Textos na Categoria 'Alma Comum de Adão'

Ajude Sua Alma A Crescer

944“Eles Ajudaram a Cada Um de Seus Amigos” é o tópico mais importante porque é dedicado à nossa integração mútua através da qual construímos o Partzuf da alma de cada um de nós e de todos nós juntos. Sem essa integração mútua, não seremos capazes de construir um vaso espiritual e sentir os fenômenos espirituais, a força superior, o Criador, nele.

Para conseguir isso, preciso de amigos, não apenas para comunicação externa, mas daqueles com quem iremos fundir de coração e alma e ajudar toda a dezena a obter impressões dos outros, a serem imbuídos de suas qualidades. Assim, cada um formará um Kli no qual podem sentir toda a dezena. Todos incluirão todos, e nosso Kli será construído por meio disso.

Este trabalho continua até o final da correção. Mais e mais pessoas estão se reunindo, cada uma em sua dezena, construindo-se. Então as dezenas se conectam. Quando a dezena começa a se sentir como um, ela sente o desejo e a necessidade de se unir a outras dezenas.

O mesmo método de conexão se aplica aqui, e o Kli cresce e se torna mais complexo. O primeiro vaso espiritual consiste em dez amigos, e o segundo, onde vinte pessoas estão unidas, já tem o poder de cem pessoas porque é dez vezes dez, etc. Este não é um crescimento linear, mas exponencial.

Portanto, quando você vem para um grupo, não basta apenas aprender junto com seus amigos. Eu preciso estar imbuído de suas qualidades e coletar a aspiração especial ao Criador de cada um deles. Acontece que todos nós incluímos todos.

Do contrário, o homem não tem alma se não a constrói. Portanto, não basta apenas estar em grupo e participar de todas as atividades. O principal é tentar adotar aspirações para nossa conexão e fusão com o Criador. Ao fazer isso, construímos uma rede de conexões entre nós na qual revelamos a força superior de acordo com a equivalência de forma com ela.

No congresso, devemos buscar essa integração mútua, nos ajudarmos nisso. Isso será facilitado pelo clima geral, a participação de um grande número de dezenas, bem como a conexão dentro de cada dezena, o que afetará a todos tanto a partir do ambiente quanto internamente.

É assim que construo minha alma. Não é por acaso que os Cabalistas decidiram que as dezenas, dez pessoas em cada, deveriam se unir. Na dezena, cada um se anula para se integrar aos outros, para adotar suas qualidades e aspirações espirituais.

Não me importo mais com as qualidades pessoais de meus amigos, exceto por sua aspiração à espiritualidade. Eu preciso apenas estar imbuído com eles e construir a partir deles as primeiras nove Sefirot da minha alma. Eu mesmo sou a última Sefira, Malchut, que se anula para receber as primeiras nove Sefirot de seus amigos e usá-las para construir o Partzuf de sua alma. E o mesmo acontece com todos os amigos na dezena.

Então somos impressionados com o que cada um construiu dentro de si por meio da integração mútua com seus amigos, e temos um Partzuf espiritual real e independente com o qual continuamos a mesma construção. Cada dezena tenta ser impressionada por outras dezenas e absorver sua integração mútua, sua aspiração ao Criador, e assim construímos uma alma cada vez mais complexa e maior até construirmos a alma inteira de Adam HaRishon.

Da Lição Diária de Cabalá 24/02/21, “Eles Ajudaram A Cada Um de Seus Amigos”

Como Encontrar Uma Alma Gêmea

632.3Comentário: Uma sabedoria indiana diz: “Nem mãe, nem esposa, nem irmão, nem filhos podem ser tão confiáveis ​​quanto um amigo verdadeiro”.

Minha Resposta: Isso é óbvio. Como todos eles estão biologicamente relacionados a você, eles dependem de você e você deles. Se não fosse por essa dependência biológica, eles provavelmente não estariam perto de você.

E aquele que está perto de você sem ser seu parente, está perto de você mentalmente, você pode realmente contar mais a ele, explicar mais a ele, estar mais perto dele.

Um amigo é um nível completamente diferente. Vocês estão perto um do outro. Vocês já foram criados nesta única alma de Adão de tal forma que existe alguma conexão entre vocês. No entanto, vocês não são parentes. As conexões entre parentes só são boas no nível do nosso mundo. No entanto, uma conexão sensorial e espiritual só é possível com amigos.

Pergunta: Quem você chama de amigo verdadeiro?

Resposta: Aquele com quem você pode se conectar para revelar o Criador. Aqui, o Criador é a fonte de nossa conexão, então nos sentimos próximos uns dos outros e desenvolvemos essa conexão para revelar mais o Criador.

O Criador nos criou próximos uns dos outros porque Ele quer ser revelado em nós. Nós sentimos isso entre nós como uma espécie de proximidade espiritual, e por isso somos amigos, nos aproximamos para revelá-Lo ainda mais entre nós.

Pergunta: Então, Sua convocação vem primeiro?

