Textos na Categoria 'Israel'

“A Cabalá Judaica É Semelhante Ao Sufismo?” (Quora)

Dr. Michael LaitmanMichael Laitman, no Quora:A Cabalá Judaica É Semelhante Ao Sufismo?

O sufismo e a Cabalá discutem a necessidade de desenvolver uma atitude de amor pelo outro como princípio orientador da vida. O sufismo, no entanto, não explica a estrutura do sistema de criação e sua conduta. É mais adequado para as massas porque fala sobre a solução para os problemas humanos e espirituais no nível do nosso mundo.

O sufismo não explica a estrutura do mundo superior com a precisão da sabedoria da Cabalá: Sefirot, Partzufim, Olamot, Ohr, NRNHY (Nefesh, Ruach, Neshama, Haya, Yechida), KHB ZON (Keter, Hochma, Bina, Zeir Anpin, Nukva), Tzimtzum, Masach, Ohr Hozer e todo o restante dos conceitos. Somente na Cabalá são descritas essas “mecânicas celestes”.

Por que essas descrições são necessárias? Elas são necessárias quando a pessoa começa a alcançar o mundo superior. A pessoa que alcança o sistema espiritual não pode fazer uma ordem e um esclarecimento interior se confiar apenas na emoção ou no professor. Para ela, o professor se transforma de uma pessoa em uma característica interna, e percebe e enfatiza a camada interna da realidade que os Cabalistas chamam de “o Criador”, enquanto reduz a prioridade na realidade que percebemos com nossos cinco sentidos. A conquista progressiva de tal realidade requer definições e emoções mais profundas, e é preciso trabalhar com estados mais sutis e mensuráveis.

Não sou especialista em sufismo, mas me parece que ele faz parte da Cabalá. Além disso, se penetrássemos mais profundamente no verdadeiro sufismo, seria possível descobrir a linha divisória além da qual a sabedoria da Cabalá é imperativa. Segundo sua fundação, o sufismo é o estudo correto para conduzir a pessoa precisamente em direção à meta, mas até um limite específico.

A ideia é que, para todos nós, existem diferentes níveis de ego. O sufismo para em um nível profundo do ego. No entanto, para pessoas com um grande ego, o sufismo não basta. Essas pessoas precisam de uma arma maior contra si mesmas e, portanto, precisam da sabedoria da Cabalá.

Infelizmente, o sufismo parou seu desenvolvimento por algum tempo. Hoje, no mundo muçulmano, ele não é de todo desejado. É uma grande pena, porque antigamente havia uma conexão entre judeus e muçulmanos através do sufismo.

O Método De Correção, Parte 11

laitman_942A Quem É Dada A Técnica Da Correção?

Pergunta: No artigo “O Amor pelo Criador e o Amor pelos Seres Criados”, Baal HaSulam escreve que a metodologia Cabalística foi dada a um tipo de pessoa, mas com o objetivo de transmiti-la a todas as outras pessoas.

Acontece que, de toda a criação, após centenas de milhares de anos de desenvolvimento, o Criador escolhe certo grupo de pessoas que estava predisposto a isso?

Resposta: Ele pega representantes de todas as pessoas do mundo, os reúne em um grupo, que ele chama de “Israel”, que significa “direto ao Criador”, e lhes dá essa técnica para que eles realizem esse objetivo e a repassem a todos os outros.

A técnica de correção consiste em uma pessoa adquirir as propriedades, ou seja, as propriedades de doação, quando eu coloco os desejos do outro acima dos meus.

Pergunta: Se o Criador é uma propriedade de doação, Ele não pensa em Si mesmo?

Resposta: Claro. Ele nem sequer pensa em Si mesmo. Por outro lado, sempre pensamos em nós mesmos. Acima desses pensamentos, construímos pensamentos sobre os outros.

De KabTV,“Fundamentos de Cabalá”, 07/02/19

O Propósito Do Grupo Cabalístico, Parte 3

749.02O Maior Desejo – Israel

Pergunta: A evolução separa constantemente algumas partes da natureza. Acontece que um grupo de pessoas chamado “Israel”, que tem um certo caminho de desenvolvimento, é selecionado pela evolução. Então, todos os tipos de pequenos grupos chamados “dezenas” compõem esse grupo.

