Textos na Categoria 'Mandamentos'

Alusões Às Propriedades E Ações Espirituais

630.2Pergunta: Em Purim, tradicionalmente, bolos doces são comidos em forma de se assemelhar aos bolsos de Hamã. O que há com este símbolo?

Resposta: Em nosso mundo, existe uma conexão entre a raiz e o ramo. Portanto, devemos de alguma forma exibir tudo isso nos ramos. As pessoas deveriam estar apegadas a essas coisas.

Pergunta: Não é primitivo que no século XXI estejamos seguindo essas tradições?

Resposta: Eu acredito que nosso século é o mais primitivo de todos os séculos anteriores. Quanto mais nos desenvolvemos, mais nosso egoísmo cresce. Portanto, de repente começamos a nos sentir como uma espécie de grandeza e a criticar os séculos anteriores, os cientistas e todos os outros. Mas eles entendiam muito melhor do que nós a estrutura dos mundos, as forças da criação.

Eles conheciam essas raízes, as viam, adivinhavam e entendiam com o que estavam lidando, não a fim de fazer algum tipo de história a partir disso, mas para incluí-las no sistema de correção para que cada geração fizesse sua própria correção e gradualmente chegaríamos à correção completa, que é chamada de “Purim”.

Pergunta: É por isso que eles introduziram ao povo a tradição de comer doces em forma de bolsos de Hamã?

Resposta: Claro. Tudo isso foi feito pelos grandes Cabalistas. Existem inúmeras alusões às propriedades e ações espirituais que devemos realizar.

Pergunta: É costume dar presentes em Purim. Em honra de quê? Em honra da alegria?

Resposta: Sim, porque quando nos conectamos, nos realizamos: eu sou você, você é eu. E cada indivíduo não pode se realizar.

Purim é a correção final. O Criador criou o egoísmo, a inclinação ao mal que foi completamente corrigida.

De KabTV, “Estados Espirituais”

A Torá É A Instrução Sobre Como Alcançar O Amor

527.05O Livro do Zohar, vol.7, Behaalotcha, Item 58: Ai daquele que diz que a Torá vem para contar contos literais e as palavras incultas de pessoas como Esaú e Labão. Se assim for, ainda hoje podemos transformar as palavras de um inculto em lei, e ainda mais amáveis ​​do que as deles. E se a Torá indica assuntos mundanos, até mesmo os governantes do mundo têm entre eles coisas melhores, então vamos segui-los e transformá-los em uma lei da mesma maneira. No entanto, todas as palavras da Torá têm o significado principal.

O problema é que as pessoas não entendem a Torá, não entendem que ela descreve as leis da natureza que devemos cumprir para existir em um relacionamento correto, em uma unidade correta com a natureza.

Sua lei mais importante é “Ame seu próximo”. Então está escrito: “Devemos interpretar que é sabido que é impossível alcançar o amor do Criador antes que uma pessoa seja recompensada com amor às pessoas por meio de “ame o seu próximo como a si mesmo”, o que o Rabino Akiva disse ser uma grande regra na Torá.

Para uma pessoa que se esforça para cumpri-la, esta lei inclui todas as outras leis da Torá.

Comentário: Isso é muito estranho porque a Torá escreve principalmente sobre assassinatos, mas nada sobre amor.

Minha Resposta: Ela escreve sobre como é difícil amar o próximo como a si mesmo. Toda a Torá foi escrita sobre isso.

Pergunta: Então a Torá é a instrução sobre como alcançar o amor ao próximo?

Resposta: Só isso!

Pergunta: E o que são os Dez Mandamentos?

Resposta: A fim de cumprir a lei de “Ame o seu próximo”, existem 613 (Taryag) de todos os tipos de subleis. Elas estão incluídas nos Dez Mandamentos, que estão incluídos em uma lei básica.

Pergunta: Se aceitarmos pelo menos um mandamento, suponha: “Não roubarás”, do que estamos falando?

Resposta: “Não roubarás” é natural. É possível implementar a lei de “Ame o seu próximo” e roubar? Nesta lei, existem regras mais internas, superiores, embora aparentemente irracionais. Mas, em princípio, começa com relacionamentos puramente humanos.

De KabTV, “Estados Espirituais”, 03/06/19

Por Que A Torá É Tão Difícil De Entender?

