Textos na Categoria 'Percepção'

É Possível Prever Com Precisão O Futuro?

laitman_222Pergunta: Até que ponto a percepção e a compreensão das raízes espirituais atemporais nos permitem ver o futuro dentro da estrutura do mundo material?

Resposta: Não posso dizer que exista uma correspondência exata entre o espiritual e o material e que uma pessoa possa prever o futuro. O futuro depende de muitos parâmetros que estão além do seu desejo; em particular, de muitas pessoas e fatores específicos.

Portanto, é impossível prever com precisão o futuro. Você pode dizer para que lado flui, mas qual estado vai tomar a cada momento, você não sabe.

Da Lição de Cabalá em Russo 20/01/19

Através De 22 Estênceis

laitman_232.03Pergunta: O mundo que vejo na minha frente é uma carta ou uma coleção de cartas? Nós escrevemos este mundo ou o lemos?

Resposta: Nós vemos este mundo como se por meio de um estêncil através do qual a luz passa até nós. Naturalmente, esta não é a luz superior que nos afeta hoje, mas ainda é um aspecto dela. Ela passa por 22 estênceis e é assim refletida em nós.

Não vejo esses estênceis, não vejo a luz passando por eles. Tudo acontece dentro de mim e vejo o resultado do que está acontecendo em mim como meu egoísmo, meus sentidos, meu desejo que é influenciado pela luz através desses 22 estênceis.

Pergunta: Isso significa que uma pessoa particularmente sensível pode, de repente, falar hebraico ou começar a escrever em hebraico?

Resposta: Sim, claro.

Pergunta: Existe algum tipo de ação espiritual em estudar hebraico como trabalhar em um grupo? Afinal, sabendo que é certo, ainda não consigo me forçar a estudá-lo.

Resposta: Nossa conversa não é uma lição no estudo do hebraico. Pretende-se dizer qual código a Cabalá usa para descrever as ações do mundo superior. Se não tivéssemos estudado o impacto delas sobre nós e as consequências delas, então nós não saberíamos ou estaríamos interessados ​​nessa linguagem. Ela estaria inclusive morta.

Mas ela está se tornando cada vez mais viva porque mais e mais pessoas em nosso mundo querem saber como a luz superior as controla. Conversar com a força superior sobre o princípio de “Ele é para mim, eu sou para Ele” só é possível através de estênceis de cartas, através de 22 imagens estabelecidas.

Como costumávamos bater letras no papel em máquinas de escrever, esse sistema funciona da mesma maneira.

Da Lição de Cabalá em Russo, 06/01/19

E Os Planetas Surgiram No Céu

laitman_746.02Pergunta: Se as dez Sefirot correspondem aos dez planetas, por que descobrimos apenas nove? Isso tem uma raiz?

Resposta: O fato é que, na realidade, existem muito mais planetas no universo. A Cabalá os previu há muito tempo.

O Livro do Zohar, em particular, escreve muito sobre isso em diferentes lugares. Eu não estava interessado nisso. Embora, quando criança, eu estudasse astronomia, assim que me aproximei da Cabalá, as consequências espirituais do nosso mundo deixaram de ter interesse para mim.

Pergunta: A Torá escreve: “E os planetas apareceram no céu…” Sobre o que ela está falando?

Resposta: A Torá não escreve sobre os planetas físicos, mas sobre forças espirituais. A Terra, o Sol e a Lua são forças espirituais e não o que podemos ver e observar. Embora nós compilemos o calendário terrestre, é preciso entender claramente onde ele se refere às raízes espirituais e onde às suas consequências.

Da Lição em Russo, 30/12/18

Como Em Uma Tela De Cinema

laitman_928Pergunta: O Criador me influencia de forma diferente dependendo das mudanças em mim? Ou a influência Dele permanece a mesma, mas minha percepção dela muda? Quem muda: eu ou Ele?

Resposta: Em nosso mundo, falamos sobre o que uma pessoa sente: uma mudança no clima, no meio ambiente, na sociedade circundante e tudo mais.

Enquanto a Cabalá explica que tudo está dentro de mim: sociedade, humanidade, o clima e tudo o que acontece. Mas eu vejo isso apenas de fora, externo a mim, como diferentes níveis da natureza.

Portanto, mudando-me por dentro, eu mudo o mundo fora. Por outro lado, para mim, o mundo parece estar do lado de fora, de modo que eu, mudando a mim mesmo, veria o resultado de minhas mudanças.

