Textos na Categoria 'Antissemitismo'

Como Podemos Equilibrar A Sociedade? – Conversa Com O Prof. Stephen Bronner

O Cabalista Dr. Michael Laitman e o Prof. Stephen Bronner, co-diretor do Conselho Internacional de Diplomacia e Diálogo e autor de Um Rumor sobre os Judeus: Antissemitismo, Conspiração e Protocolos de Sião, buscam a maneira ideal de equilibrar a sociedade.

Duas forças operam a realidade: positiva e negativa. A força negativa é o ego humano em constante evolução – o desejo de desfrutar às custas dos outros. Ela se desenvolve naturalmente e, enquanto entra em erupção, causa crises e desintegração. A força positiva é de amor e doação, uma força altruísta. Torna-se revelada em conexões humanas positivas. Inconscientemente ansiamos pelo altruísmo, mas enfrentamos manifestações do ego ao nosso redor.

Como podemos nos livrar do nosso ego?

Não devemos nos livrar de nada. Tanto o altruísmo como o egoísmo, amor e ódio, são necessários para o nosso desenvolvimento. A humanidade tem que encontrar um equilíbrio consciente entre essas duas forças, e a sabedoria da Cabalá nos diz como.

Nós existimos sob as leis da natureza e, portanto, estamos sujeitos a elas. Portanto, se as pessoas criarem uma atitude de ódio e amor onde um cobre o outro (“o amor cobre todas as transgressões”), elas construirão uma estrutura que se encaixará no sistema integral da natureza e, de acordo com a equivalência da forma com a natureza, alcançarão equilíbrio perfeito e completo.

“Como Transformar O Antissemitismo Nos Campi Dos EUA Em Um Diálogo Saudável” (Times Of Israel)

O The Times of Israel publicou meu novo artigo: “Como Transformar O Antissemitismo Nos Campi Dos EUA Em Um Diálogo Saudável

“O lobo habitará com o cordeiro, e o leopardo se deitará com a criança”. (Isaías 11: 6)

As sementes do antissemitismo estão sendo metodicamente plantadas e colhidas nos campi dos EUA. As universidades americanas tornaram-se epicentros do ódio aos judeus, vestidas com as chamadas “críticas legítimas” a Israel e suas políticas. Em vez de serem locais de progresso e iluminação ideológicos, as faculdades e universidades americanas foram transformadas em focos de agendas políticas fundamentalistas de cruel antissemitismo e sentimento antisraelense patrocinados por grupos de interesses especiais.

Ativistas pró-BDS alegam que a adoção da definição de antissionismo como uma forma de antissemitismo, conforme marcado pela Aliança Internacional para a Recordação do Holocausto (IHRA), viola a liberdade de expressão. A mesma alegação foi levantada – inclusive de grupos judeus – contra a ordem executiva do presidente Trump de limitar o financiamento federal às universidades acusadas de discriminar a nação judaica.

No entanto, se nos aprofundarmos, descobriremos que há uma linha muito fina que separa a liberdade de expressão da anarquia. Essa linha é uma qualidade de nossa natureza humana e devemos entendê-la bem para que possamos usá-la adequadamente e ter sucesso em estabelecer instituições educacionais imparciais e sociedades saudáveis.

Ego, a Causa Fundamental do Ódio

De acordo com a sabedoria da Cabalá, o material da criação em todos os seus estágios e partes é o desejo de receber prazer. Esse desejo de receber é inerente à natureza humana e não há nada além disso no mundo. Ao contrário dos níveis inanimado, vegetativo e animado da natureza, que se comportam instintivamente, os seres humanos são governados pelo ego: o desejo de receber às custas dos outros. Esse mesmo ego, se pudermos mudar sua direção de benefício próprio para benefício dos outros, de receber para dar, pretende ser usado como força motriz para elevar a criação ao seu ponto mais alto. No entanto, se persistirmos no uso egoísta incontrolável do desejo de receber, comumente visto hoje, continuaremos a experimentar declínio social, preconceito e intolerância em todas as esferas da vida, e as instituições de ensino superior não serão exceções.

É possível manter um ambiente positivo nos campi dos EUA sem cancelar ou oprimir qualquer opinião?

É aqui que a lei cunhada por um de nossos maiores sábios, o rei Salomão, torna-se indispensável: “O ódio provoca conflitos e o amor cobre todos os crimes”. Essa regra indica que, para construir uma sociedade saudável e forte, que leve em conta diferentes opiniões e posições, uma sociedade que cresce e floresce, precisamos superar o ego e cobri-lo com amor. Isto é, superar o desejo de explorar um ao outro e cultivar sentimentos de amor, respeito e consideração, o sentimento de que somos um.

