Textos na Categoria 'Livros'

Como Um Feixe De Juncos — Viver Num Mundo Integrado, Parte 5

Like a Bundle of ReedsComo um Feixe de Juncos, Por que Unidade e Garantia Mútua são Urgentes Hoje, Michael Laitman, Ph.D.

Capítulo 10: Viver Num Mundo Integrado

Um Mundo Integrado Exige Educação Integral

As Chaves Para A Unidade

Para conceber uma sociedade mais coesa, cujos membros são responsáveis uns pelos outros, as pessoas precisam cultivar algumas regras básicas.

1) Comida e outras necessidades: primeiro e mais importante, as pessoas devem ter segurança alimentar. Sem a confiança de que possam alimentar seus filhos e a si mesmas, as pessoas não irão sentir que são partes integrais da sociedade, elas estarão constantemente lutando por comida (se não fisicamente, mentalmente).

Além disso, é imperativo que as pessoas tenham segurança suficiente sobre educação, habitação, vestuário e serviços médicos. Tudo o acima irá variar dependendo do nível médio de vida em cada localidade, mas o sustento básico deve ser fornecido para todos em um nível que preserve sua dignidade como seres humanos e como membros integrais da sociedade.

Em troca de garantir sustento básico, todos os membros da sociedade vão passar por alguma forma de treinamento, que irá ajudá-los a compreender a natureza interconectada e interdependente de nosso mundo — por isso é que estão recebendo esses serviços. Eles vão aprender que uma sociedade que garante seu bem-estar implica também alguns deveres. Isto vai se relacionar com as atitudes das pessoas entre si, bem como sua contribuição de tempo ou de serviços para o bem comum.

Por exemplo, a certeza de que todas as crianças recebem educação básica não tem que custar ao estado um centavo. Pode ser feito através de professores desempregados que voluntariamente trabalham em troca de um sustento básico. Esta medida contribuirá significativamente para a coesão social da comunidade e juntamente com a formação acima mencionada será percebida como participando na formação de um mundo melhor, dando assim às pessoas mais um incentivo positivo para para se esforçar pela comunidade.

2) A formação (treinamento): nós já mencionamos a formação que vai ajudar as pessoas a entender a natureza do nosso mundo interconectado e interdependente. O paradigma social da Educação Integral sugere que todos os cidadãos, inclusive todos os residentes do país vão participar nesta formação.

A formação tem uma dupla finalidade: social e econômica. A finalidade econômica, que é mais um benefício suplementar do que uma meta real em si, é fornecer às pessoas o conhecimento necessário para se sustentar em tempos de parcos rendimentos. Essa parte da formação irá incluir a educação do consumidor (finanças pessoais), para que as pessoas possam gerenciar suas famílias em uma maneira economicamente viável utilizando recursos limitados.

A outra parte do curso, mais extensa, irá incluir tópicos referentes à percepção de si mesmo como parte de um todo maior que compartilha um objetivo comum. Essa percepção é fundamental para a coesão da sociedade. Sem ela, vai ser cada um por si mesmo, uma sociedade do salve-se quem puder.

A dissonância crescente entre este tipo de sociedade e a direção agregada da realidade de hoje vai sem dúvida aumentar a já excessiva pressão sobre o funcionamento social das pessoas, e o resultado será o colapso da sociedade. Se isso acontecer, como prova a história, e conforme descrito nos capítulos anteriores, os Judeus serão responsáveis, cujas consequências ninguém sabe.

Portanto, abaixo estão os tópicos que eu acredito que devem ser incluídos na formação (treinamento) em EI para conduzir as pessoas a uma visão de mundo mais coesa e, portanto, sustentável:

•Interconectividade em economia, cultura, sociedade, e o que isso significa para cada um de nós. Este tópico irá detalhar a evolução dos desejos e como, no quarto nível, queremos desfrutar a riqueza, poder e fama, prazeres egoístas e que esses desejos nos levam a nos conectar, embora negativamente, a fim de usar um ao outro.

•Interdependência — por que nos tornamos interdependentes e como isso deve afetar as nossas relações nos níveis pessoais, sociais e políticos. Este tópico deve continuar a explicação da evolução dos desejos e mostrar por que nossos desejos de explorar uns aos outros nos fazem mais dependentes um do outro. Na medida em que esses desejos nos levam a nos envolver em relações cada vez mais estreitas, enquanto abrigam intenções mútuas inerentemente doentes, nós estamos cada vez mais interligados porque queremos usar um ao outro. Ainda assim, estamos igualmente interdependentes porque somos dependentes dos outros para a satisfação de nossos desejos.

•Melhorar as capacidades sociais, emocionais e mentais:

•Melhorar as capacidades sociais, emocionais e mentais:

◦Aprender como lidar com o desemprego e a resultante insuficiência financeira, estresse e depressão.

◦Habilidades de comunicação tais como aprender como ouvir, como expressar claramente as emoções e necessidades, respeitar um ao outro e como ler a linguagem corporal. O objetivo aqui é neutralizar a agressividade e estabelecer melhor compreensão recíproca.

◦Resolver conflitos internos de uma forma não-violenta.

◦Socialização como meio de aprendizagem, enriquecimento, suavizando tensões e restaurando a autoestima.

•Consumo de mídia: como dito acima, a mídia de massa é a mais poderosa ferramenta para moldar nossas opiniões e valores. Por esta razão, o sábio consumo de mídia pode reduzir as tendências agressivas, incentivar o comportamento pró-social e fornecer informações essenciais, a compreensão do mundo e nosso lugar nele. Para ter certeza, o termo “mídia” refere-se não só à TV e rádio, mas também a Internet, jornais e algumas formas de cultura pop, como filmes e música popular.

•Habilidades de gestão do tempo: aprender a usar o tempo para enriquecimento pessoal, laços de expansão dos círculos sociais, aquisição de competências profissionais novas ou melhoradas, e alimentar a laços familiares mais fortes e sólidos.

•Qualificação de estagiários como formadores de futuros cursos e treinamentos.

Além disso, onde a presença física for possível, o treinamento será dado através de atividades sociais, simulações, trabalhos de grupo, jogos e apresentações multimídia. A aprendizagem não será no formato tradicional, professor-classe frontal. Em vez disso, o professor e os alunos irão sentar-se em círculo e conversar como iguais, aprendendo por meio do enriquecimento e compartilhamento mútuo. Onde a presença física não for possível, o quadro educacional será em grande parte interativo, com exemplos e atividades projetadas principalmente para eLearning.

Os resultados de tal formação devem ser duplos: 1) compreensão de como gerir a vida pessoal no volátil ambiente social e instabilidade econômica de hoje; 2) compreensão de que há uma lei natural estimulando esse desdobramento, que essa lei é tão severa e inexorável como a gravidade, e, portanto, nós devemos dominar esses novos meios de lidar para nosso próprio bem.

Embora todos nós tenhamos que saber como lidar conosco mesmos sob a Lei da Interdependência, imposta sob nós pela Lei da Doação, o Criador, isso não significa que todos terão que estudar Cabalá. Aqueles que desejam estudar podem fazê-lo, mas aqueles que não têm desejo de alcançar o Criador irão contribuir tanto quanto o “superorganismo vivo da humanidade”, para usar as palavras de Christakis e Fowler, simplesmente vivendo as leis da garantia mútua sem atingir o funcionamento interno da Criação.

Assim como você não precisa ser um eletricista qualificado para ligar a luz com sucesso e com segurança, nem todo mundo deve ser um Cabalista, ou um “perito no funcionamento da lei de doação”, para usar um fraseado mais contemporâneo, para aplicar com sucesso e segurança a lei da doação nas suas vidas. Afinal, esta lei existe a fim de fazer o bem às Suas criações, como aprendemos no capítulo 2. Portanto, tudo o que precisamos aprender é como usá-la corretamente, assim como aprendemos como usar a eletricidade, magnetismo, gravidade e qualquer outra lei natural ou força para nosso benefício.

Dito isso, assim como eletricistas constroem os sistemas que todo mundo usa com segurança sem qualquer conhecimento profissional, os Cabalistas terão que construir os sistemas social e de aprendizagem que insiram a qualidade da doação na sociedade, de modo que todos possam usar estes sistemas beneficamente, mesmo sem qualquer conhecimento da Cabalá.

3) A mesa-redonda: um meio de primordial importância e que, portanto, merece um item para si, é o formato de discussão em mesa redonda. Neste tipo de discussão, todos os participantes têm o mesmo status e representam diferentes pontos de vista, muitas vezes se opondo sobre assuntos que são essenciais para o bem-estar e a solidez da comunidade, cidade, estado ou país.

O objetivo da deliberação é conciliar as diferenças, não induzir o compromisso. Pelo contrário, o objetivo é encontrar um denominador comum que se destaque acima dos conflitos e disputas. O resultado de encontrar esse elemento é que os temas em disputa de repente parecem muito menos importantes do que antes e pálidos em comparação com a unidade e o calor que os participantes agora sentem em relação um ao outro. Posteriormente, as soluções são facilmente encontradas para conflitos anteriormente persistentes num espírito de boa-fé, devido ao interesse comum recém descoberto.

Em Israel, vários movimentos e organizações têm implementado o formato de discussão em mesa redonda. O movimento Arvut (garantia mútua), por exemplo, implementou este meio de deliberação centenas de vezes, e cada vez que este formato foi utilizado, foi relatado como um grande sucesso pelos próprios participantes. Dessa maneira, problemas que não tinham sido resolvidos há anos foram resolvidos em questão de horas.

Até agora em Israel, isso já foi tentado em grandes cidades, aldeias e kibutzim, em aldeias Árabes e Druzes, reunido a extrema direita de colonos da Judeia e Samaria com árabes da Cisjordânia, no Knesset (Parlamento israelense) , e em populações em dificuldades como imigrantes da Etiópia e da antiga União Soviética. Esses eventos terminam com um profundo senso de unidade e calor em sua totalidade. Para depoimentos gravados em vídeo e mais detalhes sobre as discussões em mesa redonda, visite http://www.arvut.org/en/round-table.

Discussões em mesas-redondas também foram realizadas ao redor do mundo. Nova York e São Francisco (EUA), Toronto (Canadá), Frankfurt e Nuremberg (Alemanha), Roma (Itália), Barcelona (Espanha), São Petersburgo e Perm (Rússia), são apenas alguns dos muitos lugares onde essa forma de discussão tem sido implementada, todos apreciando o mesmo sucesso retumbante como em Israel.

