Textos na Categoria 'Depressão'

Pesadelo Farmacêutico Norte-Americano

Dr. Michael LaitmanNas Notícias (do Fim do Sonho Americano): “De acordo com o New York Times, mais de 30 milhões de norte-americanos estão atualmente tomando antidepressivos. Os norte-americanos representam cerca de cinco por cento da população mundial, mas nós compramos mais do que 50 por cento das drogas farmacêuticas.

“A taxa de uso de antidepressivos entre as mulheres de meia-idade é muito maior do que para a população como um todo. Neste ponto, uma em cada quatro mulheres na faixa dos 40 e 50 anos está tomando uma medicação antidepressiva.

“Os norte-americanos também consomem gritantes 80 por cento de todos os analgésicos prescritos.

“É difícil de acreditar, mas os médicos nos Estados Unidos prescrevem 259 milhões de prescrições de analgésicos a cada ano. Analgésicos são algumas das drogas legais mais viciantes, e nossos médicos estão servindo como facilitadores para milhões e milhões de norte-americanos que se encontram viciados em drogas que não podem retroceder,

“Uma pesquisa realizada pelo Instituto Nacional de Abuso de Drogas descobriu que mais de 15 por cento de todos os norte-americanos alunos de escola média abusam de drogas prescritas.

“A quantidade de dinheiro que a indústria farmacêutica está retirando é astronômico. Tem sido relatado que os norte-americanos gastaram mais de 280 bilhões de dólares em medicamentos prescritos durante 2013”

Meu Comentário: Já que os medicamentos são comprados com dinheiro, o seu consumo só vai aumentar e os norte-americanos aprenderão a usá-los.

Depressão: A Praga Do Século XXI

Dr. Michael LaitmanOpinião (M. Nikulina and M. Zubritskaya, Universidade Federal): Toda a comunidade psiquiátrica mundial está dizendo que agora nós estamos entrando numa era de condições neuropsiquiátricas limítrofe. De acordo com as estatísticas da Organização Mundial de Saúde, o número de pessoas que necessitam de tratamento psicológico está crescendo mais rapidamente do que o número de pacientes com doenças cardiovasculares e câncer.

A depressão é um transtorno mental caracterizado por um baixo humor com uma autoestima pessimista, inibição das atividades intelectual e motora, e diminuição da motivação. Nos Estados Unidos, aproximadamente 15 milhões de pessoas estão sofrendo com esta doença. Os mecanismos da depressão ainda são desconhecidos.

Os antidepressivos foram produzidos há 50 anos. No passado a depressão era tratada com infusões de ervas como Duda ou Heléboro. Pitágoras recomendava ouvir música. A mídia chama a depressão de praga do século XXI. Em 2020, a depressão será a primeira entre todas as doenças.

Um estado depressivo pode continuar por meses e se prolongar por anos. Um dos sintomas da depressão é a desesperança, parece que isso vai durar para sempre, e o futuro é retratado em cores muito escuras.

Existem muitas razões para a depressão: problemas familiares, conflitos no trabalho, falta de fé no futuro, problemas de saúde e grupos de idade crítica.

A depressão não é um sinal de fraqueza de caráter, é uma doença real que requer intervenção médica, pois a depressão é um distúrbio nos processos bioquímicos do corpo.

Comentário: A falta de satisfação egoísta é a causa específica de toda depressão, bem como de todas as doenças. Portanto, o número de pacientes com esta doença vai crescer e o tratamento vai continuar a ser menos eficaz até que milhões de pessoas serão cortadas da vida. Em seguida, elas concordarão em ouvir os conselhos que lhes dá a sabedoria da Cabalá: como ser preenchido com Luz!

O Trabalho Mais Importante Do Mundo

Dr. Michael LaitmanNós entramos numa fase muito peculiar do desenvolvimento humano. A evolução nos trouxe à sensação de que este mundo é desconfortável, errado e inadequado para nós; realmente não importa se a culpa é nossa ou não.

