você pode adicionar a rejeição de cinco coreografias israelenses do festival de arte na Noruega a este noticiário.

Não deixe a política te enganar. O ódio aos judeus está se acumulando nos corações dos europeus, criando uma tremenda pressão sem meios de arrefecer. Mesmo que eles não estejam cientes disso, os inimigos de Israel sentem que temos a chave para o seu bom futuro.

Mas nossos ouvidos não vão ouvir. O ódio irracional que surge como ode hoje e que assume a forma de novas leis dirigidas à comunidade judaica, nos lembra da maneira mais difícil que temos um papel, e mesmo que fôssemos felizes em nos livrarmos dele, é impossível.

De acordo com a Cabalá, o antissemitismo não é um fenômeno passageiro, mas uma dinâmica natural: quando os judeus se unem acima de todos os conflitos e diferenças, uma força positiva de unidade se espalha por toda a sociedade humana. Por outro lado, quando estamos emocionalmente separados e distanciados uns dos outros, evocamos a negatividade no mundo, que repetidamente nos parece uma explosão de antissemitismo.

Nós somos um povo que carrega consigo um potencial espiritual: a semente do amor por todas as pessoas do mundo. Nós nos tornamos uma nação baseada no princípio do “ama ao próximo como a ti mesmo”, e somente o retorno a esse princípio pode erradicar o ódio do mundo em relação a nós.

O Livro do Zohar explica que os judeus moldam o destino do mundo: “Assim como os órgãos do corpo não podem existir por um momento sem o coração, todas as nações não podem existir no mundo sem Israel”.

Quando nos unimos, dirigimos o mundo para a unidade e uma grande abundância começa a fluir. A divisão entre nós, no entanto, cria uma divisão no mundo e bloqueia os canais de abundância, levando a guerras e ódio. Como escreveu o maior Cabalista do século XX, Yehuda Ashlag: “A nação israelense foi estabelecida como um ‘canal’, que na mesma proporção em que os próprios Israel estão unificados, transferem seu poder ao resto das nações”.

O Mundo Está Melhorando

laitman_202.0Pesquisadores do projeto “Our World In Data” (“Nosso Mundo Em Dados”), apoiados por números em suas mãos, verificaram que houve melhoras significativas no mundo nos últimos duzentos anos. Por exemplo, no início do século XIX mais de 94% da população do mundo eram indigentes, enquanto hoje este número é de 9,6% (OurWorldinData.org).

Uma em cada dez pessoas com mais de 15 anos podia ler, enquanto hoje 85% das pessoas são alfabetizadas. Há duzentos anos, 43% dos recém-nascidos chegavam ao seu quinto aniversário, hoje a taxa de mortalidade infantil mundial é de até 4%.

Na verdade, nós aprendemos a cuidar dos nossos corpos e conseguimos um grande sucesso ao fazer isso. Mas o que está acontecendo com o corpo não é exatamente o que está acontecendo com a pessoa.

Antes as pessoas costumavam lutar pela sobrevivência diária e raramente questionavam seu significado. Hoje, quando os países desenvolvidos garantem praticamente todas as suas necessidades básicas, surge a questão: “Qual o sentido da minha vida?”

Não há resposta.

Com o tempo, algumas pessoas ficam realmente incomodadas com essa questão. Não importa o quanto tentamos escapar ou ocultar, o vazio permanece. Atrás dela não há apenas uma simples obscuridade, mas um problema para toda a humanidade: a ausência do sentido de seu próprio fundamento.

É por isso que, embora a vida se torne mais fácil, ela também se torna mais difícil. Inconscientemente, nós carregamos esse fardo de verdade tácita dentro de nós, um erro na base da nossa consciência.

Nós podemos nos orgulhar de nossos indicadores estatísticos, mas, na realidade, estamos nos tornando mais solitários; mesmo em nossas famílias, interagimos cada vez menos. Há um vácuo em torno de cada um. Em vez de felicidade e prosperidade comuns, estamos vagando no escuro entre as sombras. À medida que prosperamos materialmente, nos tornamos espiritualmente indigentes.

É por isso que as pessoas deixaram de acreditar em um futuro melhor, apesar do aumento do padrão de vida. Não é de se admirar que a porcentagem de otimistas tenha caído abaixo de dez por cento em alguns lugares.

Infelizmente, nem todos percebem que o motivo disso é a falta de sentido. Mas, em certo ponto, esta questão se tornará primordial para todos: “O que é isso tudo? Para que existe?” Então as pessoas vão ouvir o que a ciência da Cabalá, que estuda o nível superior do sistema de governança, diz. Não há outra resposta, tudo o mais é apenas uma corrida e adiamento.

