Textos na Categoria 'Facebook'

Furacão Michael

Dr. Michael LaitmanDa Minha Página No Facebook Michael Laitman 11/10/18

A Devastação Do Furacão Michael É Apenas A Ponta Do Iceberg

O poderoso furacão Michael atingiu o enclave da Flórida com ventos terríveis de 155 milhas náuticas nesta quarta-feira, destruindo casas e submergindo bairros antes de continuar sua marcha destrutiva pelo interior do sudeste do país. Foi o furacão mais poderoso a atingir os EUA continentais em quase 50 anos. (AP)

A natureza não enlouqueceu – nós enlouquecemos. Os cientistas vêm nos alertando há muitos anos, mas como não estamos fazendo nenhuma mudança significativa em nossa vida, a situação continuará a aumentar.

O ex-vice-presidente Al Gore advertiu que “o tempo está se esgotando” após o lançamento de um relatório especial da ONU que dá ao mundo 12 anos para evitar a calamidade climática transformando radicalmente “todos os aspectos da sociedade”.

A conclusão do relatório é simples: se as emissões de gases de efeito estufa não forem reduzidas até 2030, a Terra sofrerá danos irreversíveis. Você também pode adicionar golpes do restante da natureza, como tsunamis, inundações, tempestades, incêndios, frio extremo e ondas de calor, derretimento de geleiras e muito mais.

Para entender a situação sombria em que estamos, precisamos entender a razão do que está acontecendo.

A Terra É Um Sistema De Forças Que Deve Manter O Equilíbrio

O sistema natural em que vivemos é um sistema de forças que opera em diferentes níveis dos seres inanimados, vegetativos, animados e humanos. É um sistema fechado e integral, onde até os elementos mais remotos estão completamente interconectados. A relação entre as partes é tão interdependente que cada parte afeta todo o sistema.

Pense no nosso corpo como um exemplo de um sistema harmonioso. Quando qualquer órgão está desequilibrado, ele desequilibra todo o corpo e causa uma doença. Os médicos examinam o equilíbrio entre os sistemas do nosso corpo e, quando recebem os resultados do teste, diagnosticam o estado do nosso corpo em relação à norma. Se certos parâmetros são muito altos ou muito baixos, isso significa que nosso corpo não está saudável.

Até os últimos cinquenta anos, nós vivíamos em relativo equilíbrio na Terra. Em outras palavras, esta bela casa que nos alimenta e sustenta, era relativamente “saudável”.

A doença surgiu quando violamos nosso equilíbrio com a natureza. Temos emitido dióxido de carbono, poluindo os oceanos com lixo não biodegradável, fertilizando o solo com produtos químicos, alimentando gado e aves com antibióticos, e a lista continua. Os compostos químicos e não naturais não se decompõem no solo ou no ar e, finalmente, nos alimentamos repetidamente. Como resultado, novas doenças surgem dentro de nós e ao nosso redor.

Por Que A Terra Está Doente?

Enquanto o ego humano controlar nossas ações, a situação só piorará. A ganância leva as corporações a usar substâncias tóxicas na agricultura e na medicina, e a integridade da natureza é a menor das suas prioridades. Os governos estão sujeitos aos magnatas e os cientistas conduzem suas pesquisas de acordo com os interesses dos chefes de indústria e comércio.

Assim, nós desequilibramos o sistema natural e, como resultado, testemunhamos “doenças naturais”. Assim como uma pessoa que apresenta sintomas que indicam que ela está a caminho de ficar doente, nosso planeta está adoecendo. Os “médicos da natureza”, os cientistas que estudam as várias condições climáticas, estão percebendo que estamos diante de um terrível surto de doença.

Mesmo que pareça que o clima é maravilhoso em uma região e tempestuoso na outra, isso é tudo temporário. O planeta é redondo e o sistema natural é integral. Em última análise, assim como uma infecção do pé pode se espalhar gradualmente por todo o corpo, as doenças da natureza se espalharão por todo o planeta.

