Textos na Categoria 'Alma Comum de Adão'

Não Sozinho, Mas Todos Juntos

947Nós devemos sempre lembrar que pertencemos a uma alma, um desejo, embora ele tenha sido destruído por causa do pecado de Adam. Estamos sob o governo de uma única força chamada Criador. Não há nada além disso: apenas o Criador e o ser criado, que são duas forças, uma oposta a outra.

O ser criado foi quebrado em muitas partes, e agora há uma pessoa, da família da pessoa, o povo, o país, a vida corpórea, e a vida espiritual, mas devemos tentar ligar todos estes juntos. Afinal, com relação ao Criador, tudo é um – o Criador está movendo toda a criação da separação para a unidade. Por meio da análise e síntese de muitos desejos e pensamentos conflitantes em um esforço para esclarecê-los e uni-los, podemos revelar o Criador e alcançar Seus pensamentos e desejos.

Portanto, o desenvolvimento de uma pessoa, que até então era pessoal, individual, hoje se torna um processo integral. A humanidade sente sua completa interconexão e incapacidade de se separar uns dos outros. O mundo está se movendo em direção à sua correção final, e este estado não pode ser alcançado por um pequeno grupo ou um país, mas apenas pelo mundo inteiro. O Criador nos leva a isso e vê nosso futuro desejado dessa forma.

O grupo do Bnei Baruch existe apenas para ajudar o Criador a implementar esta correção em todo o mundo e para revelá-Lo a todos, comunicando o método e a força da correção às pessoas.

Da 3ª parte da Lição Diária de Cabalá 18/11/20, “Conectando o Mundo na Última Geração”

A Humanidade É Um Único Sistema

255Pergunta: Os termos “igualdade”, “unidade” e “liberdade” são conhecidos por nós desde a Revolução Francesa. Antes e depois, as pessoas lutaram por esses princípios.

Vemos que a humanidade está inserida em um único sistema de relações econômicas, sociais, políticas e culturais, que se denomina globalização. Mas esta é apenas uma unidade externa.

Você está sempre falando sobre unidade sensorial no nível do pensamento e do desejo. Você poderia descrever como você vê a conexão da humanidade neste nível?

Resposta: Isso é uma questão do futuro distante. A humanidade não faz essa pergunta de forma alguma; não está pronta para isso e não é capaz de fazer nada. O problema não é forçar a humanidade a um estado de conexão, mas fazê-la desejar, e seu desejo predeterminaria a unidade sensorial, até o ponto de uma oração para chegar até ela. E a humanidade de hoje ainda está muito longe disso.

Pergunta: E ainda, a que devemos chegar? Em todas as fontes está escrito que a humanidade deve se tornar uma. Qual deve ser esse estado final?

Resposta: A humanidade deve apresentar uma estrutura única. Existem pessoas totalmente diferentes, interesses diferentes e movimentos diferentes. Cada um tem seu próprio ponto de origem e desenvolvimento. Mas entendemos que todos temos um objetivo comum de criar uma estrutura que estaria em um estado interno de equilíbrio espiritual e mundano.

Todos se movem em direção ao mesmo objetivo e apoiam uns aos outros. O apoio mútuo, em particular, é a coisa mais importante na nova sociedade que deve se erguer depois de todos os períodos difíceis que estamos passando.

Nosso objetivo é muito simples: criar um único sistema de humanidade em que os opostos se encontrem para apoio mútuo e formem um todo harmonioso comum. Quando dois opostos se conectam para atingir um objetivo comum fora de si, eles existem em harmonia.

Precisamos perceber que, com nossas qualidades, não podemos fazer isso agora. Mas ainda temos que chegar a esse ponto. Portanto, antes de tudo, devemos sentir a necessidade de unidade e, depois, a impossibilidade de alcançá-la por conta própria.

Pergunta: Podemos dizer que fomos originalmente concebidos como um único organismo?

Resposta: Foi exatamente assim. Isso é chamado de sistema de Adam antes da quebra. Ou seja, já estávamos nesse estado. Somos todas as almas, todos os nossos registros de informações internas, os chamados Reshimot.

