Textos na Categoria 'Antiga Babilônia'

Confronto Entre Abraão E Nimrod

115.06Comentário: Um dos famosos Cabalistas, O comentarista do Tanach, David Altschuler escreveu que antes da época do Rei Nimrod, todas as pessoas eram iguais e nenhuma delas se ergueu para dominar as outras. Mas Nimrod começou a dominar e governar na Terra. Então as pessoas começaram a construir a Torre de Babel.

Minha Resposta: A Torre de Babel, Migdal Bavel em hebraico, da palavra “lebalbel” (confundir), significa confusão, mistura de línguas. Isso significa que o egoísmo se tornou mais elevado do que as pessoas e elas deixaram de se entender.

Pergunta: Aqui dois personagens apareceram, Abraão e Nimrod, simbolizando o bem e o mal, uma força positiva e uma negativa. Abraão afirmou que era necessário se unir acima das contradições que surgiram, e Nimrod propôs se dispersar e se estabelecer por todo o mundo. Qual é a resistência aqui?

Resposta: Abraão clamou pela mesma unidade de antes. Antes isso era natural, e agora, quando as contradições surgiam, era necessário alcançar a conexão acima delas. Nimrod defendeu o que é chamado de desenvolvimento capitalista, por uma decisão racional.

Ambos estavam certos. Porque, por um lado, Abraão disse: “Vivíamos bem. Agora o egoísmo surgiu e nos separa. Vamos nos unir!” Nimrod, entretanto, pensou: “Por que precisamos nos unir? Tudo o que vem da natureza é bom. Se o egoísmo apareceu, ele nos desenvolverá. Por que devemos nos nivelar novamente?”

Pergunta: É claro que surgiu um conflito entre eles. Mas, uma vez que a Torá não fala sobre corporeidade, o que significa, de um ponto de vista interno, que duas forças se manifestam em uma pessoa: Abraão e Nimrod? Quais são essas forças?

Resposta: Abraão chamou as pessoas que possuíam esses dois pontos para elevar o ponto da unidade, para elevá-lo ainda mais alto, porque é para esse propósito que o egoísmo estava se desenvolvendo.

Nimrod afirmava que o egoísmo era necessário para si mesmo, de modo que, ao usá-lo, começaremos a nos desenvolver corporal e tecnologicamente.

Nimrod, da palavra “mered” (revolução), opôs-se à natureza integral. Ele estava convencido de que o egoísmo deveria ser usado sempre que possível.

Pergunta: O egoísmo não é natural? Parece que Nimrod estava indo de maneira natural, seguindo sua natureza.

Resposta: Depende do que ele estava seguindo. A natureza é baseada no equilíbrio e na homeostase interna. O egoísmo, como o câncer, viola tudo.

Acontece que, por um lado, a natureza é construída sobre a competição e, por outro, ela é construída sobre a interação, no equilíbrio de dois sistemas opostos. Um sistema é Nimrod e o outro é Abraão. O problema é como equilibrá-los.

De KabTV, “Estados Espirituais”, 13/05/19

Quando Os Israelitas Podem Ser Chamados De Nação?

933Comentário: Agora Israel ganhou alguma independência nesta terra.

Minha Resposta: Isso não é independência de forma alguma, mas apenas uma condição para começarmos a trabalhar em nossa verdadeira independência para que, enquanto vivemos aqui, formemos uma comunidade chamada nação (embora não seja uma nação), que criaria uma conexão mútua séria entre nós em equivalência de forma com o Criador.

O fato de que Israel agora existe é apenas uma condição para a criação de um grupo dentro do qual, em consentimento mútuo e amor, no cultivo dessas qualidades, pode-se gradualmente chegar à qualidade de doação mútua, ou seja, à revelação de o criador. Então ganharemos independência; caso contrário, não ganharemos.

Então será possível chamar esse grupo, que se conectará entre si, de uma nação. Caso contrário, não é uma nação, mas apenas uma ralé, partes quebradas de uma nação anterior que uma vez se uniram sob a condição de doação e amor mútuos.

Pergunta: Então este grupo, esta nação unida chamada Israel, incluirá não apenas os israelenses que vivem nesta terra, certo?

Resposta: Quem quiser. Exatamente como na antiga Babilônia. Quem veio a Abraão? Aqueles que tinham um ponto no coração, um anseio, um depósito interno, que eu quero isso, que isso está acima de tudo. Essas pessoas vão se juntar a nós. O resto não vai, vão apenas sair, não vão morar aqui. Eu vejo essa migração no futuro.

