Textos na Categoria 'Israel Hoje'

Nova Vida # 834 – A Singularidade Do Povo De Israel

Nova Vida # 834 – A Singularidade do Povo de Israel
Dr. Michael Laitman em conversa com Oren Levi e Yael Leshed-Harel

Resumo

A singularidade do povo de Israel deriva do seu papel para com a humanidade.

Sua obrigação é ensinar à humanidade como construir uma conexão com base na regra geral: “E amarás teu amigo como a ti mesmo” (Levítico 19:18).

De KabTV “Nova Vida # 834 – A Singularidade Do Povo de Israel”, 07/03/17

Nunca Mais!

Laitman_130Eu nasci em 1946 e cresci à sombra daquela guerra implacável que levou a vida de milhões de pessoas em uma terrível tragédia chamada Holocausto do povo Judeu. O Holocausto me impactou pessoalmente. Embora meus pais tenham tido a sorte de sobreviver, dois terços dos meus parentes foram mortos nos campos de extermínio.

Por esta razão, o Holocausto não é uma lembrança distante para mim, mas um doloroso lembrete do que também pode acontecer conosco. A pergunta, “Como podemos evitar outro Holocausto?” Não é uma pergunta sem propósito para mim. Eu faço esta pergunta com toda a dor e a responsabilidade que sinto.

Eu sinto como que um oceano de ódio está nos afogando. Os sinais do desastre iminente nunca foram tão evidentes. Todos os relatórios internacionais sobre o crescimento sem precedentes do antissemitismo são claros sinais de alerta.

No Dia Internacional do Holocausto, uma pergunta foi feita na BBC sobre se não é hora de parar de falar sobre o Holocausto. Uma convenção científica será realizada na Inglaterra sobre o direito legítimo de Israel existir, e um acordo foi assinado com o Irã sobre seu plano nuclear, o que é mais uma prova de que não podemos contar com nossos “aliados”.

Tudo isso é motivo de grande preocupação em relação ao nosso futuro.

Ainda podemos evitar outro Holocausto, mas não basta lamentar o passado para fazer isso. As lágrimas devem dar lugar à análise crítica de nossa situação atual e à busca por outros meios para corrigi-la.

Por quê? Porque estamos vivendo em um sistema fechado de forças sem emoção. A lei, segundo a qual este sistema opera, é a homeostase, que significa o equilíbrio harmonioso de todos os elementos do sistema.

Portanto, se agirmos de acordo com esta lei, o que significa que aspiramos a estabelecer relações boas e harmoniosas, nos sentimos bem, mas se estamos divididos, esse sistema nos reequilibra vigorosamente com ele. Às vezes, tal correção envolve um sofrimento terrível.

Eu sei o quão difícil é para os sobreviventes do Holocausto e membros de suas famílias lerem essas linhas, mas a verdade tem que ser contada. O Holocausto aconteceu porque a nação de Israel não agiu de acordo com a lei da união. Por que nós? Porque temos uma responsabilidade especial de cumprir essa lei desde os dias de Abraão.

Abraão, o fundador da nossa nação, descobriu que tudo é gerido pela lei da unidade. Quando o povo da antiga Babilônia foi dividido porque o ego cresceu, Abraão começou a ensinar aos Babilônios o método da unidade.

Os poucos que o seguiram foram chamados de nação de Israel. A implementação dessa lei é a razão pela qual nossa nação existe. A única justificativa para a nossa existência como nação é transmitir essa lei dentro de nós e a todas as outras nações do mundo.

No início do século passado, recebemos a chance de voltar à terra de Israel, não para construir um lar para todos os Judeus nele, mas para readquirir a unidade que perdemos. Infelizmente, não fizemos isso. A maioria dos Judeus da Europa preferiu permanecer em suas comunidades locais ou assimilar.

A reação do sistema superior a isso foi o Holocausto que começou no início da década de 1920. Muito antes do mundo ter sido inundado e sufocado pelo sangue, os Cabalistas sentiram que uma grande tragédia se aproximava e chamaram os Judeus da Europa para retornarem à sua terra e se unirem, mas estes não ouviram os Cabalistas.

Em vez de nos unirmos em uma nação por nosso livre arbítrio, nos aproximamos um do outro devido ao terrível sofrimento durante o Holocausto. Depois disso, recebemos nossa condição de Estado.

