Textos na Categoria 'Notícias'

Como Salvar Crianças Do Suicídio

919Pergunta: Um leitor pergunta: “Por favor, conte-nos sobre o suicídio entre crianças. Como posso explicar a uma criança que isso é errado e que não se deve ter esse tipo de pensamento? Em uma escola vizinha, uma garota saltou de um prédio alto. Existem duas versões do porquê isso ocorreu: a primeira é o amor não correspondido, a segunda é a influência da Internet, e que ela foi levada a isso. Como devemos falar com os adolescentes? Como podemos evitar que isso aconteça? Ou é o destino de uma pessoa?”

Resposta: Devemos entender que um adolescente é uma pessoa pequena que deve alcançar o mundo gradualmente. Exatamente como quando nascemos. No início, estamos completamente dentro da mãe. Então, “colocamos nossa cabeça para fora”. Começamos a compreender um pouco, dentro do nosso berço, do nosso quarto, do apartamento e assim por diante.

Hoje, uma criança antes mesmo de começar a andar e só conseguir alcançar algo engatinhando por uma pequena área, está exposta a um enorme mundo ao seu redor. Ela é colocada no carro e conduzida por aí, empurrada em um carrinho de bebê, os pais ligam a TV, música e vídeo, o que for. Todos os tipos de brinquedos complicados são empurrados para ela.

Ou seja, as fronteiras do mundo estão sendo abertas para ela enquanto ela não está pronta para isso e não quer! A natureza ainda não a preparou para isso. Então ela está confusa e não sabe o que fazer. Portanto, ela está sob pressão desses novos conceitos ao seu redor, para os quais não está pronto. E esse é o problema.

Portanto, muitas crianças não conseguem lidar com isso. Elas não têm força interior suficiente. Todos esses estímulos externos as afetam de tal maneira que as crianças simplesmente perdem o controle. E quando, mesmo assim, são expostas a alguns filmes negativos ou algo mais, elas os percebem como reais e facilmente contemplam o suicídio.

Devemos proibi-los e restringi-los! Nos primeiros dois anos, eu não exporia uma criança a estímulos externos. Apenas as coisas naturais que ela pode ver e ouvir ao seu redor, é a isso que ela deve ser exposta. Os sons e imagens ao seu redor, tudo o que existe, permitem que ela veja tudo. Mas sem telas. Sem computador ou TV.

Pergunta: Então, você é um grande defensor da exposição cuidadosa e gradual das crianças a esta vida?

Resposta: Eu quero que uma criança desenvolva uma psique normal para o tamanho do mundo em que ela existe. Tudo o que ela pode alcançar, é com isso que ela deve se sentir confortável.

O resto fica para depois. Nessa altura, todos os tipos de mecanismos já estão em funcionamento. Você já pode explicar coisas para ela, falar com ela, dar a ela certa literatura e mostrar-lhe coisas. Mesmo assim, eu começaria com história, geografia, algumas coisas terrenas. Em vez desses programas infantis terríveis que são construídos completamente sobre ficção, e em uma ficção ainda terrível e distorcida. Eles mostram violência e raiva. É simplesmente inacreditável!

Os programas infantis são os mais violentos. A criança olha para isso e pensa que essa é a realidade do nosso mundo. Então, por que não pular do décimo andar? Ela vê esses saltos na TV todos os dias nos programas infantis.

Ou seja, não temos ideia da imagem distorcida da realidade que trazemos para o seu mundo. Qual é a sua expectativa? Precisamos remover tudo isso. Completamente!

Pergunta: Você é a favor de tais medidas duras?

Resposta: Eu defendo criar uma geração saudável.

De KabTV, “Notícias com o Dr. Michael Laitman”, 11/02/21

O Método Dos Pontos Nos Ajudará?

294.2Comentário: No início do ano entrou em vigor o primeiro Código Civil da história do país na República Popular da China. Os cidadãos estão ganhando pontos. Claro, existe um sistema de rastreamento instalado.

Você tem um ponto de partida de mil pontos. E você ganha mais e sobe ou desce. Os pontos são ganhos para caridade, cuidar de parentes idosos, boas relações com os vizinhos, ajudar os pobres, apoiar o governo, cometer um ato heroico e assim por diante.

Os pontos são deduzidos por infrações de trânsito, apoio parental insatisfatório, divulgação de boatos e notícias falsas na Internet, desculpas falsas por crimes cometidos, participação em seitas, protestos contra autoridades, etc.

Aqueles com notas altas terão prioridade na admissão escolar, promoções rápidas no trabalho, avanço rápido na fila de moradias públicas, etc. Aqueles com notas baixas serão privados do direito de ocupar cargos em cargos públicos, estarão sujeitos à censura pública, etc.

Aqueles que emitem essas leis afirmam que esta é a única maneira de tornar as pessoas honestas, gentis e abertas. Ou seja, é assim que eles querem educar as pessoas!

