Textos na Categoria 'Antiga Babilônia'

Judeu: O Objetivo De Se Corrigir

632.4Pergunta: Os Cabalistas escrevem que a missão do povo de Israel é passar o método de conexão para todo o mundo. Mas para fazer isso, eles devem primeiro se unir dentro da estrutura da nação de Israel.

O que é este termo “escolhido de Deus” e por que o povo de Israel está exposto a impactos externos e internos, divisão e pressão?

Resposta: O fato é que a missão do povo de Israel foi revelada na antiga Babilônia a absolutamente todos os babilônios, ou seja, a todos os terrestres. Mas apenas uma pequena parte deles queria saber o que era isso.

Os demais ainda não estavam desenvolvidos a tal nível moral para compreender que a conexão entre as pessoas é realmente a tarefa da humanidade, a fim de chegar a um estado perfeito.

Portanto, apenas um pequeno grupo de discípulos seguiu o antigo sacerdote babilônico Abraão, do qual uma nação inteira cresceu mais tarde. Na verdade, não é uma nação. Por exemplo, posso tornar-me cidadão italiano, mas, de acordo com a minha origem, não posso tornar-me italiano. Mas qualquer um pode se tornar um judeu, e estará escrito: “Judeu”. Você pode ser de qualquer nacionalidade, e tudo isso é riscado quando você se torna judeu.

Um judeu não é sua origem material (animal), mas seu objetivo na vida, sua filosofia de vida, seu fardo que você assume, para mostrar a si mesmo e aos outros que você está se corrigindo, trazendo um elemento de correção ao mundo e contribuindo para a correção da humanidade. Todas as pessoas devem subir ao nível do Criador, unindo-se umas às outras e tornando-se um único todo.

Ao mesmo tempo, “ame o seu próximo como a si mesmo”, como o principal mandamento do Judaísmo, é a única lei fundamental. Se outros princípios não se baseiam nela, se uma pessoa não é guiada por ela em suas atividades (não importa o que faça na vida), não é considerada judeu. Ela é apenas alguém. Chame-a do que quiser.

O termo “judeu” vem da palavra “ever” (“transição”), a transição do egoísmo para o altruísmo. “Judaísmo” da palavra “Ihud” tem um significado mais profundo, a conexão entre o homem e o Criador.

“Israel” (“Yisra-El“) na tradução significa “direto ao Criador” e é aplicável a uma pessoa que se dirige diretamente ao Criador, à qualidade de doação e amor. É como a imagem de alguém que assume o método de corrigir sua natureza a fim de alcançar uma conexão com todos em prol da equivalência de forma com o Criador.

De KabTV, “Close-Up — Returno”, 19/02/10

Dois Conceitos De Existência

115.06Pergunta: Por que toda a humanidade está dividida em judeus e outras nações em nosso mundo?

Resposta: Uma divisão clara da humanidade em duas partes ocorreu uma vez na antiga Babilônia. A pequena civilização que existia de repente mergulhou em um enorme egoísmo.

Os babilônios decidiram construir uma torre até o céu para chegar ao Criador, para lutar com Ele, ou seja, com a natureza. Eles se tornaram tão egoisticamente opostos que pararam de se entender.

Foi assim que surgiram dois conceitos de existência posterior. Um deles foi formado sob a liderança de Abraão; o segundo estava sob a liderança do Rei Nimrod.

Abraão acreditava que o egoísmo que se manifestou, que nos faz rejeitar uns aos outros e nos obriga a nos separar, foi criado especificamente para que pudéssemos nos elevar acima dele. Se fizermos isso apesar do fato de estarmos em contradição uns com os outros e lembrarmos como vivíamos juntos quando havia uma lei e uma nação, revelaremos uma forma completamente nova de existência em conexão uns com os outros.

Então, sentindo-nos acima da natureza material, sentiremos uma vida completamente diferente: eterna, perfeita e fora dos limites de nossa existência animal.

Abraão disse que o egoísmo é o meio de nossa elevação. Vamos tratá-lo assim, separar-nos dele, olhar para o ego de fora e começar a se elevar acima dele. O egoísmo crescerá constantemente e nós, constantemente nos elevando acima dele, nos tornaremos como uma força comum da natureza: amor, doação, unidade, harmonia.