209Comentário: Se dissermos que tudo na Torá está escrito alegoricamente, mas ao mesmo tempo reconhecermos que existiu tal povo, que o êxodo do Egito aconteceu, que existe a Terra de Israel e hoje a reivindicamos, ocorre que as pessoas chamam de “alegórico” quando lhes convém e quando não convém é “realmente aconteceu”.

Minha Resposta: Essas pessoas não têm nada a ver com a Cabalá, então não tenho nada a falar com elas. Que alegoria? A Cabalá fala sobre as leis da natureza, sobre suas verdadeiras leis.

Não vejo o que os historiadores escrevem, mas o que nos é transmitido de geração em geração. E isso sempre se confirma. Não estou interessado em acadêmicos universitários discordarem disso. Embora eu mesmo tenha obtido meu doutorado em Cabalá e, até certo ponto, pertença a eles, não estou interessado em suas conclusões porque eles confiam no que é benéfico para si a fim de manipular alguns fatos, para dizer algo novo. Eu me encontrei com cientistas americanos, russos e israelenses e vi como eles trabalham.

Comentário: Essas coisas acontecem, é claro. Mas estou usando fatos simples como exemplo. Está escrito: “E Deus completou no sétimo dia Sua obra, e Ele se absteve no sétimo dia de toda a Sua obra”. Entendemos que isso não pode ser. Ou dizem que a serpente tinha duas pernas. É claro que isso é uma alegoria.

Resposta: Totalmente.

Pergunta: Explique quando é uma alegoria e quando não é? As dez pragas egípcias são leis da natureza? Parece uma espécie de misticismo incompreensível. O que estava acontecendo lá?

Resposta: A Torá apenas escreve sobre o que acontece dentro de uma pessoa.

Comentário: Mas com base em todos os fatos históricos, reivindicamos o Estado de Israel. Toda a história é construída sobre o fato de que existe tal nação.

Minha Resposta: Porque esses eventos realmente aconteceram aqui. Isso é provado por escavações e tudo mais.

Pergunta: Então, o que aconteceu e o que não aconteceu? O que é alegoria e o que não é? O que está dentro de uma pessoa e o que não está? Como isso pode ser entendido corretamente?

Resposta: O povo de Israel viveu no Egito por algum tempo, saiu e fundou seu próprio Estado. Ele existiu por mais de mil anos e depois se espalhou pelo mundo.

Pergunta: Na verdade, vemos que havia um Templo, seus restos sobreviveram, etc. Portanto, isso não é uma alegoria, ele existiu?

Resposta: Sim.

Pergunta: Então, podemos dizer que a Torá é uma história histórica?

Resposta: Não. A Torá não escreve sobre história. Ela escreve apenas sobre um período de quarenta anos na vida das pessoas e sobre o que aconteceu antes disso. Ela termina na entrada da Terra de Israel quando Moisés morreu. E a passagem do povo de Israel pelo rio Jordão, a entrada para a Terra de Israel e seu desenvolvimento não é mais a Torá, mas os Profetas e as Escrituras.

Eles descrevem períodos históricos. É preciso acreditar nesses livros, apesar do fato de que talvez pareçam imprecisos ou de alguma forma irreais para nós. Pelo menos suas descrições devem ser levadas a sério e explicações não devem ser inventadas para eles.

O problema é diferente: as pessoas não entendem nada do que está escrito na Torá. Elas acreditam quem ela indica como cumprir os mandamentos em nosso mundo: abate de gado, manutenção de várias condições no Templo, etc.

Você precisa entender por que e para que está escrito dessa forma. Ela descreve o estado interior de uma pessoa, sobre como ela deve se corrigir a fim de se tornar um Templo, de modo que todos os seus “ingredientes” inanimados, vegetativos, animados e outros, por assim dizer, mente e coração, pensamento e desejo , entre no estado certo para se conectar com os vizinhos e alcançar o estado de amor absoluto.

Pergunta: Todos os animais e plantas descritos na Torá são níveis de desejo?

Resposta: Só isso.

Pergunta: Digamos que fazer um sacrifício significa pegar algum tipo de desejo egoísta animal seu, sacrificá-lo e elevá-lo ao nível de homem. É assim que devemos entender isso?

Resposta: Só isso. É muito difícil entender o que é a Torá. Se diz que “ame o seu próximo como a si mesmo” é a lei mais importante da Torá e tudo o mais, como disse Hillel, é apenas a sua explicação, onde você vê isso sendo cumprido?

