Textos na Categoria 'Antissemitismo'

“Satanás Fala Em Eufemismo” (Times Of Israel)

Michael Laitman, no The Times Of Israel: Satanás Fala Em Eufemismo

Oitenta anos atrás, nesta semana, ocorreu a Conferência de Wannsee. Ela recebeu o nome da vila na Alemanha nazista, onde a conferência ocorreu, e seu objetivo era encontrar uma “solução final para a questão judaica” e torná-la a política oficial da Alemanha. O resultado: um plano de trabalho detalhado para exterminar todos os 11 milhões de judeus que viviam na Europa e na União Soviética. Não houve drama na conferência, nenhuma expressão de ódio, apenas fatos e detalhes. Mesmo palavras como “extermínio” ou “matança” estavam ausentes da ata da conferência. O documento final dizia simplesmente: “Aproximadamente 11 milhões de judeus estarão envolvidos na solução final da questão judaica europeia”.

Esta é a face do antissemitismo institucional, a forma mais diabólica do ódio mais tenaz. Como o resto de seus irmãos, esse gênero de ódio não morreu no final da Segunda Guerra Mundial; simplesmente mudou-se para um alojamento mais espaçoso. Agora residindo no East Side de Manhattan, tem um complexo inteiro em NY 10017, Nova York, e o nome de sua nova residência é Sede das Nações Unidas. Todo o resto, no entanto, permaneceu o mesmo: o mesmo ódio e a mesma determinação de demolir os judeus.

Existem, no entanto, duas diferenças entre aquela época e agora: 1) O alvo imediato do ódio mudou dos judeus para o Estado Judeu, Israel. Os próprios judeus serão tratados mais tarde, uma vez que o Estado Judeu tenha sido exterminado. 2) A questão judaica não é mais um assunto interno alemão ou europeu, como alguns países argumentaram durante a guerra para se desculparem de salvar judeus. Hoje, o ódio vomita abertamente de todo o mundo para a totalidade do povo judeu.

Na campanha mundial contra os judeus, todos os pretextos são explorados e todos os problemas são atribuídos aos judeus. Não apenas as campanhas militares de Israel para se proteger contra os ataques de foguetes de Gaza são exploradas, mas cada infortúnio que acontece em qualquer lugar é atribuído aos judeus. Do ataque terrorista de 11 de setembro à crise financeira de 2008, ao Coronavírus, tudo está preso aos judeus.

Nós, os judeus, temos apenas um remédio, uma “vacina” para nos proteger da adversidade. Lamentavelmente, durante séculos, temos sido os mais ferrenhos antivacinas e nos recusamos a engoli-la: nossa vacina contra o ódio é a coesão interna.

Todo líder espiritual desde o início de nossa nação nos implorou para aceitá-la. Todo profeta e todo sábio tanto a promulgou quanto nos advertiu sobre as consequências de evitá-la. Nunca ouvimos e sempre sofremos as consequências.

Aproxima-se o tempo em que outra rodada de angústia judaica se desenrolará. Como tudo nos dias de hoje, não será um tormento local, mas uma agonia mundial. Como então, agora, a escolha está em nossas mãos para tomar a vacina da coesão judaica acima de todas as divisões, ou sofrer a ira civilizada, repleta de eufemismos, ira mortal do mundo.

A neve está em frente à Casa da Conferência de Wannsee. Em 20 de janeiro de 1942, altos funcionários do NSDAP e da SS se reuniram na vila em Wannsee, em Berlim.

“A Traição À Anne Frank E A Natureza Humana” (Times Of Israel)

Michael Laitman, no The Times of Israel: “A Traição À Anne Frank E A Natureza Humana

“Apesar de tudo, ainda acredito que as pessoas são realmente boas de coração”, escreveu Anne Frank, a judia holandesa que manteve um diário enquanto ela e sua família estavam escondidas por dois anos durante a ocupação nazista da Holanda.

Em relação ao Holocausto, ela questionou: “Quem nos infligiu isso? Quem nos fez judeus diferentes de todas as outras pessoas? Quem nos permitiu sofrer tão terrivelmente até agora?” Anne e outros sete membros da família foram descobertos pelos nazistas em 4 de agosto de 1944 em um anexo secreto acima de um armazém em Amsterdã. Depois que todos foram descobertos e deportados separadamente para campos de concentração, Anne adoeceu e morreu quando tinha apenas 15 anos.