Esse foi o método revelado por Abraão, que se tornou um dos principais ideólogos da época.

E a teoria de Nimrod dizia: “Não, o egoísmo se desenvolve em nós para que a ciência, a arte e a sociedade humana progridam. Vamos nos desenvolver junto com o ego, não nos elevando acima dele, não olhando para a nossa natureza egoísta de fora, mas vivendo dentro dela”. Naturalmente, essa teoria recebeu grande apoio porque não exige que a pessoa lute consigo mesma.

Assim, a humanidade foi dividida em duas partes: uma pequena parte foi com Abraão (literalmente algumas dezenas de pessoas) e o resto seguiu Nimrod. O método de Abraão era para conexão, e o segundo era para separação.

Do contrário, como os egoístas que se odeiam mutuamente podem se dar bem em um pequeno pedaço de terra? Então os babilônios se estabeleceram em todo o mundo. Isso está escrito no livro Gênesis Rabá, nas obras de Josefo Flávio e em outras fontes antigas.

De KabTV, “Close-Up. A Diferença nas Almas”

Nação Baseada Na Ideologia

560Pergunta: Por que os judeus se unem apenas quando há um perigo?

Resposta: Os judeus não têm o poder natural de conexão porque eles não são uma nação. Eles se reuniram não com base em uma aliança de sangue ou pertencendo a algumas famílias, mas em uma base ideológica. O restante dos babilônios começou a se estabelecer na Terra em clãs, os chamados Hamuls. Alguns foram para o oeste, alguns foram para o leste.

Portanto, as pessoas que se juntaram a Abraão não sentiam parentesco de sangue e eram guiadas apenas por sua ideologia. Acontece que quando a ideologia entre elas é forte e elas querem se unir, se elevar acima do nosso mundo, elas são realmente uma nação. E quando essa ideologia enfraquece e desaparece, elas se sentem como um rebanho desunido e se tornam tal no exílio.

Comentário: Mas no exílio, os judeus de alguma forma se apoiam.

Minha Resposta: Eles resistem apenas porque são odiados por outras nações, e não porque eles mesmos se esforçam em se conectar.

Se não fosse pelo método de conexão, que está em suas mãos, não haveria tal nação. O fato de terem se casado entre si não é um indicador da nação. Somos apenas um grupo ideológico com um certo propósito espiritual e nada mais.

Se não nos empenharmos por esse objetivo, não haverá povo, nem terra, nem país, nada.

De KabTV, “Close-Up”

Na Linha De Chegada Da História

750.03O povo de Israel foi formado por aquelas pessoas que sentiram que é seu dever se conectar a fim de atingir o sentido da vida e seu propósito, a correção da criação e a força superior. É por isso que se autodenominaram Israel (Yashar-kel), que significa “direto ao Criador”.

Abraão escolheu essas pessoas de todos os habitantes da Babilônia, ou seja, de todas as nações do mundo naquela época, e ensinou-lhes o princípio básico da conexão: ame o seu próximo como a si mesmo.

Desta forma, elas se elevaram acima do egoísmo, que está constantemente crescendo e inchando aos trancos e barrancos na sociedade humana. Esse crescimento é intencional a fim de garantir uma lacuna suficiente entre o enorme egoísmo da humanidade e o poder de conexão acima do egoísmo, que a sociedade é obrigada a alcançar.

Quando alcançamos um certo grau de confronto entre egoísmo e conexão, começamos a revelar dentro dele a força superior, o mundo superior e nós pertencendo ao mundo espiritual.

O egoísmo crescente serve como um motor que nos eleva deste mundo ao espiritual, da recepção à doação, do ódio ao amor. Se seguirmos os princípios de que “o amor cobrirá todos os crimes” e “todos julgam de acordo com suas próprias falhas”, então, individualmente e juntos como um grupo inteiro, seremos capazes de alcançar uma conexão tão forte que o Criador será revelado dentro dela.

Ao longo de milhares de anos, o grupo reunido por Abraão na Babilônia mudou muito. Parte dele desapareceu, se dissolveu nas nações do mundo e ainda está para ser revelado. Havia muitos no povo de Israel que atingiram o grau do Criador na medida de sua capacidade de superar o egoísmo e se conectar.

