Textos na Categoria 'Israel'

Vanguarda Da Humanidade

laitman_941Torá, Deuteronômio 28:36: O Senhor te levará a ti e a teu rei, que tiveres posto sobre ti, a uma nação que não conheceste, nem tu nem teus pais; e ali servirás a outros deuses, ao pau e à pedra.

“Rei”, em primeiro lugar, são aquelas pessoas que devem liderar toda a humanidade. Se eles errarem, então, naturalmente, há uma demanda especial deles. Nós vemos isso nos judeus. Periodicamente, eles são atingidos com tais sofrimentos que nenhuma outra nação já experimentou.

No entanto, quando vejo quantas pessoas estão sofrendo hoje em nossos países vizinhos, tenho grandes receios de que tudo isso deve de alguma forma se voltar para nós. Se não iniciarmos um forte ataque ideológico e disseminação da sabedoria da Cabalá à humanidade, tudo isso retornará a nós como um bumerangue.

Nós chegamos a um estado em que devemos espalhar o conhecimento Cabalístico como sementes em todo o mundo. Afinal, em relação ao mundo inteiro, somos sua parte ideológica, sua vanguarda.

De KabTV “Segredos do Livro Eterno” 14/12/16

O Povo Do Livro Com O Programa Da Criação

Laitman_137Pergunta: O povo judeu é chamado de povo do livro. O que isso significa?

Resposta: O povo do livro, isto é, o povo judeu, é um grupo de pessoas que se juntaram ao patriarca Abraão, composto por representantes de todas as setenta nações que viviam na antiga Babilônia naquela época.

Ao longo do tempo, esse grupo conseguiu se unir de acordo com a lei da garantia mútua e se tornar uma nação, como está escrito sobre a entrega da Torá: “Hoje vocês se tornaram Meu povo”.

Como os judeus receberam toda a herança espiritual através do livro da Torá que foi escrito por Moisés, eles são chamados de povo do livro. Esse é o mesmo grupo que estava vagando no deserto por quarenta anos. Durante esse tempo, Moisés escreveu a Torá graças ao fato de que todos trabalharam juntos em unidade e amor ao próximo, e assim chegaram ao mundo superior.

O livro da Torá é o programa da criação que descreve o processo que precisamos para para que uma pessoa se desenvolva até o grau do Criador e revele a força superior de forma ilimitada, que se chama adesão com ela. Tudo isso nós precisamos implementar aqui, enquanto vivemos neste mundo.

Pergunta: Por que os Cabalistas escreveram livros, como se a Torá de Moisés não fosse suficiente?

Resposta: Os demias Cabalistas depois de Moisés acrescentaram seus comentários à Torá porque cada alma tem sua própria percepção especial. Além disso, cada geração sucessiva após a geração do deserto tornou-se cada vez pior; seu egoísmo foi cada vez mais revelado e desenvolvido e, portanto, eles poderiam adicionar revelações. Afinal, quanto maior o egoísmo, mais você pode investigar o mundo superior.

Da Lição Virtual “O Tempo da Cabalá” 13/06/17

Nove De B’Av: A Ruína Da Unidade Espiritual

laitman_293O dia 9 de Av é o dia em que o Primeiro e Segundo Templo foram arruinados. “O Templo” representa o estado espiritual de Israel sendo unido e protegido “como um homem em um só coração”. A ruína do Templo se deveu à ruína da unidade espiritual dentro de Israel, que continua até hoje.

 

Significado Espiritual Do 9 De B’Av

laitman_288_2A crescente crise do Monte do Templo logo antes do dia 9 de Av é mais do que simplesmente simbólica. Desde a época da Babilônia, as forças do mal sempre se desdobraram em torno desta data especial. Do pecado dos espiões, através da ruína do Primeiro e Segundo Templo, ao exílio da Babilônia, às expulsões do povo de Israel da terra de Israel, e depois da Espanha, Alemanha e Inglaterra.