Imagine apenas que há uma “tela” de 360 ​​graus ao meu redor, e nela vejo as mudanças que ocorrem em mim em todos os quatro níveis: falante, animado, vegetativo e inanimado. Estes são os quatro estágios do desejo que se projetam em uma “tela” externa, como em um cinema.

Existem duas abordagens aqui. Ou eu, mudando a mim mesmo, mudo o mundo ao meu redor para melhor. Ou permaneço o mesmo e o mundo ao meu redor muda para me forçar a mudar. Isto é, ou o Criador me puxa para frente com uma força positiva ou Ele me empurra por trás com uma força negativa. Eu vejo tudo isso na “tela” ao meu redor.

Pergunta: Então, o que pode ser dito sobre as quatro estações do ano, que são constantemente substituídas entre si?

Resposta: Estes são os quatro fundamentos, os quatro estágios da luz, que são refletidos em mim na forma das quatro estações. Tudo é dividido em quatro, cinco ou dez partes. Este é o meu mundo interior que é projetado para fora desta maneira.

Da Lição Diária de Cabalá em Russo, 16/12/18

Calendário Judaico: Ano Bissexto

737.01Pergunta: O que é um ano bissexto?

Resposta: Existem várias alterações baseadas na astronomia que foram introduzidas no calendário judaico. Elas se repetem uma vez a cada quatro anos, uma vez a cada sete anos e uma vez a cada 50 anos. Precisamos delas para equilibrar as linhas direita e esquerda no meio.

No ano bissexto, que acontece a cada quatro anos, mais um mês é adicionado. Uma vez em sete anos, Shemittah, o ano sabático, vem quando é proibido plantar: “Não se preocupe, você não passará fome se observar tudo o que precisa por seis anos. Não plante nada no sétimo ano”. Essa é uma proibição absoluta.

Pergunta: Então, uma pessoa não pergunta: “Como assim? Se eu não tiver plantado nada, o que vou comer?

Resposta: Não, se ela estiver sob forças espirituais, então, ela funciona em total conformidade com a astronomia, com as leis da natureza e com as leis cósmicas. Então não se preocupe, você terá uma colheita para este ano, não precisa plantar ou limpá-la. Isto é, existem leis especiais sobre como não interferir com a natureza inanimada e vegetativa no sétimo ano.

Há também o 50º ano (Yovel), quando todas as dívidas são liberadas. Se alguém comprou ou vendeu terras para outro, então, no 50º ano, tudo estará de volta à estaca zero. Em outras palavras, a terra deve retornar ao seu dono original.

E quem é o dono original? Como declarado na Torá, quando os judeus vieram para a terra de Israel, eles distribuíram para todos e anotaram cada pedaço de terra que deram a cada pessoa para usar. Tudo isso foi documentado e, portanto, aquele que morava nessa terra deveria devolvê-la a cada 50 anos ao proprietário. E por 50 anos ele poderia alugá-la, cultivá-la e assim por diante. Estas são leis muito sérias que foram promulgadas há 3.000 anos. Existem documentos sobre como essas leis foram elaboradas, aprovadas e legalmente certificadas. Como muitas pessoas participaram disso, tudo teve que ser formalizado de acordo.

A implementação das leis pressupunha que as pessoas recebessem deste um suplemento muito sério à sua colheita, às suas forças vitais. Mas essas leis são válidas apenas em Israel, não há necessidade delas no exterior.

Da Lição Cabalá em Russo, 30/12/18

Parâmetros Astronômicos E O Calendário Judaico

laitman_427.02Pergunta: Como os dias são divididos de acordo com o calendário judaico?

Resposta: Há 24 horas em um dia, quatro estações e quatro Anos Novos Judaicos em um cronograma inconstante. O mesmo horário existe entre o dia e a noite: os dias são mais longos e as noites mais curtas no verão e o inverso no inverno.

De acordo com o calendário judaico, uma hora não é de 60 minutos, cada um dos quais é de 60 segundos, mas uma unidade convencional. Esta unidade não é constante, mas depende do tempo.

De acordo com o calendário habitual, considera-se que há 12 horas do pôr do sol até o nascer do sol e do nascer do sol até o próximo pôr do sol também é de 12 horas. Mas às horas de luz, 20 horas podiam passar do nascer do sol até o pôr do sol, e a noite (escuridão) duraria apenas quatro horas.