O espírito de igualdade, as deliberações reais também envolvem a plateia, e seguem este procedimento: um painel de indivíduos de origens e agendas diversas e muitas vezes  conflitantes se sentam na mesa principal. Os palestrantes expressam suas opiniões sobre um tema declarado pelo anfitrião do evento.

Em seguida, o público faz perguntas aos palestrantes, as quais um ou mais deles responde. É uma regra inquebrável que os palestrantes não devem reprovar outros palestrantes ou interferir com suas palavras. Críticas pessoais também são proibidas. Desta forma, o público conhece uma variedade de pontos de vista que não se opõem, mas sim se complementam.

Posteriormente, o público se divide em várias mesas-redondas e discute questões colocadas pelo anfitrião na mesma forma e espírito demonstrado pelo painel. Finalmente, as mesas se reúnem em uma assembleia geral e cada mesa apresenta suas conclusões, bem como compartilha suas impressões do evento como um todo.

Recentemente, até mesmo algumas discussões de mesa-redonda online têm sido tentadas, e elas também foram muito bem sucedidas. Naturalmente, cada lugar tem sua mentalidade única, e cada veículo — um evento ao vivo, uma reunião online ou uma transmissão de TV — tem suas vantagens e desvantagens. Portanto, não há dois eventos iguais. Ainda assim, o espírito de camaradagem e o compromisso de garantia mútua que estão na base de cada discussão garantem o sucesso destas deliberações únicas. Embora a grande maioria das sociedades ainda esteja bem distante de viver conceitos de garantia mútua, estas discussões, como demonstram as gravações de vídeo, conseguem induzir um sentimento genuíno do será viver em garantia mútua.

Como Um Feixe De Juncos — Viver Num Mundo Integrado, Parte 4

Like a Bundle of ReedsComo um Feixe de Juncos, Por que Unidade e Garantia Mútua são Urgentes Hoje, Michael Laitman, Ph.D.

Capítulo 10: Viver Num Mundo Integrado

Um Mundo Integrado Exige Educação Integral

Mídia Pró-social

Nos Escritos de Baal HaSulam, Ashlag afirma, “O maior de todos os prazeres imagináveis é ser favorecido pelas pessoas. É vantajoso desperdiçar toda a nossa energia e prazeres corpóreos para obter certa quantia dessa coisa deliciosa. Este é o ímã que atraiu os maiores de todas as gerações, e pelo qual eles banalizaram a vida da carne”. [vi]

Desta forma, para alterar nosso comportamento social, nós devemos mudar o nosso meio social de um que promove a individualidade para um que promova a mutualidade. Falando de forma prática, nós podemos usar as mídias para demonstrar como o trabalho em grupo rende melhores resultados que o trabalho individual, e como a competição é prejudicial à nossa felicidade e saúde. Assim que percebemos que há uma recompensa maior na conduta cooperativa que no individualismo, será fácil colaborar e partilhar.

Em seu livro inspirador, A Sabedoria das Equipes: Criar a Organização de Alta-Performance, os autores Jon R. Katzenbach e Douglas K. Smith descrevem uma história de sucesso que vale a pena mencionar no contexto das vantagens do trabalho em equipe. A Burlington Northern Railroad era uma empresa bem sucedida de transportes, e é atualmente parte de uma grande corporação detida pela Berkshire Hathaway, que é controlada pelo investidor Warren Buffett. Em 1981, a Burlington Northern Railroad sofreu uma revolução por sete homens — Bill Greenwood, Mark Cane, Emmett Brady, Ken Hoepner, Dave Burns, Bill Dewitt, e Bill Berry — que usaram a desregulação Americana da indústria ferroviária para acelerar a entrega de fretes e minimizar o custo da entrega. É assim que Katzenbach e Smith descrevem o espírito com o qual eles levaram a cabo essa revolução: “Todas as verdadeiras equipes partilham um compromisso com seu propósito comum. Mas somente membros de equipe excepcionais… também se tornam profundamente dedicados uns aos outros. Os sete homens desenvolveram uma preocupação e compromisso tão profundos um pelo outro como sua dedicação à visão que estavam tentando concretizar. Eles procuraram o bem estar uns dos outros, apoiaram-se uns aos outros quando e como quer que fosse necessário e trabalharam constantemente uns com os outros para fazer o que fosse necessário fazer”. [vii]

Tal história podia ser um advogado poderoso para o caso a favor da unidade sobre a competição. O único problema é que no nosso mundo ultra competitivo, até a unidade é usada para ganhar alavanca pessoal para o grupo que a pratica (ou devemos dizer, que a comete, devido ao seu mau uso). No mundo interligado e interdependente de hoje, este tipo de unidade é insustentável.

Na nossa sociedade egocêntrica, a unidade durará somente enquanto for lucrativa para os indivíduos envolvidos. No capítulo anterior, na secção, “De Eu, a Nós, a Um”, descrevemos os efeitos doentios da competição. Ao mesmo tempo, reconhecemos que “com nosso presente conhecimento da natureza humana, não podemos evitar esta atitude competitiva e alienante porque ela vem de dentro de nós, uma ditadura do quarto nível falante do desejo, e não podemos parar a evolução dos desejos”.

Contudo, já dissemos que não precisamos impedir nossa evolução, só mudar para uma direção construtiva para todos. O meio mais instrumental para concretizar isto é através dos meios de comunicação de massa. Se desenvolvermos um conteúdo de mídia pró-social e nos bombardearmos com ele tanto quanto atualmente nos bombardeamos com anúncios e informativos que visam esgotar nossas contas bancárias, nos encontraremos vivendo numa sociedade muito diferente da atual.

Os meios domésticos contemporâneos das pessoas contêm uma grande dose de entretenimento das mídias, seja através da TV ou via a Internet. Uma publicação pelo Departamento de Educação Americano intitulada, “Guia das Mídias – Como Ajudar Seus Filhos No Começo da Adolescência”, afirmou, “É difícil compreender o mundo dos jovens adolescentes sem considerar o enorme impacto dos meios de comunicação de massa nas suas vidas. Eles competem com a família, amigos, escolas, e comunidades na sua habilidade de moldar os interesses, atitudes e valores dos jovens”. [viii] Lamentavelmente, a maioria dos interesses que a mídia molda é antissocial.

Por exemplo, uma publicação online da Universidade do Sistema de Saúde de Michigan declara que “Literalmente milhares de estudos desde os anos 1950 questionaram se há um elo entre a exposição à violência da mídia e o comportamento violento. Todos senão 18 responderam, ‘Sim’. …De acordo com a AAP (Academia Americana de Pediatras), ‘Extensiva evidência de pesquisas indica que a violência da mídia pode contribuir para o comportamento agressivo, dessensibilização à violência, pesadelos e medo de ser magoado’”. [ix]

Para compreender quanto a violência as jovens mentes absorvem, considere esta informação da publicação mencionada acima: “Uma criança mediana Americana verá 200.000 ações violentas e 16.000 assassinatos na TV pelos 18 anos de idade”. [x] Se este número não parece alarmante, considere que há 6.570 dias em dezoito anos. Isto significa que em média, pelos dezoito anos de idade uma criança terá sido exposta a um pouco mais de trinta ações de violência na TV, 2.4 das quais são assassinatos, todos os dias da sua jovem vida.

Na mesma nota, no seu livro, Desenvolvimento Durante a Vida: Uma Abordagem Psicológica, publicado em 2008, Barbara M. Newman, PhD e Philip R. Newman descrevem como a “Exposição a muitas horas de violência na televisão aumenta o repertório de comportamento violento das jovens crianças e aumenta a prevalência de sentimentos de cólera, pensamentos e ações. Estas crianças são apanhadas na fantasia violenta, participando da situação televisiva enquanto assistem”. [xi] Se nos recordarmos dos neurônios-espelho, e considerarmos quanto nós, e especialmente as crianças, aprendem por imitação, podemos imaginar que dano irreversível a violência lhes causa, e nós já estamos sentindo os efeitos desta educação enferma.

Desta forma, desenvolver mídias que sejam pró-sociais e de pró-responsabilidade mútua é imperativo para nossa sobrevivência enquanto sociedade habitável. Isso deve desempenhar um papel chave na mudança da atmosfera pública de alienação para camaradagem. As mídias nos fornecem praticamente tudo o que sabemos sobre o nosso mundo. Até a informação que recebemos de amigos e da família frequentemente chega via mídias — a versão moderna da parreira.

Mas as mídias não nos fornecem simplesmente informação. Também nos oferecem petiscos sobre pessoas que aprovamos ou desaprovamos, e nós formamos nossas visões baseadas no que vemos, escutamos ou lemos. Como seu poder sobre o público não tem rival, se as mídias mudarem para a convergência e a unidade, também mudarão a visão mundial da maioria das pessoas para esses valores.

Atualmente, as mídias se concentram em indivíduos bem sucedidos, magnatas da media, mega estrelas pop, e indivíduos ultra bem sucedidos que ganharam milhões nas costas dos seus rivais. Em tempos de crise, tais como depois do Furacão Sandy, ou durante inundações, as pessoas se unem em prol de se ajudarem. Em tais tempos estas histórias, que as mídias transmitem abundantemente, ajudam a levantar a moral e nos dão esperança de que o espírito humano não seja de todo mau. Mas, assim que o próximo item de notícias aparece, as mídias correm atrás dessa história e desaparecem, levando com elas a fé no espírito humano. Em vez disso, sensações de suspeita e alienação ressurgem no horário nobre.

Para instalar uma mudança duradoura e fundamental na nossa visão mundial, para nos fazer desejar a qualidade de doação, as mídias devem apresentar a imagem completa da realidade, e nos informar a sua estrutura interligada e interdependente. Para este fim, elas devem produzir programas que demonstrem como essa qualidade afeta todos os níveis da Natureza — inanimado, vegetal, animal e falante — e encorajar as pessoas a emulá-la com o objetivo de equalizar nossa sociedade com os traços da Natureza ou seja, mutualidade e homeostase. Em vez de programas de entrevistas que idolatram pessoas que têm sucesso, estes programas devem louvar pessoas que ajudaram outras a ter sucesso.

