Textos na Categoria 'Coronavírus'

“Um Raio De Luz Fora Da Pandemia” (Medium)

Medium publicou meu novo artigo: “Um Raio De Luz Fora Da Pandemia

Uma enorme e espessa nuvem cinza cobre o planeta e não há sinal de que ela vá embora tão cedo. É assim que as pessoas se sentem depois de tantos meses com o impacto da Covid-19 em nossas vidas. A humanidade não vê uma saída no horizonte e começa a se sentir cansada, esgotada e presa em pensamentos negativos sobre o que pode vir a seguir. Nossas perspectivas sobre o futuro são incertas e a perplexidade se tornou um terreno fértil para o desespero e a depressão. Toda essa escuridão poderia mudar rapidamente se pudéssemos descobrir a fonte de realização duradoura que a crise atual está nos levando a revelar.

Somente quando nos conectarmos positivamente com os outros, dissiparemos a nuvem que escurece a atmosfera atual e transformaremos o clima em uma realidade ensolarada e brilhante.

A pandemia causou interrupções críticas nos serviços de saúde mental em 93% dos países em todo o mundo, pois a demanda por apoio psicológico aumentou dramaticamente, de acordo com a Organização Mundial da Saúde. Enquanto isso, os cientistas alertam sobre o que parece ser uma nova onda iminente do coronavírus no inverno que se aproxima, combinada com a temporada de gripe. Começamos a entender que as restrições de estilo de vida vão permanecer conosco por muito tempo, pelo menos até que uma vacina comprovada seja lançada, e mesmo assim, não haverá certeza absoluta sobre sua eficácia, pois novas mutações do vírus podem surgir. Nossa situação está mudando a maneira como percebemos e abordamos nossas vidas.

Alguns estão tentando manter algum senso de normalidade, indo ao trabalho – se ainda tiverem a sorte de ter um emprego – e incluir em suas programações diárias alguns exercícios para se manter em forma e saudável. Mas, bem no fundo, a alegria e o entusiasmo pela vida desapareceram. O sofrimento interno causado pela crise está provocando apatia e amargura.

A busca por aspirações materialistas perdeu muito da relevância que tinha no passado, quando almejávamos poder, dinheiro e status. Agora, a loucura da competição sem fim e a busca contínua por prazeres tornaram-se preocupações secundárias. E, como a vida não oferece mais um propósito claro, as pessoas se sentem dominadas pelo cansaço. Algumas lutam para sair da cama, tendo caído em depressão e impotência, enquanto outras reagem com explosões de raiva contra as restrições, bloqueios e medidas preventivas relacionados à pandemia.

Essas manifestações refletem uma falta de perspectiva sobre o futuro, onde não vemos qualquer compensação pelo sofrimento que enfrentamos. Inconscientemente, a humanidade pergunta: “Por que temos que suportar esta situação? Para qual propósito?” A natureza está apontando precisamente o que a humanidade precisa mudar. É revelador para nós que a maneira como temos vivido nossas vidas até agora, impulsionados por nossos impulsos egoístas e ações para benefício próprio, não é mais possível. O mundo se revela cada vez mais como se comportando como um sistema complexo e mecanicista de engrenagens, onde só podemos garantir seu funcionamento suave levando em consideração como articular as engrenagens complementares e corretas de todos os seus elementos.

Portanto, precisamos nos adaptar à nossa nova realidade. Não temos controle sobre o vírus, mas temos controle sobre como lidamos com suas consequências como sociedade humana. Devemos, portanto, ajudar uns aos outros a permanecer à tona durante a tempestade da peste. É imperativo encontrar maneiras de combater o estado de desespero geral e organizar sistemas de apoio que fortaleçam os indivíduos para evitar que caiam no desamparo. Quanto mais investirmos no bem-estar geral agora, mais seremos capazes de salvaguardar a consciência e o bom espírito da sociedade. Todos os países do mundo devem fazer todos os esforços possíveis para tornar as comunidades mais coesas, onde ninguém seja deixado sozinho, onde todos tenham o apoio do grupo como uma rede de segurança, emprego e a opção de se envolver em atividades físicas e sociais, como grupo jogos, música e esportes.

