Textos na Categoria 'Facebook'

“O Botão De Reinicialização”

Dr. Michael Laitman

Da Minha Página Do Facebook Michael Laitman 09/10/20

Em contraste com a perspectiva humana egoísta, a natureza visa conectar todos os seus elementos em um único todo harmonioso. Dentro desse todo harmonioso, cada parte recebe o que precisa para seu sustento e dá de acordo com sua capacidade para o benefício do todo – semelhante ao funcionamento saudável das células e órgãos do corpo humano.

Enquanto a qualidade egoísta da humanidade se chocar cada vez mais com a qualidade altruísta da natureza, experimentaremos mais e mais golpes. Golpes da natureza podem aparecer como pandemias globais, como vivemos agora com o coronavírus, assim como em uma miríade de outras formas, como desastres ecológicos, por exemplo.

“Simchat Torah”

Dr. Michael Laitman

Da Minha Página Do Facebook Michael Laitman 09/10/20

Quando nos reunimos com pessoas que também desejam superar sua inclinação egoísta e exercer uma influência positiva no mundo, nos preparamos para receber a Torá. Ao fazer isso, estabelecemos as bases para uma sociedade capaz de mudar a direção caótica atual que o mundo está trilhando para uma direção positiva e equilibrada.

Então, podemos nos alegrar em nosso reconhecimento da causa real de todos os nossos problemas – nossa natureza egoísta – e em termos os meios à nossa disposição para redirecionar esta natureza para uma boa direção de conexão, amor e doação. Esse já é um grande passo em direção à reforma de que fala a Torá.

Boas festas a todos!

“O Que É A Alegria Em Simchat Torah?”

Dr. Michael Laitman

Da Minha Página Do Facebook Michael Laitman 09/10/20

Sexta-feira é o dia de Simchat Torah [lit. A Alegria da Torá]. Neste dia, celebramos a conclusão do ciclo de leitura das porções da Torá e o início de um novo ciclo. Mas por que completar um ciclo de leitura apenas para recomeçar é um motivo de comemoração? Não é. Se olharmos apenas para o nível superficial das coisas, não há nada para comemorar.

Se quisermos dar sentido a este dia festivo, temos que ir além do exterior, para o interior, o verdadeiro significado da Torá. Está escrito: “Eu criei a inclinação ao mal; Eu criei a Torá como um tempero” (Masechet Kidushin). Isso significa que a Torá não é uma parte do texto que devemos recitar sem aplicar seu conteúdo a nós mesmos, mas um meio para corrigir nossa inclinação ao mal. Se a usarmos para qualquer outro propósito, estaremos perdendo o ponto principal.

Se conseguirmos corrigir nossa inclinação ao mal, teremos um motivo para comemorar. Se não fizermos isso, devemos continuar trabalhando até atingir o estado de Simchat Torah, ou seja, a correção de nossa inclinação ao mal através do “tempero” da Torá.

Em hebraico, a palavra Torá significa “luz” e “instrução”. A “luz” nela é considerada como “a luz que reforma”, uma força que “corrige” nossa inclinação ao mal em uma inclinação ao bem. A parte “instrução” da Torá se refere ao que temos que fazer para nos “reformar”, e isso é amar nosso próximo como a nós mesmos. O velho Hilel disse sobre isso: “O que você odeia, não faça ao seu próximo; esta é toda a Torá” (Masechet Shabbat, 31a), e o Rabi Akiva acrescentou: “Ame o seu próximo como a si mesmo; esta é a grande regra da Torá” (Jerusalém Talmud, Nedarim, 30b).

No momento, o festival de Simchat Torah é simplesmente um lembrete do que devemos fazer e, nesse sentido, estou feliz com isso. Mas, na verdade, não temos motivo para comemoração, pois nada existe além do amor pelos outros entre nós. Mesmo que não fôssemos corrigidos, mas pelo menos quiséssemos usar a “luz” para nos reformar, já seria motivo de comemoração. Mas, atualmente, não vejo que estejamos reconhecendo nossa necessidade desesperada de mudar ou que estejamos dispostos e nos sintamos responsáveis ​​pelo estado de nossa nação.