Mas, em vez de trabalhar em direção ao equilíbrio com a natureza, nós continuamos a trabalhar pelo benefício de curto prazo dos ricos e poderosos. Por sua vez, a desigualdade e a polarização crescem dentro da sociedade humana, e a sociedade como um todo cresce cada vez mais em desequilíbrio com a natureza. À medida que a distância continua a crescer, os golpes da natureza nos custarão muito sofrimento, doença e morte. Apenas considere a quantidade de dano que um terremoto pode causar.

O Ego Humano Bloqueia O Processo De Cura

Em última análise, a desestabilização climática nos forçará a mudar nossos caminhos. Teremos que nos tornar conscientes e cautelosos com nosso equilíbrio com a natureza e nossa conexão uns com os outros dentro deste sistema integral.

De fato, essa mudança deveria ter ocorrido a partir de meados do século XX, quando começamos a nos comprometer com a interdependência global no comércio, indústria, economia, mídia e assim por diante. A raça humana deveria ter começado a agir em responsabilidade mútua, ou seja, cuidar das necessidades de toda a humanidade, mantendo o equilíbrio com a natureza.

Mas a realidade é que não podemos nem mesmo lidar com nossos desafios globais e sua rápida disseminação porque nosso próprio ego está no caminho. O ego humano não se importa com a mudança climática e está pronto para atropelar qualquer acordo em seu caminho para colocar as mãos em cada centavo.

Portanto, é o ego humano que devemos equilibrar primeiro, se quisermos alcançar quaisquer acordos estáveis ​​entre nós. Tratados como o “Protocolo de Kyoto” ou o “Acordo de Paris” servem apenas para nos mostrar a futilidade de qualquer tentativa de resolver nossos problemas sem levar em conta o ego humano.

Equilíbrio Com A Natureza Começa Com O Equilíbrio Entre Nós

Para mudar nosso destino neste planeta, devemos começar por harmonizar a conexão entre todos os seres humanos.

O mundo é uma criação única, e até mesmo nossa psicologia e nossas forças internas interagem com a natureza de maneiras que não vemos nem compreendemos. Nossos pensamentos e nossas intenções têm muito a ver com o nosso equilíbrio com a natureza.

Nós estamos em um ponto único no desenvolvimento humano, onde todos podem começar a ver a necessidade de conexões humanas harmoniosas em escala global, e ainda assim, não temos o poder e o método para fazer isso acontecer.

É por isso que a sabedoria da Cabalá está sendo revelada hoje. A Cabalá Autêntica não é uma religião nova ou antiga, não é misticismo nem uma filosofia. Pelo contrário, é um método empírico que nos ensina como podemos alcançar o equilíbrio com a natureza através da ativação de nossa fiação profunda pela conexão humana.

Tudo depende da relação entre os seres humanos. Quando percebemos isso e começamos a agir conscientemente sobre isso, todo o sistema da natureza nos dará um feedback positivo. Nós começaremos a sentir que somos uma família humana global e que a Terra é nosso único lar.

 

Ataque Terrorista De Barkan

Dr. Michael LaitmanDa Minha Página No Facebook Michael Laitman 08/10/18

Trágico Assassinato De Barkan Explode A Bolha da Coexistência

O trágico assassinato na zona industrial de Barkan, onde Kim Levengrond Yehezkel e Ziv Hajbi foram assassinados, não nos deixou nada além de abraçar nossa dor. Para abraçar as crianças perdidas, os pais quebrados, os irmãos sofredores.

Junto com a tristeza e a dor, um sonho desapareceu. A bolha de coexistência entre judeus e árabes foi abalada e a ilusão da vida baseada no respeito mútuo e na cooperação explodiu em nossos rostos. Mas houve alguma coexistência entre nós para começar?

A verdadeira coexistência ocorrerá somente quando o povo de Israel estiver unido. O povo judeu foi criado quando Abraão reuniu representantes das várias tribos e clãs que viviam na antiga Babilônia, cerca de 4.000 anos atrás. Eles eram todos estranhos e muito diferentes uns dos outros, mas preferiam manter a unidade acima da divisão.

