Textos na Categoria 'Nações do Mundo'

O Monte Do Templo: Regocije-Se Ou Chore

Laitman_421.01Pergunta: No Monte do Templo, eles desmantelaram todas as medidas de segurança; em outras palavras, a entrada é mais ou menos livre. É possível dizer que Israel se rendeu à pressão do mundo árabe e da Europa? Devemos ficar felizes ou chorar?

Resposta: Esse é um grande fracasso de nossas forças de segurança, que não puderam calcular corretamente o poder dos árabes ou o poder do governo, o qual não levava em conta que a questão da Mesquita Al-Aqsa poderia provocar tal tempestade no mundo.

A cada ano, os judeus simplesmente se tornaram cada vez mais obtusos, aparentemente inconscientes, enquanto os árabes se tornaram cada vez mais sábios. Eles podem ser influentes através de todas as organizações internacionais em que entraram e podem chegar a acordos entre si. Eles já não são as mesmas nações árabes que já foram. Hoje, eles têm conexões internacionais na Internet, tanto na imprensa como na empresa de televisão Al-Jazeera.

Na verdade, não temos amigos e apoiadores, enquanto há apoiadores necessários entre eles porque eles têm o poder. Portanto, nosso futuro é sombrio e vago.

Cabe a nós tirar as seguintes conclusões: não é necessário realizar ações extremas se não soubermos com certeza para onde essas ações vão levar. É preferível sentar-se silenciosamente e entender como é possível conseguir um poder como este que possa convencer corretamente o mundo sobre a nossa justiça.

Pergunta: Nós podemos realmente ganhar?

Resposta: Sim, se conseguirmos convencer a nós mesmos e ao mundo de que estamos certos. Por enquanto, não podemos fazer isso hoje.

Pergunta: Como é possível fazer isso?

Resposta: Só se provarmos ao mundo inteiro que temos a capacidade de dar ao mundo um método para se livrar do mal. Isso é tudo. O mundo não precisa de mais nada.

Pergunta: O que você está chamando de “mal?”

Resposta: O mal é o enorme egoísmo humano. Se pudermos mostrar ao mundo inteiro que temos um método para se livrar dele, e como resultado disso, nos livrarmos de todos os problemas, conflitos, ódio e rejeição, então o mundo começará a concordar conosco.

Porém, precisamos mostrar isso por meio de um exemplo pessoal! Nós somos uma nação “quebrada”, a mais separada e egoísta. Se olharmos para nós mesmos, por exemplo, quão eficaz o nosso método é conosco, dentro de um pequeno grupo da população em uma pequena nação, a natureza organizará coisas de tal forma que o mundo não terá escolha senão prestar atenção, ouvir e concordar conosco. Somente dessa maneira podemos ser salvos de todos os problemas!

Pergunta: Será que o mundo verá que existe um canto do Jardim do Éden [paraíso] onde eles vivem em amizade e amor, e também desejará viver assim?

Resposta: O mundo será obrigado a ver isso porque eles estão nos observando o tempo todo. Só que, por enquanto, eles não estão vendo nada de bom. Se mostrarmos que temos um método para a correção de toda a humanidade, todos verão.

Comentário: E não haverá necessidade de fechar o Monte do Templo.

Resposta: Não haverá necessidade de fechar nada. Tudo ficará bem por si só.

Pergunta: O que é possível fazer para acreditarmos nisso?

Resposta: Não é necessário acreditar. Basta fazer porque não há nada de ruim nisso. Está escrito em nossas fontes. Basta concordar com isso.

De KabTV “Notícias com Michael Laitman” 27/07/17

Trump E A Salvação Da América

400Comentário: O Presidente Trump não pode abolir a lei de seguro de saúde. As pessoas dizem que esse é um começo de sua cadeia de fracassos.

Meu Comentário: Como se diz, uma pessoa no campo de batalha não é um guerreiro. Se as forças de todos os presidentes anteriores estão contra Trump, eu não sei se ele será capaz de lidar com eles.