Israel comete os maiores pecados no dia 9 de Av, e também somos castigados por eles nesse dia. Isso é porque somos incapazes de ativar a força positiva à qual temos a chave. E vemos os resultados ao nosso redor nas notícias, a cada hora do dia, levando até Tisha B’Av. Nós somos o povo de Israel, e por enquanto, a responsabilidade ainda é nossa. Temos que escolher se unir e ativar a força positiva, antes que seja muito tarde.

 

“Entre Os Estreitos”

Laitman_006Nós entramos em um período especial chamado “Entre os Estreitos” (Bein HaMetzarim), de 17º de Tamuz, quando as primeiras Tábuas foram quebradas, até o 9o de Av, quando o Templo foi destruído. Olhando para a história, podemos entender muitas coisas sobre esse período. Podemos ver o quão difícil é aceitar o método de unificação e implementá-lo. É para isso que testemunham os dias “Entre os Estreitos”.

Nós recebemos a Torá, o método de correção, simbolizado por Moisés, que subiu o monte por quarenta dias e trouxe o método de unificação do grau de Bina (Doação), mas o povo não conseguiu aceitá-lo. Embora tudo tenha sido preparado e dado de cima, não podemos recebê-lo.

Na realidade, não é culpa nossa. É simplesmente porque nossos desejos ainda não foram suficientemente integrados com o bem e o mal para nos permitir corrigir um por meio do outro. A integração ocorre precisamente por meio da quebra. Apenas uma explosão pode ajudar a quebrar os limites entre dois opostos que se rejeitam e os forçar a se integrar.

Essa integração deve ser completamente caótica e desordenada, sob a pressão de uma força explosiva, porque não pode haver qualquer ordem na integração do bem e do mal. A ordem só pode ser estabelecida após a sua integração. Dentro dessa integração, com a ajuda da Luz superior, tudo pode ser discernido e resolvido, e assim, a conexão e a construção adequadas podem ser alcançadas.

Existe um processo complexo que permite que coisas opostas se unam em harmonia e complemento mútuo. Isto é precisamente o que acontece no processo de recepção da Torá.

É impossível fazer isso de forma mais rápida com o desejo egoísta que acabou de sair do Egito e que tem apenas uma inclinação fraca para ser corrigida. Ele entende que precisa ser corrigido, mas não percebe até que ponto é oposto ao estado corrigido porque ainda não existe uma integração mútua.

Enquanto estivamos sob o poder do Faraó, do egoísmo, não sentimos que somos seus escravos. Nosso êxodo acontece em virtude de uma força externa que nos tira de lá, mostrando-nos que isso vale a pena. No entanto, os desejos não são corrigidos por ela.

Nós vemos isso acontecendo conosco: todos os dias decidimos finalmente sair do nosso egoísmo e começar a pensar no grupo para que nossa preocupação não seja por nós mesmos em um nível pessoal, mas sim por todos. No entanto, não conseguimos.

Nós fazemos esforços cada vez maiores, mas pequenas quebras continuam ocorrendo. Isso está acontecendo conosco, pois somos uma consequência de muitas destruições e correções que já ocorreram na nossa raiz.

A Torá nos fala sobre a preparação para a correção. Todo o caminho com duração de seis mil anos que a humanidade atravessa foi apenas a preparação. A correção é alcançada apenas no final, no dia da Luz absoluta. Todos esses estados também foram realizados na matéria: a destruição do Primeiro e Segundo Templos e as terríveis guerras dentro da nação de Israel. Tudo isso foi a encarnação material dos graus espirituais.

Após a integração completa, que foi alcançada à custa de muitas guerras, os fragmentos do desejo de desfrutar e do desejo de doar quebrados se tornam completamente integrados uns nos outros e caem ainda mais baixo até o fundo. Depois de quatro exílios e três redenções, cada um dos quais foi necessário, estamos chegando ao fim do último exílio e ao início da redenção final.