De KabTV, “Habilidades de Comunicação”, 11/09/20

Todos São Responsáveis Por Consertar O Mundo Inteiro

929Se eu me corrigir, verei que todos os outros já estão completamente corrigidos. Tudo depende da minha correção. Mas, para me corrigir, devo estender a mão a todos e tentar convencê-los de que todos precisam de correção.

Tudo o que acontece ao meu redor é minha projeção. Eu não os vejo, eu me vejo. Há oito bilhões de pessoas no mundo, mas todas são partes de mim. Eu sou Adam HaRishon, a primeira pessoa, e todos estão incluídos em mim. Portanto, sou responsável por corrigir o mundo inteiro. E todos deveriam pensar assim!

A correção externa é que eu alcanço todos e insisto para que se corrijam. E a correção interna é que eu me corrijo, minha atitude para com o mundo, para tratar bem a todos.

E até que eu me corrija interna e externamente, para que eu possa ver todos corrigidos, não chegará ao fim a correção do mundo.

Da Lição para Mulheres 01/11/20

Faixa Neutra Entre Bem e Mal

232.06A natureza obedece a leis rígidas e, se as seguirmos, podemos viver bem e, se não, levaremos golpes.

Mas o Criador nos dá algum tempo para escolher livremente a fim de começar a agir e evitar sermos atingidos. Ele não começa a bater em nós imediatamente, para não nos confrontar com o inevitável, mas quer que compreendamos e ajamos com consciência, a partir do desejo de nos tornarmos como Ele.

As leis físicas atuam imediatamente, como a lei da gravidade. Se eu pular da ladeira, caio imediatamente, sem tempo para pensar.

Mas no mundo espiritual existe um sistema de Klipot que muda as leis da natureza, criando a diferença entre o bem e o mal, a distância entre eles. Portanto, podemos usar essa distância para não nos expormos imediatamente aos golpes, mas para podermos nos conectar e evitar golpes prevenindo-os com remédio.

O remédio é o poder de Bina que podemos usar. Enquanto na natureza material não existe tal força, tudo é simples: ou menos ou mais. No espiritual, há um menos, mais e sua sobreposição no meio, onde estamos incluídos em ambas as forças e podemos construir uma zona tampão contendo ambos os opostos.

Este sistema, que inclui duas forças, é chamado de “homem”, Adam, porque contém o desejo de receber prazer e a intenção de doar, devido ao qual nos tornamos como o Criador.

No mundo inanimado, vegetal e animal, que são estudados pelas ciências naturais, não existe tal sistema intermediário. Portanto, a ciência não pode compreender a psicologia nem mesmo de uma pessoa comum, terrena e ainda mais espiritual. Para entender uma pessoa espiritual, a ciência da Cabalá é necessária, o que nos explica como uma pessoa é organizada.

Tudo o que a ciência sabe sobre um ser humano pertence ao nível animal e é obtido experimentalmente. Isso nos permite criar medicamentos para o corpo biológico. Mas o próprio ser humano, sua essência interior, é inacessível para medições por quaisquer instrumentos e não está sujeito a qualquer verificação.

Somente a ciência Cabalística é capaz de estudar uma pessoa por meio de instrumentos do mais alto nível, de cima e não de baixo, como geralmente estudamos a matéria inanimada, as plantas e os animais.

Portanto, na crise atual, nada pode ajudar a humanidade, exceto a ciência da Cabalá e seus métodos. Até então, teremos que sofrer. Portanto, estamos tentando espalhar o conhecimento sobre o método de correção de todas as maneiras possíveis.

Da 2ª parte da Lição Diária de Cabalá 25/09/20, Escritos do Baal HaSulam, “O Arvut (Garantia Mútua)”

Sucot – O Começo Da Construção Da Alma

293.1O festival de Sucot simboliza o início da construção do vaso da alma. O Criador criou o desejo de receber, que existia em doação completa. Mas este estado foi mantido pelo poder do Criador, de cima. Este sistema foi chamado de Adam Ha Rishon, uma alma.

Mas então, a fim de dar a Adam a oportunidade de crescer, de se tornar independente e de perceber onde ele está, o Criador quebrou esse vaso, essa alma comum. E isso é chamado de pecado de Adam com a Árvore do Conhecimento, uma vez que o enorme desejo egoísta foi revelado e nós existimos com ele até hoje.