Podemos alcançar a coesão desejada em nossas sociedades por meio de uma mudança fundamental em nossos valores: de competitivos, individualistas e egoístas para cooperativos, conectados e altruístas. Quando nosso desejo de desfrutar for redirecionado, quando deixarmos de almejar a satisfação individual e passarmos a almejar a satisfação dos outros, encontraremos a chave para a felicidade sem limites, porque estaremos livres de nosso egoísmo escravizador. Somente quando nos conectarmos positivamente com os outros, dissiparemos a nuvem que escurece a atmosfera atual e transformaremos o clima em uma realidade ensolarada e brilhante.

“Covid-19 – O Próximo Estágio” (Medium)

Medium publicou meu novo artigo: “Covid-19 – o Próximo Estágio

Estamos entrando em uma nova etapa em nosso “relacionamento” com o coronavírus. Quase terminamos o estágio de negação e as pessoas estão começando a aceitar que ele está aqui e não há nada que possamos fazer para afugentá-lo. Embora pareçamos estar profundamente no estágio de raiva, e isso ainda possa causar muitos danos, também estamos começando a nos cansar da guerra e desistir. Não temos muito o que procurar. Procuramos as velhas formas de nos divertir, de conseguir alguma coisa, de lucrar, de competir, mas não há nada disso. Estamos apenas indo sem rumo dia após dia. Essa falta de objetivo não é tão passiva quanto parece. Em alguns, desperta raiva e agressão; em outros, causa apatia.

Procuramos as velhas formas de nos divertir, de conseguir alguma coisa, de lucrar, de competir, mas não há nada disso. Estamos apenas indo sem rumo dia após dia. Essa falta de objetivo não é tão passiva quanto parece. Em alguns, desperta raiva e agressão; em outros, causa apatia.

Pior ainda, a frustração e desespero podem fluir do nível pessoal para o nível social e levar a desordens sociais, revoluções e desintegração de sociedades e países. A partir daí, a desesperança pode se espalhar para o nível internacional e levar a confrontos entre países, que, não vendo futuro para si próprios ou para o mundo, podem levar a uma guerra mundial total onde eles se esforçarão não para vencer, mas para destruir outro. Se as coisas chegarem a esse ponto, será uma guerra mundial nuclear, o pior pesadelo da humanidade.

Não é que nossas vidas tivessem tanto significado antes da Covid-19, mas antes da pandemia, podíamos camuflar nosso vazio com viagens, compras, carreiras, relocação frequente, mudança frequente de parceiros e Netflix. Agora tudo o que temos é a Netflix. Mas com a morte da indústria cinematográfica, até a Netflix parece mais um monumento a uma vida passada do que um bom passatempo no presente. É como se o vírus tivesse sufocado nossas formas anteriores de diversão e nos deixado com falta de ar, buscando desesperadamente uma nova forma de encontrar vitalidade, encontrar uma razão para viver.

Quando estamos nesse estágio, podemos realmente começar a construir algo novo. Somente quando desistirmos inteiramente de encontrar maneiras de agradar a nós mesmos, começaremos a ter uma visão mais favorável de como agradar aos outros. É para onde a Covid está nos levando, porque, quando se trata de agradar aos outros, não há limites para o que podemos fazer e o que os outros podem fazer por nós.

A humanidade está caminhando para uma mutualidade de um tipo que nunca conhecemos. Até agora, estávamos acostumados a pensar na sociedade, nos amigos e até na família como fontes de benefício e prazer para nós mesmos. O coronavírus está nos fazendo inverter nossa atitude para com as pessoas ao nosso redor e começar a vê-las como oportunidades de doação, e na própria doação encontrar novos significados para nossas vidas, novas fontes de prazer e alegria, nova vitalidade e energia à medida que nos engajamos em reciprocidade ao invés de autoabsorção.

A transformação não acontecerá da noite para o dia. Ainda estamos no começo. A praga é muito “jovem”, tem apenas alguns meses, mas já podemos ver a tendência. Aos poucos, o vírus nos tornará semelhantes ao resto da natureza: dar e receber, equilibrados e harmoniosos. Isso nos tornará indivíduos conscientes que se sintam parte de um enorme e grandioso projeto que a natureza criou e que se manifesta na realidade que nos cerca. Em vez do vazio constante de buscar prazeres, vamos celebrar a vida. Em vez de drenar e esgotar nosso ambiente social e natural, nos tornaremos como torneiras abertas, fontes que sempre saciam, mas nunca secam.