Seus esforços para se conectar uns com os outros acima de todas as diferenças evocaram uma força positiva, poderosa e conectada da própria natureza. Apenas a descoberta dessa força natural permitiu ao povo de Israel viver em unidade e coexistência. Como Rav Kook escreve: “o segredo para a unidade do mundo está dentro de Israel”.

No entanto, a unidade foi destruída e o povo de Israel se separou e se espalhou por todo o mundo por dois mil anos. Somente quando despertarmos a força de conexão que existe entre nós, estaremos acima de nossa natureza egoísta e poderemos viver em coexistência – dentro de nosso país, com nossos vizinhos e com todas as nações do mundo.

Antes de corrigir o ego humano, podemos resumir a conversa de viver em paz e convivência como uma aspiração ingênua e nada mais. A coexistência e a conexão entre os seres humanos exigem a capacidade de se elevar acima do ego crescente, não qualquer cooperação temporária.

O egoísmo humano só crescerá e continuará complicando nossas vidas. É o curso natural do desenvolvimento humano. Se não equilibrarmos o ego, isso nos levará a um futuro amargo. O terrível assassinato em Barkan é outra erupção do ego humano e, infelizmente, não será o último caso.

A zona industrial de Barkan não será mais comercializada como um símbolo de paz no caos da região de Samaria. Mas se o povo de Israel der o exemplo da unidade, Israel se tornará um símbolo de paz dentro do caos do mundo. Então, não apenas viveremos em coexistência, mas em coexistência global. Nos sentiremos como um povo unido e brilharemos como um farol para o mundo, cumprindo o nosso dever de nos tornarmos uma “luz para as nações”.

Discurso De Bibi Na ONU

Dr. Michael LaitmanDa Minha Página No Facebook Michael Laitman 29/09/18

O discurso do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu na Assembleia Geral da ONU foi impressionante. O talento retórico, o inglês perfeito e a capacidade de comunicar mensagens complexas estão a seu favor. Por mais que alguém possa criticá-lo, ele cumpre seu papel de representar o Estado de Israel no mundo com grande dedicação.

E Bibi não é o único que merece crédito. Atrás dele estão poderosas forças e mentes brilhantes que servem à inteligência e segurança israelenses, gênios que transformam Israel em uma superpotência tecnológica, pesquisadores talentosos e empreendedores que trouxeram tremendos desenvolvimentos nos campos da água, agricultura, cibernética, saúde e a lista segue.

Mas, mesmo quando Netanyahu expôs o local nuclear secreto em Teerã, as fábricas de precisão de mísseis em Beirute, o fato de que o Irã nunca abandonou seu programa de armas nucleares, não deixou a impressão desejada. O mundo já está começando a desmontar suas revelações declarando que as instalações contêm documentos e não mísseis.

“Eu sou o filho de um historiador”, declarou Netanyahu durante seu discurso na ONU, dirigindo suas palavras aos líderes europeus que prometeram dar mais dinheiro ao Irã. “Eu pergunto não apenas como filho de historiador, como judeu, como cidadão do mundo, como alguém que viveu durante o século XX: Será que esses líderes europeus não aprenderam nada com a história? Será que eles acordarão?”

Com todo o respeito à história representada pelos historiadores, há também os Cabalistas na humanidade: um punhado de pessoas com realização espiritual que veem uma imagem mais profunda da realidade.

Os Cabalistas apontam para uma tendência clara na atitude das nações do mundo em relação a Israel. Eles esperam uma onda de antissemitismo para varrer todos os judeus ao redor do mundo, o ódio que subirá a novas alturas – tanto para os judeus quanto para o Estado de Israel.

Quando o ódio ficar desproporcional, nenhuma nação precisará justificar sua atitude negativa e hostil em relação a Israel. As nações podem até se orgulhar de seus atos desprezíveis, assim como aconteceu nos anos 1930, e nenhum líder será capaz de diminuir as chamas. Nem mesmo Trump.