Resposta: Claro. Tudo isso é o sistema de Adão, no qual estamos todos encerrados, amarrados. Tudo é planejado com antecedência. Só precisamos fazer um pequeno esforço por nós mesmos.

De KabTV, “Notícias com o Dr. Michael Laitman”, 22/10/20

Sintonizando-se Com O Alcance Da Revelação Do Criador

934Meu egoísmo procura falhas em meus amigos, mas se eu quiser avançar espiritualmente, devo, ao contrário, ver seus méritos e invejar seu sucesso. Afinal, não tenho desejo suficiente de atingir a meta, e onde mais posso obtê-lo?

Eu já fui Adam HaRishon, uma alma comum, um grande desejo. Mas daí esse desejo se quebrou em muitos pedaços, e eu fiquei com apenas um pequeno pedaço de todo o enorme recipiente do sistema da alma comum. Agora tenho que passar desta pequena parte para o enorme desejo que eu tinha quando fui incluído em todo o sistema.

Isso só pode ser alcançado por meio da inveja. A inveja é uma ferramenta muito importante que aumenta nossos desejos e oportunidades. E sem aumentar o desejo, é impossível avançar em direção à meta. O Criador precisa de certo volume para ser revelado, chamado de “medida completa” (Seah). Ele não pode ser revelado em um recipiente capaz de receber apenas alguns gramas de preenchimento.

Digamos que a experiência espiritual comece com o recebimento de dez quilos de preenchimento. Quando encontro a necessidade de receber tal satisfação, começo a sentir meu desejo vazio e depois satisfeito. E se a minha carência for menor que isso, não sinto nada.

Todos os nossos órgãos sensoriais estão dispostos da mesma maneira, trabalhando apenas em um determinado intervalo. Os dispositivos detectam que existem muitas ondas diferentes ao nosso redor: som, luz, mas não as vemos ou ouvimos. Começamos a perceber o sinal, a partir de um determinado nível e até um determinado nível, ou seja, em uma faixa limitada.

Funciona da mesma forma no mundo espiritual. Se quisermos começar a experimentar a espiritualidade, devemos aumentar nosso desejo de desfrutar além do que recebemos na quebra. À custa de quanto posso transformar um grama de desejo que tenho em dez gramas? Só assumindo os desejos dos outros posso ficar impressionado com suas qualidades e necessidades.

Então, nos reunimos em grupos, aprendemos juntos, discutimos e, assim, nos envolvemos nos desejos uns dos outros. E aquele que não se mistura com os desejos dos outros não tem chance de revelar o Criador. O Criador se revela entre nós em meu desejo de receber, que aumenta ao me conectar com meus amigos. Portanto, sem inveja, que nos permite expandir o Kli, não seremos capazes de revelar o Criador.

O fato é que antes do pecado da Árvore do Conhecimento e da quebra de Adam HaRishon, estávamos todos conectados e incluídos uns nos outros de uma forma ideal. Mas como resultado da quebra, cada um se separou dos outros e agora carece do que está nos outros.

Antes da quebra, todos tinham o mesmo desejo comum, e agora apenas seu ponto pessoal permanece, enquanto todas as outras qualidades estão perdidas para ele. E sem anexá-los a si mesmo, ele não será capaz de revelar o Criador neles. Portanto, a revelação do Criador depende de quanto eu me envolvi nas qualidades de um amigo.

É sobre isso que se diz que “nada falta a você, a não ser ir a um campo que o Senhor abençoou e recolher todos aqueles órgãos flácidos que caíram de sua alma e uni-los em um único corpo”. Este é o nosso trabalho. Neste campo, abençoado pelo Criador, encontramos todos os nossos desejos quebrados e queremos reuni-los, para nos juntar a eles.

E tudo isso por inveja. Agora estou em meu egoísmo e invejo meus amigos, o que eles têm. Por causa disso, eu me aproximo deles, me envolvo em seus desejos e restauro todo o vaso de Adam HaRishon. Dessa forma, corrijo a quebra e me aproximo da meta da vida, da meta da criação.

Da Lição Diária de Cabalá 15/02/21, “Inveja”

Coletando Os Pedaços Da Alma Comum

117Pergunta: Está escrito no Livro do Zohar: “Quão bom e quão agradável é que irmãos vivam juntos”. Isso significa ser amigos: que na hora em que se sentam juntos, eles não se separam um do outro.

No início, eles parecem ser pessoas em guerra, querendo matar um ao outro, então, novamente, eles retornam ao amor fraternal. O Criador diz sobre eles: “Quão bom e quão agradável é que irmãos vivam juntos!” Mas, além disso, o próprio Criador está atento às suas falas, e tem prazer e se alegra por eles.

Como pode ser que pessoas que estão dispostas a se matar, no entanto, se juntem e o amor fraternal surja entre elas?

Resposta: Isso é realmente incrível, porque viemos de uma única alma. Este sistema foi criado como um desejo comum, um único organismo. Então foi deliberadamente quebrado em pequenos pedaços.

