Textos na Categoria 'Antiga Jerusalém'

Da Babilônia A Roma, Parte 1

749.02A Fundação Do Povo De Israel

Pergunta: Durante o Primeiro Templo, o povo judeu alcançou seu ponto de união. Como resultado, o Templo foi construído, um símbolo da união de todas as 12 tribos. Um declínio espiritual então começou, que implicou na separação do povo. Ele durou cerca de 16 anos e terminou com a destruição do Templo e o exílio babilônico.

Baal HaSulam, em seu artigo, “Exílio e Redenção”, escreve sobre esse período: “E porque eles não o fariam, mas desejavam incluir seu egoísmo estreito, ou seja, Lo Lishma, isso desenvolveu a ruína do Primeiro Templo, uma vez que eles desejavam exaltar riqueza e poder acima da justiça, como outras nações”.

Mas porque a Torá o proíbe, eles negaram a Torá e a profecia e adotaram as maneiras dos vizinhos para que pudessem desfrutar a vida tanto quanto o egoísmo exigia deles. E porque eles fizeram isso, os poderes da nação se desintegraram: alguns seguiram os reis e os oficiais egoístas, e alguns seguiram os profetas. E essa separação continuou até a ruína.

De que tipo de justiça estamos falando?

Resposta: Nesse caso, o conceito de justiça refere-se ao povo judeu, pois segue desde o seu próprio fundamento: por que e como foi criado.

O fato é que eles se reuniram em várias pequenas nações que habitavam a Babilônia durante o tempo de Abraão e foram criados com a condição de “amar ao próximo” e “o amor cobre todas as transgressões”.

Portanto, se eles aderem a essa regra, eles existem como povo, e se tomam outras condições como base para sua existência, então, do ponto de vista das forças que agem sobre eles, eles não são mais um povo.

Outras forças influenciam o resto das nações, uma vez que cada nação é afetada por sua própria força, o chamado “anjo da guarda”. Em outras palavras, o poder comum que existe na humanidade age seletivamente sobre cada grupo de 70 nações do mundo.

O povo de Israel não lhes pertence porque é uma assembleia de seus representantes. O povo judeu é muito diferente e oposto um ao outro. Se eles se reúnem para coexistir corretamente sobre seu egoísmo, são viáveis. Mas se essa regra for violada e eles pararem de se apressar para se unir a todos os seus problemas, se tornarão um povo disperso.

De KabTV, “Fundamentos de Cabalá”, 08/07/19

Politeísmo – Um Instinto Humano Natural

laitman_927Pergunta: Todos os cidadãos da antiga Babilônia adoravam muitos deuses. O que significa politeísmo?

Resposta: Politeísmo é uma evolução natural do homem. Podemos ver que ainda hoje essas crenças são preservadas no mundo, especialmente no Oriente.

Judaísmo, Cristianismo e Islã se originaram de Abraão. Todas as outras crenças são baseadas no politeísmo, isto é, a existência de uma hoste de deuses, uma multidão de supostamente todos os tipos de forças da natureza, cada uma das quais tem alguma influência especial na natureza e no destino do homem.

Pergunta: Podemos dizer que cada um de nós também é um idólatra? Isto é, se uma pessoa não descobre uma força por trás de toda a matéria, ela é idólatra?

Resposta: Não acho que divinizemos essas forças a tal ponto. Afinal, os idólatras não eram pessoas estúpidas; ao contrário, apenas viram que eram muito dependentes de várias propriedades da natureza, mas não podiam uni-las. Nem nós.

Acreditava-se que o deus da chuva, o deus do sol, o deus da noite, o deus do dia, etc. eram todas grandes forças da natureza das quais um homem é completamente dependente e deve adorar para manter boas relações com elas. Afinal, junto com o fato de o homem divinizar a natureza, ele sentia sua dependência dela.

Observação: As pessoas acreditavam que existem certas forças que poderiam ser apaziguadas e que poderia ser melhor apaziguada por diferentes sacerdotes que sabem exatamente como fazer isso.