A situação é ainda mais grave quando se trata de nossas relações com as nações do mundo. Como judeus, estamos constantemente sob os olhos vigilantes do mundo. Elas nos julgam por um padrão diferente do que julgam qualquer outra nação, e com bons motivos: elas sentem que é nosso dever trazê-las à luz, para ser “uma luz para as nações”. Isto é, não só devemos usar a luz que reforma sobre nós mesmos, mas também devemos transmiti-la para que o resto do mundo possa se livrar da inclinação ao mal. Mesmo que as nações não articulem esse pedido explicitamente, a acusação de que estamos causando tudo o que há de mal no mundo é, na verdade, o outro lado de dizer “Vocês não estão trazendo a luz que deveria, a luz que irá reformar nós e acabar com o mal entre nós”.

Até mesmo nossos próprios sábios nos dizem que nossa tarefa é trazer a luz da unidade ao mundo, e quando não fazemos isso, infligimos problemas às nações. O Talmude escreve: “Nenhuma calamidade vem ao mundo, senão por causa de Israel” (Masechet Yevamot, 63a). O Midrash é ainda mais específico: “Esta nação, a paz mundial habita nela” (Beresheet Rabbah, 66).

Nós vemos que quando os antissemitas nos acusam de causar guerras, eles estão de fato dizendo a mesma coisa que nossos sábios vêm dizendo há gerações, mas nos recusamos a ouvir. Como não quisemos ouvir, recebemos antissemitas para nos intimidar e nos forçar a ouvir. Talvez se tentássemos fazer o que nossos sábios, que certamente querem o nosso melhor, vêm nos aconselhando há milênios, não estaríamos sofrendo de antissemitismo até hoje, oitenta anos após os horrores do Holocausto.

O Livro da Consciência escreve: “Nós recebemos o mandamento de cada geração de fortalecer a unidade entre nós, para que nossos inimigos não nos governem”. Com estas palavras, eu gostaria de desejar a todos nós que, no próximo ano, nos unamos “como um homem com um só coração”, aprendamos o verdadeiro significado da Torá, regozijemo-nos nela e mereçamos as palavras do Rei David nos Salmos 29, “O Senhor dará força ao Seu povo; o Senhor abençoará Seu povo com paz ”.

“Sobre A Natureza Da Empatia”

Dr. Michael Laitman

Minha Página Do Facebook Michael Laitman 08/10/20

Neste exato minuto, cerca de 10.000 pessoas estão ocupadas tentando salvar o mundo de outro desastre natural. Ao mesmo tempo, a Amnistia Internacional informa que nos 28 anos entre 1989 e 2017, quase 2,5 milhões de pessoas morreram em conflitos armados. Quando nos concentramos no sofrimento pessoal, como quando uma criança é retirada das ruínas de um prédio destruído por uma bomba ou um terremoto, nossos corações se encolhem de compaixão.

Na verdade, não precisa ser um ser humano que está sofrendo. Existem muitos vídeos comoventes nas redes sociais, mostrando animais tentando desesperadamente atravessar uma estrada ou ajudar a se defender contra predadores, e nós nos solidarizamos profundamente com eles. Mas quando milhões morrem pela guerra, fome ou doença, quando dezenas de milhões são abusados ​​pela escravidão, tirania e incontáveis ​​outras formas de exploração, ficamos quase sempre entorpecidos e apáticos. Podemos nos perceber como indivíduos atenciosos porque sentimos muito pelos indivíduos fracos, mas nossa indiferença ao sofrimento das nações e das massas expõe nossas motivações egoístas. É importante reconhecer isso porque, uma vez que o reconhecemos, podemos começar a nos transformar em indivíduos genuinamente atenciosos.

Se pudermos nos colocar no lugar de outra pessoa, podemos sentir empatia. Mas isso não é gentileza; é imaginar como me sentiria se estivesse nessa situação. Não é apenas egoísta, mas também nos leva a pensar que somos gentis e nos faz sentir bem conosco mesmos. Nada retarda mais nossa transformação em indivíduos verdadeiramente atenciosos do que pensar que já somos gentis.

Se quisermos uma imagem mais verdadeira de nós mesmos, devemos examinar como nos sentimos a respeito de qualquer sofrimento, como nos sentimos responsáveis ​​e se isso nos impulsiona ou não a uma ação positiva em direção à conexão, em direção à unidade.