Minha Resposta: Esse sistema educacional é inadequado para o novo mundo.

Pergunta: Em geral, o que dizer de um sistema educacional baseado na repressão, no medo?

Resposta: É necessário para o desenvolvimento inicial de qualquer sociedade! Assim como o homem: nós o restringimos, ele deve ser supervisionado pelos mais velhos que devem ser responsáveis ​​por suas ações, ou seja, devem restringi-lo, puni-lo, e assim por diante.

Pergunta: Devemos construir um sistema educacional baseado no caráter nacional?

Resposta: Não. Se estamos falando do sistema educacional de que o mundo precisa hoje, não devemos levar em conta nenhuma característica nacional, mentalidade, nada.

Precisamos apenas ganhar e difundir no mundo o conhecimento de que somente a conexão, a conexão simples entre as pessoas – quando cada pessoa entende que seu bom futuro reside apenas em sua conexão com outras pessoas – somente essa educação pode colocar a humanidade em ordem.

O homem encontrará a felicidade quando começar a se aproximar dos outros e, nessa compreensão, começará a se sentir mais confiante, mais confortável e verá o futuro.

As pessoas devem simplesmente entender que estão em um único sistema – nem chinês e nem soviético – mas no sistema da natureza que quer apenas uma coisa: que permaneçamos em unidade entre nós.

Pergunta: Então a própria pessoa, sozinha, sem nenhum ponto, tratará bem os idosos e não caluniará?

Resposta: Claro, nem é preciso dizer.

Pergunta: Isso é possível? Afinal, uma pessoa é o que é.

Resposta: Hoje em dia, por causa da pandemia e outros problemas, incluindo pressões que descerão em nosso mundo cada vez mais em uma escala maior, isso é possível. É graças a isso que é possível.

Pergunta: Ou seja, a intensificação do sofrimento permite explicar a uma pessoa que precisamos nos relacionar bem?

Resposta: Sim.

Pergunta: Por que não ouvimos então?

Resposta: Ninguém ainda nos explicou isso. Ainda não alcançamos tal estado para sentir e compreender que precisamos disso. E o sofrimento será adicionado. Um vírus será seguido por outro vírus, os problemas serão seguidos por outros problemas.

O homem não perecerá. O homem suportará tudo! Os animais morrerão, as plantas morrerão, as pedras derreterão, mas os humanos não.

Pergunta: O homem vai sair deste estado?

Resposta: Sim. Vai acontecer quando ele disser: “É isso, estou pronto! Até meu coração de pedra derreteu. Estou pronto para me aproximar dos outros!”

Tenho absoluta confiança nisso. E assim será. Com esperança, se não este ano, então no próximo, mas ainda espero viver para ver isso.

Pergunta: Então começará como uma epidemia, uma epidemia boa e gentil?

Resposta: Sim. Porque as pessoas não terão outra saída de qualquer maneira. Elas já estão começando a ver a escuridão: há neblina à frente, depois o crepúsculo, depois a noite e depois um abismo. Então um despertar gradual, realmente gradual, começará.

Pergunta: E o que é necessário para sair disso?

Resposta: É muito simples: fiquem juntos para não nos perdermos um a um.

Pergunta: Então o abismo recuará?

Resposta: Com certeza!

De KabTV, “Notícias com o Dr. Michael Laitman”, 01/02/21

Em Que Você Precisa Pensar A Cada Minuto

204Pergunta: Um aluno escreveu: “Eu vi o vídeo no YouTube ‘Como superar a vergonha?’ Diga-me, por favor, o que devo fazer? Devido ao coronavírus, perdi meu negócio e tenho dívidas enormes com bancos; tenho um apartamento alugado e um filho pequeno. Como posso não perder o humano em mim? Com estresse, depressão, ataques de pânico e insônia, como alguém lida com uma situação temporária de vida difícil? Você descreveu com precisão meu estado de espírito”.

Resposta: Eu aconselho você a desligar o cérebro e os nervos, a agir de forma absolutamente mecânica, racional. O que a vida exige de mim hoje, devo fazer, sem prestar atenção ao que vai acontecer depois de amanhã e mesmo, talvez, amanhã. O principal é hoje! Entenda-me corretamente e você entenderá como nosso mundo deve ser percebido.

Não devemos pensar no amanhã ou depois de amanhã, não devemos fazer planos para grandes mudanças. Devemos apenas pensar em como, a cada momento, podemos ser úteis a nós mesmos e aos nossos entes queridos, e se tivermos a compreensão correta do mundo futuro, talvez de alguma forma compartilhar isso com os outros.

Sem invenções excessivamente razoáveis ​​e filosóficas, mantenha-o o mais simples possível.