Por que é impossível trabalhar com toda a humanidade? Por que é necessário ser encerrado em um pequeno grupo de pessoas?

Resposta: O fato é que a alma, ou seja, o desejo geral criado pelo Criador, é dividida em muitos níveis e subníveis diferentes. Por exemplo, se tomarmos o seu nível mais alto e mais sensível, ele será, por sua vez, o mais egoísta e, ao mesmo tempo, o mais próximo de seu efeito à luz. Isto é, ele é direcionado para a luz e a luz é direcionada para ele. A luz é a influência do Criador em um desejo.

Portanto, em primeiro lugar, é esse desejo mais elevado que começa a se desenvolver, que, por causa de sua aspiração ao Criador, é chamado “Israel”, que significa “direto ao Criador”. Estando mais próximo a Ele, ele deve primeiro entrar em contato com o Criador e, por meio dele, a influência do Criador passa para os outros desejos.

Observação: Sabemos que isso não tem relação com as nacionalidades visto que o grupo de Israel foi formado pelos representantes menos egoístas de várias tribos da antiga Babilônia.

Meu Comentário: eu não diria que eles eram menos egoístas. Pelo contrário, eles se sentiam mais desapegados e mais suscetíveis a todos os tipos de estados ruins. Como resultado disso, sentiram que eram obrigados a atingir o sentido da vida ou, alegoricamente, que deveriam atingir de onde vêm, quem os governa e como podem mudar suas vidas.

Portanto, eles se reuniram em torno de Abraão, que os chamou para a realização espiritual. Ele explicou a eles que isso só é possível se eles começarem a trabalhar juntos na unidade entre si.

De KabTV, “Fundamentos de Cabalá”, 06/03/19

A Causa E A Solução Para A Pobreza De Israel Segundo A Cabalá (Times Of Israel)

O The Times of Israel publicou meu novo artigo: “A Causa e a Solução para  a Pobreza de Israel Segundo a Cabalá

Quase um terço das crianças de Israel e quase um quinto dos idosos de Israel estão na pobreza, de acordo com um recente relatório de pobreza do Instituto Nacional de Seguros de Israel. Quando os cidadãos do país não se esforçam para obter uma sensação calorosa e familiar, eles deixam desenvolver uma atmosfera de alta tensão que sufoca seus cidadãos de um dia para o outro. Tais relações dão origem a um país com grande riqueza e acumulação de pobreza.

A Causa Da Pobreza: Não Sentir Um Ao Autro Como Membros De Uma Única Família

O Estado “país rico, cidadãos pobres” de Israel é maior do que apenas uma situação econômica e, portanto, não pode ser resolvido apenas no nível econômico. Requer a implementação de programas enriquecedores de conexão por meio de seus sistemas de educação e mídia, explicando regularmente como todos os cidadãos israelenses são membros de uma única família e que visa transmitir uma sensação de família a todos.

Pode parecer uma idéia socialista, mas não é. Vimos esses exemplos na história e todos falharam. O motivo foi porque eles não levaram em consideração as leis da natureza.

As leis da natureza são leis integrais de interconectividade e interdependência. Eles nos guiam para cada vez mais conexões e, em nossos tempos, as conexões que precisamos formar estão no nível de nossas atitudes mútuas: que desenvolvamos um sentimento em relação a estranhos como se fossem membros de nossa própria família. Ao alinhar nossas atitudes uns com os outros de acordo, garantimos a nós mesmos um futuro harmonioso.

Duas Etapas Para Resolver A Pobreza: Discordar Da Divisão E Promover A Conexão

O primeiro passo em direção a uma mudança de atitude mútua é discordar da nossa separação atual. A divisão social é a principal causa da pobreza, e nosso desacordo com essa situação abre espaço para um novo desejo aparecer: o desejo de mudar nossos relacionamentos, para que nos sintamos conectados como membros de uma única família.

