“A Raiz Do Caos Político Em Israel” (Times of Israel)

Michael Laitman, no The Times of Israel: “A Raiz Do Caos Político Em Israel

Os últimos anos testemunharam um crescente caos político em Israel. Quatro eleições em apenas dois anos são demais para qualquer país. Mas mesmo depois da quarta eleição, não há governo estável, ele está destruído por dentro, ameaçado de fora, e o sentimento predominante é que todos discordam de todos e detestam todos os outros. Há apenas uma solução para o impasse: parar de impor modos de governo incompatíveis que sejam bons para outras nações, mas não para Israel, e adaptar o sistema político que se adapte à natureza do povo.

O sistema político multipartidário de Israel não é a estrutura certa para o povo de Israel. Sempre tivemos opiniões múltiplas na nação; está em nossa natureza discordar, e rimos de nós mesmos que entre cada dois judeus você encontrará três opiniões. No entanto, o DNA de nosso povo é se unir acima dessas divisões e usar as tensões que elas criam para formar um vínculo mais forte do que qualquer vínculo pode formar.

Este modo de trabalho é a razão por trás do versículo do Rei Salomão (Pv 10:12), “O ódio suscita contendas, e o amor cobrirá todos os crimes”. Essa abordagem também está por trás de muitos outros textos que nossos sábios e pensadores escreveram ao longo da história.

Em Educação e Mundo, Martin Buber escreveu: “Somos obrigados ‎não a borrar as fronteiras entre as bolsas, mas sim reconhecer a realidade comum e compartilhar o teste de responsabilidade mútua. A separação dos corações é uma ‎doença que aflige as nações do nosso tempo… não há cura para isso, exceto para pessoas de diferentes círculos de visão ‎que precisam umas das outras com um coração puro para se esforçarem juntas para revelar a base comum”.

Em um espírito semelhante, o livro Likutey Halachot declara: “A vitalidade, o sustento e a correção de toda a criação são as pessoas de ‎concepções diferentes que se integram no amor, na unidade e na paz”. O livro Conselhos Diversos elabora ainda mais: “A essência da paz é conectar dois opostos. Portanto, não se assuste se você vir uma pessoa cuja opinião é completamente oposta à sua e achar que nunca conseguirá fazer as pazes com ela. Ou, quando você vir duas pessoas completamente ‎opostas uma à outra, não diga que é impossível fazer as pazes entre elas. Pelo contrário, a essência da paz é tentar fazer a paz entre dois opostos”.

Em outras palavras, a maneira correta de nosso povo trabalhar é ter várias opiniões dentro do mesmo partido, do mesmo corpo governante, mas, ao mesmo, tempo entender que nenhuma visão é certa, e somente uma decisão alcançada quando as pessoas se unem após diferenças foram reveladas é correto porque emergiu do ponto de unidade que está acima de qualquer opinião pessoal.

Somente se Israel trabalhar dessa maneira, terá um governo sólido e uma nação que o apoiará. Além disso, quando Israel se governar dessa maneira, terá o apoio do mundo, ao contrário da situação atual, em que o mundo mal pode deixar de nos dizer abertamente para sair da terra que nos concedeu em 29 de novembro de 1947.

Embora possa parecer impossível encontrar unidade acima de nossas diferenças, devemos lembrar que não estamos fazendo isso por nós mesmos, mas pelo mundo. Este será o combustível que poderá nos dar o impulso suficiente para realizar esta tarefa aparentemente impossível.

Nossos sábios nos ensinaram que se nos unirmos entre nós, uniremos o mundo. Assim, O Livro do Zohar escreve (Aharei Mot), “’Quão bom e quão agradável é que os irmãos também vivam juntos’. Estes são os amigos, pois eles se sentam inseparavelmente. A princípio, parecem pessoas em guerra, desejando se matar. Então ‎eles voltam a estar em amor fraterno.‎ … E vocês, os amigos que estão aqui, como vocês estavam em carinho e amor antes, não se separarão daqui em diante … e por seu mérito haverá paz ‎no mundo”. ‎

Ecoando isso, Raaiah Kook escreveu: “Se fomos arruinados e o mundo foi arruinado conosco através de um ódio infundado, seremos reconstruídos e o mundo será reconstruído conosco através de um amor infundado”.

Portanto, em tempos de grande divisão e antipatia, é nosso dever mais do que nunca se unir acima de nossas diferenças e dar o exemplo de unidade. Este é o único remédio para nossa incapacidade de estabelecer um governo sólido, uma sociedade sólida e uma vida pacífica.

Comente