Você verá um caminho tão novo, ao longo do qual poderá caminhar com segurança, como em um parque, e ninguém vai incomodá-lo. E se, como lhe parece, eles o incomodam, aprofunde-se neste caminho. Você verá como tudo se resolverá e abrirá espaço para sua vida simples. Assim você sairá de todos esses problemas.

O principal é viver descomplicado em nosso tempo, nesta pandemia. E essa atitude o levará a pensamentos e ações mais sábias.

De KabTV, “Notícias com o Dr. Michael Laitman”, 01/02/21

Os Animais Nos Ajudarão A Nos Tornarmos Humanos

294.4Comentário: Veterinários afirmam que os animais hoje apresentam um grande número de doenças devido à depressão. Costumava haver um pequeno livro de 50 páginas sobre doenças de animais de estimação e agora eles ocupam 500 páginas.

Eu li em um livro de veterinária russa: “Animais que têm um intelecto suficientemente elevado (cães, gatos) estão deprimidos”. Como se estivessem falando de uma pessoa: “Se está escuro e frio do lado de fora da janela e a casa é a mesma, eles estão deprimidos. Se o dono tem pressa em passear com eles, e é um programa obrigatório para ele, e não há alegria nisso, os animais ficam deprimidos. Quando o próprio dono está de mau humor, irritado, o animal se sente solitário”.

Parece que não estão falando de animais, mas de uma pessoa.

Minha Resposta: Claro, eles têm uma alma.

Pergunta: Dizem que estamos dando tudo a eles. Ou seja, eles são vítimas de todas as nossas experiências, ódios e do que está acontecendo no mundo.

Resposta: Animais sentem muito. Muito! Muito mais que um ser humano. O homem pode esquecer, ele pode se distrair, ele tem tais sistemas. Mas os animais não. Eles sentem diretamente o que o dono tem. Então ele se deita ao seu lado, coloca o focinho na sua perna, e olha nos seus olhos, e pronto, não há mais nada para ele. Você é seu deus. Isso é assustador! Não o entendemos, não simpatizamos e o negligenciamos.

Pergunta: Será porque realmente não sentimos que temos um mestre?

Resposta: Sim. Não temos esse exemplo.

Pergunta: O que isso pode nos ensinar? Podemos nos sentir responsáveis?

Resposta: No final, todos nós influenciamos uns aos outros. Ainda assim, as naturezas vegetativa, animada e humana estão relacionadas. Portanto, até mesmo o sofrimento deles está conectado ao nosso, e ainda o sentimos em nosso nível. Portanto, existem muitas doenças e muitos problemas que poderíamos tratar se prestássemos atenção aos animais. Ou seja, através dos animais para curar pessoas, neste nível, não poderíamos permitir que essas depressões e todos esses problemas se propagassem ainda mais. Mas não podemos apreciar e aceitar isso. Em nossos corações, não entendemos cães ou gatos.

Pergunta: Podemos dizer que os animais realmente apareceram para nos curar de todas essas doenças?

Resposta: Devemos aceitar os animais que vivem ao nosso lado como parte de nós mesmos e começar a perceber que podemos nos curar e nos corrigir por meio deles.

Pergunta: Então você geralmente os humaniza?

Resposta: Não, eu apenas entendo a interação dos animais com os humanos, o quanto um animal empatiza e o quanto ele complementa o homem e passa as experiências e correções humanas por si mesmo.

Pergunta: O que você quer dizer com correções?

Resposta: Quero dizer que se uma pessoa prestar mais atenção ao animal que está ao seu lado, ela se corrigirá por meio do animal. Por que não? Ao mesmo tempo, você dá a ele sua parte: um pouco de seu coração, um pouco de sua alma.

Pergunta: E depois disso, se eu viver assim, aos poucos começo a tratar os outros assim?

Resposta: Claro. E não necessariamente outros. Por meio dele, por meio desse cachorro ou gato, ou o que quer que você tenha. Você expressa sua boa atitude para o mundo ao fazer isso! Esta já é a sua correção. Veja como eles esperam isso de você, exigem. Eles não têm pensamentos ocultos; eles ainda estão no nível animal.

Eu acho que os animais, se os tratamos corretamente, podem nos ajudar a nos tornarmos humanos.

De KabTV, “Notícias com o Dr. Michael Laitman” 02/01/21

Momento Mais Feliz Da Vida

583.01Comentário: Não é segredo que as pessoas querem ser felizes. Algumas dizem: “Felicidade é quando você é compreendido. Felicidade é quando você ama. Felicidade é quando você é amado. A felicidade é quando todos ao seu redor estão saudáveis”. Todo mundo tem sua própria compreensão da felicidade.