O verdadeiro mandato para a existência do nosso país não é a declaração da ONU, mas a nossa missão. De acordo com os Cabalistas, o Estado que recebemos foi dado apenas para cumprir a lei da unidade. E é exatamente isso que o mundo exige de nós.

Inconscientemente, as pessoas do mundo querem que alcancemos a unidade entre nós e lhes transmitamos o método de Abraão. Nós nos recusamos a fazer isso até agora e invocamos o antissemitismo. Na verdade, essa recusa pode ser a causa do próximo Holocausto.

O Dia em Memória do Holocausto e o Dia da Independência de Israel devem se tornar dias de realização da nossa missão, dias de recalcular e reavaliar a existência de nossa nação. Nestes dias, devemos nos reunir em torno de milhares de mesas redondas em todo Israel e no mundo, e entender como devemos alcançar a verdadeira independência, a independência de nosso egoísmo e aprender como podemos ascender do ódio infundado ao amor fraternal.

Esta é a única maneira de podermos garantir o nosso futuro e o futuro dos nossos filhos e dizer com confiança: nunca mais!

Mentiras Da CNN Sobre Israel

Laitman_421_01Nas Notícias (The Jerusalem Post): “Após o ataque terrorista de quarta-feira à noite no mercado de Sarona, em Tel Aviv, que deixou quatro pessoas mortas e 16 feridos, a CNN inspirou indignação com sua manchete quando colocou a palavra “terroristas” nas citações da sua página do Facebook.

“Além disso, a agência de notícias não mencionou terrorismo nem uma vez no artigo que relata a provação. …

“A CNN rapidamente removeu o tweet e emitiu um pedido de desculpas via Twitter na noite de quinta-feira, chamando seu uso de aspas em torno da palavra terrorista em sua manchete de notícias ‘um erro’.

“‘Os ataques foram, sem dúvida, ataques terroristas’, disse a agência de notícias em comunicado à imprensa”.

(The Jerusalem Post): “A CNN atualizou um gráfico essa semana listando alguns dos ataques terroristas mais mortais que ocorreram durante o mês do Ramadan para incluir uma referência ao ataque de 08 de julho [sic] em Tel Aviv.

“Um grupo de defesa de Israel, Stand With Us, apontou a atualização em suas mídias sociais, alegando que a ‘crítica’ levou à mudança. …

“Mas o gráfico não inclui a referência a vários outros ataques que ocorreram dentro de Israel e nos territórios palestinos, incluindo o esfaqueamento fatal de uma adolescente em seu quarto e o assassinato de um pai na frente de sua esposa e filhos”.

Comentário: A CNN mente constantemente sobre Israel. Por exemplo, eles construíram um mapa de atividades terroristas ocorridas durante o último jejum do Ramadã e o atualizaram para incluir o ataque de 8 de junho no distrito de Sarona, em Tel Aviv, mas não mencionaram nada sobre o que aconteceu em Yehudah e Shomron, onde uma menina de 13 anos e, mais tarde, um Rabino foram assassinados. A CNN não considerou esses atos de terrorismo.

Os pesquisadores concluem que Israel, durante o período de formação do Estado, estava constantemente explicando seu comportamento moralmente correto ao mundo, e agora deixamos de fazer isso. Eles pensam que é hora de entender que esta é a abordagem errada e que devemos começar a explicar a nossa retidão.

Segundo eles, algo vai mudar como resultado.

Meu Comentário: Sem dúvida, tudo mudaria se o nosso governo entendesse que é imperativo divulgar nossa justiça para educar a humanidade. Eu me relaciono com a publicidade como parte de nosso trabalho educativo que devemos conduzir com a humanidade, para ser uma “Luz para as nações” (Isaías 49: 6). Devemos mostrar isso a eles. Não apenas a CNN terá uma boa opinião sobre nós, mas o mundo saberá por que o povo judeu foi criado e existe no mundo, como a humanidade deve interagir conosco e nós com eles, e como os judeus devem entender sua tarefa e missão.

Pergunta: Isso significa que você não concorda quando eles dizem que se fôssemos explicar a nossa justificativa algo mudaria?