A Cabalá é a única sabedoria que explica o ódio irracional contra os judeus. Descreve o fenômeno do antissemitismo como uma lei que se origina na natureza da realidade e assume uma nova face em cada geração. Em vez de tentar negar, temos que aprender como isso serve ao propósito da Criação.

De acordo com os Cabalistas, o povo judeu tem um atributo único, o potencial de trazer unidade a toda a humanidade. Uma vez que aprendam como realizar esse potencial, eles não só irão neutralizar o antissemitismo, mas também permitirão que toda a humanidade se eleve acima do ego humano e descubra uma vida de harmonia social.

Esta foi a descoberta sem precedentes de Abraão: quando os seres humanos fazem um esforço comum para construir relacionamentos positivos acima de seu egoísmo inerente, um novo espaço espiritual se abre entre eles, onde eles podem sentir a plenitude e a harmonia da natureza. Este é o verdadeiro significado de “Ama o próximo como a ti mesmo” e é a essência da sabedoria da Cabalá.

Am Israel” – o povo de Israel – começou com um grupo de Cabalistas que se reuniu em torno de Abraão na antiga Babilônia, há cerca de 4.000 anos. Eles eram, de fato, representantes das várias tribos e nações que existiam naquela época. Portanto, o povo judeu age como um “eixo” no centro da humanidade, projetado para possibilitar a unidade global em toda a humanidade.

A natureza é um sistema globalmente integrado que une todas as pessoas em total interdependência. As conexões estão ocultas, mas são estáveis ​​e intrincadas. O fenômeno do antissemitismo surge quando o povo de Israel falha em cumprir seu papel no sistema – abandonando sua unidade, solidariedade social e conexão positiva. A esse respeito, é triste ver que não aprendemos nossa lição da história.

Uma relação de ódio entre nós, judeus, determina o ódio do mundo em relação a nós. A humanidade não odeia Israel por escolha. Mesmo sem a consciência deles, o ódio que surge das nações do mundo está destinado a motivar os judeus a realizar seu propósito espiritual.

O Irã de hoje apenas desempenha o papel principal no movimento internacional anti-israelense. Discurso após discurso, diagrama após diagrama, outra descoberta de uma instalação nuclear – e a atitude do mundo em relação a Israel não muda.

Inconscientemente, a humanidade espera que sejamos mais do que uma superpotência tecnológica. Eles esperam que sejamos uma superpotência espiritual, porque quando o povo de Israel ativa sua unidade espiritual, possibilita uma vida de paz e felicidade para todos.

Este é o tipo de vida espiritual que a humanidade está esperando, juntamente com um plano de trabalho prático a seguir. Em última análise, somente essa ação gerará ondas de simpatia e afeto entre as nações em relação a Israel.

Erudito Sobre O Baal Hasulam

Dr. Michael LaitmanDa Minha Página No Facebook Michael Laitman 23/9/18

Prof Eliezer Schweid, um estudioso contemporâneo, sobre o trabalho de Baal HaSulam – Rav Yehuda Ashlag.

Para a fascinante história da vida de Baal HaSulam >>>>>>

Baal HaSulam

Dr. Michael LaitmanDa Minha Página No Facebook Michael Laitman 20/09/18

“Eu acho uma grande necessidade de quebrar a parede de ferro que tem nos separado da sabedoria da Cabalá”, escreveu o Cabalista Yehuda Ashlag, também conhecido como Baal HaSulam (“Mestre da Escada”) por seu comentário sobre o Livro do Zohar.

Hoje, no 64º aniversário de sua morte, prestamos nossos respeitos a um dos maiores Cabalistas da história da humanidade. Uma alma única que desceu ao nosso mundo para nos trazer a sabedoria da Cabalá e nos aproximar de uma vida cheia de alegria, paz e união.

De fato, ele foi o primeiro a interpretar todo O Zohar e os escritos do Ari, o primeiro a adaptar a sabedoria antiga a cada pessoa, o primeiro a publicar um jornal cabalístico (A Nação) e divulgá-lo publicamente. Sua profunda preocupação pelo destino da humanidade pulsava em seu coração, uma preocupação que ditava todo o curso de sua vida.