O grande Cabalista Baal HaSulam diz isso de tal forma que a pessoa fica perplexa: “Não há estado mais feliz no mundo do homem do que quando ele se encontra desesperado com suas próprias forças. Ou seja, ele já trabalhou e fez tudo o que poderia imaginar que poderia fazer, mas não encontrou remédio. É então que ele está apto a uma oração sincera por Sua ajuda, porque sabe com certeza que seu próprio trabalho não o ajudará.

“Enquanto ele sentir alguma força própria, sua oração não será completa porque a inclinação ao mal se apressa primeiro e diz a ele: ‘Primeiro você deve fazer o que puder, e então será digno do Criador’”.

Minha Resposta: Sim. Felicidade é quando dei o meu melhor até o fim e me assegurei de não ter forças. Em geral, não sou ninguém e nada, estou no nada e em lugar nenhum. Aqui, por causa disso, tenho a oportunidade de me voltar ao Criador.

Isso vem do pensamento da criação. Depois que uma pessoa está convencida de que não tem nada em suas mãos, mas ela tem um longo caminho que veio, buscou e sofreu, tentou fazer algo por si mesma e vê que não é capaz, ela se volta ao Criador .

Você sente que não tem nada além do Criador. Você deve se voltar a Ele e persuadir, rogar, implorar ou simplesmente forçar, forçar, exigir revelação.

Pergunta: Este momento é um momento de felicidade?

Resposta: Sim. Todo o caminho foi em direção à revelação do Criador, porque tudo o que você queria em seu caminho espiritual era adquirir a propriedade de doação e amor. Só que você não podia se voltar ao Criador corretamente. Agora você conseguiu.

Hoje as pessoas já estão atormentadas e é possível ouvirem. Se não nos enganássemos com a mídia e com todos os outros, poderíamos explicar discretamente o que é felicidade.

Todo o caminho – a pessoa vai pela oração. Porque, primeiro, nós mesmos não temos essa propriedade e, segundo, só temos a propriedade egoísta de receber (negativo). Não temos a segunda propriedade – dar aos outros (positivo). Para existir em todo o universo normalmente, corretamente, precisamos dessas duas propriedades. Além disso, existe um equilíbrio entre elas para que possamos entender como agir.

Então com a ajuda de negativo e positivo, recebendo e dando, em todos os níveis, em todos os estados, seremos capazes de nos regular adequadamente e nos sentiremos em um estado de equilíbrio absoluto.

Pergunta:  Todo o nosso caminho é para ganhar um positivo? Temos um negativo?

Resposta: Compre um positivo. Mas, ao adquirir um sinal de positivo, devemos, ao mesmo tempo, adquirir uma metodologia para usar essas duas forças – a chamada linha média.

Pergunta: Isso é o que é chamado de movimento em direção à propriedade de doação e amor? Esta é realmente a correção do mundo?

Resposta: Sim.

De KabTV, “Notícias com o Dr. Michael Laitman”, 04/01/21

Por Que O Criador Tem Ciúmes De Nós

239Comentário: “Pelo que ouvi de Michael Laitman, o Criador deseja que o amemos. Não um ao outro, não, mas ele. Essa é apenas uma desculpa: “Ame o seu próximo como a si mesmo”. Na verdade, o Criador deseja que O amemos. Que tipo de Criador ciumento Laitman tem?”

Minha Resposta: Dizem que Ele é ciumento, cruel em Seu ciúme. O Criador tem ciúme de tudo que não é dirigido a Ele. A satisfação que vem do Criador a uma pessoa é incomparável com qualquer coisa. E se uma pessoa é distraída disso, então, é claro, o Criador aqui expressa Seu ciúme.

Pergunta: Então o Criador nos diz: “Você não tem ideia do quanto eu preparei para você e você está desperdiçando seu amor …” Então, Ele parece estar dizendo que o amor terreno não existe?

Resposta: Isso só nos é dado para chegarmos a um amor sobrenatural.

Pergunta: E para nos voltar a Ele, Ele nos dá todos os tipos de sofrimento, dor e assim por diante?

Resposta: Ele não dá isso para nós, Ele apenas nos mostra Seu amor, que rejeitamos. E nós sentimos esse amor, rejeitado por nós, como sofrimento. E isso é tudo.

Pergunta: Então, apenas o amor vem Dele?

Resposta: Sim. E se você rejeitar isso, você o transforma em sofrimento.

Pergunta: O que fazer? Para o que Ele nos chama? Não O vemos, não O conhecemos e não O sentimos.

Resposta: Não importa. Você tem a oportunidade de se posicionar conforme necessário em relação a Ele. Não há nada mais na natureza.

Pergunta: Mas é necessário ou não necessário satisfazer os sentimentos terrenos primeiro?

Resposta: Eles devem nos ajudar a nos aproximar da conexão entre nós e a organizar essa conexão entre nós, tanto quanto possível, na qualidade de doação e amor.

Pergunta: É este o desejo do superior?

Resposta: Sim.

Pergunta: Então ele vai parar de ter ciúmes?