Com o passar dos anos, as condições mudaram, mas o princípio permaneceu o mesmo porque as leis do mundo são constantes e imutáveis. Precisamos apenas estudá-los e cumpri-los para alcançar o estado corrigido.

Portanto, precisamos estudar o processo pelo qual o grupo de Abraão passou na história, visto que “os feitos dos pais se tornarão um sinal para os filhos”. A partir disso, entenderemos em que direção estamos nos movendo, o que está acontecendo conosco, e quais sinais dos feitos dos pais podem ser vistos hoje, já que o princípio eterno do “ama ao próximo como a si mesmo”, a lei da unidade, está sempre em ação.

Do Ari em diante, todos os Cabalistas dizem que entramos na era do Mashiach, ou seja, o tempo do fim da correção. Resta um último estágio de nosso desenvolvimento, que pode ser bastante longo. Como sempre, as nações do mundo estão pressionando o povo de Israel, e essa pressão tem o objetivo de nos forçar a nos unir, pelo menos por meio do sofrimento.

Os judeus devem tirar conclusões de sua história, se conectar e tomar o exemplo dos pais. Por meio dessa conexão, sentiremos quase imediatamente o enfraquecimento da pressão externa por causa de nossa reação correta a ela e de nossos esforços para nos conectar.

Portanto, todas as guerras que estão surgindo contra nós cessarão imediatamente, porque começaremos a avançar por nós mesmos, sem pressão externa. Se nós mesmos revelarmos as forças para o avanço e nos precipitarmos, aqueles que nos impediram começarão a ajudar.

Essa será a tendência correta, de acordo com a única força superior, que deseja ver toda a humanidade em tal unidade.

Se não fizermos esforços para avançar em direção à unidade, na medida da falta desses esforços, as nações do mundo e as forças negativas dentro do próprio povo de Israel se levantarão e começarão a lutar, o confronto de todos os lados, a fim de nos despertar e nos forçar a tirar a conclusão certa – entender o motivo dessa pressão e o que devemos fazer.

Hoje estamos em um estado muito delicado e agudo. Falei sobre esse perigo há muitos anos, mas não esperava que acontecesse tão rapidamente e que já em nossa época um estado tão especial se desenvolvesse entre todos os países e nações de todo o mundo.

Estamos vivendo na era das novas tecnologias e da comunicação global e alcançamos uma certa compreensão interior das coisas que estão acontecendo: a responsabilidade do homem pela Terra e por todo o Universo.

Hoje em dia, existem muitas pessoas com alto nível de escolaridade e visão ampla, não como antes. Quase todo mundo tem a oportunidade de viajar ao redor do mundo e ver a vida de outras nações e se conectar com o mundo inteiro acima das distâncias e das diferenças de idiomas.

Ainda assim, na questão do antissemitismo, vemos que nada ajuda: a lei que avança a humanidade para a conexão age de forma severa, pode-se até dizer cruelmente. Em primeiro lugar, pressiona aqueles que deveriam ser os primeiros a liderar a humanidade como uma nação que tem a obrigação de fazer esse trabalho, de se tornarem pioneiros neste caminho e de liderar o mundo inteiro.

Não há como contornar essa lei. A luz superior, as forças superiores, são organizadas de tal forma que, assim que o povo de Israel, um grupo reunido durante o tempo de Abraão de todas as nações, se une novamente, todos os caminhos se abrem diante dele. Não existem obstáculos; pelo contrário, existem forças da natureza prontas para ajudá-los e elevá-los a níveis espirituais sobre seus ombros. Depois disso, toda a humanidade ficará feliz em se unir.

É assim que a governança superior é organizada e é assim que será. Tudo depende de Israel, como o Baal HaSulam escreve na Introdução ao Livro do Zohar, porque somente eles têm a liberdade de escolha.

Aqueles que aspiram a se aproximar do Criador são chamados de Israel. Eles se sentem obrigados a trazer a si mesmos e toda a humanidade para uma conexão comum e ascensão espiritual. Qualquer pessoa no mundo, de qualquer nacionalidade, cor e de todas as quatro camadas da humanidade, pertencem a uma nação, que é obrigada a alcançar a unidade e a adesão com o Criador.

