Textos na Categoria 'Homem e Mulher'

Reabasteça-se Para O Benefício Do Outro

631.2Pergunta: O que acontece quando estudamos Cabalá? Homens e mulheres começam a sentir sua natureza?

Resposta: Primeiro eles começam a entender e sentem que são completamente opostos um ao outro: no corpo, na mente, na consciência e na visão do mundo. Acabamos de obscurecer tanto essa distinção que nem prestamos atenção a ela e parece que ela não existe.

Achamos que, dessa forma, podemos chegar a algum tipo de entendimento mútuo, igualdade de gênero e assim por diante. Isso não é verdade. Devemos entender claramente a diferença entre um homem e uma mulher, porque quando cada um de nós está na posição certa, podemos somar e nos reabastecer para o benefício do outro.

A Cabalá fala sobre como precisamos nos unir, preservando nossas contradições e até mesmo tornando-as mais proeminentes. Quando mostro a uma mulher que ela é uma mulher aos meus olhos e a mim mesmo como homem, não nos apresentamos imediatamente a algum tipo de relacionamento íntimo.

Falamos no nível mental, emocional, no nível de educação e interação. Com isso, mostramos como somos opostos, mas ao mesmo tempo como podemos nos complementar. A Cabalá explica como um homem e uma mulher devem estar interligados.

Parece-nos que na natureza essa conexão, por exemplo, entre um homem e uma mulher, é muito mais simples. Na verdade, não é tão simples. Não vemos suas diferenças internas, como interagem entre si. Se aceitássemos corretamente nossas diferenças, isso nos levaria a uma cultura, esfera de comunicação e construção de outras instituições sociais completamente diferentes.

Nós nos comunicaríamos de uma maneira completamente diferente no trabalho, nas férias e nas interações entre famílias. Teríamos outros programas de TV e rádio. Jogos, esportes, tudo pareceria diferente.

De KabTV, “Close-up”, 11/08/09

Como Encontrar O Amor Verdadeiro

627.1Comentário: Anna escreve para você: “Não existe amor neste mundo? Se não houver, a que este mundo se apega? Tenho 22 anos, quero encontrar alguém para amar. Eu quero não apenas conexões, não apenas famílias e filhos, mas que tudo esteja impregnado de amor. É possível, não é? Como você chegou a isso?”

Minha Resposta: Não acho que isso seja possível.

Isso só acontece se ela começar a se empenhar em se elevar ao próximo estágio de desenvolvimento, onde sentirá o sentido da vida ao se elevar ao nível do sentido da vida, isto é, acima dessa vida, de onde essa vida vem. Eu desejo isso a ela.

Eu entendo que isso soe muito rude, mas neste nível não encontraremos qualquer justificativa para nossos sonhos, impulsos por nós mesmos. Nenhum. Precisamos reciclar os jovens, mas eles próprios se recuperam da vida. Eles são muito mais inteligentes hoje.

Pergunta: O que eles devem aprender, o que devem fazer?

Resposta: Que não existe amor no sentido com que eles sonham.

Esse é o reflexo do amor mais elevado, que puxa a pessoa para o sentido da vida. Existe sentimento, atração, conexão e satisfação completamente diferentes. É preciso chegar lá, é eterno, perfeito.

Comentário: Tantos romances, séries de TV e outras coisas injetam em uma pessoa essa infusão desse amor.

Minha Resposta: Isso só confunde as pessoas! Todos os motivos de uma pessoa devem estar na direção espiritual, e lá ela encontrará a resposta para tudo.

E do ponto de vista biológico, você tem que encontrar um par adequado para você, constituir família, cuidar deles e dar continuidade à sua família. Como acontecia em todas as famílias tradicionais até o século XX, ou, digamos, até o século XVIII.

Ou os pais procuravam marido e mulher semelhantes, ou encontravam um casal no ambiente imediato, da mesma aldeia, do mesmo bairro, dos mesmos círculos. E havia famílias fortes porque procuravam alguém semelhante a elas.

Pergunta: Que conselho você daria a essa garota, Anna?