Ao ativar e incentivar o desejo de que a conexão familiar se espalhe entre a sociedade por meios educacionais e promocionais, começaríamos a ver o desaparecimento de nosso afastamento emocional e, da mesma forma, seus sintomas de pobreza.

A Explicação Cabalística De Por Que Existe Uma Brecha Crescente Entre Ricos E Pobres

De acordo com a sabedoria da Cabalá, o estado de desequilíbrio entre ricos e pobres ocorre devido a um desequilíbrio entre Ohr Hochma (luz da sabedoria) e Ohr Hassadim (luz da misericórdia), ou seja, quando há muita Ohr Hochma e apenas um pouco de Ohr Hassadim.

Quais são essas duas luzes em relação a esta situação atual? Ohr Hochma significa abundância e riqueza espiritual, enquanto Ohr Hassadim expressa o desejo de dar essa abundância e riqueza. Ohr Hassadim é uma condição que impede o desejo de continuar recebendo cada vez mais em benefício pessoal, desequilibrando nossos sistemas. Em outras palavras, Ohr Hassadim pode ser pensado como um dispositivo regulador que aquece o coração, que se torna continuamente mais frio em um invólucro do egoísmo sem esse condicionamento. Portanto, quando aplicamos Ohr Hassadim em nosso desejo instintivo de devorar tudo para o benefício próprio, construímos um novo sentido, uma ferramenta que nos dá a capacidade de receber Ohr Hochma de maneira equilibrada. Dessa maneira, podemos ter um país onde todos os cidadãos experimentam abundância e riqueza espirituais. Sem esse órgão regulador, seguimos continuamente em uma direção egoísta e testemunhamos a situação de “país rico, cidadãos pobres” em que estamos hoje.

Além disso, sem a reguladora Ohr Hassadim, que visa dar a abundância a outros na sociedade, não apenas os cidadãos pobres se sentem como deficientes, mas também os ricos sentem uma falta constante. Mais riqueza nunca é percebida como riqueza suficiente e, assim, eles buscam continuamente como se realizar cada vez mais. É assim que a pressão do Ohr Hochma é sentida. Quando pretendemos receber apenas para benefício próprio, os prazeres que recebemos acabam encontrando um espaço vazio dentro de nós, como um buraco negro que extingue qualquer prazer pretendido que absorvemos.

Portanto, se temos um pouco ou muito depende ou não de nossas atitudes.

A Abundância Chega A Todos Quando A Sociedade Se Torna Uma Única Família

Podemos organizar nossos relacionamentos para criar uma abundância que preenche o espaço entre nós. Quando nos abrimos para os outros, nos tornamos condutores dessa abundância, como eixos e nós (hubs and nodes) em uma rede que passa sinais uns para os outros, e nossa vida se torna rica e diversificada.

Portanto, quanto mais a idéia de nossa necessidade de nos conectarmos como uma única família se espalhar entre a sociedade, rica e pobre, mais descobriremos que há muito para todos.

“Como A Imigração Russa Reformulou Israel” (Times Of Israel)

O The Times of Israel publicou meu novo artigo: “Como A Imigração Russa Reformulou Israel

A contribuição dos imigrantes russos para Israel é considerada um fator-chave no sucesso do país em vários níveis e áreas. Hoje em dia, como Israel comemora 30 anos desde o início da onda imigrante da aliah da antiga União Soviética na década de 1990, somos capazes de avaliar que sua influência continuará a ressoar nas próximas gerações.

No entanto, apesar de décadas de experiência na absorção de novos imigrantes, ainda temos que perceber que é precisamente superando as diferenças entre nós que seremos capazes de fortalecer o tecido social de Israel.

A Maior Onda De Imigração

Três décadas atrás, Israel tornou-se o lar de cerca de 30% dos judeus soviéticos, perto de um milhão de pessoas, mudando a face do país para sempre. Minha família e eu não fazíamos parte dessa onda. Chegamos na pequena onda precursora da década de 1970, antes do influxo maciço, que não mudou as dificuldades de absorção e integração no país. Quando chegamos, tudo o que eu tinha comigo era uma pequena tenda e alguns utensílios básicos que achava que podíamos precisar. Quase não tinha ideia do que encontraria nesta terra deserta.