Embora ele seja impulsionado por grandes intenções, ele tem medo de mencionar que gostaria de estabelecer boas relações com a Rússia, ou seriamente cortar o apoio maciço da OTAN, porque é gasto tanto dinheiro com isso! Deixe a Europa cuidar de si mesma, mas eles não querem gastar dinheiro com a OTAN. Por que os americanos devem sempre manter seu “guarda-chuva” lá?

O problema é que Trump não recebe nenhum apoio. Os americanos estão atolados em sua disputa política interna, e nada mais. Ninguém leva em conta o que é bom para os EUA e para o mundo. Eles só estão interessados no que é bom para os seus interesses políticos limitados. É por isso que, naturalmente, a sua posição é lamentável e o futuro não está claro.

Pergunta: O que você aconselharia a ele como Cabalista?

Resposta: Eu gostaria de aconselhá-lo a reunir todos os judeus americanos e dizer: “Vocês querem tornar as coisas piores para si mesmos? Não pensem que as coisas vão melhorar para vocês; elas vão ficar piores se eu desaparecer. Vamos trabalhar juntos para resolver este problema”.

A salvação da América e do mundo está apenas na união dos judeus. E Trump tem a chave para isso. Há ainda alguns judeus que são a favor dele, embora não sejam muitos. E a maior parte deles, como de costume, está contra ele, porque os judeus são os maiores antissemitas.

Eu realmente espero que seja possível fazer isso: se ele concordasse e entendesse o que dizer a eles e como apoiá-los. A chave para tudo está nos judeus se unindo. E Trump tem essa oportunidade. Estou pronto para ajudá-lo.

De KabTV “Notícias com Michael Laitman” 27/03/17

“E Serás Motivo De Espanto, De Zombaria E De Riso”

Laitman_011Torá, Deuteronômio 28:37: E serás motivo de espanto, de zombaria e de riso, entre todos os povos a que o Senhor te levará.

A alma consiste em três partes e, portanto, sente sua própria derrota como motivo “de espanto, de zombaria e de riso”, dependendo do poder de cada parte.

Tornar-se um motivo de “espanto” entre todas as nações significa tornar-se tão oposto e repugnante para elas que elas têm medo de tocá-lo, de pensar em você e até mesmo lembrar seu nome, para não mencionar, aproximar-se de você.

Afinal, em vez da força positiva, você emite enorme energia negativa que traz espanto, dúvidas internas, rejeição e medo para elas.

Eu conheci pessoas que diziam sobre mim: “Você não deveria tocar nele, ele é um judeu”. Elas expressavam seu medo, rejeição e falta de compreensão.

Tornar-se um motivo “tema de riso” entre todas as nações é o estado oposto em comparação com o que existia entre os nazistas. Quando uma pessoa tenta superar seu medo, ela recebe o desejo de suprimir, aniquilar e ganhar poder sobre aqueles que inflamam tais sentimentos dentro dela.

É assim que somos governados de cima, a fim de levar o povo de Israel ao estado correto, tornar-se “uma luz para outras nações” e manifestar o método de conexão.

De KabTV “Segredos do Livro Eterno” 14/12/16

Direitos Ao Monte Do Templo

3Pergunta: Houve uma situação muito tensa na semana passada em Israel, especialmente em Jerusalém em conexão com o Monte do Templo. Você vê esta situação se encaminhando para uma resolução positiva ou ela será encerrada catastroficamente?

Resposta: Naturalmente, no final, todos ficarão bem, mas por qual caminho vamos chegar a esse final feliz: pelo caminho do sofrimento ou sem ele? Tudo depende da nação de Israel. Infelizmente, a julgar pelo comportamento de toda a nação em Israel e no exterior, não há sinais de que o processo esteja indo pela rota positiva.

Nós estamos tentando disseminar amplamente o método de correção, apelando que a nação de Israel use esse recurso para trazer correções ao mundo inteiro. Mas se a nação não despertar para esse chamado, a correção não será pelo caminho da Luz, mas sim pelo caminho do sofrimento. Infelizmente, isso é o que está acontecendo agora. É por isso que vemos a agitação no Monte do Templo e o envolvimento policial.

