Textos na Categoria 'Mandamentos'

Por Que Uma Mezuzah É Necessária?

laitman_425Pergunta do Facebook: Uma pessoa religiosa me explicou que a falta de Mezuzah é uma fonte de problemas em casa: a doença dos parentes, a quebra dos aparelhos eletrônicos, e assim por diante. Como a sabedoria da Cabalá olha para isto? Existem raízes para esses problemas?

Resposta: É dito que uma Mezuzah protege as casas judaicas e deve estar em todas as portas. Portanto, sua presença não deve incomodá-lo, mesmo que você não acredite nisso.

Se você começar a aprofundar o que está escrito no pedaço de pergaminho e por que ele protege a casa, verá que ele fala da singularidade do Criador e da conexão com Ele.

Se uma pessoa está conectada com o Criador e considera que Ele é a única força que a gerencia e emula Suas características de doação e amor, ela certamente entra sob sua proteção. Esse é o significado interno da Mezuzah.

Não é o pedaço de pergaminho que o protege, mas que você se torna uma força que anseia pelo Criador.

Portanto, é dito: “inscreva-as sobre a tábua do teu coração” e “coloque-as em todas as entradas e saídas de sua vida”.

De KabTV “Notícias com Michael Laitman” 08/03/17

Os Atributos Que Lembram A Correção Espiritual

Laitman_043Torá, Deuteronômio, 11:20: Escrevam-nas nos batentes das portas de suas casas, e nos seus portões…

Uma pessoa deve perceber todos os mandamentos não apenas dentro de si, mas em cada manifestação externa possível de seu egoísmo. Os batentes das portas e os portões são as restrições que existem em torno de nossos desejos externos. O fato é que os desejos vêm de dentro para fora e são classificados da seguinte forma: a casa, o jardim, a cerca em volta deles, e depois o campo e o deserto.

Tudo isso está dentro de uma pessoa; é assim que ela é criada. Ele também deve criar tais atributos, tais símbolos externamente, a fim de estar ciente deles. Portanto, há o costume de beijar a mezuzá, mas apenas para lembrar a pessoa sobre seus estados internos que devem ser corrigidos.

O problema é que nós não os utilizamos. Seria bom se nós explicássemos que todos estes são apenas sinais que lembram o povo que eles devem corrigir seus corações. No entanto, uma vez que não os ensinamos isso, as pessoas ficam satisfeitas com a realização mecânica dos mandamentos e se consideram justas por causa disso. As pessoas não querem aprender e ouvir o que a sabedoria da Cabalá lhes diz.

É necessário ensinar-lhes ambos ao mesmo tempo e para substituir um pelo outro! Esse é o problema.

Torá, Deuteronômio, 11:21: …para que, na terra que o Senhor jurou que daria aos seus antepassados, os seus dias e os dias dos seus filhos sejam muitos, sejam tantos como os dias durante os quais o céu está acima da terra.

“Para que os seus dias sejam muitos” é uma elevação constante nos 125 degraus até o mundo do infinito (Ein Sof), de modo que a pessoa irá possuir “essa terra”, ou seja, todo o imenso desejo dentro dela. Ela deve revelar, desenvolver e corrigi-lo e existir nele em um nível completamente diferente.

De KabTV “Segredos do Livro Eterno” 15/06/16

Sinais Espirituais

Laitman_509Torá, Deuteronômio, 11:18: … e atai-as por sinal na vossa mão

A mão esquerda está recebendo e a mão direita dando. A mão onde o Tefilin é usado é a fraca mão esquerda, a fim de domar o egoísmo. Ela simboliza a correção que uma pessoa deve realizar em seu nível espiritual superior.

Este é um nível muito elevado no mundo da Atzilut – Arich Anpin. Há Tefilin Jacó, Tefilin Rachel, Tefilin Lia e Tefilin Israel.

Torá, Deuteronômio, 11:18: … para que estejam por frontais entre os vossos olhos

Os olhos são a qualidade do nível de Hochma na cabeça do mundo de Atzilut, o que significa que são correções muito elevadas. Para alcançar tais estados temos que fazer um trabalho sério em nós mesmos.

Mas há também programas de apoio que ajudam a implementar um programa comum. É como a gravação de um novo programa em nossos desejos. Afinal, nada foi criado no universo além do desejo. E a Luz Superior registra gradualmente, como um laser, o novo programa em nosso programa anterior sem anular o anterior.

