“Onde Na Europa É Bom Para Os Judeus?” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “Onde Na Europa É Bom Para Os Judeus?

A resposta para a pergunta sobre quais são os melhores lugares para ser judeu deveria ser um inequívoco “qualquer lugar”. Infelizmente, este não é o caso. O fato de que tal questão foi o tema principal em um estudo recente da Associação Judaica Europeia revela a prevalência elevada do antissemitismo. De acordo com essa pesquisa, a Bélgica e a Polônia são os piores países para os judeus, enquanto a Itália e a Hungria são os melhores.

A pesquisa examinou a vida dos judeus nos 12 países europeus com as maiores comunidades judaicas. Os parâmetros estudados foram medidas governamentais contra o antissemitismo, segurança da comunidade judaica, liberdade de religião, promoção da cultura judaica e o histórico de votação do país a favor ou contra Israel nas Nações Unidas.

Não há nada de novo sob o sol antissemita. A Bélgica e a Polônia são conhecidas como países que desprezam os judeus, enquanto a Itália e a Hungria nos odeiam um pouco menos. Já viajei muitas vezes para a Europa, tanto a trabalho quanto em férias com a família, e cada vez que piso em solo europeu, sinto uma atmosfera antissemita que me deixa desconfortável como se não tivesse outro país além de Israel.

A situação piorou com o tempo. Nas primeiras décadas após o Holocausto, a atmosfera na Europa ainda era estável; hoje o ódio aos judeus levanta a cabeça com orgulho e sem medo. Os judeus estão vendo as luzes de advertência nos crescentes atos de antissemitismo exibidos abertamente? Na verdade, não.

Na Bélgica, por exemplo, o governo reduziu significativamente a segurança em torno das comunidades judaicas, proibiu o abate kosher e está considerando proibir a circuncisão. Mas para os judeus da Bélgica “é bom ser judeu no país”, em suas próprias palavras. Como costuma acontecer ao longo da história, os judeus enterram a cabeça na areia e estão preparados para se acostumar com qualquer situação em vez de exercer sua força através da unidade judaica.

O fenômeno do antissemitismo não é revelado para destruir alguns judeus locais, mas é uma resposta natural projetada para lembrar aos judeus por que existimos no mundo. Não temos possibilidade de nos defender contra o ódio, exceto temporária e insuficientemente. A única proteção contra o antissemitismo é a realização de nosso destino original como povo de Israel.

Os judeus devem se unir contra o ódio cristalizado, não como um rebanho de ovelhas assustado cercado por uma matilha de lobos, mas porque é nosso chamado à ação para nos tornarmos “uma luz para as nações” através da unidade judaica. Em estado de coesão, surge um poder supremo como uma força positiva que se irradia para toda a humanidade.

Por outro lado, enquanto nós, judeus, abandonamos nosso papel espiritual, lentamente nos desvinculamos do próprio sentimento de ser judeus e compreendemos instintivamente que não temos o direito de bater com força na mesa das nações e dizer: “Sim, vivemos aqui também! Estamos aqui há gerações e este é o nosso lugar também!” Na ausência de unificação, os judeus se curvam e se comprometem até que a onda de ódio passe, momentaneamente, porque na verdade nunca vai embora.

Embora Israel seja o Estado judeu, nossa pátria nacional, não espero que judeus europeus imigrem para cá. Sua emigração em massa não é uma solução para eles nem para nós. Claro, não há objeção ou proibição, mas não nos fortalece de forma alguma se não for feito com plena convicção do verdadeiro significado de Israel em nossas vidas.

Israel é um lugar para aqueles que sentem que não podem viver em nenhum outro lugar do mundo e estão dispostos a aceitar as leis do verdadeiro sionismo: transcender nossa natureza egoísta, mobilizar para o bem dos outros, conectar-se interna e externamente com outros judeus para construir uma rede única, a morada da Força Superior. Este espaço espiritual é e sempre será o lugar mais seguro para todo judeu.

Comente