Consequentemente, entendemos outra coisa – não aderimos à Torá de forma alguma, não a cumprimos, não entendemos seu significado interno – não está em nós.

Pergunta: O que significa “ame o seu próximo como a si mesmo” se for apenas sobre mim?

Resposta: Que você tem que chegar a tal estado.

Pergunta: Quem é esse próximo em mim?

Resposta: Todos os seus estados internos que, ao que parece, existem fora.

Pergunta: Devo amar meus estados internos?

Resposta: Sim. E através deles o Criador, porque a partir do amor ao próximo, deve-se amar o Criador.

Pergunta: E aquelas pessoas que vejo fora de mim, também devo amá-las?

Resposta: Também fora de você – é uma obrigação! Ao se corrigir, você deve corrigir sua visão do mundo para descobrir que ama a todos.

De KabTV, “Estados Espirituais”, 03/06/19

“Os Dez Mandamentos Vieram De Deus?” (Quora)

Dr. Michael LaitmanMichael Laitman, no Quora: Os Dez Mandamentos Vieram De Deus?

O verdadeiro significado dos dez mandamentos nos escapa neste mundo, e é comum nos referirmos a eles simplesmente como instruções de Deus para a moralidade humana. No entanto, os dez mandamentos significam algo totalmente diferente.

Os dez mandamentos são limitações que aplicamos ao uso de nossa natureza, o desejo de desfrutar, que na sabedoria da Cabalá é chamado de “Malchut”. Na linguagem da Cabalá, essas limitações são “Masach” (“tela”) e “Ohr Hozer” (“luz refletida”) colocados em Malchut, o que em suma significa aplicar uma intenção de amar, doar e conectar-se positivamente um ao outro e a nossa fonte comum. Quando nosso desejo de desfrutar, Malchut, aceita essas limitações, torna-se o lugar para o tempero das dez Sefirot, e por isso é chamado de “os Dez Mandamentos”.

Um mandamento, que em hebraico é “Dover“, deriva da raiz hebraica da palavra “enunciado” (“Dibur“), que nasce na Peh (boca) do Partzuf (entidade espiritual), conhecido na Cabalá como o “Peh de Rosh” (ou seja, o lugar em nossa alma onde agimos em nossa decisão de nos assemelhar à qualidade espiritual de amor, doação e conexão, e que recebe a capacidade de amar e doar de acordo com a força da intenção de doar). Essas ações são realizadas no mundo de Atzilut, o mais elevado dos mundos espirituais que está mais próximo da qualidade pura de amor e doação, a qualidade do Criador.

Recebemos os dez mandamentos somente depois de nos conectarmos uns aos outros “como um homem com um coração”, a fim de nos elevarmos acima dos desejos egoístas violentos que resistem à conexão e que nos tornam odiosos uns aos outros. Essa enorme qualidade egoísta é representada na história da Bíblia pelo Monte Sinai (“Sinai” da palavra hebraica para “ódio” [“Sinah”]). Se não conseguirmos nos conectar positivamente uns com os outros a fim de nos elevarmos acima do ego que nos divide, também não podemos descobrir ou observar qualquer um dos dez mandamentos. Temos que estar em um nível espiritual de realização, ou seja, o nível de “Bina“, uma das dez Sefirot que representa a qualidade pura de doação, a fim de ter o ouvido (Bina é a raiz espiritual do nosso sentido de audição) para ouvir as dez declarações do Monte Sinai. Em outras palavras, precisamos atingir um certo nível de equivalência de forma com o Criador, a fim de observar os dez mandamentos.

Podemos alcançar um nível espiritual onde descobriremos e observaremos os dez mandamentos passando primeiro por um período de preparação neste mundo, onde nossa ênfase principal deve ser alcançar a conexão “como um homem com um coração”, e só então observaremos os mandamentos. Caso contrário, não teremos a capacidade de compreendê-los. Em suma, “ame o seu próximo como a si mesmo” é a base de toda realização espiritual e ascensão a um nível espiritual.

Com base na 1a parte da Lição Diária de Cabalá em 3 de junho de 2014, Shamati 66, “A Entrega da Torá”. Escrito/editado por alunos do Cabalista Dr. Michael Laitman.
Foto de Clint Adair no Unsplash.

“Qual É O Papel Dos Dez Mandamentos Hoje?” (Quora)

Dr. Michael LaitmanMichael Laitman, no Quora: Qual É O Papel Dos Dez Mandamentos Hoje?