Ao nos esforçarmos para dar em vez de receber, encontraremos mais do que uma razão para viver; vamos encontrar o sentido da vida! Descobriremos que a verdadeira alegria e satisfação existem em criar vida, não em extingui-la. No processo, iremos desenterrar a natureza integral da realidade, onde tudo está conectado e evoluindo. Nos sentiremos como partes da realidade comum e não como unidades distintas cuja existência termina assim que sua vida física expira.

Ao nos roubar os brinquedos de nossas vidas passadas, a Covid-19 não está nos punindo. Ela está antes nos fazendo erguer a cabeça e ver onde está o verdadeiro prazer. Se ela não tivesse tirado nossas vidas anteriores, teríamos levado décadas de sofrimento humano, guerras e aniquilação mútua para finalmente olhar para cima e ver onde está o verdadeiro prazer. Apesar do preço, a Covid é o meio menos doloroso que a natureza poderia empregar para nos mostrar o caminho para uma existência feliz e sustentável. Quanto mais cedo seguirmos seu exemplo, menos teremos que sofrer antes de encontrar felicidade e sentido na vida.

“O Que Causa O Coronavírus?” (Quora)

Dr. Michael LaitmanMichael Laitman, no Quora: O Que Causa O Coronavírus?

A causa do coronavírus é fundamentalmente o ego humano, ou seja, o desejo de desfrutar às custas dos outros e nossa falta de desejo de se elevar acima do ego e conectar-se positivamente com os outros.

O que são vírus? Os vírus são unidades de informação que se comunicam umas com as outras no corpo, e o corpo humano contém muitos deles. Embora os chamemos de “vírus”, precisamos deles para sobreviver. Cada vírus é intrinsecamente complexo e não temos muito conhecimento sobre como os vírus e o corpo humano funcionam.

Nosso sofrimento com os vírus pode, em última análise, ser curado por uma força acima deles – a força do pensamento. Os vírus são portadores que transmitem pensamentos, dados e informações por todo o corpo humano. Especificamente hoje, como nossos pensamentos estão inflados com um ego exagerado, nos vemos lidando com vírus graves como o da COVID-19.

Vírus e outros fenômenos negativos vêm à tona principalmente devido aos nossos pensamentos negativos baseados no ego uns sobre os outros, e seremos incapazes de resolver esse problema até que melhoremos nossos pensamentos – de egoístas, divisores e odiosos para altruístas, positivamente conectados e atenciosos.

Além disso, ao deixar nossos pensamentos negativos virem à tona em palavras e ações, cometemos atos negativos – tentamos derrubar outras pessoas e, ao fazer isso, nos situarmos em uma realidade repleta de fenômenos negativos.

Nosso fracasso em elevar os valores positivos de unificação e consideração mútua acima de nossos abundantes pensamentos e ações egoístas-negativas dá origem a uma série de problemas em nossas vidas, o coronavírus entre eles. Em outras palavras, em sua base, o coronavírus é o resultado de nossas conexões baseadas no ego negativo uns com os outros.

Portanto, podemos esperar sofrer de muitos vírus e outros problemas como resultado de nossas conexões egoístas negativas.

Eu entendo que esta é uma visão não convencional, uma vez que não existem instrumentos disponíveis para medir a conexão de um vírus com nossos pensamentos egoístas. Quando eu era um estudante universitário, tínhamos aulas no Instituto do Cérebro Humano em São Petersburgo, e o chefe do departamento, que era um cientista renomado, enfatizou como os cientistas não descobriram a localização do pensamento humano.

Muitos cientistas tentam decifrar o pensamento humano, mas o fato é que os pensamentos não estão no cérebro humano. Em vez disso, eles fluem para uma esfera que é imperceptível para nossos sentidos atuais. Nossos pensamentos existem fora de nós, e o cérebro humano é um dispositivo de computação que se conecta entre esse ambiente repleto de pensamentos e nossas sensações. Ao nos conectarmos a ele de forma egoísta, tentando desfrutar apenas para benefício pessoal, nos situamos em oposição a ele e experimentamos consequências negativas. No entanto, se nos elevarmos acima de nossa abordagem egoísta estreita e almejarmos beneficiar os outros, entraremos em equilíbrio com este campo e, assim, sentiremos sua influência como positiva.

Nós entramos em um período em que teremos que passar por uma introspecção e descobrir como nos influenciamos mutuamente no nível de nossos pensamentos. Em última análise, precisaremos transformar nossos pensamentos uns sobre os outros de negativos em positivos e, em nossa atitude positiva uns com os outros, sentiremos uma força adicional da natureza que atualmente não sentimos.