Assim, a questão da falta de sentido na vida e da falta de seu objetivo nos leva à verdadeira revelação e ascensão. Quando penetrarmos na visão do sistema superior e começarmos a interagir conscientemente com ele, nossas vidas se tornarão verdadeiramente produtivas. Nós participaremos ativamente do nosso próprio desenvolvimento, e de pessoas infelizes, solitárias e pequenas, nos tornaremos criaturas grandes, eternas e perfeitas.

De KabTV “Notícias com Michael Laitman” 30/01/18

Congresso De Hackers

laitman_959Nas Notícias (Deutsche Welle): “O Chaos Computer Club (CCC) é uma das principais reuniões de white-hat hackers (hackers bem-intencionados) e feiras de fabricantes, e sua reunião geral anual em Leipzig nesta semana foi uma celebração de artes digitais e acrobacias tecnológicas.

“O que os white-hat hackers hackers de computadores e os freaks de tecnologia fazem quando se juntam em uma grande horda? O lugar para descobrir é Leipzig, e a hora é agora. Isso ocorre porque a CCC está realizando sua 34ª reunião anual lá, de 27 a 30 de dezembro, sob a rubrica ‘Faça Algo’.

“Espera-se que cerca de 15 mil pessoas participem do evento esgotado, cerca de 3.000 a mais do que no ano passado. Para os hackers e os nerds de computadores da Alemanha, é o maior e melhor festival do ano. …

“A CCC está preocupada com a liberdade de informação, privacidade, tecnologias digitais, experimentação e artes digitais, cultura e política, entre outras coisas.”

Pergunta: É prejudicial para a sociedade ter acesso a dados gerais sobre qualquer indivíduo? Quem pode ser autorizado a ter esse acesso?

Resposta: Isso é um problema. Se a sociedade fosse corrigida, todas as informações estariam acessíveis e abertas e tudo seria corretamente aceito, compreendido e digerido, como em um moedor de carne, e teríamos uma “linda costela”.

No entanto, quando as organizações federais reguladoras da sociedade e dos vários países, seus advogados, tribunais e outros, estão apenas esperando moer e moldar tudo para seu próprio favor, eu não acho que esse tipo de acesso seja digno de revelar. Eu acho que, nesse caso, a Internet se transformará em um esgoto.

Se abrirmos a Internet e despejarmos tudo, será como o que ocorre nos nossos oceanos; enquanto você voa, você vê as montanhas de lixo no meio do oceano. A Internet também é um oceano. Ela realmente pode conter qualquer coisa, mas, em última instância, mesmo que seja infinito e sem limites, as montanhas de lixo começarão a se acumular, o que terá o efeito de diminuir o fluxo de informações, criar spam e assim por diante.

É por isso que não sou a favor da liberdade absoluta, mas de uma liberdade razoável. Temos que lidar com o indivíduo como com uma criança – permitindo apenas o que é benéfico para o seu desenvolvimento. Se permitimos que uma criança faça absolutamente tudo, podemos causar-lhe danos. É o que acontece aqui.

A humanidade é como crianças irracionais, exigindo educação. Ao mesmo tempo, podemos permitir qualquer coisa na Internet de acordo com a educação que a humanidade recebe. No entanto, apenas com base no nível de educação – de modo que o indivíduo retire da Internet apenas o que é realmente benéfico para ele e para a sociedade.

De KabTV “Notícias com Michael Laitman”, 07/01/18

Os Ricos Ficam Mais Ricos, Mas Eles Não São O Problema

A estratificação social está aumentando no mundo. Os ricos continuam a ficar rapidamente mais ricos e os pobres mais pobres.

De acordo com dados recentes, no ano passado, um por cento da população mundial acumulou cerca de um terço da riqueza do mundo. Isto é ruim? No âmbito do egoísmo humano, isso é normal e natural. Não se trata de bilionários. Como todos nós, eles também não podem sacrificar sua natureza (The Guardian).

O nosso egoísmo é sem fundo e nada é suficiente para ele. É bom que hoje nós ainda consigamos mantê-lo sob controle e repassemos alguns fundos para os outros. No entanto, a tendência geral leva a um beco sem saída.

Afinal, uma pessoa rica estima seu sucesso não em bilhões, mas em sentimento. Ela não sente que é rica, porque os outros são mais ricos do que ela ou porque ela ainda não é dona de tudo e de todos.