Leia mais sobre o Baal HaSulam em nosso novo arquivo >>

Rabash: O Último Grande Cabalista

Dr. Michael LaitmanDa Minha Página No Facebook Michael Laitman 13/09/18

Numa noite fria e chuvosa de 1979, eu não conseguia dormir, meus pensamentos me perturbavam. De repente, encontrei-me ao volante, dirigindo sem direção. Um grande sinal cortou meus pensamentos: “Bnei Brak”. Eu entrei. As ruas estavam desertas. Na esquina da rua “Chazon Ish”, encontrei um transeunte. “Onde se estuda aqui?”, Perguntei. Ele olhou para mim e respondeu: “Dirija até o fim da rua, onde você verá um pomar. Está do outro lado dele.

Foi assim que encontrei meu professor pela primeira vez, o Rav Baruch Shalom Ashlag (o Rabash), o filho mais velho e sucessor de Baal HaSulam – o maior Cabalista do século XX. Daquele momento em diante minha vida nunca mais foi a mesma.

Nos doze anos seguintes, eu servi como seu assistente pessoal e discípulo, e absorvi dele tudo o que conheço na sabedoria da Cabalá. Todo dia ele se trancava no segundo andar e escrevia. É assim que nasceram seus artigos profundos, que abriram caminho para que todos, hoje, esculpissem o caminho espiritual mais adequado para eles. Ninguém antes dele havia escrito de maneira tão simples e prática. Como um pai que guia seus filhos pelo caminho, ele pega seus leitores pela mão e os guia até descobrirem o verdadeiro sentido da vida.

“E uma vez que adquiri a vestimenta do amor”, escreveu aos seus alunos no final da bem conhecida carta “Amor dos Amigos”, “Centelhas de amor prontamente começaram a brilhar dentro de mim.

“O coração começa a desejar unir-se com meus amigos, e parece-me que meus olhos veem meus amigos, meus ouvidos ouvem suas vozes, minha boca fala com eles, as mãos se abraçam, os pés dançam em círculo, em alegria e amor com eles…” (Rabash).

Depois de sua partida em 1991, pessoas que sentiram um desejo ardente em seus corações de revelar seu propósito começaram a se unir. Gradualmente, o Instituto de Pesquisa e Educação de Cabalá Bnei Baruch foi formado, em homenagem ao Cabalista Baruch Ashlag. Todas as manhãs estudamos os escritos dos Cabalistas, tais como O Estudo das Dez Sefirot, O Zohar com o Comentário Sulam, os escritos do Baal HaSulam e do Rabash. Nós trabalhamos para compartilhar o método com qualquer pessoa interessada, assim como meu professor me deu a sabedoria de seu pai.

Esta noite marca o 27º aniversário da morte do meu professor, o Rabash, o maior da geração. Espero que consigamos seguir fielmente o seu caminho.

Furacão Florence

Dr. Michael LaitmanDa Minha Página No Facebook Michael Laitman 12/09/18

O governador da Carolina do Norte, Cooper, disse que os moradores devem planejar ficar sem energia por dias, já que o furacão Florence deve chegar ao continente na sexta-feira e trazer tempestades com risco de vida e chuvas para as Carolinas.

Embora a energia elétrica possa estar indisponível, temos um poder maior em mãos que devemos aprender a aproveitar.

Como venho dizendo há muitos anos, vivemos em um sistema único e integrado. É difícil para nós reconhecer que todas as camadas da natureza estão interconectadas e interdependentes. Das plantas e minerais da Terra ao pensamento e comportamento humano, e tudo mais.

Dentro do sistema natural, os seres humanos criam um elemento altamente qualitativo, e o modo como nos relacionamos uns com os outros tem impacto sobre todas as outras camadas da natureza. É uma influência indireta e intricada. Mas assim como é difícil para nós identificarmos, é vital para o equilíbrio da natureza.