Se as mídias mostrarem pessoas se preocupando umas com as outras e as colocarem num pedestal principalmente porque suas ações coincidem com a lei da Natureza, a Lei da Doação, isso gradualmente mudará o desejo do público de egocêntrico para a camaradagem. As pessoas começarão a sentir que há ganho pessoal em ser altruísta, possivelmente muito mais do que o ganho onde há egoísmo, se é que há algum ganho nele.

Hoje, a mensagem predominante que as mídias devem retratar é, “Unidade é divertida, e ela também é boa para você, junte-se”! Há várias e amplas maneiras pelas quais podemos demonstrar que a unidade é uma dádiva.

Embora todo o cientista saiba que nenhum sistema na Natureza opera em isolamento, e que a interdependência é o nome do jogo, a maioria de nós está inconsciente disso. Quando virmos como cada órgão físico funciona para beneficiar o corpo inteiro, como as abelhas colaboram em colmeias, como um cardume de peixes nada em uníssono que pode ser confundido com um único peixe gigante, e como os chimpanzés ajudam outros chimpanzés, ou até humanos, sem qualquer recompensa em retorno, saberemos que a principal lei da Natureza é a da harmonia e coexistência.

As mídias devem nos mostrar tais exemplos muito mais frequentemente que o fazem. Quando percebermos que é assim que a Natureza funciona, espontaneamente examinaremos nossas sociedades e nos esforçaremos em emular essa harmonia entre nós. Se nossos pensamentos começarem a mudar nesta direção, eles criarão uma atmosfera diferente e introduzirão um espírito de esperança e força nas nossas vidas, até antes deles implementarem esse espírito na realidade, uma vez que estaremos alinhados com a força da vida da Natureza — o Criador.

Porque, tal como acabamos de afirmar, nosso maior prazer é o de ganhar a aprovação das pessoas, se outros aprovarem nossas ações e visões nos sentiremos bem acerca de nós mesmos. Se eles desaprovam o que fazemos ou dizemos, nos sentimos mal acerca de nós mesmos e tendemos a esconder ou modificar nossas ações para nos ajustarmos à norma social. Em outras palavras, como é tão importante para nós nos sentirmos bem conosco mesmos, as mídias estão numa posição única para mudar as ações e visões das pessoas.

Não surpreendentemente, os políticos são as pessoas mais dependentes de votos na sociedade, pois suas carreiras e a própria vivacidade dependem da sua popularidade. Se lhes mostrarmos que mudamos nossos valores, eles mudarão os seus para seguir nossa conduta. E uma das maneiras mais fáceis e mais eficazes de lhes contarmos o que valorizamos é mostrar-lhes o que queremos ver na TV! Se dermos elevadas classificações a programas que promovem unidade e camaradagem, os políticos irão se sintonizar nesse espírito e legislarão correspondentemente. Como os políticos querem manter sua posição, precisamos lhes mostrar isso, reter suas posições, eles têm que promover o que nós queremos que eles promovam: unidade.

Quando formos capazes de criar uma mídia que promova unidade e colaboração em vez da glorificação de celebridades, criaremos um meio que nos persuada que a unidade e a responsabilidade mútua são boas.

[vi] Rav Yehuda Leib HaLevi Ashlag (Baal HaSulam), Os Escritos do Baal HaSulam, 44.

[vii] Jon R Katzenbach e Douglas K Smith, The Wisdom of Teams: Creating the High-Performance Organization (US: Harvard Business School Press, January 1, 1992), 37-38.

[viii] U.S. Department of Education, “Media Guide—Helping Your Child Through Early Adolescence,” http://www2.ed.gov/parents/academic/help/adolescence/index.html

[ix] University of Michigan Health System, “Televisão e as Crianças”, http://www.med.umich.edu/yourchild/topics/tv.htm

[x] ibid.

[xi] Barbara M. Newman e Philip R. Newman, Development Through Life: A Psychosocial Approach (Belmont, CA: Wadsworth Cengage Learning, 2008), 250

Como Um Feixe De Juncos — Viver Num Mundo Integrado, Parte 4

Like a Bundle of ReedsComo um Feixe de Juncos, Por que Unidade e Garantia Mútua são Urgentes Hoje, Michael Laitman, Ph.D.

Capítulo 10: Viver Num Mundo Integrado

Um Mundo Integrado Exige Educação Integral

Educação Integral Direcionada À Unidade

Estudar Cabalá é uma maravilhosa maneira de alcançar a unidade. Ela é um método construído especificamente para esse propósito. Contudo, a maioria das pessoas não tem um “ponto no coração” vigoroso que exija respostas. Portanto, é improvável que a maioria das pessoas queira se envolver nestes estudos. Todavia, a necessidade de estabelecer uma sociedade coesa é uma necessidade global, não uma necessidade pessoal, judaica, ou até relacionada a um país.

Dave Sherman, um líder em estratégia de negócios e perito em sustentabilidade descreveu o presente predicamento global no filme, Encruzilhada: Dores de Parto de uma Nova Visão Mundial (Crossroads: Labor Pains of a New Worldview): “O último Relatório de Riscos Globais, publicado pelo Fórum Econômico Mundial, apresenta um surpreendente mapa de interligação de riscos. Ele revela claramente como todos os riscos globais estão inter-relacionados e entrelaçados, de modo que riscos econômicos, ecológicos, geopolíticos, sociais e tecnológicos são interdependentes. Uma crise em determinada área rapidamente conduzirá a uma crise em outras áreas. A interligação e complexidade deste mapa compararam, para nossa surpresa, o impacto e a velocidade das recentes crises financeiras, ilustrando a discórdia que existe entre todos os sistemas que construímos, e demonstra precisamente quão desconexos nos tornamos. Nossas tentativas de gerir estes sistemas são fragmentadas e simplistas, e não estão à altura dos desafios que hoje enfrentamos”. [i]

Para responder precisamente a esse contraste entre nossa própria desconexão e a interligação dos sistemas que construímos, precisamos desenvolver um pensamento interligado, uma percepção inclusiva do nosso mundo. A Educação Integral (EI), a anteriormente mencionada “educação direcionada à unidade”, responde precisamente a esses pontos.

O termo, “integral”, de acordo com Thomas J. Murray da Escola de Educação na Universidade de Massachusetts, “significa muitas coisas para muitas pessoas, e o mesmo é verdadeiro para a Educação Integral”. [ii] A percepção mais comum da EI, como descrita na Wikipedia, é que ela é “a filosofia e a prática da educação para toda a criança: corpo, emoções, mente, alma e espírito”. [iii]

Relacionar-se com toda a criança no processo de educação é certamente recomendado. Contudo, no mundo interligado de hoje, simplesmente não é suficiente. Como demonstramos no capítulo anterior, aprendemos primeiramente, senão somente, através do ambiente. Desta forma, o foco da educação deve estar em formar um ambiente que incite nossos valores escolhidos e informação para crianças e adultos de maneira igual.

Escola Para Adultos: Um Guia Para Os Perplexos

Além do nível falante (humano) da Natureza, todos os outros níveis (inanimado, vegetal e animal) operam em garantia mútua. A homeostase, como definida no Dicionário Webster, corresponde perfeitamente à descrição de garantia mutua em todos os níveis abaixo do falante: “Um estado relativamente estável de equilíbrio ou uma tendência para tal estado entre os diferentes, mas interdependentes, elementos ou grupos de elementos de um organismo, população ou grupo”. [iv]

Nossa presente sociedade, predominantemente capitalista, afasta-se do equilíbrio, zomba da tendência para ele, e tem pavor de interdependência. Na realidade, nós patrocinamos e lutamos pelo oposto. Louvamos concretizações individuais nos esportes, negócios, política e no ensino, e idolatramos aqueles no topo. Nós negligenciamos aqueles que contribuem para o bem estar do coletivo e apreciamos o individualismo e a independência.

Mas uma sociedade que funciona desta maneira não consegue durar muito tempo. Pense em corpos humanos. Se nossos corpos conduzissem a si mesmos pelos valores que predominam em nossa sociedade, não duraríamos além da diferenciação celular inicial na fase do embrião. Assim que as células começassem a formar diferentes órgãos, elas começariam a lutar umas com as outras pelos recursos e o embrião se desintegraria. A vida não seria possível se qualquer parte dela abraçasse os valores individualistas que acabamos de descrever. É porque a vida, isto é a Natureza, adere às regras da homeostase que nós podemos desenvolver e sustentar a nós mesmos, e evoluímos até ao ponto em que podemos ponderar a natureza e o propósito de nossa existência.

Certamente, não só os organismos, mas todo o nosso ecossistema planetário, até o cosmos, estão num estado de homeostase. Quando o equilíbrio se desmorona, logo problemas surgem. Um relatório revelador submetido ao Departamento de Educação Americano em outubro de 2003 por Irene Sanders e Judith McCabe demonstra claramente o que acontece quando desequilibramos um ecossistema do seu estado homeostático. “Em 1991, uma orca, baleia assassina, foi vista comendo uma lontra. As orcas e lontras normalmente coexistem pacificamente. Então, o que aconteceu? Os ecologistas descobriram que o sebastes e o arenque também estavam declinando. As orcas não comem esses peixes, mas focas e leões marinhos sim. E focas e leões marinhos são o que as orcas normalmente comem, e sua população também declinou. Portanto, privadas de suas focas e leões marinhos, as orcas começaram a se voltar às brincalhonas lontras marinhas para seu jantar”.

“Então as lontras desapareceram devido aos peixes, que elas nunca comeram em primeiro lugar, desapareceram. Agora, a onda se espalha. As lontras já não estão lá para comer os ouriços do mar, então a população de ouriços do mar explodiu. Mas os ouriços do mar vivem de florestas de algas do fundo do mar, então eles estão matando as algas. As algas foram o lar para os peixes que alimentam as gaivotas e águias. Como as orcas, as gaivotas podem encontrar outra comida, mas as águias não conseguem e estão em apuros”.

“Tudo isto começou com o declínio do sebastes e arenque. Por quê? Bem, os caçadores de baleias japoneses têm matado a variedade de baleias que comem os mesmos organismos microscópicos que alimentam o pollock [um tipo de peixe carnívoro]. Com mais peixe para comer, o pollock floresce. Eles por sua vez atacam o sebastes e arenque que eram comida para as focas e leões marinhos. Com o declínio na população de leões marinhos e focas, as orcas têm qe se voltar às lontras”. [v]

Pense como nos comportamos em relação aos outros. Nós somos competitivos, alienados, isolados uns dos outros, e aspiramos sobressair sobre os outros. Tenha em mente que esta não é a exceção, mas a regra, os valores que ensinamos aos nossos filhos como a maneira “certa” de ser. É por isso que uma escola adulta, um guia para o adulto perplexo, é necessária.