Pluralismo, Não Anarquia

Quanto mais opiniões são compartilhadas entre nós, mais resultados florescentes desenvolvemos e alcançamos em todas as formas de comunicação entre nós. Como meu mentor, o Cabalista Rav Baruch Ashlag (O Rabash) escreveu: “Como seus rostos diferem, seus pontos de vista diferem”. (Os Escritos do Rabash). Podemos aprender com os sábios judeus como eles provocaram uma discussão e um debate pertinente, precisamente para fortalecer a unidade, descobrir a verdade e obter conciliação.

Sem os filtros do amor pelo outro, sem o desejo de doar, todo debate se transforma em uma cruel guerra de opiniões e conflitos que é irresolúvel até que um lado derrote o outro. Portanto, antes que qualquer opinião seja expressa, devemos perguntar: a minha opinião está acompanhada da intenção adequada? Quando chegamos para negociar, a conversa é mantida acima e além das considerações de benefício pessoal?

Se as respostas forem afirmativas, poderemos participar de qualquer discussão, mesmo a mais tempestuosa e controversa, sem restrições. Na estrutura completa ideal em que a humanidade existe como um corpo, todos os órgãos e partes desse corpo têm funções específicas e são completamente únicos, mas interagem harmoniosamente em benefício do todo. Da mesma forma, a sociedade deve abrir espaço e preservar as diferenças entre as pessoas, enquanto se eleva acima delas para manter o equilíbrio.

Sobre esse assunto, o livro Likutey Etzot descreve a abordagem correta para esse equilíbrio:

“A essência da paz é conectar dois opostos. Portanto, não se assuste se vir uma pessoa cuja visão é o completo oposto da sua e achar que nunca será capaz de fazer as pazes com ela. Além disso, quando você vê duas pessoas completamente opostas uma à outra, não diga que é impossível fazer as pazes entre elas. Pelo contrário, a essência da paz é tentar fazer as pazes entre dois opostos”.

Os Judeus Podem Se Tornar Um Modelo Para A Humanidade? – Conversa Com O Prof. Stephen Bronner

O Cabalista Dr. Michael Laitman e o Prof. Stephen Bronner, co-diretor do Conselho Internacional de Diplomacia e Diálogo e autor de Um Rumor sobre os Judeus: Antissemitismo, Conspiração e Protocolos de Sião, falam sobre o modelo para a humanidade que os judeus têm que se tornar.

Como você pode ser um modelo se você é odiado?

A solução está em sua raiz inicial. Os judeus como nação se originaram na antiga Babilônia, de acordo com o princípio “o amor cobre todas as transgressões”. Eles têm uma inclinação inata para implementar o método de equilibrar a sociedade, construindo uma conexão humana positiva acima de sua natureza e diferenças egoístas.

Hoje, quando o mundo sofre crises e vírus, há uma demanda urgente por um método que conecte positivamente a sociedade. Portanto, se o povo judeu recuperar a consciência do que alcançou na história na moderna divisão social em escala global, els se tornarão um exemplo de unidade para todos, uma “luz para as nações”.

As pessoas não têm inclinação natural para se unir acima das rejeições entre elas, mas quando ouvirem e virem como a unidade entre as pessoas torna o mundo um lugar melhor, mais saudável e feliz, elas seguirão essa direção e construirão uma sociedade baseada, como o Prof. Bronner menciona, nas tradições cosmopolitas.

Quando todos encontrarmos o equilíbrio entre as forças opostas da natureza – altruísmo e egoísmo – todos terão um bom futuro. Os judeus tiveram a capacidade de dar o primeiro passo até lá.

Antissemitismo: A Raiz E A Solução – Conversa Com O Professor Stephen Bronner


O Cabalista Dr. Michael Laitman e o Prof. Stephen Bronner, co-diretor do Conselho Internacional de Diplomacia e Diálogo e autor de “Um Rumor sobre os Judeus: Antissemitismo, Conspiração e Protocolos de Sião, discutem as raízes e possíveis soluções para antissemitismo.

O antissemitismo é um fenômeno multifacetado. Ele se manifesta de diferentes formas e, de acordo com a sabedoria da Cabalá, é a consequência do povo judeu que não tem consciência de seu papel no mundo e, portanto, também não tem vontade de cumpri-lo.

Qual é esse papel? O papel do povo judeu é implementar o método de conexão acima de nossas atitudes egoístas um com o outro e passá-lo ao mundo, tornando-se uma “luz para as nações”, conforme está escrito nas escrituras.

De acordo com seu histórico, os judeus se originaram cerca de 3.800 anos atrás na antiga Babilônia como uma coleção de 70 nações diferentes unidas pelo princípio ideológico: “ame seu próximo como a si mesmo”. Como esse princípio contradizia o estilo de vida da Mesopotâmia, o rei Nimrod expulsou os judeus da Babilônia, e eles embarcaram rumo à terra de Canaã.

Com o tempo, as pessoas não puderam observar a condição de “amar o seu próximo como a si mesmo”, e a raiz espiritual original dos judeus – unidade acima de todas as diferenças – tornou-se esquecida e substituída pelos costumes. Foi assim que surgiram as religiões e práticas, como compensação pelo método de conexão que se perdeu desde então.