Resposta: Não há ciúme, este é um nível completamente diferente – o nível do amor absoluto.

De KabTV, “Notícias com o Dr. Michael Laitman”, 18/01/21

“Dominando A Conexão Humana” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “Dominando A Conexão Humana

O mundo avança para um estado mais interconectado, para a reciprocidade e a integração. Quem já percebe essa tendência de desenvolvimento pode passar para outros o espírito de conexão. Nós testemunhamos os sinais do processo de amadurecimento da humanidade, acelerado pela pandemia. A maturidade completa só será alcançada quando nos elevarmos ao nível do amor aos outros. O período de transição em direção a ela pode ser doloroso ou agradável, dependendo do nosso nível de participação voluntária em dar início a essa mudança positiva.

O que pode nos levar a um estado de proximidade e harmonia emocional, apesar de todos os desacordos legítimos? Cada um de nós, como um “cultivador de conexão”, deve constantemente colocar diante de seus olhos um princípio: a fim de influenciar alguém para melhor, devo primeiro me conectar com a pessoa em simpatia, elogio e compreensão, enquanto pensamos juntos em como promover melhorar o cuidado mútuo e a reciprocidade. Em outras palavras, cada um de nós deve colocar em prática o amor pelos outros para criar o terreno mais fértil para uma existência gratificante.

Até agora, deixamos nossa natureza egoísta inata dominar nossos pensamentos e ações na vida. Quanto mais continuamos nessa direção, mais nos distanciamos da lei unificadora essencial da natureza, que leva ao sofrimento de todos à medida que a divisão prolifera. Assim, o surto de vírus em curso nos conduz a uma sociedade mais consciente, consciente da nossa interdependência para que as nossas aspirações por um futuro melhor deem frutos.

Como podemos produzir resultados ideais em nossas relações humanas e coesão? Em primeiro lugar, é importante perceber que cada pessoa atua como uma espécie de receptor e transmissor. Constantemente recebemos mensagens, as processamos dentro de nós e as transmitimos. Por isso, quando começo a pensar em boas conexões e relações complementares entre as pessoas, um campo de sentimento positivo já se espalha ao meu redor, mesmo sem palavras.

Além disso, para aumentar o impacto positivo nos círculos em que nos movemos ao longo da vida, precisamos antes de mais nada avaliar o ambiente que nos cerca. Isso significa que precisamos verificar a situação atual das pessoas com quem nos associamos, o estado que aspiram alcançar, o que consideram sucesso e como definem um bom futuro. Então, precisamos construir um plano de ação de alcance baseado nessa visão que é feito sob medida para elas e oferecer o aprofundamento da conexão mútua como um meio de ajudá-las a alcançar esses objetivos.

Esse tipo de sensibilidade às necessidades e aspirações dos outros é relevante em nossas relações com nossos filhos e familiares, bem como com amigos e colegas de trabalho. Também pode estar relacionado à melhoria da saúde, ao sucesso na carreira e nos negócios, a melhores relacionamentos – na realidade, a tudo e qualquer coisa. Seja qual for a situação exata, o princípio é sempre o mesmo: primeiro entenda onde as pessoas estão e o que desejam e, em seguida, pense em como demonstrar que, por meio de boas conexões entre as pessoas ao redor, elas podem alcançar seus objetivos.

Para entender melhor o que significa a palavra “conexão”, consideremos o círculo familiar a título de ilustração. Como é uma família conectada? É um lugar onde todos se sentem abertos uns aos outros, dispostos a se entender e se apoiar, sem ter que se defender ou se esconder de ninguém. Uma família deve ser uma unidade na qual a atmosfera é como uma nuvem quente e gentil envolvendo todos.

Se quisermos ampliar nossa perspectiva, podemos dar um passo adiante e tentar imaginar quão diferente nosso país seria administrado com essa abordagem focada na conexão. Se as pessoas pudessem se sentar juntas e se conectar da mesma maneira que em uma família, nossas sociedades se comportariam de uma maneira muito diferente. Em vez de lutar de manhã à noite dessa maneira implacável, haveria interações mais pacíficas entre nós a cada passo do caminho.

O que pode nos levar a um estado de proximidade e harmonia emocional, apesar de todos os desacordos legítimos? Cada um de nós, como um “cultivador de conexão”, deve constantemente colocar diante de seus olhos um princípio: a fim de influenciar alguém para melhor, devo primeiro me conectar com a pessoa em simpatia, elogio e compreensão, enquanto pensamos juntos em como promover melhorar o cuidado mútuo e a reciprocidade. Em outras palavras, cada um de nós deve colocar em prática o amor pelos outros para criar o terreno mais fértil para uma existência gratificante.

