“A Guerra Na Ucrânia Está Mudando O Mundo” (Times Of Israel)

Michael Laitman, no The Times of Israel: “A Guerra Na Ucrânia Está Mudando O Mundo

A guerra na Ucrânia é diferente de qualquer guerra que já existiu. Embora pareça local, esta guerra está mudando o mundo. No final, depois de toda a dor, as partes estabelecerão novos relacionamentos e novos relacionamentos serão estabelecidos em todo o mundo. Esta guerra é o início da formação de uma nova ordem mundial, onde todas as partes se unem contra o inimigo comum de toda a humanidade: o egoísmo. Levará tempo, mas todos os envolvidos perceberão, e o mundo inteiro com eles, que não estão lutando uns contra os outros, mas contra um inimigo dentro deles. Se deixarmos a ideia penetrar, mesmo que um pouco, ela vai acontecer ainda mais cedo.

A guerra que começou no final de fevereiro não terminará em breve. Levará muitos meses até que todos percebam que a guerra em si, o próprio conceito dela, é um mal. Nesse sentido, a guerra no Leste Europeu está corrigindo toda a humanidade, transformando nossa percepção e nossa compreensão do bem e do mal.

As baixas, os feridos e os bens perdidos são um preço terrível a pagar. No entanto, os processos globais sempre têm um custo. Não devemos culpar os outros pelo custo, e não devemos pensar que não há nada que cada um de nós possa fazer para mudar o mundo. Está nas mãos de cada pessoa mudar o mundo para melhor e fazer desaparecer as atrocidades da guerra e todas as atrocidades que os humanos estão infligindo uns aos outros. Tudo o que precisamos é perceber que o único inimigo está dentro de nós: nossa atitude egocêntrica. Ela nos incita uns contra os outros, demoniza e vilipendia qualquer um que discorde de nós, diz que somos os únicos autorizados neste mundo e, assim, coloca-nos uns contra os outros. Somos todos assim, infectados por uma pandemia de narcisismo.

No entanto, há muito que podemos fazer para mudar o mundo. Primeiro, devemos aceitar que há uma boa razão para sermos tão diferentes uns dos outros. Cada um de nós faz uma contribuição única para o mundo que ninguém mais pode. Se fôssemos todos iguais, as contribuições que recebemos dos outros, e das quais nossas vidas dependem, estariam ausentes, e não sobreviveríamos, no sentido mais físico da palavra.

Só perceberemos que nosso ego é o inimigo quando percebermos que singularidade é a palavra-chave errada para felicidade. Hoje, a palavra-chave para felicidade é complementaridade: satisfação mútua das necessidades materiais, sociais, emocionais e espirituais de cada um.

Estamos vivendo em um mundo onde todos dependemos uns dos outros. A comida que comemos, as roupas que vestimos e os aparelhos e aparelhos que usamos são todos feitos por pessoas que não conhecemos, em lugares que não conhecemos, e chegam até nós de maneiras que não conhecemos. Mas se não fosse por essa cadeia de milhares de indivíduos desconhecidos, não sobreviveríamos, pois não podemos suprir nossas necessidades sozinhos.

O mesmo vale para os laços sociais. Todas as nossas conexões, comunicações e interações com outras pessoas são possíveis com a ajuda de inúmeras pessoas que nos atendem sem que percebamos. Mas se não fosse por elas, não poderíamos trabalhar ou socializar.

Apesar desse fato óbvio, nos comportamos com os outros com a menor consideração possível e, quando somos gentis ou atenciosos, é porque temos um motivo egoísta e oculto. Não temos a prerrogativa de manter esse comportamento. Estamos destruindo o mundo e a nós mesmos.

Na década de 1930, Baal HaSulam, um grande pensador e um grande Cabalista, escreveu um ensaio épico intitulado “Paz no Mundo”. Nele, ele escreve: “O homem nasce inerentemente para levar uma vida social. Todo e qualquer indivíduo na sociedade é como uma engrenagem que está ligada a várias outras engrenagens colocadas em uma máquina”. Quão estranho é que noventa anos atrás, antes da Segunda Guerra Mundial, as pessoas já percebiam que somos todos dependentes uns dos outros e devemos nos comportar uns com os outros com consideração. Basta pensar no que poderíamos ter evitado se tivéssemos sido mais atentos e de mente aberta.

Agora, também, estamos caminhando para uma catástrofe, a menos que prestemos atenção e comecemos a agir como uma entidade, uma sociedade global que funciona como uma única família unida. A guerra mudará o mundo, mas espero que possamos mudar a nós mesmos antes que a guerra nos mude.

Comente