Até que ponto nós somos os culpados, eu não posso dizer. Afinal, nós só agimos do jeito que podemos. As pessoas são o que são! O que pode ser feito sobre isso? Nós podemos exigir mais delas? Nós devemos fazer deste mundo um lugar melhor ou devemos continuar “girando” junto com ele? Em geral, nós somos realmente capazes de agir de forma diferente, indo contra a nossa natureza? Nós somos governados pela nossa natureza; é assim que somos construídos. Nós podemos mudar alguma coisa?

Nós vemos que a nossa vida é difícil e desconfortável; o futuro não parece rosado para nós. Será que está em nosso poder alterar a nossa vida?

Neste ponto, a sabedoria da Cabalá entra em cena. Este conhecimento explora toda a realidade e o ser humano nela. A exploração da natureza pela Cabalá é extremamente profunda, pesquisando níveis mais profundos do que todas as ciências convencionais. Esta sabedoria explica exatamente o que pode ser feito para mudar a nossa realidade para melhor.

Em essência, nós chegamos a uma conclusão muito simples e óbvia, que não é novidade para nós: o problema está na nossa natureza egoísta. Nós somos movidos pelo nosso egoísmo, a força de separação entre nós. Cada um persegue seus benefícios pessoais e aprecia ser “superior” aos outros, fazendo os outros “inferiores”. As pessoas se sentem felizes quando se sentem superiores aos seus vizinhos.

Se não fôssemos dirigidos por essa força, se nos esforçássemos pela unidade e igualdade, nos sentiríamos muito melhor. A humanidade sempre pensou que pudesse alcançar a igualdade e a justiça. Houve muitas batalhas e revoluções ao longo da história, mas vemos que todas foram inúteis.

Portanto, a Cabalá nos ensina como viver uma vida boa. Além de muitos outros benefícios, ela explica como atingir o equilíbrio e a equivalência com a natureza. Ela mostra como evitar furacões, tsunamis, erupções vulcânicas, ondas de frio e de calor, aquecimento global, extinção de espécies animais e vegetais, etc. As pessoas são as únicas que podem equilibrar todos os níveis da natureza, de modo que todas as suas partes (inanimada, vegetal, animal e falante) vão alcançar harmonia e concordância, vivendo, assim, uma boa vida num estado de homeostase.

Acima disso, o nosso trabalho em alcançar uma forma correta de unidade contém um detalhe: de toda a humanidade, este trabalho é confiado a um pequeno grupo que, desde o tempo da Babilônia, do berço da história humana, demonstrou que é capaz, tem interesse, e visa este papel. Este grupo aspira à unidade e, em essência, está pronto em cuidar do resto da humanidade que não está preocupada com coisas desse tipo.

Quando este grupo surgiu na antiga Babilônia, foi chamado de “Israel”, que significa “direto ao Criador (Yashar-El)”. Ele aspira alcançar a unidade. O Criador (El), em essência, é “O Um”, a realidade unificada.

Hoje, depois de três mil e quinhentos anos, este grupo não corresponde ao papel para o qual foi escolhido. No entanto, à semelhança da antiga Babilônia, na atual Babilônia surgem pessoas que também se esforçam pela unidade. É por isso que elas também são chamadas de “Israel”. A implementação de sua predestinação é uma necessidade para elas.

Além disso, há pessoas que faziam parte do grupo com o nome “Israel” em um ponto na história, mas depois, elas abandonaram seus ideais. Elas também são obrigadas a participar da busca da unidade. Assim, há vários círculos de pessoas cujo dever é o de participar no processo de correção do mundo:

1. Primeiro de tudo, há as partes de Israel que despertaram por conta própria para cumprir este trabalho. Não importa o país em que nasçam, elas são uma parte do desejo de salvar a humanidade.

2. Aquelas que pertencem a Israel devido ao seu nascimento, por hereditariedade, também estão envolvidas no processo, mesmo que não saibam disso, não entendam, e não queiram isso.

