Textos na Categoria 'Antissemitismo'

Quais São Seus Pensamentos Sobre O Ataque A Tiros No Yom Kippur Em Halle, Alemanha? (Quora)

Dr. Michael LaitmanMichael Laitman, no Quora:Quais São Seus Pensamentos Sobre O Ataque A Tiros Na Cidade Alemã De Halle Que Ocorreu Fora De Uma Sinagoga no Yom Kippur?

O ataque a tiros perto de uma sinagoga em Halle, na Alemanha, foi mais um terrível ato de antissemitismo no dia mais santo do calendário judaico. No entanto, poderia ter sido muito pior se o atacante de 27 anos, identificado com a extrema direita, tivesse quebrado as portas da sinagoga e massacrado os 80 fiéis que estavam realizando as orações de Yom Kipur.

Em um vídeo que ele gravou antes do tiroteio, o atacante negou o Holocausto, denunciou feministas e imigrantes e declarou abertamente que “a raiz de todos esses problemas é o judeu”.

Com as notícias das duas pessoas que foram mortas a tiros, as condenações vieram uma após a outra, do ministro das Relações Exteriores da Alemanha, Heiko Maas, twittando que “tiros sendo disparados em uma sinagoga no Yom Kippur, o festival da reconciliação, nos atingem no coração” e “Todos devemos agir contra o antissemitismo em nosso país”, através do primeiro-ministro de Israel Benjamin Netanyahu, comentando um “apelo às autoridades alemãs para que continuem a tomar medidas determinadas contra o antissemitismo”.

Entre todos os gritos, orações e entusiasmo pelas famílias das vítimas, há uma clara demanda por uma mudança significativa contra o antissemitismo que se espalhou rapidamente pelo mundo. No entanto, além de palavras desesperadas, há um ar de desamparo diante do fenômeno crescente.

Desamparo. Desespero. Eles parecem sentimentos muito indesejáveis. Mas será que essas sensações são na verdade um resultado positivo dos exponencialmente crescentes crimes e ameaças antissemitas?

Talvez quando nos surpreendemos repetidamente com um fenômeno irracional que assombra nosso povo por gerações – um que não faz diferenciação entre gêneros, entre Yom Kippur e um dia da semana e entre sinagogas em Berlim e Pittsburgh -, talvez seja isso que nos leve a ver o que os Cabalistas tentam nos dizer há gerações?

Seja no Livro do Zohar ou em outros textos Cabalísticos, o que os Cabalistas têm tentado comunicar ao povo judeu? Simplificando, se nós judeus nos unirmos, atraímos uma força positiva que reside na natureza a se espalhar não apenas entre nós, mas entre toda a humanidade. Ao despertar a força positiva e unificadora da natureza por meio de nossa unidade, podemos trazer paz ao mundo. Do contrário, se nos dividimos, onde todo judeu permanece dentro de si mesmo em suas próprias orações, provocamos o contrário: ódio e conflito. Como escreveu o Rav Cabalista Yitzhak Isaac Haver, “Criação e escolha, correção e destruição do mundo – tudo depende de Israel” (Siach Yitzhak. Parte 2, Likutim 1).

Horas após o ataque mortal, a chanceler alemã Angela Merkel participou de uma vigília para se identificar com as vítimas em uma sinagoga histórica no centro de Berlim. Ela ficou com a comunidade judaica enquanto eles cantavam juntos: “Ose shalom be Meromav” (“Faça a Paz em Seu céu”). Ironicamente, às vezes a resposta para nossas perguntas mais difíceis pode ser encontrada logo abaixo do nosso nariz. Às vezes, precisamos apenas abrir nossos ouvidos e ouvir as palavras que estamos cantando …

  • Ose shalom be Meromav” (“Faz a paz em Seu céu”). Significa que em nossa unidade e em nossa oração comum, podemos fazer a força superior trazer a paz acima;
  • Hu yaase shalom aleinu” (“Ele trará a paz sobre nós”), ou seja, a força superior trará paz a toda a humanidade;
  • Ve al kol Yisrael” (“e sobre todo Israel”), isto é, onde o papel do povo de Israel é unir-se;
  • Ve al kol yoshvei tevel” (“e para todas as pessoas no mundo”), ou seja, nosso papel não é receber a luz da unidade para nós mesmos, mas ser um canal para a luz se espalhar pelo mundo, ou seja, seja “uma luz para as nações”.
  • Ve imru amen” (“diga Amém”), ou seja, todos nós, judeus e nações do mundo, seremos verdadeiramente gratos por alcançar a tão esperada paz.