Olhando para esse processo, é óbvio que a Torá não pode ser recebida de uma só vez. E isso é indicado pelo dia do 17o de Tamuz, a quebra das primeiras Tábuas. Somente depois da ocorrência da quebra e da integração mútua dos desejos espirituais com os materiais, é possível ascender para adquirir uma forma diferente.

A primeira Torá era “incorreta”. Foi necessária apenas para que as Tábuas fossem quebradas e para alcançar a correção. A segunda Torá era corrigida, capaz de consertar a integração dos desejos de doação com os desejos de recepção, o que acontece com a ajuda das segundas Tábuas. Esse é um processo único, atestando o quão opostas nossas qualidades são em relação às qualidades da força superior.

Nós devemos ter uma atitude equilibrada nestes dias, vendo-os não apenas como dias de luto e quebra, mas como algo inevitável que temos que passar. O mundo inteiro terá que passar por essa destruição de uma forma ou de outra. No entanto, se soubermos porque estamos fazendo isso e qual o propósito, poderemos passar por tudo pelo caminho de Achishena, como seres humanos.

Da 1ª parte da Lição Diária de Cabalá 7/11/17, Lição sobre o tema “O Período ‘Entre os Estreitos’”

“Para Que Sejas Um Povo Santo”

laitman_746_03Torá, Deuteronômio, 26:18 – 26:19: E o Senhor hoje te declarou que tu Lhe serás por seu próprio povo, como Te tem dito, e que guardarás todos os Seus mandamentos. Para assim te exaltar sobre todas as nações que criou, para louvor, e para fama, e para glória, e para que sejas um povo santo ao Senhor teu Deus, como tem falado.

“Para assim te exaltar sobre todas as nações que criou”, significa elevar dentro de si a qualidade que se chama Yehudi (da palavra “Yihud” – adesão, conexão com o Criador) acima de todos os seus outros desejos chamados de nações.

Nós vemos isso na história. O povo de Israel nunca, mesmo nos melhores anos em que eles tiveram força, se envolveu em conquistas.

Somente nos tempos antigos, o rei Davi teve que proteger Israel dos inimigos. Depois, a chamada “Kibush David” foi realizada – a conquista dos territórios do Nilo até o Eufrates – para manter todas as tribos que os habitavam sob controle porque, de outra forma, essas tribos estariam constantemente atacando Israel.

Portanto, quando a Torá fala sobre o povo que é escolhido, louvado e glorificado, está se referindo ao trabalho para se anular. Então, você eleva a parte de Israel dentro de si mesmo que é dirigida ao Criador acima de todo o resto de suas partes egoístas. Isso se refere apenas ao estado interno de uma pessoa.

Além disso, trata-se de servir ao mundo para ser, como está escrito na Torá, a Luz ou, em outras palavras, um exemplo para todas as nações do mundo.

O mesmo se aplica ao Templo. Está escrito: “A minha casa será chamada de casa de oração para todos os povos” (Isaías 56:07). Afinal, desde a antiguidade, não só judeus foram para lá, mas absolutamente todos. Uma pessoa poderia ir até lá de qualquer lugar, para orar, perguntar algo ou participar das lições. É assim que muitos cientistas não-judeus surgiram entre nós.

De KabTV “Segredos do Livro Eterno” 11/09/16

Por Que Os Grandes Reis De Israel Vieram De Não-Judeus?

laitman_947Pergunta do Facebook: Por que a origem dos maiores reis e rabinos do povo de Israel, como o rei Davi e o rabino Akiva, era de não judeus?

Resposta: Uma pessoa que anseia pelo Criador é chamada de “Yashar-El” (Yisrael, direto ao Criador). Uma pessoa que quer se unir com outros é chamada de “Yehudi” (judeu) da palavra “Yechud” (unificação). Isto é o que determina se você é judeu ou não. Hoje, toda pessoa do mundo, seja ela espanhola, francesa, italiana ou alemã, não importa quem, pode vir e dizer: “Eu quero ser um judeu”. Na sabedoria da Cabalá, eles não dividem o mundo em nacionalidades.