Aqui virão aqueles que têm um ponto no coração, que querem se tornar a nação de Israel, que aspiram diretamente ao Criador, que conquistam independência espiritual.

Pergunta: E quanto às pessoas que uma vez vieram para cá?

Resposta: Elas vieram porque foram expulsas pelo destino, pelo sofrimento, o ódio de toda a humanidade. É corretamente ditado pelo fato de que não estamos cumprindo nossa missão: levar a correção a todo o mundo, a todas as nações.

Ou seja, toda aquela antiga Babilônia, que agora está estabelecida ao redor do globo, quando realmente precisa disso, deve aprender a ciência de sua própria correção, de melhorar a si mesma, de se elevar ao nível de verdadeira independência de todo sofrimento e de sua fonte, a fim de se tornar eterna e perfeita.

De KabTV, “O Poder do Livro do Zohar” # 6

Reassentamento Dos Babilônios

747.01Comentário: Existem algumas semelhanças entre a maneira como Abraão e seus mil seguidores deixaram a Babilônia e a maneira como os israelitas deixaram o Egito. A diferença é que Abraão não foi perseguido e os israelitas foram perseguidos pelo Faraó e seu exército.

Minha Resposta: Abraão dividiu o povo de uma maneira muito simples. Ele deixou a maioria dos babilônios, sabendo que eles com seu egoísmo se dispersariam de qualquer maneira.

Isso é descrito no “Grande Comentário” (Midrash Rabbah), que se refere ao mesmo tempo que o “Livro da Criação” de Abraão.

Assim, temos fontes escritas há quatro mil e quinhentos anos. Claro, esta não é uma história recente, mas, em princípio, podemos acreditar porque, à medida que revelamos essas histórias antigas, vemos cada vez mais que o que está escrito nesses livros é realmente verdade.

Embora a Babilônia fosse originalmente habitada por uma única nação de cerca de três mil pessoas, eles ainda eram uma coleção de muitas tribos antigas, clãs. Abraão também era de uma tribo chamada “Ivri”. É por isso que ele foi chamado de “Abraão, o Ivri”.

O famoso historiador Josephus Flavius, em quem podemos confiar, descreve muito claramente como as pessoas se estabeleceram em toda a Terra: uma parte dos babilônios foi para a Alemanha, outra para os Apeninos, uma terceira para o Oriente, para a Índia e China, uma quarta para o norte, em direção à Rússia, uma quinta para a África e assim por diante. Embora ele chame isso por outros nomes, mas, em princípio, você pode adivinhar.

De KabTV, “O Poder do Livro do Zohar” # 6

Presentes De Abraão

541Abraão era uma pessoa muito famosa e respeitada na antiga Babilônia. Portanto, seus ensinamentos Cabalísticos se espalharam com sucesso entre os babilônios. Dizem que ele apresentou a eles toda a ideia de um futuro desenvolvimento espiritual.

Rambam, o grande filósofo do século XII, escreveu que milhares de pessoas seguiram Abraão. Milhares! Ele as conduziu da Babilônia para a Terra de Israel. Aquelas que não o seguiram, porque não sentiam uma predisposição interna para se tornarem semelhantes ao Criador, decidiram se espalhar pelo globo. As fontes originais dizem que Abraão deu a elas os chamados “presentes”.

Os presentes significam que ele lhes ensinou todos os tipos de outros métodos que não são baseados em superar o egoísmo e nem em corrigi-lo na linha do meio, a fim de avançar acima do ego e subir de HGT para HBD. Pelo contrário, esses métodos baseiam-se em reduzir o egoísmo, menosprezá-lo e ficar satisfeito com coisas modestas e pequenas. Em outras palavras, Abraão deu aos babilônios o início das crenças e religiões. É assim que eles se estabeleceram em toda a Terra.

Vemos que esses ensinamentos espirituais, especialmente os orientais, assim como as religiões, são construídos em ser modesto, não se destacando entre os outros. Eles não encorajam o desenvolvimento do egoísmo e mesmo o desenvolvimento de máquinas e tecnologia.

Essas teorias são completamente opostas ao método da Cabalá, que diz: quanto mais egoísmo, melhor porque com sua ajuda podemos nos elevar e nos corrigir.

No entanto, se uma pessoa não tem desejo de correção, é melhor para ela menosprezar seu egoísmo e manter a cabeça baixa.