3. O resto da humanidade.

Hoje, a unidade se transformou em um patrimônio universal. Em todo o mundo, as pessoas que entendem que só ao atingir a unidade nós podemos escapar de todas as catástrofes causadas pelo nosso antagonismo com a natureza, elas estão se esforçando para encontrar soluções para a crise em que nos encontramos atualmente. Aos poucos, mais cedo ou mais tarde, elas vêm para a sabedoria da Cabalá. Ocorre que esse conhecimento é uma fonte de correção e um berço de compreensão e energia.

Os Cabalistas escreveram muito sobre o que exatamente pode e vai salvar a humanidade. Além disso, a sabedoria da Cabalá explica que não devemos fugir de infortúnios como animais selvagens de uma floresta em chamas. Pelo contrário, o nosso estado atual “esconde” a profunda intenção da natureza em nos elevar a um nível superior, não apenas nos enviando desastres para nos forçar a olhar para a salvação. Este cenário não é digno da perfeição da natureza.

A questão é que pela correção e unificação pessoal nós subimos para um novo nível de existência e saímos para um mundo amplo e impecável, para a realidade que existe acima da matéria. Nós veremos que a nossa vida real, os nossos verdadeiros corpos e almas, estão lá.

Os Cabalistas nos explicam quais são os caminhos do despertar para a vida real. É para isso que a sabedoria da Cabalá se destina.

Da 4ª parte da Lição Diária de Cabalá 10/07/14, Escritos do Baal HaSulam

A Maldição Material Da Humanidade

Dr. Michael LaitmanNas Notícias (de Facte.ru): “Nos últimos 50 anos, os alemães ficaram mais ricos em 400%, enquanto o número de pessoas que sofrem de depressão aumentou em 38%. A publicidade instila um sentimento de inferioridade nas pessoas se não comprarem o novo, o que está na moda.

“US$ 500 bilhões são gastos em publicidade por ano; este dinheiro é suficiente para fazer a humanidade se sentir miserável. Apenas US $50 bilhões por ano é necessário para resolver o problema da fome no mundo.

“O principal problema não é que devemos jogar fora coisas boas porque elas estão fora de moda. A tragédia humana são as expectativas injustificadas. Tendo comprado um carro novo, um homem o aprecia por um tempo muito curto. Se no dia seguinte seus amigos conseguirem um carro melhor que o dele, esta alegria será limitada a apenas um dia. Sem perceber, muitos de nós se tornam infelizes em busca de coisas novas que estão na moda”.

Meu Comentário: Sair desta corrida é possível apenas pela participação consistente na própria reeducação sob a influência do ambiente certo, de acordo com o método de educação e formação integral.

Humanidade Deprimida

Dr. Michael LaitmanNas Notícias (do The Richest): “A depressão é uma doença que aflige milhões de pessoas, em todo o mundo. Claro, todos nós podemos nos sentir tristes ou para baixo algumas vezes, mas quando alguém está com depressão, é uma batalha sem fim e que por vezes consome tudo. …

“Embora a depressão não discrimine as pessoas, parece haver algumas faixas demográficas que tendem a ser mais deprimidas do que outras. Seja a economia, a cultura, ou conhecimento, o fato de que há países que têm uma maior taxa de depressão do que outros vale a pena olhar com atenção. …

“De acordo com o United Census Bureau e o Center for Disease Control and Prevention, cerca de 5,4% da população do mundo tem depressão.

10. Itália – 3,8%. É interessante olhar para os pontos de vista sociais da depressão na Itália. Baseado numa pesquisa nacional, 75% dos entrevistados acreditam que aqueles que sofrem de doença mental devem evitar falar sobre isso. Os italianos não são estranhos à doença, com quase 4% reconhecendo que podem sofrer da condição. Quando se trata da causa da depressão, esta varia em qualquer lugar da dinâmica nas vidas pessoais dos participantes (ou seja, morte, divórcio, escola, dinheiro), enquanto que o recente ambiente político e econômico de luta na Itália poderia muito bem ser um fator contribuinte.