Os dez mandamentos representam os desejos de nos conectarmos positivamente entre nós e com nossa fonte comum.

A Entrega da Torá ocorre no pé do Monte Sinai depois que o povo de Israel aceita a condição de Arvut (garantia mútua) —para ser unido “como um homem com um coração”.

O Monte Sinai representa uma enorme quantidade de ódio (“Sinai” deriva da palavra hebraica para “ódio” [“Sinah”]), enraizada em nossa qualidade egoísta egocêntrica. Podemos nos elevar acima do imenso ego e ódio, que nos separa uns dos outros e causa todos os males do mundo, se seguirmos um único pequeno desejo que deseja apenas amar, doar e conectar-se positivamente. Esse pequeno desejo é chamado de “ponto no coração” na sabedoria da Cabalá: um pequeno desejo por espiritualidade dentro de nosso “coração”, que representa a totalidade de nossos desejos egoístas. Na Bíblia, este ponto é chamado de “Moisés”, que em hebraico é “Moshe”, uma vez que este ponto “atrai” ou nos “puxa” (“Moshech” em hebraico) para fora de nosso ego divisivo e para a qualidade espiritual harmoniosa de amor, doação e conexão positiva.

O Monte Sinai é uma quantidade gigantesca de ego e ódio, semelhante à Torre de Babel, mas maior porque está em um grau posterior de crescimento egoísta. O povo de Israel no pé do Monte Sinai significa que estamos prontos para nos elevar acima de nosso ego divisivo a fim de nos unir. Em outras palavras, concordamos em unir partes de nossos egos individuais em uma grande massa, e não temer, mesmo que seja uma grande quantidade de ódio, porque nosso foco está inteiramente no desejo de nos conectarmos positivamente com um amor mútuo e cuidado por outro alguém acima de nossos impulsos egoístas que nos consome, o que nos faz querer fazer tudo, menos nos conectar de tal maneira.

Quando nos unimos dessa forma, formamos uma demanda pela revelação da qualidade espiritual – amor e doação – em nossa unidade. A tendência de união forma uma verdadeira necessidade da qualidade espiritual de amor e doação para habitar entre nós, o que na sabedoria da Cabalá é chamado de “Kli” (“Vaso/ferramenta/receptáculo”) para espiritualidade. Ou seja, quanto mais nos direcionamos para nos conectarmos uns aos outros, mais descobrimos que nosso ego está resistindo à conexão, e esse movimento dual finalmente nos leva a uma verdadeira necessidade da qualidade espiritual de amor e doação para habitar em nossa conexão, uma vez que cada vez mais descobrimos que, sem essa força, nosso ego nos bloqueia para sempre uns dos outros. Está escrito que “Do amor dos seres criados, passamos a amar o Criador”. Assim, aceitamos a condição de “Ame o seu próximo como a si mesmo” e, ao fazer isso, descobrimos as leis da conexão espiritual que os dez mandamentos descrevem.

Com base na primeira parte da Lição Diária de Cabalá em 3 de junho de 2014, Shamati # 66 “A Entrega da Torá”.
Escrito/editado por alunos do Cabalista Dr. Michael Laitman.

O Mandamento: “Não Matarás”

962.2Comentário: O sexto mandamento é “Não matarás”. A força superior, Deus, diz: “Não matarás”. Por outro lado, quando a nação entrou na terra de Israel, Ele disse: “Destruam todos os que vivem lá, desde os velhos até os filhos e os animais, todos devem ser destruídos”.

Minha Resposta: O mandamento “Não matarás” implica “não mate o humano em você”. Não implica em mais nada. Até o maior Rei de Israel, Davi, lutou por 40 anos e participou ativamente de batalhas onde dezenas de milhares de pessoas morreram todos os dias.

Portanto, precisamos entender o que significa “Não matarás”. Em nosso mundo, o mesmo Criador criou tais condições que é impossível fazer sem “matar”. O mundo praticamente é contra o assassinato. Você mata animais. Você mata pessoas. Você se mata. Você está matando tudo. Portanto, “Não matarás” são belas palavras que podemos distorcer como quisermos.

A Torá significa “não matarás o humano em ti”. E todos os outros problemas que existem entre nós em nossas vidas, devemos corrigir gradualmente. Não existe uma lei absoluta de “Não matarás”. Existem até leis em que uma pessoa é condenada à morte por certos crimes.

De acordo com a Torá, existem quatro tipos de morte: apedrejamento, enforcamento, estrangulamento e queimadura.