Transformar nossos pensamentos de negativos em positivos nos salvará do coronavírus, bem como de uma série de outros problemas. Como partes humanas da natureza, a mudança de negativo para positivo no nível de nossos pensamentos permitirá nosso equilíbrio com a natureza, e então iremos complementar a natureza cumprindo o papel do ser humano na natureza no nível do pensamento.

Portanto, para resolver o coronavírus e muitos outros problemas na sociedade, precisamos revisar nossas influências sociais e educacionais, para ver até que ponto somos atualmente influenciados a pensar e agir de forma egoísta e divisiva e para impactar uma mudança nessas influências, de modo que, em vez disso, nos motivemos a pensar e agir de maneira altruísta, responsável e atenciosa uns com os outros. Mesmo uma pequena mudança em uma direção mais unificadora acima de nosso ego atrairá uma força positiva habitando na natureza, que por sua vez atuará para nos curar do coronavírus e de muitos outros problemas que enfrentamos.

Foto do CDC no Unsplash

Quem Está Por Trás Da Pandemia?

115.06Pergunta:  No início deste ano, várias fontes de notícias relataram uma pesquisa da Escola de Jornalismo da Carleton University, na qual quase metade dos 2.000 canadenses relataram acreditar em teorias de conspiração do coronavírus, desde uma arma biológica projetada até um encobrimento 5G.

Quem está por trás da pandemia do seu ponto de vista?

Resposta:  É o egoísmo humano que não quer se elevar acima de si mesmo e estar em boa conexão com outras pessoas. Com todos! Apenas estar em uma boa conexão, sem todos os tipos de teorias da conspiração e sem o domínio de alguém sobre alguém.

A falta de vontade de se tratar bem leva ao fato de que vírus estão surgindo entre nós. Não vamos fugir disso até que corrijamos nossa atitude.

De KabTV, “Expresso de Cabalá”, 27/09/20

“Como A Covid19 Mudou O Futuro Da Humanidade?” (Quora)

Dr. Michael LaitmanMichael Laitman, no Quora: Como A Covid19 Mudou O Futuro Da Humanidade?” 

Quanto mais suportamos a pandemia de coronavírus, mais sofremos mudanças que têm um grande impacto em nosso futuro.

No início do surto, muitos pensaram que a COVID-19 iria acabar em questão de semanas. Semanas logo se tornaram meses, e hoje, tornou-se muito mais claro que ela não vai a lugar nenhum tão cedo.

A persistência implacável da pandemia em continuar sua propagação mundial é cansativa e preocupa muitas pessoas. Nossa vida pré-coronavírus, que corríamos em uma esteira consumista competitiva, parou, e mais e mais pessoas se viram sem um futuro pelo qual valha a pena lutar.

Em tal estado de sono, alguns reagem explosivamente em tumultos e protestos, e outros ficam quietamente deprimidos, mas um cansaço geral se espalhou por toda a humanidade. Na verdade, também há riscos de que as pessoas saiam da pandemia em guerras, tanto dentro quanto entre países.

Se as pessoas não têm uma perspectiva clara e um propósito em suas vidas, não sabem como navegar em suas vidas para o futuro, a falta de uma visão esperançosa dá origem a sensações de impotência e desamparo.

No entanto, em relação ao nosso futuro, nossas vidas eram bem semelhantes na época pré-coronavírus. Ou seja, estávamos jogando um jogo egoísta-consumista, e nossa principal preocupação era simplesmente continuar jogando. A maioria de nós não estava muito focada em para onde nossas vidas estavam indo. Agora, é como se a natureza confiscasse nosso jogo, e sentimos que não podemos ganhar e gastar até enjoar como antes.

Como, então, podemos avançar a partir daqui?

Já que o coronavírus tornou ainda mais difícil cuidar de nós mesmos, talvez esse desespero nos incite a tomar uma decisão em que precisaremos cuidar mais uns dos outros.

Nossa impotência, desespero e insatisfação em nossas vidas pessoais podem ser apenas o que precisamos para mudar o modus operandi da sociedade, onde em vez de olhar para o número um o tempo todo – eu, eu mesmo e meu – o que dá origem a uma série de negativas sensações, seremos capazes de encontrar a verdadeira realização, força, felicidade e uma razão para viver, se apoiarmos uns aos outros.