Meu Comentário: Sim. Imagine um camponês sem instrução e ignorante. Ele prefere enviar um saco de grãos e ter certeza de que não terá mais problemas com a colheita, com a seca ou com a inundação dos rios.

De KabTV, “Análise Do Sistema De Desenvolvimento Do Povo De Israel”, 24/06/19

Tudo É Transitório – Apenas A Relação Com O Eterno É Eterna

Laitman_631_5Pergunta: Jerusalém é uma cidade de três religiões. No Islã, Jerusalém é considerada uma cidade sagrada porque, de acordo com a lenda, o Profeta Maomé foi milagrosamente transportado de Meca a Jerusalém e de lá ascendeu ao céu. Por que todas as religiões apontam para Jerusalém?

Resposta: Todas as religiões falam da força superior. A diferença é que cada uma delas reconhece o seu próprio representante da força superior: Maomé, Moisés e Jesus. As religiões não discutem entre si sobre a força superior; todas concordam com a existência de um único Deus.

Todas as divergências surgem com respeito ao representante dessa força superior e as exigências que ela coloca diante das pessoas através de seu mensageiro.

Pergunta: Como a religião pôde sobreviver por um tempo tão longo, milênios?

Resposta: As religiões existem porque uma pessoa não tem outra maneira de entrar em contato com a força superior, senão através desses profetas, todo aquele que é considerado santo em sua religião.

Uma pessoa está apegada à religião, entendendo que tudo nesse mundo é transitório: hoje existe, e amanhã não. Somente a conexão com a Força Superior – eterna e perfeita -não desaparece. Toda religião nos ensina como se comportar a fim de que, através de um determinado profeta, um representante da Força Superior, nós entremos em contato com ela.

A sabedoria da Cabalá não lida com religiões e credos, os quais existem em grande número, para além das três principais.

Baal HaSulam escreve no artigo “A Essência da Religião e Seu Propósito” que a verdadeira religião é a Cabalá que revela o Criador ao ser humano. E as religiões que existem hoje são apenas destinadas a apoiar a pessoa durante o tempo em que ela se desenvolve até que cresce fora delas e seja capaz de compreender a metodologia global abrangente, ou seja, a Cabalá.

A Cabalá não pertence a nenhuma religião: nem ao judaísmo ou ao cristianismo ou ao islamismo. Nela, nós podemos chegar ao ponto onde “A minha casa será chamada de casa de oração para todos os povos”, e todas as nações do mundo virão ao Criador.

Portanto, todos devem usar a mesma técnica para revelar o Criador aos seres criados, sem relação com qualquer nação. Abraão é o antepassado de todas as três religiões, que, portanto, são chamadas de Abraâmicas.

Mas, na verdade, a base do ensino de Abraão é a sabedoria da Cabalá. Abraão escreveu O Livro da Criação, no qual ele diz como revelar a força superior que está escondida de nós.

O grupo de discípulos de Abraão, que depois cresceu e se transformou no povo de Israel, revelou a força superior. O povo de Israel vivia em conexão com a força superior até a destruição do Templo. Está escrito que “Eles checaram de Dan a Beer Sheba… e não encontraram um menino ou menina, um homem ou mulher que não fosse proficiente em leis de impureza e pureza”.

Seus desejos eram tão corrigidos que até uma criança podia sentir a força superior. Houve uma época na história da nação de Israel até que ela caiu desse alto nível e encontrou-se na escuridão e ocultação do Criador. Então, todas as religiões surgiram.

Mas agora nós vivemos numa época em que todas as religiões estão gradualmente expondo seu vazio. Elas são revividas pela última vez antes de desaparecer completamente. Nós vamos testemunhar grandes guerras dentro de cada religião e entre elas.

Isto foi dito pelos profetas descrevendo a chamada era do Messias em que nos encontramos hoje. Nós estamos diante de um momento muito difícil, até que as pessoas se tornam completamente decepcionadas com todas as religiões e percebem qual é o único método correto. A Cabalá não só fala sobre os profetas e suas profecias, mas revela a força superior ao homem.

De KabTV “Uma Nova Vida” 07/05/15