Dia após dia, uma guerra ideológica muito complexa está sendo travada e o mundo inteiro está pronto para aceitar a infame mentira de que nem o Monte do Templo nem as cavernas com os túmulos de nossos patriarcas em Hebron pertencem ao povo judeu. Se não pertencem, então, a quem pertencem? Mas a verdade não importa para ninguém – o que importa é o que beneficia o egoísmo em qualquer momento.

Parece que a nação de Israel não quer aceitar a verdade e reconhecer a sua responsabilidade de trabalhar na doação e ensiná-la ao mundo inteiro, levando o mundo inteiro à correção. Ela resiste à sua missão, pensando que a verdade está em seguir a Torá e os mandamentos em uma forma material ou talvez não seguir nada. Assim, tudo isso resulta em nossa condição cada vez pior dia após dia.

E vai continuar piorando até que finalmente entendamos que devemos nos corrigir primeiro e, depois, o mundo inteiro, como cabeça e corpo. Porque Israel é chamado “a cabeça é minha” (Li Rosh) e todo o resto das nações do mundo são o corpo da alma coletiva. Portanto, no final, todos se unirão em uma humanidade corrigida, trabalhando para doação em unidade coletiva.

No pior dos casos, um terrível infortúnio nos espera. Baal HaSulam nos advertiu para a possibilidade de sermos exilados novamente desta terra se não pudermos transformá-la na verdadeira “Terra de Israel” (em vez de trazer conosco o mesmo estado de exílio em que existimos entre as nações do mundo). Mesmo agora, nós continuamos a vender sua cultura e sua relação com a vida.

Com base nisso, parece que não temos o direito de existir nesta terra porque não somos diferentes de ninguém. De fato, exatamente o contrário: é como se “profanássemos” esse lugar sagrado com nossa existência.

Não temos o direito de subir ao “Monte do Templo” espiritual, porque isso só pode acontecer quando todos estamos unidos e em adesão ao Criador. É por isso que vemos que as nações do mundo não nos permitem entrar no Monte do Templo material porque o mundo material é uma projeção do mundo espiritual.

Até nos corrigirmos – mesmo em um mínimo grau – para nos assemelharmos ao Monte do Templo e ao Templo, que representam a nossa unidade, continuaremos a ver no mundo material externo todos os tipos de conflitos e problemas.

E o mundo inteiro concordará com os árabes, que nem a Torá, nem o Monte do Templo, nem Jerusalém, nem mesmo Tel Aviv e toda a terra de Israel nos pertencem.

Não é em vão que eles se chamem palestinos e não árabes; eles querem se apresentar como uma nação ostensivamente antiga que esteva sempre nessa terra. E o mundo inteiro vai acreditar neles. E nós não temos ninguém para culpar por isso porque nós mesmos criamos a condição em que os árabes se elevam e nós caímos. Nós criamos essa situação com nossas próprias mãos.

Da 3ª parte da Lição diária de Cabalá 28/07/17Lição sobre o Tema: “No Mérito do Estudo da Cabalá, Israel Sairá do Exílio”

Vanguarda Da Humanidade

laitman_941Torá, Deuteronômio 28:36: O Senhor te levará a ti e a teu rei, que tiveres posto sobre ti, a uma nação que não conheceste, nem tu nem teus pais; e ali servirás a outros deuses, ao pau e à pedra.

“Rei”, em primeiro lugar, são aquelas pessoas que devem liderar toda a humanidade. Se eles errarem, então, naturalmente, há uma demanda especial deles. Nós vemos isso nos judeus. Periodicamente, eles são atingidos com tais sofrimentos que nenhuma outra nação já experimentou.

No entanto, quando vejo quantas pessoas estão sofrendo hoje em nossos países vizinhos, tenho grandes receios de que tudo isso deve de alguma forma se voltar para nós. Se não iniciarmos um forte ataque ideológico e disseminação da sabedoria da Cabalá à humanidade, tudo isso retornará a nós como um bumerangue.

Nós chegamos a um estado em que devemos espalhar o conhecimento Cabalístico como sementes em todo o mundo. Afinal, em relação ao mundo inteiro, somos sua parte ideológica, sua vanguarda.