Cheguei nem indigente nem abandonado, pois tinha meus diplomas em mãos e uma profissão como cientista e pesquisador. Eu tinha minha família e estava estabelecido economicamente. Apesar das minhas vantagens, a mudança de um país para outro é sempre acompanhada de um sentimento de insegurança, pois você nunca sabe o que pode encontrar. Até você entrar na experiência da terra de Israel, você realmente não tem ideia sobre seu verdadeiro caráter.

Após um curto período de tempo, EU fui aceito na Força Aérea de Israel. Como as equipes estavam sob pressão diária para estar alerta para qualquer operação em um dado momento, nosso compromisso de trabalhar juntos, independentemente dos desafios, sempre prevalecia sobre nossas diferenças. Não havia lugar para degradar ninguém. Portanto, no nível pessoal, eu não tinha experiência com o tratamento amargo que muitos imigrantes reclamavam desde então.

No entanto, eu compreendo perfeitamente a fonte do tratamento depreciativo que muitos imigrantes descrevem. O problema da integração na vida israelense não é exclusivo da onda de imigração russa. Sempre foi assim. Era uma experiência comum em todas as vagas de imigração que chegavam, sejam do Marrocos ou do Iêmen, sofrer algum tipo de discriminação. Representações de tratamento de imigrantes chegaram até a esquetes, que até hoje se tornaram parte integrante do léxico do humor israelense.

Lembro que o zelador do prédio onde morávamos era médico de Moscou e a rua foi limpada por um engenheiro de São Petersburgo. Estas eram as pessoas que fizeram aliah nesta onda russa: médicos, engenheiros, técnicos e enfermeiros. Essas foram as pessoas que fizeram essa onda de imigração ter tanto sucesso. Eles catapultaram a nação para a frente nos esportes, cultura, medicina, academia e muitos outros campos. Eles trouxeram um espírito ambicioso que pressionava pela conquista. Não obstante suas contribuições, eles não foram poupados de ondas de cinismo e desprezo.

Aprendendo A Viver Juntos

A mentalidade israelense é de desprezo por tudo e por todos. O desprezo não é dirigido especificamente contra os russos ou qualquer outro grupo. Está profundamente arraigado em nosso DNA judaico. De fato, até desprezamos a força superior. É um fenômeno permanente e não uma fase passageira, que cumula e passa de uma geração para a outra.

O ego que nos separa é uma ferida social aberta. Ele se revela a cada onda de imigração. A boa notícia é que ela também revela o único lugar que precisa ser consertado: nossas relações.

Cedo ou tarde, teremos que aprender relações positivas acima e além de nossas diferenças. Tal conquista garantirá nossas vidas em uma nação próspera e equilibrada, onde todos os recém-chegados, independentemente de sua origem e substrato, serão respeitados e apreciados por sua contribuição para a sociedade.

70 Nações Do Mundo: Interpretação Espiritual E Histórica

laitman_600.04Pergunta: Na Cabalá, existe o conceito de 70 nações do mundo. De onde vem o número “70”?

Resposta: Vem do fato de que as raízes espirituais formam consequências correspondentes em nosso mundo. Zeir Anpin é composto por sete Sefirot e cada Sefira de dez, totalizando 70.

Pergunta: Os Cabalistas escreveram que nossos desejos, do ponto de vista espiritual, são divididos em 70 nações. Mas se começarmos a estudar historicamente, poderia ser diferente, não necessariamente 70?

Resposta: Não. Josephus Flavius confirma isso; afinal, ele é considerado um grande historiador.

Ele foi capturado pelos romanos e partiu com eles da Judéia subjugada e destruída. Em Roma, um enorme instituto foi criado para ele, onde centenas de pessoas trabalhavam sob sua supervisão para que ele pudesse escrever seus tratados. Portanto, não podemos dizer que esses fatos são falsos ou, de alguma forma, absurdos.

Pergunta: Como os Cabalistas se relacionam com os tratados dele?