Paradoxalmente, com cinquenta bilhões, ela sente-se mais pobre do que antes. Não há limite. Ela dá enormes somas para causas de caridade exatamente porque o dinheiro em si não a satisfaz. A propósito, seríamos exatamente os mesmos em seu lugar.

Por outro lado, mesmo infusões maciças no Terceiro Mundo não ajudaram a mudar radicalmente a situação. Centenas de milhões de pessoas ainda passam fome e a maioria das pessoas está longe de satisfazer suas necessidades básicas.

O que deveria ser feito?

Para começar, precisamos entender a essência do problema, sua raiz. O mal não está na concentração de riqueza do mundo, mas no próprio sistema, onde as pessoas são incapazes de mudar, porque não querem ouvir que precisam mudar a si mesmas.

Nós somos confrontados com o desafio da história: a necessidade de renovar radicalmente a natureza humana e nutrir uma nova qualidade de doação aos nossos companheiros seres humanos. Só isso nos fará mais iguais, verdadeiros, honestos, confiáveis e sem derramamento de sangue. Esta não é uma solução “padronizada para todos”. Em vez disso, ela permite que todos se realizem ao beneficiar os outros.

Somente assim encontraremos nossa vocação e felicidade.

Newsmax: “As Leis Não Vão Curar A Epidemia Social Da Violência Armada”

O maior portal, Newsmax, publicou meu novo artigo “A Leis Não Vão Curar A Epidemia Social Da Violência Armada

Os tiroteios escolares nos EUA não são nada menos do que uma epidemia social. O massacre da escola Parlkand, na Flórida, foi apenas o último de 18 eventos em que uma arma foi sacada no campus de uma escola desde o início de 2018. Isso significa que esse evento aconteceu a cada 60 horas em diferentes lugares, antes de chegar a Marjory Stoneman Douglas High School.

Vamos primeiro dar uma olhada na tendência:

O massacre de Columbine foi realizado por um jovem de 18 anos e um com 17 anos; Virginia Tech por um jovem de 23 anos. Sandy Hook foi executado por um jovem de 20 anos. E agora na Flórida, outro de 19 anos. Estes são apenas os grandes nomes gravados na memória coletiva dos Estados Unidos. Entre eles, houve mais de 200 outros tiroteios em escola, a maioria dos quais segue o mesmo padrão: um jovem se torna um assassino.

Tal como acontece com qualquer outra epidemia, para oferecer uma solução verdadeira, temos que ir além dos sintomas e tratar a causa principal. E como esse horrível cenário é único para os EUA, temos que entender o que acontece com um jovem norte-americano antes dele decidir pegar uma arma e matar seus colegas de escola.

O Alto Preço Da Criação Dos Filhos Em Uma Cultura Competitiva

Em primeiro lugar, não podemos simplesmente nos contentar em chamar o comportamento de alguém de “mal”, “sem sentido” ou “perturbado”. Os seres humanos são criaturas sociais e um indivíduo não pode ser separado de sua cultura quando queremos entender um comportamento que se repete.

Os EUA de hoje são indiscutivelmente a sociedade mais individualista e competitiva do mundo.

Em tal clima social de “cada um por si”, portar uma arma torna-se uma extensão do ego humano. Isso pode compensar medos e inseguranças e ajudar a manter uma sensação de segurança e confiança. Portanto, temos que entender a natureza humana quando se trata de norte-americanos normativos que se acostumaram a sentir que o modo de estar protegido – ou ser igual aos outros – é possuir uma arma.

Mas quando se trata de tiroteios em escolas, temos que entender os estressores que cercam a juventude americana, suas inseguranças únicas e sua fragilidade emocional.

Só por serem adolescentes, eles já estão sob pressão para estabelecer seu status social e lidar com ansiedades sociais, enquanto suas mentes em desenvolvimento estão fazendo sentido de si mesmas e do mundo ao seu redor.

Além disso, a mentalidade competitiva penetra na escola e se manifesta de forma hostil ou perigosa, como o bullying, a exclusão social, a pressão dos pares para usar álcool e drogas, ou fazer outros atos extremos apenas para ganhar notoriedade e poder. Enquanto isso, eles estão em um sistema continuamente julgando-os com testes e notas.

Muitos adolescentes hoje são diagnosticados como sofrendo de algumas vertentes do Transtorno de Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH), ansiedade ou depressão. Os vários tipos de medicamentos prescritos que alteram a mente não resolvem seu problema. Eles apenas aliviam os sintomas, às vezes ao custo de efeitos colaterais perigosos, como adormecer suas emoções e mentalmente desconectá-los da realidade.