Resposta: Que tipo de justificativa temos? Não temos justificativa. Alguém estava morando aqui quando chegamos há 100 anos no final do século XIX? As pessoas aqui moravam em todo o território. Não podemos afirmar que não os expulsamos. Elas partiram e se mudaram para a Jordânia e outros lugares. Se elas querem voltar ou não, não faz nenhuma diferença. Nós chegamos ao seu lugar.

Desde então, tem havido um problema. É verdade que há aqueles que inflaram o problema artificialmente, mas o problema existia e não foi resolvido até hoje. Como pode ser resolvido? Somente por meio de um trabalho educativo e uma explicação de por que temos o direito de nos instalarmos aqui, por que temos o direito de viver junto com os nossos “primos” – os árabes.

Se houvesse paz e segurança aqui, ficaríamos felizes em viver com eles. Nossas religiões são semelhantes em sua base, suas raízes são próximas, temos um único “pai”. Portanto, devemos levar em conta que eles estavam aqui. A este respeito, eu não pertenço ao acampamento da direita que diz: “Isso é só nosso!”

Nós precisamos convencer a todos que esse é o nosso território. Isso acontecerá quando mostrarmos e provarmos que esse é o programa de desenvolvimento do mundo e que nossa presença aqui é imperativa para toda a humanidade e não para nós pessoalmente, porque é especificamente daqui que podemos mostrar a todos de que maneira devemos criar um mundo novo!

Só então o mundo inteiro, incluindo aqueles que viveram aqui, entenderá tudo e nos ajudará em vez de tentar nos aniquilar.

Essa é a propaganda real quando você traz tudo para uma base muito séria! A principal coisa é que os judeus devem ser autorizados a viver aqui, porque sem eles, o mundo não será capaz de chegar ao seu estado adequado. Os judeus devem viver aqui por causa do mundo, por causa do Criador, para implementar o programa da criação na vida.

Então tudo será mudado. Se provarmos o nosso direito de viver aqui assim, todos concordarão conosco.

E se dissermos apenas que precisamos viver em algum lugar… O que, de repente vamos voltar depois de dois mil anos?! Imagine quantas reivindicações contra cada um se acumularam e o quanto aconteceu no mundo durante esse tempo – que confusão, que grande migração de povos. Tirem os mapas dos arquivos e vejam o que é!

Portanto, o problema de redesenhar o mapa do mundo não irrompe, nós precisamos nos livrar de todas as fronteiras. Mas isso deve ser através da aproximação das pessoas, não como foi feito na comunidade européia pela força com o golpe de uma pena.

Não vejo outra saída, tanto do ponto de vista do desenvolvimento humano quanto da necessidade da humanidade se aproximar. Não há outra saída além da educação! Se removermos os limites internos, as fronteiras externas serão eliminadas por si só. Isso só pode ser alcançado através de uma educação adequada.

De KabTV “Notícias com Michael Laitman” 21/07/16

Nova Vida # 571 – Por Que Os Protestos Não Funcionam?

Nova Vida # 571 – Por Que Os Protestos Não Funcionam?
Dr. Michael Laitman em conversa com Oren Levi e Nitzah Mazoz

Resumo

Pergunta: Por que os protestos, que são uma ferramenta perfeitamente democrática, não funcionam em Israel?

Resposta: Porque diferentes leis funcionam em Israel.

A nação de Israel só pode ser baseada na regra do “ama teu amigo como a ti mesmo”. A conexão é o nosso fundamento.

Protestos não resolverão nossos problemas porque a solução está em estabelecer uma nova conexão entre todos. Chorar nas ruas não vai funcionar; a única coisa que funcionará é o estudo gradual das razões pelas quais não conseguimos construir uma sociedade melhor aqui.

A conexão entre nós tem que nos ajudar a aprender algo sobre conexão todos os dias, sobre o amor ao próximo, sobre a correção de nossas relações. Nós temos que nos conectar para resolver nossos problemas, unir nossas esperanças e parar de tratar os outros com desrespeito.

O protesto é conectar-se contra alguém. Nós, por outro lado, temos que protestar contra o nosso egoísmo, a força que nos separa. A conexão é subir acima de todas as nossas diferenças, acima de nossas visões opostas, espalhando uma proteção de amor acima de tudo.

