Textos na Categoria 'Canções de Arkadi Duchin'

Aprender A Língua Do Criador

laitman_527Se a pessoa não sente que tudo o que acontece dentro dela e em toda a realidade vem do Criador, que é a única fonte de vida, isso se chama punição. E o sentimento de desprendimento próprio também vem do Criador e não é a vontade da pessoa. Não há nenhum castigo maior do que estar desconectado do Criador, ou seja, se esquecer que tudo vem de cima, Dele.

A pessoa deve continuamente renovar seu contato com o Criador, considerar Seus pensamentos e decidir como responder a cada apelo que vem Dele. O que acontece comigo não faz diferença. O importante é que tudo vem Dele: ambos os pensamentos negativos e positivos. Uma vez eu O abençoo e outra vez eu O amaldiçoo; uma vez eu quero me lembrar que Ele está em toda parte e outra vez não quero me lembrar que Ele existe e anseio por prazeres físicos corporais.

Mas tudo isso é enviado por Ele, e nós devemos examinar todas essas situações que são na sua maioria desagradáveis. É porque o Criador me mostra a que ponto estou imerso no meu ego superficial, baixo, enquanto eu tenho que encontrar a resposta certa e entender porque o Criador me envia tais desejos e pensamentos e porque eu quero responder do jeito que respondo e não do jeito que deveria.

Se eu trabalho assim, começo a sentir que preciso de apoio e que é impossível conseguir isso sozinho. Eu posso escapar do grupo  e conseguir por mim mesmo em minha vida corpórea, escondendo-me do Criador e sem sentimento de culpa de qualquer maneira, mas se realmente quero avançar, eu imediatamente sinto que devo esclarecer as minhas relações com Ele.

Não há ninguém no mundo com quem eu acerte minhas contas, pois Ele é a única fonte. Portanto, eu sinto que tenho que estar em um grupo, conectado ao professor, e que eu preciso de apoio.

Neste caso já estreito a conexão com os amigos e com o professor e começo a ouvir. É porque eu preciso de conselhos sobre o que fazer para estar conectado constantemente ao Criador e não esquecê-Lo, para ver corretamente que cada momento da minha vida vem Dele. Eu tenho que me lembrar que mesmo meus pensamentos triviais e meus desejos corpóreos vêm Dele. Tudo vem Dele para me empurrar para uma adesão ainda maior com Ele, à proximidade.

Esta é que deve ser a minha resposta. Isso significa que falamos a mesma língua. Ele me envia sinais diferentes e eu respondo a eles: “Eu entendo e me sintonizo cada vez mais a Você”.

Assim, eu chego mais perto do Criador e O percebo numa resolução maior e mais precisa. Eu vou começar a aprender a Sua língua. Existem muitas línguas no mundo que não nos permitem entender um ao outro. Aqui eu aprendo a língua do Criador: como Ele se vira para mim e como eu deveria responder-Lhe.

Se uma pessoa e o grupo focam-se assim, eles têm êxito muito rapidamente e atingem o contato com o Criador, porque Ele começa a nos ensinar a cada momento da nossa vida.

Toda a criação é influenciada desta forma pelo Criador e, assim, avança e fica mais perto no seu caminho de volta ao Criador. Primeiro, houve a difusão dos mundos de cima para baixo e a quebra, depois a história humana evoluiu, e agora vamos começar a subir para voltar ao mundo do Infinito.

Da Convenção na França “Um Por Todos e Todos Por Um”, 10/05/14, Lição 4

O Erro Dos Que Não Se Importam

Dr. Michael LaitmanA humanidade chegou a um beco sem saída que já se faz sentir. Nós vivemos numa aldeia global moderna e relutantemente descobrimos que temos que nos conectar, começar a pensar e falar sobre isso. É hora de tomar o nosso lugar no nível humano dentro do sistema geral.

Um Perigo para o Sistema

Toda natureza (os níveis do inanimado, vegetal e animal) é global, integral e mutuamente conectada em todas as suas partes. Todos os seres criados, desde os juncos até os maiores predadores, são soldados num único sistema, e, juntos, mantêm a ordem geral. Por outro lado, nós não fazemos parte desse quadro. O homem é a única parte verdadeira e prejudicial na natureza. É porque não temos limites na satisfação das nossas necessidades. Isso é típico de toda a raça humana em todos os aspectos da vida, incluindo a família, o trabalho, as relações sociais, etc.

A taxa de divórcio, por exemplo, está crescendo e também o abismo entre pais e filhos. Os jovens acham cada vez mais difícil encontrar um companheiro e começar uma família forte. Essas mudanças extremas tiveram lugar nos últimos 50 anos ou menos. Elas têm inclusive um impacto sobre o povo judeu que sempre se preocupou em ajudar os jovens a se casar e ajudou com o começo de sua casa.

Indivíduos Inseparáveis

A razão para tudo isso é o nosso ego, que chegou a sua última fase.