O sentimento de comunhão existe dentro de nós, mas está profundamente enterrado. A natureza está nos pressionando para reativá-lo, mas se não iniciarmos, ela terá que nos empurrar até o fim e isso será um processo muito doloroso. Podemos ver o que a natureza já está fazendo ao nosso planeta, às plantas, aos animais e às pessoas. Já existe a extinção de espécies inteiras, queima de florestas em grandes extensões de terra, enchentes que destroem milhões de hectares, pessoas morrendo de fome em todos os lugares, do Terceiro ao Primeiro Mundo, e uma pandemia global que está causando estragos em nossa ordem social. Tudo isso é uma “tentativa” da natureza de nos levar à ação, de desenvolver responsabilidade e cuidado mútuos, em vez do individualismo narcisista atual.

Se permitirmos que a natureza trabalhe sozinha e não iniciarmos a correção de nossa natureza por nossa própria vontade, ela o fará, mas a trilha que leva até lá será longa e sangrenta, encharcada de suor e lágrimas. Não há necessidade de sofrer assim. Podemos começar a trabalhar em nossa mutualidade neste minuto. Mesmo se não tivermos sucesso, nossos esforços funcionarão e iremos mudar. É muito melhor tentar e falhar e tentar de novo até que funcione e aprendermos a cuidar uns dos outros, do que não tentar fazer com que a natureza nos mude à força.

Por Que A História De Jonas É Mais Importante Hoje Do Que Nunca

Dr. Michael Laitman

Da Minha Página Do Facebook Michael Laitman 27/09/20

A história de Jonas explica que precisamos colocar o benefício dos outros à frente do nosso.

Ela começa com Deus dando uma missão a Jonas, que é passar uma mensagem ao povo de Nínive de que eles precisam se arrepender de seus maus caminhos e mudar suas atitudes de ódio para amor.

Jonas, porém, insatisfeito com a missão, escapa embarcando em um navio e partindo. Sua fuga desencadeia uma tempestade. Os marinheiros finalmente compreendem que Jonas está por trás da tempestade e, como resultado, o empurram para o mar. No oceano, Jonas é engolido por uma baleia, passa três dias e três noites em sua barriga e depois é descarregado para a terra, onde segue para Nínive para completar sua missão.

A história de Jonas tem um significado imenso para o povo judeu, e ainda mais hoje do que nunca.

O povo judeu, como Jonas, tem uma missão inescapável. É a mesma missão hoje como era na antiga Babilônia, quando Abraão os uniu como uma nação sobre o fundamento de “amar o seu próximo como a si mesmo”: gerar unidade judaica a fim de se tornar um exemplo positivo de conexão para a humanidade, ou seja, “Uma luz para as nações”.

“A nação israelense foi construída como uma espécie de portal pelo qual as centelhas de pureza brilhariam sobre toda a raça humana em todo o mundo. E essas centelhas se multiplicam diariamente, como quem dá ao tesoureiro, até que sejam suficientemente preenchidas, isto é, até que se desenvolvam a tal ponto que possam compreender o prazer e a tranquilidade que se encontram no cerne do amor aos outros” – Yehuda Ashlag (Baal HaSulam), “O Arvut (Garantia Mútua)”, Item 24.

Ao longo da história, o povo judeu sentiu como funciona a interação entre eles e outras nações: durante os tempos de unidade judaica, por exemplo, o Primeiro Templo, tanto os judeus quanto a humanidade prosperaram; e, ao contrário, durante os tempos em que o povo judeu falhou em se erguer em unidade acima de suas diferenças e divisões, o antissemitismo mostrou sua cara feia junto com várias crises que atingiram o mundo.

Com o passar do tempo, o povo judeu continua falhando em reconhecer sua missão – unir (“amar o seu próximo como a si mesmo”) acima das diferenças (“o amor cobrirá todas as transgressões”) para se tornar “uma luz para as nações” – eles se dirigem cada vez mais para uma situação em que a unidade parece se tornar uma grave impossibilidade.

O ódio de si mesmo pelos judeus sai do controle conforme as divisões entre judeus seculares, religiosos, ultraortodoxos, pró-Israel e anti-Israel tornam-se dolorosamente aparentes. Sem saber, o fracasso do povo judeu em realizar sua missão os leva a uma espiral descendente de ódio infundado e prepara as condições para uma enorme tempestade.