No entanto, os judeus ainda carregam esse método internamente. Se eles estão cientes ou não, ou se recusam ou não a realizá-lo, o povo judeu tem um chamado interior para unir e espalhar a unidade acima das diferenças para o mundo. O ódio das nações do mundo é uma exigência inconsciente dos judeus para que desempenhem esse papel.

Portanto, para resolver o problema do antissemitismo, os judeus precisam apresentar um exemplo de união acima das diferenças e, assim, deixar o mundo segui-los, pavimentando o caminho para o equilíbrio com a natureza, a harmonia e a coesão social.

“O Mundo Da Academia: Uma Fortaleza Antissemita” (The Times Of Israel)

O The Times of Israel publicou meu novo artigo: “O Mundo Da Academia: Uma Fortaleza Antissemita

O ódio contra judeus e Israel não é mais marginal, mas predominante nos campi das faculdades. Nos EUA, por exemplo, um grupo de estudantes judeus de Harvard formou uma coalizão antissionista que incluía apoio ao BDS, enquanto uma estudante judia, Adela Cojab, processou a NYU alegando que sua “alma mater” não faz o suficiente para combater o antissemitismo. Hoje, esses ambientes polarizados prevalecem nos campi, onde os incidentes antissemitas aumentaram dramaticamente nos últimos anos.

Sentimentos antisssionistas também são evidentes no oceano. Na Alemanha, 20% dos acadêmicos apoiam o direito de rejeitar a existência do estado de Israel como parte da liberdade de expressão no campus, revelou um estudo recente encomendado pelo think tank da União Democrática Cristã.

Por que a Academia se tornou um bastião do ódio anti-Israel?

Liberdade de Ataque

De acordo com grupos de monitoramento, na América, houve 201 incidentes antissemitas apenas nos campi de universidades e faculdades dos EUA em 2018, envolvendo assédio, vandalismo e agressão física. Muitos outros casos não são relatados por causa da inação das faculdades para combater a discriminação contra estudantes judeus, especialmente quando o detrimento e as iniciativas anti-israelenses vêm dos próprios judeus – a Jewish Voice for Peace sendo o grupo mais vociferante, ativo em vários capítulos nos campi da América.

O presidente Trump assinou uma ordem executiva para combater o antissemitismo nos campi, condicionando o financiamento governamental a se as universidades falham ou não em rejeitar o viés antijudaico. Mas mesmo os que são a favor da iniciativa questionam se sua aplicação é realista, uma vez que combater o fanatismo pode contradizer a liberdade de expressão.

O Que Construiu O Bastião Do Ódio?

A Academia, a fortaleza dos instruídos e letrados, tornou-se uma estufa fértil de fanatismo e discriminação por várias razões. Primeiro, porque entre os alunos sempre haverá pessoas com proficiência na arte da retórica que podem formular suas ideias de forma assertiva para justificar movimentos como boicotes, usando uma lógica difícil de discordar. Essas pessoas opinativas também entendem como anunciar e espalhar seu ódio para alcançar a mídia e o público em geral. Afinal, a Academia é a fonte de educação da sociedade, de onde surgiram os líderes e presidentes da sociedade. A Academia é conhecida por sua diversidade e libertarianismo permissivo, uma arena que tolera a expressão de tudo o que vem à mente, mesmo que possa machucar outra pessoa.

Em segundo lugar, as raízes do antissemitismo moderno foram estabelecidas décadas atrás e nutridas de forma paciente e astuciosa. Suas complexas racionalizações não surgiram subitamente do nada para se tornar o que são hoje: ódio maduro e forte. O antissemitismo é tão forte que é quase impossível combater.

O Que O Dinheiro Pode Comprar

Suspeita-se que elementos muçulmanos radicais tenham penetrado e politizado universidades há muitos anos para garantir seu lugar de influência com a ajuda de um apoio financeiro generoso, como está sendo atualmente investigado pelo Departamento de Educação dos EUA. Quem paga tem permissão tácita para estabelecer cursos, programas e departamentos, de acordo com seus pontos de vista e ideias, mesmo à custa de apagar outros pontos de vista e pessoas. Empregando de forma silenciosa e constante agentes subversivos em posições-chave, torna-se cada vez mais impossível fechar a porta para mais infiltrações.

Pluralismo, Não Anarquia

Os judeus não podem mais ignorar o que está acontecendo diante de seus olhos e continuar com uma atitude de negócios, como de costume, como se isso fosse um pequeno e passageiro desconforto. A animosidade não desaparecerá até que as pessoas percebam que a liberdade não deve ser confundida com anarquia, intolerância, discriminação e até ataque físico para ameaçar ou tentar aniquilar. E os judeus – um povo com uma vasta história de debate pluralista entre seus sábios para alcançar a verdade e a sabedoria – podem e devem desempenhar um papel crucial na promoção do entendimento da verdadeira liberdade da sociedade.