Resposta: Eles não são particularmente relevantes porque ele não escreveu sobre condições espirituais. Ele descreveu o que aconteceu em nosso mundo como consequência. Mas, ainda assim, seu livro começa com as palavras: “No princípio, o Senhor criou o céu e a terra …” e assim por diante, conforme descrito na Torá.

Pergunta: Como Cabalista, você pode confirmar que as consequências que ele descreveu em nosso mundo correspondem claramente às leis espirituais que você conhece do mundo espiritual?

Resposta: Claro. Ele descreveu tudo com precisão.

Pergunta: Os historiadores não podem distorcer as coisas?

Resposta: Ele não estava naquele nível, e os romanos também. Eles apenas tiveram que gravar tudo para as gerações futuras, e o fizeram. Aos olhos dos romanos, ele os glorificou para sempre. É por isso que essas condições foram criadas para ele, e ele foi capaz de descrever tudo.

De KabTV, “Fundamentos de Cabalá”, 28/01/19

3ª Eleições De Israel: Despertar Fatídico Para O Povo De Israel (Times Of Israel)

O The Times de Israel publicou meu novo artigo: “3ª Eleições De Israel: Despertar Fatídico Para O Povo De Israel

Uma terceira rodada de eleições foi anunciada em Israel pela primeira vez na história devido à nossa incapacidade de formar um governo.

O que posso dizer? Tudo o que posso dizer é que precisamos de algo para nos sacudir. Lamento escrever essas palavras, mas dói quando você ama o povo de Israel e o Estado de Israel. Afinal, é a minha casa.

Eu moro nesta terra há décadas e nunca pensei em sair. No entanto, não vejo futuro positivo se continuarmos os negócios como de costume, sem um exame minucioso e decisão de mudar a maneira como lidamos com nossas vidas.

É nosso dever fornecer a todos os cidadãos o método que inicialmente nos conectou como nação e que nos daria um direito inegável de viver nesta terra. Foi quando o Cabalista Rav Baruch Shalom HaLevi Ashlag (Rabash) abriu o primeiro de seus muitos escritos sobre como uma sociedade pode mudar da divisão para a unidade: que nos reunimos aqui para estabelecer uma sociedade a fim de nos elevarmos e nos tornarmos humanos, no sentido mais amplo da palavra (a palavra para “humano” em hebraico, “Adão”, também é a palavra para a alma coletiva que descobrimos quando nos unimos de acordo com as leis integrais da natureza).

Em outras palavras, o objetivo de nos reunirmos em um só lugar não é simplesmente continuar vivendo sem pensar nas correntes da vida aqui em vez de na diáspora, mas compreender o método que recebemos: unir e passar para a humanidade a força que nos une.

A atmosfera divisória de hoje em Israel é um sinal de que seremos incapazes de encontrar a paz mútua se não entendermos e implementamos as leis integrais da natureza. É o que nos unificou em primeiro lugar, ou seja, uma inclinação para nos unirmos acima das divisões da antiga sociedade babilônica da qual emergimos como nação.

É nosso propósito e papel no mundo alcançar tal unidade e, sem avançar nessa direção, nosso desperdício sem propósito, onde cada um de nós se concentra em construir nossas vidas às custas dos outros, traz o oposto: divisão social.

Nossa desunião então recebe uma reação negativa das nações do mundo. Essa reação é conhecida como antissemitismo, e seu despertar generalizado hoje é porque estamos em um estágio de desenvolvimento em que precisamos dar um passo em direção à união como uma nação única, de acordo com o princípio que nos uniu em primeiro lugar: unir (“ame seu amigo como a si mesmo”) acima das divisões (“o amor cobrirá todas as transgressões”) a fim de espalhar essa tendência unificadora ao mundo (de ser “uma luz para as nações”).

De acordo com as leis da natureza – leis integrais de interconexão e interdependência – o povo de Israel tem um papel fundamental: espalhar uma conexão positiva entre a humanidade. Foi-nos dado um método para fazer isso, o mesmo método de conexão com o qual Abraão nos guiou na antiga Babilônia, e que sofreu atualizações ao longo das gerações para nos adequar em nosso tempo.