É assim que um mosaico de Lego é construído: primeiro, uma imagem é feita e, em seguida, um selo especial a corta em pedaços para que as crianças possam aprender a montar uma imagem a partir de seus componentes.

Nossa alma comum é criada de maneira semelhante. Visto que está quebrada em pedaços menores, devemos encontrar tal conexão entre nós, tal justaposição que todas as nossas almas novamente se reúnam em um grande quadro, em uma única alma.

Essa alma é chamada de Adam, da palavra “Adomeh – semelhante” ao Criador. Na medida em que nos aproximamos um do outro para montar um grande quadro, nos tornamos Adam, humanos.

Isto é, o humano em nós não é nosso corpo animal e nem nossas inclinações animais naturais originais, mas é a medida de nossa semelhança com o Criador.

De KabTV, “O Poder do Livro do Zohar” # 3

A Vida Não Foi A Lugar Nenhum

962.8Pergunta: A vacina tem várias formas e há estudos que mostram que ela funciona.

Há céticos que têm medo, mas há quem queira se vacinar para que tudo isso acabe. Ou seja, as pessoas agora têm uma oportunidade e o pensamento: “Bom, quando esse ano acabar, tudo vai voltar ao normal”.

Pego-me pensando que vamos começar a nos encontrar fisicamente. Tudo voltará ao normal e as pessoas voltarão a voar para seus amigos e parentes, viajar, viver. A vida vai continuar. Este bloqueio já vai acabar.

Esse pensamento está na mente das pessoas de que tudo vai voltar ao normal e a vida vai começar de novo. O que você acha?

Resposta: A vida não foi a lugar algum. Então, se voltar, não sei o que queremos dizer com vida. Isso é em primeiro lugar. Em segundo lugar, você não pode trazer de volta o que já foi. Portanto, toda essa pandemia, todo esse vírus, nos acompanhará. Acho que devemos perceber o que ele nos deu.

Comentário: Eu geralmente sigo a imprensa; poucas pessoas tiraram conclusões sobre porque o vírus veio e para que veio.

Minha Resposta: Não. Elas querem voltar ao que era, como era.

Comentário: Sim, esse é o estado natural de uma pessoa que já está cansada de tudo isso.

Minha Resposta: Como se fosse bom.

Pergunta: Então, o que precisamos perceber agora para viver uma nova vida, porém boa?

Resposta: Devemos olhar para o futuro como um novo dia que deve ser uma consequência do dia anterior. Não consideramos o dia que passou! Não queremos obter nenhuma informação dele.

Pergunta: Você precisa obter informações do passado?

Resposta: Claro. Só que não queremos. Queremos saltar de volta. Isso é tudo. Enquanto voamos, voamos, enquanto caminhamos, caminhamos. Havia todo tipo de programas na televisão, havia cinemas, filmes. Íamos a restaurantes, a todos os lugares. As ruas estavam cheias de gente, elas iam a qualquer café, a qualquer lugar.

Pergunta: Quais informações devem ser extraídas do passado?

Resposta: Se quisermos voltar à reaproximação, então a reaproximação deve ser interna para neutralizar esse vírus. Isso é difícil de explicar às pessoas. Mas o problema está em nós. O vírus está em nós. Se eu quiser neutralizá-lo, preciso preencher minha atitude em relação aos outros com sentimentos de conexão, reaproximação e amor. Então, neutralizarei os efeitos negativos do vírus.

Pergunta: Você está dizendo que essa conexão, esse amor não existia em nossa vida passada?

Resposta: Claro que não.

Pergunta: Seja o que for que uma pessoa imagina, o que ela deve fazer com isso?

Resposta: Ela simplesmente se sentia livre. O vírus chegou até nós e mostrou que você não tem o direito de se aproximar do outro, digamos a menos de dois metros.

Você não pode ficar mais perto do outro! As pessoas devem entender que o vírus realmente veio do nível espiritual, ou seja, do nível dos sentimentos, do nível de correção do ser humano, e então desce para o nível biológico, animal.

Pergunta: Então, ele está nos pedindo para atingir esse nível?

Resposta: Natureza inanimada, vegetativa, animal e humana! A natureza humana é superior aos animais. Ou seja, é uma relação emocional entre seres humanos. Se consertarmos isso, então não há nada para consertar em todos os níveis inferiores, tudo ficará certo e bom.

Pergunta: Então, devemos corrigir nossas relações internas uns com os outros?

Resposta: Apenas isso. É necessário revelar a uma pessoa o que isso significa. Ela diz: “Não gostei dos outros?! Eu os estava abraçando! Sentava com eles, bebia!”

Comentário: Claro. Eles eram meus amigos, minha família.

Minha Resposta: Como posso explicar-lhe que tudo era uma relação egoísta, rígida, puramente psicológica de ódio?

Comentário: Isso é muito difícil de explicar. A pessoa manteve o afeto em relação às pessoas próximas …

Minha Resposta: Ela não pensou nisso. Agora temos que ir para outro nível.