O diálogo deve ser encorajado com o resultado final pretendido de promover a unidade e a fraternidade. O Cabalista Rav Yehuda Ashlag escreveu em seu ensaio, “A Liberdade”, sobre a importância do valor humano fundamental da liberdade:

“Assim como os rostos das pessoas são diferentes, as opiniões delas também são diferentes. Portanto, a sociedade é alertada para preservar a liberdade de expressão do indivíduo. Cada indivíduo deve manter sua integridade, e a contradição e oposição entre as pessoas devem permanecer para sempre, para garantir o progresso da sociedade livre para sempre”.

Mas, como explica a sabedoria da Cabalá, a liberdade só pode funcionar se for acompanhada do princípio: “o amor cobre todos os crimes” (Pv, 10:12) como base para alcançar a unidade e a fraternidade acima de nossas diferenças.

Uma infinidade de ideias e pensamentos baseados em interesses egoístas resultam apenas em conflitos e guerras. Por outro lado, quando nos elevamos acima do egoísmo humano, cobrindo-o de amor, uma miríade de ideias e pensamentos se desenvolve e enriquece todos os tipos de meios de comunicação e conexão.

O povo judeu com sua longa tradição de discurso pluralista está singularmente situado para desempenhar um papel crucial na promoção da compreensão da verdadeira liberdade, primeiro implementando entre si o método de conexão acima das diferenças e depois transmitindo à humanidade a força positiva que é gerada. Isso acalmará o antissemitismo e abrirá o caminho para um futuro brilhante de entendimento mútuo e relações harmoniosas. Atingir um estado tão elevado é o papel supremo dos judeus, isto é, ser uma “luz para as nações”.

A Escolha Judaica: Unidade Ou Antissemitismo – O Dever De Israel Em Relação À Humanidade

laitman_283.02O povo de Israel foi reunido a partir daquelas pessoas que sentiram seu dever de se conectar a fim de compreender o sentido da vida e seu propósito, a correção da criação e a força superior. Portanto, elas se chamavam “Israel” (“Yashar-Kel“), que significa “direto ao Criador”. Abraão escolheu essas pessoas de todos os habitantes da Babilônia, isto é, de todas as nações do mundo na época, e ele lhes ensinou o princípio principal da conexão: ame seu próximo como a si mesmo.

Assim, elas se elevaram acima do egoísmo que estava constantemente crescendo e inchando como fermento na sociedade humana. No entanto, esse crescimento foi proposital: garantir uma lacuna suficiente entre o egoísmo maciço da humanidade e a força de conexão acima do egoísmo que a sociedade é obrigada a alcançar. Quando atingimos um certo grau de oposição entre egoísmo e conexão, dentro dele, começamos a revelar a força superior, o mundo superior e a nós mesmos como pertencentes ao mundo espiritual.

O egoísmo crescente é o motor que nos eleva deste mundo para o mundo espiritual, da recepção à doação, do ódio ao amor. Se seguirmos os princípios do “amor abrangerá todos os crimes” e “todos julgarão de acordo com suas próprias falhas”, poderemos individualmente, e como um grupo juntos, alcançar uma conexão tão forte na qual o Criador será revelado.

Ao longo de milhares de anos, o grupo reunido por Abraão na Babilônia mudou muito. Parte dele desapareceu, dissolveu-se nas nações do mundo e mais tarde será revelado. Havia muitas pessoas no povo de Israel que atingiram o grau do Criador, pois foram capazes de superar seu egoísmo e se conectar. Ao longo dos anos, as condições mudaram, mas o princípio permanece o mesmo, porque as leis do mundo são constantes e imutáveis. Nós apenas temos que aprendê-las e implementá-las para alcançar o estado corrigido.

Portanto, é necessário estudar o processo pelo qual o grupo de Abraão passou na história, porque “as ações dos pais se tornarão um sinal para os filhos”. A partir disso, entenderemos a direção em que nos movemos, o que está acontecendo conosco e que sinais dos atos dos pais podemos ver hoje, porque o princípio eterno de amar o próximo como a si mesmo, a lei da conexão, sempre funciona.

A partir do Ari, todos os Cabalistas disseram que entramos na era do Messias, isto é, o tempo da correção final. Ainda resta um último estágio do nosso desenvolvimento, embora ele possa ser bastante longo. Como sempre, as nações do mundo estão pressionando o povo de Israel, e essa pressão é projetada para nos forçar a nos conectar pelo menos através do caminho do sofrimento.

O povo judeu deve tirar conclusões de sua história e se conectar, seguindo o exemplo de seus pais. Através dessa conexão, sentiremos quase imediatamente um alívio da pressão externa, graças à nossa reação correta a ela e aos esforços para nos conectar. Portanto, todas as guerras que estão surgindo contra nós cessarão imediatamente, porque começaremos a avançar sem pressão externa. Se nós mesmos revelarmos nossas forças para avançar e progredir, aqueles que estavam resistindo a nós, começarão a ajudar.