Em outras palavras, todo o nosso egoísmo permanece e apenas começa a trabalhar de acordo com o programa diferente. Portanto, Tefilin, Talit, e todos os outros atributos simbolizam as conexões espirituais que devemos restaurar entre nós em nosso desejo quebrado.

Pergunta: Será que esses atributos materiais nos ajudam?

Resposta: Infelizmente, eles apenas nos distraem. O fato é que, ao realizar mandamentos no nível material, a pessoa pensa que faz tudo o que é necessário. No entanto, é bom se juntamente com a realização de ações físicas fossem dadas explicações: porquê, para quê, e o que está por trás delas, para que elas lembrassem a pessoa sobre suas habilidades internas de implementação da correção.

E é ruim se ela acha que, ao amarrar as caixas de Tefilin, já cumpre os mandamentos.

De KabTV “Segredos do Livro Eterno” 15/06/16

O Que Dizem As Leis Da Torá

Laitman_137Pergunta: Por que simplesmente aprender sobre as leis práticas do livro Shulchan Aruch não basta para o cumprimento de Torá e Mitzvot (mandamentos)?

Resposta: Porque não só para realizá-las, mas mesmo para receber a Torá, mós devemos ser “como um homem com um só coração”. Como podemos dizer hoje que estamos cumprindo as leis da Torá?! Em primeiro lugar, nós devemos ansiar em atingir as condições para a sua execução, ou, pelo menos, anseiar pela unificação. Então vamos descobrir que todas as leis da Torá falam sobre como alcançar a unidade.

Receber a Torá é apenas o começo de seu cumprimento. Depois da sua recepção, o egoísmo começa a ser revelado cada vez mais e nós temos que aumentar a unidade entre nós. É assim que o nosso coração comum cresce até incluir todos dentro dele.

“Não Furtarás”

laitman_546_01Torá, “Deuteronômio”, 5:19: Não furtarás …

Estar vigilante para não desejar receber para si mesmo as realizações e prazeres que são revelados na qualidade de doação. Isso é chamado de furtar.

É proibido transferir qualquer coisa da “casa” do Criador para os nossos desejos egoístas.

Não importa que todo o prazer se evapore imediatamente. Não obstante, é furtar.

Por outro lado, se a Torá diz que isso é proibido, significa que é impossível e você não será capaz de usar qualquer coisa para seu próprio benefício; por exemplo, furtar ou cometer adultério. No mundo espiritual, você não terá permissão de fazer isso, porque lá a lei está acima de você.

Portanto, a Torá nos dá instruções de como nos ajustar com precisão para cumprir as leis espirituais.

De KabTV “Segredos do Livro Eterno” 16/03/16

Nova Vida # 700 – Costumes Do Shabat

Nova Vida # 700 – Costumes Do Shabat
Dr. Michael Laitman em conversa com Oren Levi e Yael Leshed-Harel

Resumo

O homem pertence ao mundo animal e a diferença entre ele e os animais é o desejo de saber para que ele está vivendo. Abraão ensinou que a pergunta sobre o sentido da vida leva uma pessoa à revelação da força superior. Para descobrir o mundo superior, temos que corrigir a inclinação ao mal em nós, o nosso ego.

As velas do Shabat simbolizam a Luz que vem até nós como resultado das correções que realizamos nos seis dias da semana.

Nós temos que nos assemelhar à força superior e nos tornar amorosos e dar de acordo com o plano da criação. Abraão descobriu que há uma força especial na natureza que pode nos ajudar a cumprir essa missão, que é a força da Luz, a força do amor e da doação. Portanto, nós podemos acender duas velas, que simbolizam os dois tipos de Luzz: a Luz da correção das diferentes partes do ego e a Luz de preenchimento.

Quando acendemos as velas de Shabat devemos pensar em ficar mais perto do amor ao próximo. Quando o desejo egoísta é corrigido, é chamado de uma alma e opera com a intenção de amor e doação para o Criador.

Por que é a mulher que acende as velas, por que cobrimos os olhos, e por que abençoamos? Estes costumes derivam de raízes espirituais que simbolizam as correções que temos que realizar. O vinho simboliza a Luz de Hochma e o pão simboliza a Luz de Hassadim.