De KabTV, “O Poder do Livro do Zohar” # 6

“Não Tomarás O Nome Do Senhor Teu Deus Em Vão”

161Pergunta: O terceiro mandamento: “Não tomarás o nome do Senhor teu Deus em vão” significa que você não pode atrair a força do Criador para realizar qualquer ação egoísta?

Resposta: Você pode agir pela força do Criador apenas na medida de sua equivalência com Ele, na medida de sua união com Ele.

Pergunta: Você não pode invocar sua influência sobre você ou usá-la egoisticamente para seu próprio benefício para derrotar nações, enriquecer-se e assim por diante?

Resposta: Isso está fora de questão!

Pergunta: E se eu não corresponder a Ele, eu posso pedir ou não, mas Ele ainda não vai me influenciar?

Resposta: Você pode pedir. Mas é exatamente que o Criador ajuda você a ser como Ele. Para tanto, é sempre possível e desejável apelar. Tal pedido será concedido.

De KabTV, “Estados Espirituais”, 26/12/19

Dois Sistemas: Abraão E Nimrod

232.05A Cabalá diz que existem dois sistemas dentro de uma pessoa. Eles existem dentro de nós e devem existir na sociedade. Mas a sociedade não pode se adaptar adequadamente a esses sistemas. Portanto, nos dias da antiga Babilônia, o sistema de Nimrod se desenvolveu – capitalista, e o sistema de grupo de Abraão – Cabalístico.

Em nossa época, eles estão começando a se encontrar gradualmente e a se conectar. O fato é que o sistema de Abraão deve ser realizado em todas as pessoas, no sistema geral, segundo o princípio “Ama o próximo como a si mesmo”. O sistema de Nimrod está se deteriorando, pois descobrimos que o egoísmo, se não for equilibrado, é o maior mal.

Portanto, somente agora, após 3.500 anos, eles começam a convergir à medida que começamos a entender que é necessário equilibrar os dois sistemas. Eles são equilibrados na forma de receber para doar. Receber é propriedade de Nimrod, doar é propriedade de Abraão. É assim que elas devem ser realizadas na sociedade hoje.

De KabTV, “Estados Espirituais”, 13/05/19

Como Uma Família

933Pergunta: O homem se desenvolveu ao longo da história e, em algum momento, ele teve tempo para pensar no sentido da vida. O desejo de compreender as forças ocultas da natureza despertou 3.800 anos atrás entre os habitantes da antiga Babilônia.

As fontes primárias dizem que antes disso toda a humanidade era como uma família, embora entendamos que na época em que foram escritas, a vida já existia há dezenas de milhares de anos e as pessoas estavam se matando. Não está claro o que significa “como uma família”?

Resposta: O fato é que as relações amigáveis ​​entre os babilônios se deviam a um certo desenvolvimento histórico. Naquela época, na Mesopotâmia, entre o Tigre e o Eufrates, as condições externas favoreciam uma vida pacífica. A abundância de água e o alagamento dos rios contribuíam para uma boa colheita.

As pessoas comiam peixe, alho, pão de cevada assado e criavam vacas e ovelhas. A natureza era tão generosa com eles que não eles precisavam reconquistar seus frutos uns dos outros. Portanto, eles viviam em relativo equilíbrio entre si.

A Torá diz que “havia uma língua e um dialeto em toda a Terra”. Isso significa que as pessoas se entendiam. Não se trata de linguagem. Elas não precisavam de mais do que tinham.

Por um lado, a natureza as favorecia e em troca de um pouco de esforço da parte delas, dava-lhes tudo. Por outro lado, elas ainda não eram tão egoístas a ponto de tirar da natureza mais do que o necessário. Era uma existência correta, bela e natural. Na Cabalá, isso é chamado de nível zero de egoísmo.

Havia entendimento completo entre os babilônios, como em uma família normal. Então, de repente, houve uma onda de egoísmo, e eles imediatamente quiseram se dividir em classes: os ricos, os pobres, os fortes e assim por diante. Então, todos os tipos de insígnias apareceram entre eles.

De KabTV, “Estados Espirituais”, 13/05/19

A Essência Do Nível De Erev Rav (Multidão Mista)

547.06Pergunta: Se Israel é um povo descendente de Abraão, quando apareceu a Erev Rav (Multidão Mista ou Multidão Misturada)?