Essa será uma tendência correta, correspondente à única força superior que deseja ver a humanidade nessa conexão. No entanto, se deixarmos de fazer esforços para avançar em direção à unidade, na medida em que esses esforços estiverem faltando, as nações do mundo e as forças negativas dentro do povo de Israel aumentarão. Elas iniciarão uma luta, um confronto de todos os lados, a fim de nos despertar e nos forçar a fazer a escolha certa: entender o motivo dessa pressão e o que devemos fazer.

Hoje, estamos em um estado muito delicado e crítico. Falei sobre esse perigo há muitos anos, mas não esperava que isso acontecesse tão rapidamente e que já em nosso tempo houvesse um estado tão especial entre todos os países e nações do mundo inteiro.

Vivemos em uma era de novas tecnologias, comunicação global e chegamos a um certo entendimento interno do que está acontecendo, a responsabilidade da humanidade por nosso planeta e por todo o universo. Em nosso tempo, há muitas pessoas altamente educadas com uma visão ampla, como nunca antes. Quase todo mundo tem a oportunidade de viajar pelo mundo e ver a vida de outras nações, conectando-se com o mundo inteiro acima das distâncias e diferenças de idiomas.

No entanto, na questão do antissemitismo, vemos que nada ajuda: a lei que está trazendo a humanidade para a conexão age com dureza, pode-se até dizer cruelmente. Acima de tudo, ela pressiona aqueles que devem ser os primeiros a liderar a humanidade, na única nação que deve fazer esse trabalho, que deve se tornar pioneira nesse caminho e liderar o mundo inteiro.

Não há como contornar essa lei. A luz superior, as forças superiores, estão dispostas de tal maneira que, assim que o povo de Israel, o grupo reunido no tempo de Abraão de todas as nações, se une novamente, todos os caminhos se abrem para eles. Não há dificuldades, mas, pelo contrário, existem forças da natureza prontas para ajudá-los e elevá-los ao nível espiritual sobre seus ombros. E seguindo-os, toda a humanidade terá prazer em se conectar.

É assim que o governo superior funciona, e é assim que será. Tudo depende de Israel, como Baal HaSulam escreve na “Introdução ao Livro do Zohar“, somente eles têm a liberdade de escolha.

Israel são aqueles que são atraídos para se aproximar do Criador. Eles se sentem obrigados a liderar a si mesmos e a toda a humanidade a uma conexão comum e elevação espiritual. Qualquer pessoa no mundo, qualquer nacionalidade, preta, branca, vermelha, amarela, todas as quatro camadas da humanidade – 1, 2, 3, 4 – pertencem a uma nação, que é obrigada a alcançar conexão e adesão com o Criador.

Portanto, há uma pressão crescente sobre esse grupo corporal chamado Israel em todo o mundo, mesmo que eles não entendam o que está acontecendo com eles. Afinal, eles abandonaram há muito tempo esse trabalho de trazer a si mesmos e ao mundo inteiro à adesão ao Criador. A humanidade também não recebeu a consciência de que o mundo está passando por um desenvolvimento intencional que o leva à completa correção; portanto, ele não entende a razão de seu ódio. Os judeus estão confusos sobre o que é desejado deles e, devido ao seu grande egoísmo, eles sonham apenas com paz e prosperidade. As nações do mundo sentem como se os judeus estivessem escondendo algo delas, não permitindo que tenham uma vida boa.

Portanto, esses dois grupos se sentem perdidos no escuro, onde a agressão que emana das nações do mundo colide com o ódio e o medo sentidos pelos judeus. É claro que isso não é bom para nenhum deles: grande sofrimento aguarda aqueles que cometem violência e que persistem em não querer ouvir sobre a correção. Portanto, é nossa responsabilidade explicar a situação para ambos os grupos e impulsionar o processo de correção o máximo possível. 1

Aqueles Que Estavam Resistindo À Nós Nos Ajudarão

Se os judeus começarem a se conectar, as nações do mundo aceitarão isso com prazer, porque verão que através dessa conexão, podem se aproximar da essência da criação. Com esse ponto, o próprio desejo, a partir do qual o antissemitismo está crescendo agora, elas sentirão que o movimento certo começou porque começarão a receber iluminação neste Reshimo.

Antissemitismo é o sentimento de falta nas nações do mundo, a necessidade de receber luz através da conexão dos judeus. São os antissemitas mais ardentes que serão os primeiros a se juntar aos judeus. Já vimos reviravoltas tão dramáticas na história. 2

A Força Superior Não Muda Seus Planos

Hoje, os judeus americanos já reconhecem que o problema do antissemitismo existe e está aumentado perigosamente. No domingo, 3 de janeiro, uma marcha de protesto contra o crescente antissemitismo será realizada em Nova York. Muitos acusam Trump como se ele fosse o culpado pelo crescente antissemitismo.