Pergunta: Então, uma pessoa deve entender que viveu usando os outros o tempo todo? Na verdade, seu amor era usá-los, de uma forma ou de outra.

Resposta: Sim.

Comentário: Não é fácil!

Minha Resposta: Em seguida, começaremos a explicar às mães o que significa amar seus filhos.

Comentário: Mas a mãe tem 1000% de certeza que ama seu filho!

Minha Resposta: Ela o ama, é claro. Mas este é o nível animal do amor. Saia desse estado e dê ao filho apenas um conteúdo mais interior – eterno, perfeito! Com a sua consciência de onde isto vem!

Do seu corpo animal interior, do seu impulso como um animal ao animal, você deseja abraçá-lo, você deseja lambê-lo, como uma vaca lambendo seu filhote recém-nascido, e assim por diante.

Aqui, outra coisa também é necessária – por que eu faço isso, para quê, por que a natureza desperta esses sentimentos em mim? Não posso simplesmente seguir cegamente meus impulsos instintivos da natureza, que me impele assim, me força. Devo entender por que devo fazer isso, concordar com isso e confirmar com meu consentimento que estou fazendo isso conscientemente. Para quê?

A fim de conhecer plenamente e justificar o programa do Criador nessas ações. Para que neste amor entre nós, entre todas as pessoas, nos unamos em um sistema chamado Adam, e no final, encontremos a mesma conexão de amor para com o Criador.

Adam é uma única alma. Então sentiremos como Ele nos “lambe”, como uma vaca faz com seu bezerro, e o perceberemos como um bezerro percebendo uma vaca, uma mãe.

É para isso que tudo foi criado. Quando este amor mais elevado é manifestado em todos os níveis até no nível mais baixo, então esta é a revelação do Criador às criaturas.

Não vamos a lugar algum. Tudo isso deve ser revelado.

Pergunta: Nós revelamos que somos um nas mãos do Criador?

Resposta: Sim. Devemos ser ainda mais elevados, até o ponto em que devemos alcançar um estado de igualdade com Ele, perceber Sua atitude para conosco, subir ao nível de compreensão e sentir a fonte de Sua atitude para conosco, ou seja, crescer a tal nível.

Pergunta: Temos que chegar ao propósito?

Resposta: Claro, caso contrário, o que faremos? Como um bebê nos braços da mãe? Ele se sente bem, e sua mãe se sente bem. Precisamos crescer. Em nosso relacionamento espiritual com o Criador, há também um nível inanimado, vegetativo, animal e humano.

Pergunta: Qual é o propósito da criação, o último ponto?

Resposta: Subir a este estado, ao mais alto, quando sentimos de onde Seu amor surge no Criador e desce sobre nós.

Nós chegaremos lá. É precisamente programado. Estamos apenas tentando fazer isso rapidamente e para todos.

De KabTV, “Notícias com o  Dr. Michael Laitman”, 14/12/20

A Evolução Do Mundo É Nosso Desenvolvimento Interno

928Há um esclarecimento muito importante para a percepção materialista moderna da realidade, segundo a qual o mundo é o resultado da evolução, o desenvolvimento gradual da matéria a partir do átomo. É assim que o homem moderno pensa com base nas conquistas científicas do século XX.

Mas O Estudo das Dez Sefirot explica que toda a realidade foi criada por um pensamento, que continua a operar. “Em essência, esse pensamento é a causa, a ação, a recompensa esperada e a essência de todo esforço”.

Ou seja, tudo foi criado em um instante pelo desejo do Criador que é perfeito, não se divide em partes e não cria nada incompleto. Não há evolução gradual ao longo da cadeia de causa e efeito com respeito ao Criador.

A evolução é revelada apenas em relação a nós como uma manifestação de Sua percepção, Sua imagem, Sua realidade, que é totalmente perfeita e nunca precisou ser formada, estabelecida e progredir de um estado intermediário para um final. Tudo isso acontece apenas em relação à criação.

A atitude correta para com a realidade deve ser tal que tudo já foi criado e não há um único detalhe incompleto desde o início da criação até a correção final. Tudo existe como uma realidade perfeita, que é o próprio Criador. Ele só queria que as criaturas O revelassem em um processo independente de compreensão.

Na medida de suas habilidades e desejos, as criações passarão por esse caminho de desenvolvimento espiritual interno. Mas, no final, revelamos a realidade já existente, como se diz: “E comereis da colheita velha, há muito tempo guardada”. Portanto, devemos mudar nossa percepção puramente materialista da realidade segundo a qual o mundo está em processo de livre desenvolvimento e imagine-o como o sistema de Adam HaRishon – a única coisa que existe. Tudo está incluído neste sistema da alma comum. E sua quebra, ocultação e revelação gradual ocorrem apenas em relação à pessoa que a atinge.

Mas, na verdade, fora do homem, há apenas luz infinita que existe em perfeição absoluta, não sujeita a quaisquer mudanças.