Resposta: Desejo que ela procure um marido que seja adequado para ela não pelo amor, mas pelas aspirações, gostos, à semelhança de seus pais. Ela precisa conhecer a mãe dele e ver se é como ela. Quer dizer, essa Anna se parece com a mãe do rapaz? E se ela for parecida, isso já é garantia de uma família forte. Um homem deve ver sua esposa como parte de sua mãe.

Pergunta: Ela está nele?

Resposta: Não importa o que ela vê nele. O principal é que quando ele vir nela uma parte de sua mãe, ele já a tratará com cautela, com amor, com medo, como uma criança com a mãe.

Pergunta: Então isso pode ser chamado de amor?

Resposta: Claro. O que é o amor senão apegos e hábitos? Como dizia o meu professor: “O amor é um bicho que precisa ser alimentado muito com concessões. E quando cresce, pode ser chamado de amor”.

De KabTV, “Notícias com o Dr. Michael Laitman”, 22/02/21

No Estágio Intermediário

As mulheres conquistaram muito neste mundo porque assumiram as funções de criação e educação. Elas quase que imperceptivelmente vieram para a linha de frente e, como se costuma dizer, “giram o mundo”.

E os homens foram originalmente criados pela natureza de tal forma que devem satisfazer os desejos das mulheres. Mas quando isso vai em detrimento da interação correta entre homens e mulheres, o mundo assume a forma que vemos.

559Comentário: Hoje tudo acontece exatamente de forma oposta. Uma mulher faz carreira acreditando que está doando mais, e o homem é uma espécie de lado receptor.

Minha Resposta: Hoje estamos em um estágio intermediário em que ainda não descobrimos quem somos e o que somos. Estamos passando do velho mundo para um novo e tudo está mudando muito rapidamente.

Neste estágio, devemos entender que vagamos para um lugar errado, destruímos os alicerces naturais dos animais, nos separamos deles e seguimos nosso egoísmo que nos guiou para o lugar errado.

Existem duas propriedades na natureza: doação e recepção. Nós apenas perseguimos a recepção e a utilizamos indevidamente. Nosso egoísmo, que está se desenvolvendo e nos pressionando a cada geração, nos levou a uma crise global comum.

Essa crise inclui educação, criação, família, interações entre um homem e uma mulher, entre filhos, todas as nossas relações sociais: o estado, o mundo, ecologia, economia, ciência, cultura e assim por diante.

Isso simplesmente não funcionará e teremos que resolver isso. Então nos levará a entender por que tudo isso aconteceu e o que devemos fazer a seguir.

De KabTV, “Close-up”, 11/08/09

Conselhos Para Os Solitários

961.2Comentário: Uma grande tendência no mundo hoje é a solidão. Um ministro para a solidão já foi nomeado na Inglaterra e agora um ministro para a solidão foi nomeado no Japão.

Irina nos escreve: “Que terrível solidão! Como cheguei a isso, não entendo. Sempre fui amigável, aberta e de repente – sozinha! Casa vazia, coração vazio, o telefone está em silêncio. E eu não quero ligar para ninguém. Tão sozinha que não tenho forças! E tanta solidão ao meu redor! Como podemos viver sozinhos?”

Minha Resposta: Você não pode. Se você criasse um clube para os solitários, eles não iriam lá de qualquer maneira.

Pergunta: Eu me pergunto por quê? É verdade, ela e todos os outros ficam sentados em casa por algum motivo. Você deve procurá-los, ministérios devem ser construídos para eles. Isso é um problema!

Resposta: O fato é que nenhum ministro ajudará aqui, nenhuma decisão de cima, de governos, ajudará. São apenas pretextos para mostrar que cuidamos dos solitários. Não vai ajudar de forma alguma.

As pessoas percebem que não conseguem encontrar o sentido da vida no casamento. Elas não podem encontrar o sentido da vida no trabalho e, naturalmente, nem na amizade. Em nada. Então qual é o ponto? Por que eu deveria sair da cama pela manhã? Não há razão, nenhum estímulo para se mover, pensar, falar ou fazer qualquer coisa. O mundo congela como resultado.