Durante o Holocausto, os marinheiros da história de Jonas se fantasiaram de nazistas; durante os pogroms, eles agiram como russos e europeus orientais; e durante a Inquisição espanhola, eles se tornaram católicos.

Em nossa era, acabamos de sair do ano com os maiores crimes e ameaças antissemitas registrados nos Estados Unidos, e uma década de normalização antissemita em todo o mundo. Logo após uma onda de crimes antissemitas em Nova York no final de 2019, membros da comunidade judaica, legisladores e políticos preocupados começaram a expressar que um “pogrom lento” estava se desenrolando em Nova York e que o próximo Holocausto poderia ocorrer na América – conceitos que antes pareciam impensáveis ​​em relação aos judeus na América.

Nos últimos anos, houve um aumento acentuado de crimes e ameaças antissemitas, paralelamente a um aumento acentuado de muitos outros problemas: depressão, suicídio, abuso de drogas, divisão social, terrorismo e desastres naturais, para citar alguns. Quanto mais a humanidade experimenta crises e problemas, mais seus dedos apontam para os judeus como a fonte de seus problemas.

A história de Jonas descreve as raízes do antissemitismo.

A fuga de Jonas da missão que lhe foi concedida descreve a fuga do povo judeu de seu papel de se unir acima de suas divisões e exemplificar essa unidade para a humanidade.

A percepção dos marinheiros de Jonas como a causa da tempestade, e o lançamento de Jonas ao mar hoje descreve a ascensão dos judeus sendo culpados por todos os tipos de problemas que as pessoas experimentam.

Chegará o tempo em que os judeus terão de ser lançados ao mar e entrar na baleia, ou seja, passar por um sério escrutínio do que significa ser judeu: por que tantas pessoas odeiam os judeus? Além disso, como o povo judeu pode melhorar a situação tanto para si mesmo quanto para o mundo?

A questão é apenas de quanto sofrimento o povo judeu precisará passar até chegar a esse autoexame: A quantidade atual de antissemitismo é suficiente para estimular esse autoexame? Ou será que o povo judeu continuará escapando de sua missão e esse sofrimento terá que assumir proporções de guerras mundiais e holocaustos?

Quando o povo judeu concordar em aceitar seu papel – “amar seu amigo como a si mesmo” e ser “uma luz para as nações” – eles e o mundo experimentarão uma nova tendência para a paz, harmonia e felicidade, ou seja, a baleia que os traz para a margem segura, para Nínive.

Dois Centros Para O Povo Judeu? Talvez, Mas Com Uma Advertência

Dr. Michael Laitman

Da Minha Página Do Facebook Michael Laitman 25/09/20

Não é segredo que, ao longo dos anos, a relação entre os judeus americanos e o Estado de Israel teve seus altos e baixos. Nos últimos anos, teve mais baixas do que altas. Hoje, está em um ponto onde muitos judeus americanos que se preocupam com Israel sentem que ele os aliena, não os aceita como judeus, e certamente não como judeus com direitos iguais.

Além disso, muitos judeus americanos rejeitam totalmente a associação do judaísmo com o Estado de Israel, ou que eles têm qualquer afiliação especial com o estado judeu porque são judeus. Recentemente, o Business Insider publicou uma história sobre judeus americanos condenando ferozmente o presidente Trump por declarações que consideram “antissemitismo de livro”. De acordo com o jornal, “Durante uma teleconferência anual na Casa Branca para homenagear os próximos feriados importantes … Trump disse aos líderes judeus americanos: ‘Nós realmente apreciamos vocês, amamos seu país também e muito obrigado’”. Um líder judeu disse: “É realmente importante que separemos os judeus americanos de Israel – não somos a mesma coisa. É antissemita sugerir que sim”. Outro líder enfatizou, “Trump parece incapaz de compreender o simples fato de que judeus americanos são americanos, ponto final”.

Evidentemente, o abismo entre partes dos judeus americanos e o Estado de Israel é tão grande que existe um completo estranhamento. Mas, embora esses judeus americanos não vejam nenhuma conexão entre eles e Israel, eles se identificam como judeus e se sentem ligados ao judaísmo.