Tudo aconteceu na forma como os quebra-cabeças são feitos. Primeiro, uma imagem é desenhada e depois cortada em vários pedaços para que as crianças possam brincar e montá-la novamente. O Criador deliberadamente nos levou a pecar com a Árvore do Conhecimento para que a serpente, nosso terrível desejo de receber, fosse revelada. E por 6.000 anos agora, devemos corrigir Malchut organizando as qualidades das Sefirot nela: Hesed, Gevura, Tiferet, Netzach, Hod e  Yesod.

Estamos agora entrando na fase final deste período. Nossa Sucá tem uma aparência muito simbólica porque pela primeira vez estamos começando a trabalhar de forma práticacomo a última geração. O processo de correção final está começando.

As peças do quebra-cabeça, que cada um de nós representa, estão começando a se aproximar. Devemos fazer delas uma forma humana para que todos os nossos desejos se unam e se tornem como o Criador. Existe uma pequena peça desse quebra-cabeça em cada um de nós. Precisamos apenas reunir dezenas, depois dezenas às centenas e milhares, como explica a Torá. Então tentaremos construir a partir de nós mesmos a forma do homem, Adam, semelhante (Dome) ao Criador.

Este edifício começa com os materiais mais simples, os desejos mais leves da nossa alma. É assim que uma Sucá é construída a partir do “desperdício” (lixo) que é separado da “comida”. Comida é o que nosso desejo de receber gosta instintivamente. E desperdício é o que rejeitamos naturalmente.

E ao nos conectarmos, queremos descobrir o que é desperdício em relação à nossa conexão, a fim de elevar esse desperdício acima de nossas cabeças e aumentar sua importância acima de todos os nossos pensamentos e desejos que nos afastam uns dos outros e nos impedem de conectar.

Precisamos nos conectar e nos tornar uma só pessoa. Essa é a correção de toda a humanidade, e ela deve começar agora durante a pandemia do coronavírus. Com este e outros eventos que serão revelados de cima, o Criador nos empurra para agirmos, mostra-nos onde podemos começar a montar este quebra-cabeça.

A Cabalá lida com a implementação prática do programa de criação, sua correção. Agora estamos trabalhando nos primeiros estágios dessa correção. Já passamos os estágios de Slichot, Rosh Hashanah e Yom Kippur, e agora estamos entrando no período do feriado de Sucot.

Sucot simboliza as correções que devem ser feitas dentro de nós, em nosso desejo. O Criador não criou nada além de desejo. Nesse desejo, sentimos este mundo como se ele existisse, sentimos a realidade e a nós mesmos. Mas tudo isso só se apresenta dentro do nosso desejo de receber.

Precisamos nos corrigir de uma maneira que nos vejamos como uma só pessoa. Um desejo semelhante ao Criador é chamado de Adam, homem, e nele, revelaremos o Criador vindo para nos abraçar e se fundir. E tudo começa com a Sucá, com o fato de que construímos uma conexão entre nós à luz de Hassadim. Essa ainda não é uma conexão real, mas apenas aproximar-se um do outro.

A pandemia de coronavírus mostra exatamente o quanto não somos capazes de nos aproximar. Se nos aproximamos de nossos desejos egoístas, trazemos doenças e danos uns aos outros. Este é um exemplo vivo de nosso relacionamento ruim.

Portanto, devemos tentar organizar tudo tanto material quanto espiritualmente para que toda a humanidade entenda o que precisamos desenvolver e como corrigir a nós mesmos e ao nosso mundo. Todas as forças, todas as condições que agora estão se desenvolvendo no mundo são projetadas para nos empurrar para subir ao primeiro nível espiritual.

Da 1ª parte da Lição Diária de Cabalá, 02/10/20, “Sucot”

A Dependência Da Alma Individual Na Alma Geral

571.02Pergunta: Quais são as limitações da alma individual como parte da alma geral, e como sua dependência da alma geral é expressa?

Resposta: Uma alma individual se desenvolve apenas até o volume necessário para sua restauração na alma geral. Se tomarmos uma alma individual, feminina ou masculina, veremos que as fases de seu desenvolvimento sempre ocorrem na imagem geral da alma de Adão e não de qualquer outra forma.