Portanto, em todo o mundo a pressão sobre esse grupo corpóreo chamado Israel está crescendo, embora eles não entendam o que está acontecendo com eles. Afinal, eles há muito deixaram este trabalho de conduzir a si próprios e ao mundo inteiro à adesão ao Criador. A humanidade também não recebeu o conhecimento de que o mundo está passando por um desenvolvimento intencional que a leva à correção completa e, portanto, não entende as razões de seu ódio.

Os judeus estão confusos e perplexos com o que querem deles, e por causa do grande egoísmo, eles apenas sonham com paz e prosperidade. As nações do mundo sentem que os judeus estão escondendo algo delas, não permitindo que elas tenham uma vida boa.

É por isso que esses dois grupos se sentem perdidos na escuridão, onde a agressão vinda das nações do mundo esbarra no ódio e no medo que os judeus sentem.

É claro que isso não beneficia a nenhum dos dois: grande sofrimento aguarda tanto os que cometem violência quanto os que são teimosos e não querem ouvir falar de correção. Portanto, é nosso dever explicar a situação a ambos e impulsionar o processo de correção o máximo possível.

Da Lição Diária de Cabalá 03/01/20, “A Escolha Judaica: Unidade ou Antissemitismo”, Capítulo 1

Abraão – Grande Sábio E Pensador

740.02Pergunta: Um personagem da Torá como Abraão já viveu em nosso mundo?

Resposta: Na verdade, houve tal personagem na história. Abraão promoveu a sabedoria da Cabalá, que ele revelou aos habitantes da Babilônia. Ele tirou vários milhares de pessoas de lá e elas aderiram à sua ideologia. Rambam, um pesquisador que viveu no século XII d.C., mais de dois mil anos depois de Abraão, escreve sobre isso.

Abraão, que era um sacerdote na antiga Babilônia, descobriu que a criação tem um certo caminho de desenvolvimento, um propósito, um começo e um fim. Ele revelou que existem forças que desenvolvem toda a natureza, especialmente o homem. Isso acontece de acordo com a lei do desenvolvimento do egoísmo por parte da natureza e de acordo com a lei do desenvolvimento acima do egoísmo por parte do homem, quando ele se eleva acima do egoísmo que cresce nele.

A própria ideia e todo o sistema revelado por Abraão é chamado de “Cabalá”. Ele foi o primeiro a descrevê-lo no Livro da Criação (Sefer Yetzira).

Antes disso, ele era um adorador de ídolos, como todos os outros babilônios e, além disso, um dos principais sacerdotes do rei Nimrod. Ele e seu pai tinham seu próprio negócio. Eles faziam estátuas de vários ídolos e as venderam. Tudo isso é descrito no livro daqueles tempos, O Grande Comentário.

Este negócio está prosperando até hoje. Ainda hoje as pessoas vendem cordões vermelhos, água benta, amuletos e assim por diante. Mas então a qualidade de “Abraão” cresce acima de tudo isso, o que ajuda uma pessoa a se elevar. Portanto, isso também é útil.

Pergunta: O que aconteceu a Abraão que mudou abruptamente de forma tão dramática?

Resposta: Ele descobriu que seus concidadãos repentinamente começaram a mudar. Em vez de pedir saúde, fertilidade ou uma boa colheita, eles começaram a desejar o mal um ao outro, a competir, a se odiar. Cada um queria suprimir o outro.

Antes, uma pessoa queria se sentir bem e os outros não a incomodavam muito. Agora ela começou a querer ser maior do que os outros, melhor do que os outros, mais forte do que os outros. A humilhação dos outros tornou-se um prazer para ela.

Este é o resultado do aumento do egoísmo. As pessoas pararam de se comunicar, pararam de se entender. Todas queriam se tornar os maiores, subjugar tudo e todos.

Olhando para essas terríveis metamorfoses na família, na sociedade, em todos os lugares, Abraão começou a fazer a pergunta: “O que está acontecendo?” Em seguida, ele revelou toda a perspectiva do desenvolvimento da humanidade. Ele percebeu que o egoísmo, que está crescendo em nós, não está apenas progredindo, mas se desenvolvendo para que possamos trabalhar com ele de uma maneira diferente.

