“O Inimigo Interior: Antissemitismo No Campus Israelense” (Times Of Israel)

Michael Laitman, no The Times of Israel: “O Inimigo Interior: Antissemitismo No Campus Israelense

Antes comuns apenas em universidades americanas e europeias, as instituições de ensino superior israelenses agora se tornaram o local de maior confronto político. Imagens de manifestações acaloradas – algumas delas violentas – nas quais bandeiras palestinas são hasteadas em frente a bandeiras israelenses são comuns nos campi israelenses. Declarações de apoio a terroristas e gritos de incitação como “Morte a Israel” ressoam com frequência cada vez maior. Então, o que estamos esperando? Ou começamos a nos mover em direção à unidade judaica, ou logo não haverá mais terra para chorar.

A comemoração do Dia Nakba, o dia que os árabes chamam de “catástrofe”, marca o dia da independência de Israel. Seu início na semana passada iniciou protestos generalizados contra a existência de Israel. Os confrontos físicos entre estudantes judeus e árabes mostram que a situação em território israelense está se deteriorando. Em instituições de ensino superior de prestígio, como a Universidade Hebraica de Jerusalém e a Universidade de Tel Aviv, há tensões crescentes entre manifestantes que apoiam a causa palestina e ativistas pró-Israel.

Estudantes judeus se preocupam com sua segurança, sentem-se ameaçados e temem que a situação possa se transformar em ataques terroristas no campus. Eles veem que tanto as autoridades quanto os administradores das universidades fecham os olhos para o antissemitismo do campus em razão da liberdade de expressão.

Tudo o que fazemos no contexto de reaproximação entre judeus e árabes, fazemos errado. Nada do que fizemos trouxe algum bem, nem trará nenhum bem. Infelizmente, não aprendemos com nossos erros. Então, tentamos sempre aproximar judeus e árabes por todos os meios possíveis: nas universidades, no local de trabalho e em tudo à nossa disposição. No final, fica mais claro que apenas preparamos munição real para atirar nos próprios pés.

Opiniões radicais que anseiam por varrer Israel do mapa se escondem sob a fachada de debates “intelectuais”. O problema é simplesmente que judeus e árabes não conseguem viver juntos em harmonia no território israelense, ponto final. A julgar pelas circunstâncias atuais, pode-se chegar a um ponto em que seremos proibidos, como judeus, de entrar em nossa própria capital, Jerusalém, até que, finalmente, não tenhamos lugar na Terra de Israel para chamar de nosso.

Nenhum árabe que sente que esta terra lhe pertence pode apoiar o Estado de Israel. Eu os entendo. Eles usarão seus assentos no Congresso israelense, seus cargos ministeriais no governo e todos os outros meios possíveis para nos empurrar para o mar. Eu não acho que haja qualquer intenção real de coexistência, mesmo que isso não seja declarado abertamente agora. Nós, como judeus, devemos começar a abrir nossos olhos e perceber que só podemos confiar em nós mesmos, em nossa capacidade de nos unir para garantir nosso lugar em Israel.

O problema é que não somos idealistas o suficiente e, em vez disso, apenas pensamos em como servir a nós mesmos às custas dos outros. Não nos elevamos acima do ego individual privado. Os árabes percebem que isso nos enfraquece e se aproveitam disso. Em contraste, eles entendem que seu sucesso depende de quão conectados eles estão, de quão fortes eles são juntos e, portanto, são bem-sucedidos em todos os lugares.

Não me entendam mal. Eu também quero que a população árabe se saia bem e viva uma vida tranquila e normal, mas terra por paz nunca será a solução. Em vez disso, devemos criar as condições para dividir a população em dois povos e deixar claro que a terra de Israel pertence ao povo de Israel. Até quando vamos continuar nossos intermináveis ​​debates e perceber que é assim que tem que ser? O problema é que, até lá, pode ser tarde demais.

Mas para viver na terra de Israel, devemos conquistar esse direito ou é melhor desistir da terra. Podemos triunfar sobre qualquer ameaça e prevalecer somente quando usamos a ajuda encontrada em nosso espírito judaico especial.

Hoje, ocorre o oposto; não estamos cumprindo nosso papel. Temos uma sociedade fragmentada com todos os tipos de grupos que vêm de diferentes países, mas sem uma visão comum. Essa abordagem quadriculada pode funcionar na América, que não está existencialmente ameaçada, mas para Israel pode significar uma sentença de morte. Muito simplesmente, Israel sobreviverá e prosperará na medida em que os judeus estiverem unidos por boas relações, reciprocidade e cuidado mútuo. Quanto mais cedo nos movermos nessa direção, melhor.

Comente