A maneira na qual esta escola vai operar deve variar de lugar para lugar e de país para país. Cada nação e país tem a sua própria mentalidade e cultura, um nível diferente de avanço tecnológico e de meios de comunicação, e tradições pelas quais as pessoas aprendem. Por esta razão, cada país, por vezes cada cidade, terá que desenvolver seu próprio método de instrução. Contudo, o conteúdo fundamental, os princípios que todos estes sistemas de educação adulta vão ensinar devem ser os mesmos. Caso contrário o resultado será disparidade no compromisso populacional com a responsabilidade mútua e a compreensão da sua importância nas nossas vidas.

Vamos examinar alguns dos princípios fundamentais que a educação rumo à responsabilidade mútua deve conter.

Mídia Pró-social

Nos Escritos de Baal HaSulam, Ashlag afirma, “O maior de todos os prazeres imagináveis é ser favorecido pelas pessoas. É vantajoso desperdiçar toda a nossa energia e prazeres corpóreos para obter certa quantia dessa coisa deliciosa. Este é o ímã que atraiu os maiores de todas as gerações, e pelo qual eles banalizaram a vida da carne”. [vi]

Desta forma, para alterar nosso comportamento social, nós devemos mudar o nosso meio social de um que promove a individualidade para um que promova a mutualidade. Falando de forma prática, nós podemos usar as mídias para demonstrar como o trabalho em grupo rende melhores resultados que o trabalho individual, e como a competição é prejudicial à nossa felicidade e saúde. Assim que percebemos que há uma recompensa maior na conduta cooperativa que no individualismo, será fácil colaborar e partilhar.

Em seu livro inspirador, A Sabedoria das Equipes: Criar a Organização de Alta-Performance, os autores Jon R. Katzenbach e Douglas K. Smith descrevem uma história de sucesso que vale a pena mencionar no contexto das vantagens do trabalho em equipe. A Burlington Northern Railroad era uma empresa bem sucedida de transportes, e é atualmente parte de uma grande corporação detida pela Berkshire Hathaway, que é controlada pelo investidor Warren Buffett. Em 1981, a Burlington Northern Railroad sofreu uma revolução por sete homens — Bill Greenwood, Mark Cane, Emmett Brady, Ken Hoepner, Dave Burns, Bill Dewitt, e Bill Berry — que usaram a desregulação Americana da indústria ferroviária para acelerar a entrega de fretes e minimizar o custo da entrega. É assim que Katzenbach e Smith descrevem o espírito com o qual eles levaram a cabo essa revolução: “Todas as verdadeiras equipes partilham um compromisso com seu propósito comum. Mas somente membros de equipe excepcionais… também se tornam profundamente dedicados uns aos outros. Os sete homens desenvolveram uma preocupação e compromisso tão profundos um pelo outro como sua dedicação à visão que estavam tentando concretizar. Eles procuraram o bem estar uns dos outros, apoiaram-se uns aos outros quando e como quer que fosse necessário e trabalharam constantemente uns com os outros para fazer o que fosse necessário fazer”. [vii]

Tal história podia ser um advogado poderoso para o caso a favor da unidade sobre a competição. O único problema é que no nosso mundo ultra competitivo, até a unidade é usada para ganhar alavanca pessoal para o grupo que a pratica (ou devemos dizer, que a comete, devido ao seu mau uso). No mundo interligado e interdependente de hoje, este tipo de unidade é insustentável.

Na nossa sociedade egocêntrica, a unidade durará somente enquanto for lucrativa para os indivíduos envolvidos. No capítulo anterior, na secção, “De Eu, a Nós, a Um”, descrevemos os efeitos doentios da competição. Ao mesmo tempo, reconhecemos que “com nosso presente conhecimento da natureza humana, não podemos evitar esta atitude competitiva e alienante porque ela vem de dentro de nós, uma ditadura do quarto nível falante do desejo, e não podemos parar a evolução dos desejos”.

Contudo, já dissemos que não precisamos impedir nossa evolução, só mudar para uma direção construtiva para todos. O meio mais instrumental para concretizar isto é através dos meios de comunicação de massa. Se desenvolvermos um conteúdo de mídia pró-social e nos bombardearmos com ele tanto quanto atualmente nos bombardeamos com anúncios e informativos que visam esgotar nossas contas bancárias, nos encontraremos vivendo numa sociedade muito diferente da atual.

Os meios domésticos contemporâneos das pessoas contêm uma grande dose de entretenimento das mídias, seja através da TV ou via a Internet. Uma publicação pelo Departamento de Educação Americano intitulada, “Guia das Mídias – Como Ajudar Seus Filhos No Começo da Adolescência”, afirmou, “É difícil compreender o mundo dos jovens adolescentes sem considerar o enorme impacto dos meios de comunicação de massa nas suas vidas. Eles competem com a família, amigos, escolas, e comunidades na sua habilidade de moldar os interesses, atitudes e valores dos jovens”. [viii] Lamentavelmente, a maioria dos interesses que a mídia molda é antissocial.

Por exemplo, uma publicação online da Universidade do Sistema de Saúde de Michigan declara que “Literalmente milhares de estudos desde os anos 1950 questionaram se há um elo entre a exposição à violência da mídia e o comportamento violento. Todos senão 18 responderam, ‘Sim’. …De acordo com a AAP (Academia Americana de Pediatras), ‘Extensiva evidência de pesquisas indica que a violência da mídia pode contribuir para o comportamento agressivo, dessensibilização à violência, pesadelos e medo de ser magoado’”. [ix]

Para compreender quanto a violência as jovens mentes absorvem, considere esta informação da publicação mencionada acima: “Uma criança mediana Americana verá 200.000 ações violentas e 16.000 assassinatos na TV pelos 18 anos de idade”. [x] Se este número não parece alarmante, considere que há 6.570 dias em dezoito anos. Isto significa que em média, pelos dezoito anos de idade uma criança terá sido exposta a um pouco mais de trinta ações de violência na TV, 2.4 das quais são assassinatos, todos os dias da sua jovem vida.

Na mesma nota, no seu livro, Desenvolvimento Durante a Vida: Uma Abordagem Psicológica, publicado em 2008, Barbara M. Newman, PhD e Philip R. Newman descrevem como a “Exposição a muitas horas de violência na televisão aumenta o repertório de comportamento violento das jovens crianças e aumenta a prevalência de sentimentos de cólera, pensamentos e ações. Estas crianças são apanhadas na fantasia violenta, participando da situação televisiva enquanto assistem”. [xi] Se nos recordarmos dos neurônios-espelho, e considerarmos quanto nós, e especialmente as crianças, aprendem por imitação, podemos imaginar que dano irreversível a violência lhes causa, e nós já estamos sentindo os efeitos desta educação enferma.

Desta forma, desenvolver mídias que sejam pró-sociais e de pró-responsabilidade mútua é imperativo para nossa sobrevivência enquanto sociedade habitável. Isso deve desempenhar um papel chave na mudança da atmosfera pública de alienação para camaradagem. As mídias nos fornecem praticamente tudo o que sabemos sobre o nosso mundo. Até a informação que recebemos de amigos e da família frequentemente chega via mídias — a versão moderna da parreira.

Mas as mídias não nos fornecem simplesmente informação. Também nos oferecem petiscos sobre pessoas que aprovamos ou desaprovamos, e nós formamos nossas visões baseadas no que vemos, escutamos ou lemos. Como seu poder sobre o público não tem rival, se as mídias mudarem para a convergência e a unidade, também mudarão a visão mundial da maioria das pessoas para esses valores.

Atualmente, as mídias se concentram em indivíduos bem sucedidos, magnatas da media, mega estrelas pop, e indivíduos ultra bem sucedidos que ganharam milhões nas costas dos seus rivais. Em tempos de crise, tais como depois do Furacão Sandy, ou durante inundações, as pessoas se unem em prol de se ajudarem. Em tais tempos estas histórias, que as mídias transmitem abundantemente, ajudam a levantar a moral e nos dão esperança de que o espírito humano não seja de todo mau. Mas, assim que o próximo item de notícias aparece, as mídias correm atrás dessa história e desaparecem, levando com elas a fé no espírito humano. Em vez disso, sensações de suspeita e alienação ressurgem no horário nobre.

Para instalar uma mudança duradoura e fundamental na nossa visão mundial, para nos fazer desejar a qualidade de doação, as mídias devem apresentar a imagem completa da realidade, e nos informar a sua estrutura interligada e interdependente. Para este fim, elas devem produzir programas que demonstrem como essa qualidade afeta todos os níveis da Natureza — inanimado, vegetal, animal e falante — e encorajar as pessoas a emulá-la com o objetivo de equalizar nossa sociedade com os traços da Natureza ou seja, mutualidade e homeostase. Em vez de programas de entrevistas que idolatram pessoas que têm sucesso, estes programas devem louvar pessoas que ajudaram outras a ter sucesso.

Se as mídias mostrarem pessoas se preocupando umas com as outras e as colocarem num pedestal principalmente porque suas ações coincidem com a lei da Natureza, a Lei da Doação, isso gradualmente mudará o desejo do público de egocêntrico para a camaradagem. As pessoas começarão a sentir que há ganho pessoal em ser altruísta, possivelmente muito mais do que o ganho onde há egoísmo, se é que há algum ganho nele.

Hoje, a mensagem predominante que as mídias devem retratar é, “Unidade é divertida, e ela também é boa para você, junte-se”! Há várias e amplas maneiras pelas quais podemos demonstrar que a unidade é uma dádiva.

Embora todo o cientista saiba que nenhum sistema na Natureza opera em isolamento, e que a interdependência é o nome do jogo, a maioria de nós está inconsciente disso. Quando virmos como cada órgão físico funciona para beneficiar o corpo inteiro, como as abelhas colaboram em colmeias, como um cardume de peixes nada em uníssono que pode ser confundido com um único peixe gigante, e como os chimpanzés ajudam outros chimpanzés, ou até humanos, sem qualquer recompensa em retorno, saberemos que a principal lei da Natureza é a da harmonia e coexistência.