Para ser judeu, a pessoa deve realizar o que a Torá diz, ou seja, deve ansiar em implementar a lei “E amarás teu amigo como a ti mesmo” (Levítico 19:18). Se ela concorda com isso, significa que se tornou um judeu, alguém que anseia pela unidade e unificação para se aderir ao Criador.

O termo “Ivri” (hebraico) vem da palavra “L’Over” (transcender, passar por cima), passando do princípio da existência egoísta para a existência altruísta. Essa é a base do nosso povo, um grupo que aceitou em si o princípio: “E amarás teu amigo como a ti mesmo”. Assim que a pessoa aceita esse princípio, ela se torna um judeu, e todos os outros, não.

De KabTV “Notícias com Michael Laitman” 22/05/17

Mulher-Maravilha, Parte 5

laitman_553Pergunta: Se as pessoas se tornarem super-heróis que dão em vez de tomar, de onde elas vão extrair prazer? O sucesso é sempre determinado em relação aos outros: você ganhou $100 e eu ganhei $150 isso significa que eu sou mais bem-sucedido. Se esta relação já não existir, qual será a fonte de prazer?

Resposta: O prazer virá do fato de que você dá ao mundo inteiro e o sente como sua própria alma. O mundo inteiro é você; você se expressa através de todos. Você abrange o mundo inteiro e sente a força superior, o mundo superior, por meio dos outros. Se eu me relaciono com os outros com amor, dentro deles eu revelo meu mundo superior.

Eu troco meus desejos egoístas por desejos altruístas, morte pela vida, e começo a sentir que a vida é eterna, sem limites, cheia de prazer. Eu vejo o mundo inteiro de ponta a ponta, elevando-me acima da existência material e identificando-me com a força superior, com o Criador.

Pergunta: Será que esse super-herói vive em um super mundo que ninguém mais experimenta além dele?

Resposta: É um mundo que só pode ser sentido dentro do desejo de doar. Agora nós experimentamos a realidade somente do ponto de vista da recepção constante. Mas se mudarmos nossa perspectiva de egoísta para altruísta, sem qualquer consideração por nós mesmos e apenas com a intenção de dar aos outros, então, a partir dessa perspectiva, vamos começar a experimentar um novo mundo, um mundo superior.

Agora mesmo, em nosso desejo de nos satisfazer e receber apenas para nosso próprio benefício, nós sentimos apenas o mundo inferior. Mas assim que mudamos o nosso desejo de beneficiarmos a nós mesmos, para o desejo de beneficiar e satisfazer os outros, nesta intenção começamos a sentir um mundo oposto, a realidade superior e ilimitada, porque na recepção somos limitados, mas na doação não!

O mundo superior é eterno porque nossas experiências e habilidades dentro dele não têm limites. É por isso que experimentamos a nós mesmo como vivendo uma vida eterna, ilimitada. Tudo depende apenas da nossa capacidade de dar, que começa a se abrir cada vez mais dentro de nós.

Este é o tipo de correção que precisamos fazer em nossas vidas, separando-nos dessa realidade egoísta. Israel deve fazer isso primeiro, porque na Torá está escrito que somos obrigados a vir a amar os outros. E dentro deste amor, nós vamos revelar o mundo superior.

Nós existíamos nesse estado no passado e caímos dele. É por isso que possuímos forças ocultas que nos permitem retornar. O mundo espera apenas isso de nós, na esperança de receber o método de correção de nós. É por isso que, como a vida neste mundo se torna mais difícil e as crises crescem, todos vão culpar cada vez mais Israel.

O filme sobre a israelense salvando o mundo desperta a esperança no mundo de que a nação de Israel irá cumprir sua missão e realizar a correção. Mas é isso que estamos fazendo? Somos obrigados a começar a progredir em direção ao amor ao próximo, sobre o qual está escrito, “todos os israelitas são amigos.”