Essencialmente, é o método de como atualizar a conexão entre nós na mesma extensão e qualidade da conexão da natureza, descobrindo gradualmente a imensa força unificadora da natureza quanto mais nos conectamos.

Além disso, nossa revelação da força unificadora da natureza se espalha entre a consciência coletiva da humanidade, invertendo nossa crescente tendência divisiva atual – onde nos comportamos como células cancerígenas, tomando o máximo possível para nós mesmos às custas da sociedade – a uma tendência unificadora, pacífica e amorosa que beneficia a humanidade.

Eu nunca vou sair de Israel. Permanecerei aqui e farei tudo ao meu alcance para o seu sucesso. No entanto, suas realizações materialistas como nação iniciante não são sinal de sucesso para mim. O sucesso do povo de Israel só pode ser espiritual: que compreendamos que nosso papel é um canal de unidade para o mundo.

Desde que nossos ancestrais alcançaram o sublime estado unificado, sob a orientação de Abraão, há 3.800 anos, nosso papel permaneceu inalterado. Desde então, nos desapegamos dessa consciência, mas, como explicado pelos Cabalistas, chegou o momento em que a necessidade de unidade não está apenas nos pressionando dentro de nossas fronteiras atuais; também é expressa em todo o mundo como uma crescente tendência divisória que destrói cada vez mais as sociedades. Assim, não passa um dia em que eu não possa falar ou escrever sobre esse fenômeno, pois um futuro pacífico ou doloroso depende precisamente da unidade do povo de Israel ou da sua falta.

Depois de esclarecermos e estabelecermos nosso objetivo exaltado, espiritual e eterno para nós mesmos, nossas vidas mudarão em uma direção positiva. A confusão em que nos encontramos hoje não se deve a alguns políticos que falharam em formar um governo, mas nós – todo o povo de Israel – somos responsáveis ​​por isso.

Portanto, devemos levantar a cabeça para fora da água, reconhecer que somos todos uma família, interconectados e interdependentes, e todos devemos resolver o problema juntos. Enquanto isso, não apenas sofremos, o mundo inteiro sofre, pois depende do nosso espírito interior se erguer como um povo unido de Israel.

Eu espero, assim, que comecemos a sentir a grande responsabilidade sobre nós, por nós mesmos e pelo mundo, e comecemos a implementar o método de conexão que temos ao nosso alcance.

Despertando Israel

laitman_565.01Observação: Toda a criação é dividida em duas partes. Uma parte é chamada Israel, a segunda as nações do mundo. Se Israel não cumpre sua função, as nações do mundo chegam a eles com reivindicações, e isso se manifesta no nível humano, no nível da sociedade.

Meu Comentário: Isso é chamado antissemitismo.

Observação: No entanto, nem Israel nem as nações do mundo entendem de onde ele vem, embora tudo esteja registrado na Cabalá e possa ser estudado.

Meu Comentário: Claro. Também está registrado na Torá. O ódio surge naturalmente das nações do mundo em relação ao povo de Israel. Não há outro fenômeno como este.

Pergunta: No entanto, as funções de Israel e das nações do mundo não são escolhidas pelo próprio povo? A natureza os calibra dessa maneira?

Resposta: Não, é determinado de acordo com a alma. Toda pessoa no mundo pode sentir isso.

De repente, algum esquimó começa a sentir a necessidade de descobrir uma qualidade da natureza, causa e efeito, por que e por qual a razão ele existe. Isto é, ele aspira ao Criador, à fonte deste conhecimento, essas revelações. Portanto, ele começa a mergulhar em tudo e, de acordo com sua aspiração, é chamado Isra-El, direto ao Criador.

Pergunta: Acontece que o que é chamado povo escolhido de Deus é apenas uma determinação da natureza?

Resposta: Eu diria que há duas partes neste “escolhido por Deus”. Por um lado, há uma parte que é dada à pessoa de cima, ou seja, que a força superior a escolhe e lhe dá desejo por isso. Por outro lado, a pessoa que sente aspiração em relação à força superior se esforça. Isto é, deve haver excitação de cima e excitação de baixo.