O egoísmo se refere ao fato de que eu não posso me identificar com os outros. Eu sinto os outros apenas na medida em que posso me beneficiar deles. Idealmente, eu quero espremer tudo o que puder dos outros. Isto não é uma acusação, é claro, mas um fato psicológico sobre a natureza humana. Esta é a nossa natureza.

No entanto, por outro lado, nós temos encerrado o mundo inteiro em laços mútuos de uma única rede que não pode ser quebrada, no desenvolvimento global, econômico, financeiro, social, familiar e político. O problema é que esta rede está cheia de ódio, conflitos, confrontos, egoísmo e orgulho.

Consequentemente, o mundo treme como resultado dos contínuos obstáculos, preocupações e ameaças. A falta de unidade entre nós invoca inadaptablidade à natureza em geral e, portanto, o mundo sofre terrivelmente.

Não É Problema Meu!

Pergunta: A maioria das pessoas vive uma vida normal e, apesar de lucrar em detrimento do outro, elas não estabelecem qualquer armadilha especial e não conspiram contra aqueles que as rodeiam. Portanto, onde elas erram? É difícil se ver como um egoísta absoluto no fluxo contínuo de preocupações diárias, na luta constante para sobreviver.

Resposta: Isso é verdade. Mas se você se justifica dessa forma, você ainda sofre. Portanto, você deve descobrir o porquê. Isso requer uma abordagem científica sólida, mesmo antes de se referir à sabedoria da Cabalá, que resume e inclui todo o mundo.

Uma análise racional indica que sofremos porque não podemos nos dar bem, não podemos nos dar bem um com o outro.

Você pode perguntar o que se pode esperar de um homem pobre que vai trabalhar de manhã e volta à noite. Mas, essas pessoas pobres miseráveis ​​criaram uma rede de sete bilhões de partes que não possuem as conexões certas entre os nós. Esta é a razão pela qual estamos todos em oposição à unidade incorporados na natureza.

O que é exigido de nós hoje é a unidade e a conexão correta. Nós não vamos acabar com essa guerra se não entendermos o problema.

Mas cada um de nós se fecha em seu pequeno canto:

- Eu não sei de nada, o que você quer de mim?

- Você se sente mal. Você não quer corrigir e mudar as coisas?

- Eu quero, mas não é minha culpa; eu simplesmente vivo a minha vida normal.

Não é assim que se lida com os problemas. Nós gradualmente afundamos ainda mais em situações perigosas e o ritmo dos acontecimentos está acelerando de um ano para o outro. Alguns desses eventos já estão atrás de nós e devemos aprender com eles. Nós temos que finalmente perceber o que está acontecendo, em vez de se esconder em nosso covil, fingindo que não nos diz respeito, uma vez que a humanidade é feita de tais pessoas que dizem que não têm nada a ver com essas coisas.

Do Programa na Radio Israelense 103FM, 15/02/15

Não Permita Outra Catástrofe Em Escala Universal, Parte 1

Dr. Michael LaitmanPergunta: Por que quando uma pessoa ouve que não há outro além do Criador, a primeira coisa que ela pensa é em todo esse mal que ocorreu no mundo: guerras, o Holocausto que ceifou milhares de vidas?

Resposta: A pessoa não concorda com o fato de que não há outro além do Criador, porque parece que isso elimina a própria pessoa, incluindo a sua existência. Ela não entende isso.

Hoje, as pessoas não concordam com a forma como o governo superior trata o povo de Israel, o grupo que busca “direto ao Criador” (Yashar-Kel), que Abraão organizou como um só povo. Mesmo hoje, as pessoas ainda choram com o desastre.

Mas seria mais correto transformar toda a memória da catástrofe na base para correção. O Museu e Memorial do Holocausto deve mostrar por que ele ocorreu, de onde veio esta terrível falha, e o que deve nos ensinar. Ele se destina a nos ensinar como podemos sair desta aflição.

No lugar da catástrofe, nós podemos desenvolver uma nova atitude do povo de Israel para com o Criador que seja mais madura e proposital. Apenas lágrimas e juras de que nunca vai acontecer de novo não vão nos proteger de futuros desastres. Naquela época, não conseguimos evitar o desastre, e por isso não podemos hoje.

O que pode ser feito, a fim de sermos capazes de influenciar os acontecimentos e não permitir que isso aconteça novamente? Como podemos aprender com o passado e encontrar a força que nos permite, de agora em diante, agir de modo que isso realmente nunca aconteça de novo? Hoje, nós temos que corrigir os danos que não fomos capazes de eliminar nos dias da catástrofe. Portanto, isso ocorreu a fim de fazer as correções pelo caminho do sofrimento.

A unidade do governo superior é um fato muito difícil, que não é aceito por uma pessoa comum, com todos os problemas e tragédias desta vida que ela tem que passar. As pessoas não entendem como é possível que o Criador tratou tão mal a nação de Israel, que foi o grupo “aspirante direto ao Criador”, orientando-os através de tal sofrimento.