Nós temos que promover ações que conduzam à conexão com o povo: workshops, círculos de debate, canções, etc. A razão é que uma força muito poderosa é revelada na conexão entre nós, a força positiva que está oculta na natureza, a força que equilibra tudo.

A conexão evoca a força que constrói em vez da força que destrói. Nós protestamos contra a força egoísta em nós. Somente quando mudarmos é que a sociedade israelense mudará e a vida em nosso país será melhor.

De KabTV “Nova Vida # 571 – Por Que Protestos Não Funcionam?”, 17/05/15

Nova Vida # 570 – Frustração Social

Nova Vida # 570 –Frustração Social
Dr. Michael Laitman em conversa com Oren Levi e Nitzah Mazoz

Resumo

Se nós pensávamos que havia algum tipo de âncora em Israel para se apoiar, hoje vemos que a corrupção é onipresente. Há uma frustração geral e é bom que tenhamos chegado a isso. Ela revela uma verdade que não estava clara para nós antes.

Tudo se tornou podre de baixo para cima. Todo político promete: “Vou corrigir isso para você/para todos vocês/para mim”, e é claro que ele não será capaz de fazer nada.

Você não pode dizer que há uma perda de direção, pois, na verdade, nunca houve uma nação no rumo certo. A única maneira possível em Israel é o caminho de “E amarás o teu amigo como a ti mesmo” (Levítico 19:18) e a responsabilidade mútua.

A mudança positiva que se espera pode acontecer somente através de uma mudança na pessoa. Pessoas corrigidas constroem uma sociedade corrigida. Somente através da conexão entre nós descobriremos a força do bem, o poder do amor, que pode corrigir tudo.

Uma educação social geral é necessária para o povo de Israel, uma educação para a conexão e amor mútuo. Sem isso, não somos um povo. Desde a destruição do Templo, o ódio infundado tem nos destruído. “E amarás o teu amigo como a ti mesmo” é nosso único futuro. Mesmo que isso soe ingênuo, as forças da natureza estão nos dirigindo para isso. Isso é o que a sabedoria da Cabalá nos ensina.

De KabTV “Nova Vida # 570 – Frustração Social”, 17/05/15

Resolução No 2334 – Razões E Implicações

Laitman_175Nas Notícias (The Jerusalem Post): “A resolução 2334, aprovada pelo Conselho de Segurança da ONU em 23 de dezembro de 2016, com apenas a abstenção dos Estados Unidos, gerou um tsunami de comentários da mídia. …

“O aspecto verdadeiramente único da resolução 2334 é que ela busca modificar a resolução 242 do Conselho de Segurança, a base aceita e acordada para o processo de paz árabe-israelense. …

“Salientando a necessidade de estabelecer uma ‘paz justa e duradoura no Oriente Médio’, ela sustentava que as forças armadas israelenses deveriam se retirar ‘dos territórios ocupados no recente conflito’ e que deveria haver um ‘reconhecimento da soberania, integridade territorial e independência política de todos os Estados da região e seu direito a viver em paz dentro de fronteiras seguras e reconhecidas, livres de ameaças ou atos de força’. …

“Essas áreas, agora referidas na resolução 2334 como ‘territórios palestinos’, foram governadas pela Jordânia e pelo Egito, respectivamente, durante 19 anos – de 1948 a 1967 – sem qualquer tentativa de qualquer Estado árabe de estabelecer uma Palestina soberana. Então, como agora, reconhecer uma Palestina soberana na Cisjordânia, Jerusalém Oriental e Gaza significava reconhecer um Israel soberano fora dessas áreas – algo que o mundo árabe não estava preparado para fazer na época”.

Pergunta: Quatorze países votaram a favor da resolução e um pais se absteve. Parece que o mundo inteiro é contra Israel. É realmente assim?

Resposta: O mundo inteiro sempre esteve contra Israel, desde os dias de Abraão. Quando os judeus deixaram a antiga Babilônia e a cisão entre a nação de Israel e o mundo inteiro ocorreu, o ódio de Israel surgiu.