De KabTV “Segredos do Livro Eterno” 14/12/16

Judeus Contra Israel

400Pergunta do Facebook: Hoje nós vemos a participação ativa dos judeus no movimento contra Israel. Por que isso está acontecendo?

Resposta: Porque os judeus são os maiores oponentes de sua missão histórica. Eles destroem seu processo histórico, que deve ser direcionado para o “ama ao próximo como a ti mesmo” e mostrar ao mundo inteiro como levar a humanidade à unidade, incluindo o amor mútuo, o apoio e a integração de todos em uma única sociedade.

O povo de Israel deve fazer tudo isso. Esse é um método escondido no povo de Israel e é chamado de ciência da Cabalá.

Mas nós vemos que se quisermos explicar ao mundo o que a Cabala é, são os judeus que nos atacam primeiro. Sempre foi assim: os Cabalistas foram perseguidos, presos e denunciados. Nós estamos vivendo a mesma coisa hoje. Isso apenas enfatiza a correção de nossa missão.

Mas agora é hora de entender que essa é exatamente a salvação do povo judeu e de toda a humanidade.

Portanto, é possível erradicar o antissemitismo e o ódio por Israel somente se erradicarmos o ódio contra os judeus. E o ódio dos judeus à existência do próprio Israel como Estado mostra o quanto estamos em um estado terrível de destruição interna, quão longe estamos da nossa missão histórica, do que temos que fazer nesse mundo.

Esperemos que gradualmente chegue a hora e que possamos convencer os judeus. E a própria vida ensinará o que é mais importante: a unidade entre nós. É disso que o mundo precisa. Ele não precisa de mais nada, pois está cheio de abundância. A única coisa que falta é um bom relacionamento entre as pessoas. E a metodologia das boas relações está precisamente na Cabala, dentro do povo judeu.

Se empreendermos isso, seremos, naturalmente, muito úteis para o mundo e nos tornaremos “a Luz para as nações do mundo”.

De KabTV  Notícias com Michael Laitman” 11/05/17

O Povo Do Livro Com O Programa Da Criação

Laitman_137Pergunta: O povo judeu é chamado de povo do livro. O que isso significa?

Resposta: O povo do livro, isto é, o povo judeu, é um grupo de pessoas que se juntaram ao patriarca Abraão, composto por representantes de todas as setenta nações que viviam na antiga Babilônia naquela época.

Ao longo do tempo, esse grupo conseguiu se unir de acordo com a lei da garantia mútua e se tornar uma nação, como está escrito sobre a entrega da Torá: “Hoje vocês se tornaram Meu povo”.

Como os judeus receberam toda a herança espiritual através do livro da Torá que foi escrito por Moisés, eles são chamados de povo do livro. Esse é o mesmo grupo que estava vagando no deserto por quarenta anos. Durante esse tempo, Moisés escreveu a Torá graças ao fato de que todos trabalharam juntos em unidade e amor ao próximo, e assim chegaram ao mundo superior.

O livro da Torá é o programa da criação que descreve o processo que precisamos para para que uma pessoa se desenvolva até o grau do Criador e revele a força superior de forma ilimitada, que se chama adesão com ela. Tudo isso nós precisamos implementar aqui, enquanto vivemos neste mundo.

Pergunta: Por que os Cabalistas escreveram livros, como se a Torá de Moisés não fosse suficiente?

Resposta: Os demias Cabalistas depois de Moisés acrescentaram seus comentários à Torá porque cada alma tem sua própria percepção especial. Além disso, cada geração sucessiva após a geração do deserto tornou-se cada vez pior; seu egoísmo foi cada vez mais revelado e desenvolvido e, portanto, eles poderiam adicionar revelações. Afinal, quanto maior o egoísmo, mais você pode investigar o mundo superior.