E qual é o ponto? Só se descobrirmos o sentido da vida, que está acima desse estado. Só se de alguma forma conseguirmos contar aos outros, mostrar, sacudir as pessoas e acordá-las. Do contrário, francamente, tudo terminará com alguém vendendo comprimidos que o farão dormir para sempre.

E as pessoas vão comprá-los. Sem dúvida! Terão prazer em tomar um comprimido com um gole d’água, deitar-se e pronto. O que acontece depois não importa.

Comentário: Isso não parece muito lógico. Se um homem se sente mal, ele logicamente começa a procurar.

Minha Resposta: E o que ele pode fazer se não encontrar uma saída? Por que viver?

Pergunta: E se conectar com outras pessoas, pelo menos algum tipo de conexão?!

Resposta: Eles se reúnem em alguns clubes, mas isso também acaba.

Pergunta: Esta não é a solução?

Resposta: Claro que não.

Pergunta: Isto é, até que uma pessoa penetre no sentido da vida. Isso está acontecendo agora e é por isso que vemos essa tendência?

Resposta: Sim. A pessoa tem que romper uma barreira que se manifesta em completa apatia para com tudo. Só então ela pode descobrir uma vida totalmente nova. Ou seja, de certa forma, é a morte. Passando por essa barreira, descobrimos que existe outra vida, um tipo diferente, e agora posso começar a vivê-la.

A pessoa deve perceber, concordar e querer desistir dessa vida – essa busca egoísta constante de algo. Uma vez que ela concorde com isso de alguma forma, estará pronta para a próxima vida.

Pergunta: Qual é o seu conselho para uma pessoa solitária que se sente sozinha a ponto de ter uma necessidade terrível em sua alma?

Resposta: Meu conselho: vá ao nosso site e leia. Não há mais nada que eu possa recomendar. Do fundo do meu coração, preferiria não dizer isso, mas não posso oferecer mais nada.

De KabTV, “Notícias com o Dr. Michael Laitman”, 22/02/21

Pesquisa Cabalística

632.3Pergunta: Em que pesquisa a Cabalá se baseia quando fala da relação entre um homem e uma mulher?

Resposta: Eu acredito que nenhuma ciência, exceto a Cabalá, tem a base para falar sobre um homem, uma mulher, seu relacionamento, sua natureza, de onde vêm, por que foram criados desta forma e existem neste relacionamento.

Tudo isso vem do fato de que a Cabalá se abre para nós no mundo superior, em nossas raízes. Com base nelas, já podemos falar sobre algo.

Por que a Torá diz: no início, um homem foi criado e então ele foi dividido em dois? Por que existem dois gêneros e nenhuma criatura que se reproduz ou não se reproduz? Tudo isso é revelado pela ciência da Cabalá.

Ela explora nossas raízes espirituais, ou seja, as forças a partir das quais os mundos espirituais se desenvolveram gradualmente. No processo de seu desenvolvimento, essas forças desceram, e uma pequena centelha, a energia do mundo espiritual, irrompeu no volume do universo então vazio e começou a criar matéria nele: estrelas, galáxias, nebulosas, planetas, até que, no final, criou a Terra. Então a vida começou a se desenvolver em nosso planeta.

Esses processos são estudados na Cabalá. E se estamos falando do fim da criação, que vai de cima para baixo, então um homem, uma mulher, seu desenvolvimento histórico, sua relação um com o outro, e a que eles chegaram hoje, tudo isso vem das mesmas raízes espirituais. Portanto, ao fazer uma pergunta sobre o relacionamento entre um homem e uma mulher no nível terreno, não podemos entender a resposta.

Embora eu tenha grande respeito por psicólogos, sociólogos, sexólogos e outros cientistas, posso dizer que eles têm apenas um pequeno conhecimento fragmentário de observações em nosso mundo, que estão constantemente mudando e se contradizendo. E a Cabalá responde a isso de uma única raiz.

Mas o problema é que a Cabalá estava escondida até agora porque o mundo ainda não tinha condições adequadas para as pessoas começarem a praticá-la. Eles não precisavam dela.