Naturalmente, eu gostaria de ver todos os judeus unidos ao redor do mundo. Mas, realisticamente falando, isso atualmente é impossível. Na verdade, eu não acho que seja uma tragédia que não possamos superar. O ponto importante a se ter em mente não é a conexão dos judeus com o Estado de Israel, mas a conexão dos judeus com outros judeus. Como explicarei abaixo, se os judeus americanos conseguirem isso, eles serão bem-vindos em qualquer lugar e em todos os lugares, e isso eliminaria o antissemitismo.

Embora muitos judeus gostem de se considerar iguais a todos, eles não são iguais a todos e ninguém os trata como tal. Por mais desconfortável ​​que isso nos faça sentir, os judeus são diferentes, e praticamente todo mundo, exceto os judeus, admite isso.

Portanto, não há sentido em declarar que “Judeus americanos são americanos, ponto final”. A verdade é que, para muitos americanos, os judeus americanos são, antes de mais nada, judeus e, depois, talvez americanos. E visto que os judeus são escolhidos de qualquer maneira, é do seu interesse saber como eles podem ser escolhidos para louvor em vez de condenação.

É aqui que a vocação judaica entra em jogo. Os judeus cunharam os termos “Ame o seu próximo como a si mesmo” e “O que você odeia, não faça ao seu amigo”. Os judeus foram incumbidos de ser “uma luz para as nações”, de se elevar acima de seu egoísmo e aprender a amar uns aos outros, apesar das falhas de cada um. Eles foram escolhidos para servir como uma sociedade modelo baseada no amor ao invés de ódio e egoísmo.

Para ser uma sociedade modelo, os judeus americanos não precisam da legitimidade do Estado de Israel. Se eles se unirem, eles se tornarão um exemplo para o resto da sociedade americana, já que os judeus estão constantemente na mente das pessoas de qualquer maneira (na América e em todos os outros lugares). Portanto, uma vez que demonstrem unidade, eles se tornarão naturalmente um exemplo positivo.

Um dos valores centrais do Judaísmo é o Tikkun Olam (correção do mundo). Para muitos judeus americanos, o avanço do Tikkun Olam é uma parte essencial de sua identidade judaica. Ainda assim, não podemos promover o Tikkun Olam até que nós mesmos demos um bom exemplo que as pessoas queiram imitar. Até que o façamos, nossa mensagem simplesmente não terá credibilidade. É por isso que eu acho que o Tikkun Olam deve começar em casa, dentro da comunidade judaica americana. O Rei Salomão escreveu (Provérbios 10:12): “O ódio despertará contendas e o amor cobrirá todos os crimes”. Depois de estabelecerem essa abordagem entre eles, eles serão o exemplo invejável que se esforçam para ser. Até então, os americanos irão considerá-los párias.

Por esta razão, o primeiro objetivo que os judeus americanos devem alcançar é a solidariedade e a unidade internas. Se conseguirem isso, eles brilharão através dos fragmentos cada vez mais escuros da sociedade americana e se tornarão um modelo de sociedade justa e moral que todos se esforçarão em imitar.

“’Celebrando’ O Encerramento Do Ano Novo”

Dr. Michael Laitman

Da Minha Página Do Facebook Michael Laitman 21/09/20

O ano novo hebraico começou com o encerramento. Mas essa foi apenas a declaração oficial. Na prática, cada facção segue seu próprio caminho e tenta amenizar as restrições e torná-las mais convenientes. Nessa marca de guerra, a saúde pública não interessa a ninguém e todos estão perdendo.

O povo de Israel que vive no Estado de Israel não é uma nação. É um coletivo de muitas seitas e facções. Não vejo um coletivo e não vejo uma nação israelense. Por esse motivo, não sairemos mais fortes ou saudáveis ​​com esse fechamento, já que melhorar ou fortalecer não está na cabeça de ninguém. Quanto mais nos afundamos nesta pandemia, mais divididos, odiosos e alienados nos tornamos.

Enquanto continuarmos nossa separação, a chance de cura do vírus é zero. Esse ódio entre nós é exatamente o oposto do que deveríamos estar fazendo, e é por isso que o vírus está vencendo. Já somos o país com o segundo maior número de casos por milhão de pessoas no mundo e estamos rapidamente correndo para o “topo”. Em vez de um modelo para o mundo, uma luz para as nações, nos tornamos o alvo de chacota do mundo.