Então, quando começarmos a viver nossas vidas não para nosso próprio bem, mas em apoio mútuo e consideração uns pelos outros, veremos a vida de maneira diferente.

Descobriremos um novo propósito para nossas vidas, à medida que nos aproximarmos do alinhamento de nossas relações com a interconexão global e perfeita existente na natureza. Essa calibração entre nós e a natureza nos ressuscitaria com sensações completamente novas de sustento, bom humor e energia, que atualmente nem podemos imaginar. Substituiríamos então o jogo infantil egoísta-consumista que jogávamos até o coronavírus por um novo jogo para adultos: nossa participação ativa para atualizar as relações humanas a fim de alcançar o equilíbrio com a natureza.

Foto de Tom Ritson no Unsplash.

Meus Pensamentos No Twitter 25/10/20

Dr Michael Laitman Twitter

Entramos em um novo estágio de compreensão da pandemia – que ela existirá por um longo prazo e talvez para sempre. Há um cansaço generalizado do coronavírus. O temperamento das pessoas está pronto para explodir. É aqui que as pessoas podem ficar cientes do egoísmo que as está enviando para a morte e da necessidade de superá-lo, mesmo ao preço de substituir o cuidado de si pelo cuidado dos outros – contanto que ganhe força e motivação para se mover , para se socializar, para viver, e depois disso, talvez as pessoas vejam um futuro completamente diferente …

Da apatia as pessoas chegarão à conclusão de que não adianta pensar em si. É antes pensando nos outros que a vida vai adquirir um novo sentido. Se tudo é sobre os outros, temos um novo mundo espiritual, oposto ao anterior.

A mudança mais significativa na humanidade é sua desilusão na vida, apatia, a falta de vontade de lutar por qualquer coisa. Isso acabará por levar a uma reavaliação da vida, à necessidade de encontrar um objetivo superior à vida. Então, a vontade de alcançá-lo voltará; a vida adquirirá um sentido superior.

O teste principal é: a que uma pessoa aspira e quão forte é o seu desejo. Uma mudança de intenção é como mudar a marcha do carro da frente para a ré, o que determina se estou avançando em direção ao Criador e as criaturas, ou para trás.

Do Twitter, 25/10/20

Unidades Sutis De Medição De Pensamento

294.2Todos os vírus são resultado de nossos pensamentos ruins. Mas não existem instrumentos capazes de medir esta conexão porque ela é mais elevada do que a percepção material comum.

Existem muitos laboratórios e estudos tentando entender a conexão entre o espiritual e o material, mas isso é impossível. Nossos pensamentos bons ou maus pertencem ao nível humano, uma vez que são baseados em nosso egoísmo, o princípio do mal.

Diga-me, qual dispositivo pode ser usado para medir o egoísmo de uma pessoa e onde ele deve estar conectado? Claro, não ao corpo material porque ele é apenas uma máquina biológica que executa ordens. Ao coração? Mas o coração é apenas uma bomba que pode ser substituída por uma artificial. Talvez ao cérebro? Também não.

De onde os pensamentos de uma pessoa podem ser extraídos para passá-los pelo dispositivo e ver quais pensamentos são bons e quais não são e precisam ser corrigidos? É possível? Você pode construir um cardiograma, medir frequências, processos elétricos no corpo, mas é impossível avaliar sua essência. Afinal, ela não pertence à matéria. Portanto, a ciência não é capaz de abordar isso.

Como estudante, tivemos aulas no Instituto do Cérebro Humano em São Petersburgo. Então, ouvi do chefe do departamento, que era um cientista famoso, que não sabemos onde estão os pensamentos e desejos de uma pessoa.

Os cientistas tentam rastrear essa conexão, mas ela conduz do cérebro para uma esfera que não somos capazes de perceber. Lá, fora do homem, estão todos os nossos pensamentos e desejos. O cérebro humano é um modem que conecta o espaço espiritual, onde todos os nossos pensamentos voam, com as sensações humanas.

Em nosso mundo, é comum identificar uma pessoa com seu corpo animal. Mas, ao estudar a Cabalá, nós construímos um Partzuf espiritual, ascendemos à fé acima do conhecimento. Não é mais material. A ciência da Cabalá conecta uma pessoa com sua verdadeira essência como se a separasse do corpo material e a ligasse à alma. Portanto, o mundo físico desaparece de nossas sensações porque é imaginário.