“Aproveitando O Poder Da Sociedade De Complementar Contrastes” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “Aproveitando O Poder Da Sociedade De Complementar Contrastes

Quando você olha para as sociedades ao redor do mundo, fica claro que as tensões estão aumentando em toda parte. Seja entre direita e esquerda, religiosos e seculares, conservadores e progressistas, negros e brancos, ou locais e imigrantes, as razões são inúmeras, mas a tensão é a mesma: dois opostos que se querem anular.

Os contrastes na sociedade são sua fonte de energia; devemos aproveitá-los para construir uma sociedade melhor, mais forte e mais saudável. Não devemos e não podemos concordar, mas sim nos complementar. Assim que fizermos isso, todos nós nos beneficiaremos do poder da sociedade, o poder de complementar contrastes.

Isso não vai funcionar. Os contrastes só vão aumentar, assim como as tensões. Toda a realidade é construída sobre contrastes complementares que são interdependentes. Tire um e cancelará o outro. A sociedade humana não é exceção, exceto que não reconhecemos nossa interdependência e, portanto, não queremos nos complementar. Em vez disso, queremos cancelar um ao outro. Consideramos qualquer pessoa que não pensa ou fala como nós como atrasada e ignorante, daí a cultura do cancelamento.

Mas se dois contrastes complementares são necessários para o desenvolvimento, como uma parte pode estar certa e a outra, errada? Se a própria realidade requer a presença de opostos, como podemos querer cancelar aqueles que consideramos opostos de nós, quando na verdade, é a existência de uma visão oposta à minha que justifica a existência de minha própria visão? Se, por exemplo, não houvesse conservadores, haveria progressistas? Todo o conceito de Progressismo existe porque existe o conceito de Conservadorismo.

Além disso, e este é o ponto mais importante: nenhum dos lados importa por si só. Apenas a tensão entre eles importa! As fricções entre pontos de vista opostos fazem as pessoas pensar, se mover, construir, explorar, desafiar ou, em resumo, viver!

Portanto, devemos sentir nossa objeção, nossa consternação com a opinião de nossos opositores. Ao mesmo tempo, não devemos cancelá-los; devemos reconhecer que eles são a razão de nos sentirmos tão fortemente sobre o assunto. O zelo deles por seus pontos de vista excita os nossos e, juntos, mantemos um ao outro crescendo.

Os contrastes na sociedade são sua fonte de energia; devemos aproveitá-los para construir uma sociedade melhor, mais forte e mais saudável. Não devemos e não podemos concordar, mas sim nos complementar. Assim que fizermos isso, todos nós nos beneficiaremos do poder da sociedade, o poder de complementar contrastes.

“Entre O Bem E O Mal” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “Entre O Bem E O Mal

Do nível subatômico às sociedades humanas mais sofisticadas, tudo consiste em dois elementos básicos, porém opostos. Definimos um deles como positivo e o outro como negativo. Por exemplo, definimos a carga elétrica em um próton como positiva e a que está no elétron como negativa. Definimos a luz como positiva e a escuridão como negativa, o crescimento como positivo e a decadência como negativa, o nascimento como positivo e a morte como negativa, e definimos o amor como positivo e o ódio como negativo. Também atribuímos valor às nossas definições: consideramos o positivo como bom e o negativo como mau.

Já existimos simultaneamente, mas resistimos a essa ideia e ainda nos esforçamos para cancelar um ao outro. Para criar o equilíbrio saudável que pode engendrar o próximo nível de desenvolvimento, devemos estar conscientes do processo, concordar em coexistir com nosso oposto, aceitar nossa dependência mútua e que sem o outro lado, não nos desenvolveremos.

Mas a vida não consiste em estados estáticos, mas em ciclos. Geração e degeneração estão interligadas e não teríamos uma sem a outra. Portanto, nenhum deles é bom nem mau. Não teríamos amor se não tivéssemos ódio, então qual deles é bom e qual é mau? Em um ciclo, assim como em uma roda, tudo se move por todas as posições possíveis; nada tem um valor absoluto e imutável, tudo depende de sua posição no ciclo.

Agora, imagine o que aconteceria se removêssemos um item de um par de elementos opostos. O que aconteceria com o dia se não houvesse noite? O que aconteceria com a vida se não houvesse morte? Somente quando temos os dois, temos um sistema completo e funcional. Se tivermos um número equilibrado de prótons e elétrons, teremos um átomo completo. Se tivermos um número equilibrado de animais em uma área, teremos um ecossistema estável e saudável.

À medida que as coisas evoluem, elas se inclinam e balançam e, a cada vez, um aspecto diferente assume o comando até desistir em favor do elemento oposto. Quando atingem um equilíbrio mais ou menos estável, é um sinal de que o sistema concluiu sua construção e um novo sistema começou a evoluir acima dele. É por isso que a evolução vai do mais simples ao mais complexo, e porque a sociedade humana evoluiu de sociedades menores e mais simples para sociedades maiores e mais complexas.