Amém.

E Se Os Judeus Construíssem Uma Sociedade Perfeita? – Conversa Com Joshua Goldstein


Joshua Goldstein, presidente da Divisão de Herut da América do Norte, se reúne com o Cabalista Dr. Michael Laitman para discutir a sociedade dos sonhos construída pelos judeus.

Como Lidar Com A Urgência Dos Judeus Se Unirem – Conversa Com Joshua Goldstein

Joshua Goldstein, presidente da Divisão de Herut da América do Norte, se reúne com o Cabalista Dr. Michael Laitman para discutir a sociedade dos sonhos construída pelos judeus.

Qual É A Responsabilidade Dos Judeus Em Relação Ao Mundo? – Conversa Com Joshua Goldstein


Joshua Goldstein, presidente da divisão americana de Herut North America, se reúne com o Cabalista Dr. Michael Laitman para discutir a responsabilidade dos judeus em construir uma rede de conexões positivas no mundo.

Por Que Tantos Judeus Não Têm Orgulho De Sua Identidade? – Conversa Com Joshua Goldstein


Joshua Goldstein, presidente da divisão americana de Herut North America, se reúne com o Cabalista Dr. Michael Laitman para discutir as origens do antissemitismo e a essência de ser judeu.

A Crise Mundial É Culpa Dos Judeus? – Conversa Com Joshua Goldstein


Joshua Goldstein, presidente da Divisão de Herut da América do Norte, se encontra com o Cabalista Dr. Michael Laitman para discutir a unidade dos judeus e a conscientização de como isso influencia o mundo.

Por Que É Necessário Que Os Judeus Se Unam?

Joshua Goldstein, presidente da Divisão de Herut da América do Norte, se reúne com o Cabalista Dr. Michael Laitman para discutir as origens do antissemitismo e seu papel em direcionar os judeus à unidade.

Podemos Superar A Resistência Judaica À União?

Dr. Michael Laitman

Da Minha Página No Facebook Michael Laitman 23/10/19

Encontrei-me com Joshua Goldstein, presidente da Divisão de Herut da América do Norte nos EUA, para discutir as origens do antissemitismo e a essência de ser judeu.

A sabedoria da Cabalá afirma que os judeus têm um papel específico – restabelecer e revelar a toda a humanidade o método de construir conexões positivas entre as pessoas acima do ego humano em constante crescimento, e com isso revelar a força superior de amor e doação.

Por que devemos acreditar nela? Existe alguma prova prática de que é isso que os judeus são obrigados a fazer? E se eles não quiserem fazer isso?

As leis da natureza não pedem a ninguém que concorde com elas. Elas simplesmente existem e funcionam. Os estados estabelecidos na natureza se desdobram e, de acordo com o desenvolvimento natural, hoje enfrentamos uma crise profunda e abrangente das relações humanas causada pelo tremendo crescimento do ego humano. Se continuar assim, nos destruiremos.

Portanto, a única maneira de lidar com a situação atual é implementar o método de conexão revelado por Abraão ao grupo de pessoas reunidas em 70 nações que viviam na antiga Babilônia, há 3.800 anos: os judeus. Isso significa que o povo judeu tem um lugar específico na estrutura da natureza, dando-lhe um dever explícito e, se recusar ou deixar de desempenhar seu papel, o mundo inteiro reagirá com extrema pressão e forte demanda para que os judeus tragam o sistema ao equilíbrio.

Portanto, de fato, o papel do povo judeu é que eles precisam desenvolver o senso de uma única unidade e levar o mundo inteiro à conexão.

O Que Podemos Aprender Com O Ataque Mortal Fora Da Sinagoga De Halle (Tempos De Israel)

O The Times of Israel publicou meu novo artigo: “O Que Podemos Aprender Com O Ataque Mortal Fora Da Sinagoga De Halle

O ataque a tiros perto de uma sinagoga em Halle, na Alemanha, foi mais um terrível ato de antissemitismo no dia mais santo do calendário judaico. No entanto, poderia ter sido muito pior se o atacante de 27 anos, identificado com a extrema direita, tivesse quebrado as portas da sinagoga e massacrado os 80 fiéis que estavam realizando as orações de Yom Kipur.

Em um vídeo que ele gravou antes do tiroteio, o atacante negou o Holocausto, denunciou feministas e imigrantes e declarou abertamente que “a raiz de todos esses problemas é o judeu”.