A questão de quem poderia ter alertado os nazistas sobre a localização da família Frank intrigou vários pesquisadores por quase oito décadas. Após uma investigação de seis anos, uma equipe internacional de historiadores e outros especialistas revelou a identidade do homem que eles acreditam ter traído a família de Anne Frank durante a Segunda Guerra Mundial.

O principal suspeito é um notário e empresário judeu chamado Arnold van den Bergh, membro do Judenrat na Holanda, que supostamente revelou o esconderijo dos Frank para proteger sua própria família da deportação.

A presunção de que um judeu traiu outro judeu suscitou reações contrastantes; há aqueles que estão indignados com a afirmação e aqueles que dizem não estar surpresos com essa expressão de ódio próprio dos judeus. Mas eu escolho olhar para o lado humano das coisas: nunca julgue alguém até que eu tenha estado no lugar deles.

Há muitos anos assisti a um documentário sobre dois judeus — um deles um prisioneiro submetido a torturantes trabalhos forçados em um campo de concentração nazista, e o outro, seu rigoroso supervisor que fez tudo o que pôde para oprimi-lo. Hoje eles são bons amigos. E quando perguntaram ao judeu oprimido como ele poderia olhar seu antigo e cruel chefe nos olhos, ele respondeu simplesmente: “Eu o entendo. Se eu estivesse no lugar dele, teria feito exatamente o mesmo”.

Minha conclusão é simples: mesmo que os resultados da nova investigação sejam verdadeiros e de fato tenha sido um judeu que traiu Anne Frank e sua família, não podemos julgar as pessoas que estão sob forte pressão. Podemos falar sobre a importância da democracia, nos expressar criativamente em um mundo iluminado, brincar na vida como em um palco de teatro, mas quando vivenciamos circunstâncias extremas em nossas vidas e estamos em uma situação em que estamos presos, descobrimos que a psicologia assume uma nova forma: o medo e a ameaça podem nos levar a uma nova maneira de pensar. Pode até encorajar ações, que em condições normais seriam consideradas cruéis e impensáveis. Assim é a natureza humana.

“Por Que Todo Mundo Pensa Que Somos Tão Terríveis” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “Por Que Todo Mundo Pensa Que Somos Tão Terríveis

Quanto mais a humanidade evolui, mais ela instala reações negativas em todos os níveis da natureza. Mas seu efeito adverso é sentido mais fortemente no nível humano. Dentro do nível humano também há divisões: há os judeus e há o resto do mundo. Não acredita em mim? Se você verificar quantas resoluções da ONU dizem respeito a Israel e quantas dizem respeito ao resto do mundo, você descobrirá que em todos os grandes comitês, como o Conselho de Direitos Humanos ou o Conselho de Segurança, Israel é objeto de resoluções da ONU várias vezes mais do que todos os países do mundo juntos! Além disso, todas essas resoluções são condenações e apelos para que Israel corrija seu comportamento.

Se o mundo inteiro sente que Israel é várias vezes pior do que todos os países do mundo, juntos, faz sentido que eles lidem apenas conosco, o principal problema do mundo. Portanto, qualquer nível de antissemitismo e sentimento anti-Israel que o mundo expressou até agora certamente aumentará.

Está escrito que Israel se tornou uma nação ao pé do Monte Sinai quando se uniram “como um homem com um coração”. No entanto, também está escrito que quando Israel recebeu a lei da unidade, o mandamento de amar uns aos outros como a si mesmos, o ódio por Israel desceu sobre as nações do mundo (Midrash Rabá, Shemot 2:4).

Desde aquele dia fatídico, devemos ser uma nação modelo, dar um exemplo de unidade ao mundo inteiro. Nas palavras de nossos sábios, isso foi chamado de ser “uma luz para as nações”. Quando temos sucesso, somos saudados como heróis e o mundo sente que pode aprender com nosso exemplo como administrar seus negócios. Quando falhamos, e na maioria das vezes falhamos, somos condenados como vilões e culpados por todos os problemas do mundo, especialmente os conflitos.