As mídias devem nos mostrar tais exemplos muito mais frequentemente que o fazem. Quando percebermos que é assim que a Natureza funciona, espontaneamente examinaremos nossas sociedades e nos esforçaremos em emular essa harmonia entre nós. Se nossos pensamentos começarem a mudar nesta direção, eles criarão uma atmosfera diferente e introduzirão um espírito de esperança e força nas nossas vidas, até antes deles implementarem esse espírito na realidade, uma vez que estaremos alinhados com a força da vida da Natureza — o Criador.

Porque, tal como acabamos de afirmar, nosso maior prazer é o de ganhar a aprovação das pessoas, se outros aprovarem nossas ações e visões nos sentiremos bem acerca de nós mesmos. Se eles desaprovam o que fazemos ou dizemos, nos sentimos mal acerca de nós mesmos e tendemos a esconder ou modificar nossas ações para nos ajustarmos à norma social. Em outras palavras, como é tão importante para nós nos sentirmos bem conosco mesmos, as mídias estão numa posição única para mudar as ações e visões das pessoas.

Não surpreendentemente, os políticos são as pessoas mais dependentes de votos na sociedade, pois suas carreiras e a própria vivacidade dependem da sua popularidade. Se lhes mostrarmos que mudamos nossos valores, eles mudarão os seus para seguir nossa conduta. E uma das maneiras mais fáceis e mais eficazes de lhes contarmos o que valorizamos é mostrar-lhes o que queremos ver na TV! Se dermos elevadas classificações a programas que promovem unidade e camaradagem, os políticos irão se sintonizar nesse espírito e legislarão correspondentemente. Como os políticos querem manter sua posição, precisamos lhes mostrar isso, reter suas posições, eles têm que promover o que nós queremos que eles promovam: unidade.

Quando formos capazes de criar uma mídia que promova unidade e colaboração em vez da glorificação de celebridades, criaremos um meio que nos persuada que a unidade e a responsabilidade mútua são boas.

[i] Citado do filme, Crossroads: Labor Pains of a New Worldview, de Joseph Ohayon, publicado em 31 de dezembro de 2012, no Youtube, url: https://www.youtube.com/watch?v=5n1p9P5ee3c, 2: 53, desde o início.

[ii] Thomas J. Murray, Ed.D., “Qual é o Integral na Educação Integral? Da Pedagogia Progressiva à Pedagogia” Integral Review (Junho de 2009), Vol. 5, No. 1, p 96.

[iii] http://en.wikipedia.org/wiki/Integral_education.

[iv] http://www.merriam-webster.com/dictionary/homeostasis

[v] T. Irene Sanders e Judith McCabe, PhD, The Use of Complexity Science: a Survey of Federal Departments and Agencies, Private Foundations, Universities, and Independent Education and Research Centers, outubro de 2003, Washington Center for Complexity & Public Policy, Washington, DC. url: www.hcs.ucla.edu/DoEreport.pdf

[vii] Jon R Katzenbach & Douglas K Smith, The Wisdom of Teams: Creating the High-Performance Organization (US: Harvard Business School Press, January 1, 1992), 37-38.

[vi] Rav Yehuda Leib HaLevi Ashlag (Baal HaSulam), Os Escritos do Baal HaSulam, 44.

[vii] Jon R Katzenbach e Douglas K Smith, The Wisdom of Teams: Creating the High-Performance Organization (US: Harvard Business School Press, January 1, 1992), 37-38.

[viii] U.S. Department of Education, “Media Guide—Helping Your Child Through Early Adolescence,” http://www2.ed.gov/parents/academic/help/adolescence/index.html

[ix] University of Michigan Health System, “Televisão e as Crianças”, http://www.med.umich.edu/yourchild/topics/tv.htm

[x] ibid.

[xi] Barbara M. Newman e Philip R. Newman, Development Through Life: A Psychosocial Approach (Belmont, CA: Wadsworth Cengage Learning, 2008), 250

Como Um Feixe De Juncos — Viver Num Mundo Integrado, Parte 3

Like a Bundle of ReedsComo um Feixe de Juncos, Por que Unidade e Garantia Mútua são Urgentes Hoje, Michael Laitman, Ph.D.

Capítulo 10: Viver Num Mundo Integrado

Um Mundo Integrado Exige Educação Integral

Escola Para Adultos: Um Guia Para Os Perplexos

Além do nível falante (humano) da Natureza, todos os outros níveis (inanimado, vegetal e animal) operam em garantia mútua. A homeostase, como definida no Dicionário Webster, corresponde perfeitamente à descrição de garantia mutua em todos os níveis abaixo do falante: “Um estado relativamente estável de equilíbrio ou uma tendência para tal estado entre os diferentes, mas interdependentes, elementos ou grupos de elementos de um organismo, população ou grupo”. [i]

Nossa presente sociedade, predominantemente capitalista, afasta-se do equilíbrio, zomba da tendência para ele, e tem pavor de interdependência. Na realidade, nós patrocinamos e lutamos pelo oposto. Louvamos concretizações individuais nos esportes, negócios, política e no ensino, e idolatramos aqueles no topo. Nós negligenciamos aqueles que contribuem para o bem estar do coletivo e apreciamos o individualismo e a independência.

Mas uma sociedade que funciona desta maneira não consegue durar muito tempo. Pense em corpos humanos. Se nossos corpos conduzissem a si mesmos pelos valores que predominam em nossa sociedade, não duraríamos além da diferenciação celular inicial na fase do embrião. Assim que as células começassem a formar diferentes órgãos, elas começariam a lutar umas com as outras pelos recursos e o embrião se desintegraria. A vida não seria possível se qualquer parte dela abraçasse os valores individualistas que acabamos de descrever. É porque a vida, isto é a Natureza, adere às regras da homeostase que nós podemos desenvolver e sustentar a nós mesmos, e evoluímos até ao ponto em que podemos ponderar a natureza e o propósito de nossa existência.

Certamente, não só os organismos, mas todo o nosso ecossistema planetário, até o cosmos, estão num estado de homeostase. Quando o equilíbrio se desmorona, logo problemas surgem. Um relatório revelador submetido ao Departamento de Educação Americano em outubro de 2003 por Irene Sanders e Judith McCabe demonstra claramente o que acontece quando desequilibramos um ecossistema do seu estado homeostático. “Em 1991, uma orca, baleia assassina, foi vista comendo uma lontra. As orcas e lontras normalmente coexistem pacificamente. Então, o que aconteceu? Os ecologistas descobriram que o sebastes e o arenque também estavam declinando. As orcas não comem esses peixes, mas focas e leões marinhos sim. E focas e leões marinhos são o que as orcas normalmente comem, e sua população também declinou. Portanto, privadas de suas focas e leões marinhos, as orcas começaram a se voltar às brincalhonas lontras marinhas para seu jantar”.

“Então as lontras desapareceram devido aos peixes, que elas nunca comeram em primeiro lugar, desapareceram. Agora, a onda se espalha. As lontras já não estão lá para comer os ouriços do mar, então a população de ouriços do mar explodiu. Mas os ouriços do mar vivem de florestas de algas do fundo do mar, então eles estão matando as algas. As algas foram o lar para os peixes que alimentam as gaivotas e águias. Como as orcas, as gaivotas podem encontrar outra comida, mas as águias não conseguem e estão em apuros”.

“Tudo isto começou com o declínio do sebastes e arenque. Por quê? Bem, os caçadores de baleias japoneses têm matado a variedade de baleias que comem os mesmos organismos microscópicos que alimentam o pollock [um tipo de peixe carnívoro]. Com mais peixe para comer, o pollock floresce. Eles por sua vez atacam o sebastes e arenque que eram comida para as focas e leões marinhos. Com o declínio na população de leões marinhos e focas, as orcas têm qe se voltar às lontras”. [ii]

Pense como nos comportamos em relação aos outros. Nós somos competitivos, alienados, isolados uns dos outros, e aspiramos sobressair sobre os outros. Tenha em mente que esta não é a exceção, mas a regra, os valores que ensinamos aos nossos filhos como a maneira “certa” de ser. É por isso que uma escola adulta, um guia para o adulto perplexo, é necessária.

A maneira na qual esta escola vai operar deve variar de lugar para lugar e de país para país. Cada nação e país tem a sua própria mentalidade e cultura, um nível diferente de avanço tecnológico e de meios de comunicação, e tradições pelas quais as pessoas aprendem. Por esta razão, cada país, por vezes cada cidade, terá que desenvolver seu próprio método de instrução. Contudo, o conteúdo fundamental, os princípios que todos estes sistemas de educação adulta vão ensinar devem ser os mesmos. Caso contrário o resultado será disparidade no compromisso populacional com a responsabilidade mútua e a compreensão da sua importância nas nossas vidas.

Vamos examinar alguns dos princípios fundamentais que a educação rumo à responsabilidade mútua deve conter.

[i] http://www.merriam-webster.com/dictionary/homeostasis

[ii] T. Irene Sanders e Judith McCabe, PhD, O Uso da Ciência da Complexidade: uma Pesquisa de Departamentos e Agências federais, Fundações Privadas, Universidades, e e Centros de Pesquisa e Educação Independentes, outubro de 2003, Centro de Washington para Complexidade & Políticas Públicas, Washington, DC. url: www.hcs.ucla.edu/DoEreport.pdf

Como Um Feixe De Juncos — Viver Num Mundo Integrado, Parte 1

Like a Bundle of ReedsComo um Feixe de Juncos, Por que Unidade e Garantia Mútua são Urgentes Hoje, Michael Laitman, Ph.D.

Capítulo 10: Viver Num Mundo Integrado

Um Mundo Integrado Exige Educação Integral

No capítulo anterior, nós citamos as palavras de Baal HaSulam do seu ensaio, “A Liberdade”, afirmando que estamos “obrigados a pensar e examinar como eles [o ambiente social] sugerem”, e que nós somos “desprovidos de qualquer força para criticar ou mudar”. [i] Baal HaSulam concluiu que para evitar um destino predeterminado, nós podemos mudar o ambiente, que por sua vez mudará a nós e nossos destinos. Nas suas palavras, “Aquele que se esforça em escolher continuamente um bom ambiente é digno de louvor e recompensa… não devido aos seus bons pensamentos e ações… mas devido aos seus esforços em adquirir um bom ambiente, que traz… bons pensamentos”. [ii]

Para colocar em termos mais contemporâneos, em prol de canalizarmos nossas vidas e as vidas dos nossos filhos numa direção mais positiva, nós precisamos nutrir valores sociais que promovam a direção positiva que desejamos instar. Nós precisamos educar a nós mesmos, nossos filhos e a sociedade como um todo em direção à garantia mútua, responsabilidade mútua e, por fim, à união e coesão. Como foi demonstrado pelo livro, essa é nossa vocação enquanto Judeus.