Somos os únicos capazes de corrigir o mal no mundo porque possuímos a metodologia chamada ciência da Cabalá. O filme está retratando um personagem particular, um super-herói; no entanto, toda a nação de Israel é chamada de “escolhida” pela virtude da missão colocada sobre ela. Nós ainda não somos super-heróis, mas somos obrigados a nos tornar e cuidar de todo o mundo, resgatando-o do egoísmo em que está se afogando.

O programa de correção é efetivado em duas etapas. Primeiro, a nação de Israel deve se corrigir. Depois, com a força acumulada através dessa correção, seremos capazes de corrigir o mundo inteiro.

Israel deve se tornar uma nação de super-pessoas, ligadas umas às outras pelo amor e a garantia mútua. Essa correção irá impactar o mundo inteiro e todas as nações se juntarão a Israel como um homem com um só coração. Como está escrito, “Minha casa será chamada de casa de oração para todas as nações”.

Pergunta: Você realmente acha isso realista?

Resposta: É inevitável! Ou nós chegamos a isso como resultado de uma tremenda pressão e um Holocausto ainda maior do que o que teve lugar durante a Segunda Guerra Mundial ou realizamos a correção de boa vontade e conscientemente. Essa é a nossa obrigação.

De Kab TV “Nova Vida, # 865″, 08/06/17

Mulher-Maravilha, Parte 3

Laitman_632_4Pergunta: O filme Mulher-Maravilha, em que uma atriz israelense salva a humanidade, desperta pensamentos sobre a correção do mundo, sobre os judeus que precisam ser a Luz para todas as nações. As pessoas entendem que essa correção é necessária, mas como a realizamos?

Resposta: Em primeiro lugar, a nação de Israel deve realizar a sua própria correção. Nós estamos conectados a toda a humanidade e é por isso que, ao nos corrigirmos, passamos esse despertar, essa aspiração de correção, a todos os outros. Os Cabalistas são obrigados a ensinar à nação de Israel a metodologia desta nova unificação, este método de correção, a conquista do amor ao próximo. Não precisamos prestar atenção àqueles que falam contra a Cabalá, porque com isso eles estão impedindo as pessoas de se unir, estão simplesmente cometendo um crime. Mais tarde, esse exemplo de unidade deve ser demonstrado ao mundo inteiro.

Se a nação de Israel, sendo formada pelos maiores egoístas, é capaz de se corrigir e demonstrar aos outros como passar do ódio ao amor, da separação à unidade, então ela servirá de exemplo e dará força ao mundo inteiro. O mundo inteiro seguirá os judeus rumo à unidade.

Além disso, as nações do mundo ajudarão os judeus nessa correção, como foi escrito pelo profeta Isaías: “As nações do mundo levantarão a nação de Israel sobre seus ombros e a entregará ao templo em Jerusalém”.

Pergunta: A heroína do filme salva o mundo de várias pessoas más e forças externas. Você está falando da necessidade de nos salvar de nosso próprio egoísmo?

Resposta: O egoísmo é o único mal. Não temos outros inimigos. Toda a natureza do homem é má desde o nascimento. Não há nada na criação senão o princípio do mal. E é exatamente isso que precisamos corrigir. Se Israel se corrigir, o mundo inteiro será corrigido.

O egoísmo é meu desejo de construir meu sucesso no fracasso dos outros. Esse é um desejo completamente natural para cada pessoa porque é inerente à nossa natureza. Mas devemos nos elevar acima dessa natureza até a doação ao próximo, nos preocupar com seu bem-estar em vez do nosso. Uma pessoa que está pronta para fazer essa correção dentro de si é chamada de super-herói.

Ela supera seu egoísmo, sua natureza inerente, e é por isso que é chamada de super-humano. Ao fazer isso, ela corrige o mundo inteiro, um mundo tão malfeito como resultado do egoísmo humano porque projetamos nossas relações negativas em toda a natureza.

