“E Se Estivermos Equivocados Sobre O Clima?” (Medium)

Medium publicou meu novo artigo: “E Se Estivermos Equivocados Sobre O Clima?

E se estivermos equivocados sobre o clima? O que faríamos se soubéssemos que os aerossóis que poluem o ar também o resfriam e mitigam o efeito estufa? Além disso, e se nos dissessem que as erupções vulcânicas que emitem CO2 e outros gases de efeito estufa que aquecem a atmosfera também emitem cinzas que bloqueiam os raios do sol e resfriam o ar mais do que o CO2 que emitem e que o aquece? Artigos científicos publicados recentemente afirmam exatamente isso.

Um estudo realizado pela Administração Nacional Oceânica e Atmosférica afirma que “uma diminuição de 50% nas partículas e gotículas de poluição na Europa e nos EUA está ligada a um aumento de 33% na formação de tempestades no Atlântico nas últimas duas décadas, enquanto o oposto está acontecendo no Pacífico com mais poluição e menos tufões”.

Se adicionarmos a essa descoberta recente o fato bem estabelecido de que as erupções vulcânicas resfriam a Terra, surge a pergunta: como lidamos com as mudanças climáticas? Limpamos o ar e aquecemos o planeta? Continuamos poluindo o ar para resfriá-lo? Ou tentamos de alguma forma limpar o ar e reduzir as emissões de CO2 de uma forma que não acelere o aquecimento do ar?

Se essas questões parecem insolúveis, é porque elas são. São insolúveis porque são as perguntas erradas; eles visam “curar” os sintomas e não a doença. Não funciona na medicina e não funciona com o clima.

A “doença” que causa esses problemas é o comportamento humano. Estamos explorando impiedosamente os recursos da Terra. Estamos competindo sobre quem explorará o planeta de forma mais eficaz e rápida, e ignoramos completamente o fato de que, ao fazer isso, estamos plantando o galho em que estamos sentados.

Para resolver a crise climática, a humanidade precisa ter uma mesa redonda ‎e determinar coletivamente suas prioridades. Teremos que decidir o que é necessário para todos e o que não é, e fornecer apenas o necessário. Teremos que aprender a existir do jeito que toda a natureza existe. Se não aprendermos por conta própria, a natureza nos forçará a aprender da maneira mais difícil.

Essa solução diz respeito não apenas à crise climática, mas a todos os nossos problemas. Não há um único problema hoje que não afete o mundo inteiro. Veja a escassez de alimentos que a guerra na Ucrânia causou, veja as interrupções no fornecimento global, a inflação crescente em todo o mundo, os vírus que se espalham descontroladamente, a crise dos chips de computador, tudo afeta a todos e não há nada que possamos fazer para resolver essas crises porque estamos tentando nos salvar em vez de tentar salvar a todos coletivamente.

Se começarmos a pensar coletivamente, encontraremos soluções para todos os nossos problemas porque não são problemas de poluição ou inflação, ou qualquer outro sintoma; são problemas de conexão.

Quando mudarmos o propósito de nossa conexão de exploração mútua para correção mútua, descobriremos que não temos nenhum problema. Podemos cortar a produção de todos os nossos produtos e ainda ter mais do que o suficiente para atender a todas as suas necessidades. Se pararmos de competir uns contra os outros, não teremos motivos para esgotar a Terra. Se não tivermos necessidade de esgotar a Terra, seremos capazes de reduzir as emissões de CO2 e aerossóis ao mesmo tempo.

O resultado final é que não precisamos nos preocupar em reduzir a poluição; precisamos nos preocupar em melhorar nossas conexões. Se estabelecermos conexões fortes ao redor do mundo, o resto de nossos problemas desaparecerá como se nunca tivesse existido.

Comente