Quando alcançarmos tal conexão entre nós em que começamos a revelar fenômenos espirituais, então abriremos o livro O Estudo das Dez Sefirot e seremos capazes de sentir tudo o que está escrito lá e ler como um músico lê uma partitura.

De KabTV, “Encontro de Escritores”, 15/10/20

O Vírus Se Espalha Por Meio Dos Pensamentos

283.01Se eu permitir que um pensamento cruel sobre os outros venha à tona e seja expresso e ouvido, dou-lhe a oportunidade de se manifestar. Enquanto ele estiver dentro de mim, ainda posso suprimi-lo, proibir que esses pensamentos saiam de mim, ou seja, fazer uma restrição em minha natureza egoísta inerente.

Um pensamento negativo sobre o nosso próximo é como uma ação. Mas eu posso captar e interromper um pensamento sem permitir que ele se manifeste e magoe os outros. Um pensamento inicia uma ação, mesmo que não seja material. Se eu permitir que um pensamento cruel flua e aja livremente, sem tentar controlá-lo e suprimi-lo, estou prejudicando meu próximo e cometendo uma ação ruim no mundo.

Nós vivemos em um mundo de pensamentos. Um pensamento é uma ação. Portanto, ao permitir que pensamentos rudes saiam de mim e acreditar que isso não é ruim, eu ajo maliciosamente e assim determino o que está acontecendo na realidade. Nosso mundo inteiro, cada pessoa terá que se examinar e descobrir como ela influencia os outros. Isso exigirá um trabalho interno profundo e muito esforço de todos.

O homem deve mudar a direção de seus pensamentos sobre os outros de negativos para positivos. Então, nessa atitude positiva para com os outros, ele sentirá uma força adicional da natureza que não sentia antes.

Mudando nossos pensamentos de negativos para positivos, nos salvaremos do coronavírus e redimiremos o mundo inteiro da epidemia e de outros problemas. Afinal, é assim que nos alinhamos com a natureza para que todos os seus graus: inanimado, vegetal, animal e humano estejam em harmonia, em bons pensamentos, complementando-se mutuamente.

Tudo o que impede isso é nossa natureza má, nosso egoísmo. Portanto, precisamos transformar essa atitude egoísta em relação aos outros em uma atitude boa. Para isso, precisamos trabalhar em grupos para atrair a força boa oculta na natureza e fazê-la se revelar. Nós exigimos que essa força boa, as boas relações e a unidade sejam manifestadas entre nós no grupo.

Se permitirmos que nossos pensamentos egoístas nos governem e não nos conectarmos, o coronavírus se espalhará mais e mais. Não teremos remédio para essa doença, porque o coronavírus é uma demonstração de nossas relações más uns com os outros. Nós apenas o chamamos de vírus.

Haverá muitos outros “vírus” desse tipo que aparecerão como resultado de nossos pensamentos maus, e nós sofreremos muito. Seis meses atrás, ainda havia esperança de que a epidemia diminuiria gradualmente. Agora, porém, vemos que só vai piorar cada vez mais até que digamos: “Chega!”

Nossa corrupção se manifesta na forma de um vírus porque o corpo humano está cheio de vírus. Os vírus são blocos de informação que estão em comunicação constante uns com os outros em todos os níveis do corpo. Nós os chamamos de vírus, mas, na verdade, não podemos existir sem eles. Cada vírus é uma entidade muito complexa e não entendemos nem mesmo uma milionésima parte de como ele funciona. Não sabemos como funciona o nosso corpo.

Quando tais rupturas são reveladas na forma de vírus, elas só podem ser corrigidas por uma força superior a elas. E acima do vírus está o pensamento. Os vírus são portadores que transmitem pensamentos; eles transmitem dados e informações para diferentes partes do corpo e para o cérebro. Visto que nossos pensamentos e desejos operam em níveis egoístas muito elevados, eles se manifestam em vírus tão perigosos.

Se quisermos acalmá-los e colocá-los em equilíbrio, existe a sabedoria da Cabalá para isso. O equilíbrio é restaurado por restrição, tela e luz refletida. Você precisa equilibrar todas as forças que ativam esses vírus para que eles caiam sob a restrição e a tela. Então, todos os vírus que causam a doença hoje se tornarão benéficos.