Desde o início de nossa nação, todos os sábios ao longo das gerações confirmaram a ligação entre nossa unidade e o bem-estar do mundo. Ao longo do último século, no entanto, crescemos tanto que perdemos todo o senso de nossa obrigação. O termo Tikkun Olam [correção do mundo], que tantos líderes judeus gostam de usar em um sentido ético, na verdade não se refere a nenhuma outra nação. Refere-se apenas à correção de nosso sina’at hinam [ódio mútuo sem causa], que nos impede de ser “uma luz para as nações” e possibilita a correção do mundo.

O que definimos como antissemitismo ou como antissionismo é realmente a exigência das nações para que demos o exemplo que somos obrigados a dar: um exemplo de unidade.

As pessoas definem a espiritualidade de muitas maneiras, mas se há uma lei em nosso mundo que é verdadeiramente espiritual, e ainda assim abertamente presente entre nós, é o antissemitismo. Não há uma maneira racional de explicá-lo, mas todos o sentem e não podem resistir a ele. Portanto, explicações racionais não irão curar ou mesmo diminuir o antissemitismo.

O único remédio para o ódio aos judeus é o amor aos judeus, ou seja, que os judeus aprendam a amar uns aos outros por nenhuma outra razão além de dar um exemplo de unidade acima do ódio para que o mundo inteiro possa ser curado do conflito. Somente quando seguirmos esta única lei espiritual nos libertaremos do mais antigo, mais persistente e mais maligno de todos os ódios.

“Cerco à Sinagoga No Texas: Ainda Algo Para Orar” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “Cerco à Sinagoga No Texas: Ainda Algo Para Orar

Explosões e tiros foram ouvidos antes que a provação de reféns de 10 horas na sinagoga Beth Israel em Colleyville, Texas, terminasse. Quatro reféns foram libertados ilesos em mais um ataque de um pistoleiro a uma sinagoga americana, que vem acontecendo com maior frequência nos últimos anos. Embora o impasse tenha terminado com segurança, desta vez, com a equipe de resgate de reféns do FBI libertando o rabino e seus congregados, o povo judeu precisará ativar forças especiais de sua unidade e solidariedade para estar seguro em seus locais de culto e em qualquer outro lugar.

Infelizmente, a ameaça não vai parar e os medos só vão aumentar. A tendência do ódio aos judeus não mudou por séculos, só está ficando mais forte, especialmente na América. Todo incidente antissemita, pequeno ou grande, deve nos lembrar que há uma razão eterna para esse fenômeno que precisa ser investigada.

“Orações respondidas”, tuitou o governador do Texas, Greg Abbott, depois que a polícia invadiu a sinagoga para libertar os reféns de um atirador que havia interrompido um serviço para exigir a libertação de um terrorista condenado. O incidente é um lembrete poderoso de que os judeus não podem nem se sentir seguros em seus locais de culto. Embora os motivos fossem diferentes, a sinagoga Tree of Life em Pittsburgh em outubro de 2018 e a Sinagoga Poway na Califórnia em abril de 2019 foram atingidas por ataques mortais enquanto as congregações judaicas oravam.

Desde então, as instituições judaicas reforçaram as medidas de segurança, mas isso não parece ser suficiente. Em coordenação com o Departamento de Segurança Interna dos EUA, as Federações Judaicas da América do Norte anunciaram um plano de US$ 54 milhões para instalar portas seguras e câmeras de vigilância e contratar pessoal de segurança em organizações, escolas e sinagogas judaicas.

Infelizmente, a ameaça não vai parar e os medos só vão aumentar. A tendência do ódio aos judeus não mudou por séculos, só está ficando mais forte, especialmente na América. Todo incidente antissemita, pequeno ou grande, deve nos lembrar que há uma razão eterna para esse fenômeno que precisa ser investigada.

O antissemitismo é um sentimento forte e profundo de ódio contra os judeus, um sentimento natural e ardente que não pode ser esmaecido de forma alguma. Nossos agressores veem em nós, os judeus, as causas de todo sofrimento humano, e isso está enraizado na natureza.