Se não perdermos tempo enquanto estamos fechando (presumindo que o obedeçamos) para pensar no futuro de nossa nação e o que significa ser o povo de Israel, traremos para nós mesmos um terceiro e mais doloroso fechamento.

Ser Israel significa estar unido. Significa fazer da unidade o valor máximo, acima de todas as nossas diferenças. Temos orgulho de nosso legado de debates e argumentos e frequentemente citamos a Casa de Hillel e a Casa de Shammai como exemplos de duas visões conflitantes dentro da nação. Mas omitimos o que não é conveniente: eles ajudaram a nação a examinar questões essenciais precisamente porque eram parte da mesma nação.

Os chamados debates de hoje não são nada disso. Queremos eliminar nossos dissidentes, não aprender juntos o que é melhor para a nação. Não estamos usando desentendimentos para crescer. Na verdade, não queremos nem crescer, mas obliterar nossos adversários e ficar sozinhos no rinque. Com isso, estamos trazendo sobre nós mesmos nossa condenação.

Não haverá vacina contra a Covid-19, já que o verdadeiro patógeno são nossos egos doentes. Quando mudarmos nossa relação mútua, seremos libertados do vírus. Nossa má vontade o cria, e ele criará patógenos cada vez piores, até que mudemos nossa má vontade em boa vontade.

Atualmente, não estamos fazendo isso. Estamos desafiando o fechamento para sair e protestar, entrar em choque com a polícia e gritar em desafio, sem máscaras e sem distância. Por que não desafiamos o fechamento para nos aproximarmos? Enquanto nossa motivação for destruir, continuaremos a destruir a nós mesmos. Se o mantivermos por tempo suficiente, teremos sucesso.

“Como Não Odiar Meu Filho Por Matar Minha Esposa”

Dr. Michael Laitman

Da Minha Página Do Facebook Michael Laitman 14/09/20

Não muito tempo atrás, eu recebi uma carta de partir o coração que destacou algo com que muitas vezes temos que lidar: a culpa. Como a culpa afeta a todos nós, achei que ajudaria muita gente se respondesse à carta abertamente, sem revelar a identidade do remetente.

“Caro Michael Laitman,

“Meu nome é … e eu moro na Rússia. Sou um ouvinte ávido de suas palestras e nunca perco um show. Devo tudo isso à minha amada esposa, com quem vivi como uma só alma por vinte e oito anos. Não podíamos ter filhos, então adotamos um menino e o criamos com muito amor, principalmente minha esposa. Ela o amava profundamente.

“Quando a pandemia do coronavírus começou, minha esposa e eu tomamos muito cuidado. Trabalhamos em casa, ouvimos suas palestras e concordamos com cada palavra sua. Nosso filho, porém, tratou o vírus como um desafio ou um convite. Ele iria sair e zombar de nossas preocupações. Ele não usaria máscara. Não poderíamos explicar nada a ele com base em suas palavras; ele simplesmente não quis ouvir. Como resultado, ele pegou a Covid e nos infectou também. Lidei com o vírus com bastante facilidade, mas minha esposa não; ela morreu.

“Desde então, não consigo mais olhar para o meu filho. Eu o odeio. Eu entendo que é impossível trazer minha esposa de volta, mas não quero viver com esse ódio pelo meu filho. Além disso, ele também se sente culpado; estou ciente disso, mas não posso evitar. Eu olho para ele, eu desvio meus olhos e mal posso me conter para não explodir sobre ele. Não tenho amor dentro de mim, nenhum mesmo! Querido Michael, como faço para trazer meu amor de volta? O que devo fazer? Como posso perdoar meu filho? Eu não sei o que fazer. Por favor me ajude”.

Por mais angustiante que seja essa tragédia, e talvez por isso seja assim, espero que esta história nos ajude a entender como a natureza funciona e que, na verdade, essa tristeza não é culpa de ninguém. Não é culpa de ninguém, porque assim como o pai não pode evitar odiar seu filho, seu filho não pode deixar de ser imprudente. Não somos donos de nossos pensamentos; eles emergem em nós do mesmo lugar onde tudo emerge. Chame isso de “natureza”, “realidade”, “Deus” ou o que você quiser, mas não sabemos o que pensaremos daqui a um segundo, muito menos o que faremos.