Toda a diferença está na minha percepção da realidade: sinto-me apenas como uma parte do mundo, e esta é uma imagem ilusória que inventei, ou sinto todo o sistema de criação, ou seja, a existência de um sistema superior poder, o Criador, que inclui tudo – TUDO – isto é, o Criador ou o sistema da alma comum de Adão. Quando percebemos o Criador e alcançamos Sua revelação, somos chamados de homem, Adão, isto é, como (Edomeh) a força superior.

Pessoas (filhos de Adão) são aquelas partes da criação que desejam revelar a forma perfeita, o sistema geral no qual o Criador é revelado.

Se não nos percebemos como parte do sistema geral de Adão, não temos conexão com o mundo espiritual, com o Criador. Portanto, o desenvolvimento correto começa com a existência constante no sistema geral como uma esfera fechada e integral ao lado da qual nada existe.

Essa percepção da realidade determina toda a diferença entre o material e o espiritual. Acreditamos que a realidade está se desenvolvendo ou que uma realidade já existente é revelada. Essa é uma diferença muito grande porque no primeiro caso, percebemos a realidade como imperfeita e evoluindo gradativamente.

No segundo caso, a realidade é gradualmente revelada a nós, e chamamos isso de processo de evolução. Mas esta evolução é a revelação de uma realidade existente genuína, imutável, criada instantaneamente a pedido do Criador, como é dito: “Um pensamento foi criado e criou todo o universo, que é a causa, a ação e a esperada recompensa e a essência de todos os esforços”, isto é, inclui absolutamente tudo.

Essa realidade já existe e só se manifesta a nós na medida de nossos esforços para revelá-la, isto é, na medida da semelhança de nossas propriedades. A diferença entre a percepção egoísta e a verdadeira percepção do mundo é precisamente como experimentamos essa realidade. Se quero determinar meu próprio desenvolvimento espiritual, devo dizer que tudo depende de mim, dos meus esforços corretos. Portanto, a evolução é o meu desenvolvimento interno.

Em essência, eu não desenvolvo, mas apenas desbloqueio as forças dentro de mim, as ferramentas para revelar a realidade já existente. Essa é a diferença entre a percepção individualista, enganosa e egoísta e a percepção geral, verdadeira e espiritual.

Se percebermos a realidade como completa e perfeita, descobrimos que ela depende apenas de nossos esforços para nos unirmos para atingir essa perfeição. Então iremos revelar a realidade em que existimos e ver um novo mundo.

Não construímos este novo mundo, mas através do desenvolvimento de nossos desejos e propriedades, revelamos o que existe entre nós, ao nosso redor e dentro de nós. Tudo depende de quanto nosso desejo de pessoal e individualista se torna cada vez mais geral, social. Isso nos permite nos encontrar dentro de um grande sistema social onde tudo está interconectado e em unidade.

Se na conexão entre nós criamos novos órgãos sensoriais para a percepção da realidade, ela passa de oculta a revelada.

Da 1ª parte da Lição Diária de Cabalá 23/12/20, “Eu Habito no Meio do Meu Povo”

A Lei Do Amor No Sistema De Adam Harishon

557Não sabemos o que é o amor. Eu amo comida, crianças, mulheres, tudo que posso ter prazer, realização para meu egoísmo.

Na espiritualidade, amor significa algo completamente diferente: a capacidade de realizar o outro, de sentir seus desejos e desfrutar o fato de você realizar seus desejos. Portanto, a direção do amor e sua realização são completamente opostas ao amor corporal.

O amor pelos amigos significa conectar as partes da alma comum de Adam HaRishon que sentem rejeição entre si. Ao procurar se conectar, elas revelam sua distância e separação e devem corrigir seu ódio com amor. É na medida em que o ódio e a incompreensão são revelados entre todas as partes que eles podem se conectar e preencher um ao outro.

Portanto, o amor é o preenchimento e a conexão de opostos que são inicialmente odiados um pelo outro.

Devemos restaurar nossa conexão com o sistema único de Adam HaRishon de acordo com o qual toda a natureza é construída. Todas as suas leis e princípios individuais e globais derivam deste sistema. E se nos esforçarmos para conectar essas partes apesar de sua contradição, iremos corrigir a nós mesmos e a toda a realidade.

À medida que nos aproximarmos um do outro, gradualmente começaremos a sentir que estamos preenchendo um ao outro e que estamos em um mundo perfeito. Existe um fluxo mútuo entre as partes opostas: de menos para mais e de mais para menos. Portanto, nos sentimos em um mundo eterno onde existe um fluxo constante de vida.

Um não quer destruir e matar o outro, pelo contrário: cruzamos uma certa barreira (Machsom) e sentimos que as forças negativas e positivas se complementam e produzem um fluxo eterno ao qual também pertencemos. Dá uma sensação de vida eterna.

Tudo depende apenas da medida de nossa conexão, quando superamos a barreira diante da qual sentíamos nossa oposição e começamos a nos preencher. A sensação de realização mútua nos dá uma sensação de eternidade onde não há morte.