A resolução no 2334 é um exemplo de que o mundo inteiro está contra nós. Ninguém nos apoiou; todas as nações do mundo se uniram contra Israel e unanimemente aceitaram a resolução. Se todas as nações do mundo, bilhões de pessoas, nos censurarem, alegando que não nos comportamos adequadamente e de maneira desejável, nós devemos examinar profundamente essa questão, pois talvez algo esteja realmente errado.

Imagine o que aconteceria se a ONU propusesse votar a favor ou contra a criação do Estado de Israel hoje, tal como fez há 67 anos. Se tivessem de votar sobre o direito de Israel existir hoje, o resultado seria provavelmente negativo.

A ONU votaria provavelmente em desvincular totalmente os laços com Israel e nós não poderíamos fazer nada sobre isso. Como poderíamos existir depois de tal resolução? É impossível existir sozinho no mundo moderno. Tal isolamento estragaria o Estado mesmo sem uma guerra. Nós temos que levar em conta essa opção e descobrir a razão do ódio geral que o mundo sente em relação a Israel.

As grandes mentes da humanidade procuraram a razão para o ódio sentido em relação aos judeus há séculos, mas somente a sabedoria da Cabalá fornece a razão e a solução. Nós temos que nos unir e é nosso dever transmitir o método de unidade ao mundo inteiro. O mundo precisa desesperadamente dele e está esperando que nós façamos isso. Enquanto não o fizermos, o mundo se unirá cada vez mais em seu ódio em torno de nós e não aceitará nossa existência.

Vamos esperar que em 2017 possamos reconhecer nosso dever para com o mundo e o cumpramos! Então o mundo inteiro se acalmará, como está escrito nos profetas, e alcançará o maravilhoso estado corrigido.

De uma “Conversa Sobre os Resultados de 2016″, 25/12/16

Comida Jogada Fora

laitman_627_2Nas Notícias (Times of Israel): “Israel está jogando fora cerca de 35 por cento dos alimentos que produz, num valor estimado de 18 bilhões de shekels em 2015, de acordo com um relatório divulgado esta semana pelo Leket Israel, o Banco Nacional de Alimento.

“O desperdício de alimentos em Israel tem implicações de longo alcance, especialmente para os 17% da sociedade israelense considerados em “insegurança alimentar” – aqueles que não têm certeza de que vão ter comida suficiente ao longo do mês.

“‘Há coisas que podemos fazer com um esforço mínimo para resgatar comida, mas precisamos ter políticas que direcionem isso, políticas que venham de um nível de governo’, disse Gidi Kroch, CEO da Leket Israel”.

Meu Comentário: Eu acho que é muito mais do que isso. Mas mesmo isso seria suficiente para alimentar todos os necessitados.

Comentário: Muitas medidas estão sendo tomadas para evitar jogar comida fora.

Meu Comentário: Nada vai ajudar com isso ou mortes por acidentes de automóvel, problemas nas escolas, família e todos os lugares possíveis. Somente a ascensão de uma pessoa ao próximo nível de desenvolvimento ajudará a resolver todos os problemas.

As pessoas jogam comida fora porque o que acontece com os outros não importa para elas. Se você soubesse que seus filhos, vivendo a poucos quilômetros de você, estivessem agora morrendo de fome, não lhes traria comida?

Falta-nos a sensação de que somos uma família. Portanto, é necessário reavivar esse sentimento entre nós. Assim, haverá abundância de tudo para todos. Caso contrário, não será possível resolver esse problema.

Não estou dizendo que é necessário correr e distribuir comida. Mas qualquer um voluntariamente deixaria de lado todos os seus excedentes. Então, isso não é sequer compartilhar com alguém, mas simplesmente dar-lhes o excedente que estamos jogando fora.

Então tudo estaria bem e racional com respeito à comida. Não podemos imaginar a quantidade de comida que é jogada fora em lojas, supermercados, salões de casamento e restaurantes. Nós jogamos fora mais do que comemos.

Isso significa que devemos organizar sistemas de distribuição especiais. Então as pessoas não vão morrer de fome e sempre haverá o suficiente para todos.

Se sentíssemos que aqueles que estão com fome fossem nossos parentes, isso nos levaria a colocar nosso excedente de lado e criaria um sistema para coletá-lo e distribuí-lo. O mesmo poderia ser feito com roupas e tudo o mais, ou seja, os imensos excedentes de produtos que fabricamos.