Eu sei que isso não é fácil. Eu também tenho muitos motivos para ficar com raiva. Mas quando você estuda a sabedoria da Cabalá, vê que tudo tem um propósito: levá-lo a revelar a força mais profunda e fundamental da vida, a fonte de tudo, o Criador de todas as coisas. E não só isso, você descobre que o objetivo dela é nos fazer como ela, exatamente iguais a ela. Quando você descobre essa força criativa, percebe que ela nada mais é do que pura bondade. Seu objetivo, portanto, é tornar você, eu e toda a humanidade tão bons quanto ela.

Quando você começa a se tornar como o Criador, mesmo que um pouco, entende por que as coisas acontecem da maneira que acontecem. Até que você se torne assim, é impossível justificar seu filho, ou o Criador, por sua tragédia.

O Criador conduz o mundo ao bem por meio de duas rédeas: prazer e dor. No entanto, sua direção, como acabamos de dizer, é apenas uma – torna-lo como Ele: um doador completo. Os piores cataclismos da história humana, desdobrados como foram nas mãos dessa mesma força benevolente, e com o propósito de nos tornar benevolentes também. E se eles se desdobraram dolorosamente, é apenas um sinal de que devemos aumentar nossos esforços para nos tornarmos como ela, para que não tenhamos que nos apressar nas rédeas da dor.

O coronavírus também vem dessa mesma origem, e seu objetivo é o mesmo: nos tornar bons, amorosos e generosos. No momento, você provavelmente não pode amar seu filho. Mas quando você se conectar com o Criador e começar a se tornar como ele, encontrará dentro de você um amor tão profundo por seu filho e por toda a criação que você nunca soube que existia. Você vai amá-lo mais do que nunca e mais do que você pensou ser possível.

Portanto, meu amigo, não olhe para trás e não perca tempo ou energia remoendo o passado. Isso só vai lhe trazer mais dor. Em vez disso, olhe para cima e encontre o Criador em sua vida. Procure pessoas como você, que desejam conhecer o Criador da vida, a fonte de tudo, e com elas, você certamente terá sucesso.

Boa sorte,
Michael

“Estamos Todos Lutando Contra O Mesmo Inimigo”

Dr. Michael Laitman

Da minha página do Facebook Michael Laitman 07/09/20

Está ficando mais claro a cada dia que estamos lutando contra o mesmo inimigo. Esse inimigo convence alguns de nós de que os democratas são maus e convence outros de que os republicanos são desumanos. Sussurra nos ouvidos de alguns que não há coronavírus e não há necessidade de usar máscaras, e sussurra nos ouvidos de outros que aqueles que não usam máscaras são irresponsáveis ​​e egoístas e colocam a vida de outras pessoas em risco. Este inimigo nos diz que os negros são anarquistas e uma série de outros “elogios”, e ainda diz a outros que os brancos são racistas imorais. Mas, acima de tudo, diz a todos nós: “Sou seu amigo, estou do seu lado”.

Não é. É contra todos nós como sociedade e contra cada um de nós como indivíduos. Ele se preocupa apenas consigo mesmo e não deseja nada além de nossa servidão. É o nosso ego e ele dominou a técnica de “dividir para conquistar”. É hora de nos unirmos e destroná-lo, antes que todos nós nos matememos uns aos outros.

O ego nos cega para nossa dependência mútua. Ele nos faz pensar que estaríamos muito melhor se o outro lado não existisse. Mas um sem o outro, sem nossos opostos, nós mesmos não existiríamos. Somos os dois lados da mesma moeda; você não pode remover um lado da moeda, mas deixar o outro lado. Se você tentar, não sobrará nada.

Assim como não existe um único sistema em todos os níveis da realidade que não dependa de seu oposto, o mesmo ocorre com as pessoas. Não seríamos capazes nem de pensar na vida se não houvesse morte. Não saberíamos o significado da luz se não houvesse escuridão, sentiríamos amor se não houvesse ódio ou sentiríamos compaixão se não sentíssemos crueldade.

Além disso, não conheceríamos nossas opiniões, qualidades e gostos e desgostos se não tivéssemos outras pessoas com quem pudéssemos nos comparar. Os opostos em nosso mundo não apenas o sustentam, mas também o tornam tão rico e belo quanto ele é. Amamos a diversidade e as contradições na natureza, então por que as odiamos em nossa própria sociedade? Porque desfrutar e apreciar nossas diferenças vai contra nosso ego, que nos diz que só nós importamos, e ninguém mais.