Você só precisa aprender a se conectar melhor com seus amigos para a realização mútua, de modo que não veja nenhuma falha em ninguém, mas apenas um convite à correção e unidade.

Da 3a parte da Lição Diária de Cabalá 22/12/20, “A Lei Do Amor No Sistema De Adam Harishon”

Linha Média: O Caminho Do Homem

508.2Ódio, rejeição, desacordo e mal-entendido são, em essência, a forma oposta do Criador, a forma oposta da unidade. A partir disso, chegamos gradualmente à realização do Criador.

Quanto mais nos desenvolvemos de geração em geração, mais nos sentimos individualistas separados dos outros. No entanto, se cobrirmos todos os crimes com amor, seremos capazes de conectar acima de todas as diferenças.

A diferença entre rejeição e conexão, entre ódio e amor, dá a intensidade da revelação do Criador. Essa diferença permanece como a profundidade do desejo sobre a qual surge a conexão: restrição, tela e luz refletida. Então, entre o menos e o mais, sentimos o poder da revelação do Criador que, como cola, conecta todos os opostos.

É por isso que o Criador quebrou a alma comum de Adam HaRishon, entrou com toda a Sua força entre os pedaços quebrados, e ficou lá em Sua forma oposta para que pudéssemos revelá-Lo a partir de Seu oposto para entender o amor a partir do ódio, unidade e conexão a partir da rejeição e mal-entendidos, até chegarmos à adesão completa.

Portanto, conectar as partes de Adam HaRishon em um sistema ou revelar o Criador que está nos colando é a mesma coisa.

O trabalho é simples: entre eu e meus amigos está o Criador na forma oposta, que, por meio de meus esforços, pedidos e orações, eu transformo da força de rejeição na força de conexão, de adesão, para que a escuridão brilhe como luz. No lugar do ódio sem fim, o abismo negro entre nós, a luz mais forte aparecerá, a conexão e o amor de uma grande força precisamente por causa da escuridão revelada.

Nós entendemos que a realidade consiste em bem e mal, que um não pode existir sem o outro e ambos são igualmente importantes porque é na conexão entre eles que o Criador é revelado. É muito difícil manter o ódio quando surge o amor. Não queremos pensar no ódio, somos atraídos para amar de todo o coração. É muito mais difícil apegar-se ao ódio e não se jogar no oceano do amor.

No entanto, devemos consistir em ambos, e só então nos posicionaremos em oposição ao Criador. O Criador é a força única do bem absoluto. Nós, no entanto, incluímos duas forças e construímos uma linha intermediária entre elas com a ajuda do Criador, que está lá conosco.

Temos que nos acostumar com o fato de que cada pessoa sempre inclui duas opiniões, duas forças, dois desejos opostos. Na criação correta, duas formas da natureza devem ser combinadas, e no meio entre elas, queremos estabelecer o Criador para que “Aquele que faz a paz no alto, faça a paz sobre nós e sobre todo o Israel”. Ao compreender a diferença entre o bem e o mal, a luz e a escuridão, revelamos a força superior sobre o contraste de estados opostos. Se tentarmos revelar o bem e o mal, ódio e amor, separação e conexão, rejeição e atração entre amigos, iremos revelar o Criador entre nós e construir uma linha média.

O ódio e o amor se apoiam como óleo e um pavio, que juntos acendem uma vela. Deve sempre haver resistência (um pavio), uma incapacidade de conectar e, ao mesmo tempo, óleo e luz. É assim que construímos a atitude correta em relação à realidade.

Portanto, todas as tentativas do mundo de chegar ao bem apenas levarão a uma revelação ainda maior do mal, até que percebamos que precisamos de um método diferente para nossa existência. Não podemos destruir uns aos outros eliminando todos os opostos, como o egoísmo gostaria. Pelo contrário, é usando todos os opostos que podemos construir a linha média. Isso agora se tornará evidente em todo o mundo, especialmente nos países mais desenvolvidos.

Os opostos permanecem, mas todas as transgressões são cobertas com amor. Se não seguirmos este caminho, não seremos capazes de criar e manter uma família, criar filhos ou alcançar a paz entre as partes dentro do país e entre os países. Nós nos tornaremos uma força destrutiva na natureza. Matéria inanimada, plantas e animais podem existir porque são controlados pela natureza e agem instintivamente de maneira correta. Os seres humanos, entretanto, só podem existir se encontrarem a linha média.

Da 1ª parte da Lição Diária de Cabalá 07/12/20, “Linha Média”

Nós Podemos Ter Uma Vida Linda

557Graças às revelações feitas pelos Cabalistas ao longo de milhares de anos, a ciência da Cabalá nos explica qual é o propósito da criação, para onde a evolução está nos levando e de acordo com quais leis.

O Criador nos criou como uma alma e a quebrou, o que resultou em muitos desejos diferentes que se sentem como estranhos. Por causa dessa divisão, todos se sentem independentes, separados, diferentes dos outros e, instintivamente, os repelem e eles a ele.