É possível alcançar esse sentimento somente quando começarmos a implementar a grande regra geral: “E amarás o teu amigo como a ti mesmo” (Levítico 19:18), ou pelo menos quando sentirmos que somos um só povo.

Mas nós só podemos conseguir isso com a ajuda de uma reeducação séria e de nenhuma outra maneira. É impossível resolver problemas como esses de forma diferente. Nós devemos falar e escrever tanto sobre isso de modo que todos entendam como estão vivendo e quem eles são. Então será mais fácil explicar às pessoas que precisamos fazer algo sobre nós mesmos.

De KabTV “Notícias com Michael Laitman” 11/01/16

Babilônia – Segundo Round, Parte 3

Laitman_931-02Pergunta: Dentro do estreito círculo familiar, uma pessoa sente calor e proteção porque não há luta egoísta entre parentes. O que aconteceria se esse círculo se expandisse e cobrisse muitas pessoas não conectadas por laços familiares?

Resposta: A força positiva da natureza será revelada entre essas pessoas. Se elas tentarem manter bons relacionamentos, a força oculta na natureza será revelada. Haverá um lugar para que ela seja revelada porque elas vão querer se conectar acima de seu egoísmo.

A distância entre a força dessa conexão e o egoísmo que resiste a ela será o lugar onde a força positiva e anti-egoísta da natureza poderá ser revelada.

Existem duas forças na natureza: a negativa que nos separa, e a positiva que nos conecta. A força positiva aparece se tentamos nos conectar. Nós nos tornamos seu detector, criando condições para sua revelação.

A família é um grupo muito pequeno, de modo que é difícil sentir a manifestação dessa força nela. Mas uma tribo que une muitas famílias fornece um lugar para a revelação da força positiva da natureza.

Abraão falou precisamente disso na antiga Babilônia há 3.500 anos. Ele disse que não temos outra escolha senão nos unir apesar do egoísmo que eclodiu e da crise social que ele causou, e apesar do mal-entendido mútuo, o que é chamado de confusão de linguagem.

Nós devemos nos elevar acima dessa confusão, isto é, da aversão mútua, para que o amor cubra todas as transgressões do nosso egoísmo.

Se cobrirmos o egoísmo com o amor, descobriremos a força do bem escondida na natureza, na medida em que podemos superar nossa inclinação ao mal. O egoísmo crescerá cada vez mais em todas as formas possíveis, e teremos que superá-lo cada vez mais.

Afinal, o mal é revelado apenas para que possamos nos conectar mais fortemente acima dele e descobrir a força positiva ainda mais até que sintamos que vivemos no oceano de bondade.

E quem nos ajudou? Foi o mesmo egoísmo maligno que crescia constantemente em nós. Assim, isso é chamado de “ajuda contra ele”. Então nos encontramos no mundo de bondade absoluta, mas ele é construído acima do nosso egoísmo, acima das forças do mal. Agora, essas duas forças começam a trabalhar juntas, ajudando-se mutuamente. A força do mal ajuda a força do bem em que vivemos.

Esse método é chamado de sabedoria da Cabalá. Ele ensina como usar corretamente o egoísmo maligno que se revela, cada vez elevando-se acima dele por meio da força do bem. Podemos fazer isso sozinhos, como está escrito “Eles ajudaram a cada um de seus amigos”.

Portanto, nós devemos voltar a esse amor fraternal quando todos nos sentimos como uma única tribo.

De KabTV, “Nova Vida” # 794 29/11/16

O Novo Êxodo

Nas Notícias (Haaretz): “O ministro da Defesa de Israel, Avigdor Lieberman criticou, segunda-feira, a França, por sua tentativa de organizar uma conferência de paz internacional sobre o conflito israelo-palestiniano e pediu aos judeus franceses que viessem para Israel.

Meu comentário: Lieberman está absolutamente certo. A França é um país católico muito religioso onde em algumas ocasiões realizaram massacres e guerras. Claro, isto não é para os judeus. Ficará pior e pior.

É possível que eles emitam leis proibindo judeus de exportar capitais ou impedindo-os de estabelecerem-se em outros países europeus ou americanos. Então somente Israel será deixado para eles.

Mas hoje existem dificuldades com trabalho e habitação em Israel. E os judeus franceses são principalmente pessoas com meios bastante moderados e assim elas terão que começar do zero.