No entanto, precisamos entender que ninguém aqui pode ajudar. Sabemos que a América é um país muito rigoroso e, se alguma legislação for aprovada, será aplicada no dia seguinte. A lei é protegida por tribunais, prisões e pela polícia. No entanto, no caso do antissemitismo, não há nada que eles possam fazer. Veremos que todas as ações do governo e as tentativas de extinguir o antissemitismo não terão efeito. Afinal, estamos lidando aqui com a lei da natureza.

Nos próximos dias e semanas, testemunharemos as tentativas fúteis do governo americano de solucionar esse problema. Essa parece ser a fraqueza de Trump e a esquerda certamente se aproveitará disso acusando-o de ser incapaz de proteger os judeus. No entanto, nenhuma medida funcionará. Você pode montar milhões de patrulhas policiais e aprovar novas leis, mas isso não ajudará.

A força superior deve forçar o povo de Israel a se unir, e o fará. Não recuará, mesmo que apenas um pequeno punhado de pessoas de Israel permaneça e o restante seja morto. No entanto, o pequeno grupo que resta alcançará conexão e será o começo de uma nova humanidade. Todas as nações se conectarão em torno dele e serão corrigidas.

Veremos que nenhum governo nos Estados Unidos, nem a direita nem a esquerda, será capaz de extinguir o antissemitismo. É uma força de cima. 3

À luz do crescente antissemitismo na América, podemos ter certeza de que a mudança para Israel garante uma vida tranquila e proteção contra os antissemitas? Sim, mas por um tempo muito curto. Mas se não convencermos os judeus de todo o mundo e em Israel a começarem a se conectar, o próximo estágio será uma sanção dura e sem precedentes contra o estado de Israel por todos os países, incluindo os Estados Unidos.

Sentiremos como se estivéssemos sitiados em Israel. Isso também durará por um curto período de tempo e, se isso também não ajudar a convencer os judeus de Israel a se conectarem, como escreve Baal HaSulam, seremos expulsos desta terra e espalhados novamente. 4

Trabalhar Para Ídolos E Trabalhar Pela Unidade

Não estou tentando avaliar como minhas palavras serão aceitas por todas as partes da sociedade. Uma vida não será suficiente para estudar isso. Eu só preciso aprender como chegar à correção e como despertar o mundo inteiro da melhor maneira possível. Isso é tudo. Não analiso sua condição, religião, fé, ciência ou cultura. Tudo é muito mais simples. O mundo inteiro está dividido em duas partes: trabalhar para ídolos e trabalhar para a conexão. A força superior é unidade, conexão.

Para alcançar a conexão, existe um método simples: despertamos a força da unidade, conectando-nos uns com os outros acima do nosso egoísmo, apesar disso. Conforme essa conexão, revelamos entre nós a força de conexão com o Criador, a revelação da força superior.

Existem duas forças na natureza: positiva e negativa. A força positiva da conexão é oculta, e a força negativa oposta do egoísmo é revelada. Se tentamos nos conectar na dezena acima a força da rejeição, a força do nosso egoísmo, a força positiva desperta e nos ajuda. Essa força é oculta por natureza, mas a descobrimos por nossos esforços e, assim, avançamos em direção à conexão.

Então, dentro da nossa conexão, revelaremos claramente a força superior, que é chamada de revelação do Criador aos seres criados.

Este é o nosso programa. Existem milhares de métodos, crenças e opiniões espirituais diferentes no mundo. Nós não mergulhamos neles porque isso não importa. Afinal, existem apenas duas forças no mundo que precisam ser equilibradas. Esse é o equilíbrio que criamos no grupo por meio de nossa conexão.

O Método Da Cabalá É Muito Prático E Concreto, E Podemos Implementá-Lo.

Portanto, não faz sentido tentar entender outras filosofias porque elas não são baseadas na força superior. Dizem que uma pessoa deve tentar mudar a si mesma como se já tivesse qualidades positivas. A Cabalá afirma que, inicialmente, não há nada positivo em uma pessoa, apenas negativo – o seu egoísmo. A inclinação ao mal controla a pessoa desde o nascimento: “O homem nasce como um burro selvagem” e devemos tentar nos conectar acima do egoísmo. 5

Da 1ª parte da Lição Diária de Cabalá, 03/01/20, “A Escolha Judaica: Unidade ou Antissemitismo”
1 Minuto 00:30
2 Minuto 1:04:50
3 Minuto 1:07:00
4 Minuto 1:10:40
5 Minuto 2:06:10

A Escolha Judaica: Unidade Ou Antissemitismo – O Que Devemos Aprender Com A História

Dr Michael LaitmanTodos estudamos história na escola e ouvimos falar do que aconteceu no passado. Mas agora estamos aprendendo sobre o mecanismo interno: por que as coisas aconteceram, quem colocou a história em movimento e por que razões, e o que podemos fazer para acompanhar a história e o sistema da natureza – o Criador. Porque desastres acontecem devido ao nosso envolvimento inadequado. É isso que a história nos ensina.