Portanto, por muito tempo, a Cabalá não se desenvolveu apegada ao nosso mundo. Só agora está começando a se envolver nisso.

De KabTV, “Close-up”, 11/08/09

Elementos Opostos da Criação

546.02Pergunta: De acordo com a Cabalá, qual é a principal diferença na natureza das partes masculina e feminina?

Resposta: Absolutamente tudo. Não há nada mais oposto na natureza do que um homem e uma mulher. Além disso, essa diferença aumenta o tempo todo; começa a se manifestar em objetos inanimados, até mesmo em minerais, depois em plantas, ainda mais em animais e ainda mais em humanos.

Ou seja, um homem e uma mulher desenvolvidos, se realmente são altamente desenvolvidos como personalidades, representam os elementos mais opostos da criação. Não pode haver nada semelhante neles. Portanto, é muito difícil para eles chegarem a algum tipo de acordo, eles simplesmente não se entendem e não podem de forma alguma se aproximarem para se assemelharem.

Pergunta: Ou seja, todas as tentativas de entender a visão de mundo de cada um, em princípio, fracassam?

Resposta: No final, sim. Vemos que aos poucos estamos entrando em uma grande crise: os filhos saem de casa, os pais se divorciam, não suportam um ao outro, a pessoa se odeia.

Ela não só não consegue se dar bem com o sexo oposto, mas também tem todos os tipos de impulsos anormais e realização de necessidades sexuais. Em geral, gênero, casamento, família e filhos, tudo isso em nosso tempo está literalmente começando a desmoronar e sair do controle das leis e condições anteriores.

Portanto, existe uma metodologia Cabalística que explica como podemos realmente chegar à unidade. É todo um sistema de conhecimento.

De KabTV, “Close-up”, 11/08/09

Vá Além Das Nossas Vidas

631.5Pergunta: Por que os homens e mulheres de hoje não querem obrigações um com o outro?

Resposta: Por quê? Nos ciclos de vida passados, eu nasci com um novo egoísmo, muito maior do que nos ciclos anteriores. O egoísmo em uma pessoa cresce a cada dia, a cada minuto e, assim, nos desenvolvemos. Estamos constantemente criando algo novo no mundo, avançando na ciência, na arte, na cultura, construindo novos relacionamentos, fazendo revoluções. Os animais não têm isso; seu egoísmo é constante. Pegue um animal há quinhentos anos e hoje, eles são praticamente a mesma coisa.

Se você pegar uma pessoa das gerações anteriores e atuais, há uma grande diferença. Nossos filhos não nos entendem mais. Mesmo que nos comparemos com dez anos atrás e hoje, não nos entenderemos.

O fundamento egoísta, que está mudando em nós o tempo todo e requer que nos desenvolvamos em busca de realização, é qualitativamente diferente. Por exemplo, nas gerações anteriores, vivemos no que é chamado de estado animal – como nascemos, é assim que devemos ser.

Digamos que nasci na família de um lavrador, ferreiro, alfaiate ou sapateiro. Isso significa que vou herdar também a ocupação do meu pai, suas ferramentas e até suas roupas, vou construir uma casa ali perto, vou me casar com a filha de um vizinho.

Tudo se encaixa. Um homem sentia que precisava disso e isso o ajudava. Ele sentia, essa é a minha estrutura, ela me provê, ela me protege. Ele se sentia bem.

Lembro que até meus avós não tinham registro de casamento. Eles se casaram de acordo com o costume nacional, fizeram uma chupá e foi só. Então, quando meu avô morreu, e foi necessário reescrever os atos do estado civil, eles levaram várias testemunhas, os mesmos velhos, e eles testemunharam que eram marido e mulher.

O casamento não era uma obrigação humana. Era um ambiente natural de comunicação para ele. Ele criou em torno de si sua casa, sua família, seu quintal, seu jardim, ao lado de seus pais, algum tipo de comunidade, cidade, talvez até mesmo um país, estado e assim por diante.