De KabTV, “Fundamentos de Cabalá”, 16/09/18

Como Células No Corpo

944Pergunta: Um Cabalista não pode trabalhar com um grande número de pessoas ao mesmo tempo. Primeiro, deve haver alguma célula pequena. Podemos dizer que dez pessoas são uma minisociedade, onde todos verificarão constantemente sua atitude em relação aos outros?

Resposta: Este ambiente não apenas apoia uma pessoa no nível terreno em boa conexão com os outros, mas também, ao se unir a eles, ela começa a sentir um desejo comum, objetivos comuns, um sistema comum de interconexão correta entre dez amigos para que no final eles formem um sistema chamado mundo superior, ou Partzuf, ou alma. E a força interna neste sistema é o Criador.

Pergunta: Acontece que essas dez pessoas são como uma célula do corpo, que está começando a cooperar com outras células e formar órgãos?

Resposta: Certo. Cada dezena que tentamos criar a partir de pessoas que pensam como nós se conectarão com outras dezenas para formar um organismo chamado de “alma comum” ou Adam.

Pergunta: Assim, uma pessoa, começando a trabalhar em um minigrupo, vai além de seu egoísmo graças ao trabalho constante em sua dezena e já consegue se conectar com outras pessoas, com toda a humanidade. Como isso acontece?

Resposta: À medida que as células do corpo se conectam, apesar do fato de cada célula pertencer a alguma parte específica do corpo, um órgão específico, por meio de todas as outras células, ela está conectada a qualquer outra. Este é o sistema geral de Adam (Homem).

De KabTV, “Análise Sistemática do Desenvolvimento do Povo de Israel”, 09/12/19

Examinando Este Mundo

197.01Comentário: Centenas de filósofos e cientistas escreveram que toda a humanidade é uma família, um organismo. Ou seja, eles de alguma forma sentiram nossa semelhança.

Minha Resposta: Muitas pessoas ainda sentem essa semelhança hoje. Você não precisa ser um Cabalista ou um cientista para isso. Basta ser uma pessoa que examina o mundo. Ela vê que tudo nele está interconectado – os níveis inanimado, vegetativo, animal e humano da natureza são um organismo comum, um sistema comum.

No entanto, como a pessoa começa a senti-lo, a trabalhar com esse sistema para sentir a força que o controla? Somente a Cabalá ensina isso.

Abraão, que viveu três mil e quinhentos anos atrás, foi o primeiro a sentir essa semelhança. Ele começou a chamar as forças superiores manifestadas de Criador.

De KabTV, “Análise Sistemática do Desenvolvimento do Povo de Israel”, 09/12/19

O Amor Cobrirá Todos Os Crimes

239O amor cobrirá todas as transgressões. Isso significa que, dia após dia, teremos que revelar novos pecados, porque sem isso é impossível avançar. O egoísmo tende a se desenvolver mais e mais. O Criador só deu origem à criação quebrando a alma comum de Adam HaRishon. A partir disso, a inclinação ao mal começou a se desenvolver, nosso grande desejo de receber prazer, e nós precisamos ajudar este egoísmo a se abrir mais e mais para que ele não permaneça no nível inanimado, vegetativo ou animal.

Mas o egoísmo só pode ser revelado na forma oposta. Se quisermos acelerar a revelação do egoísmo, devemos, ao contrário, nos esforçar para alcançar a unidade. E se ontem não tivemos uma consciência maior do mal do que anteontem, então não lutamos pela unidade.

Todos os dias tentamos nos unir e, como resultado, a rejeição se abrirá para nós, para a qual pediremos o poder de correção para que o amor cubra todas as transgressões. E assim continuaremos avançando.

É necessário revelar o mal e atrair o bem para ele, a fim de cobrir todos os crimes com amor. Sem transgressões, não haverá união, não haverá correção do Kli. Devemos abrir todas as fissuras, todas as rupturas, em nossa união, no vaso da alma comum de Adam HaRishon. E isso só é possível quando nos esforçamos para nos unir.