Quando cantamos a música “Bem-vindos, Anjos da Paz”, cantamos sobre as forças que corrigem o desejo de receber em doar. Estas forças que corrigem transformam a pessoa em uma pessoa amorosa que doa aos outros e, assim, ela descobre o mundo superior. “Oneg Shabat” (o prazer do sábado) simboliza a grande Luz que uma pessoa que tenha corrigido o seu ego recebe no estado espiritual chamado de “Shabat”.

De KabTV “Nova Vida # 700 – Os Costumes do Shabat”, 08/03/16

Nova Vida # 699 – Shabat, Dia De Descanso

Nova Vida # 699 – Shabat, Dia De Descanso
Dr. Michael Laitman em conversa com Oren Levi e Yael Leshed-Harel

Resumo

Há dias e noites na natureza; há meses e anos, mas não há semanas na natureza. Na verdade, a nação de Israel acrescentou a ideia de semana. Começando com o primeiro homem que descobriu a força superior até o último homem que vai descobri-la 6.000 anos depois, esse é o momento que simboliza os seis dias da semana. O sétimo milênio simboliza o estado corrigido em correspondência ao qual o Shabat (sábado) é o mundo vindouro. A essência da correção é a transição do egoísmo para o “ama teu amigo como a ti mesmo” através da Luz que Reforma.

Desde a destruição do Segundo Templo, resta apenas a forma externa dos costumes do Shabat e nada mais. O Shabat espiritual é o Shabat do fim da correção, quando todos nós somos como um homem em um só coração, aderidos ao Criador. Se não nos envolvermos na correção do ego, não temos nada mais do que uma impressão psicológica do Shabat. Mas a pessoa que se corrige descobre sistemas de seis forças de correção e o estado do Shabat no final, o que significa um ciclo. Nós não trabalhamos no Shabat porque completamos a nossa correção nesse estado espiritual. Outras nações copiaram a estrutura da semana de nós e definiram seu próprio dia de descanso.

Os dias da semana simbolizam nosso compromisso com o ego que está dividido em seis partes que temos que corrigir, enquanto o Shabat simboliza o estado corrigido e é daí que vem os costumes associados a ele. Mas os verdadeiros costumes não corrigem o ego. Todos os costumes judaicos são ramos corporais que implicam o que é a raiz espiritual a correção da inclinação ao mal em amor.

O primeiro homem (Adam HaRishon) descobriu a força superior pela primeira vez 5.776 anos atrás, embora houvesse muitas gerações antes dele.

De KabTV “Nova Vida # 699 – Shabat, Dia De Descanso”, 08/03/16

 

Desfazendo Mitos Sobre A Cabalá, Parte 5

laitman_627_2Mandamentos e Tradições

Pergunta: A Cabalá obriga a pessoa a seguir os rituais judaicos?

Resposta: Quando a pessoa estuda a sabedoria da Cabalá, mesmo sendo a pessoa mais secular que nunca seguiu nenhuma tradição, ela começa a sentir que todos esses rituais são dados com a finalidade de lembrar sobre a conexão com a força superior. Por isso, algumas pessoas começam a seguir essas tradições, embora não haja nenhuma obrigação.

Pergunta: Por exemplo, qual é o significado das bênçãos do pão e do vinho no início da primeira refeição do Shabat?

Resposta: É impossível explicar essas ações sem a sabedoria da Cabalá. Apenas a Cabalá explica o que significa o sétimo dia do Shabat. Ele corresponde ao sétimo milénio, isto é, o fim da correção.

Nós esperamos chegar a um estado em que todo o mundo vai ser corrigido e continuará sua existência no amor geral e absoluto pelo outro em maior grau do que para si mesmo. Então, a força superior será revelada entre nós na conexão corrigida e habitará entre todos.

Sem a sabedoria da Cabalá, é impossível entender o que a Torá está falando.

Pergunta: Por que adicionamos sal ao pão durante a bênção no início da refeição do Shabat?

Resposta: Isso é muito simples de entender para alguém que estuda Cabalá. No entanto, é impossível explicá-lo sem usar os termos Cabalísticos. O pão simboliza a Luz da Misericórdia, HassadimBina, ao passo que o sal é Malchut. Dessa forma, surge uma conexão entre BinaMalchut, como está escrito: “Você deve oferecer sal em todos os seus sacrifícios”, como um sinal da união.