Da Reunião dos Escritores 15/10/20

“Ignorar A COVID É Jogar Roleta Russa Com A Saúde De Nossos Filhos” (Newsmax)

Meu artigo na Newsmax: “Ignorar A COVID É Jogar Roleta Russa Com A Saúde De Nossos Filhos

Apesar de todos os nossos esforços para negar sua gravidade, a COVID-19 não é uma piada. É uma doença grave e quanto mais a ignoramos, mais grave ela se torna.

Se no início pensávamos que ela afetava apenas pessoas idosas e doentes, agora sabemos que afeta a todos, em todas as faixas etárias e em todos os níveis de saúde. Mas o aspecto mais assustador do coronavírus é seu impacto nas crianças. Embora a maioria das crianças infectadas permaneça assintomática, algumas desenvolvem uma condição muito grave conhecida como Síndrome Inflamatória Multissistêmica Pediátrica (PIMS), que afeta o cérebro e pode até levar à morte.

Ignorar os riscos da COVID-19 é, em muitos aspectos, como jogar roleta russa. As chances de morrer neste caso são muito menores, mas a cabeça na mira da arma é a de nossos filhos. Estamos dispostos a correr o risco?

Quanto mais demoramos para lidar com o vírus, mais infeccioso e violento ele se torna. O que acontecerá se protelarmos por mais seis meses? Quão pior será o impacto sobre nós e nossos filhos? Queremos esperar que a taxa de mortalidade aumente? Queremos ficar sentados até que os hospitais sejam incapazes de tratar as pessoas com qualquer doença porque seus leitos são ocupados por pacientes COVID? Nós realmente deveríamos saber melhor.

O novo coronavírus não está aqui em uma breve visita. Eu disse isso quando ele chegou, e agora a ciência está começando a reconhecê-lo. Há alguns dias, John Edmunds, membro do Grupo de Aconselhamento Científico para Emergências do Reino Unido, disse aos legisladores que “teremos que viver com este vírus para sempre. Há pouca chance de que ele seja erradicado”. Em palavras mais simples, a vida que tínhamos até 2020 nunca mais vai voltar; temos que construir uma nova e melhor.

O primeiro lugar para começar a reconstruir nossas vidas é a nossa sociedade. Se examinarmos cada crise que a humanidade está lutando, encontraremos causas específicas para cada uma delas. Mas por trás de cada crise, seja mudança climática, incêndios florestais, COVID-19, fome, guerra, poluição da água, poluição do ar, abuso de substâncias, pobreza, obesidade, violência doméstica, racismo ou qualquer outra crise, todas são causadas ​​por nossa falta de consideração, pela nossa alienação mútua.

Nós patrocinamos uns, demonizamos outros, abusamos, manipulamos e enganamos em nosso caminho para a riqueza e o poder. Alguns são mais agressivos, outros menos, mas esta é a mentalidade dominante em todo o mundo. Esta é também a mentalidade que nos infligiu as inúmeras crises que assolam nosso planeta. Nós nunca as superaremos até eliminarmos nossos constantes maus tratos mútuos.

Sabemos que a responsabilidade mútua é ótima para todos nós; sentimos isso instintivamente. Mas sempre que queremos implementá-la, a “voz da razão” desperta em nossas cabeças e diz que é inútil tentar implementá-la, pois muito poucas pessoas estão dispostas a fazer o esforço, que é contra a natureza humana, que estamos sonhando se pensamos que isso pode funcionar, etc.

Mas é contra a natureza humana querer se sentir seguro? É contra a natureza humana querer ser capaz de confiar nas pessoas? É contra a natureza humana construir redes de responsabilidade mútua a fim de garantir a saúde e o bem-estar de todos? Pelo contrário, nada é mais natural do que esses comportamentos. Cada assentamento oferece a seus residentes exatamente esses benefícios; é por isso que as pessoas vivem em assentamentos e comunidades, e quando escolhemos nossos líderes, buscamos aqueles que melhor podem nos prover essas necessidades.

Porém, enquanto vivemos em sistemas que protegem nossas vidas, maltratamos uns aos outros – os blocos de construção dos sistemas que nos sustentam. Não faz sentido. É como se as células atacassem um antígeno que veio ajudá-las a combater um vírus e depois reclamassem que estavam doentes.