Paralelamente, as crianças americanas estão sendo dessensibilizadas para níveis obscenos de violência. Quando têm 18 anos, elas já assistiram 200 mil atos de violência, 16 mil dos quais são assassinatos, e isso é apenas na televisão. Junte isso com o que vêem quando vão ao cinema, vagueiam na net, ou os violentos jogos de vídeo que jogam.

Portanto, quando você considera o impacto de tudo isso nas mentes em desenvolvimento, que também podem estar lutando com circunstâncias difíceis da vida, é realmente impensável que, de vez em quando, alguns vão surtar, eclodindo em uma violência horrível?

Por Que As Leis De Armas Não São Uma Solução

Quando as pessoas sentem que suas vidas não têm valor, seus atos sem sentido refletem o pior que sua cultura lhes ensinou.

Portanto, mesmo com leis de armas mais duras no caminho de indivíduos jovens e instáveis, não estaríamos resolvendo o problema na raiz. Na verdade, eles poderiam pensar em maneiras ainda mais horríveis de cometer assassinatos em massa. E com a Internet na ponta dos dedos, nenhum de nós deseja imaginar o que pode ser.

A maneira de tratar a epidemia de violência armada na escola vai além das leis e regulamentos.

Os EUA devem tratar o profundo condicionamento cultural e social que geram esses eventos iniciando um programa educacional federal maciço para infundir seus filhos com novos exemplos, normas e valores.

As crianças precisam crescer em um ambiente seguro e positivo, um que impeça que a concorrência hostil se acumule em primeiro lugar. Elas devem ser regularmente treinadas para cooperar, criar confiança e desenvolver sua sensibilidade social entre si através de workshops, grupos de discussão e projetos colaborativos.

A escola deve se sentir como uma comunidade de apoio, em vez de um lugar onde você luta pelo sucesso individual, enquanto está ansioso pela aceitação social.

Plano Federal Nacional de Reforma Social

Nossa educação deve agora se concentrar no cultivo do ser humano dentro desses jovens adultos. Isso significa construir um sistema de valores dentro do indivíduo e um ambiente social em torno dele, que equilibre o ego humano e direcione-o para uma realização positiva.

Eles precisam de ferramentas e orientações para entender melhor a si mesmos e o que estão passando, para perceber seu potencial e encontrar sua expressão, e para estabelecer conexões significativas e saudáveis ​​com seus pares. Esta formação socioeducativa deve se tornar a principal coisa em que se envolvem e são avaliados pela escola. De fato, suas sensibilidades sociais devem se tornar a qualificação inicial necessária para sua participação na sociedade adulta.

Paralelamente, temos que fazer esforços para restringir o acesso ilimitado a visualizações de violência e sangue. É por isso que este esforço tem que ir além das escolas. Os canais de mídia comuns também devem ser necessários para dedicar certa porcentagem de sua atividade a este programa educacional.

Idealmente, este deve ser um esforço nacional de costa a costa. De forma pragmática, talvez ele possa começar com uma grande cidade. Mas, pelo menos, vamos começar decidindo que já tivemos o suficiente, que estamos dispostos a ir além dos sintomas e a tomar medidas vitais para a reforma social para conter uma epidemia social.

Michael Laitman é um pensador global que vive em Israel. Laitman tem doutorado em Filosofia e Cabalá e MS em Biocibernética Médica. Ele é um escritor prolífico que publicou mais de 40 livros, que foram traduzidos em dezenas de idiomas. Ele é orador e escreveu para ou foi entrevistado pelo New York Times, The Jerusalem Post, Huffington Post, Corriere della Sera, Chicago Tribune, Miami Herald, The Globe, RAI TV e Bloomberg TV, entre outras. A mensagem de Laitman é simples: somente através da unidade e conexão podemos resolver todos os nossos problemas, sejam eles pessoais ou globais, criando um mundo melhor para nossos filhos. Dr. Laitman ensina lições diárias ao vivo a uma audiência de cerca de dois milhões de pessoas em todo o mundo, interpretada simultaneamente em inglês, espanhol, hebraico, italiano, russo, francês, turco, português, alemão, húngaro, farsi, ucraniano, chinês e japonês. Visite http://www.michaellaitman.com/pt/ para mais informações. Para ler mais de seus relatórios – Clique aqui agora.