Assim, o mundo se desenvolveu cada vez mais: natureza inanimada, plantas, animais e humanos. A humanidade se desenvolveu porque esses desejos vêm crescendo a cada dia, apresentando cada vez mais independência, desunião e conflito de interesses. Em todos os níveis da natureza, existe uma força de atração e uma força de rejeição.

No mundo inanimado, vegetativo e animado, a força de atração atua de forma instintiva para ajudar a todos existirem como a dita natureza e não por livre escolha. E também entre as pessoas, a força de atração atua como uma atração natural para o sexo e a família. É assim que a humanidade existiu por gerações.

Na verdade, não existe essa atração entre as pessoas. O Criador, a força comum que dividiu o desejo comum em muitas partes, quer que elas cresçam e revelem quão distantes e opostos elas estão. Ao mesmo tempo, nós descobrimos nossa conexão, dependência e benefícios de nossa unidade.

Embora pudéssemos alcançar uma vida maravilhosa por meio da conexão e cooperação de pessoas, países e nações, nós gastamos enormes quantias de energia, dinheiro e recursos na guerra, à medida que buscamos arruinar e destruir uns aos outros. É doloroso ver a humanidade lutar desesperadamente por sua separação, em vez de se beneficiar da conexão.

É uma pena que as pessoas não entendam que tudo isso é um jogo que o Criador está jogando conosco. É necessário preservar o poder do mal sem destruí-lo, construir um ponto positivo sobre esse ponto negativo, cobrir todos os pecados com amor. Então existiremos em um sistema que contém toda a força do mal e toda a força do bem. A força do bem irá cobrir todo o mal e superá-lo, e desta forma, podemos receber todo o bem deste sistema.

Esse era o propósito da quebra: revelar as forças boas, ocultas e internas em nós como a vantagem da luz sobre as trevas. Se não revelarmos a escuridão, não revelaremos a luz e todas as suas qualidades. Portanto, devemos passar por todos os estados ruins, como em “E foi a tarde e a manhã, um dia”. A noite e o dia sempre se alternam para que todos os pecados sejam cobertos pelo amor. Portanto, o pecado é sempre revelado primeiro e só depois a unidade.

Nosso trabalho é montar um sistema que inclua duas forças opostas. Elas não devem se fechar como em um curto-circuito, como um curto-circuito de positivo e negativo em uma rede elétrica. É necessário colocar uma carga entre eles, um resistor, uma resistência. Então, o positivo e o negativo não se anularão, mas se conectarão e darão um resultado positivo sobre essa resistência, um trabalho útil.

Nossa tarefa é ficar entre o positivo e o negativo, entre a natureza egoísta criada pelo Criador, a inclinação ao mal e a luz superior, que atraímos por meio de nossos esforços, a inclinação ao bem. Nós existimos entre o bem e o mal, fazendo nosso trabalho.

Então o sistema de Adam HaRishon, criado pelo Criador na forma de um minimodelo que existe apenas devido à sua força, será preenchido com nossa força, nossa carga. Positivo e negativo, o poder do mal e o poder do bem, podem funcionar neste sistema como dois polos que não se anulam, mas criam uma diferença de potencial que nos permite revelar o nosso trabalho no sistema da alma comum de Adam.

A escuridão brilhará como a luz: essas duas forças serão capazes de acender toda a luz do infinito dentro deste sistema que antes estava quebrado. Se colocarmos toda a nossa força nisso para conectar nossos desejos novamente, teremos um desejo comum no qual toda a luz é revelada.

Devemos olhar para esse sistema como uma rede mecânica que não depende de nossos sentimentos. Em outras palavras, podemos ir do menos absoluto ao mais absoluto, da rejeição à conexão, do ódio ao amor. E é bom que as mudanças estejam acontecendo conosco o tempo todo, de um extremo ao outro. O principal é lembrar constantemente que existimos no sistema da alma única de Adam, e isso é toda a natureza, que deve ser trazida à conexão correta.

Então não dependeremos muito de nossas emoções, mas seguiremos a razão, ou seja, nos envolveremos na sabedoria da Cabalá, a sabedoria da conexão. Deixe que os diferentes sentimentos apareçam em nós de mais (positivo) para menos (negativo), o principal é apontar para frente em todas essas experiências para a unidade completa, que é chamada de amor.

Da 1ª parte da Lição Diária de Cabalá 29/11/202, “Trabalho com Fé Acima da Razão”

O Mundo Inteiro É Como Um Grande Círculo

275A Cabalá é a ciência da conexão de tudo o que existe na criação, que é dividida em quatro níveis: inanimado, vegetativo, animado e falante, tanto no mundo corporal quanto no espiritual.

Existem quatro fases que emergem da raiz superior: 1ª, 2ª, 3ª e 4ª, que devemos retornar à raiz. Esta é a vocação do homem, esta é a obra para a qual viemos a este mundo.