Devemos parar de ceder aos nossos egos. Eles estão distorcendo nossa percepção e nos fazem pensar todas as coisas erradas uns dos outros. Eles fazem com que nos odiemos quando, na verdade, somos todos dependentes uns dos outros e não seríamos capazes de viver se não fosse por todos nós.

E se não formos fortes o suficiente para lutar contra nossos egos para nosso próprio bem, vamos pelo menos fazer isso por nossos filhos. Não é culpa deles estarmos permitindo que nossos egos se descontrolem; não é culpa deles que sejamos sem coração, sem coragem e não possamos olhar além de nossos narizes. Vamos pelo menos desistir de nossos egos por causa deles, para que eles também tenham um futuro, e não vamos jogar roleta russa com a cabeça de nossos filhos sob a mira de uma arma.

“Coronomia – A Economia Induzida Pela Covid” (Medium)

Medium publicou meu novo artigo “Coronomia – A Economia Induzida Pela Covid

A Síndrome Respiratória Aguda Grave Coronavirus 2, ou resumidamente, SARS-CoV-2, é a cepa do coronavírus que causa a Doença do Coronavírus 2019, também conhecida como COVID-19 – a pandemia que matou mais de um milhão de pessoas em apenas dez meses e só está se tornando mais virulenta e violenta. Ela também destruiu a economia mundial.

Não vendo uma opção melhor, os governos estão imprimindo dinheiro como se não houvesse amanhã. Mas se continuarem assim, realmente não haverá amanhã, pelo menos não aquele em que queremos viver.

Com inúmeras casas e apartamentos vagos e milhões de pessoas morando nas ruas, é claro que existe uma falha fundamental no sistema.

Nesse momento, quando o familiar está falhando, é o momento certo para pensar fora da caixa. Sabemos que existem necessidades básicas que as pessoas devem ter, aconteça o que acontecer. Comida, roupas e moradia são esses princípios básicos. Se as pessoas não os tiverem, elas destruirão o país simplesmente tentando sobreviver. Portanto, o governo, qualquer governo, deve fornecer esses princípios básicos ou providenciar para que sejam fornecidos a todos os cidadãos.

Para garantir o atendimento das necessidades básicas a todos, o governo deve fazer com que a distribuição chegue a todas as pessoas. Atualmente, aproximadamente metade dos alimentos produzidos não chegam aos consumidores porque seu prazo de validade expira antes de serem comprados, ou porque são jogados no lixo por fabricantes e/ou varejistas para manter o preço alto, ou porque os custos de transporte tornam a distribuição não lucrativa.

O que vale para a comida vale também para as roupas, toneladas das quais são jogadas fora no final de cada temporada, e até mesmo para as moradias. Com inúmeras casas e apartamentos vagos e milhões de pessoas morando nas ruas, é claro que existe uma falha fundamental no sistema.

Você pode dizer: “Isso é capitalismo”, mas não faz sentido humano manter as pessoas na rua enquanto há muitas casas que elas poderiam ocupar. E se o capitalismo não faz sentido para os humanos, então o capitalismo não faz sentido, pelo menos não no mundo de hoje. Em outras palavras, é hora de dizer adeus ao capitalismo e adotar uma abordagem mais atenciosa e humana (embora eu sugira que deixemos sem nome por enquanto).

O importante agora é ajudar as pessoas a entender que somos todos responsáveis ​​uns pelos outros e por toda a natureza. Nosso modo de vida transformou nosso planeta em uma lixeira gigante. Estamos vivendo em uma lixeira, mas reclamamos quando ficamos doentes. É hora de fazermos a conexão entre como vivemos e como tudo nos afeta.

Então, depois que todos atendem às necessidades básicas de sobrevivência, é hora de mudar nosso modo de vida, ou seja, nossa atitude uns com os outros. A competição capitalista é destrutiva. Ela nos deixou sair das cavernas, mas veja aonde nos levou. Se devemos competir, devemos competir para ver quem reúne mais pessoas, quem as une, quem as torna atenciosas e cuidadosas em vez de indiferentes e egoístas.

Claro, podemos descartar toda essa noção de economia induzida pela Covid e voltar ao capitalismo, mas não vai funcionar. A Covid eliminará todas as tentativas de voltar a 2019. E quanto mais protelarmos a mudança, mais difícil e doloroso será o estímulo da Covid. Se há uma coisa que eu desejo para a humanidade, é que todos compreendam rapidamente para onde estamos indo e usem a cura que acabei de delinear antes de sofrermos o golpe.