Toda a humanidade está conectada em uma rede, em um sistema natural integral dentro do qual o povo de Israel é a parte mais interna; é uma pequena nação que reflete dentro de si toda a humanidade. Rav Yehuda Ashlag (Baal HaSulam), escreveu em sua Introdução ao Livro do Zohar: “Tenha em mente que em tudo há interioridade e exterioridade. No mundo em geral, Israel, os descendentes de Abraão, Isaque e Jacó, são considerados a interioridade do mundo”.

Essa força interna pode ser ativada no povo judeu através de nossa conexão. É o que as nações do mundo querem inconscientemente de nós e é o que reside no fundo como a razão central por trás de toda expressão de antissemitismo.

Rav Abraham Isaac Kook também enfatiza a importância do nosso papel em seus escritos Orot (Luzes): “Israel é a essência de toda existência, e você não tem movimento no mundo, em todas as nações, que você não encontrará em Israel”.

Quando estamos divididos e em conflito uns com os outros, com cada judeu orando sua própria oração, nós mesmos despertamos os espíritos de ódio contra nós. Por outro lado, quando nos conectamos, despertamos uma força positiva que se espalha de forma única e oculta no sistema integral da natureza para neutralizar o ódio e trazer paz e tranquilidade ao mundo.

Desta vez, “nossas orações foram respondidas”. Para evitar a próxima catástrofe, devemos multiplicar a conexão de boas e amistosas relações para que um desejo comum e uma oração se cristalizem entre nós, os judeus de todo o mundo. Como está escrito: “O movimento genuíno da alma israelense em sua grandeza é expresso apenas por sua força sagrada e eterna, que flui dentro de seu espírito”. Rav Kook, (Cartas do RAAIAH 3)

“O Que Einstein Sabia E Os Judeus Se Recusam A Reconhecer” (Times Of Israel)

Michael Laitman, no The Times of Israel: “O Que Einstein Sabia E Os Judeus Se Recusam A Reconhecer

“Não temos outro meio de autodefesa além de nossa solidariedade”, escreveu o físico Albert Einstein em uma carta a um filantropo judeu de Nova York em junho de 1939, para expressar gratidão por sua ajuda aos refugiados judeus que conseguiram escapar dos nazistas pouco antes da eclosão da Segunda Guerra Mundial. Hoje, como na época, a solidariedade judaica é a única maneira de combater o antissemitismo, mas parece que não aprendemos as lições do passado, pois a divisão e a luta interna prevalecem.

Na carta de agradecimento de Einstein, divulgada recentemente, o cientista se dirige ao empresário americano Fred Behr e compartilha com ele sua profunda preocupação com a ascensão do domínio nazista na Europa e o perigo iminente para os judeus: “O poder de resistência que permitiu ao povo judeu sobreviver por milhares de anos baseou-se em grande parte em tradições de ajuda mútua. Nestes anos de aflição, nossa prontidão para ajudar uns aos outros está sendo submetida a um teste especialmente severo”.

Assim como o antissemitismo levou ao estabelecimento do Estado de Israel, hoje estamos testemunhando um aumento acentuado do sentimento antissemita, tanto diretamente contra os judeus quanto disfarçado de deslegitimação de Israel, em muitos países – mas especialmente nos Estados Unidos e na Europa. Agora é imperativo que abracemos os valores de unidade e responsabilidade mútua para garantir nossa sobrevivência.

Mas hoje, esses valores tornaram-se menos importantes aos olhos da maioria dos judeus, atualmente somos como uma coleção de grupos separados – esquerda versus direita, religiosos versus seculares, asquenazes versus sefarditas, para citar apenas algumas divisões – engajados em uma luta constante um contra o outro.

Assim, para retornar às nossas raízes unidas e nos restabelecer como um povo judeu unido, devemos colocar nossos valores originais de unidade e solidariedade no centro de nosso discurso comum. O que nos motivaria a nos reunir como uma única nação? Por que isso é mesmo importante? É assim porque a alternativa é a extinção. Somente um modelo bem tricotado pode garantir nossa sobrevivência. Como dizem nossos sábios, “todos em Israel são fiadores uns dos outros [responsáveis ​​uns pelos outros], o que significa que quando todos estão juntos, eles veem apenas o bem”. (Uma Voz de Transmissão). E como está escrito em Shem MiShmuel, “Quando eles [Israel] são como um homem com um coração, eles são como um muro fortificado contra as forças do mal”.

