“A Fome É Possível No Mundo De Hoje?” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “A Fome É Possível No Mundo De Hoje?

Quando ouvimos falar de crises de fome, geralmente se referem a países mais pobres e devastados pela guerra na África ou na Ásia. Raramente pensamos em crises de fome quando pensamos na Europa ou nos Estados Unidos. Mas, recentemente, mais e mais vozes estão alertando que também pode haver fome e até inanição no Ocidente.

Estes não são meros medos; eles são baseados em medidas que os países já estão tomando para proteger sua população, muitas vezes às custas de outros países. A devastação relacionada à guerra da safra de trigo e óleo vegetal na Ucrânia foi apenas o começo. Agora, a Índia também proibiu as exportações de trigo devido à onda de calor que devastou grande parte de suas colheitas, e países ao redor do mundo estão sofrendo com a escassez de alimentos e um aumento de preços.

Crescendo na Rússia na década de 1950, eu morava em um bairro onde todos mantinham algumas galinhas e cultivavam vegetais e árvores frutíferas em seus quintais. Nos quintais de hoje, se alguém tiver a sorte de ter um, dificilmente encontrará terreno aberto para plantar qualquer coisa.

Além disso, naquela época, havia muito menos pessoas do que há hoje. Em 1950, havia apenas 2,5 bilhões de pessoas. Hoje, são quase oito. Sem comida suficiente, bilhões não apenas morrerão de fome, mas as guerras começarão e destruirão tudo. Pessoas famintas não têm restrições.

Para evitar tal cataclismo, precisamos parar a busca sem fim pela hegemonia e começar a nos relacionar com toda a humanidade como uma sociedade interdependente. Para nos relacionarmos com a sociedade dessa maneira, precisamos entender por que nós, a humanidade, estamos aqui em primeiro lugar. Sem entender para que estamos vivendo, não seremos capazes de planejar nosso futuro ou como nos relacionarmos uns com os outros. Em tal cenário, sem dúvida, terminaremos em estados terríveis.

Se pensarmos por que estamos aqui, perceberemos que não estamos aqui para oprimir outras pessoas ou nos orgulhar de nosso poder. Pelo contrário, estamos aqui para estabelecer uma sociedade harmoniosa de nossa própria criação. Assim como a natureza construiu o universo como um sistema harmonioso onde todas as partes se complementam, devemos construir uma sociedade humana na qual todas as pessoas se complementem. A diferença entre a natureza e a humanidade é que a natureza faz isso por meio de instintos, por meio de um programa embutido, enquanto nós temos que fazer isso por meio da consciência e por nossa própria vontade.

Ou seja, trabalhamos o oposto da natureza. Quando os animais estão bem alimentados, eles descansam e não incomodam ninguém. Nós, no entanto, nunca estamos saciados. Queremos mais de tudo o que temos, mais do que todo mundo tem e, no final, queremos tudo para nós e nada para os outros. Além dessa natureza voraz, devemos desenvolver uma sociedade humana baseada na reciprocidade e no equilíbrio, como toda a natureza. Como somos completamente opostos a isso, só podemos conseguir isso através de um esforço consciente e coletivo.

Ao fazer isso, descobriremos uma realidade muito mais profunda e ampla do que jamais poderíamos imaginar com nossa percepção egocêntrica atual. Descobriremos que o propósito de nossas vidas não é chafurdar no egoísmo, mas saltar para a percepção de toda a realidade, onde tudo está interligado e interdependente, e onde a vida é um fluxo sem fim.

As guerras e desastres que assolam nosso mundo são o “chicote” que a natureza usa para nos fazer crescer do nosso egocentrismo inato para a percepção expansiva da realidade. Quanto mais cedo começarmos a seguir esse caminho por nossa própria vontade, mais cedo o chicote da natureza desaparecerá e problemas como fome, guerra e doença serão coisa do passado.

Comente