“Globalização: O Bom, O Mau E O Povo De Israel” (Times Of Israel)

Michael Laitman, no The Times of Israel: “Globalização: O Bom, O Mau E O Povo De Israel

Muito se tem falado sobre globalização. Por um lado, ela deu a todos acesso a comodidades que até algumas décadas atrás só os ricos podiam ter. Ela nos abriu a novas culturas e lugares, e melhorou a vida material de quase todos ao redor do mundo. Por outro lado, a globalização devastou a produção local em inúmeros países e infligiu miséria a milhões de pessoas cujos empregos foram transferidos para outros países. No entanto, ao lado desses problemas pesados, há outro processo que a globalização colocou em movimento: a fusão da humanidade. A globalização nos tornou semelhantes, criou uma base comum para cooperação e compreensão, alimentou desejos e aspirações compartilhadas e abriu as portas para a compreensão entre todas as pessoas.

O fato de que agora, após décadas de globalização acelerada, podemos entender as palavras e os gestos uns dos outros significa que podemos começar a entender os corações uns dos outros em todo o mundo. Até agora, nunca houve uma situação em que toda a humanidade compartilhasse os mesmos problemas e aspirações, e pudesse se comunicar livremente entre todas as nações para dar as mãos, resolver os problemas e realizar as aspirações.

Curiosamente, o processo pelo qual a humanidade está passando hoje é o mesmo processo pelo qual a nação israelense passou quando a nação se formou. Os primeiros israelitas eram estrangeiros de diferentes tribos e terras rivais. No entanto, como todos eles elevaram o ideal de unidade acima de tudo, eles conseguiram se unir acima de suas diferentes origens e formar uma nova nação.

Agora, a humanidade está inadvertidamente sendo levada a passar pelo mesmo processo. Podemos não querer entender uns aos outros, mas queremos, já que as circunstâncias globais se tornaram semelhantes em todo o mundo, e os problemas são semelhantes e afetam todos os outros lugares. Podemos vir da Finlândia ou da Índia, dos EUA ou da China, do Japão ou da América Latina, mas nossas aspirações são as mesmas, nossa tecnologia é a mesma e nossa educação é mais ou menos a mesma. Goste ou não, estamos nos tornando uma nação global.

É por isso que em tal momento, Israel está recebendo tanta atenção, predominantemente para condenação. Somos o único grupo de pessoas que já lidou com tal situação e encontramos uma maneira de superar a suspeita e a alienação e nos fundir em uma nação. Formamos uma sociedade que, por períodos significativos de tempo, conseguiu se tornar a “nação escolhida”, uma sociedade modelo onde as pessoas amam o próximo como a si mesmas. Nessas ocasiões, não-judeus de todo o mundo vinham a Jerusalém para testemunhar a unidade judaica, especialmente durante as festas quando os judeus se reuniam em Jerusalém em uma peregrinação que reunia toda a nação.

Finalmente, sucumbimos à suspeita e alienação como o resto do mundo, mas a humanidade não nos isentou do nosso dever de dar o exemplo. Ela continua afirmando que somos responsáveis por todos os problemas do mundo, efetivamente dizendo que está ao nosso alcance corrigi-los. Os judeus se referem a isso como antissemitismo, mas, na verdade, é a demanda da humanidade que cumpramos nosso chamado, nosso compromisso com o mundo.

Agora que estamos espalhados e dispersos por todo o mundo, nós, judeus, também estamos “globalizados”. No entanto, a raiz da nossa antiga união vive dentro de nós e se projeta onde quer que vamos. Ela acelera o processo de unificação e globalização, embora não possamos sentir que nossa antiga raiz ainda está viva dentro de nós.

Quando Israel se conscientizar de quem são e o que devem trazer ao mundo, a raiva contra eles diminuirá e o mundo se unirá a eles para estabelecer uma aldeia global cujas diversas culturas e etnias são unidas pelo amor. A humanidade não suprimirá as diferenças entre nações e culturas; pelo contrário, ela as acolherá e prosperará por causa delas, pois cada um contribuirá com seus traços exclusivos para o bem comum.

Quando isso acontecer, o mundo perceberá o segredo de Israel: o sucesso não vem de uma doutrina ou percepção dominante, mas de visões opostas e conflitantes que se unem sob um dossel de amor fraterno, onde todos usam suas várias qualidades e percepções para o bem comum.

Comente