Está escrito que “as ações dos pais se tornarão um sinal para os filhos”, então hoje devemos examinar por que nos comportamos incorretamente e como poderíamos ter mudado a história se tivéssemos agido de maneira diferente. Podemos mudar nosso destino para beneficiar a nós mesmos, ao mundo e à força superior – esse é o objetivo de nossos estudos.

Esta não é apenas uma lição de história que costumávamos ter na escola, mas uma maneira diferente de entender por que a governança desce dessa maneira e como responder a ela corretamente. Se pudéssemos gerar hoje a resposta certa, que a natureza está nos obrigando a fazer, conseguiríamos alcançar os resultados mais positivos.

Todo o processo é predeterminado do começo ao fim e existe apenas uma linha destinada a trazer todo o desejo egoísta, toda a natureza corporal, para o grau espiritual, perfeito e corrigido. Isso deixa claro tudo o que está acontecendo. Se refletirmos sobre as ocorrências históricas nesse caminho, sobre o que aconteceu, veremos que, em cada caso, nossa resposta incorreta levou a consequências catastróficas para nós.

A força suprema da natureza está girando o volante da história e, no que diz respeito à natureza, somos todos iguais e devemos alcançar o mesmo objetivo, desejando ou não.

Da 1ª parte da Lição Diária de Cabalá 08/01/20, “A Escolha Judaica: Unidade ou Antissemitismo
Minuto 21:56

A Escolha Judaica: Unidade Ou Antissemitismo – Compreendendo Causas E Efeitos Históricos

laitman_294.1Ao longo da história, as mesmas forças agem, resultando nas mesmas reações. O novo livro: The Jewish Choice: Unity or Anti-Semitism (A Escolha Judaica: Unidade ou Anti-Semitismo), mostra que sempre existem causas e efeitos que levam à mesma mudança de eventos.

Este livro deve mudar nossa abordagem e nos ensinar a ver todas as ocorrências acontecendo neste mundo à luz da interpretação Cabalística. O problema é que as pessoas não entendem o que está acontecendo com elas. Estudamos textos escritos há 2.000 anos sem nenhum conhecimento do que aconteceu durante esses 2.000 anos e tiramos conclusões incorretas.

O livro A Escolha Judaica: Unidade ou Anti-Semitismo não conta apenas a história do antissemitismo. No entanto, ele nos fornece uma base, revela a causa do que está acontecendo e explica como podemos mudar esse processo em sua essência.

O povo judeu não é o único que deve receber essa educação e abrir os olhos para o que está acontecendo, o mundo inteiro também precisa. Os eventos atuais são causados ​​pelas mesmas forças dentro do povo de Israel e de toda a humanidade dentro do sistema integral comum. Há uma única fonte nos puxando para o final da correção. Se estamos prontos para avançar em direção a isso, avançamos por meio do “tempo acelerado”, pela luz; se não, avançamos “no devido tempo”, pelo caminho do sofrimento.

Os heróis que emergem nesse caminho ou os eventos que se desenrolam não são importantes; o que importa é que podemos mudar a natureza desse processo, mudando-o do caminho do sofrimento para o caminho da luz, o que é bom aos olhos do Criador e aos olhos da pessoa.

Nós existimos na natureza, que é um conjunto de leis descendentes de uma única fonte. Essa fonte consiste em apenas uma lei, que devemos aprender minuciosamente. Não teremos mais problemas com ela, assim como com eletricidade ou matemática: conhecendo a lei subjacente, pode-se derivar milhares de aplicações.

Tudo o que precisamos fazer é aprender os princípios fundamentais:
1. O mundo é um desejo egoísta.
2. Houve um grupo que se elevou acima do egoísmo e, portanto, recebeu o nome Israel (Yashar-Kel, direto ao Criador) porque desejava alcançar a força de doação, a força superior.

Este é o fator determinante de toda a história do povo de Israel.

O antissemitismo surge em outras nações porque elas nunca possuíram a força de doação. Mas o povo de Israel que alcançou o poder de doação mais tarde caiu deste nível e, portanto, odeia a doação ainda mais do que as nações do mundo. Isso determina o estado atual.

No entanto, há um pequeno grupo (Bnei Baruch) que está tentando explicar tudo isso à humanidade. A história está se desenrolando rapidamente dia após dia. Devemos acompanhar esse processo para entender o que está acontecendo conosco nesse cenário, as forças de atuação e as consequências que estão causando, e devemos entregar essa mensagem ao resto da humanidade.

Nossa salvação comum depende disso, porque o mundo está agora em um estado muito perigoso: o povo de Israel e as nações do mundo. Baal HaSulam nos alertou sobre a possibilidade da terceira guerra mundial, e não foi exagero. Devemos perceber que temos a oportunidade de evitar uma verdadeira catástrofe.