Solidariedade e unidade são os valores judaicos mais importantes, originalmente instituídos por nosso Patriarca Abraão e seu grupo há cerca de 3.800 anos. Guiado por esses princípios, esse grupo se tornou o “povo de Israel” e aprendeu a viver harmoniosamente como uma nação coesa.

Seguindo os princípios de responsabilidade e coesão mútuas, podemos fortalecer laços que transcendem pessoas, grupos, facções, idades e gêneros, e visam unir todas as pessoas, sem exceção, em todas as diferenças.

Além disso, ao realizar tal visão, serviremos de modelo para uma sociedade perfeita de pessoas realizadas e bem-sucedidas que compartilham os valores mais importantes da vida: amor e conexão. Como resultado, o mundo absorverá a atmosfera unificadora que projetamos, e o antissemitismo diminuirá em todas as suas formas.

“As Recentes Resoluções Da ONU Sobre Israel Aumentarão O Antissemitismo Em Todo O Mundo?” (Quora)

Dr. Michael LaitmanMichael Laitman, no Quora: As Recentes Resoluções Da ONU Sobre Israel Aumentarão O Antissemitismo Em Todo O Mundo?

Acho que as resoluções da ONU sobre Israel não têm impacto no aumento do antissemitismo.

O antissemitismo é um fenômeno que se desenvolve de acordo com a lei da natureza, que é uma lei de interconexão e interdependência.

Quanto mais a humanidade se desenvolve, mais interconectados e interdependentes nos tornamos. Se não conseguimos mitigar nosso desenvolvimento percebendo positivamente nossas crescentes conexões e interdependência, acima de nossos impulsos divisivos inatos, o antissemitismo aumenta.

Em outras palavras, o antissemitismo não aumenta porque a ONU ou qualquer outra pessoa decidiu algo, mas porque está embutido na lei da natureza. Quanto mais o antissemitismo aumenta, mais ele sinaliza a pressão da natureza sobre nós para fazermos uma mudança séria de atitude: parar de ceder aos nossos impulsos instintivos de divisão e, em vez disso, perceber positivamente nossas conexões estreitas.

Baseado no “Encontro de Escritores” com o Cabalista Dr. Michael Laitman em 12 de dezembro de 2021. Escrito/editado por alunos do Cabalista Dr. Michael Laitman.

“Nós Mesmos Colocamos Emma Watson, Sally Rooney E Outros Contra Nós” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “Nós Mesmos Colocamos Emma Watson, Sally Rooney E Outros Contra Nós

Emma Watson, Sally Rooney e Roger Waters são apenas três de uma longa lista de atores, músicos, autores e artistas de todos os tipos e credos torcendo pelos palestinos e pedindo o boicote a Israel. Como é que eles estão nos culpando, Israel? Não lhes estendemos a mão em paz inúmeras vezes? Não oferecemos a retirada de todos os territórios ocupados na Guerra dos Seis Dias de 1967? De fato, oferecemos. Isso ajudou? Não, isso não aconteceu. Ajudaria se cedêssemos a terra em sua totalidade? Não, não ajudaria. Afinal, eles massacraram judeus em 1921, 1929, 1936, e sempre que podiam antes, no meio e depois daquelas datas de tumultos. Além disso, o “melhor amigo” dos palestinos foi Adolf Hitler.

Então, por que o mundo se importa com os palestinos e não conosco? A resposta é simples, mas contraintuitiva: o mundo se importa com eles e não conosco, porque não nos importamos uns com os outros. O mundo se preocupará com os judeus quando os judeus se preocuparem uns com os outros, e nem um momento antes.

Dizemos que queremos a paz com os palestinos, cantamos a paz e oramos por ela, mas não estamos dando um passo em direção ao outro. Entre nós, estamos na garganta uns dos outros, lutando pela superioridade e imbuídos de um sentimento de direito e indignação justa contra nossos irmãos.

Como acabamos de dizer, tentamos todo tipo de oferta de paz possível, mas fomos rejeitados todas as vezes. Portanto, apesar de nossas divisões internas, é hora de examinarmos o que estamos fazendo de errado um com o outro, em vez de culpar o outro lado por não aceitar nossas ofertas generosas.