O mesmo padrão permeia toda a criação; a inclinação do positivo para o negativo é o motor da realidade. Ele nunca para; quando atinge a estabilidade, engendra um novo nível onde o processo de inclinação começa tudo de novo até que o novo nível alcance harmonia e estabilidade mais uma vez, mas apenas para desenvolver outro nível, superior.

As sociedades humanas passam exatamente pelo mesmo processo que o resto da realidade. O século anterior demonstrou os extremos que a humanidade pode alcançar. O pai do meu professor, Baal HaSulam, que escreveu sobre isso já na década de 1950, observou: “A humanidade já se lançou para a extrema direita, como a Alemanha, ou para a extrema esquerda, como a Rússia, mas eles não só não aliviaram a situação para si mesmos, como agravaram a doença e a agonia”. Como toda a realidade, a sociedade humana teve que passar por extremos, mas também deve encontrar seu equilíbrio, onde existem extremos no apoio mútuo e avançar para o próximo nível de desenvolvimento.

Este é o nosso momento atual. Tentamos nosso melhor para ordenar os extremos mais fanáticos, mas todos eles cederam (como deveriam) aos seus opostos, que por sua vez também entraram em colapso. Agora temos todos os extremos existindo simultaneamente, e é hora de eles se complementarem, assim como os átomos, as estações e todos os animais fazem.

No entanto, é aqui que a singularidade da humanidade entra em jogo: em toda a natureza, a inclinação e a subsequente harmonia acontecem por conta própria, por meio das forças inerentes à natureza. A humanidade é diferente. Já existimos simultaneamente, mas resistimos a essa ideia e ainda nos esforçamos para cancelar um ao outro. Para criar o equilíbrio saudável que pode engendrar o próximo nível de desenvolvimento, devemos estar conscientes do processo, concordar em coexistir com nosso oposto, aceitar nossa dependência mútua e que sem o outro lado, não nos desenvolveremos.

Além disso, temos que concordar com isso em todos os níveis. Devemos passar por esse processo de reconhecimento em questões de gênero, raça, cultura, opiniões e tudo o que diz respeito à existência humana. Se, por exemplo, não aceitarmos que haja democratas e republicanos na sociedade, nunca iremos superar a divisão política. Em vez de gerar uma realidade mais elevada e avançada que inclua ambas as visões, afundaremos na fenda até que estoure o derramamento de sangue.

Pior ainda, não importa quanto sangue derramemos, ainda não seremos capazes de eliminar o outro lado, pois a natureza o criou, assim como nos criou. Se, por acaso, um lado destruir o outro, o lado “triunfante” também desaparecerá, pois o seu oposto não existirá mais. Vamos parar de avançar, a natureza vai recriar aquela situação tudo de novo e, no final das contas, teremos que aceitar que os dois lados devem existir e se complementar.

Só então surgirá o nível superior. Quando aceitarmos que ambos os opostos são obrigatórios, subiremos para o próximo nível de desenvolvimento. Este é o segredo da evolução.

“Quando A Inclusão Se Volta Contra Si Mesma” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “Quando A Inclusão Se Volta Contra Si Mesma

Proibir livros e filmes infantis é o que está escrito na parede – a sociedade está se desintegrando

Nos últimos meses, temos sido bombardeados com notícias sobre “correções” ocorrendo em várias empresas globais, corporações, mas principalmente, no sistema educacional. Essas medidas, que são tomadas supostamente para tornar a sociedade mais inclusiva, na verdade banem, proíbem, limitam e condenam muitas das liberdades mais básicas das pessoas em um país democrático, como a liberdade de expressão e até a liberdade de pensamento. Há muitos exemplos a serem mencionados, mas aqui estão alguns exemplos típicos: a Amazon removeu os icônicos livros infantis do Dr. Seuss e a Disney + retirou dos perfis infantis filmes apreciados como Dumbo, Peter Pan e A Família Robinson, e adicionou um aviso ao lado do título nos perfis dos adultos de que os filmes contêm conteúdo culturalmente impróprio.

Agora, estamos tão alienados que não suportamos ninguém que não seja exatamente como nós. Como resultado, introduzimos “equidade”, que tenta forçar a justiça e impor imparcialidade e igualdade, quando, na verdade, afirma que se você não pensar como o tomador de decisão pensa que você “deveria”, você é condenado ao ostracismo, sujeito a várias punições sociais, como banimento da sociedade, perda do emprego, vergonha nas redes sociais e outras punições sociais que costumam ser mais dolorosas do que o encarceramento e, ocasionalmente, fazem com que as pessoas se suicidem.

Tem mais: a Coca-Cola pediu a seus trabalhadores que sejam “menos brancos” para combater o racismo, a sério. Megyn Kelly, em uma entrevista com Bill Maher, disse que tirou seus filhos de uma escola particular porque, entre outras curiosidades, ela conduzia um programa de “educação trans experimental de três semanas” na turma de terceiro ano de seu filho.

