“Não Adianta Ter Economistas Sem Responsabilidade” (Medium)

Medium publicou meu novo artigo: “Não Adianta Ter Economistas Sem Responsabilidade

Um economista compartilhou comigo que há um ditado sobre os economistas, que eles dizem amanhã o que aconteceu ontem.

Com o mundo se afogando em um turbilhão de crises financeiras e econômicas, precisamos de economistas que possam nos dizer não apenas o que aconteceu, mas o que acontecerá no futuro e, mais importante, o que fazer a respeito. Economistas que exibem seus gráficos extravagantes espalhados por várias telas, que falam sobre modelos sem nos dizer o que especificamente devemos fazer para impedir a avalanche econômica global, são inúteis. Nós não precisamos deles.

Os economistas obtêm muita exposição no horário nobre, que eles usam para nos dizer o que está acontecendo. Mas não precisamos que eles nos digam o que está acontecendo porque está acontecendo conosco. Precisamos que eles nos digam o que fazer, e é aí que todos ficam em silêncio.

É como ter um especialista em microeconomia me dizendo como administrar minha casa. Confio naquele economista, mas, de repente, descubro que não posso comprar esta comida ou aquele eletrodoméstico, ou não posso pagar as aulas extracurriculares dos meus filhos. Como eu me relacionaria com tal “economista”?

Isso é o que está acontecendo conosco no nível macro. Em vez de procurar um buraco fundo o suficiente para se esconder, os economistas nos ensinam condescendentemente, meros mortais, sobre por que não há fórmula infantil nas prateleiras dos supermercados, por que a inflação está disparando e por que a gasolina custa mais de US$ 5 o galão. (Em Israel, aliás, é duas vezes mais caro que nos EUA).

O propósito da economia é antecipar o que pode acontecer e, igualmente importante, como se preparar para isso. Claramente, há eventos imprevisíveis. No entanto, esses especialistas devem incluir preparativos para o imprevisível em seus modelos e aconselhar os formuladores de políticas sobre como se preparar para isso. Dessa forma, quando ocorrer uma recessão, não ficaremos desamparados e infelizes como estamos agora.

Os economistas devem traçar a linha, estabelecer os limites e alertar sobre quais movimentos a humanidade não pode se dar ao luxo de tomar por causa de suas consequências. Quando os economistas provam que podem criar modelos que garantam a estabilidade da humanidade, ou ao menos a estabilidade de um país, eles devem deixar a cadeira de conselheiros e se juntar às fileiras dos formuladores de políticas.

Como tal, serão muito poderosos porque poderão nos influenciar através do nosso ponto mais sensível: o estômago. Se um economista confiável avisar que amanhã ficaremos sem grãos ou água, todos ouvirão. Se tudo o que eles fazem é imprimir relatórios grossos em papel brilhante, eles não valem o preço do papel em que seus relatórios são escritos.

Posso contar meu dinheiro no banco, supondo que tenha algum; não preciso de economistas para isso. No entanto, preciso que eles me digam onde o mundo está ficando desequilibrado e o que fazer a respeito, porque isso influenciará minha conta bancária no futuro.

Se os economistas se sentissem responsáveis pelo que está acontecendo e se arrependessem de não nos avisar a tempo, poderiam ser dispensados. Mas se eles permanecem no lugar do comentarista e não se sentem responsáveis pelo bem-estar do mundo, não há sentido em tê-los.

Comente