De KabTV, “Fundamentos de Cabalá”, 28/1/19

A Principal Função Do Povo De Israel

Laitman_036Pergunta: Qual é a principal função de Israel (o povo de Israel)?

Resposta: A função de Israel é alcançar tal conexão que os une e, por meio dessa unidade, passar a energia superior, a força superior, que une e liga tudo, a todas as nações do mundo e ao resto das camadas da natureza: animada, vegetativa e inanimada.

Pergunta: Se Israel, como centro da conexão, não cumpre sua função, então o próprio sistema, no qual estão localizadas as nações do mundo e o povo de Israel, força a função das nações do mundo a afetar Israel negativamente, empurrando-o para frente. É assim que se manifesta em nosso mundo?

Resposta: Sim. Isso acontece automaticamente. Na medida em que Israel lhes transmite energia positiva através do sistema de almas e mundos que está em um certo estado de desenvolvimento, mas não o faz, na mesma medida surge uma reação negativa deles, um pedido: “Onde está o que devemos receber agora? ”

Pergunta: Tudo isso acontece inconscientemente?

Resposta: Meio consciente. As pessoas não sabem por que a aversão e demandas específicas aparecem nelas em relação a Israel. Mas essas demandas aparecem: “Você, Israel, é a fonte de todos os problemas do mundo!”

Na verdade, é assim. “Você deve fazer para que tudo seja bom no mundo. Todos nós dependemos de você! E você não está cumprindo sua função!”

De KabTV, “Fundamentos de Cabalá”, 28/01/19

Todo Mundo Se Tornará Judeu

laitman_600.02Pergunta: Como alguém se torna judeu?

Resposta: Existem duas maneiras de se tornar judeu: por nascimento ou por se tornar judeu.

Qualquer um pode se tornar judeu, não importa se é francês, italiano ou qualquer outra nacionalidade, porque o judaísmo não é via linhagem.

Tornar-se judeu significa adotar uma certa maneira de pensar, uma atitude em relação à vida e seu propósito, quando você compreende o que realmente significa ser judeu. O que significa ser judeu? Significa trazer o método de correção e conexão ao mundo e tornar-se um membro contribuinte para a unificação mundial.

Pergunta: Então, a palavra “judeu” – “hebraico – Ivri” significa “atravessou”?

Resposta: Uma mudança da atitude egoísta em relação ao mundo e aos outros para uma atitude altruísta.

Pergunta: É assim que alguém se torna judeu?

Resposta: Sim.

Pergunta: Então, com efeito, você está nos dizendo discretamente que o mundo inteiro pode se tornar judeu?

Resposta: Não discretamente, mas sim.

Essa é uma transição séria do egoísmo para o altruísmo, que só acontece como um interruptor que se liga dentro de cada pessoa quando ela pede à força superior essa mudança.

Pergunta: Você também diz que aqueles que nascem judeus não são realmente judeus?

Resposta: Não. Esses não são os judeus de quem a Torá fala. Um judeu é um espírito. A pessoa só deve ser guiada pelo chamado em seu coração.

Pergunta: O objetivo final da vida é se tornar judeu?

Resposta: Tornar-se judeu significa unir todas as pessoas, ser a força que as eleva em direção à qualidade de doação, amor mútuo e unidade. Significa alcançar tal comunicação entre todas as pessoas no mundo para que elas sejam uma só.

Ser judeu não tem nada a ver com a mãe ser ou não judia.

Pergunta: Pessoas de diferentes nacionalidades agora ouvirão repentinamente que, de uma maneira ou de outra, o objetivo de toda pessoa é tornar-se judeu?

Resposta: Sim.

Pergunta: Você diz calmamente que é assim?

Resposta: Claro. Em outras palavras, o objetivo de cada pessoa é fazer a transição da percepção egoísta do mundo para a altruísta. Isto é considerado como atravessar (“laavor“) a barreira egoísta.

Então, deixe-os atravessá-la.

De KabTV, “Notícias com Dr. Michael Laitman” 30/07/19