“O Apelo Do Mal” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “O Apelo Do Mal

Após o aumento de atos terroristas e crimes violentos em Israel e em todo o mundo, o jornal israelense Ynet publicou uma análise aprofundada sobre o tema da brutalidade humana. A análise tentou entender o que faz com que certas pessoas se tornem particularmente más e se a humanidade pode derrotar a crueldade que se espalha dentro dela. Os entrevistados na análise apontaram muitos fatores que podem fazer com que as pessoas se tornem brutais. Estrutura cerebral, hormônios, nutrição da mãe durante a gravidez e abuso de drogas e álcool foram alguns dos fatores fisiológicos, enquanto abuso, negligência e crescimento em um ambiente violento estavam entre os fatores sociais e emocionais.

O que faltou na história, no entanto, foi o crescimento exponencial do egocentrismo humano, que já chamou a atenção de muitos pesquisadores e que é a causa raiz de todas as formas de malícia.

O egocentrismo, ou narcisismo, como os cientistas sociais se referem a ele, é o culpado por trás do crescente nível de crueldade na sociedade. Ele está crescendo exponencialmente e é a razão de todos os fenômenos negativos que vêm se intensificando nas últimas décadas. A violência e a crueldade são certamente os sintomas mais dolorosos, mas as crises financeiras, o esgotamento imprudente dos recursos naturais e as guerras econômicas que aumentaram em todo o mundo também são desdobramentos do egoísmo imprudente que se intensifica a cada dia.

Tudo tem algum nível de egoísmo. Cada organismo pega o que precisa sem levar em conta as necessidades dos outros. Quando todos esses desejos egocêntricos colidem uns com os outros, eles se equilibram e o resultado é que todos obtêm o que precisam, e há o suficiente para todos. Nesse estado, os confrontos entre as espécies os mantêm fortes e saudáveis.

O problema começa com as pessoas. Não podemos nos contentar em levar apenas o que precisamos. Constantemente nos comparamos com os outros. Não olhamos para o que precisamos, mas para o que os outros têm, e sentimos que devemos ter mais do que eles. Como resultado, não podemos estar satisfeitos até que tenhamos mais do que todos os outros.

Como somos competidores compulsivos e incorrigivelmente ciumentos, estamos ficando cada vez mais avarentos. E à medida que o mundo se torna cada vez mais conectado, encontramos mais e mais pessoas para invejar, até sentirmos que devemos superar todas as pessoas do mundo. No final, passamos a gostar não apenas de superar a todos, mas de humilhar a todos, degradá-los e machucá-los, e gostamos de vê-los sofrer.

Certamente, nem todos são assim. Muito poucos entre nós atingiram tais níveis de narcisismo, mas esta é a tendência. Em graus variados, todos somos assim, e a trajetória do desenvolvimento humano fará com que cada vez mais pessoas se tornem patologicamente egoístas, com todas as suas consequências.

Pior ainda, quanto mais a violência se tornar comum, mais as pessoas se tornarão violentas. E quanto mais a crueldade se torna aceitável, como é o caso de uma sociedade violenta e abusiva, mais as pessoas se tornam cruéis e abusivas.

Na análise, o professor de História Gideon Graif disse que o mal muitas vezes é simplesmente mais atraente. Como pesquisador da brutalidade durante o Holocausto, chegou à conclusão de que nem todos os alemães eram sádicos, mas muitos deles se tornaram sádicos na atmosfera que os cercava nos campos de extermínio. Na verdade, ele diz, eles podem até ter competido para serem os mais cruéis.

Desde o Holocausto, muitos experimentos (como The Stanford Prison Experiment ) mostraram que, sob certas circunstâncias, mesmo a pessoa mais normativa pode se tornar sádica e abusiva. Como sempre nos comparamos com o meio ambiente, não temos escolha; somos forçados a nos tornar um reflexo de nosso ambiente social. Se o ambiente for sádico, também nos tornaremos sádicos, e não sentiremos que estamos fazendo algo errado; não teremos remorso e não sentiremos necessidade de justificar nossas ações. Pelo contrário, sentiremos que estamos fazendo a coisa certa.

Se quisermos reverter a tendência de crescente violência, abuso e alienação na sociedade, devemos começar a mudar as normas que consideramos aceitáveis. Uma vez que somos forçados a nos comparar com os outros, devemos ver que nossos modelos são pessoas conscienciosas. Se quisermos diminuir o nível de alienação, devemos dar elogios públicos àqueles que se destacam em aproximar as pessoas, que aumentam a solidariedade na sociedade, que exemplificam relações solidárias e positivas. Quando mostrarmos modelos positivos e não violentos, teremos uma sociedade positiva e não violenta, e nem um dia antes.

Comente