De KabTV “Nova Vida # 865″, 08/06/17

Mulher-Maravilha, Parte 2

laitman_570O filme Mulher-Maravilha, em que o super-herói principal que salva a humanidade é estrelado por uma atriz israelense, causou uma enorme onda de emoção e orgulho em Israel.

Mas eu estou triste em ver que o nosso povo, como criancinhas, ainda está esperando por um mago bondoso que venha organizar nossa vida, em vez de organizá-la por nós mesmos.

É possível com a indiferença, a preguiça e o confronto destruindo a sociedade israelense, ainda estarmos à espera de um mago? Nós mesmos devemos mudar. Alguém de fora pode mudar a nossa natureza má?

Pergunta: O filme nos incentiva a amar, mas alguém sabe como fazer isso?

Resposta: Existe um método que ensina exatamente como ir do ódio ao amor. Ele é chamado de “sabedoria da Cabalá”. É por isso que a Cabalá é revelada hoje em dia. Os Cabalistas de todas as gerações falaram sobre o nosso tempo, e nós precisamos abordar essa técnica e começar a estudá-la para que todos se elevem ao nível de “super-humano”.

Pergunta: Por que não é tão fácil amar?

Resposta: Não é fácil porque a nossa natureza é o egoísmo puro que nos faz maltratar os outros. O egoísmo não se relaciona com o fato de que eu quero comer, beber e dormir mais, deitar ao sol na praia e nadar no mar.

O egoísmo humano é o desejo de melhorar o próprio estado à custa dos outros – nossa atitude má em relação à natureza inanimada, vegetal e animal e, o mais importante, às pessoas.

O egoísmo é quando eu não gosto das minhas realizações, mas do fato de que menosprezo os outros; isto é, não me importo apenas com o meu bem, mas desejo o mal aos outros. Mesmo que não queira prejudicá-los diretamente, eu ainda meço meu sucesso apenas em relação aos outros.

Quando olho para o povo de Israel, eu vejo um povo que teve a oportunidade de construir um novo Estado e uma nova sociedade, mas que ainda continua a ser uma “assembleia de refugiados”. O país está dividido em muitas facções e comunidades que se odeiam e se opõem.

Se essa situação persistir, o tempo que nos foi concedido acabará e teremos que deixar essa terra. Na verdade, se aqueles que vivem aqui tivessem a oportunidade de deixar Israel, muitos o fariam.

É possível que o filme sobre uma mulher-maravilha israelense desperte uma esperança escondida em relação a Israel nas nações do mundo. Elas entendem que os judeus são pessoas especiais. Os maiores antissemitas do mundo, como Hitler ou Henry Ford, escreveram muito sobre a missão do povo de Israel e acusaram os judeus de não cumprirem o papel que lhes foi atribuído.

Portanto, o mundo faz sérias acusações a Israel, embora não entenda sua verdadeira causa. Mas a sabedoria da Cabalá explica isso com toda sinceridade: Israel é obrigado a ser uma Luz para as nações do mundo, isto é, mostrar a todos como se unir e amar ao próximo como a si mesmo. Tal amor o povo de Israel deve alcançar dentro de si e, assim, dar o exemplo para o mundo inteiro, tornar-se uma Luz para as nações do mundo.

Mas não cumprimos essa missão e, portanto, as nações do mundo se levantam contra nós, desejando nos destruir. Isto é o que está escrito na “Introdução ao Livro do Zohar“. Vale a pena ler sobre o que está escrito lá e entender que não temos outra saída, nem o povo de Israel, nem o mundo inteiro: a única solução é que Israel realize sua missão.

O povo de Israel deve ser o super-herói que salva a humanidade – o Messias - Mashiach, isto é, o poder que irá tirar (Moshech) todas as pessoas da natureza egoísta má para a natureza boa e altruísta, do ódio ao amor.

De KabTV “Nova Vida” 08/06/17