9. México – 4,8% Estudos têm demonstrado que a depressão no México afeta mais as mulheres do que os homens, e aumenta com a idade. Mas houve menores taxas de depressão entre as pessoas na população que eram mais educadas. Quando se trata de depressão no México, vale a pena dar uma olhada na cultura mexicana. Com mais sucesso, as taxas de depressão são reduzidas. Sucesso pode significar qualquer coisa, desde o casamento, a ter filhos, à obtenção de uma boa educação: depressão foi muito mais elevada entre as mulheres solteiras, divorciadas ou viúvas.

8. Espanha – 4,9% Em termos de percentagens, os adolescentes são muito afetados pela depressão no país.

7. Bélgica -. 6,2% Depressão tornou-se uma epidemia recente na Bélgica. O país ganhou as manchetes recentemente, quando se tornou o primeiro país a legalizar a eutanásia em certos casos extremos de crianças com doenças terminais. …A ideia é que o elevado número de pessoas que sofrem de depressão pode significar mais cidadãos belgas contemplando o suicídio, e com a eutanásia se tornando cada vez mais facilmente disponível, aqueles que podem ter considerado acabar com a sua vida podem ser capazes de fazê-lo através de meios legais mais convenientes.

6. Líbano – 6,6% A vida no Líbano é inegavelmente estressante que deixa muitos preocupados com o futuro de suas casas, empregos e famílias. As tendências mostram que os cidadãos do Líbano preferem medicação à terapia, provavelmente devido ao aumento do custo desta última. Mas a percepção cultural da terapia também tem sido citada como uma possível razão por trás dos cidadãos libaneses deprimidos evitarem a terapia – um relatório de 2011 sobre a questão no Daily Star Líbano afirmou que o libanês ‘não acredita em terapia através da conversa’.

5. Colômbia – 6,8% O país tem atravessado sua parcela de dificuldades políticas, guerras e crises econômicas – especula-se que se houvesse mais recursos para o tratamento, a taxa de depressão poderia ser reduzida.

4. Holanda – 6,9% Em relação ao resto da Europa, os holandeses têm taxas de depressão notadamente mais elevadas do que a maioria – o que parece, de certa forma, contradizer estudos recentes que sugerem que a Holanda é o melhor lugar para criar os filhos. Mas os moradores da Holanda estão pedindo ao mundo para pensar sobre o contexto e a percepção – eles dizem que a cultura holandesa é apenas geralmente um pouco mais sombria do que a de seus vizinhos.

3. França – 8,5% Os franceses podem ser os candidatos mais prováveis ​​a sofrer de depressão clínica, dado os estereótipos dos franceses de muitas vezes vestir preto, beber café ou vinho, tudo enquanto fumam um cigarro e abordam a vida de uma maneira cínica. …Em 2008, verificou-se que os cidadãos da França consomem mais antidepressivos do que qualquer outro país do mundo.

2. Ucrânia – 9,1% É de conhecimento comum, agora que as tensões aumentaram na Ucrânia. …No entanto os investigadores, psiquiatras e psicólogos têm explicado a taxa de depressão creditando-a à transição para um estado pós-comunista e a recuperação em curso do estresse causado pelo incidente de Chernobyl em 1986. É claro que a agitação política atual que ocorre agora na Ucrânia provavelmente também não ajudou.

1. Estados Unidos – 9,6% Não há dúvida de que o país norte-americano tem seus problemas em termos de política e economia. As pessoas estão perdendo seus empregos, e a economia está se recuperando lentamente de uma recessão. Num país onde os preços estão subindo e os salários estão caindo, pode-se dizer que os americanos podem ser justificados em seus sentimentos de depressão”.

Meu Comentário: É claro que tudo isso é de acordo com as pesquisas, mas as pessoas preferem não falar sobre seus sentimentos. Mas o principal não são os indicadores, mas a tendência. À nossa frente, há a escuridão da Idade Média ou a reeducação para o amor e doação.

O Método De Recuperação

Há vários tipos de depressão. Há a depressão pessoal e há a depressão geral, coletiva.

Depressão pessoal é passiva. Depressão coletiva é ativa e é caracterizada, por exemplo, por pessoas escalando, juntas, uma barricada. Elas não repousam ao redor, calmamente, esperando por tempos melhores, ao invés, elas vão para demonstrar, destruindo e quebrando tudo à sua volta, só para ficarem juntas.