Se olharmos para dentro de nós mesmos, descobriremos que o problema realmente está dentro de nós: é o ódio entre nós. Não podemos estar em fraternidade com os palestinos, e eles não vão querer estar em fraternidade conosco, até que estejamos em fraternidade uns com os outros. Mas uma vez que formos como irmãos, o resto do mundo se relacionará conosco de acordo.

Percebo que pode parecer que seu único desejo é nos expulsar daqui, e percebo que eles também sentem que esse é seu verdadeiro desejo, mas o povo judeu é indesejado em todos os lugares que vai, não porque seja invasor, mas porque eles não são fiéis ao seu chamado. O único propósito de nossa existência é servir como uma nação modelo – uma nação cujo povo se eleve acima de suas divisões e forme uma união que transcende todas as divisões. Quando conseguimos isso, e houve momentos em nosso passado em que conseguimos, somos os queridinhos do mundo. Quando falhamos em alcançá-lo, e geralmente falhamos, somos os párias do mundo.

Portanto, não devemos nem tentar quebrar uma rachadura no muro de ódio do mundo pelos judeus; não teremos sucesso. Nossos esforços devem se concentrar apenas em promover boas conexões entre nós. Se tivermos sucesso, abriremos todas os muros no coração de cada pessoa no mundo.

Podemos parar de tentar “explicar” nossa posição, provar que estamos certos, afirmar que também temos direito a um país soberano. Ninguém está ouvindo. Mas quando nos relacionarmos, não precisaremos explicar nada a ninguém; nosso mérito nos concederá tudo o que atualmente exigimos ter. Além do mais, não precisaremos explicá-lo; será óbvio para todos, e todos serão nossos amigos.

Nossos livros, nossa história e nossos sábios de todas as gerações nos dizem que nossa única esperança é a união. É hora de ouvirmos.

O Antissemitismo No Mundo É A Lei Da Natureza

962.5Pergunta: As recentes resoluções da ONU sobre Israel aumentarão o antissemitismo no mundo?

Resposta: Não acho que uma coisa afete a outra. Acontece de acordo com a lei geral da evolução humana.

A humanidade tem que se desenvolver de acordo com o plano da criação, e se não mitigarmos nosso desenvolvimento nos comportando adequadamente, o antissemitismo aumenta, não porque alguém inteligente ou estúpido disse algo, mas porque é a lei da natureza.

De KabTV, “Conversa com Jornalistas”, 12/12/21

“Por Que Existem Tantas Conspirações De Que Os Judeus Estão Por Trás Do Coronavirus?” (Quora)

Dr. Michael LaitmanMichael Laitman, no Quora: Por Que Existem Tantas Conspirações De Que Os Judeus Estão Por Trás Do Coronavírus?

As muitas conspirações discutindo os judeus como estando atrás e se beneficiando do coronavírus emergem como parte de uma pressão mais geral sobre o povo judeu que existe na natureza, que visa, em última instância, levar o povo judeu a se unir: para alcançar o amor mútuo e o cuidado mútuo, a fim de se tornar um canal para a unidade se espalhar por toda a humanidade.

Quando nós, o povo judeu, nos unirmos com fios comuns de amor entre nós, as mentiras e a pressão contra nós irão diminuir, e em seu lugar formaremos uma florescente conexão harmoniosa.

O povo judeu foi estabelecido quando um grupo de antigos babilônios se reuniu em torno de uma ideologia unificadora, para alcançar o “Ame seu próximo como a si mesmo”. Em outras palavras, não somos uma nação que compartilha uma conexão biológica natural, mas fomos formados quando alcançamos a conexão em torno de uma ideologia profundamente unificadora.

Quanto mais longe estamos de compreender a ideologia que inicialmente nos tornou um povo judeu – um amor comum entre nós – mais pressão e ódio surgem contra nós. Pelo contrário, quanto mais perto chegarmos de realizar um amor comum em nossas conexões, mais encontraremos não apenas calma e paz, mas, além disso, uma inversão do ódio contra nós em um amor e reverência por um povo que traz paz, amor e harmonia para o mundo.

Como disse o Rabino Akiva: “Ame seu amigo como a si mesmo – esta é uma grande regra na Torá”. Precisamos implementar esta grande regra entre nós aqui na terra. No momento, estamos longe de perceber, e isso é exatamente o que precisamos fazer: levar a lei de “Ame seu amigo como a si mesmo” para todos – implementá-la entre si e, então, ela se espalhará para todos. Então, o mundo vai parar de nos odiar.