Da 1ª parte da Lição Diária de Cabalá 08/01/20, “A Escolha Judaica: Unidade ou Antissemitismo
Minuto 0:50

A Escolha Judaica: Unidade Ou Antissemitismo – Despertar A Misericórdia No Mundo

laitman_592.01Se nos unirmos e revelarmos Hassadim (misericórdia) entre nós, nada de ruim acontecerá. De fato, quando a luz superior é revelada sem a cobertura de Hassadim, é muito doloroso: como uma faca afiada ou o fogo do inferno. No entanto, se precedermos essa revelação com a capa de Hassadim, a luz se revelará como uma cascata de bondade.

Através da unidade, despertamos misericórdia no mundo, Hassadim, e a luz que vem para impulsionar o povo de Israel e toda a humanidade em direção à correção entra em Hassadim, preparado por nós desde baixo. Hassadim vem de baixo, e de cima vem a luz de Hochma. Isso depende apenas de nós, da nossa conexão.

Ao nos unir, atraímos a Luz que Reforma, chamada Hassadim. Essa Hassadim se espalha entre nós e nos encontramos em uma nuvem de misericórdia. Então, a luz superior de Hochma, que vem para nos fazer avançar, não entra em nós como uma faca, mas é coberta por Hassadim e nos revela o Criador de acordo com a equivalência de forma entre nossa doação (Hassadim) e a luz de Hochma do lado Dele.

Da 2ª parte da Lição Diária de Cabalá 04/01/20, A Escolha Judaica: Unidade ou Antissemitismo

Minuto 10:30

A Escolha Judaica: Unidade Ou Antissemitismo – Todos Precisamos Dar Um Exemplo De Conexão

laitman_962.8Ninguém tem proteção especial de cima; existe apenas um privilégio: a oportunidade de se envolver no processo de correção. Alguns podem ser a favor e outros contra, porque a geração moderna é obrigada a esclarecer esta questão. Devemos avançar com compreensão, conscientemente, por nosso próprio consentimento. E o consentimento sempre vem do desacordo, como a revelação da luz a partir da escuridão.

Uma coisa é clara: se não acompanharmos o desenvolvimento da geração que está acontecendo agora, não seremos capazes de realizar nosso desenvolvimento espiritual, nem pessoal nem geral. Mesmo uma pessoa tão excepcional como Baal HaSulam foi homenageada com a realização espiritual porque a geração estava pronta para isso e precisava de um certo processo que ele teve que dirigir.

E agora, esse dever é atribuído ao nosso grupo Bnei Baruch. Hoje em dia não é mais possível avançar às custas de uma pessoa como era antes com Moisés. Agora precisamos de um grupo e até de um grupo mundial – todos devem dar um exemplo de como avançar em direção à correção. Somente com esse poder de nossa conexão poderemos avançar.

Ninguém será capaz de realizar sua correção e alcançar o objetivo desejado sozinho. Você pode esquecer isso. Mas se agirmos juntos, como Rabash e Baal HaSulam aconselham, todos os caminhos se abrem diante de nós.

Portanto, devemos estudar nossa condição para ver como progredimos de um dia para o outro, um momento na linha esquerda e depois na direita. Sempre somos jogados da esquerda para a direita, da direita para a esquerda, e nós mesmos devemos construir nosso progresso na linha do meio.

O navio da humanidade rolará para a esquerda e depois para a direita. E se, com a ajuda de nossos esforços, pudermos girar o timão, este enorme navio seguirá na direção certa. Esse é o nosso trabalho – precisamos ver isso, sentir nossa responsabilidade e liderar o processo de correção.

Dirigir o timão significa lutar pela linha do meio, para que todos os crimes do lado esquerdo sejam cobertos pelo amor, do lado direito. A linha do meio é então alinhada no meio. Não destruímos a linha da esquerda, não apagamos os que são contra, mas observamos como essas críticas despertam aqueles que são a favor, ajudando a fazer as avaliações corretas. Então estamos na linha do meio, giramos o timão corretamente, e ele deve sempre estar focado no ponto central: a unidade de Israel, a Torá e o Criador como um todo.

Israel somos nós, lutando pelo Criador, a Torá é toda a luz superior que guia a nós e toda a humanidade ao nosso redor, e o Criador é a força que é revelada no centro do grupo, no centro de nossos esforços.

Baal HaSulam sabia o que aconteceria na Alemanha e tentou salvar os judeus. Mas os próprios judeus não o deixaram fazer isso e todos morreram. Ele não pode mudar nada: é dado um certo tempo para esclarecimentos e livre escolha, a fim de tomar uma decisão. Mas quando a decisão é tomada, o poder é transferido para o carrasco para realizar a correção através do sofrimento.

Da 1ª parte da Lição Diária de Cabalá 04/01/20, A Escolha Judaica: Unidade ou Antissemitismo
Minuto 4:20