Não entendemos completamente como e por que as placas tectônicas da Terra estão mudando depois de milhões de anos, o manto da Terra incorpora compostos voláteis da atmosfera, e a radiação está vindo do centro do planeta.

Mas, se víssemos o funcionamento interno do sistema da natureza, veríamos quanto disso depende das relações humanas. Veríamos que a lei de equilíbrio e homeostase da natureza deve ser mantida também no nível humano.

O planeta está despertando e trabalhando para nos equilibrar uns com os outros e com o resto da natureza.

Leia mais em “Por Que A Natureza Sempre Vai Ganhar” >>

Bênção De Rosh HaShana

Dr. Michael LaitmanDa Minha Página No Facebook Michael Laitman 09/09/18

Eu desejo a todos nós o que mais nos falta, amor e conexão entre nós!

Isso sempre salvou o nosso povo, está em nosso DNA. “Ama ao teu próximo como a ti mesmo” é o que devemos perceber entre nós para o mundo inteiro.

Feliz Rosh HaShana!

Cartazes Racistas Do Reino Unido Contra Israel

Da Minha Página no Facebook Michael Laitman 07/09/18

Paradas de ônibus em Londres foram danificadas com cartazes nas cores da bandeira da OLP declarando que “Israel é um empreendimento racista”. Aparentemente, esses anúncios não autorizados protestam contra a decisão do Partido Trabalhista Britânico de adotar a definição de antissemitismo da Organização Internacional para a Memória do Holocausto.

Entre as onze cláusulas da definição estão quatro cláusulas que definem certa crítica de Israel como antissemita. Um dos que se opuseram a eles foi o líder do Partido Trabalhista, Jeremy Corbin. Seus comentários antissemitas nos últimos meses provocaram protestos públicos a ponto de os judeus britânicos ameaçarem deixar o Reino Unido se Corbin vencer as próximas eleições.

À luz do aumento acentuado de incidentes violentos em relação aos 270.000 judeus da Grã-Bretanha nos últimos três anos, a adoção de uma nova definição internacional de antissemitismo é crucial nesse ponto. Mas a decisão de última hora de Corbin de adotar as cláusulas da definição não vai mudar as coisas. O ódio de Corbin pelos judeus flui em suas veias por natureza. E ele não é culpado disso. É como uma doença que não o deixa descansar.

E Corbin não é o único que sofre desta doença. O “antissemita” pode surgir em qualquer pessoa, a qualquer momento, por qualquer gatilho. É como um animal selvagem interior, exigindo liberar sua forte aversão aos judeus, a quem identifica como “a fonte de todo mal”.

Portanto, podemos escrever definições formais no papel, mas elas não alterarão a natureza humana. Frases formuladas precisas não podem equilibrar a atitude negativa em relação aos judeus, que é naturalmente incorporada nas nações do mundo e, especialmente, naqueles que nutrem sentimentos antissemitas.

No Livro do Zohar, o maior livro da Sabedoria da Cabalá, foi escrito há 2.000 anos que o ódio aos judeus durará milhares de anos até que uma força de equilíbrio flua para o mundo. O cabalista Yehuda Ashlag, que escreveu o comentário sobre o Livro do Zohar, descreve da seguinte forma: “a nação de Israel foi construída como uma forma de portal pela qual as centelhas de pureza brilhariam sobre a raça humana em todo o mundo, até que se desenvolvessem e reconhecessem o prazer e a tranquilidade encontrados no núcleo do amor ao próximo”.

Até que isso aconteça, o mundo pode apontar dedos culpando os judeus em qualquer evento que ocorra: atos terroristas assassinos na Europa, os ataques de 11 de setembro, a disseminação da AIDS, crises econômicas e até mesmo desastres naturais.

Rav Kook escreveu: “Qualquer barulho no mundo acontece principalmente para Israel” (Cartas do Rav Kook). Os antigos sábios judeus escreveram que “nenhuma calamidade vem ao mundo, mas para Israel” (Tratado Yevamot), e o Tikkun 30 nas correções do Zohar escreve que “os judeus causam pobreza, ruína, roubo, assassinato e destruição em todo o mundo”.