Não precisamos conceber qualquer novo meio de educação para alcançar esta meta. Tudo o que precisamos é mudar o meio que já usamos — os meios de comunicação de massa, a Internet, o sistema de educação, nossos laços sociais e familiares — com o objetivo de promover a afinidade e mútua responsabilidade ao invés de prevalecer a narrativa de separação e alienação.

Embora mais frequente que o inverso, os traços de união e afinidade – e acima de tudo, de responsabilidade mútua – estão dormentes dentro de nós Judeus; é nosso dever, certamente nossa vocação, despertar e oferecê-los como nossa dádiva ao mundo. Como foi demonstrado repetidamente neste livro, a unidade é a dádiva dos Judeus, a qualidade que nos torna únicos, e a qualidade que devemos doar ao resto do mundo. Ela é a qualidade que o mundo precisa hoje, e somos nós que estamos obrigados a nutri-la internamente, e assim entregá-la ao mundo.

Há duas maneiras de transmitir responsabilidade mútua e a qualidade de doação. A primeira, dirigida àqueles com “pontos no coração”, como mencionado anteriormente no livro, é o estudo direto da Cabalá. De acordo com o nosso nível de interesse, isso pode ser feito em variados níveis de intensidade, desde assistir programas de TV a estudar atentamente (e intensamente) com um grupo e um professor. A outra maneira é o método de educação direcionada à unidade com a intenção de induzir coesão e um sentido de responsabilidade mútua dentro da sociedade. Eu elaborarei sobre estas maneiras uma de cada vez.

[i] Rav Yehuda Leib HaLevi Ashlag (Baal HaSulam), Os Escritos do Baal HaSulam, “A Liberdade”, 419.

[ii] ibid.

Como Um Feixe De Juncos —Pluralmente Falando, Parte 9

Like a Bundle of ReedsComo um Feixe de Juncos, Por que Unidade e Garantia Mútua são Urgentes Hoje, Michael Laitman, Ph.D.

Capítulo 9: Pluralmente Falando

Afetando a Coesão Social Através do Ambiente Social

Quatro Fatores De Influência

No seu ensaio, “A Liberdade”, [i] Baal HaSulam discute extensamente a estrutura da psique humana, e no que nós precisamos nos concentrar para alcançar uma mudança duradoura nas nossas sociedades. Através de uma longa análise da ação recíproca entre a herança e o ambiente, Ashlag explica que quatro fatores se combinam para nos fazerem quem nós somos:

1. Genes;

2. A maneira como nossos genes se manifestam durante a vida

3. O ambiente direto, tal como família e amigos

4. O ambiente indireto, tal como a mídia, a economia ou os amigos dos amigos.

Uma vez que não escolhemos nossos pais, não conseguimos controlar o conjunto genético. Mas nossos genes são meramente o “nós potencial,” não o “nós real” que no final se manifesta quando somos adultos. O “nós” real consiste de todos os quatro fatores. Além do mais, os últimos dois, que se relacionam ao ambiente, afetam e mudam nossos genes para se adequarem ao ambiente.

Vamos examinar o seguinte exemplo maravilhoso de como o ambiente muda os genes, como é relatado por Swanne Gordon da Universidade da Califórnia num ensaio intitulado, “Evolução Pode Ocorrer em Menos De Dez Anos”, publicado no Science Daily. “Gordon e seus colegas estudaram guppies — peixes pequenos de água doce… Eles introduziram os guppies próximo ao Rio Damier, numa seção acima da cascata de barreira que excluía todos os predadores. Os guppies e seus descendentes também colonizaram a porção inferior do rio, abaixo da cascata de barreira que continha predadores naturais. Oito anos mais tarde…, os investigadores descobriram que os guppies no ambiente de baixa predação… haviam se adaptado a seu novo meio ao produzir maior ou menor descendência com cada ciclo de reprodução. Tal adaptação não foi vista nos guppies que colonizaram o ambiente de elevada predação… ‘Fêmeas de elevada predação investem mais recursos na atual reprodução porque uma elevada taxa de mortalidade, impulsionada pelos predadores, significa que estas fêmeas podem não ter outra chance de se reproduzir’, explicou Gordon. ‘Fêmeas de baixa predação, por outro lado, produzem embriões maiores porque bebês maiores são mais competitivos nos ambientes com recursos limitados, típicos de espaços de baixa predação. Além do mais, fêmeas de baixa predação produzem menos embriões não só porque têm embriões maiores, mas também porque investem menos recursos na atual reprodução’”. [ii]

O Dr. Lars Olov Bygren, um especialista de saúde preventiva, documentou um exemplo ainda mais surpreendente de como os genes mudam através dos efeitos ambientais. John Cloud da Time Magazine descreveu a pesquisa do Dr. Bygren sobre os efeitos a longo prazo que os anos de fome e fartura tiveram sobre os residentes da aldeia Sueca isolada de Norrbotten. Contudo, Dr. Bygren observou não só os efeitos das oscilações dietéticas tinham sobre as pessoas que as realizaram. Ele também examinou “se esse efeito podia começar ainda antes [ênfase acrescentada] da gravidez: Podiam as experiências dos pais no princípio de suas vidas de algum modo mudar os traços que eles passavam a seus descendentes?” [iii] “Era uma ideia herege”, escreve Sr. Cloud. “Afinal, tivemos um acordo prolongado com a biologia: sejam quais forem as escolhas que tomemos durante nossas vidas que arruínem nossa memória a curto-prazo ou nos tornem gordos ou acelerem a morte, elas não mudarão nossos genes — o nosso próprio DNA. Isso significava que quando todos tivéssemos filhos nossos, a lousa genética estaria limpa.

“Além disso, quaisquer efeitos da criação (ambiente) sobre a natureza de uma espécie (genes) não era suposto acontecer tão rapidamente. Charles Darwin, cujo Sobre a Origem das Espécies… nos ensinou que as mudanças evolucionárias tomam lugar durante muitas gerações e durante milhares de anos de seleção natural. Mas Bygren e outros cientistas agora haviam amassado a evidência histórica sugerindo que condições ambientais mais poderosas … conseguem de algum modo deixar uma impressão sobre o material genético em ovos e esperma. Estas impressões genéticas conseguem dar um curto-circuito na evolução e transmitir novos traços numa única geração”. [iv]

Baal HaSulam, regressando ao seu ensaio, “A Liberdade”, sugeriu um conceito muito semelhante que se alinha com os achados do Dr. Bygren. Na seção, “O Ambiente como um Fator”, ele escreve (ênfase acrescentada), “É verdade que o desejo não tem liberdade. Em vez disso, ele é operado pelos mencionados quatro fatores [Genes; como eles se manifestam, ambiente direto, ambiente indireto]. E a pessoa está obrigada a pensar e a examinar como eles sugerem, desprovida de qualquer força para criticar ou mudar”… [v]

Na seção subsequente, “A Necessidade de Escolher um Bom Ambiente”, Baal HaSulam acrescenta, “Como nós vimos, é uma coisa simples, e deve ser observada por todo e cada um de nos. Pois embora cada um tenha a sua própria origem, as forças são reveladas abertamente somente através do ambiente em que a pessoa se encontra”. [vi]

Isto pode soar determinista porque se somos completamente governados pelos nossos ambientes, pareceria que não teríamos livre arbítrio. Todavia, escreve Baal HaSulam, nós podemos e devemos escolher nosso ambiente muito cuidadosamente. Nas suas palavras, “Há liberdade para a vontade de inicialmente escolher tal ambiente … que concede à pessoa bons conceitos. Se ela não fizer isso, mas está disposta a entrar em qualquer meio que apareça…, esta pessoa está destinada a cair num mau ambiente… Como consequência, será forçada a conceitos imundos…” Tal pessoa, conclui ele, “certamente será punida, não devido aos seus maus pensamentos ou ações, nos quais não tem livre arbítrio, mas por não escolher estar num bom ambiente, pois nisso há definitivamente uma escolha. Desta forma, aquele que almeja continuamente escolher um ambiente melhor é digno de louvor e recompensa. Mas aqui, também, não é devido aos seus bons pensamentos e ações, …mas devido aos seus esforços para adquirir um bom ambiente, que traz … bons pensamentos”. [vii]

Desta forma, nós vemos que todos somos potencialmente demoníacos, da mesma forma que somos potencialmente angélicos. A escolha de agirmos de um extremo ou outro, ou qualquer mistura dos dois, não depende se escolhemos ser de uma maneira ou da outra, mas do ambiente social no qual nos colocamos, ou que formamos para nós mesmos.

Como pais, nós instintivamente alertamos nossos filhos a se afastarem de crianças maldosas no bairro, e de maus estudantes na escola. Assim, a consciência da influência do ambiente é inerente nos nossos genes parentais, por assim dizer. Agora devemos expandir essa consciência e perceber que não basta ver que nossos filhos andam com as crianças “certas”. Nós devemos começar a desenhar um novo paradigma de pensamento para nós mesmos, bem como para nossos filhos. É um paradigma no qual a responsabilidade mútua representa o papel principal, preocupação mútua e camaradagem assumem a ribalta, e o discurso público muda correspondentemente.

Em outras palavras, a máxima conhecida do Rabi Akiva, “Ama teu próximo como a ti mesmo” deve tomar forma e ser moldada como um modo de vida para a sociedade. Esse paradigma social é o DNA do nosso povo, nosso legado para o mundo, e é o que o mundo, até inconscientemente, espera que transmitamos.

Numa era de consecutivas e sobrepostas crises globais, o mundo está numa necessidade desesperada de uma corda salva-vidas, uma lasca de esperança. Nós Judeus somos os únicos que lhes podemos oferecer essa esperança, que é chamada “garantia mútua”. O próximo capítulo esboçará os conceitos básicos da implementação da garantia mútua como o paradigma social predominante.

[i] Rav Yehuda Leib HaLevi Ashlag (Baal HaSulam), Os Escritos do Baal HaSulam , “A Liberdade” (Israel: Instituto de Pesquisa Ashlag, 2009), 414.