Neste caso, a hora do dia e a hora da noite são totalmente diferentes. É um pouco como o relógio de sol, que não tem um mostrador uniforme, mas está em escala logarítmica.

Como a duração do dia e da noite muda todos os dias, isso significa que a duração das horas da noite e do dia muda todos os dias. Elas dependem apenas do Partzuf Zeir Anpin no mundo de Atzilut, cuja atualidade gerencia essas ações, porque a luz superior que passa por ele para Malchut (e Malchut somos nós) define tudo.

Se pudéssemos saber exatamente como funciona, sentiríamos esse sistema, uma gigantesca máquina astronômica que nos cerca e nos afeta. Então, começaríamos a nos aproximar de seus parâmetros internos: o que significa mais luz – menos luz, mais quente – mais frio? Se vivêssemos e trabalhássemos de acordo com tais horas, teria sido uma vida completamente diferente.

Por outro lado, como é possível existir nessas mecânicas? Por que precisamos disso? Por que isso deveria nos afetar dessa maneira? Se nos reestruturássemos e vivêssemos de acordo com ela, como sentiríamos a natureza e a nós mesmos? É interessante! Isso significa que começaríamos a senti-la de acordo com sua influência sobre nós. O mundo ao redor, o espaço, as estrelas, tudo brilharia de maneira diferente.

Da Lição de Cabalá em Russo, 30/12/18

Mapa Do Destino

laitman_448No calendário judaico, existem correlações especiais entre as datas. Isso ocorre porque o sistema espiritual tem um instrumento chamado Zeir Anpin (ZA), que é vestido por Malchut, e a luz de Bina entra nele de cima.

Zeir Anpin tem aberturas ou buracos particulares, através dos quais brilha até Malchut. Quando algum buraco corresponde ao receptor, Malchut, a alma, a luz entra nele, e isso é chamado de “Mazal” – o destino de uma pessoa.

Existem correlações especiais entre dias e noites e entre vários tempos. Por exemplo, algo que pode ser feito em um determinado dia e hora da noite, também pode ser feito em um dia diferente em um horário diferente, e os resultados serão praticamente os mesmos.

Nós vemos até que ponto somos afetados pela luz de Bina. De acordo com Zeir Anpin e Malchut, cada vez nos colocamos em um novo destino.

No judaísmo, as tabelas astronômicas foram reunidas há muito tempo. Colombo, Newton e outros cientistas famosos, assim como viajantes, as usaram. O próprio Abraão foi um grande astrônomo e astrólogo.

Durante os tempos de Abraão, a astrologia não era como é hoje. Baseava-se em uma conexão clara entre a localização das estrelas, a Lua, a Terra e o Sol em relação a cada pessoa, em relação à alma, levando em consideração quando ela foi concebida, nascida e assim por diante.

Se soubéssemos tudo isso, saberíamos o que acontecerá com cada pessoa e como elas agirão – seu destino seria conhecido. Não havia necessidade de adivinhação – este é o mapa do nosso destino.

Da Lição de Cabalá em Russo 30/12/18

O Criador E Atzmuto

laitman_292Pergunta: Se construirmos uma rede de relacionamentos corretos, tal comunicação nos leva a um estado similar ao sistema chamado “o Criador”?

Resposta: No mundo corpóreo, nossa visão ou audição captam apenas certa faixa de ondas. Existem ondas acima e abaixo da nossa visão e ondas sonoras superiores a 20 kHz e inferiores a 20 Hz, mas não as sentimos. No entanto, sabemos que elas existem e inventamos instrumentos que nos permitem ampliar o alcance de nossas sensações.

Aqui nós não apenas expandimos, mas criamos um órgão de sensação radicalmente novo em nós que funciona não para a recepção, mas para a doação.

A força que sentimos em nosso novo órgão sensorial, a semelhança com a qual construímos a nós mesmos, é chamada Boreh, das palavras “Bo” (venha) e “Reh” (veja).

Há algo mais acima que não percebemos, chamado Atzmuto (o eu do Criador). Há uma fronteira definida para a qual percebemos algo, mas não acima. Nós claramente sentimos essa fronteira.

Pergunta: Existe alguma informação sobre Atzmuto?

Resposta: Por muitas gerações, por 6.000 anos, temos estado apenas na obtenção do Criador. Mas quando toda a humanidade chegar à Sua plena realização e entrar no órgão sensorial fora de si mesma, isto é, além dos cinco órgãos sensoriais corpóreos, e quando sentir os cinco órgãos sensoriais espirituais construídos na doação, nós passaremos para uma dimensão maior chamada Atzmuto.