Ou seja, uma pessoa naquela época queria criar algum tipo de casca em torno de si na qual pudesse existir. É assim que um animal age, criando sistemas de proteção ao seu redor. Mas, repentinamente, ao longo do século XX, quebramos essa estrutura e começamos a nos mover do nível de desenvolvimento animal para o nível humano. Foi dito na Cabalá, vários milhares de anos atrás, que tal revolução ocorreria no século XX.

Uma pessoa é aquela que não tolera nenhum enquadramento, deve sair deles. Surge, portanto, uma nova cultura, ciência, relações na família e na sociedade. Agora, todos são iguais, não há fronteiras, não dou ouvidos a ninguém. O homem está tentando se libertar de tudo. Até mesmo ir para o espaço é a realização de nosso desejo de entrar em um estado superior, na dimensão externa.

Embora ainda não o sintamos, esse é o sentido da aspiração do homem, de ir além do marco da nossa vida, desses setenta anos em que existimos. Eles me constrangem, eu vejo o começo e o fim e, portanto, toda esta vida é como uma prisão. Tenho que encontrar algo superior, fora desta vida.

Se uma pessoa não consegue responder às perguntas, “por que e para quê”, ela negligencia todo o resto. Para ela, todo o resto não é mais importante. Exista o mais facilmente possível, e isso é tudo.

De KabTV, “Close-up”, 11/08/09

Veja O Universo Em Sua Totalidade

294.3Pergunta: Qual é, de acordo com a Cabalá, o objetivo que pode selar um casamento entre um homem e uma mulher?

Resposta: A harmonia universal, que pode ser alcançada se você souber lidar com sua natureza e com o mundo que nos rodeia. Não estamos apenas em desacordo um com o outro, mas também com ela. Dada a perturbação do meio ambiente e tudo o que está acontecendo ao nosso redor, estamos caminhando para a destruição.

Precisamos aprender com a natureza a interconexão correta, a chamada homeostase, quando tudo está equilibrado; todas as partes da natureza estão harmoniosamente conectadas entre si, e nós somos sua parte integral.

E nós, ao contrário, nos separamos da natureza, nos colocamos acima dela dizendo que podemos fazer o que quisermos. Como resultado, destruímos a nós mesmos e nosso meio ambiente. Somos como um tumor cancerígeno devorando tudo ao nosso redor e a nós mesmos.

Pergunta: Todos esses fenômenos: indisposição para casar, barriga de aluguel, venda de células-tronco de um bebê por nascer, são o resultado do desenvolvimento de nosso egoísmo desenfreado?

Resposta: Sim. E não só isso. Precisamos nos reconstruir completamente. Mas isso só é possível quando toda a natureza é revelada ao homem. Hoje vemos apenas um pequeno fragmento de nosso mundo.

Não vemos de onde viemos e para onde vamos, não vemos a natureza geral, não sabemos de onde vêm os acontecimentos, o que acontecerá em um minuto. Não vejo as forças que me controlam. Eu vejo que a humanidade está evoluindo. Mas como?

Sem pensar; não está claro como. Portanto, eu preciso descobrir o que a natureza exige de mim. Quando eu perceber toda a perspectiva, quando começar a entender todas essas forças, todo o programa, pensarei razoavelmente.

Portanto, a Cabalá é chamada de “ciência secreta” porque revela a parte oculta do mundo para nós. Assim que começarmos a ver isso, faremos a coisa certa. O principal é ver.

De KabTV, “Close-up”, 11/08/09

O Destino Das Mulheres

962.7Pergunta: É importante para a mulher ter algo próprio. E um homem não tolera mais nenhuma estrutura. Por quê?

Resposta: Uma mulher também vai além de seus limites. Antes, o principal para ela era a casa, a família, os filhos e um marido. Ela nem precisava sair de casa.

Pergunta: É possível que o ambiente a forçou a fazer isso?

Resposta: Não, ninguém a forçou a fazer nada. Isso é realmente verdade. Se uma mulher tem filhos e tudo é normal na família, então esta é a existência certa para ela.