Seu poder e apoio mútuo baseia-se nisto. Este é um fenômeno terrível, pois uma depressão como esta pode cultivar o fascismo e o nacionalismo.

Então, é muito importante mudar a sua direção, usando o método da sabedoria da conexão.

[133263]

De KabTV, “Segredos do Livro Eterno”, de 20 / 11/13

Material relacionado:
Depressão: A Doença Do Século
Estudo: Depressão Se Espalha Como Infecção

 

Da Depressão À Criatividade

Dr. Michael LaitmanPergunta: Suponha que os pais organizem um clube para os seus filhos, onde eles realizam discussões. Mas neste grupo dois dos jovens são filhos problemáticos que estão profundamente deprimidos e podem infectar os outros. O que deve ser feito sobre isso?

Resposta: Se a comunicação entre os jovens ocorre naturalmente, então basta que eles relaxem por meio de canções comoventes em torno de uma fogueira para que não se fechem dentro de si e comecem uma conversa à distância. O que pode ser bom para uma pessoa na vida e o que pode ser ruim? Nossa natureza busca apenas o bem. Mas se estamos fechados, nos devorando, será que estamos nos divertindo? Portanto, por que não escapamos disso?

Que força é essa que existe em mim, que me coloca num estado de desespero, escuridão e vazio o tempo todo? Será que é contra isso que eu tenho que lutar de alguma forma? E se eu lutar, eu vou descobrir tais forças dentro de mim que agem em oposição e que vão me elevar às alturas particulares na arte, literatura, ciência, esportes e assim por diante. Por isso, é necessário aceitar, como uma bênção, tudo o que há numa pessoa, até mesmo o estado mais deprimido que, basicamente, empurra a pessoa para o bem, mas só quando isso não fecha a pessoa dentro de si mesma como um casulo.

Pelo contrário, um estado de insatisfação nos empurra para frente. Por isso, é necessário torná-lo criativo. E isto só é possível com a ajuda do ambiente, onde a pessoa que empurra para frente e outra puxa para trás, e entre elas surge um movimento mútuo. Elas se verificam, inspecionando o movimento geral entre si. Em outras palavras, é necessário apoiar os filhos deprimidos, de modo que sua condição possa ser criativa.

Muitos escritores, compositores e cientistas famosos experimentaram depressão, e para sair dela, eles se ocuparam da criação. Esta foi uma cura para eles, a salvação. Eles deram à humanidade presentes criativos de obras-primas clássicas precisamente graças a seu sucesso em elevar-se acima de sua depressão e usá-la da maneira certa.

Como nós podemos usar criativamente o desespero, as dificuldades, as decepções, e a depressão, que são tão comuns no mundo de hoje que resultam em negligência e descaso por tudo? Afinal de contas, a partir desses estados a próxima condição humana, social, política e nacional vai nascer.

Portanto, é proibido deixar de lado esses estados e considerá-los como algo que não é bom. Pelo contrário, é necessário ansiar em transformar sua forte energia negativa em algo positivo.

De KabTV “Conversas com Michael Laitman” 12/12/13

Olhe Para Si Mesmo De Fora

Dr. Michael LaitmanPergunta: Suponha que eu trouxe o meu filho para um grupo onde sete em cada dez crianças estão deprimidas. Eu não preciso me preocupar que o estado delas irá passar para os outros?

Resposta: Não! Basta tentar separá-las de si mesmas imediatamente. “Amigos, vamos, vamos falar sobre o que está acontecendo conosco, de fora. Este sou eu, um ser humano. E este é o meu corpo. Dentro do corpo, existem todos os tipos de forças, humores e opiniões.

“E se eu saísse do meu corpo e desse uma olhada de fora, como se eu tivesse me reunido de forma diferente? Vamos nos imaginar de outra forma, como nos elevamos acima de nós mesmos. É possível conseguir isso?

