“Crescendo Com Roe Versus Wade” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “Crescendo Com Roe Versus Wade

Sendo filho de dois médicos dedicados que traziam seu trabalho para casa, e com minha mãe sendo ginecologista, muitas vezes testemunhei em primeira mão as complexidades que vêm com a decisão de interromper uma gravidez. Minha mãe, que muitas vezes era convidada a testemunhar como testemunha especialista no tribunal, discutia regularmente esses casos com meu pai, e eu estava ciente das deliberações a favor e contra o aborto. De certa forma, cresci com Roe versus Wade, visto que foram parte dos meus anos de formação. Por causa disso, entendo por que o tema é tão sensível e tão difícil de resolver.

Através do meu passado, eu comecei a acreditar que, no final, uma mulher deve fazer sua própria escolha sobre fazer ou não um aborto. No entanto, também acredito que, como as pessoas não têm conhecimento suficiente sobre as consequências de tal decisão, o que significa para a mãe, para o feto e para as pessoas ao redor da gestante, como ela pode afetar, ou não, a sua saúde, em que circunstâncias a mulher concebeu, e inúmeras outras considerações, é muito difícil chegar a uma decisão sábia e educada.

Desnecessário dizer que, em casos extremos, como em situações de abuso sexual ou estupro, como está acontecendo hoje na Ucrânia, não há dúvida de que abortos devem ser permitidos. Portanto, certamente não deve haver uma proibição absoluta do aborto.

Mas há mais nessa questão do que lidar com emergências. Roe versus Wade tinha a intenção de dar às mulheres o direito de decidir sobre seus próprios corpos. Esta é uma decisão completamente sensata. No entanto, para chegar a uma decisão que realmente a ajude, uma mulher precisa ter todas as informações antes de decidir o que fazer.

Atualmente, não há sistema que forneça essas informações. As pessoas são ignorantes sobre as consequências de suas ações e decisões. Em outras palavras, antes de decidirmos sobre o direito de fazer um aborto, devemos educar as pessoas sobre tudo o que envolve todo o processo.

Não é só o aborto que se discute aqui. As pessoas não têm conhecimento sobre educação sexual, controles de natalidade, paternidade, criação de filhos e educação infantil. Uma decisão sobre o direito de escolher se fazer ou não um aborto deve fazer parte desse complexo, desse sistema educacional completo e não de uma questão separada.

Clinicamente, fazer um aborto é um procedimento simples. No entanto, é um processo muito emocional. As consequências emocionais e mentais do aborto só aparecem após o fato, quando a mulher, e às vezes sua família, tem que conviver com sua decisão. É por isso que é tão importante permitir que as mulheres tomem decisões educadas, e isso requer a criação de um processo educacional que faça isso.

Além disso, o Estado não deve deixar as mulheres para lidar com as consequências de suas decisões por conta própria. O governo deve criar um mecanismo para auxiliar as mulheres a seguir em frente com suas decisões, seja para ter a criança ou abortar a gravidez, e para se recuperar dela depois.

Eu posso entender o alvoroço que a decisão da Suprema Corte causou. Além disso, estou certo de que as pessoas vão fazer abortos, apesar da decisão do tribunal. O problema é que, nos Estados que proíbem abortos, as mulheres o farão ilegalmente, o que pode expô-las a condições sanitárias inadequadas, tratamento por pessoal não autorizado e custos proibitivos.

Portanto, a única solução que posso ver é uma solução sistêmica que leve em conta as necessidades e visões de todas as pessoas envolvidas, forneça informações abrangentes e cubra todos os ângulos da questão, e ofereça sistemas que ajudem a tomar a decisão certa e lidar com ela depois. Uma vez que tal sistema esteja em vigor, acredito que será natural deixar a escolha nas mãos das mulheres que devem fazer as escolhas relativas às suas próprias vidas e às vidas de seus filhos não nascidos.

Comente