Abraão foi um grande sábio e pensador daquela época. Ele pensou: “Para que serve tudo isso? É para eu odiar os outros e eles me odiarem? O que vem a seguir? Como resultado, iremos destruir uns aos outros, iremos à guerra uns contra os outros. Não, a natureza não é assim. É global, redonda, atende a todos, inclui tudo. É como uma mãe!” Quando uma pessoa observa a natureza, ela vê isso.

Pergunta: Por que isso leva as pessoas ao conflito umas com as outras e elas se matam?

Resposta: Não é a natureza que empurra as pessoas, mas o egoísmo humano. A própria natureza é organizada de maneira muito harmoniosa.

Essa é a conclusão a que Abraão chegou. Ele percebeu que o único mal no mundo é o nosso egoísmo, que está constantemente crescendo em nós para que, apesar de seu crescimento, entremos em harmonia com a natureza, nos conectemos com ela, nos elevemos acima de nosso egoísmo e comecemos a usá-lo para doação, amor e conexão um com o outro.

De KabTV, “O Poder do Livro do Zohar” # 17

A Torre De Babel: A Ascensão Do Egoísmo

115.05Pergunta: Durante a construção da torre de Babel, que simbolizou o crescimento do egoísmo, houve uma mistura de línguas. Isso significa que as pessoas deixaram de se entender, embora falassem a mesma língua.

O que significa “dentro de uma pessoa”? Ela deixa de se entender?

Resposta: Na verdade, as pessoas não apenas não uma à outra, mas também não se entendem. Acontece que uma pessoa vive sem perceber por que, para quê ou em conexão com o quê.

Na medida em que se torna egoísta, ela gradualmente se afasta da natureza, se opõe a ela. Ela não tem nada para substituir essa perda. Acontece que ela, em geral, perde de ambos, deste e daquele lado.

Pergunta: O que acontece em uma pessoa quando ela constrói a torre de Babel em si mesma? Qual é essa condição?

Resposta: A construção da torre de Babel é o que Nimrod impôs ao povo para aumentar seu egoísmo. O egoísmo deve atingir um estado em que prevalece sobre todas as outras propriedades humanas.

De KabTV, “Estados Espirituais”, 11/06/21

Mudança Para O Estado Do Templo

747.03Pergunta: O que é a destruição do Templo? Onde está o seu lugar na cadeia de todos os vários estados espirituais? Esse é um estado pelo qual uma pessoa ou toda a humanidade passa?

Resposta: A destruição do Templo é um grande ato. Primeiro, é necessário chegar ao estado de Templo onde a humanidade já está em uma certa elevação espiritual e precisa seguir em frente. Avanços posteriores são impossíveis sem a destruição primeiro porque, em princípio, nos movemos apenas quando descobrimos algumas falhas e defeitos em nosso estado atual. Só então começamos a investigá-los, medi-los e corrigi-los.

Portanto, todo o caminho começou há muito tempo, do zero, com o surgimento de um pequeno egoísmo na antiga Babilônia e com a subsequente saída do egoísmo por um grupo de babilônios liderado por Abraão.

Esse grupo aspirava a uma conexão entre si, que é a correção da humanidade. Ele passou por certos estágios em seu caminho: ele entrou em um grande desenvolvimento egoísta chamado de exílio egípcio e o deixou com o desejo de se elevar acima do egoísmo, uma vez que o reconheceu como mau. Em seguida, passou por tremendas dificuldades e correções na ascensão de quarenta anos do egoísmo ao primeiro estágio altruísta, que é chamado de quarenta degraus ou quarenta anos vagando no deserto.

De KabTV, “Estados Espirituais”

Dois Tipos De Desejos Em Uma Pessoa

562.02Pergunta: A geração de Abraão é chamada de geração da separação, da discórdia (em hebraico “Dor Haflaga”). As pessoas que seguiram Abraão começaram a ser chamadas de “Israel” e as demais foram chamadas de nações do mundo. O que é essa divisão em dois tipos de desejos dentro de uma pessoa?

Resposta: O anseio pela conexão entre as pessoas é a qualidade altruísta. O desejo de dominar as pessoas é a qualidade egoísta.

Abraão iniciou o princípio de dividir a humanidade em dois grupos: um grupo pequeno e insignificante de egoístas que queria se elevar acima de si mesmos era chamado de Yehudi (judeus, israelitas) e um grupo chamado as nações do mundo.