Resposta: Erev Rav apareceu na época de Abraão. Na prática, eles estavam em constante desenvolvimento e se tornaram ainda mais fortes no Egito. Egito não significa um lugar geográfico, mas o estado espiritual de uma pessoa.

O grupo que Abraão reuniu na Antiga Babilônia mudou-se para outro lugar, ou seja, ascendeu a outro nível, para a Terra de Canaã (Eretz Canaa). Isso significa que seu nível estava mudando constantemente.

Quando chegaram a tal estado que começaram a se sentir no Egito, isto é, sob o peso do egoísmo, a força chamada multidão mista (Erev Rav) se revelou neles e os puxou de volta.

O fato é que até que você alcance a correção final, essa força corre paralela a você, o ajuda com sua oposição e aponta suas falhas como qualquer oponente mostra onde pode prejudicá-lo. Ou seja, Erev Rav lhe dá uma compreensão de onde você pode melhorar a si mesmo.

De KabTV, “Estados Espirituais”, 22/04/19

Abraão – O Grande Reformador

740.02Pergunta: Quem ensinou Abraão? Por que ele se tornou um homem tão sábio?

Resposta: Abraão é o vigésimo na linha de discípulos começando com Adão. Adão viveu 5.781 anos atrás e passou o método espiritual por meio de seus discípulos por vinte gerações até que ele chegou a Abraão.

Não havia nada de especial em Abraão, exceto o fato de que ele se encontrou em um estado em que todo o povo da Babilônia, que era composto de várias tribos, de repente sentiu uma explosão de egoísmo e as pessoas se odiaram.

Então, Abraham começou a investigar este fenômeno e chegou à conclusão de que era devido a um aumento acentuado do egoísmo e que algo devia ser feito a respeito. Ele revelou o método de correção onde é necessário construir um sistema de conexões acima do egoísmo. Ele começou a chamar todos os babilônios para isso.

Visto que ele era um grande sacerdote, alguns dos babilônios o ouviram e o seguriam. Mais tarde, ele os levou da Babilônia para a terra de Israel, mas a maioria do povo permaneceu lá e depois se espalhou pelo mundo.

Abraão foi um grande reformador. Ele reuniu um grupo que buscava revelar a única força da natureza na conexão entre eles, e aqueles em quem essa necessidade não se desenvolveu permaneceram na Babilônia.

De KabTV, “Pergunte ao Cabalista”, 20/03/19

O Critério Cabalístico De Geração

933Pergunta: Uma geração é uma coleção de pessoas que vivem em um determinado período histórico. Ela pode ser identificada de acordo com três critérios: uma era histórica compartilhada, padrões específicos de comportamento compartilhados e uma certa experiência de vida coletiva compartilhada.

Em que períodos você dividiria as gerações com base nas leis da natureza?

Resposta: Observando nossa história ao longo de milhares de anos, é possível dividir as eras de acordo com algum critério específico. Como estou engajado na ciência da Cabalá, divido tudo o que acontece em nosso mundo, incluindo gerações, de acordo com a aspiração da humanidade ao objetivo da criação.

Portanto, o período que começou na antiga Babilônia, quando o método da Cabalá foi criado sob a liderança do antigo sacerdote babilônico Abraão, que fez uma revolução espiritual e chamou as pessoas a se unirem pelo princípio de “ame o seu próximo como a si mesmo”, é muito importante para mim.

Observação: Nos livros sagrados, esta geração é chamada de geração da diáspora.

Meu Comentário: De fato, isso deu ímpeto à dispersão de pessoas ao redor do globo. A próxima geração é a geração do êxodo do Egito, a compreensão do egoísmo como mal, a ascensão do grupo de Abraão acima de seu egoísmo.

Pergunta: Dez gerações se passaram de Adão a Noé e de Noé a Abraão. O que os sábios basearam seu julgamento ao dividir essas gerações e dar-lhes nomes, por exemplo, “a geração do deserto”?

Resposta: Estamos falando de um grupo de pessoas que viveram na necessidade de encontrar o sentido da vida, de revelar o que governa a humanidade, a razão e o propósito de sua origem e para onde vai. Portanto, antes de mais nada, é necessário determinar o que pode ser chamado de geração. Eu acredito que é a aspiração que as pessoas têm em relação ao propósito da criação. É assim que divido todos os intervalos históricos em gerações. Eles são muito diferentes nisso. Existem gerações que podem ter mil anos e existem aquelas que mudam ao longo de várias décadas ou até menos.

De KabTV, “A Era Pós-Coronavírus”, 21/05/20