O sistema natural leva toda a sociedade humana a um ponto central de pressão – exigir que o povo judeu se una para cumprir seu dever espiritual. Para fazer isso, os judeus receberam o método de conexão – a sabedoria da Cabalá, que pode ajudá-los a se tornar um modelo para todas as nações.

Então, uma força de equilíbrio finalmente se espalhará pelo mundo, acalmará o ódio contra os judeus e unirá toda a humanidade em uma comunidade global. Se os judeus britânicos se tornassem conscientes desse princípio e o compartilhassem com o povo de seu país, trariam uma verdadeira revolução.

Do Primeiro-Ministro De Israel

Dr. Michael LaitmanDa Minha Página no Facebook Michael Laitman 26/07/18

Prezado Primeiro Ministro, Sr. Benjamin Netanyahu,

Obrigado por suas palavras calorosas sobre o meu livro em hebraico, “Por Que Eles Nos Odeiam?”.

Além de sua carta, é minha esperança que o povo de Israel se familiarize com a beleza e profundidade da sabedoria da Cabalá e a use para ajudar a alcançar um futuro mais brilhante.

Você pode baixar o livro em hebraico  ou o livreto em inglês com uma mensagem similar: “Quem É Você Povo De Israel?”.

No que diz respeito a escrever uma continuação do intitulado, “Por que eles nos odeiam?”, eu prometo que ela será escrita, mas para justificar isso, é importante que nos concentremos no cumprimento de nosso papel para dar o exemplo e ser “uma luz para as nações”, para todas as nações do mundo.

Tradução da carta ao Dr. Laitman do Primeiro-Ministro Benjamin Netanyahu:

PRIMEIRO-MINISTRO

19 de junho de 2018

Caro Dr. Laitman,

Eu agradeço por me enviar uma cópia do seu livro, “Por que eles nos odeiam?, que lida com o fenômeno do antissemitismo na perspectiva da Cabalá.

O ódio aos judeus começou com o alvorecer da nossa nacionalidade. Os valores morais que nos guiam, e a lealdade estrita à nossa identidade separada de outras nações, eram como espinhos aos olhos de nossos oponentes. O ódio de Esaú a Jacó precedeu os decretos do Faraó no Egito, e estes estão diretamente relacionados ao plano de extermínio de Hamã no reino persa, baseado no pretexto de que “suas leis são diferentes das de todos os povos”.

O antissemitismo tradicional – com suas muitas imagens distorcidas do judaísmo – deu origem a libelos de sangue na Idade Média e influenciou a teoria racial que levou ao Holocausto. Nahum Sokolov, um dos fundadores do sionismo, chamou-o de “ódio mundial aos povos do mundo”. Sokolov e muitos outros acreditavam que o ódio aos judeus passaria quando estabelecemos um estado independente, mas eles estavam errados. A apresentação distorcida de Israel como inimigo da humanidade mostra que o antissemitismo não desaparece facilmente do mundo.

Nós não baixamos nossas cabeças diante dos antissemitas, antigos ou novos. Nós combatemos as mentiras sobre nós e investimos esforços na disseminação da verdade. Ao mesmo tempo, continuamos a fortalecer nossa força e construir nosso Estado. Eu concordo com o principal insight que vem do seu livro, segundo o qual o pequeno Estado de Israel deve continuar a aderir ao seu destino moral como um farol de luz para todas as nações do mundo.

E permita-me oferecer uma sugestão amigável, que você deve escrever uma continuação intitulada, “Por que eles nos amam?” Muitos países admiram nossas conquistas em matéria e espírito. Eles buscam aprofundar sua colaboração conosco. Nossas inovações em ciência e tecnologia beneficiam a vida de milhões de pessoas em todos os continentes. Que essas conquistas preparem o caminho para a redenção da humanidade de sua miséria.

Boa sorte e muito sucesso em seus esforços frutíferos.

Atenciosamente,

Benjamin Netanyahu