Baseado no vídeo “Why Are There Covid Jewish Conspiracies?” com o Cabalista Dr. Michael Laitman e Oren Levi. Escrito/editado por alunos do Cabalista Dr. Michael Laitman.

“A ONU Contra Israel (De Novo)” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “A ONU Contra Israel (De Novo)

Mais uma vez, a Organização das Nações Unidas expõe sua face antissemita. Poucos dias atrás, a Assembleia Geral da ONU aprovou o financiamento permanente e robusto para um comitê estabelecido pelo Conselho de Direitos Humanos para investigar as alegadas violações dos direitos humanos de Israel e “crimes de guerra” contra palestinos na sequência da “Operação Guardião das Muralhas”. Essa operação militar foi lançada pelo exército israelense em resposta aos ataques maciços de foguetes de maio passado contra o Estado Judeu.

Recentemente, foguetes disparados de Gaza contra Israel atingiram a costa de Tel Aviv. Consequentemente, as IDF (Forças de Defesa de Israel) realizaram ataques aéreos de retaliação para atingir alvos do Hamas. De acordo com as críticas constantes da ONU às ações de Israel, ela afirma que Israel não tem o direito de se defender.

Já está claro que o ódio aos judeus define a agenda na ONU. É evidente que não se baseia na realidade visível, mas nasce de um antissemitismo incontrolável que leva os Estados membros da ONU a estabelecer comitês, compilar documentos e organizar reuniões que acabarão por levar a organização a reconsiderar o estabelecimento do Estado de Israel. Eles dirão: “Revertemos a mesma decisão com a qual concordamos e, por meio deste, abolimos o Estado de Israel. Não temos ideia de porque concordamos com o estabelecimento do Estado judeu em primeiro lugar, mas as últimas décadas nos convenceram de que foi um erro histórico. Portanto, tudo o que temos a fazer é decidir como será o processo de abolição do Estado e devolução da terra ao povo palestino”.

É isso que espero que aconteça no futuro. A comunidade internacional ficará feliz em tomar Jerusalém e as áreas circunvizinhas de Israel e entregá-las aos palestinos. Exatamente em quanto tempo isso vai acontecer? É difícil dizer, mas com o apoio da ONU isso pode acontecer muito rapidamente.

Tudo está pronto, os departamentos estão prontos e as forças estão prontas. Não há problema algum. A verdade é que temo que muitos judeus em Israel não lamentarão a decisão, mas até a apoiarão de todo o coração.

Como pode surgir tal fenômeno? É porque nos falta educação e consciência de nosso papel como povo de Israel. Não temos um plano educacional claro que deixe claro para todos quem são, qual é a sua herança e qual é o seu papel. Desistimos de nossos princípios e raízes até que uma bela manhã alguém em Israel se levanta e pensa: “As decisões da ONU são democráticas e liberais, temos que levar as outras pessoas (os palestinos) em consideração. Elas merecem a terra e nós? Podemos lidar com isso, vamos dar a eles as terras que reivindicam”. Qualquer judeu que desistir deste pedaço de terra não está conectado a Israel e não sente que pertence a ele.

Nem todos os judeus são assim. Existem muitas pessoas boas que amam a terra e tentarão se levantar e lutar contra as decisões anti-Israel, mas a questão é quão fortes elas serão. Quando a ONU decidir, os exércitos dos vizinhos virão para cá, e o que faremos? Como vamos lutar quando o mundo inteiro se levantar contra nós?

Em última análise, podemos triunfar sobre qualquer ameaça e prevalecer apenas quando usamos a ajuda encontrada no espírito especial de nosso povo, os judeus. Podemos acessá-lo apenas quando nos conectamos e realmente nos tornamos Israel (Isra – El: Yashar Kel [direto ao Criador]). Quando lutamos juntos pela ideologia e pelo espírito judaicos e despertamos as forças de conexão entre nós, forjamos a conexão com a força superior, o poder supremo. Então a guerra de baixo será uma “guerra de cima”, a guerra das forças do mal contra o poder bom e benevolente que governa o mundo.