[ii] “A Evolução Pode Ocorrer em Menos de Dez Anos”, Science Daily (15 de Junho de 2009), http://www.sciencedaily.com/releases/2009/06/090610185526.htm

[iii] John Nuvem, “Por que seu DNA não é o Seu Destino”, Time Magazine (06 de janeiro de 2010), url: http://www.time.com/time/magazine/article/0,9171,1952313, 00.html.

[iv] ibid.

[v] Rav Yehuda Leib HaLevi Ashlag (Baal HaSulam), Os Escritos do Baal HaSulam , “A Liberdade”, 419.

[vi] ibid.

[vii] ibid.

Como Um Feixe De Juncos — Pluralmente Falando, Parte 7

Like a Bundle of ReedsComo um Feixe de Juncos, Por que Unidade e Garantia Mútua são Urgentes Hoje, Michael Laitman, Ph.D.

Capítulo 9: Pluralmente Falando

Afetando a Coesão Social Através do Ambiente Social

Coesão Numa Escala Global

Regressando por um momento ao nosso antepassado comum monoteísta, depois da expulsão da Babilônia, Abraão estabeleceu uma sociedade isolada que se movimentou como um grupo e agia em garantia mútua. Ele criou um meio social que reforçava a conexão, a união e a coesão, e anexava todos esses elementos à aquisição da qualidade de doação, o Criador. Nossa tarefa hoje é fazer exatamente isso, mas numa escala global.

Como nós realmente temos que nos tornar conscientes de que somos um superorganismo, certamente temos que agir como um: em reciprocidade e responsabilidade mútua. Mas, uma vez que não conseguimos ensinar ao mundo inteiro como agir desta maneira, nós precisamos mostrar ao mundo um exemplo, e o mundo fará o resto através de nossa capacidade de ter empatia, ou como o Dr. Herrero colocou, pela “imitação e influência”. Afinal de contas, quando as pessoas veem uma boa ideia, elas a abraçam naturalmente.

Desta forma, quando as pessoas virem que os Judeus têm algo que pode funcionar também para elas, e que os Judeus desejam partilha-la, elas não só nos apoiarão, mas se juntarão a nós. Foi assim, como mencionado na Introdução, que Abraão reuniu mais e mais pessoas para sua companhia enquanto viajava da Babilônia a Canaã, na medida em que “milhares e dezenas de milhares se reuniram ao seu redor, e eles são o povo da ‘casa de Abraão’”. [i]

[I] Maimonides, Yad HaChazakahA Mão Poderosa), Parte 1, “O Livro da Ciência”, Capítulo 1, Item 3.

Como Um Feixe De Juncos —Pluralmente Falando, Parte 6

Like a Bundle of ReedsComo um Feixe de Juncos, Por que Unidade e Garantia Mútua são Urgentes Hoje, Michael Laitman, Ph.D.

Capítulo 9: Pluralmente Falando

Afetando a Coesão Social Através do Ambiente Social

Por Que Formar Uma Sociedade Que Promove A Coesão?

No Capítulo 1, nós discutimos o conceito de “equivalência de forma” dizendo que se você é semelhante a algo, você consegue vê-lo, identificá-lo, revelá-lo. Será mais fácil para nós compreendermos esse conceito se considerarmos como os rádios funcionam. Um rádio consegue captar ondas somente quando ele cria ondas idênticas dentro dele. Da mesma forma, nós detectamos coisas que existem de modo aparente no exterior, mas somente de acordo com o que criamos internamente. É assim que descobrimos o Criador, a qualidade de doação, ao formar essa qualidade dentro de nós, assim também a descobrindo fora de nós.

Foi este princípio, “equivalência de forma” que tornou o método de Abraão tão bem sucedido. Seu grupo criou essa qualidade entre eles mesmos e assim descobriu o Criador. Isto é, ao mudar do modo “eu” para o modo “nós”, eles descobriram o modo “um”, o Criador, o único modo que realmente existe.

No mundo de hoje, obter coesão social é de suprema importância para nossa sobrevivência. Nós podemos considerar que a revelação do Criador é um tipo de “acessório”, se não fosse o fato do Criador ser a qualidade de doação, um traço sem o qual nunca alcançaremos união, e assim nunca remendaremos o abismo global que ameaça dobrar o mundo numa confrontação global. É por isso que é vital acelerarmos a divulgação do método de Abraão para alcançar união através da equivalência de forma.

Para fazer isso, primeiro devemos abandonar uma crença comum da nossa sociedade, a ideia de que temos “livre arbítrio”. A ciência demonstra que não há tal coisa, pelo menos não da maneira que pensamos normalmente, de que fazemos o que queremos pela nossa própria livre escolha. Nos últimos anos, dados que provam a nossa dependência da sociedade têm sido acumulados. Estes estudos demonstram que não só nosso sustento depende da sociedade, mas até nossos pensamentos, aspirações e chances de sucesso na vida. Na realidade, até a própria definição de sucesso é sujeita às vontades da sociedade. E por último, mas não menos importante, em grande medida, nossa saúde física é significativamente afetada pela sociedade.

Em 10 de setembro de 2009, O New York Times publicou uma história chamada, “Seus Amigos Estão Fazendo Você Engordar?” Por Clive Thompson. [i] Na sua história, Thompson descreve uma experiência fascinante realizada em Framingham, Massachusetts. Na experiência, que mais tarde foi publicada no celebrado livro, Conectados: O Surpreendente Poder das Nossas Redes Sociais e Como Elas Moldam as Nossas Vidas – Como os Amigos dos Amigos dos Amigos dos Seus Amigos Afetam Tudo o Que Você Sente, Pensa e Faz — as vidas de 15.000 pessoas foram documentadas e registadas periodicamente durante quinze anos. A análise dos dados dos professores Nicholas Christakis e James Fowler revelou descobertas surpreendentes sobre como nos afetamos uns aos outros em todos os níveis (físico, emocional e mental) e como ideias podem ser tão contagiosas como vírus.

Christakis e Fowler haviam descoberto que havia uma rede de interrelações entre mais de 5000 dos participantes. Eles descobriram que na rede, as pessoas se afetavam reciprocamente umas às outras. “Ao analisar os dados de Framingham”, Thompson escreveu, “Christakis e Fowler dizem que pela primeira vez conseguiram descobrir certa base sólida para uma teoria potencialmente poderosa na epidemiologia: que bons comportamentos, como deixar de fumar ou estar em forma ou ser feliz — passam de amigo para amigo praticamente como se fossem um vírus contagiosos. Os participantes de Framingham, sugerem os dados, influenciaram a saúde uns dos outros só ao socializar. E o mesmo foi verdadeiro sobre maus comportamentos — aglomerações de amigos pareceram se ‘infectar’ uns aos outros com obesidade, infelicidade e tabagismo. Ficar saudável parece não ser só uma questão dos seus genes e sua dieta. Boa saúde é também um produto, em parte, da sua clara proximidade com outras pessoas saudáveis”. [ii]

Ainda mais surpreendente foi a descoberta dos pesquisadores de que estas infecções podiam “saltar” conexões. Eles descobriram que pessoas podiam se afetar mesmo sem se conhecer! Além do mais, Christakis e Fowler descobriram provas destes efeitos até em três graus de distância (amigo de um amigo de um amigo). Nas palavras de Thompson, “Quando um residente de Framingham se tornou obeso, seus amigos eram 57 por cento mais propensos a se tornarem obesos, também. Ainda mais surpreendente… isso parecia saltar elos. Um residente de Framingham era aproximadamente 20 por cento mais propenso a se tornar obeso se o amigo de um amigo se tornasse obeso, até se o amigo conector não tivesse ganho um único quilo. Certamente, o risco de obesidade de uma pessoa subia cerca de 10 por cento se um amigo de um amigo ganhasse peso”. [iii]

Citando o Professor Christakis, Thompson escreveu, “Em certo sentido podemos começar a compreender as emoções humanas como a felicidade da maneira que podemos estudar a debandada dos búfalos. Você não pergunta a um búfalo individual, ‘Porque você corre para a esquerda’? A resposta é que a manada inteira corre para a esquerda”. [iv]

Mas há mais sobre o contágio social do que observar a condição de peso ou o coração de uma pessoa. Numa palestra na TED, o Professor Christakis explicou que nossas vidas sociais, e logo — julgando pelos parágrafos anteriores — muito das nossas vidas físicas, dependem da qualidade e força das nossas redes sociais e o que corre pelas veias dessa rede. Nas suas palavras, “Nós formamos redes sociais porque os benefícios de uma vida conectada superam os custos. Se eu fosse sempre violento com você… ou o deixasse triste… você cortaria os laços comigo e a rede se desintegraria. Então o espalhar de coisas boas e valiosas é necessária para sustentar e nutrir redes sociais. Da mesma forma, redes sociais são necessárias para a difusão de coisas boas e valiosas como amor, gentileza, felicidade, altruísmo e ideias. … Eu penso que as redes sociais estão fundamentalmente relacionadas à bondade, e o que penso que o mundo mais precisa agora é de mais conexões”. [v]

Mas nós não somos somente afetados pelas pessoas ao nosso redor. Nós somos significativamente afetados pela mídia, pela política, tanto nacional como internacional, e pela economia. Em Mundo em Fuga: Como a Globalização Está Reformando Nossas Vidas, o reconhecido sociólogo Anthony Giddens exprime sucintamente, embora com exatidão, nossa atual conectividade e confusão: “Para o melhor ou para o pior, estamos sendo impulsionados para uma ordem global que ninguém compreende totalmente, mas que está fazendo seus efeitos serem sentidos sobre todos nós”. [vi]

Nos últimos anos, o mundo corporativo captou a noção, e cursos e treinamentos abundantes surgiram na Internet, oferecendo alavancar a partir da nova tendência: o contágio social. Em Homo Imitans: A Arte da Infecção Social: Mudança Viral em Ação, o psiquiatra e consultor de liderança de negócios, Dr. Leandro Herrero, oferece um sumário astuto da natureza humana com respeito à influência do ambiente social: “Nós somos máquinas copiadoras intelectualmente complexas, racionalmente elegantes, altamente iluminadas e simples”. [vii] E para completar sua ironia sobre os méritos da natureza humana, ele escreve, “Os cordéis da rica tapeçaria de comportamentos do Homo Sapiens são feitos de imitação e influência”. [viii]

Contudo, o problema não está em nosso comportamento de uns com os outros ou com a Terra, não que haja muito a nos orgulharmos com respeito ao nosso tratamento de uns com os outros e com a Mãe Terra. Todavia, nosso comportamento é um sintoma de uma mudança profunda, uma explosão de egoísmo no nível do desejo, para a qual ninguém tem uma solução.