Com as notícias das duas pessoas que foram mortas a tiros, as condenações vieram uma após a outra, do ministro das Relações Exteriores da Alemanha, Heiko Maas, twittando que “tiros sendo disparados em uma sinagoga no Yom Kippur, o festival da reconciliação, nos atingem no coração” e “Todos devemos agir contra o antissemitismo em nosso país”, através do primeiro-ministro de Israel Benjamin Netanyahu, comentando um “apelo às autoridades alemãs para que continuem a tomar medidas determinadas contra o antissemitismo”.

Entre todos os gritos, orações e entusiasmo pelas famílias das vítimas, há uma clara demanda por uma mudança significativa contra o antissemitismo que se espalhou rapidamente pelo mundo. No entanto, além de palavras desesperadas, há um ar de desamparo diante do fenômeno crescente.

Desamparo. Desespero. Eles parecem sentimentos muito indesejáveis. Mas será que essas sensações são na verdade um resultado positivo dos exponencialmente crescentes crimes e ameaças antissemitas?

Talvez quando nos surpreendemos repetidamente com um fenômeno irracional que assombra nosso povo por gerações – um que não faz diferenciação entre gêneros, entre Yom Kippur e um dia da semana e entre sinagogas em Berlim e Pittsburgh -, talvez seja isso que nos leve a ver o que os Cabalistas tentam nos dizer há gerações?

Seja no Livro do Zohar ou em outros textos Cabalísticos, o que os Cabalistas têm tentado comunicar ao povo judeu? Simplificando, se nós judeus nos unirmos, atraímos uma força positiva que reside na natureza a se espalhar não apenas entre nós, mas entre toda a humanidade. Ao despertar a força positiva e unificadora da natureza por meio de nossa unidade, podemos trazer paz ao mundo. Do contrário, se nos dividimos, onde todo judeu permanece dentro de si mesmo em suas próprias orações, provocamos o contrário: ódio e conflito. Como escreveu o Rav Cabalista Yitzhak Isaac Haver, “Criação e escolha, correção e destruição do mundo – tudo depende de Israel” (Siach Yitzhak. Parte 2, Likutim 1).

Horas após o ataque mortal, a chanceler alemã Angela Merkel participou de uma vigília para se identificar com as vítimas em uma sinagoga histórica no centro de Berlim. Ela ficou com a comunidade judaica enquanto eles cantavam juntos: “Ose shalom be Meromav” (“Faça a Paz em Seu céu”). Ironicamente, às vezes a resposta para nossas perguntas mais difíceis pode ser encontrada logo abaixo do nosso nariz. Às vezes, precisamos apenas abrir nossos ouvidos e ouvir as palavras que estamos cantando …

  • Ose shalom be Meromav” (“Faz a paz em Seu céu”). Significa que em nossa unidade e em nossa oração comum, podemos fazer a força superior trazer a paz acima;
  • Hu yaase shalom aleinu” (“Ele trará a paz sobre nós”), ou seja, a força superior trará paz a toda a humanidade;
  • Ve al kol Yisrael” (“e sobre todo Israel”), isto é, onde o papel do povo de Israel é unir-se;
  • Ve al kol yoshvei tevel” (“e para todas as pessoas no mundo”), ou seja, nosso papel não é receber a luz da unidade para nós mesmos, mas ser um canal para a luz se espalhar pelo mundo, ou seja, seja “uma luz para as nações”.
  • Ve imru amen” (“diga Amém”), ou seja, todos nós, judeus e nações do mundo, seremos verdadeiramente gratos por alcançar a tão esperada paz.

Amém.

“Pós-Trauma Judaico: A Causa, O Diagnóstico E A Cura” (Tempos De Israel)

O The Times of Israel publicou meu novo artigo: “Pós-Trauma Judaico: Causa, Diagnóstico E Cura

O pós-trauma de incidentes antissemitas recorrentes, do Holocausto e dos pogroms, permeou gerações inteiras de judeus. Em Israel, ansiedade e eventos traumáticos fazem parte da realidade diária que afeta crianças, adolescentes e a população em geral. O israelense médio experimentou ou conhece alguém vítima de terror ou guerra. As drogas podem entorpecer os sintomas desse fenômeno, mas a verdadeira cura só pode vir de nossa capacidade única de construir uma rede de segurança quando nos conectamos como nação judaica.