A pessoa precisa estudar isso. É impossível explicar em poucas palavras. Se você quer entender o significado interno de qualquer tradição, isso só é possível através da sabedoria da Cabalá. Todas as tradições, leis e mandamentos do judaísmo vêm da Cabalá e só existem por causa dessa sabedoria. Ela explica seu verdadeiro significado e os preenche com o sentido interior.

Do Programa da Rádio 103FM, 28/02/16

Por Que Não Comemos Chametz (Alimento Fermentado) Em Pesach

laitman_961Pergunta: Por que não podemos comer Chametz em Pesach (Pesach Judaica)?

Resposta: Porque Chametz simboliza a conexão entre a farinha e a água. A farinha simboliza o atributo do desejo egoísta e a água simboliza o atributo do desejo altruísta.

Assim, em Pesach, nós estamos na fase final da dominação do ego e começamos a sentir que o egoísmo nos controla em tudo já que não temos o atributo de Hassadim, o atributo de Hesed, o atributo da água, simbolizado pelo Matzá.

Matzá é a conexão entre a farinha e água. Eles são misturados por um período de tempo muito exato, por 18 minutos, de modo que a farinha não comece a subir. Se eles são misturados por muito tempo, temos que amassar constantemente a massa sem parar …

Este processo simboliza o nosso trabalho com o egoísmo, o processo em que temos que continuar a trabalhar com ele, dando-lhe novas formas repetidas vezes, movendo-se para o altruísmo. Então é possível.

Mas, em princípio, não é possível trabalhar com o Chametz por mais de 18 minutos, o que significa que a conexão deve ser mínima, tal como aparece no nosso egoísmo. O que é o altruísmo? Que nós queremos mostrar boas intenções em relação a alguém para que o ego se beneficie disso? O Matzá simboliza a falta de água, a falta de Hassadim, a falta de Hesed, em nossa atitude egoísta, e por isso que é chamado o “pão da pobreza”, o que significa a pobreza de um grande coração, na abertura entre as pessoas.

É costume comer Matzá na véspera de Pesach, porque é nesta noite que revelamos até que ponto não temos o atributo de amor e doação entre nós, o atributo de Bina, ou o atributo de Hesed. Nós estamos prontos para qualquer coisa, contanto que possamos sair desse estado egoísta, e por isso comemos Matzá na noite de nossa libertação do egoísmo.

De KabTV “Notícias com Michael Laitman” 13/04/16

Desejo Número Trinta E Cinco

Dr. Michael LaitmanPergunta: O que é a correção dos 613 desejos? Ela se refere às 613 Mitzvot (mandamentos) na Torá? Você pode explicar a que desejo corrigido o número 35 se refere, aquele sobre a preparação do óleo especial para a unção do grande sacerdote e do rei?

Resposta: O grande sacerdote e o rei não são seres humanos, mas um nível espiritual especial. Quando você sobe a este nível, a estrutura de um rei ou de um grande sacerdote será formada em você e você será capaz de realizar uma ação chamada de atrair da Luz de Hochma.

A Luz de Hochma é o óleo e a Luz de Hasadim é a água. Ao usar o óleo (a Luz de Hochma), você pode fazer uma “solução” especial, ou seja, um sistema especial para correção, elevação e proximidade a fim de ascender ao nível do rei ou do grande sacerdote. Estes são todos os nossos atributos internos que temos que organizar e corrigir.

Assim, qualquer Mitzva é a correção dos nossos desejos internos, mas em diferentes níveis. O homem é um pequeno mundo e tudo existe dentro dele. Isso significa que apenas eu existo e está tudo dentro de mim, na minha consciência, no meu sentimento.Parece-me que você é externo a mim, mas, na verdade, está dentro de mim.

Pergunta: O que significa encontrar o sacerdote dentro de mim?

Resposta: Um sacerdote é o desejo no nível de Keter, o maior desejo de uma pessoa que trabalha em doação absoluta, sem quaisquer impurezas egoístas. Mas uma pessoa deve se preparar para isso. Um dos atos de preparação é a Mitzvah número 35. Quando a pessoa sobe os níveis espirituais, independentemente de nascer um judeu ou não, um Cohen ou um Levi, ela tem que passar por todos esses níveis e atributos.

Da Lição de Cabalá em Russo 24/01/16