Qualquer lei em nosso mundo não vem do Criador, mas das pessoas. Há sempre um suplemento espesso que explica a letra da lei.

Pergunta: Mas existe, por exemplo, a lei da gravidade. Essas leis da física têm alguma outra aplicação?

Resposta: Não. Você está falando de uma manifestação física que chamamos de lei da natureza. Não depende de nós e é feito diretamente, gostemos ou não.

Um mandamento é uma lei que é dada a uma pessoa para cumprir de modo que ela se pareça com a natureza superior que você claramente não vê, mas na qual essas leis se manifestam da mesma forma que a lei da gravidade em nosso mundo.

As leis espirituais são leis da existência e funcionamento da alma corrigida. Ou seja, você revela essas leis dentro de você.

Pergunta: É possível articular pelo menos uma lei central?

Resposta: “Ame o seu próximo como a si mesmo” é uma lei geral da natureza. Está em um nível acima do que podemos observar com nossas qualidades terrenas.

De KabTV, “O Poder do Livro do Zohar” # 11

O Mandamento “Não Roubarás”

420.06Pergunta: O ato da criação: “Eis que vos dei toda erva que dá semente, que está sobre a superfície de toda a terra, e toda árvore que tem semente que dá fruto; será seu para alimento” corresponde ao mandamento: “Não roubarás”.

O que é essa erva com sementes?

Resposta: As pessoas devem crescer usando suas propriedades o tempo todo, assim como uma planta emerge do solo.

Devemos revirar o solo, ará-lo, ou seja, envolver a propriedade do egoísmo na propriedade do altruísmo e adicionar água, a propriedade de doação, a propriedade do amor. Só então o próximo nível será alcançado a partir das sementes, nossos embriões. A terra é o ambiente certo para o cultivo de sementes.

Pergunta: Como isso está conectado a “não roubarás”?

Resposta: “Não roubarás” significa “não deves agir”. Faça com que algo cresça de você na espiritualidade e não roube a espiritualidade para si mesmo. Tudo isso para que você tenha a intenção de doar, para sempre crescer para cima e não arrebatar a espiritualidade para ações com a intenção de receber.

De KabTV, “O Poder do Livro do Zohar” # 11

O Mandamento: “Não Roubarás”

550Quando eu trilho o caminho espiritual, eu contato o Criador por meio de minhas propriedades corrigidas. Já estou ascendendo e posso agir no mundo superior, sinto o Criador, e desejos opostos aparecem em mim porque o lado impuro está sempre pronto, por assim dizer, para ajudá-lo, para arrastá-lo para algum lugar. E agora você tem que ter cuidado para “não roubar”.

Do ponto de vista espiritual, “Não roubarás” significa não roubar da direção rumo ao amor e doação, à santidade, para o lado do seu egoísmo: “Espere! Fique em guarda!”

Não roube do seu eu espiritual para o seu eu impuro. Ao contrário, arraste tudo, desde suas propriedades defeituosas e impuras até propriedades puras, superiores e leves. O oposto é chamado de roubo.

Pergunta: E em nossa vida?

Resposta: A vida corporal não é nada! A Cabalá nem mesmo fala sobre isso porque o nível em que existimos hoje não é considerado real de forma alguma.

Pergunta: Ladrões profissionais certamente justificam suas ações?

Resposta: Todas elas podem ser justificadas porque neste mundo não temos livre arbítrio. Portanto, nesta vida não há recompensa, nem punição, nem inferno, nem paraíso. Posso acalmar ou decepcionar a todos, dependendo de quem espera o quê.

Se você terminar sua vida no nível em que vive, não terá nem o paraíso nem o inferno, simplesmente morrerá como qualquer outro animal.

E se você desenvolveu sua alma a partir do que chamamos de ponto no coração até as primeiras dez Sefirot menores, isso permanece para sempre e continua a se desenvolver de um ciclo para outro.

Ou seja, você renasce neste mundo, atinge uma certa idade, volta para a Cabalá e novamente começa a desenvolver sua alma até atingir a altura total do nível do mundo do infinito. Você pode precisar de várias vidas. Mas só isso permanece de uma vida para outra.

Portanto, depois de todas as nossas vidas passadas antes da presente, quando apenas sentimos a primeira atração pela Cabalá e começamos a percebê-la, apenas esta permanece. Somente a partir deste teremos impressões maiores do que apenas dados informativos.