Israel possui o exército mais forte do mundo, mas não fornece imunidade ao trauma de perder um amigo em combate ou à constante nuvem cinzenta de ameaças de inimigos dentro e fora do país. Um grande número de combatentes em vários níveis está exposto à ansiedade, desde adultos e idosos que participaram de guerras israelenses no passado até jovens que completaram o serviço de combate.

O fenômeno, no entanto, é muito mais amplo do que apenas o exército israelense. Isso inclui todos nós. Somos uma nação que vive diariamente em traumas. Não é apenas devido à ameaça permanente que tomou conta do Estado de Israel desde a sua criação, e não apenas pelo medo oculto de violência e terror ocasionais. Estamos constantemente traumatizados por sermos judeus.

O trauma que nos envolve – do futuro ameaçador, do presente hostil ou do passado assustador – permeia todas as avenidas da nação. As crianças frequentam o jardim de infância em áreas atacadas por foguetes, respiram pânico oculto na atmosfera, rapidamente deixam cair tudo e correm para abrigos sempre que sirenes de aviso soam por perto e tremem sempre que os alarmes tocam em seus telefones de que outro foguete penetrou em uma parte mais remota do país. O trauma já está dentro de nós, estando ou não conscientes disso.

Temos a tendência de nos orgulhar de nossa aspereza israelense, a dureza externa. Mas aqueles que se sentem seguros não precisam dessa armadura. Eles também podem ser sensíveis externamente. Esse é outro sintoma do trauma judaico: a necessidade de defender, fortalecer e jogar duro para não se machucar.

Por que isso está acontecendo conosco? Quem somos nós judeus? De onde viemos e para onde estamos indo? Para que serve tudo isso? Qual é o propósito deste mundo? Qual é o nosso papel em relação ao mundo?

Devemos responder a essas perguntas de maneira distinta e alcançar a realização de nosso importante papel na humanidade, mesmo que pareça um fardo pesado sobre nossos ombros. Pelo contrário, a implementação de nosso papel tornará nossa realidade difícil e atual mais leve e agradável.

O profeta Jonas, cuja história lemos em Yom Kipur, também sofreu trauma. Sua história, que descreve nossas experiências, começou com a missão que recebeu de Deus: advertir o povo de Nínive a se afastar de seus maus caminhos e começar a agir como a realidade exige – com afeto mútuo.

Jonas tentou fugir de seu destino. Ele embarcou em um navio que navegou para o mar e sua fuga causou uma tempestade. Os marinheiros a bordo perceberam que a causa da tempestade, que criou muitas dificuldades, era o “judeu” em seu navio. Assim, eles o jogaram no mar. Uma baleia engoliu Jonas. Enquanto estava no estômago da baleia, Jonas passou por um árduo auto-exame até que ele concordou em desempenhar o papel que lhe fora designado. Depois, a baleia o levou em segurança, para a cidade de Nínive.

A história de Jonas é a história do povo de Israel.

Temos um papel que sempre nos acompanhou: estabelecer a unidade entre nós e servir de exemplo para o mundo. No entanto, tentamos evitar esse papel. Portanto, toda vez que o mundo sofre uma determinada crise, menor ou maior, isso nos marca, os judeus, como culpados pelo problema. Além disso, toda acusação que enfrentamos se torna um trauma que se acumula repetidamente em nossa experiência judaica, independentemente de sentirmos ou não.

Nosso destino é inevitável. É o resultado de leis rigorosas da natureza escritas nos livros da Cabalá. Precisamos aprendê-las para entender o que temos que fazer, caso contrário continuaremos experimentando golpes acumulados nas nações do mundo.

É correto tratar toda a nação judaica como sofrendo de trauma. Não devemos obscurecer o problema, mas acelerar a compreensão de que a cura de tais traumas depende do desenvolvimento de uma abordagem unificada e atualizada entre si e com a realidade como um todo.

Yom Kipur é um tempo de introspecção, tanto para os indivíduos quanto para a nação judaica como um todo. Podemos usar o tempo para o autoexame em Yom Kipur para afetar positivamente nosso destino, se também concordarmos em realizar nosso papel, nos unirmos e nos tornarmos “uma luz para as nações”.

Aumentando a conscientização e trabalhando para nos unirmos, vamos satisfazer as demandas da humanidade sobre nós e irradiaremos uma luz positiva para o mundo, como está escrito, “pois eles são vida para aqueles que os encontram e saúde para toda a carne” (Provérbios 4:22).