Primeiro, realizamos ações artificiais, tentando alcançar a unificação, mas vemos que o Criador não permite que nos unamos. Pelo contrário, isso revela ódio e rejeição entre nós. Este é o resultado desejado, porque crimes estão sendo revelados em cima dos quais podemos verdadeiramente nos unir e cobri-los com amor. Mas isso já é com a ajuda de uma oração ao Criador, que nos dará o poder da unidade. Então chegamos à correção.

Este é o trabalho: lutamos pelo bem, e o Criador nos revela o mal, mas tentamos cobrir o mal com o bem e nos voltamos ao Criador em busca de ajuda. Estas são as duas ações: para frente e para trás, para frente e para trás, correspondendo aos quatro estágios do Kli.

Vocês podem imaginar que estamos sentados em um barco remando juntos, cada um com seu remo. Cada um trabalha em seu próprio Kli. Ele é atraído para a união e vê que a rejeição desperta em seu lugar. Então ele faz um segundo movimento: ele se volta ao Criador, pede ajuda e vê como o Criador faz uma fileira de remos para ele. Ele não abandona o Criador até que Ele complete a ação, cobrindo todos os crimes e transgressões com amor.

Eu faço a primeira linha com um remo: procuro me conectar com meus amigos e vejo que não estou conseguindo o que quero, mas estou revelando qualidades negativas. Então me volto ao Criador e peço a Ele para corrigir esse negativo. Então remamos o tempo todo: um-dois, um-dois. O primeiro um e dois são meus, onde nada funciona para mim, e o segundo um e dois é feito pelo Criador e já é bem-sucedido. É dito sobre isso: “O Criador vai terminar este trabalho para mim.”

Na primeira vez, eu tento fazer e revelar as deficiências e, na segunda vez, procuro o Criador com essas deficiências e vejo um resultado bem-sucedido.

Uma dezena se senta em um barco, e cada um segura seu remo com as duas mãos. O Gabai senta-se na popa e torce para os remadores, enquanto o Shaatz senta-se na proa do barco. E é assim que todos nós vamos.

O primeiro movimento do remo é para revelar uma falha. EU quero me conectar com meus amigos, mas revelo que não sou capaz disso. Ou seja, a primeira vez eu tento fazer sozinho e descubro minha impotência. Mas, ao mesmo tempo, estou ciente do meu fracasso, ou seja, abro o Kli. Na segunda remada com o remo, já peço ao Criador para me ajudar e terminar este trabalho para mim.

É sempre assim: o primeiro golpe é a revelação da falta e o segundo golpe é a ajuda do Criador. Como resultado, avançamos em nosso barco, primeiro fazendo esforços para revelar o mal, e depois nos voltando ao Criador para a correção e revelação da bondade.

Primeiro eu devo ser grato ao Criador e aos amigos. Afinal, a meta da criação só pode ser alcançada sintonizando os amigos de olhos fechados, se eles quiserem e puderem me aceitar. E o Criador deve me dissolver em meus amigos, unir-me a todos sem qualquer distinção entre nós.

Portanto, eu sou grato ao Criador e aos amigos pelo fato de que eles existem e me dão a oportunidade de me juntar a eles, de me perder e nascer de novo, o que é chamado de “passar pelo buraco de uma agulha”. Nada resta de mim, exceto a rede do desejo, que eu arrasto pelo buraco de uma agulha e, assim, passo de um mundo para outro.

Da 1ª parte da Lição Diária de Cabalá 17/08/20, “O Amor Cobre Todas as Transgressões”

De Onde Vem O Número 600.000 Almas?

Laitman_161Pergunta: 600.000 almas, este é um número aleatório?

Resposta: Não. A sabedoria da Cabalá é a ciência mais precisa.

O número 600.000 deriva da estrutura do sistema espiritual. Malchut, o ser criado, conectada a Zeir Anpin, o Criador, alcança Suas seis Sefirot e é multiplicada pela altura da discrepância entre eles. O resultado é 600.000.

Mas o fato é que há uma divisão adicional para atingir a quantidade necessária, porque tudo depende da resolução de nossas emoções, nossa consciência, conexão e integração mútua.

De KabTV, “Fundamentos de Cabalá”, 16/09/18