Hoje, ela não recebe nenhuma satisfação de seus filhos, marido ou família. Uma pessoa ainda precisa existir para algo, deve receber prazer. Portanto, a mulher, não se sentindo realizada, sai para o mundo exterior, eu diria, por desespero, por não obter satisfação na família.

Comentário: Estudos dizem que mulheres casadas têm uma psique muito instável. Elas são obrigadas a consultar constantemente um psicólogo.

Minha Resposta: Isso é terrível. Uma mulher é criada para uma família e filhos. Sempre foi assim, especialmente na comunidade judaica, onde cuidavam para que nenhuma jovem ficasse sem noivo, de modo que o casal sempre tivesse pelo menos algum salário digno. Isso é realmente ordenado a nós.

O dever da sociedade não é deixar a mulher sozinha, mas criar para ela o ambiente para o qual ela foi criada pela natureza. Portanto, uma função social muito importante era o casamento, a tutela e o cuidado com os jovens casais. A sociedade não deixava isso apenas nos ombros dos pais.

Matchmaking (Casamenteiro) não é apenas uma profissão interessante, mas uma solução para uma ampla gama de problemas sociais. Esta instituição assistencial existe desde a antiguidade, já tem milhares de anos. Baseia-se em motivos muito sérios – não deixar uma única pessoa sem que ela faça parte de sua família devidamente constituída, dentro da qual deveria existir.

De KabTV, “Closeup”, 11/08/09

Entenda A Natureza Um Do Outro

961.2Comentário: Hoje, as pessoas não querem obrigações umas com as outras e por isso não se casam.

Minha Resposta: Uma pessoa é egoísta. Se ela entendesse que o casamento realmente a preencheria e que foi criado para que ela pudesse dar e receber no casamento, veria que não há nada melhor.

Mas para isso, uma forma de comunicação precisa ser criada para que um homem seja satisfeito por sua esposa, filhos e família para que ele tenha exatamente essas necessidades, qualidades, desejos que não são alterados artificialmente para que ele seja forçado a fugir à noite em algum lugar para clubes, bares.

É o mesmo com uma mulher. Ela deve estar determinada a criar para sua família, seu marido e seus filhos as condições das quais ela própria desfrutará. Portanto, uma educação adequada é necessária aqui. Não importa que nos tornemos mais egoístas. O egoísmo maior, na verdade, deve nos levar ao próximo nível.

Devemos educar meninos e meninas adequadamente, ensiná-los a interagir uns com os outros e não dar-lhes apenas aulas sobre sexo nas escolas. Acontece que estamos apenas ensinando aos animais as relações sexuais corretas, mas não ensinamos as pessoas como se conectarem adequadamente, como se compreenderem e se complementarem.

Se não lhes dermos essa educação, a próxima geração será miserável. Eles chegarão a alguma interação mecânica, a algo incompreensível.

A Cabalá diz que tudo na natureza é construído com base na reposição, na harmonia. Essa reposição depende da compreensão da natureza de cada um.

Lembro quando estava no primeiro ano do instituto, tínhamos um professor, Svyadoshch Avraam Moiseevich. Ele nos levou a diferentes hospitais para cirurgias para nos mostrar as condições extremas em que as pessoas se encontram imediatamente após um acidente, durante um parto difícil ou após um transplante de coração.

E nós, meninos de dezoito ou dezenove anos, ficamos muito abalados com isso. Quando saímos da maternidade, foi um choque: como é difícil dar à luz, quanto sangue, quanta dor. Quase choramos, olhando para as mulheres em trabalho de parto. Nossa atitude em relação a muitas coisas mudou. Começamos a tratar até mesmo as meninas de nosso grupo de maneira diferente.

Com base no que vivi, levaria todas as crianças em idade escolar a hospitais, maternidades e necrotérios para explicar e mostrar às crianças o que significa a vida, quando você passa por todos os estados, desde o nascimento, passando por vários problemas, ferimentos, morte, até o cemitério, tudo isso é necessário. E eu faria isso com uma preparação preliminar muito séria, para que as crianças não tivessem traumas psicológicos. É assim que se constrói uma compreensão e uma atitude adulta perante a vida.

De KabTV, “Close-up”, 11/08/09