“A Busca Implacável Da Honra” (Linkedin)

Meu novo artigo no Linkedin: “A Busca Implacável Da Honra

Sem a necessidade de honra, uma pessoa viveria tranquilamente em um canto. Então, há uma espécie de fogo interior que constantemente nos alimenta e nos compele a ter sucesso aos olhos dos outros. Eles devem nos apreciar, nos respeitar, falar sobre nós.

Honra é uma condição que não pode ser herdada, temos que trabalhar para isso. Tudo depende dos valores que são aceitos na sociedade. Pode ser uma sociedade que valoriza o dinheiro e símbolos de status, ou uma que valoriza a simplicidade e uma vida modesta. Uma sociedade criminosa que valoriza o poder e a violência, ou uma sociedade de artistas que valoriza a sensibilidade e a criatividade. Em ambos os casos, dependendo de nossas características inatas, da educação que recebemos e da sociedade que nos cerca, cada pessoa quer ganhar a atenção, o apreço e o respeito daqueles que a cercam. Sem isso, a pessoa não se sente inteira.

A qualquer momento, a sociedade nos fornece um modelo pelo qual somos medidos. Ela nos faz trabalhar, nos esforçar para nos tornarmos cada vez mais como este modelo de sucesso. Algumas pessoas estão dispostas a investir muito para serem lembradas bem depois de morrerem, porque o sentimento de dignidade não tem limites, nem de tempo, nem de lugar, nem de intensidade.

Honra, isso é bom ou ruim? Depende de como a tendência é usada. Para ilustrar, se eu quiser estimular uma criança a investir nos estudos e dizer a ela: ‘Você é melhor, você vai ser ótima, todos vão lhe respeitar’, estou dando a ela motivação para estudar, o que é bom. Por outro lado, se eu continuar rebaixando sua dignidade, eu destruo sua autoconfiança e nada acontece.

Em relação a nós mesmos, devemos examinar a direção em que o respeito nos conduz. Se o desejo de estar acima de tudo leva uma pessoa a agir à custa dos outros, a chutá-los no caminho para o cume, a controlá-los e manobrá-los, isso é honra destrutiva. A honra construtiva, por outro lado, é que eu quero ser respeitado justamente ajudando a todos, me sacrificando por eles, me preocupando com seu bem-estar. Se a sociedade me honra por tal atitude de minha parte como uma pessoa boa e generosa, isso é uma honra construtiva. Também será acompanhado por uma competição construtiva: quem de nós investe mais em benefício da sociedade.

Por causa da natureza egoísta dos seres humanos, há uma tendência a menosprezar os outros em vez de respeitá-los. Uma sociedade egoísta coloca todos sob pressão constante: minha dignidade está sendo violada? Você está me dando o respeito que eu mereço? Existe alguém mais respeitável do que eu? No geral, essa pressão nos coloca em uma competição acirrada que destrói nossos relacionamentos, nossa saúde e nossas vidas.

O desenvolvimento social e pessoal melhora quando aprendemos a usar a sabedoria da conexão. No geral, este método muda nossa natureza egoísta para uma natureza de doação. Com sua ajuda, chegamos a uma situação em que nos conectamos como um homem com um coração.

Gradualmente você começa a sentir um poder especial de doação, amor e dação. Uma força de união e unificação. Torna-se fonte de uma inspiração especial de respeito mútuo. É um sentimento sublime, espiritual, maravilhoso. Todos se sentem inteiros, especialmente em conexão com os outros. É uma honra para a pessoa estar em tal relacionamento com todos.

Respeito mútuo significa que eu respeito o outro e ele me respeita, porque somente juntos podemos construir um sistema de comunicação no qual o mesmo poder supremo se revela. Não subestimo ninguém porque me sinto dependente dos outros para o meu desenvolvimento pessoal. Para ser mais preciso, podemos dizer que não respeitamos uns aos outros, mas o estado de conectividade comum que foi construído. E isso é uma honra muito especial.

Em poucas palavras, aqueles que querem ser respeitados são recomendados a aprender e também ensinar aos outros como se conectar adequadamente, como se elevar juntos ao grau de existência mais digno que existe.

Comente