Ainda há mais: A The Grace Church School em Manhattan oferece um guia de 12 páginas para “linguagem inclusiva”. O guia desencoraja as crianças a usarem as palavras “pais”, “mamãe” e “papai” e sugere que usem “gente” ou “adultos”. Na cidade de Nova York, o Departamento de Educação removerá todas as “telas” seletivas para escolas de ensino médio para o ano acadêmico de 2021-2022 e eliminará por completo a prioridade distrital para escolas de segundo grau. Para aumentar a diversidade, uma loteria substituirá os testes de triagem. E, finalmente, Bari Weiss escreve sobre uma amiga dela, mãe em Manhattan de uma menina de quatro anos que viu sua filha desenhar, quando a menina disse casualmente: “Preciso desenhar na minha própria cor de pele”. A cor da pele, disse ela à mãe, é “muito importante”. Isso foi o que ela aprendeu na escola.

A ironia desses exemplos, e de muitos outros, é que todos são consequências de uma campanha para aumentar a inclusão e a diversidade. Claramente, os ativistas não percebem que quando você inibe a liberdade de pensamento e de expressão, está abolindo a inclusão, eliminando a diversidade e despedaçando a sociedade. Não acho que essa ideologia vai prevalecer, mas se isso acontecer, a América acabará sozinha.

Esta campanha está caminhando para um resultado claro, que chamo de “reconhecimento do mal”. Em outras palavras, vai nos mostrar que nossa própria natureza, a natureza humana, é podre e má até o âmago. No processo, também nos mostrará que não temos a menor ideia sobre a maneira certa de educar crianças ou adultos.

Uma educação bem-sucedida requer o conhecimento do resultado final antes mesmo de começar. E quanto à campanha de inclusão, a natureza não criou pessoas iguais; ela as criou diferentes! Não as criou melhores ou piores, mas sim diferentes! Nós, humanos, atribuímos valor a uma raça em detrimento de outra, a uma cultura em detrimento de outra, a uma fé em detrimento de outra e a uma cosmovisão em detrimento de outra. Portanto, nós, humanos, somos o problema, não a raça, o gênero, a fé ou a cultura em que nascemos. Tornamos as pessoas desiguais porque é assim que as pensamos. A diversidade é uma bênção; torna as pessoas únicas e, portanto, extremamente valiosas! Tentar eliminar as diferenças entre nós criará separação, alienação e ódio, mas não criará inclusão ou igualdade.

Na verdade, por muitos séculos, temos nos distanciado cada vez mais. Agora, estamos tão alienados que não suportamos ninguém que não seja exatamente como nós. Como resultado, introduzimos “equidade”, que tenta forçar a justiça e impor imparcialidade e igualdade, quando, na verdade, afirma que se você não pensar como o tomador de decisão pensa que você “deveria”, você é condenado ao ostracismo, sujeito a várias punições sociais, como banimento da sociedade, perda do emprego, vergonha nas redes sociais e outras punições sociais que costumam ser mais dolorosas do que o encarceramento e, ocasionalmente, fazem com que as pessoas se suicidem.

Tentar mudar a natureza humana é tão sábio quanto Dom Quixote se inclinar contra moinhos de vento, e muito mais prejudicial. Isso fere a alma das pessoas, especialmente a das crianças, e mutila suas psiques. Você não pode amarrar as pessoas a esquema mental e esperar que elas saiam ilesas. Elas nunca mais serão as mesmas e não serão saudáveis.

O que você precisa fazer é utilizar a singularidade de cada pessoa para o benefício da sociedade. Você precisa destacar as diferenças e mostrar como a contribuição de cada pessoa a torna única e insubstituível. Quando você deixar as pessoas orgulhosas de quem são, elas não vão querer mudar a si mesmas; elas não vão querer mudar os outros e se sentirão confiantes para se conectar e se comunicar com os outros. Este é todo o truque para construir uma sociedade próspera.

Em uma sociedade que defende a singularidade das pessoas, elas não hesitarão em se socializar, se misturar em diversos grupos e conhecer outras pessoas e culturas. Não haverá racismo ou discriminação entre elas, nenhum julgamento e nenhuma xenofobia, pois saberão que têm algo a ganhar com cada pessoa que encontrarem. Essas pessoas formarão sociedades prósperas que serão inerentemente diversas e naturalmente inclusivas. Elas serão vibrantes e acolhedoras precisamente porque todos os pontos de vista, raças, gêneros, credos e culturas são bem-vindos.

Pelo bem dos 330 milhões de pessoas que vivem na América, espero que elas entendam isso antes, e não depois de sofrerem tormentos inimagináveis ​​por tentarem mudar sua própria natureza.