O fato é que a saída dos judeus da França irá lançar o país ao nível de um país do terceiro mundo, tanto espiritual como financeiramente. Tenho a certeza disso! O êxodo dos judeus de qualquer país sempre foi um desastre para o país, e será um desastre para a França.

Pergunta: Gostaria de perguntar a você como um Cabalista: a ação da força superior, o Criador, conduzirá o povo de Israel de todos os países do mundo?

Resposta: No final, é claro. E isso acontecerá em um estado elevado de hostilidade e ódio contra Israel. As nações do mundo farão com que os judeus deixem suas casas; eles serão espremidos. Então, eles devem sair enquanto é possível. Em geral, o êxodo dos judeus europeus já começou.

Pergunta: Esta é uma nota otimista?

Resposta: Eu sou sempre um otimista. Se o fim é bom, tudo é bom.

[200370]

De KabTV “Noticias com Michael Laitman” 28/12/16

Material relacionado:
Fugir Da Europa
Chegou A Hora De Fazer Suas Malas
O Que Os Judeus Franceses Podem Fazer?

Um Milhão Para Segurança

Laitman_632_1Nas Notícias (Jewish Press): “Dois novos caças ‘Adir’ F-35 de Israel aterrissaram em Israel na segunda-feira à noite, com grande pompa na Base Aérea de Nevatim no Negev. Eles foram recebidos com grande cerimônia pelo governo de Israel, incluindo o presidente Reuven Rivlin, o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, o ministro da Defesa Avigdor Liberman, a secretária de Defesa dos EUA, Ash Carter, o chefe de Estado-Maior das IDF Gadi Eizenkot, o comandante da Força Aérea israelense Amir Eshel e altos funcionários da IAF.

“‘O caça Adir redefine as habilidades de dissuasão de Israel. Ele redefine o braço longo do IDF. Ele redefine o reino de nossa capacidade de operar’, observou o presidente Rivlin.

“‘Qualquer um que pensa em nos destruir coloca-se em perigo de extinção’, disse o primeiro-ministro durante a cerimônia de boas-vindas para os “poderosos” caças Adir.

Pergunta: Qual é a sua opinião sobre as grandes esperanças que estão inseridas nessa aquisição?

Resposta: Eu não acho que quaisquer grandes esperanças estejam conectadas a isso. Esses aviões constituem um elemento dissuasor, assim como uma arma nuclear. Por outro lado, é perigoso porque quando você tem uma arma desse tipo: ela incentiva você a usá-la. Mas um elemento dissuasor como esse é realmente imperativo estar em seu poder e não em poder dos seus inimigos.

Em princípio, isso não indica nada. Nós só nos fortaleceremos quando fortalecermos nosso espírito. Afinal de contas, os filhos de Israel sobrevivem não porque temos uma arma estrangeira ou algo semelhante, mas porque estamos conectados com as nossas raízes, que devemos levar ao seu estado final, o que significa que temos que levar todos os povos do mundo a uma boa conexão entre eles.

Assim, os aviões não nos ajudarão, mas sim a compreensão adequada de nossas tarefas ideológicas. Se sairmos especificamente com essa arma e com o poder do espírito, podemos vencer todas as forças do mal e trazer o mundo ao estado correto.

Comentário: Apesar de tudo, isso relaxa de certa forma a pessoa. Ela pensa: “Nós já temos aviões, temos a Cúpula de Ferro. Em geral, esse é algum tipo de proteção”.

Minha Resposta: É verdade, mas isso é uma pequena compensação pelos danos espirituais que estamos causando a nós mesmos. Não podemos cobrir isso com aquilo porque precisamos levar o mundo a uma boa conexão.

E nós estamos fazendo exatamente o oposto. Assim o ódio contra nós crescerá, nossos oponentes se tornarão mais fortes; eles estão cada vez mais perto de nossas fronteiras e estão equipados tanto quanto nós. Portanto, nós precisamos pensar no que estamos fazendo com tudo isso. Eu transformaria os cem milhões de dólares gastos com o avião em educação. Isso proporcionaria benefícios e segurança muito maiores.

De KabTV “Notícias com Michael Laitman” 14/12/16