“Será que eu fui criado de tal forma que não posso ser desprendido de mim mesmo? Ou será que existe algum tipo de lacuna entre o eu interior e o eu exterior onde posso gradualmente começar a aprender sobre mim mesmo de fora?”. Treinamento psicológico regular como esse possibilita que uma pessoa veja que isso não é ela, mas uma intenção externa particular do ambiente que a rodeia.

Uma criança poderia simplesmente ler um monte de romances ou ver programas de televisão que despertassem uma sensação de desesperança? Mesmo entre 100 a 150 anos atrás, algo chamado desprendimento nobre estava na moda: “um herói do nosso tempo”, e assim por diante. Na literatura mundial, em particular na literatura russa, muitos livros foram dedicados a uma busca derivada da escuridão interior.

E pode ser que ela simplesmente se gabe e se vanglories sobre esse estado, mostrando: “Olha como eu sou! O que atrai você não me interessa!” Por isso, é necessário verificar as origens de onde vem a depressão nas crianças.

De KabTV “Conversas com Michael Laitman” 12/12/13

A Geração Deprimida

Dr. Michael LaitmanNas Notícias (do DailyMail): “O uso de medicamentos antidepressivos no Reino Unido aumentou cinco vezes desde 1991, revelam novos dados. Eles também mostraram que a utilização de tais drogas tinha aumentado em 20 por cento por ano na Europa durante um período semelhante. Este aumento no consumo em toda a Europa coincidiu com um declínio gradual nas taxas de suicídio”. …

“Entre 1995 e 2009, o uso de antidepressivos em toda a Europa aumentou quase 20 por cento ao ano, em média, com um correspondente 0,8 por cento de redução anual na taxa de suicídio”.

“A Suécia, Noruega e Eslováquia têm visto o maior crescimento no consumo de antidepressivos, com um aumento de 1000 por cento no caso da Suécia entre 1980 e 2009 -, enquanto os menores crescimentos foram registrados na Holanda, Suíça, Bulgária, França e Luxemburgo”.

“O Reino Unido registrou um aumento de cinco vezes (495 por cento) no uso de antidepressivos desde 1991 e uma queda de 14 por cento nas taxas de suicídio no mesmo período”.

Meu Comentário: Tudo está caminhando para a legalização das drogas. Esta é a única coisa que pode explicar a forte publicidade antitabagismo: drogas, em vez de cigarros regulares. A elite está preocupada em como acalmar a população.

Estudo: Depressão Se Espalha Como Infecção

Dr. Michael LaitmanNas Notícias (de Notre Dame News): “De acordo com um novo estudo da Universidade de Notre Dame, um estilo particular de pensamento, que torna as pessoas mais vulneráveis ​​à depressão, pode realmente ser ‘contagioso’ para os outros e aumentar seus sintomas de depressão seis meses mais tarde. …

“‘Nossas descobertas sugerem que pode ser possível usar o ambiente social de um indivíduo como parte do processo de intervenção, seja como um complemento às intervenções cognitivas existentes ou, eventualmente, como uma intervenção autônoma”, de acordo com o professor de psicologia da Notre Dame, Gerald Haeffel.

“‘Nosso estudo demonstra que a vulnerabilidade cognitiva tem o potencial de aumentar e diminuir ao longo do tempo, dependendo do contexto social, o que significa que a vulnerabilidade cognitiva deve ser pensada como maleável ao invés de imutável’”.

Meu comentário: Além disso, isso é transmitida como todos os nossos outros impactos ao meio ambiente, e depois volta, do meio ambiente para nós, na forma de ondas “virais”, de influências, que não sentimos. Uma vez que nós estamos todos conectados à rede de conexão universal entre nós, bem como a todo o mundo inanimado, vegetal e animal, nós pegamos esse “vírus” e, inversamente, ele pega o nosso estado emocional.

Isso é visto mais claramente na relação entre animais de estimação e seus donos: os animais têm o risco de contrair as mesmas doenças, especialmente a depressão. O estudo confirma mais uma vez que uma pessoa só consegue sentir felicidade numa sociedade “saudável”, ou seja, que isso depende apenas do nosso relacionamento e desejo mútuo de felicidade.