A conexão mais correta é em círculos. Um círculo é uma forma que veio do Criador e, na medida de nossas habilidades, estamos incluídos nesta forma perfeita e criamos uma linha reta. Como resultado de todas as nossas ações, devemos formar um círculo.

O círculo mais central somos nós, as pessoas deste mundo. E ao redor dele, precisamos construir círculos externos e reunir todo o universo em um grande círculo onde todas as almas se unem e são preenchidas com o Criador.

Sabemos que geralmente quem está próximo em suas propriedades se conecta; eles têm a mesma profissão, caráter e ligações semelhantes. Existem todos os tipos de interesses que unem pessoas, diferentes nações, países, uniões internacionais e famílias. Todas essas uniões, no entanto, estão mudando constantemente e não podem existir para sempre.

Por que não conseguimos manter uma boa conexão? Porque não sabemos o segredo da conexão. A conexão vem da força superior de doação, que pertence ao Criador. Podemos nos conectar apenas se sentirmos que há um benefício pessoal em detrimento do outro, mas isso não é conexão – é exploração. A conexão é possível apenas quando a força de doação, a força do Criador, entra entre nós e nos conecta.

Como não sabemos o segredo da conexão, tentamos nos tornar semelhantes uns aos outros procurando semelhanças em personagens e qualidades. Achamos que propriedades semelhantes nos ajudarão a nos aproximar, e cada vez vemos que isso não ajuda. Afinal, devemos permanecer com as propriedades e qualidades com as quais nascemos e crescemos.

Não precisamos nos tornar semelhantes uns aos outros. O Criador nos conectará, e cada um de nós deve desenvolver sua própria individualidade, suas próprias propriedades que ele recebeu da quebra da alma comum de Adam HaRishon. A pessoa aprende, conhece o mundo, mas na verdade está se inflando. Tudo que ela precisa é ter certeza de que o Criador a conecta com os outros. Isso é o que fazemos em grupos Cabalísticos.

O Baal HaSulam explica nos artigos “A Entrega da Torá” e “O Arvut” que tipo de conexão precisamos alcançar. Ninguém deve colocar pressão sobre o outro e transferir suas propriedades para ele, mas o principal é que a força da unidade, ou seja, o Criador é revelado entre nós.

Não há necessidade de se tornar como os outros adotando seus gostos. A conexão deve ser totalmente oposta ao que vemos em nosso mundo entre as pessoas, na família, na nação. Nunca seremos capazes de alcançar uma conexão consistente em qualquer nível ou forma se continuarmos dessa forma.

Nosso tempo exige que nos tornemos mais próximos e mais conectados, mas isso é alcançado apenas trazendo a força superior para mais perto; é a única força de doação e unidade entre todos. Queremos nos conectar nas dezenas, no grupo, e conectar o mundo inteiro e todos os mundos em um e enrolar toda a escada espiritual para o mundo do infinito como um tapete.

No entanto, tudo isso só é possível se não quebrarmos ninguém, não o pressionarmos e não o obrigarmos a mudar de natureza. Ao contrário, as qualidades individuais naturais de todos são uma grande posse e não podemos interferir e quebrá-las. Pelo contrário, é preciso proteger cada pessoa no mundo para que ela preserve todas as suas qualidades naturais. Tudo o que precisamos fazer é ter certeza de que o Criador nos conecta a todos para atrair a força de doação.

Então veremos quão diferentes somos e quão diferentes são nossas qualidades internas. Ao mesmo tempo, é um milagre que o Criador venha e, por Sua natureza, pela força de doação, conecte todos em um todo harmonioso em que cada partícula é necessária. Nada foi criado em vão e como defeito. A corrupção está apenas no fato de que não atraímos o Criador, não pedimos a Ele para preencher as lacunas entre nós e conectar todos os nossos opostos.

Portanto, não devemos ficar com raiva dos outros, de nós mesmos e do Criador por nos criar para sermos tão diferentes. Não devemos tentar mudar ou corrigir ninguém. Todos os nossos esforços devem ser dirigidos precisamente para revelar nossas diferenças, para ficarmos felizes que esses “perversos” tenham sido revelados, e podermos pedir ao Criador para vir e corrigi-los, ou seja, para conectá-los.

Então seremos gratos ao Criador por Seu trabalho, por nos conectar e nos tornar completos. Ele criou este mundo para que nos tornássemos Seus parceiros neste trabalho, ou seja, revelar nossas diferenças e a necessidade da força de doação e pedir ao Criador para vir e preencher todas as lacunas, conectar os opostos e nos permitir sentir a perfeita unidade de todos os prós e contras como uma estrutura espiritual (Partzuf) consistindo de dez Sefirot.

A sabedoria da Cabalá é um método de retorno da Shechiná destruída à perfeição, restaurando a alma única de Adam HaRishon. “O amor cobrirá todos os crimes”. Não anulamos nossas diferenças, mas aumentamos nosso amor por meio delas e revelamos a vantagem da luz sobre a escuridão.

Da 1ª parte da Lição Diária de Cabalá 02/12/20, “Linha Média”