Com isso dito, muitas pessoas já compreendem que a mudança tem que vir de dentro de nós. Pascal Lamy, Diretor-geral da Organização Mundial do Comércio (OMC), afirmou que “O verdadeiro desafio hoje é tentar mudar nosso pensamento, não apenas nossos sistemas, instituições ou políticas. Nós precisamos da imaginação para perceber a imensa promessa – e desafio – do mundo interconectado que criamos. …O futuro reside em mais globalização, não menos, mais cooperação, mais interação entre os povos e culturas, e ainda maior partilha de responsabilidades e interesses. É a união na nossa diversidade global que nós precisamos hoje”. [ix]

Certamente, Lamy está certo em muitos aspectos. Nos últimos anos os neurocientistas têm estado ativos a respeito de uma descoberta relativamente nova, neurônios-espelho. Abreviadamente, neurônios-espelho são células localizadas numa região entre os córtices pré-frontal e motor do cérebro, e estão envolvidas em preparar e executar o movimento dos membros. Contudo, de acordo com uma história publicada no Psychology Today, eles também representam um papel vital na nossa interconexão social. “Em 2000, Vilayanur Ramachandran, o carismático neurocientista, fez uma previsão audaz: ‘neurônios-espelho farão pela psicologia o que o DNA fez pela biologia’. …Durante muitos anos, eles chegaram a representar tudo o que nos faz humanos.

“Para o seu livro de 2011, O Cérebro Contador de Histórias, Ramachandran levou suas afirmações mais longe. …ele argumenta que neurônios-espelho subjazem à empatia, permitindo que imitemos outras pessoas, que eles aceleraram a evolução do cérebro, que eles ajudam a explicar a origem da linguagem, e mais impressionante de tudo, que eles promoveram o grande salto na cultura humana que aconteceu há cerca de 60.000 atrás. ‘Nós poderíamos dizer que os neurônios-espelho tiveram o mesmo papel na evolução humana inicial como a Internet, Wikipedia e os blogs fazem hoje’, conclui ele.

“Ramachandran não está sozinho. Escrevendo para o The Times (Londres) em 2009 sobre o nosso interesse nas vidas das celebridades, o eminente filósofo, A.C. Grayling, rastreou tudo de volta a esses neurônios-espelho. ‘Nós temos uma grande dádiva pela empatia’, escreveu ele. ‘Esta é uma capacidade biologicamente evoluída, demonstrado pela função dos ‘neurônios-espelho’’. No mesmo jornal este ano, Eva Simpson escreveu sobre porque as pessoas ficaram tão emocionadas quando o campeão de Ténis Andy Murray se desfez em lágrimas. … ‘Culpem os neurônios-espelho, células cerebrais que nos fazem reagir da mesma maneira que alguém que estamos observando’. Num artigo do New York Times em 2007, sobre as ações heroicas de um homem para salvar outro, essas células apareceram novamente: ‘as pessoas têm ‘neurônios-espelho’’,  escreveu Cara Buckley, ‘que as fazem sentir o que outra pessoa está experimentando’”. [x]

De acordo com Jarrett, parece que “neurônios-espelho desempenham um papel causal (enfatizando a origem) em nos permitir compreender as metas por trás das ações das outras pessoas. Ao representar as ações de outras pessoas no movimento-vias do nosso próprio cérebro, assim ocorre o raciocínio, estas células nos fornecem uma simulação instantânea das suas intenções, uma base altamente eficaz para a empatia”.  [xi]

Embora existam muitos dissidentes para as teorias que rodeiam os neurônios- espelho, está claro que nossos cérebros dedicam porções do cérebro explicitamente para a comunicação com os outros, sem ter contato físico com eles, mas somente contato visual. Num sentido, estas células validam as palavras de Christakis e Fowler, “O grande projeto do século XXI – compreender como o todo da humanidade vem a ser maior que a soma de suas partes – é só o princípio. Como uma criança que desperta, o superorganismo humano está se tornando autoconsciente, e isto seguramente nos ajudará a alcançar nossas metas”. [xii]

[i] Clive Thompson, ” Seus Amigos Estão Fazendo Você Engordar?”, The New York Times (10 de setembro de 2009), http://www.nytimes.com/2009/09/13/magazine/13contagion-t.html?_r=1&th&emc=th

[ii] ibid.

[iii] ibid.

[iv] ibid.

[v] “Nicholas Christakis: A Influência Oculta das Redes Sociais” (uma conversa televisionada, citações retiradas do minuto 17:11), TED 2010, http://www.ted.com/talks/nicholas_christakis_the_hidden_influence_of_social_networks.html

[vi] Anthony Giddens, Mundo em Fuga: Como a Globalização está Reformulando Nossas Vidas (NY, Routledge, 2003), 6-7.

[vii] Dr. Leandro Herrero, Homo Imitans: A Arte da Infecção Social: Mudança Viral em Ação (UK: Meetingminds Publishing, 2011), 4.

[Viii] ibid.

[ix] Pascal Lamy “Lamy sublinha a necessidade de ‘unidade na nossa diversidade global’”, Organização Mundial do Comércio (OMC) (14 de Junho de 2011), http://www.wto.org/english/news_e/sppl_e/sppl194_e. htm

[x] Christian Jarrett, Ph.D, “Neurônios Espelho:? O Conceito Mais Sensacionalista em Neurociência?”. Psychology Today (10 de dezembro de 2012), url: http://www.psychologytoday.com/blog/brain-myths/201212/mirror-neurons-the-most-hyped-concept-in-neuroscience

[xi] ibid.

[xii] Nicholas A. Christakis, James H. Fowler, Conectado: O Poder Surpreendente de Nossas Redes Sociais e como Elas Moldam nossa Vida – Como Os Amigos dos Amigos dos Seus Amigos Afetam Tudo O Que Você Sente, Pensa e Faz (EUA, Little, Brown and Company, em 12 de janeiro de 2011), 305.

Como Um Feixe De Juncos —Pluralmente Falando, Parte 5

Like a Bundle of ReedsComo um Feixe de Juncos, Por que Unidade e Garantia Mútua são Urgentes Hoje, Michael Laitman, Ph.D.

Capítulo 9: Pluralmente Falando

Afetando a Coesão Social Através do Ambiente Social

O Legado Do Guerreiro Deixado À Sua Descendência

Hoje, um número suficiente de pessoas compreende que o único modo de evitar uma catástrofe global é se unir. Isso pode ser chamado por outros termos, tais como “colaboração”, “coordenação”, ou “consideração”, mas qualquer que seja o termo, é justo dizer que já compreendemos que somos interdependentes e interconectados. Esta realidade cria uma situação onde estamos de fato unidos em todos os nossos sistemas globais. Contudo, na medida em que estamos conectados, estamos também emocionalmente alienados e rancorosos com a situação.

Uma maneira de resolver este contraste é tentar nos “desglobalizar”. Embora não haja dúvida que desmontar a corrente de abastecimento dos países em desenvolvimento e produzir tudo nacional causaria enormes desafios econômicos e financeiros, alguns dizem que valeria o preço. Talvez, mas valendo a pena ou não, ninguém nega que o isolacionismo teria um preço robusto. Além do mais, aos olhos de alguns, esta noção é completamente irrealista. O economista Mark Vitner, pessoalmente, descreveu a tentativa de desatar a interconexão global como “tentar reconstituir ovos mexidos. Não pode ser feito facilmente”. [i]

A opção contrária à desglobalização é abraçar a globalização, expandi-la, coordena-la, aperfeiçoa-la, e ao mesmo tempo aprender a se gostar para que todos se beneficiem da prosperidade. Tudo o que nós precisamos para alcançar isso é do método pelo qual mudamos nossos padrões de pensamento de eu (concentrado em mim mesmo), para nós (concentrado em todas as outras pessoas), para um (concentrado na sociedade como uma única entidade).

Hoje, praticamente 4000 anos depois da fuga de Abraão da Babilônia o mundo está pronto para escutar. Nós sofremos o suficiente, e nos tornamos demasiado espertos para pensar que podemos fazer isso sozinhos, que podemos mostrar à Mãe Natureza (ou a Deus) que não precisamos dela porque somos mais fortes e espertos.

[i] Associated Press, “A recessão provavelmente será a mais longa na era pós-guerra”, MSNBC (março de 2009), http://www.msnbc.msn.com/id/29582828/wid/1/page/2/

Como Um Feixe De Juncos —Pluralmente Falando, Parte 4

Como um Feixe de Juncos, Por que Unidade e Garantia Mútua são Urgentes Hoje, Michael Laitman, Ph.D.

Capítulo 9: Pluralmente Falando

Afetando a Coesão Social Através do Ambiente Social

Lembre o Primeiro “Guerreiro do Ego”

Quando o nível falante dos desejos irrompeu primeiramente como egoísmo, a Babilônia estava no seu auge, e Abraão foi aquele que estava diante da tentativa de resolver o mistério do declínio da evolução social de seu povo. O povo de sua nação estava tão imerso na construção de sua torre que ele abandonou completamente sua camaradagem. Eles não eram mais “de uma mesma língua e de uma mesma fala” (Gênesis 11:1); tudo o que importava era a torre”.

O livro, “Pirkey de-Rabbi Eliezer” (Capítulos do rabino Eliezer),retrata o desespero de Abraão com a nova paixão de seu povo: Rabi Pinhas diz que não havia pedras lá [na Babilônia] para construir a cidade e a torre.

O que eles fizeram? Eles conseguiram produzir tijolos e os queimaram como artesãos até que eles construíram-na [a torre] sete milhas de altura. Aqueles que deveriam levantar os tijolos, subiram a partir do leste, e aqueles que deveriam descer, desceriam no oeste.

E se um homem caísse e morresse eles deveriam ignorá-lo. Mas se um tijolo casse, eles iriam sentar e lamentar dizendo: ‘Quando chegará o outro em seu lugar? Quando Abraão, filho de Tera, passou, e viu-os a construir a cidade e a torre, amaldiçoou-os em nome de Deus.”[I] [Leia mais →]