Da Lição Virtual “O Tempo da Cabalá” 13/06/17

“Entre Os Estreitos”

Laitman_006Nós entramos em um período especial chamado “Entre os Estreitos” (Bein HaMetzarim), de 17º de Tamuz, quando as primeiras Tábuas foram quebradas, até o 9o de Av, quando o Templo foi destruído. Olhando para a história, podemos entender muitas coisas sobre esse período. Podemos ver o quão difícil é aceitar o método de unificação e implementá-lo. É para isso que testemunham os dias “Entre os Estreitos”.

Nós recebemos a Torá, o método de correção, simbolizado por Moisés, que subiu o monte por quarenta dias e trouxe o método de unificação do grau de Bina (Doação), mas o povo não conseguiu aceitá-lo. Embora tudo tenha sido preparado e dado de cima, não podemos recebê-lo.

Na realidade, não é culpa nossa. É simplesmente porque nossos desejos ainda não foram suficientemente integrados com o bem e o mal para nos permitir corrigir um por meio do outro. A integração ocorre precisamente por meio da quebra. Apenas uma explosão pode ajudar a quebrar os limites entre dois opostos que se rejeitam e os forçar a se integrar.

Essa integração deve ser completamente caótica e desordenada, sob a pressão de uma força explosiva, porque não pode haver qualquer ordem na integração do bem e do mal. A ordem só pode ser estabelecida após a sua integração. Dentro dessa integração, com a ajuda da Luz superior, tudo pode ser discernido e resolvido, e assim, a conexão e a construção adequadas podem ser alcançadas.

Existe um processo complexo que permite que coisas opostas se unam em harmonia e complemento mútuo. Isto é precisamente o que acontece no processo de recepção da Torá.

É impossível fazer isso de forma mais rápida com o desejo egoísta que acabou de sair do Egito e que tem apenas uma inclinação fraca para ser corrigida. Ele entende que precisa ser corrigido, mas não percebe até que ponto é oposto ao estado corrigido porque ainda não existe uma integração mútua.

Enquanto estivamos sob o poder do Faraó, do egoísmo, não sentimos que somos seus escravos. Nosso êxodo acontece em virtude de uma força externa que nos tira de lá, mostrando-nos que isso vale a pena. No entanto, os desejos não são corrigidos por ela.

Nós vemos isso acontecendo conosco: todos os dias decidimos finalmente sair do nosso egoísmo e começar a pensar no grupo para que nossa preocupação não seja por nós mesmos em um nível pessoal, mas sim por todos. No entanto, não conseguimos.

Nós fazemos esforços cada vez maiores, mas pequenas quebras continuam ocorrendo. Isso está acontecendo conosco, pois somos uma consequência de muitas destruições e correções que já ocorreram na nossa raiz.

A Torá nos fala sobre a preparação para a correção. Todo o caminho com duração de seis mil anos que a humanidade atravessa foi apenas a preparação. A correção é alcançada apenas no final, no dia da Luz absoluta. Todos esses estados também foram realizados na matéria: a destruição do Primeiro e Segundo Templos e as terríveis guerras dentro da nação de Israel. Tudo isso foi a encarnação material dos graus espirituais.

Após a integração completa, que foi alcançada à custa de muitas guerras, os fragmentos do desejo de desfrutar e do desejo de doar quebrados se tornam completamente integrados uns nos outros e caem ainda mais baixo até o fundo. Depois de quatro exílios e três redenções, cada um dos quais foi necessário, estamos chegando ao fim do último exílio e ao início da redenção final.

Olhando para esse processo, é óbvio que a Torá não pode ser recebida de uma só vez. E isso é indicado pelo dia do 17o de Tamuz, a quebra das primeiras Tábuas. Somente depois da ocorrência da quebra e da integração mútua dos desejos espirituais com os materiais, é possível ascender para adquirir uma forma diferente.

A primeira Torá era “incorreta”. Foi necessária apenas para que as Tábuas fossem quebradas e para alcançar a correção. A segunda Torá era corrigida, capaz de consertar a integração dos desejos de doação com os desejos de recepção, o que acontece com a ajuda das segundas Tábuas. Esse é um processo único, atestando o quão opostas nossas qualidades são em relação às qualidades da força superior.