Esses são dois tipos de desejos dentro de uma pessoa: desejos egoístas que já estão corrigidos e prontos para uso e desejos não corrigidos que não podem ser usados.

De KabTV, “Estados Espirituais”, 11/06/21

Nimrod É Uma Propriedade Do Egoísmo

561Durante o reinado do rei Nimrod (da palavra “Mered” , rebelião) na antiga Babilônia, vários vetores de desenvolvimento humano foram manifestados ali simultaneamente.

Por um lado, Nimrod é como um governante duro, traiçoeiro e opressor. Por outro lado, as pessoas se tornaram mais agressivas, exigentes e egoístas umas com as outras.

Além disso, o pai de Abraão, Terah, deu início à chamada separação dos deuses. Ele esculpiu todos os tipos de estatuetas e disse aos babilônios que cada uma delas representava algum tipo de divindade a quem se deveria orar, ungir e acender velas.

Do ponto de vista espiritual, essas são algumas forças desconhecidas em uma pessoa que ela deseja de alguma forma agradar, compreender e enfrentar. Essa é a adoração de divindades.

Dizem que Nimrod foi um poderoso caçador diante do Senhor. Isso significa que ele queria tirar as pessoas de seu estado animal primitivo e elevá-las mais alto, incitar seu egoísmo, competição e sede por todos os tipos de ganhos.

Pergunta: Contra quem Nimrod se rebelou?

Resposta: Em princípio, não havia ninguém contra quem ele pudesse se rebelar, exceto contra a própria natureza, que acalentava as pessoas. Ele não queria isso. Ele queria que seus súditos fossem egoístas, competitivos, avançassem e movessem seu reino adiante.

Comentário: Em geral, essa é uma propriedade positiva. Afinal, queremos que nossos filhos possam competir e se desenvolver dessa forma.

Minha Resposta: As competições também podem ter um caráter diferente. Uma pessoa pode competir para não ser egoísta e não conquistar tudo e todos.

“Nimrod” em uma pessoa é uma propriedade negativa que até hoje se desenvolve na humanidade a uma velocidade indomável.

De KabTV, “Estados Espirituais”, 11/06/21

O Papel De Abraão No Desenvolvimento Espiritual Da Humanidade

115.06A Torá começou a ser descoberta quando a humanidade já era capaz de começar a tomar uma atitude razoável e realista em relação à sua vida, ao seu desenvolvimento.

A primeira vez que isso aconteceu foi durante a época de Adam HaRishon, na antiga Babilônia, depois vinte gerações de estudantes de Adão a Abraão, que se tornou o líder espiritual da Babilônia e foi contra o desenvolvimento egoísta natural dos babilônios que eram uma coleção de setenta nações na terra.

Abraão tentou entender esse sistema, foi capaz de percebê-lo e o passou a seus alunos. Seu pai foi um grande líder espiritual dos babilônios. Abraão foi capaz de levantar o povo da Babilônia explicando-lhes a essência espiritual da existência. Aqueles que responderam a ele o seguiram e deixaram a Babilônia.

Abraão explicou que toda a natureza foi criada de forma que o homem a trouxesse conscientemente a um sistema completamente conectado, baseado no princípio de amar o próximo como a si mesmo, apesar do egoísmo.

O egoísmo nos é dado especificamente para que possamos nos conduzir do ódio uns aos outros a um estado de amor entre nós. Em princípio, a ideia é muito simples, construir o amor acima de todas as desavenças. Isso é o que ele ensinou a eles.

A natureza global em que existimos ainda obriga todas as suas partes, materiais e espirituais, a chegar a este estado. Os babilônios que entenderam isso e seguiram Abraão se autodenominaram judeus da palavra “Yichud conexão, um vínculo entre eles, ou hebreus da palavra “Ever”, “Ma’avar”,  aqueles que mudaram de uma atitude egoísta em relação ao mundo e um ao outro para uma atitude altruísta.

Assim, além das setenta pequenas nações, formou-se um grupo sob a liderança de Abraão, que não se uniu aos demais, mas disse: “Somos um só povo”. Eles se autodenominaram Israel da palavra “Yisra-El”, direto ao Criador.

De KabTV, “Segredos do Livro Eterno”, 19/05/21