“Por Que A Violência Aumenta Na Sociedade?” (Medium)

Medium publicou meu novo artigo: “Por Que A Violência Aumenta Na Sociedade?

Ano após ano, a violência na sociedade aumenta. A preocupação americana com o crime e a violência está em seu nível mais alto desde 2016, com 53% dos americanos “muito” preocupados com isso, de acordo com uma pesquisa recente da Gallup. Isso a torna uma das principais preocupações nacionais, superada apenas pela inflação e pela economia.

Como podemos tratar a violência em sua raiz e detê-la? A resposta está em abordar a natureza humana, que é a causa raiz da violência. Nossa natureza é o egoísmo, um desejo de satisfação, um desejo de desfrutar o máximo possível às custas dos outros, e cresce constantemente. De geração em geração o egoísmo evolui e a agressividade aumenta.

Os níveis inanimado, vegetativo e animal também desejam receber para si mesmos, mas em níveis baixos. O inanimado só quer se agarrar a si mesmo, o vegetativo tira do meio ambiente para crescer, o animal se move e vagueia em busca de comida, um lugar para morar, dar à luz uma prole. Nos seres humanos, o desejo de receber atinge um nível tão grande que leva à violência, ao dano deliberado de outros para benefício próprio.

Os humanos são as únicas criaturas que gostam e se sentem ainda mais bem-sucedidas quando conseguem destruir os outros no processo.

As pessoas explodem violentamente quando sentem que seu ego não obtém a satisfação de que precisa. Elas são incapazes de se acalmar e se conter, e finalmente a ira irrompe em alguém ao seu redor. Uma pessoa bate, ataca e até mata em situações extremas. Mesmo que estejam cientes de que também podem ser mortas, isso ainda não as faz abster-se da necessidade de desabafar sua raiva naquele momento. Elas devem liberar o que explode dentro delas.

Além da constante intensificação do ego que evoca impulsos violentos internos, há também a influência do ambiente. Somos criaturas sociais e somos muito influenciados pelo que vemos na mídia, nas redes sociais e nas estradas.

Na era do grande egoísmo, ser violento tornou-se uma prática comum na sociedade. Em quase todos os lugares, do parlamento à fila do supermercado, há uma atmosfera de força e violência. É considerado uma demonstração de força quando um consegue humilhar e subjugar o outro. Afeta as relações na família, no trabalho, nas escolas, em qualquer interação entre as pessoas.

O que pode ajudar? Apenas educação para o envolvimento adequado de pessoa para pessoa. Deve começar na infância e continuar ao longo da vida. Ostensivamente, hoje educamos contra a violência, o problema é que as crianças veem à sua volta exemplos contrários ao que lhes é ensinado. Muitas vezes, nós, adultos, somos impacientes, agressivos, estressados e falamos grosseiramente. Não podemos pregar o bom tratamento dos outros e ser cortês, quando agimos duramente com outras pessoas.

A primeira coisa no caminho para uma mudança de direção é reconhecer que temos um problema social fundamental relacionado ao crescente egoísmo das pessoas. É como um tumor canceroso que nos devora por dentro e não nos deixa viver e conviver bem uns com os outros.

Precisamos nos explorar a fundo, entender como transformar nossa natureza de força destrutiva em alavanca de conexão.

De um modo geral, a realidade mostra que o medo da punição ou a pregação da moralidade sobre o comportamento adequado não é suficiente para suprimir a violência na sociedade. Precisamos mudar fundamentalmente a natureza humana para que aprendamos a respeitar os outros em vez de nos importarmos apenas com nós mesmos. Só assim podemos garantir que nenhum impulso violento surja em nós.

No mundo de amanhã, a principal ocupação da humanidade será apenas isso: aprender a tratar os outros adequadamente, como melhorar as relações humanas. Computadores e robôs tirarão muito trabalho de nossos ombros e nos darão tempo para aprender e praticar como lidar uns com os outros adequadamente, em complementaridade, em compreensão mútua. Somente quando há tais relacionamentos corrigidos entre nós podemos garantir a nós mesmos uma vida sem violência.

Comente