Como resultado, nosso ego nos faz interpretar a oposição de pontos de vista, aparência e fé como negativa. É assim que ele destrói nosso mundo. Se não tomarmos cuidado, ele logo nos destruirá, colocando-nos uns contra os outros em uma guerra que ninguém vai vencer, exceto o ego.

“Da Esquerda Para A Direita, Tentamos Todos Os Regimes, Mas Nunca Tentamos Cuidar”

Dr. Michael Laitman

Da Minha Página Do Facebook Michael Laitman 02/09/20

O século anterior foi repleto de experimentos sociais, que nos custaram muito. Duas vezes a humanidade se envolveu em guerras mundiais, dezenas de milhões de vidas foram perdidas, enquanto centenas de milhões perderam seus entes queridos e seu sustento. Na segunda década do século anterior, nós nos inclinamos para a extrema esquerda, com a Rússia comunista. Cerca de duas décadas depois, grande parte da Europa deu uma guinada brusca para a direita, com o surgimento da Alemanha nazista e da Itália fascista.

Na metade do século, depois de duas guerras mundiais terem provado que nenhum dos extremos funciona, partimos para o capitalismo e os Estados Unidos tornaram-se o líder mundial. Com o capitalismo, pensamos ter encontrado a resposta. Basicamente, ele ignorou as ideologias e permitiu que a América democrática e a China comunista se tornassem superpotências capitalistas. Em vez de consagrar ideologias, ele venera o dinheiro. E como todo mundo adora dinheiro, aprendemos a trabalhar juntos.

No entanto, agora mesmo o capitalismo está falhando. As lacunas entre os que têm e os que não têm, e a incapacidade das pessoas de sair da pobreza tornaram o capitalismo mais um tipo de tirania: uma tirania de magnatas em vez de governantes.

As tensões sociais de hoje na América e em outras partes do mundo, particularmente na Europa, significam que o capitalismo também chegou ao fim. Não temos mais opções de governo; nós tentamos de tudo. Agora, ou introduzimos um novo ingrediente para mitigar a gravidade da situação, ou tudo entrará em colapso.

Se tentarmos localizar o elemento que falta em todos os regimes anteriores, veremos que é o cuidado, o simples cuidado humano uns pelos outros. Todas as ideologias anteriores tentavam encontrar a melhor estrutura social em uma realidade onde as pessoas não se importam e exploram umas às outras. Em suma, as ideologias anteriores tentaram encontrar uma maneira de controlar a natureza humana obscena e egocêntrica. Mas como aqueles que dirigiam os países eram eles próprios produtos da natureza humana, seus esforços estavam fadados ao fracasso. Agora, pela primeira vez na história, estamos percebendo que não é a sociedade que precisamos mudar, mas as pessoas que a fazem.

Se aprendermos a cuidar uns dos outros, não importará que forma de governo tenhamos sobre nossas cabeças. Nossa sociedade será boa, independentemente do governo, pois cuidaremos uns dos outros. Se a ferida é a natureza humana, não podemos enfaixá-la ou contê-la com gesso; temos que curá-la.

E a primeira coisa que precisamos aprender é que a diversidade não enfraquece. Pelo contrário, não apenas fortalece, mas possibilita vida e evolução. Imagine o que aconteceria conosco se um órgão em nosso corpo tentasse forçar ou eliminar qualquer órgão que não fosse como ele. É o que tentamos fazer sempre que excluímos outra pessoa, fé ou ideologia. Se reconhecermos o fato natural de que a diversidade enriquece e fortalece, descobriremos que mesmo as ideias mais extremas têm mérito, desde que não levem as pessoas a se exterminarem fisicamente. As ideias, mesmo as mais radicais, levam as pessoas a questionar suas próprias crenças, polir seus pensamentos e aprender mais sobre si mesmas. Sem diferenças, seríamos robôs.

Certamente, há muito a aprender aqui, mas se começarmos concordando que somos todos partes de uma família humana, aprenderemos como abraçar o diferente, como aprender uns com os outros e ficar mais fortes, mais sábios, mais saudáveis e mais ricos juntos.