“Israel: O País Sempre Eleitor” (Times Of Israel)

Michael Laitman, no The Times of Israel: “Israel: O País Sempre Eleitor

Quase quarenta anos atrás, o pensador judeu Simon Rawidowicz publicou um livro intitulado Israel – The Ever-Dying People. Há quase quatro anos, Israel tornou-se o país sempre eleitor. Pela quinta vez em menos de quatro anos, Israel volta às urnas.

A coalizão que acaba de se dispersar era verdadeiramente única, mesmo para os padrões de Israel. Nessa coalizão, todos sacrificaram seus princípios por um objetivo comum: impedir que um rival político comum permanecesse como primeiro-ministro de Israel. E se a única razão de sacrificar tudo é impedir que outro esteja no poder, é claro que o único objetivo desse governo era permanecer no poder.

Do jeito que as coisas estão agora, está claro que não podemos ter uma liderança; não podemos ter um governo. Não podemos ter um governo porque não temos um país. Não há nação, nem constituição, e nenhuma compreensão de como fazê-lo direito. Em vez disso, estamos apenas tentando sobreviver.

Não é como se não soubéssemos como devemos nos conduzir. Temos todo o conhecimento, mas nunca o usamos. Para usá-lo, devemos construir uma nação, e então mereceremos um estado.

Uma nação é um conjunto de pessoas, uma comunidade unida por um objetivo comum. Atualmente, milhões de pessoas vieram para Israel, mas não têm um objetivo comum, nenhum senso de solidariedade, comunidade ou qualquer coisa que nos defina como nação. Para nos definir como nação no Estado de Israel, precisamos conhecer o propósito da existência do Estado de Israel.

Primeiro, precisamos entender que meramente servir como um porto seguro para os judeus não funciona. Já podemos ver que se contentar com um lugar onde os judeus possam estar seguros e se sentir em casa não funciona; simplesmente não é suficiente. Na verdade, quando os judeus se reúnem em um lugar, começa um incêndio, e o Estado de Israel exemplifica isso.

Portanto, para os judeus se reunirem em um determinado local, eles precisam estar preparados para isso. Eles precisam saber para onde estão indo e por quê.

Este lugar, o Estado de Israel, existe para permitir que os judeus reconstruam sua nacionalidade, se transformem em um povo judeu unido, e não uma massa fragmentada dividida em dezenas de partidos que se desprezam e cooperam apenas para derrubar um inimigo comum a quem eles odeiam mais do que odeiam uns aos outros.

Somente se essa multidão se tornar uma massa unificada, unida pela solidariedade mútua, ela merecerá o título de “nação”. Ao contrário de outras nações, que possuem símbolos nacionais ou características geográficas comuns, nosso único unificador é a própria ideologia da unidade.

Quando merecermos o título de “nação”, saberemos também qual é a nossa constituição, pois nela haverá apenas um item: a unidade acima de todas as diferenças. Esta é a singularidade do povo de Israel, e onde tal nação vive torna-se a Terra de Israel.

Alguns dias atrás, o chefe do Hamas, Ismail Haniyeh, pediu aos palestinos que se preparem para retornar à Palestina, já que Israel está em um estado de desintegração política que reflete o beco sem saída ao qual o projeto sionista chegou. “O começo da derrota”, disse ele, “é a desintegração interna”.

Lamentavelmente, Haniyeh está correto. Em nosso estado atual, o Estado de Israel não tem futuro.

A menos que assumamos a única constituição adequada ao povo israelense, uma constituição de unidade e solidariedade a todo custo e acima de qualquer divisão, nosso país não ficará aqui por muito tempo. Se a unidade é o nosso objetivo, teremos sucesso em tudo. Se não for, nos desintegraremos e seremos expulsos.

Comente