Nós devemos ter uma atitude equilibrada nestes dias, vendo-os não apenas como dias de luto e quebra, mas como algo inevitável que temos que passar. O mundo inteiro terá que passar por essa destruição de uma forma ou de outra. No entanto, se soubermos porque estamos fazendo isso e qual o propósito, poderemos passar por tudo pelo caminho de Achishena, como seres humanos.

Da 1ª parte da Lição Diária de Cabalá 7/11/17, Lição sobre o tema “O Período ‘Entre os Estreitos’”

“Para Que Sejas Um Povo Santo”

laitman_746_03Torá, Deuteronômio, 26:18 – 26:19: E o Senhor hoje te declarou que tu Lhe serás por seu próprio povo, como Te tem dito, e que guardarás todos os Seus mandamentos. Para assim te exaltar sobre todas as nações que criou, para louvor, e para fama, e para glória, e para que sejas um povo santo ao Senhor teu Deus, como tem falado.

“Para assim te exaltar sobre todas as nações que criou”, significa elevar dentro de si a qualidade que se chama Yehudi (da palavra “Yihud” – adesão, conexão com o Criador) acima de todos os seus outros desejos chamados de nações.

Nós vemos isso na história. O povo de Israel nunca, mesmo nos melhores anos em que eles tiveram força, se envolveu em conquistas.

Somente nos tempos antigos, o rei Davi teve que proteger Israel dos inimigos. Depois, a chamada “Kibush David” foi realizada – a conquista dos territórios do Nilo até o Eufrates – para manter todas as tribos que os habitavam sob controle porque, de outra forma, essas tribos estariam constantemente atacando Israel.

Portanto, quando a Torá fala sobre o povo que é escolhido, louvado e glorificado, está se referindo ao trabalho para se anular. Então, você eleva a parte de Israel dentro de si mesmo que é dirigida ao Criador acima de todo o resto de suas partes egoístas. Isso se refere apenas ao estado interno de uma pessoa.

Além disso, trata-se de servir ao mundo para ser, como está escrito na Torá, a Luz ou, em outras palavras, um exemplo para todas as nações do mundo.

O mesmo se aplica ao Templo. Está escrito: “A minha casa será chamada de casa de oração para todos os povos” (Isaías 56:07). Afinal, desde a antiguidade, não só judeus foram para lá, mas absolutamente todos. Uma pessoa poderia ir até lá de qualquer lugar, para orar, perguntar algo ou participar das lições. É assim que muitos cientistas não-judeus surgiram entre nós.

De KabTV “Segredos do Livro Eterno” 11/09/16

Por Que Os Grandes Reis De Israel Vieram De Não-Judeus?

laitman_947Pergunta do Facebook: Por que a origem dos maiores reis e rabinos do povo de Israel, como o rei Davi e o rabino Akiva, era de não judeus?

Resposta: Uma pessoa que anseia pelo Criador é chamada de “Yashar-El” (Yisrael, direto ao Criador). Uma pessoa que quer se unir com outros é chamada de “Yehudi” (judeu) da palavra “Yechud” (unificação). Isto é o que determina se você é judeu ou não. Hoje, toda pessoa do mundo, seja ela espanhola, francesa, italiana ou alemã, não importa quem, pode vir e dizer: “Eu quero ser um judeu”. Na sabedoria da Cabalá, eles não dividem o mundo em nacionalidades.

Para ser judeu, a pessoa deve realizar o que a Torá diz, ou seja, deve ansiar em implementar a lei “E amarás teu amigo como a ti mesmo” (Levítico 19:18). Se ela concorda com isso, significa que se tornou um judeu, alguém que anseia pela unidade e unificação para se aderir ao Criador.

O termo “Ivri” (hebraico) vem da palavra “L’Over” (transcender, passar por cima), passando do princípio da existência egoísta para a existência altruísta. Essa é a base do nosso povo, um grupo que aceitou em si o princípio: “E amarás teu amigo como a ti mesmo”. Assim que a pessoa aceita esse princípio, ela se torna um judeu, e todos os outros, não.

De KabTV “Notícias com Michael Laitman” 22/05/17