De KabTV, “O Poder do Livro do Zohar” # 11

Alcance O Estado Do Shabat

294.3Zohar Para Todos, item 444: Lembre-se do dia da Shabat (Sábado), para mantê-lo sagrado.

Sábado é Shabat, que vem da palavra “Lishbot” (descansar, parar de trabalhar). Isso não significa um golpe, mas uma interrupção abrupta de todas as atividades, e implica ações para a correção da alma.

O estado de alcançar a correção completa da alma é chamado de “Shabat” – Sábado. Ao longo da longa história do mundo, temos nos movido em direção à correção de nossas almas. Essa é a primeira geração que começou a fazer isso, e a Cabalá é revelada a todos.

O desapego está se tornando aparente no mundo de hoje, sua natureza inclusiva está se manifestando, e tudo com o único propósito de levar a pessoa ao completo desânimo, à necessidade de abrir sua alma e começar a desenvolvê-la.

Podemos dizer que agora estamos na véspera do Shabat. Ou seja, desde a primeira revelação do Criador a Adão, que viveu 5.781 anos atrás, até o final de todo o programa, que se estende por 6.000 anos, faltam apenas 219 anos. Mas você pode chegar ao estado de Shabat mais cedo.

É um estado onde o mundo inteiro sobe para o próximo nível, para a sensação de eternidade, infinito e perfeição.

Podemos realizar essa transição crítica de uma maneira muito fácil e bonita se explicarmos a todos o que a ciência da Cabalá nos permite fazer e como isso é fácil e simplesmente implementado.

Se não escolhermos avançar pelo caminho mais fácil, ainda teremos que atingir o sexto dia – o estado de eternidade e perfeição, a elevação de nossa alma – mas por meio de eventos muito duros, drásticos e dramáticos que podem envolver guerras mundiais.

“Lembrar o Dia do Senhor” significa lembrar que existimos em um estado temporário e que devemos fazer todas as correções durante nossas vidas para alcançar o estado eterno e perfeito. Portanto, “lembrar” significa “implementar”. A cada momento você deve implementar essa ideia e se aproximar dela.

De KabTV, “O Poder do Livro do Zohar” # 10

Para Se Tornar Semelhante Ao Criador

237Comentário: O ato da criação, “Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança”, corresponde ao mandamento “Não dirás falso testemunho contra o teu próximo”.

Minha Resposta: Estamos muito próximos aqui da revelação do Criador às pessoas. Você deve examinar e analisar exatamente o que o Criador é, que tipo de força Ele é.

É o reconhecimento do mal da própria natureza, a ascensão de uma pessoa acima de si mesma para que seus sofrimentos e prazeres não prevaleçam sobre a verdade e a falsidade nela. A verdade sempre deve ser mais elevada do que o maior sofrimento. Isso é verdade ou falsidade.

Quando posso verificar se estou me apegando à verdade? Em meu coração posso sentir prazer ou sofrimento, e em minha mente percebo tudo como verdadeiro ou falso.

O mais importante é que a verdade, isto é, o avanço em direção ao Criador, em direção à verdade, à luz, ao infinito, deve ser superior à falsidade, aos sofrimentos e aos prazeres. Nada pode me tirar desses três estados em relação à verdade. É quando tudo é medido corretamente. Então, “não dirás falso testemunho” é realizado. Você sabe com certeza que está se autoexaminando corretamente, que é seu próprio juiz, sua própria testemunha.

Pergunta: O “falso testemunho” é possível em sentimentos? No nível da verdade e da falsidade, pode ser o oposto?

Resposta: Sim. Então este mandamento é dividido em muitas outras qualidades: faça seus próprios julgamentos, coloque guardas em todos os seus portões para não se desviar do objetivo correto.

Pergunta: Eu estabeleço esse controle dentro de mim?

Resposta: Sim. Portanto, dizemos que os Dez Mandamentos são quebrados em muitas partes, como qualquer lei.

Comentário: Por que no ato da criação se diz “Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança”?

Resposta: É somente desta forma que você se torna semelhante ao Criador: quando de todas as suas qualidades você reúne, pouco a pouco, qualidades corretas em relação ao ódio e amor, verdade e falsidade, prazer e sofrimento. O principal é que existe verdade e, a partir dessas partículas de verdade, você cria a imagem do Criador a partir de si mesmo.

De KabTV, “O Poder do Livro do Zohar” # 11