Basta olhar para o caminho que o povo de Israel passou, em todo o sofrimento experimentado por nós durante os 2000 anos de exílio. Por que isso aconteceu? Qual foi o nosso erro e por que não aprendemos com isso? Por que até hoje não queremos tirar conclusões? Na verdade, com o antissemitismo crescente dia após dia, hoje pode haver uma catástrofe muito pior do que a que ocorreu na Europa há 70 anos.

Este é um assunto muito doloroso, mas temos que discuti-lo. Não há saída, e nós temos que olhar para o que aconteceu em termos do propósito da criação e das forças que atuam na natureza. Nossa tristeza pela perda é apenas o passo inicial para a produção de uma ação prática através de uma educação ampla e correta para o povo de Israel e o mundo inteiro.

Esta educação deve mostrar às pessoas que forças terríveis podem ser reveladas se não as transformarmos em forças boas. A escolha está em nossas mãos! Nós mesmos escolhemos quem nos dominará: a força do mal ou a força do bem, Faraó/egoísmo ou Criador/doação; deve ser um dos dois.

Nós devemos explicar isso em programas de televisão, workshops e debates. Isso não se aplica somente aos judeus. Hoje, nós avançamos tanto que o mundo inteiro tem que ser incluído na correção. É por isso que o governo superior começa a tratar o mundo da mesma forma que tratava antes o povo de Israel.

No passado, o governo superior exigia apenas que o povo de Israel se aproximasse da doação, mas agora isso é exigido de todo o mundo. Assim, todo o mundo está no limiar de um grande sofrimento: a guerra de Gog e Magog, a terceira guerra mundial que foi descrita pelos profetas, até uma infinidade de problemas e desgraças. E tudo isso pode acontecer porque o mundo não está avançando no caminho correto.

Naturalmente, o povo de Israel vai sofrer mais porque tem que passar a Luz para o resto. Mas o mundo inteiro também estará envolvido nesse desastre. Não vai ser como antes, uma catástrofe só do povo judeu. Protestos, problemas e revoluções irão ocorrer em qualquer local do mundo. Nós já podemos ver a primeira agitação de conflitos, que são destinados a explodir no futuro e envolver toda a terra.

Da 1ª parte da Lição Diária de Cabalá 29/10/14, Shamati # 1

Como Ovelhas Diante De Lobos

Dr. Michael LaitmanPergunta: Depois que o Primeiro e o Segundo Templos foram destruídos, será que o povo judeu sentia e lembrava a sua fundação criada por Abraão? Será que os filhos de Israel se lembravam em torno do que eles foram criados e consolidados? Será que esta fundação vivia entre eles?

Resposta: Sim e não.

Após a destruição do Segundo Templo, o povo caiu de ver a imagem interna da realidade, as forças governantes, tudo o que acontece no mundo, e, novamente se encontrou em ódio mútuo, rejeição mútua e distância mútua entre si, com uma indiferença que nos caracteriza até hoje.

Exilados da terra de Israel, nós passamos por muitas terras e nos voltamos para o oeste, para a Europa, para o leste, para as nações árabes, e começamos a afundar em apatia. Desde então, o que nos manteve juntos não é o poder do amor, nem pertencer a uma ideia, nem reciprocidade, conexão e ajuda mútua, nem qualquer cálculo, mas apenas o desejo de sobreviver. Nós ficamos presos um ao outro como ovelhas num rebanho diante de lobos, mas não nos mantivemos juntos.

Basicamente a nossa situação tem sido assim durante todo o exílio até o dia de hoje, que é todo os dois mil anos.

Pergunta: Que papel a religião cumpriu nisso?

Resposta: A religião ajudou as pessoas neste estado de absoluto desprendimento das fontes espirituais, da compreensão, de tudo. Ela simplesmente reforçou e os apoiou neste estado baixo e abjeto para que as pessoas pudessem estar envolvidas na realização de algum tipo de atividades mundanas, também chamado de Mitzvot, e, assim, manter-se desta maneira. A religião é o que resta e o que foi dado ao povo depois da destruição do Templo, em vez da sabedoria da Cabalá.

A sabedoria da Cabalá abre os céus, revela o Criador, e revela o poder da unidade ao povo. Ao realizá-la entre eles, eles descobrem o Criador, que é encontrado entre eles e que torna possível para eles viverem dentro de uma sensação de uma realidade completamente diferente.

E quando tudo isso se perdeu, nós adquirimos nossa forma atual. Isto diz respeito a todos, com exceção de alguns Cabalistas em cada geração que escreveram livros e desenvolveram esse método, e que continuaram a trabalhar para alcançar o Criador e a unidade entre nós.

De KabTV “Babilônia Ontem e Hoje” 24/09/14, Parte 7