De KabTV, “A Essência Da Ciência Da Cabalá, Parte 5”, 12/11/18

A Fonte De Todas As Forças Da Natureza

laitman_753Pergunta: Quem é o Criador?

Resposta: O Criador é a força superior que inclui em si todas as outras forças do mundo.

Pergunta: Está escrito nas fontes originais: “É impossível entender o Criador sem tê-Lo experimentado”. Isto é correto?

Resposta: Sim, porque tudo o que entendemos, nós aprendemos com as sensações – como uma criança que põe tudo na boca para tocar, sentir. Para ela, o paladar é o receptor mais importante, o órgão mais importante da sensação. Da mesma forma, devemos experimentar tudo em nossos cinco sentidos, incluindo visão, audição, olfato, tato e paladar.

Quando sentimos algo neles, tudo se reúne em um sistema preciso e todas as nossas ciências se originam dele. Além disso, complementamos nossos sentidos com ferramentas que ampliam o alcance de nossos órgãos sensoriais naturais: binóculos, microscópios, telescópios etc.

No entanto, existem forças no universo que nossos sentidos não percebem. A ciência da Cabalá nos permite desenvolver um órgão adicional de sensação que inclui os mesmos cinco sentidos, mas em um nível diferente.

Explorando sua natureza, revelamos sua fonte comum, chamada “Criador”, e começamos a perceber como eles nos afetam, como determinam todas as condições, forças e circunstâncias em que existimos. Então, já estudamos o sistema de forças que determina nossa vida.

Assim começa a existência consciente do homem, quando já sabemos o que foi, o que será, por que foi e por que será, se podemos mudar alguma coisa no futuro, etc. Isto é, a vida se torna não apenas consciente, mas também gerenciável. Este é o assunto e o propósito da ciência da Cabalá.

De KabTV, “A Essência Da Ciência Da Cabalá, Parte 3”, 12/11/18

Entenda As Forças Ocultas Da Natureza

712.03Pergunta: O que é a “revelação do Criador aos seres criados neste mundo”? É possível comparar a revelação do Criador com a revelação das leis do magnetismo ou da eletricidade? Nós simplesmente aprendemos a usar as leis da natureza que antes estavam escondidas de nós?

Resposta: Revelar o Criador significa revelar as forças ocultas da natureza, suas dependências, leis, fórmulas e gráficos, ou seja, entender o que existe dentro de nós, entender não a imagem que vemos agora, mas as forças por trás dela.

A natureza é controlada por certas forças. Suas relações mútuas, seu impacto sobre nós, nosso impacto reverso sobre elas – precisamos de todo o quadro para continuar nossa existência pelo menos mais ou menos confortavelmente e com confiança. As ciências do nosso mundo apenas nos levam à consciência de que não controlamos a natureza e suas forças – podemos nos esconder um pouco do impacto negativo e nada mais.

Ao mesmo tempo, há um crescente sentimento de que a ciência está em crise, num beco sem saída, e o próximo avanço deve estar além dos limites de nosso mundo, para aquelas forças que estão fora da esfera de nossa existência atual, fora da esfera do nosso universo.

Estas são as forças ocultas da natureza que são superiores a nós e definem toda a nossa vida.

Pergunta: Podemos dizer que elas são a causa dos eventos que nos acontecem no mundo físico?

Resposta: Naturalmente. Certamente.

Pergunta: Acontece que se eu atingir essa força oculta enquanto estiver neste mundo, isto é, se sentir isso com meus cinco sentidos, isso é a revelação do Criador?

Resposta: Sim, você pode dizer isso.

Pergunta: É uma realização sensorial?

Resposta: Isso é alcançado não apenas nos sentimentos, mas também na mente.

Nós revelamos como as forças que nos afetam estão interconectadas, seu desenvolvimento causal e seu impacto consistente em nós. Em geral, vemos uma imagem completa do nosso mundo sob a influência das forças superiores do governo: o significado “superior” ainda escondido de nós.

Além disso, começamos a ver e compreender a possibilidade de nossa influência sobre essas forças através de uma conexão reversa, a fim de levá-las a um estado no qual elas nos influenciam de forma desejável e positiva.

De KabTV “A Essência da Ciência da Cabala, Parte 2”, 12/11/18