Delicado Equilíbrio Da Natureza

721.03A natureza deve manter um equilíbrio. É muito frágil, muito tênue, e está acima de nós.

Não entendemos sua fórmula e, portanto, não sabemos como ele deve ser alcançado. Não conhecemos a interação entre todas as partes desta fórmula: o número de pessoas na Terra com a quantidade de ar, oxigênio, nitrogênio, ozônio, com a quantidade de flora e fauna e assim por diante. Tudo isso é inerente à natureza, em algum lugar dentro dela. O acadêmico Vernadsky falou sobre isso há 100 anos.

Pergunta: Isso significa que não podemos mudar o curso normal dos eventos naturais?

Resposta: De acordo com dados científicos, este é o problema que, em princípio, não podemos fazer nada.

Obviamente, podemos de alguma forma retardar o desenvolvimento fatal desse processo para nós, mas nada mais. Isso é o que a ciência diz hoje. Ou seja, não há uma solução clara. Portanto, alguém é a favor de limitar as emissões e outro diz: “Não vai mudar nada”.

Alguém é a favor da mudança de fontes de petróleo para outros tipos de recursos energéticos. Mas, por outro lado, eles nos custam muito mais porque ao mesmo tempo temos que fertilizar o solo e introduzir nele um potencial químico tão ruim que não se sabe quais consequências isso terá no final.

Ou seja, do ponto de vista da ciência, não temos em mãos uma justificativa clara de que esse é nosso erro, nosso problema; somos a razão pela qual a natureza está mudando tanto em relação a nós.

Além disso, é impossível apenas fazer isso. Se a revolução industrial começou na China e se transformou em uma enorme potência industrial em 20 a 30 anos, é claro que isso afeta o meio ambiente e possivelmente causa as próprias nevascas na Europa. Quem sabe? Não entendemos o quadro inteiro.

Todos podem falar muito bem, mas não há dados científicos claros. Somente se adicionarmos a opinião da Cabalá a isso.

A sabedoria da Cabalá fala sobre isso de uma maneira completamente diferente. Está mais próximo de cientistas como Vernadsky, que acreditam que trazemos uma grande discrepância ao mundo com nossos pensamentos, ou melhor, com nossa interação incorreta uns com os outros.

De KabTV, “Close-Up. Europa Hoje”, 26/01/11

Comente